Você está na página 1de 4

venosas.A coleta de sangue venoso e a punção venosa periférica para o início da terapia endovenosa é executada geralmente usando um torniquete com a finalidade de localizar uma veia através do “represamento” do retorno venoso para coleta de sangue estão em falta. O objetivo deste manual é fornecer orientações práticas e seguras na técnica de garroteamento do membro para canulação de veias periféricas. 2 . fazse necessário uma série de observações referentes a avaliação da pele. condições clínicas do membro a ser garroteado. esvaziamento ganglionar e outros. onde o pulso deverá ser facilmente palpável na região distal ao torniquete. presença de fístulas artério. Gestão de Riscos no Garroteamento do Membro O garroteamento seguro e eficaz do membro tem como principal objetivo a distenção venosa pelo impedimento do retorno venoso sem comprometimento do fluxo arterial. Sua aplicação deverá acontecer no local próximo a inserção do catéter venoso periférico. Para uma aplicação segura e isenta de riscos durante o garroteamento do membro para punção venosa.

1 Possui contra-indicação absoluta para o garroteamento. membros que apresentem: 3 .

Evite manter o membro garroteado por um período prolongado de tempo. 3. considerando a gestão na prevenção de alergia a pacientes alérgicos.3 2 1. 2.Utilize garrotes de material isento de látex.Ipsum obstrução da circulação.O garrote deve ser de uso único evitando a contaminação cruzada entre os pacientes. 4 .Utilizar garrotes que apresentem um modelo de liberação rápida permitindo seu uso apenas com uma das mãos. pois essa ação reduz a ansiedade e previne a . 4.