Você está na página 1de 7

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

2009/2010

Biblioteca Escolar

24 DE OUTUBRO

Dia das Nações Unidas

Após a Segunda Guerra Mundial, um


apreciável número de países reuniu-se
e redigiu a Carta das Nações Unidas,
com o principal objectivo de manter a
paz e a segurança internacionais. A
data da assinatura desse documento
pela maioria dos signatários - 24 de
Outubro de 1945 - foi escolhida para
assinalar O Dia das Nações Unidas
(ONU).

in http://www.leme.pt/historia/efemerides/1024/ (adaptado)
ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

2009/2010

Biblioteca Escolar

Bertolt Brecht
(Augsburgo, 1898 - Berlim, 1956)

Escritor e dramaturgo alemão. Adere desde muito cedo ao expressionismo e


vê-se obrigado a fugir da Alemanha em 1933, após escrever a Lenda do
Soldado Morto, obra pacifista que provoca a sua perseguição pelos nazis. Ao
iniciar-se a Segunda Guerra Mundial começa uma longa peregrinação por
diversos países. Em 1947, perseguido, vai para os Estados Unidos. A partir de
1949, e até à sua morte, dirige na Alemanha Oriental uma companhia teatral
chamada Berliner Ensemble.

A produção teatral de Brecht é abundante. No conjunto das suas obras tenta


lançar um olhar lúcido sobre o mundo moderno. Na Ópera de Três Vinténs
dirige o seu olhar crítico para a organização social. Na intenção de actualizar o
teatro épico, escreve uma série de obras em que recorre às canções e aos
cartazes explicativos.

Em Vida de Galileu, obra que não deixa de aperfeiçoar desde a sua primeira
redacção, Brecht centra-se no papel e na responsabilidade do intelectual.

Bertolt Brecht é, além de dramaturgo, um importante teórico teatral. Nos seus


Estudos sobre Teatro expõe a sua concepção cénica, baseada na necessidade
de estabelecer uma distância entre o espectador e os personagens, a fim de
que o ponto de vista crítico do autor desperte no espectador uma tomada de
consciência.

Destaca-se também na poesia, de forte conteúdo social.

in http://www.vidaslusofonas.pt/bertold_brecht.htm (adaptado)
ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

2009/2010

Biblioteca Escolar

Sobre a Construção de Obras Duradouras

Quanto tempo
Duram as obras? Tanto
Quanto o preciso pra ficarem prontas.
Pois enquanto dão que fazer
Não ruem.

Convidando ao esforço
Compensando a participação
A sua essência é duradoura enquanto
Convidam e compensam.

As úteis
Pedem homens
As artísticas
Têm lugar pra a arte
As sábias
Pedem sabedoria
As destinadas à perfeição
Mostram lacunas
As que duram muito
Estão sempre pra cair
As planeadas verdadeiramente em grande
Estão por acabar.

Incompletas ainda
Como o muro à espera da hera
(Esse esteve um dia inacabado
Há muito tempo, antes de vir a hera, nu!)
Insustentável ainda
Como a máquina que se usa
Embora já não chegue
Mas promete outra melhor.
Assim terá de construir-se
A obra pra durar como
A máquina cheia de defeitos.

Bertold Brecht, in 'Lendas, Parábolas, Crónicas, Sátiras e outros


Poemas'
Tradução de Paulo Quintela
ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

2009/2010

Biblioteca Escolar

Os Grandes Homens aborrecem-se sem os


Pequenos

Uma companhia formada exclusivamente de


grandes homens seria pouco numerosa e
pareceria triste. Os grandes homens não se
podem tolerar uns aos outros, e falta-lhes
espírito. É bom misturá-los com os pequenos.

Anatole France, in 'As Opiniões do Sr. Jérôme Coignard'


ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

2009/2010

Biblioteca Escolar

Anatole France
Jacques Anatole François Thibault, mais conhecido como Anatole
France (Paris, 16 de Abril de 1844 — Saint-Cyr-sur-Loire, 12 de Outubro
de 1924) foi um escritor francês.

De tom céptico, as suas publicações obtiveram grande sucesso. O seu


primeiro grande êxito foi 0 Crime de Silvestre Bonnard, premiado pela
Academia francesa. Outras obras são: Thais, 0 Lírio Vermelho, O poço de
Santa Clara, A rebelião dos anjos, etc.

Tendo sido primeiramente bibliotecário do Senado, foi eleito para a


Academia francesa em 23 de Janeiro de 1896, para a poltrona 38, onde
sucede a Ferdinand de Lesseps. Foi recebido na Academia Francesa em 24
de Dezembro de 1896.

Anatole France apoiou Émile Zola no caso Dreyfus; no dia seguinte à


publicação do "J'accuse", assinou a petição que pedia a revisão do
processo. Devolveu a sua Legião de Honra quando foi retirada a de Zola.
Participou na fundação da Liga dos Direitos do Homem.

Foi laureado com o Nobel de Literatura de 1921, pelo conjunto da sua


obra.

in http://pt.wikipedia.org/wiki/Anatole_France (com supressões e adaptações)

Você também pode gostar