Você está na página 1de 5

Governo de Itamar Franco

 1992 – 1994
 Plebiscito
 Plano Real
 CPI do Orçamento
1992 – 1994

Eleito Vice-presidente da República, o mineiro


Itamar Augusto Cautiero Franco assumiu a presidência
interinamente entre outubro e dezembro de 1992, e em
caráter definitivo em 29 de dezembro de 1992, após o
Impeachment de Fernando Collor de Mello.
Ele cumpre o restante do mandato cuja duração vai
até 31 de dezembro 1994. Itamar recebe um país
traumatizado pelo processo que levou à destituição do
Presidente e procura administrá-lo com equilíbrio.
Ao deixar o governo, seu índice de popularidade
está entre os mais altos da República.
Plebiscito

Em Abril de 1993, cumprindo com o previsto na


Constituição, o governo realiza um plebiscito para a
escolha da forma e do sistema de governo no Brasil.
Quase 30% dos votantes, não compareceram ao
plebiscito ou anularam o voto.
Dos que comparecem às urnas, 66% votaram a
favor da república, contra 10% favoráveis à monarquia.
O presidencialismo recebeu cerca de 55% dos votos, ao
passo que o parlamentarismo obteve 25% dos votos.
Em função dos resultados, foi mantido o regime
republicano e presidencialista.
Plano Real

No campo econômico, o governo enfrenta


dificuldades com a falta de resultados no combate à
inflação. Os ministros da Fazenda sucedem-se até que
Fernando Henrique Cardoso é nomeado para o cargo.
No final de 1993, ele anuncia várias medidas para
estabilizar a moeda. Em 1º de julho de 1994 é
implantado o Plano Real, novo pacote econômico que,
entre outras disposições, muda a moeda de cruzeiro real
para real.
CPI do Orçamento
Entre 1993 e 1994, uma comissão parlamentar de
inquérito (CPI) do Congresso Nacional investiga
irregularidades na elaboração do Orçamento da União.
A CPI prova o envolvimento de ministros,
parlamentares e altos funcionários em um esquema de
manipulação das verbas públicas, que eram desviadas
para empreiteiras e apadrinhados políticos.
A autoridade do presidente, contudo, não é abalada
pelo resultado das investigações. No final de seu
mandato, Itamar Franco apóia a candidatura do ministro
da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, à Presidência
da República.