Você está na página 1de 112

CLASSIFICAÇÃO

DE ÁREA E
ATMOSFERA
EXPLOSIVA
Autor: Eduardo Coimbra de Almeida
Co-Autor: Roberto Ferreira Coelho Filho

CLASSIFICAÇÃO
DE ÁREA E
ATMOSFERA
EXPLOSIVA

Órgão gestor: E&P-CORP/RH .Este é um material de uso restrito aos empregados da PETROBRAS que atuam no E&P. Este material foi classificado como INFORMAÇÃO RESERVADA e deve possuir o tratamento especial descrito na norma corporativa PB-PO-0V4-00005“TRATAMENTO DE INFORMAÇÕES RESERVADAS". É terminantemente proibida a utilização do mesmo por prestadores de serviço ou fora do ambiente PETROBRAS.

• Reconhecer a importância da utilização de equipamentos elétricos adequados a cada área classificada. • Identificar a importância da ventilação na definição de uma área classificada. • Reconhecer o que é o plano de classificações de áreas e os documentos que o compõe. classificação de área e atmosfera explosiva. distinguindo os critérios de classificação especificados pelas mesmas. reconhecendo suas “zonas” e fontes de risco e as diferentes normas referentes à classificação de áreas. • Identificar as normas aplicáveis. .CLASSIFICAÇÃO DE ÁREA E ATMOSFERA EXPLOSIVA Autor: Eduardo Coimbra de Almeida Co-Autor: Roberto Ferreira Coelho Filho Ao final desse estudo. • Definir áreas classificadas. o treinando poderá: • Compreender os principais conceitos relacionados à combustão.

.

Ele se estende para além dessas páginas. Programa Alta Competência . de modo a facilitar a formação de novos empregados e a reciclagem de antigos. O objetivo deste material é contribuir para a disseminação das competências.Programa Alta Competência Este material é o resultado do trabalho conjunto de muitos técnicos da área de Exploração & Produção da Petrobras. que se concretiza no envolvimento de todos os que têm contribuído para tornar a Petrobras a empresa mundial de sucesso que ela é. o Alta Competência tem como premissa a participação ativa dos técnicos na estruturação e detalhamento das competências necessárias para explorar e produzir energia. a experiência de anos de dedicação e aprendizado no exercício das atividades profissionais na Companhia. que a Petrobras conta para enfrentar os crescentes desafios com os quais ela se depara no Brasil e no mundo. Trabalhar com o bem mais precioso que temos – as pessoas – é algo que exige sabedoria e dedicação. Este material é um suporte para esse rico processo. visando prover os meios para adequar quantitativa e qualitativamente a força de trabalho às estratégias do negócio E&P. de forma estruturada. É com tal experiência. refletida nas competências do seu corpo de empregados. Realizado em diferentes fases. uma vez que traduz. o E&P criou o Programa Alta Competência. Nesse contexto.

.

Objetivo Geral . ATERRAMENTO DE SEGURANÇA Autor Ao final desse estudo. • Relacionar os principais tipos de sistemas de aterramento de segurança e sua aplicabilidade nas instalações elétricas. o treinando poderá: • Identificar procedimentos adequados ao aterramento e à manutenção da segurança nas instalações elétricas.Como utilizar esta apostila Esta seção tem o objetivo de apresentar como esta apostila está organizada e assim facilitar seu uso. No início deste material é apresentado o objetivo geral. • Reconhecer os riscos de acidentes relacionados ao aterramento de segurança. o qual representa as metas de aprendizagem a serem atingidas.

ou sempre que for julgado necessário à segurança. a obediência nça..) durante os trabalhos de reparação. Capítulo 1 48 Riscos elétricos e o aterramento de segurança Ao final desse capítulo. a maior fonte sária.. 2005. os cuidados e critérios relacionados a riscos elétricos. Roberto Ferreira. Standard for the Installation Protection Systems. 2005. 2004. Os gabaritos dos exercícios estão nas últimas páginas do capítulo em questão. 2005. (V) Se uma pessoa tocar a parte metálica. 2) Projeto de aterramentoa de segurança em unidades marítimas. dispositivos.4.mte. • Relacionar os principais tipos de sistemas de aterramento de segurança e sua aplicabilidade nas instalações elétricas. sobrecorrentes. conforme. como alarme e seccionamento automático para Manuais de Cardiologia. 25 .CONTEC. _______________________________________________________________ Curso técnico de segurança do trabalho. por meios seguros. Associação o caso: Brasileira de Normas Técnicas. Disponível em: <http://www. aquecimentos ou outras condições anormais de operação. de estruturas contra descargas atmosféricas.Acesso em: 20 mai.. Norma Brasileira ABNT NBR-5410. equipamentos e sistemas destinados à aplicação em instalações elétricas (V) Em um choque elétrico.) devem ser adotados dispositivos de proteção. 2008.Acessoanormais em: 20 mai.” (V) O contato direto ocorre quando a pessoa toca as partes normalmente energizadas da instalação elétrica. Correlacione-os aos tipos de riscos. o treinando poderá: • Reconhecer os tipos de riscos elétricos decorrentes do uso de equipamentos e sistemas elétricos. por meios seguros.Acesso em: 14 mar. National ( ) of Lightining “Nas instalações elétricas de Fire Protection Association. “Os materiais..gov. se houver falha no isolamento desse equipamento. aquecimentos ou Mundo Educação. No final de cada capítulo encontram-se os exercícios.” (B) “Nas partes das instalações elétricas sob tensão. Disponível em: <http://mundoeducacao. 2008.htm> . o corpo da pessoa pode atuar como um “fio terra”. que devem ser utilizados como orientadores ao longo do estudo. Segurança em instalações e serviços em projetadas e executadas de modo que seja possível eletricidade.. Riscos em instalações e serviços com eletricidade. inscrições de advertência. Aterramento de sistemas 1) Que relação podemos estabelecer entre elétricos . (.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_10. marcando A ou B. o caso: Apresentamos.. no âmbito do Sistema Brasileiro de Certificação. Associação Brasileira de Normas Técnicas. de operação. elétrico e todos os outros tipos de acidentes.” “Todas as partes das instalações elétricas devem ser Norma Regulamentadora NR-10. Instalações elétricas de baixa tensão.med. as suas isolamento. No início de cada capítulo são apresentados os objetivos específicos de aprendizagem. não energizada. de um equipamento não aterrado. A) Risco de incêndio e explosão Correlacione-os aos tipos de riscos. (. Disponível em: <http://www. como alarme e seccionamento automático para prevenir sobretensões.htm> . inscrições de advertência.Acesso em: 20 mai.” (A) “Os materiais.) devem ser adotados dispositivos de proteção. ( ) 24 Capítulo 1.com. conforme. bandeirolas e demais meios de sinalização que chamem a atenção quanto ao risco. UN-BC/ST/EMI – aterramento de segurança? Elétrica. Capítulo 1. Ministério do Trabalho e Emprego.) durante os trabalhos de reparação. ou sempre que for julgado necessário à segurança. 1. Riscos elétricos e o aterramento de segurança Alta Competência mo está relacionada a e do tipo de es durante toda na maioria das mantê-los sob is. falhas de isolamento. a seguir.” outras condições ( ) “Nas partes das instalações elétricas Mundo Ciência. _______________________________________________________________ COELHO FILHO.7. além das ole. áreas classificadas (. os perigos de choque elétrico e todos os outros tipos de acidentes. devem ser colocadas placas de aviso. 2007.htm> . 2008.com. br/Arritmia/Fibrilacaoatrial.. 2004.inspeção e medição da resistência de aterramento.” NFPA 780. materiais ou Objetivo Específico • Estabelecer a relação entre aterramento de segurança e riscos elétricos.manuaisdecardiologia. trechos de Normas Técnicas que abordam os cuidados e critérios relacionados a riscos elétricos.uol.. 1. 2008. poderá receber uma descarga elétrica.O material está dividido em capítulos. peças.. prevenir sobrecorrentes. seguir.br/doencas/ parada-cardiorespiratoria.. A) Risco Proteção de incêndio e explosão B) Risco Norma Brasileira ABNT NBR-5419. os perigos de choque www. 1) Que relação podemos estabelecer entre riscos elétricos e aterramento de segurança? riscos elétricos e O aterramento de segurança é uma das formas de minimizar os riscos decorrentes do uso de equipamentos e sistemas elétricos.pdf> . (F) Apenas as partes energizadas de um equipamento podem oferecer riscos de choques elétricos. 2) Apresentamos.sobretensões. dispositivos. ( ) 3) Marque V para verdadeiro e F para falso nas alternativas a seguir: sob tensão. Ronaldo Sá. bandeirolas e demais meios de sinalização que chamem a atenção quanto ao risco.” (A) “Nas instalações elétricas de áreas classificadas (.6. Comissão de abordam Normas Técnicas . peças. Paulo Alberto e VIANA. Gabarito CARDOSO ALVES. Riscos elétricos e o aterramento de segurança de contato “Todas as partes das instalações elétricas devem ser projetadas e executadas de modo que seja possível prevenir. equipamentos e sistemas destinados à aplicação em instalações elétricas (.mundociencia. falhas de B) Risco de contato (B) 21 Para a clara compreensão dos termos técnicos. marcando A ou B.br/fi sica/eletricidade/ choque. que visam avaliar o alcance dos objetivos de aprendizagem. devem ser colocadas placas de aviso.) devem ser avaliados quanto à sua conformidade. Bibliografi a Exercícios 1. 2005. Disponível em: <http:// prevenir. trechos de Normas Técnicas que Norma Petrobras N-2222.

Pr atmosféricas. pois estão em destaque. 2004. precisa ser bem projetado e construído. Alta Competência Capítulo 3.inspeção e medição da re Elétrica. 49 3. Bibliografia Choque elétrico – conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos. diminuindo os riscos de choque elétrico por contato indireto e de incêndio e explosão. A cada intervenção nestes equipamentos e dispositivos. antecipando problemas e.3. os Para a clara compreensão dos termos técnicos. Projeto de marítimas. 2008. É importante lembrar que Norma Petrobras N-2222 define o valor de 1Ohm. Além disso. CARDOSO ALVES. 2005.br/legislacao/normas_ em: 14 mar. ao interagir diariamente com os equipamentos elétricos. que se manifesta no organismo humano ou animal. COELHO FILHO. deve ser mantido em perfeitas condições de funcionamento.gov. esses termos podem ser facilmente Para que o aterramento de segurança possa cumprir corretamente o identifi cados. medido com multímetro DC (ohmímetro). riscos e cuidados com aterramento de segurança T odas as Unidades de Exploração e Produção possuem um plano de manutenção preventiva de equipamentos elétricos (motores. Standard for the Installation Fire Protection Association. Ohm – unidade de medida padronizada pelo SI para medir a resistência elétrica. . Associação Brasileira d Norma Regulamentadora NR-10. geradores. Paulo Alberto e VIAN elétricos . transformadores e outros). sistemasestão de aterramento envolvidosno nestes equipamentos. Nesse processo.1. 2007. Riscos – Curso técnico de segurança do trab Ohmímetro – instrumento que mede a resistência elétrica em Ohm. painéis elétricos. e • Elevada resistência elétrica de contato. pode detectar imediatamente alguns tipos de anormalidades. pois.4. Problemas operaciona 3. o operador tem importante papel. NFPA 780. quando este é percorrido por uma corrente elétrica. Instala Brasileira de Normas Técnicas. Problemas operacionais Os principais problemas operacionais verificados em qualquer tipo de aterramento são: • Falta de continuidade.5. as suas mantenedores avaliam a necessidade ou não da realização de inspeção definos nições disponíveis glossário. Norma Petrobras N-2222. como o máximo admissível para resistência de contato. Roberto Ferreira. principalmente. Seg eletricidade. Comissão de Normas Técn Norma Brasileira ABNT NBR-5410. seu papel.Ao longo dos textos do capítulo. Problemas operacionais. Ministério do Trabalho www.mte. 56 Norma Brasileira ABNT NBR-5419. Glossário 3.

poderá receber uma descarga elétrica.) devem ser avaliados quanto à sua conformidade. em um processo similar 85 86 87 88 89 90 91 92 93 25 94 95 96 98 100 102 104 105 106 108 110 112 114 115 Capítulo 1. • Lançadores e recebedores deverão ter suas .” (B) “Nas partes das instalações elétricas sob tensão. Alta Competência NÍVEL DE RUÍDO DB (A) 1. 2008. o caso: Norma Petrobras N-2222. inscrições de advertência. conforme. ela se torna um material duro e resistente. ATENÇÃO Os riscos de incêndio e explosão estão presentes em qualquer instalaçãoÉ e muito seu descontrole se traduz em os danos importante que principalmente você conheça específicosoperacional.86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 98 100 102 104 105 106 108 110 112 114 115 Caso sinta necessidade de saber de onde foram retirados os insumos para o desenvolvimento do conteúdo desta apostila. 2) Apresentamos. Disponível em: <http://www.C. (A) “Os materiais. como por ex • A escolha do tipo de aterramento fu ao ambiente. sobrecorrentes.gov. 2005. Paulo Alberto e VIANA. Norma Brasileira ABNT NBR-5419. UN-BC/ST/EMI – Elétrica. Comissão de Normas Técnicas . Associação Brasileira de Normas Técnicas. Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas. Disponível em: <http:// www. equipamentos e sistemas destinados à aplicação em instalações elétricas (. O âmbar é o nome dado à resina produzida por pinheiros que protege a árvore de agressões externas.htm> .med. Informe-se junto a ela! fogo no ambiente elétrico e possibilidade de ignição de atmosfera potencialmente explosiva por descarga descontrolada de eletricidade estática. inspecione o interior do lançador. o corpo da pessoa pode atuar como um “fio terra”.br/fisica/eletricidade/ choque.) durante os trabalhos de reparação.7. A) Risco de incêndio e explosão B) Risco de contato (B) “Todas as partes das instalações elétricas devem ser projetadas e executadas de modo que seja possível prevenir.” 3) Marque V para verdadeiro e F para falso nas alternativas a seguir: (V) O contato direto ocorre quando a pessoa toca as partes normalmente energizadas da instalação elétrica. questões Devido às “Importante” é um lembrete essenciais do baixas temperaturas do oceano. inspecione internamente o recebedor de pigs. ou tenha interesse em se aprofundar em determinados temas. • A seleção dos dispositivos de proteção • A correta manutenção do sistema elét O aterramento funcional do sist como função permitir o funcion e eficiente dos dispositivos de pro sensibilização dos relés de proteçã uma circulação de corrente para a por anormalidades no sistema elétr ao da arteriosclerose.Acesso em: 14 mar.CONTEC. A caixa “Você Sabia” traz curiosidades a respeito do conteúdo abordado Alta deCompetência um determinado item do capítulo. sua Unidade.” NFPA 780. Recomendações gerais • Antes do carregamento do pig.Acesso em: 20 mai. no âmbito do Sistema Brasileiro de Certificação.. Curso técnico de segurança do trabalho. 24 Capítulo 1. Com o tempo. a parafina se acumula nas paredes da tubulação.Acesso em: 20 mai.6. Manuais de Cardiologia.. ou sempre que for julgado necessário à segurança. como alarme e seccionamento automático para prevenir sobretensões. br/Arritmia/Fibrilacaoatrial. Após sofrer um processo semelhante à fossilização. aquecimentos ou outras condições anormais de operação.com. 2004.. se houver falha no isolamento desse equipamento.1.” (A) “Nas instalações elétricas de áreas classificadas (. (F) Apenas as partes energizadas de um equipamento podem oferecer riscos de choques elétricos. por meios seguros. peças. Gabarito CARDOSO ALVES. sobrecorrentes. Mundo Educação. O aterramento de segurança é uma das formas de minimizar os riscos decorrentes do uso de equipamentos e sistemas elétricos. a seguir. procedimentos materiais e de continuidade em poços na sua Unidade. Bibliografia 1.. Riscos elét Trazendo este conhecimento para a realid observar alguns pontos que garantirão o incêndio e explosão nos níveis definidos pela durante o projeto da instalação.manuaisdecardiologia. 2008. Ao longo de todo o material. Projeto de aterramento de segurança em unidades marítimas. Cada uma delas tem objetivos distintos.mundociencia. Standard for the Installation of Lightining Protection Systems. trechos de Normas Técnicas que abordam os cuidados e critérios relacionados a riscos elétricos.) a primeira observação de um fenômeno relacionado com a eletricidade estática. devem ser colocadas placas de aviso. falhas de isolamento. a bloquear o fluxo de óleo. Mundo Ciência. 2005. marcando A ou B.br/doencas/ parada-cardiorespiratoria. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Aterramento de sistemas elétricos . (F) A queimadura é o principal efeito fisiológico associado à passagem da corrente elétrica pelo corpo humano. (V) Se uma pessoa tocar a parte metálica. • Após a retirada de um pig. Riscos de incêndio e explosão IMPORTANTE! Podemos definir os riscos de incêndio e explosão da seguinte forma: É muito importante que você conheça os tipos de pig de limpeza e de pig instrumentado mais utilizados na Situações associadas à presença de sobretensões.mte. Norma Brasileira ABNT NBR-5410. Ministério do Trabalho e Emprego. não energizada.com. de um equipamento não aterrado. Informe-se e saiba quais são eles. Disponível em: <http://www. 2005. Riscos elétricos e o aterramento de segurança Norma Regulamentadora NR-10. 2008. Segurança em instalações e serviços em eletricidade.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_10. Roberto Ferreira. Correlacione-os aos tipos de riscos.Acesso em: 20 mai.htm> . 2005.) devem ser adotados dispositivos de proteção.. Instalações elétricas de baixa tensão. bandeirolas e demais meios de sinalização que chamem a atenção quanto ao risco.pdf> .. 2008. Disponível em: <http://mundoeducacao. caixas de destaque estão presentes. os perigos de choque elétrico e todos os outros tipos de acidentes.uol. Observe no diagrama a seguir os principais ris à ocorrência de incêndio e explosão: 1. basta consultar a Bibliografia ao final de cada capítulo. RESUMINDO. Ronaldo Sá.inspeção e medição da resistência de aterramento.htm> . (V) Em um choque elétrico. Ele teria esfregado um fragmento de âmbar com um tecido seco e obtido um comportamento inusitado – o âmbar era capaz de atrair pequenos pedaços de palha.556 a. National Fire Protection Association. (.. Riscos em instalações e serviços com eletricidade. É atribuído a Tales de Mileto (624 . ? Os riscos VOCÊ elétricosSABIA? de uma instalação são divididos em dois grupos principais: 14 MÁXIMA EXPOSIÇÃO DIÁRIA PERMISSÍVEL 8 horas 7 horas 6 horas 5 horas 4 horas e 30 minutos 4 horas 3 horas e 30 minutos 3 horas 2 horas e 40 minutos 2 horas e 15 minutos 2 horas 1 hora e 45 minutos 1 hora e 15 minutos 1 hora 45 minutos 35 minutos 30 minutos 25 minutos 20 minutos 15 minutos 10 minutos 8 minutos 7 minutos Uma das principais substâncias removidas em poços de petróleo pelo pig de limpeza é adas parafina. dispositivos. 1) Que relação podemos estabelecer entre riscos elétricos e aterramento de segurança? COELHO FILHO. a massa pode conteúdo tratadovirno capítulo. para passagem de pig pessoais.. 2007. 2004.

Devido às baixas temperaturas do oceano. a massa pode • Lançadores e recebedores deverão ter suas vir a bloquear o fluxo de óleo. scos elétricos associados Em “Atenção” estão destacadas as informações que não IMPORTANTE! devem ser esquecidas. inspecione o interior do lançador. inspecione internamente petróleo pig dede limpeza é a parafina. em um processo similar ao da arteriosclerose.. Informe-se e saiba quais são eles.. trico. Recomendações gerais • Antes do carregamento do pig. inspecione o VOCÊ SABIA? interior do lançador. provocada rico. Uma das principais substâncias removidas em poços de • Apóspelo a retirada um pig. ? MÁXIMA EXPOSIÇÃO DIÁRIA PERMISSÍVEL 8 horas 7 horas 6 horas 5 horas 4 horas e 30 minutos 4 horas 3 horas e 30 minutos 3 horas 2 horas e 40 minutos 2 horas e 15 minutos 2 horas 1 hora e 45 minutos 1 hora e 15 minutos 1 hora 45 minutos 35 minutos 30 minutos 25 minutos 20 minutos 15 minutos 10 minutos tricos e o aterramento de segurança 8 minutos 7 minutos de limpeza e de pig instrumentado mais utilizados na sua Unidade. uncional mais adequado • Lançadores e recebedores deverão ter suas Aproveite este material para o seu desenvolvimento profissional! o e controle. 15 . RESUMINDO. podemos controle dos riscos de as normas de segurança xemplo: tema elétrico tem namento confiável oteção. Informe-se e saiba quais são eles. em poços abordados na sua Unidade.7 horas 6 horas 5 horas 4 horas e 30 minutos 4 horas 3 horas e 30 minutos 3 horas 2 horas e 40 minutos 2 horas e 15 minutos 2 horas 1 hora e 45 minutos 1 hora e 15 minutos 1 hora 45 minutos 35 minutos 30 minutos 25 minutos 20 minutos 15 minutos 10 minutos 8 minutos 7 minutos ao da arteriosclerose. É muito importante que você conheça os tipos de pig Todos os recursos• Antes didáticos presentes nesta apostila têm do carregamento do pig. Com o tempo.. a parafina se acumula o recebedor de pigs. através da ão. Informe-se junto a ela! ATENÇÃO Já a caixa de destaque é uma É muito “Resumindo” importante que você conheça os versão compacta procedimentos específicos para passagem de pig dos principais pontos no capítulo. Informe-se junto a ela! ATENÇÃO É muito importante que você conheça os procedimentos específicos para passagem de pig em poços na sua Unidade. dade do E&P. nas paredes da tubulação. Recomendações gerais • Após a retirada de um pig. RESUMINDO.. como objetivo facilitar o aprendizado de seu conteúdo. IMPORTANTE! É muito importante que você conheça os tipos de pig de limpeza e de pig instrumentado mais utilizados na sua Unidade. quando existe a terra. inspecione internamente o recebedor de pigs.

.

3.Sumário Introdução Capítulo 1 .2.1. O conceito de “zona” 2. Relação entre combustão.2.A combustão e sua relação com áreas classificadas Objetivos 1.5. Eventos catastróficos 2. A combustão e sua relação com áreas classificadas 1.6. Gabarito 33 35 35 36 37 39 41 42 43 Capítulo 3 .4. Temperatura 1. Bibliografia 1.Classificação de áreas Objetivos 3.1. classificação de área e atmosfera explosiva 1. Glossário 1. Triângulo do fogo 1.3.Áreas classificadas Objetivos 2. Exercícios 1.6. Fonte de risco 2.7.1. Critérios da American Petroleum Institute (API) 51 . Exercícios 2. Gabarito 15 17 19 20 21 23 24 25 26 29 30 31 Capítulo 2 .3. Densidade relativa de gás ou vapor 1.1.7.1.1. Classificação de áreas 3. Limites de inflamabilidade 1. Tipo de substância 3. Critérios da International Electrotechnical Commission (IEC) 45 47 49 3. Glossário 2. Áreas classificadas 2.8. Tipo de indústria 3.5.2.2.1.4. Bibliografia 2.9. Temperatura de ignição das substâncias inflamáveis 49 49 50 3.

2.3.4. Plano de classificação de áreas 6. Imerso em óleo (Ex o) / Imerso em areia (Ex q) / Imerso em resina (Ex m) 4.5. Pressurizado (Ex p) 4.5. À prova de explosão (Ex d) 4. Segurança aumentada (Ex e) 4.6.Plano de classificação de áreas Objetivos 6.Equipamentos elétricos em áreas classificadas Objetivos 4.1.3.1. Exercícios 3.1.1.5. Glossário 6. Equipamentos elétricos em áreas classificadas 4.1.3.1.Influência da ventilação em áreas classificadas Objetivo 5. Exercícios 5.1. Gabarito 57 59 60 60 61 62 63 63 64 64 64 66 69 71 72 73 Capítulo 5 . Glossário 5.2. Gabarito 75 77 80 81 82 83 Capítulo 6 . Bibliografia 4. Bibliografia 6.6. Bibliografia 3. Grau de proteção 4. Exercícios 4.4.1.1. Glossário 3. Não acendível (Ex n) 4.4. Gabarito 85 87 87 87 89 93 95 96 97 . Listas de dados para áreas classificadas 6. Tipos de proteção 4. Plantas de classificação de áreas 6.7. Segurança intrínseca (Ex i) 4.6.1. Documentação 6.1.3. Especial (Ex s) 4.2.2.2. Certificado de conformidade dos equipamentos 4. Exercícios 6. Gabarito 53 54 55 56 Capítulo 4 . Bibliografia 5.7. Glossário 4.3.4.4. Influência da ventilação em áreas classificadas 5.1.3.1.1.5.

Essa classificação contém informações sobre o tipo de substância inflamável que pode estar presente no local. podem se constituir em fontes de ignição ocasionadas por centelhamento normal. ao operarem em atmosferas potencialmente explosivas. Para que a energia elétrica das plataformas não se constitua em perigo. representada por um desenho básico utilizado no desenvolvimento de toda instalação elétrica da indústria. é necessário que se providenciem meios de segurança e proteção das instalações elétricas. sobre a probabilidade dessa substância estar presente no meio externo e quais os limites da área com risco de presença de atmosfera explosiva. normas técnicas que garantem um nível de segurança aceitável para as instalações. RESERVADO 15 . com o fim de atender a uma função própria do equipamento ou provocada por correntes de defeito. Os equipamentos elétricos. Essa temperatura elevada pode ser intencional. ou simplesmente pelo fato de apresentarem temperatura elevada. sua montagem e manutenção seguem. Esse nível de segurança depende de uma avaliação cujo resultado é a classificação de áreas. conseqüente da abertura e fechamento de seus contatos. portanto. A fabricação dos equipamentos elétricos.Introdução A classificação de áreas é uma das regras que permite avaliarmos o grau de risco da presença de uma mistura inflamável em uma unidade industrial.

RESERVADO .

identificando os componentes e parâmetros necessários para que esta aconteça. RESERVADO . o treinando poderá: • Definir combustão. • Estabelecer a relação entre combustão e classificação de áreas.A combustão e sua relação com áreas classificadas Capítulo 1 Prefácio Ao final desse capítulo.

Alta Competência 18 RESERVADO .

em cozinhas. atrito etc. automóveis. promovida a partir de uma fonte de calor inicial. A combustão e sua relação com áreas classificadas 1. e a liberação de energia na forma de luz e calor. monóxido. produzindo assim a combustão. Para que haja combustão é necessária a presença de: Combustível: material sólido. O senso comum nos faz associar as fontes de ignição à presença de chama (fogo). em geral o gás oxigênio. dióxido de carbono. Podemos definir esse fenômeno como: Uma reação química que envolve uma substância combustível e uma substância comburente. mas também são exemplos superfícies e atmosferas aquecidas. Comburente: material gasoso que permite que ocorra a reação de oxidação de um material combustível. mesmo que não percebamos. líquido ou gasoso capaz de reagir com o comburente. Durante a combustão ocorre a formação da reação em cadeia. fábricas e diversos outros contextos da nossa vida. coque etc. RESERVADO 19 . ao introduzir a energia mínima necessária. centelhas. Como conseqüência. através de uma reação de combustão.Capítulo 1. são gerados subprodutos na forma de gases (vapor d’água. Fonte de ignição: condição ou agente que. fuligem. A combustão e sua relação com áreas classificadas A combustão é um dos fenômenos que ocorrem rotineiramente em nosso cotidiano.). pode dar início ao processo de combustão na mistura combustível/comburente. dióxido de enxofre e óxidos de nitrogênio) além de cinzas e resíduos de carbono (carvão.

Origem elétrica • Arco elétrico. Vejamos estes conceitos a seguir. • Superfície quente. Serão verificados. RESERVADO . 20 A temperatura está associada à combustão quando falamos em fontes de ignição e inflamabilidade de substâncias. Origem não elétrica • Chama exposta. alguns conceitos associados a essa influência. • Cigarro. Podemos definir como: Parâmetro físico que descreve um sistema associado a noções de frio e calor e a transferências de energia térmica.1. • Centelha ou fagulha gerada mecanicamente. O quadro a seguir apresenta exemplos de fontes de ignição de origem elétrica e não elétrica. 1. não são as únicas fontes existentes.Alta Competência Alguns conceitos são de extrema relevância para o entendimento do processo de combustão e classificação de área. Temperatura A temperatura de uma substância é influenciada pelo meio e pelo processo aos quais está submetida. a seguir. • Equipamento elétrico do tipo comum. No entanto. • Centelha devido a curto circuito. a) Fontes de ignição As fontes de ignição mais comuns na instalação industrial são de origem elétrica.

A combustão e sua relação com áreas classificadas b) Ponto de fulgor É a menor temperatura na qual o líquido libera vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável. a quantidade de vapor não é suficiente para dar continuidade à combustão. RESERVADO 21 .Capítulo 1.8 ºC e inferior a 60 ºC. capaz de iniciar a combustão. que representa o início da combustão. NBR 7505 (Armazenagem de líquidos inflamáveis e combustíveis) define líquidos inflamáveis e combustíveis.2. Na presença de uma fonte de ignição. II Possuem ponto de fulgor igual ou superior a 37. o líquido libera vapor em quantidade suficiente para iniciar e dar continuidade à combustão na presença de uma fonte de ignição. resulta em um flash. baseados no ponto de fulgor do líquido.8 ºC. d) Ponto de ignição O ponto de ignição é a menor temperatura de uma superfície ou de uma centelha. Nessa temperatura. A norma da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Nesta temperatura. Combustível Comportamento do líquido c) Ponto de combustão Trata-se da temperatura com poucos graus acima do ponto de fulgor. Limites de inflamabilidade Os limites de inflamabilidade referem-se à concentração da mistura formada entre o ar e o gás inflamável ou vapor inflamável. III Possuem ponto de fulgor igual ou superior a 60 ºC. da seguinte forma: Classificação Classe Inflamável I Possuem ponto de fulgor inferior a 37. 1.

mistura rica e mistura ideal. portanto são mais perigosas que outras com faixas menores.Alta Competência Algumas substâncias possuem amplas faixas de inflamabilidade. Os limites de inflamabilidade são: Limite Inferior de Inflamabilidade (LII): é a concentração mínima na qual a mistura se torna inflamável. Existem três faixas de concentração referentes aos limites de inflamabilidade: mistura pobre. pois rapidamente podem formar uma mistura inflamável com o ar. Esses conceitos podem ser entendidos observando-se a ilustração a seguir: 22 Faixa de inflamabilidade do gás hipotético Mistura pobre Mistura rica ATENÇÃO Substâncias com baixos valores de LIE merecem atenção especial. RESERVADO . Limite Superior de Inflamabilidade (LSI): é a concentração que passa a ter produto inflamável em quantidade excessiva para a combustão. Também é chamado de Limite Inferior de Explosividade (LIE). Também chamado de Limite Superior de Explosividade (LSE).

nas mesmas condições de pressão e temperatura. ou seja. não há fogo nesta região. 1. porém. Da mesma forma que na mistura pobre. Densidade relativa de gás ou vapor 23 Densidade de um gás ou vapor relativamente à densidade do ar. Mistura rica Faixa de concentração em que existe muito produto inflamável e pouco oxigênio. pois não há combustível suficiente para a combustão. Mistura ideal É a mistura inflamável. A combustão e sua relação com áreas classificadas As faixas de concentração que compõem a escala de inflamabilidade são: Mistura pobre Faixa de concentração em que existe muito oxigênio e pouco produto inflamável. onde há a concentração ideal entre o ar e o gás/vapor em que a combustão acontece.0. considerando-se a densidade do ar igual a 1. Está no Limite Superior de Inflamabilidade (LSI). É limitada de zero até o Limite Inferior de Inflamabilidade (LII). como exemplos. o acetileno. Basicamente. Nesta região não há fogo. Podem ser citados. nessa faixa. portanto é facilmente dispersado em movimento ascendente. 100% de produto inflamável.3. Está limitada entre a faixa que começa no LII e termina no LSI. até 100% de concentração. é o oxigênio que é deficiente.0 diz-se que este gás/vapor é mais leve que o ar. o metano e o hidrogênio Nuvem leve DH < 1 2 H 2 Hidrogênio RESERVADO . quando se tem um gás ou vapor com densidade menor do que 1.Capítulo 1.

Esses três elementos geram o que é conhecido como “triângulo do fogo”. Triângulo do fogo Para que haja fogo. é necessário que os três elementos essenciais que promovem o início de uma combustão estejam presentes.4. Combustível Comburente Fonte de ignição RESERVADO . portanto tende a acumular mais abaixo e possui dispersão mais lenta.Alta Competência Se o gás/vapor possui densidade maior do que 1. diz-se que é mais pesado que o ar. ? VOCÊ SABIA? Que a maioria dos gases e vapores são mais pesados que o ar? D GLP 1 < Nuvem pesada GLP 24 GLP 1.0.

Como exemplos de situações do dia-a-dia. A combustão e sua relação com áreas classificadas São eles: • Material comburente (em geral o oxigênio). Relação entre combustão. Além disso. Equipamentos elétricos comuns portáteis A utilização de equipamentos elétricos comuns portáteis em área classificada só é permitida a partir do monitoramento contínuo da concentração da mistura inflamável do ambiente através do detector de gás portátil. podemos citar: Solda É importante que as soldas em áreas classificadas sejam feitas mediante a monitoração contínua da concentração da mistura inflamável do ambiente através do detector de gás portátil. • Material combustível. RESERVADO 25 . auxiliará também a entender que determinadas situações no dia-a-dia da plataforma precisam ser evitadas.Capítulo 1.5. Os conceitos relacionados à combustão nos auxiliarão no entendimento da possibilidade ou não da instalação de determinados equipamentos elétricos em áreas classificadas. essa área é caracterizada como “área classificada”. • Fonte de ignição. 1. classificação de área e atmosfera explosiva Quando uma atmosfera é potencialmente explosiva.

( ) É a temperatura. ( ) Menor temperatura de uma superfície ou de uma centelha capaz de iniciar a combustão. 2. fábricas e diversos outros contextos da nossa vida. Ponto de combustão 3. Ponto de fulgor ( ) Presença dos elementos essenciais que promovem o início de uma combustão. essenciais à classificação de área e atmosfera explosiva. poucos graus acima do ponto de fulgor. na qual o líquido libera vapor em quantidade suficiente para iniciar e dar continuidade à combustão. ( ) Refere-se a um dos fenômenos que ocorrem rotineiramente em nosso cotidiano. em cozinhas. Combustão 5. Exercícios 1) Correlacione os termos relacionados à combustão. às suas respectivas definições: 1. na presença de uma fonte de ignição. mesmo que não percebamos. ( ) Trata-se da menor temperatura na qual o líquido libera vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável. Triângulo de fogo 26 RESERVADO .6. Ponto de ignição 4.Alta Competência 1. automóveis.

_____________________________________________________________ b) Não há fogo nesta região. há deficiência do oxigênio.Capítulo 1. porém. _____________________________________________________________ RESERVADO 27 . Onde há a concentração ideal entre o ar e o gás/vapor em que a combustão acontece. Está no Limite Superior de Inflamabilidade (LSI) até 100% de concentração. Possui faixa de concentração em que existe muito produto inflamável e pouco oxigênio. Faixa de concentração em que existe muito oxigênio e pouco produto inflamável. Indique o tipo de mistura. _____________________________________________________________ c) Não há fogo nesta região já que não há combustível suficiente para a combustão. É limitada de zero até o Limite Inferior de Inflamabilidade (LII). nessa faixa. ou seja. de acordo com o conceito apresentado. A combustão e sua relação com áreas classificadas 2) Os conceitos que envolvem os tipos de mistura são apresentados a seguir. 100% de produto inflamável. preenchendo as lacunas: a) Trata-se de uma mistura inflamável. Está limitada entre a faixa que começa no Limite Inferior de Inflamabilidade (LII) e termina no Limite Superior de Inflamabilidade (LSI).

classificação de área e atmosfera explosiva. ( ) A utilização de equipamentos comuns portáteis em área classificada só é permitida a partir do monitoramento contínuo da concentração da mistura inflamável do ambiente através do detector de gás. ( ) Uma atmosfera potencialmente explosiva nem sempre caracteriza uma área classificada. Marque com um X a(s) alternativa(s) que elucidam essa relação de forma correta: 28 ( ) Auxilia no entendimento de que determinadas situações no dia-a-dia da plataforma precisam ser evitadas. ( ) Conceitos relacionados à combustão auxiliam para o entendimento da possibilidade ou não da instalação de determinados equipamentos elétricos em áreas classificadas.Alta Competência 3) As alternativas a seguir apresentam a relação entre combustão. RESERVADO . Como exemplos dessas situações podemos citar atividade de solda e utilização de equipamentos elétricos comuns portáteis. ( ) É importante que as soldas em áreas classificadas sejam feitas mediante a monitoração contínua da concentração da mistura inflamável do ambiente através do detector de gás.

Também chamado de Limite Superior de Explosividade (LSE). LSI . RESERVADO 29 . Também é chamado de Limite Inferior de Explosividade (LIE).Limite Superior de Explosividade.Associação Brasileira de Normas Técnicas. LSE .Capítulo 1. Concentração que passa a ter produto inflamável em quantidade excessiva para a combustão. Concentração mínima na qual a mistura se torna inflamável.Limite Superior de Inflamabilidade. Também é chamado de Limite Inferior de Inflamabilidade (LII).fluxo de corrente elétrica através do ar entre dois condutores ou um condutor e a terra. liberando uma grande quantidade de energia em um tempo pequeno.Limite Inferior de Inflamabilidade.7. Também chamado de Limite Superior de Inflamabilidade (LSI). Concentração mínima na qual a mistura se torna inflamável. Glossário ABNT . LII . A combustão e sua relação com áreas classificadas 1. NBR . Concentração que passa a ter produto inflamável em quantidade excessiva para a combustão. resultando em altas temperaturas. LIE . Arco elétrico .Norma Brasileira.Limite Inferior de Explosividade.

Rio de Janeiro: Nova Fronteira.Alta Competência 1. Aurélio Buarque de Holanda. Manual de instalações elétricas em indústrias químicas. 1999. NBR-7505.ABNT. FERREIRA. 30 RESERVADO . Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3ª ed. Armazenagem de líquidos inflamáveis e combustíveis. JORDÃO. 2000. Bibliografia ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS . Dácio de Miranda. 2ª ed. petroquímicas e de petróleo: atmosferas explosivas. Rio de Janeiro: 2002.8.

mesmo que não percebamos. na presença de uma fonte de ignição. Está limitada entre a faixa que começa no Limite Inferior de Inflamabilidade (LII) e termina no Limite Superior de Inflamabilidade (LSI). Combustão 5. Mistura pobre. Triângulo de fogo que 2) Os conceitos que envolvem os tipos de mistura são apresentados a seguir. É limitada de zero até o Limite Inferior de Inflamabilidade (LII). porém. fábricas e diversos outros contextos da nossa vida. Gabarito 1) Correlacione os termos relacionados à combustão. preenchendo as lacunas: a) Trata-se de uma mistura inflamável. automóveis. ou seja. há deficiência do oxigênio. (2) É a temperatura. Está no Limite Superior de Inflamabilidade (LSI) até 100% de concentração. de acordo com o conceito apresentado. em cozinhas. Mistura rica. (1) Trata-se da menor temperatura na qual o líquido libera vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável. nessa faixa. b) Não há fogo nesta região. 100% de produto inflamável. c) Não há fogo nesta região já que não há combustível suficiente para a combustão. às suas respectivas definições: 1. Ponto de combustão 3. (4) Refere-se a um dos fenômenos que ocorrem rotineiramente em nosso cotidiano. Mistura ideal. (3) Menor temperatura de uma superfície ou de uma centelha capaz de iniciar a combustão. na qual o líquido libera vapor em quantidade suficiente para iniciar e dar continuidade à combustão. Ponto de fulgor (5) Presença dos elementos essenciais promovem o início de uma combustão. A combustão e sua relação com áreas classificadas 1. Indique o tipo de mistura. Faixa de concentração em que existe muito oxigênio e pouco produto inflamável.9. poucos graus acima do ponto de fulgor. Onde há a concentração ideal entre o ar e o gás/vapor em que a combustão acontece.Capítulo 1. Ponto de ignição 4. essenciais à classificação de área e atmosfera explosiva. 2. RESERVADO 31 . Possui faixa de concentração em que existe muito produto inflamável e pouco oxigênio.

( X ) Conceitos relacionados à combustão auxiliam para o entendimento da possibilidade ou não da instalação de determinados equipamentos elétricos em áreas classificadas. RESERVADO . Marque com um X a(s) alternativa(s) que elucidam essa relação de forma correta: ( X ) Auxilia no entendimento de que determinadas situações no dia-a-dia da plataforma precisam ser evitadas. ( X ) A utilização de equipamentos comuns portáteis em área classificada só é permitida a partir do monitoramento contínuo da concentração da mistura inflamável do ambiente através do detector de gás. ( ) Uma atmosfera potencialmente explosiva nem sempre caracteriza uma área classificada. 32 ( X ) É importante que as soldas em áreas classificadas sejam feitas mediante a monitoração contínua da concentração da mistura inflamável do ambiente através do detector de gás.Alta Competência 3) As alternativas a seguir apresentam a relação entre combustão. Como exemplos dessas situações podemos citar atividade de solda e utilização de equipamentos elétricos comuns portáteis. classificação de área e atmosfera explosiva.

• Identificar as fontes de riscos definidas pela norma Petrobras N-2154 . discriminando suas zonas. RESERVADO .Capítulo 2 Prefácio Áreas classificadas Ao final desse capítulo. o treinando poderá: • Definir área classificada.Classificação de áreas para instalações elétricas em regiões de perfuração e produção.

Alta Competência 34 RESERVADO .

A classificação da variação das possibilidades das ocorrências de uma atmosfera explosiva é denominada “zona”. processados ou manuseados. Áreas classificadas são áreas nas quais há a ocorrência ou a possibilidade de ocorrência de uma atmosfera potencialmente explosiva. Zona 2 É a área onde é pouco provável a ocorrência de uma mistura potencialmente explosiva durante a operação normal ou anormal esperada de uma instalação/equipamento (exemplos: vazamentos em válvulas e flanges). Ainda que exista a ocorrência. de uma instalação industrial.1. 2. RESERVADO 35 . será por curtos períodos. Zona 0 É a área onde continuamente está presente uma atmosfera potencialmente explosiva ou a mesma ocorre por longos períodos. O conceito de “zona” As atmosferas potencialmente explosivas que resultam em áreas classificadas podem surgir a partir de operações de perfuração ou testes de produção em poços. porém previstas. O quadro a seguir apresenta as “zonas” que classificam uma área potencialmente explosiva (área classificada). Áreas classificadas A classificação de áreas está baseada em eventos e situações associados às operações normais ou anormais. e também em torno de equipamentos e instalações de produção onde gases e líquidos inflamáveis são armazenados.Áreas classificadas 2. Zona 1 É a área onde é provável a ocorrência de uma mistura potencialmente explosiva durante a operação normal de uma instalação/equipamento.Capítulo 2 .

sempre que passar por qualquer modificação. A correta classificação de áreas por “zonas” é fundamental para que os equipamentos elétricos instalados nessas áreas não sejam fontes de ignição dessa atmosfera potencialmente explosiva.Alta Competência Em uma instalação industrial. preferencialmente. Fonte de risco de grau primário Zona 1 raio 1. a classificação de áreas deve ser feita. elétrica. caso necessário. utilidades. o conceito e a gradação da fonte de risco são importantes e estão definidos na Norma Petrobras N-2154 (Classificação de áreas para instalações elétricas em regiões de perfuração e produção).5 m Fonte de risco de grau contínuo Zona 0 Zona 2 raio 3 m Fonte de risco de grau secundário Representação de “zonas” nos planos de classificação de áreas Zona 0 : Zona 1 : Zona 2 36 Zona 2 : Exemplo de classificação de áreas de um tanque com líquido inflamável em áreas abertas e adequadamente ventiladas ATENÇÃO Toda instalação industrial. RESERVADO . segurança. De acordo com essa norma. englobando profissionais de processo. por equipe multidisciplinar.2. Fonte de risco Para auxiliar na identificação das áreas classificadas por “zonas”. deve ter sua classificação de área analisada e revisada. 2. operação e VAC (Ventilação e Ar Condicionado). fonte de risco é o ponto ou local no qual uma substância pode ser liberada para formar uma atmosfera inflamável e/ou explosiva.

simultaneamente. e onde aparecem.Áreas classificadas A fonte de risco recebe uma classificação de acordo com o grau do risco envolvido. Fonte de risco Grau contínuo Grau primário Zona Resulta em zona 0 Resulta em zona 1 Grau secundário Resulta em zona 2 2. como é mostrado a seguir: • Fonte de risco . ou infreqüentes. mistura explosiva e fonte de ignição elétrica. porém previstas. falha no equipamento de processo que sejam anormais.3. por curtos períodos. • Fonte de risco de grau secundário . Pelos conceitos de classificação de áreas. • Fonte de risco de grau primário . manutenção freqüente. • Fonte de risco de grau contínuo . o que não é o caso de grandes vazamentos de óleo e gás. a presença de uma atmosfera potencialmente explosiva poderá ser anormal. RESERVADO 37 . porém previstas. desde que esperada a ocorrência.a liberação da substância ocorre em condições anormais de operação ou causadas por rompimento. não se deve levar em consideração os eventos catastróficos geralmente associados a liberações de inventário de hidrocarbonetos. falha no equipamento de processo.a liberação da substância ocorre continuamente por longos períodos ou freqüentemente por curtos períodos. em condições normais de operação. O quadro a seguir relaciona a gradação das fontes de riscos quanto à classificação de áreas por “zonas”.a liberação da substância ocorre periodicamente ou ocasionalmente.Capítulo 2 .ponto ou local no qual uma substância pode ser liberada para formar uma atmosfera inflamável e/ou explosiva. ou é causada por operações de reparo. rompimento. Eventos catastróficos Para a classificação de áreas. condições que sejam anormais.

• Ruptura de vasos ou tubulações com hidrocarbonetos. Esses eventos são verificados no escopo de uma avaliação mais profunda e são realizados à luz de estudos denominados Análise de Riscos.Alta Competência Exemplos de eventos catastróficos: • Blow-out. 38 RESERVADO .

RESERVADO 39 . ( ) Instalar equipamentos elétricos. Zona 1 3. ( ) Área onde.Áreas classificadas 2. Zona 0 2. ( ) Área onde é provável a ocorrência de uma mistura potencialmente explosiva durante a operação normal de uma instalação/equipamento.Capítulo 2 . 3) Indique a alternativa que apresenta o objetivo da gradação que envolve as fontes de riscos: ( ) Evitar acidentes. Zona 2 ( ) Área onde é pouco provável a ocorrência de uma mistura potencialmente explosiva durante a operação normal ou anormal esperada.4. ( ) Auxiliar na identificação das áreas classificadas por “Zonas”. continuamente. Exercícios 1) Defina área classificada: _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ 2) Correlacione a classificação das “zonas” às suas respectivas descrições: 1. ( ) Classificar áreas. está presente uma atmosfera potencialmente explosiva ou a mesma ocorre por longos períodos.

Fonte de risco de grau contínuo ) A liberação da substância ocorre em condições anormais de operação ou causadas por rompimento. falha no equipamento de processo que sejam anormais. Fonte de risco de grau primário ) A liberação da substância ocorre continuamente por longos períodos ou freqüentemente por curtos períodos.Alta Competência 4) Relacione as fontes de riscos aos seus respectivos conceitos: 1. ( 4. Fonte de risco ( ) A liberação da substância ocorre periodicamente ou ocasionalmente em condições normais de operação. e onde aparecem. Fonte de risco de grau secundário ) Instalar equipamentos elétricos. porém previstas. mistura explosiva e fonte de ignição elétrica. ( 2. rompimento. manutenção freqüente. ou é causada por operações de reparo. condições que sejam anormais. porém previstas. por curtos períodos. ( 3. ou infreqüentes. simultaneamente. falha no equipamento de processo. 40 RESERVADO .

VAC .poço fluindo totalmente sem controle.quantidade de substância que existe dentro de um determinado recipiente ou tubulação. no caso de uma vazamento de gás ou na vaporização de um vazamento líquido.5. acidentes pessoais. 41 RESERVADO .uma atmosfera é definida como potencialmente explosiva quando em seu estado normal ela não é perigosa. mas existe a possibilidade que em circunstância anormal ela se torne explosiva.Capítulo 2 . Glossário Atmosfera potencialmente explosiva . Inventário .Áreas classificadas 2.Ventilação e Ar Condicionado. Flange .elemento que permite a união de dois componentes de um sistema de tubulações. tais como danos aos equipamentos da sonda. poluição e dano ao meio ambiente. perda total ou parcial do reservatório. Blow-out . podendo criar sérias conseqüências. Por exemplo.

N-2154. Dácio de Miranda. Manual de Instalações Elétricas em Indústrias Químicas. 2ª ed. Instru-Ex . Helio Kanji. Classificação de áreas para instalações elétricas e regiões de perfuração e produção.Alta Competência 2. Rio de Janeiro: 2002. Rio de Janeiro: 2002. Plataformas Marítimas de Perfuração e de Produção. Rio de Janeiro. Bibliografia JORDÃO. Roberto Gomes. OLIVEIRA.Instruções gerais para instalações em atmosferas explosivas. Petroquímicas e de Petróleo: Atmosferas Explosivas. PETROBRAS. SUZUKI. 2000.6. 42 RESERVADO .

condições que sejam anormais. 4. Fonte de risco (3) A liberação da substância ocorre periodicamente ou ocasionalmente em condições normais de operação. Fonte de risco de grau secundário (1) Instalar equipamentos elétricos. e onde aparecem. falha no equipamento de processo que sejam anormais. ( 1 ) Área onde. continuamente. 2) Correlacione a classificação das “zonas” às suas respectivas descrições: 1. 2. RESERVADO 43 . Fonte de risco de grau contínuo (4) A liberação da substância ocorre em condições anormais de operação ou causadas por rompimento. mistura explosiva e fonte de ignição elétrica.Capítulo 2 . por curtos períodos. porém previstas. falha no equipamento de processo. ( X ) Auxiliar na identificação das áreas classificadas por “Zonas”. ou é causada por operações de reparo. está presente uma atmosfera potencialmente explosiva ou a mesma ocorre por longos períodos. Zona 2 ( 3 ) Área onde é pouco provável a ocorrência de uma mistura potencialmente explosiva durante a operação normal ou anormal esperada.Áreas classificadas 2.7. ( ) Classificar áreas. porém previstas. ( 2 ) Área onde é provável a ocorrência de uma mistura potencialmente explosiva durante a operação normal de uma instalação/equipamento. 3) Indique a alternativa que apresenta o objetivo da gradação que envolve as fontes de riscos: ( ) Evitar acidentes. Gabarito 1) Defina área classificada: É a área na qual há a ocorrência ou a possibilidade de ocorrência de uma atmosfera potencialmente explosiva. Zona 1 3. rompimento. 4) Relacione as fontes de riscos aos seus respectivos conceitos: 1. simultaneamente. Zona 0 2. ou infreqüentes. ( ) Instalar equipamentos elétricos. manutenção freqüente. 3. Fonte de risco de grau primário (2) A liberação da substância ocorre continuamente por longos períodos ou freqüentemente por curtos períodos.

RESERVADO .

Capítulo 3

Prefácio

Classificação
de áreas

Ao final desse capítulo, o treinando poderá:
• Identificar as normas aplicáveis à classificação de áreas;
• Distinguir os critérios de classificação do International
Electrotechnical Commission (IEC) e da American Petroleum
Institute (API).

RESERVADO

Alta Competência

46

RESERVADO

Capítulo 3. Classificação de áreas

3. Classificação de áreas

A

pós a identificação da área classificada por “zonas”,
identificamos a classificação de áreas seguindo as definições das
normas aplicáveis. A partir destas normas, há o detalhamento
da área classificada.
No que se refere ao assunto sobre áreas classificadas, seguimos as
normas da Petrobras que, por sua vez, acompanham as normas da
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que, por conseguinte,
cumprem as normas da International Electrotechnical Commission (IEC).
No caso específico do E&P, para as plataformas de produção, também
seguimos alguns critérios das normas da American Petroleum Institute
(API), desde que sejam mais rigorosos que os apresentados nas normas
da IEC.
A seguir, apresentaremos as normas aplicáveis à classificação de áreas:
• International Electrotechnical Commission (IEC)

Órgão internacional de normalização para o setor eletrotécnico,
responsável por normas internacionais, que tem como objetivos
definir critérios universalmente aceitos.
O quadro a seguir apresenta algumas das normas da IEC utilizadas
para classificação de áreas:
60079-10 - Classification of Hazardous Areas.
60079-14 - Electrical Installations in Explosive Gas Atmospheres (Other than Mines).
60079-17 - Recommendation for Inspection and Maintenance of Electrical Installations in
Hazardous Areas (Other than Mines).
60092.502 - Electrical Installations in Ships - Tankers - Special Features.
61892-7 - Mobile and Fixed Offshore Units - Electrical Installations - Hazardous Areas.
60079-20 - Data for Flammable Gases and Vapours Relating to the Use of Electrical Apparatus.
6.0079-0 - Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres - General Requirements.

RESERVADO

47

Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres . Test and Marking of Type of Protection Encapsulation "m" Electrical Apparatus. neste caso os Estados Unidos.Construction. com validade no território de um determinado país.Type of Protection "n".Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres .0079-1 . Observação: Como esta é uma norma internacional.Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres . ainda não há tradução para a mesma. 48 • American Petroleum Institute (API) Trata-se de uma norma nacional.Pressurized Enclosures “p”. Observação: Como estas são normas internacionais. A seguir.Flameproof enclosures “d”. 6.Powder Filling “q".0079-7 . 6.0079-5 .0079-6 . Zone 1 and Zone 2. Zone 0.Recommended Practice for Classification of Locations for Electrical Installations at Petroleum Facilities Classified as Class I.Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres . 60079-11 .Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres . 60079-2 .Intrinsic Safety “i”. as normas de outros países são chamadas de normas estrangeiras. ainda não há tradução para as mesmas. No Brasil.Oil-Immersion “o".Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres . RESERVADO . 6.Alta Competência 6. 6.Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres .Increased Safety "e".0079-18 .Electrical Apparatus for Explosive Gas Atmospheres . 6. serão apresentados os critérios das normas IEC e API que resultam no detalhamento da classificação de áreas.0079-15 . que é o caso das normas API. O quadro a seguir apresenta a norma da API utilizada para classificação de áreas: API RP 505 .

• À temperatura de ignição das substâncias inflamáveis. Critérios da International Electrotechnical Commission (IEC) Os critérios da IEC estão relacionados: • Ao tipo de indústria.2. 49 São eles: Grupo I Indústrias de mineração subterrânea. • Ao tipo de substância inflamável. 3. Grupo II Indústrias de superfície. Tipo de indústria A IEC classifica em dois grupos os ambientes nos quais pode ocorrer a presença de produtos inflamáveis.1.Capítulo 3.1. Para esse grupo.1.1. durante a ocorrência de uma explosão. Classificação de áreas 3. Essa gradação é subdividida em grupos de substâncias (gases ou vapores) com propriedades físicas semelhantes. Tipo de substância A Petrobras é uma indústria de superfície Grupo II. RESERVADO . 3. a IEC apresenta critérios associados a uma gradação da periculosidade das substâncias inflamáveis.

gás natural. Grupo IIB Etileno. Essa marcação está ilustrada na tabela a seguir: ABNT / IEC CLASSE DE TEMPERATURA TEMPERATURA MÁXIMA DE SUPERFÍCIE (ºc) T1 450 T2 300 T3 200 T4 135 T5 100 T6 85 Classe de temperatura RESERVADO . ciclopropano.1. gasolina. é possível identificar as possibilidades de ignição de uma atmosfera potencialmente explosiva nas proximidades do equipamento que será instalado em área classificada. butano.Alta Competência Essa subdivisão é apresentada no quadro a seguir: Nível de periculosidade - + Grupos Substâncias Grupo IIA Metano. sulfeto de hidrogênio. propano. éter etílico. que define a temperatura máxima que um equipamento elétrico pode atingir por qualquer parte ou superfície. Os mesmos deverão possuir uma marcação de temperatura para orientar sua aplicação. Grupo IIC Hidrogênio e acetileno. 3. Temperatura de ignição das substâncias inflamáveis 50 Outro critério de muita importância na classificação de áreas é a classe de temperatura.3. álcool. A partir dessa classe. benzeno.

sendo.Capítulo 3. desde que atenda ao critério do Grupo de Gás. • Classe II . • Classe III .não apresenta subdivisões. devemos seguir a normalização internacional IEC. ? VOCÊ SABIA? Na maior parte de nossas instalações de produção do E&P. Classificação de áreas Um equipamento de uma determinada classe de temperatura pode ser usado na presença de qualquer gás que tenha a temperatura de ignição maior que a temperatura da categoria do equipamento. Esses equipamentos da classe de temperatura T3 podem ser instalados em qualquer atmosfera cujo gás/vapor tenha temperatura de ignição maior que 200oC.subdividida em Grupo E. Da mesma forma que a IEC.2. O quadro a seguir apresenta classificação americana que divide os ambientes em classes: Classe I Classe II Gases e vapores inflamáveis. Classe III Fibras combustíveis. Poeiras combustíveis. Entretanto.subdividida em Grupo A. a classe de temperatura exigida é a T3 devido a algumas frações da produção possuírem temperatura de ignição superior a 200oC. Grupo F e Grupo G. Grupo C e Grupo D. existe a subdivisão de acordo com a semelhança das propriedades das substâncias: • Classe I . Grupo B. a maior parte das instalações na Petrobras possui equipamentos elétricos especificados de acordo com as normas do API. portanto. Para essa atmosfera também podem ser utilizados equipamentos de classe de temperatura T4. no Brasil. 51 3. T5 e T6. Critérios da American Petroleum Institute (API) Atualmente. importante identificar essa classificação. RESERVADO .

já no caso da IEC. Grupo D Metano. álcool.Alta Competência Nesta classificação. serão mostradas algumas substâncias de acordo com a classificação: Grupo A Acetileno. por isso. butadieno. 52 Na classificação API. ciclopropano. Grupo B Hidrogênio. Grupo C Etileno. ou seja. propano. Observe que a classificação API é inversa à classificação IEC. éter etílico. IEC x API Substância IEC / ABNT API Acetileno Grupo IIC Classe I – Grupo A Hidrogênio Grupo IIC Classe I – Grupo B Etileno Grupo IIB Classe I – Grupo C Propano Grupo IIA Classe I – Grupo D RESERVADO . benzeno. a periculosidade da substância é decrescente. gasolina. sulfeto de hidrogênio. a mais perigosa é a do Grupo A. óxido de etileno. A tabela a seguir mostra as principais diferenças entre as normas. gás natural. o que se aplica às nossas instalações do E&P é a Classe I e. butano. a mais perigosa é do Grupo IIC.

2) Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmativas referentes à classificação de áreas segundo os critérios IEC e API: ( ) Os ambientes nos quais pode ocorrer a presença de produtos inflamáveis são classificados em grupos pela IEC.Capítulo 3. Exercícios 1) Indique a(s) alternativa(s) que apresenta(m) a(s) norma(s) aplicada(s) à classificação de áreas no sistema Petrobras: ( ) Normas Petrobras. ( ) Todo equipamento elétrico instalado em área classificada deve possuir uma marcação de classe de temperatura. ( ) Normas do Ministério do Meio Ambiente. é válida a classificação API. RESERVADO 53 . ( ) No Brasil. ( ) Normas internacionais do American Petroleum Institute (API). ( ) A classe de temperatura deve ser considerada na classificação de áreas. ( ) Normas internacionais da International Electrotechnical Commission (IEC). ( ) Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). ( ) A classificação das áreas somente em “zonas” é suficiente para a correta instalação de um equipamento elétrico. A classificação IEC é válida somente para instalações mais antigas da Petrobras.3. Classificação de áreas 3.

Atmosfera potencialmente explosiva . Glossário ABNT . IEC . API .American Petroleum Institute .4. Por exemplo.Alta Competência 3.uma atmosfera é definida como potencialmente explosiva quando em seu estado normal ela não é perigosa. no caso de uma vazamento de gás ou na vaporização de um vazamento líquido.International Electrotechnical Commission .Instituto Americano do Petróleo.Associação Brasileira de Normas Técnicas. 54 RESERVADO .Comissão Internacional Eletrotécnica. mas existe a possibilidade que em circunstância anormal ela se torne explosiva.

2ª ed. Rio de Janeiro: 2002. Petroquímicas e de Petróleo: Atmosferas Explosivas. Dácio de Miranda. SUZUKI. Instru-Ex . Bibliografia JORDÃO. Helio Kanji.5. Classificação de áreas 3.Capítulo 3. 55 RESERVADO . Manual de Instalações Elétricas em Indústrias Químicas.Instruções gerais para instalações em atmosferas explosivas. Plataformas Marítimas de Perfuração e de Produção: 2002. Roberto Gomes. OLIVEIRA.

(F) A classificação das áreas somente em “zonas” é suficiente para a correta instalação de um equipamento elétrico.Alta Competência 3. 2) Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmativas referentes à classificação de áreas segundo os critérios IEC e API: (V) Os ambientes nos quais pode ocorrer a presença de produtos inflamáveis são classificados em grupos pela IEC. A classificação IEC é válida somente para instalações mais antigas da Petrobras. Gabarito 1) Indique a(s) alternativa(s) que apresenta(m) a(s) norma(s) aplicada(s) à classificação de áreas no sistema Petrobras: ( X ) Normas Petrobras.6. os critérios adotados são da IEC. Justificativa: atualmente. ( X ) Normas internacionais da American Petroleum Institute (API). ( X ) Normas internacionais da International Electrotechnical Commission (IEC). (V) A classe de temperatura deve ser considerada na classificação de áreas. ( X ) Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). os critérios das normas aplicáveis contribuem para a instalação de equipamentos elétricos adequados em áreas classificadas. (V) Todo equipamento elétrico instalado em área classificada deve possuir uma marcação de classe de temperatura. é válida a classificação API. 56 RESERVADO . ( ) Normas do Ministério do Meio Ambiente. (F) No Brasil. Justificativa: além da classificação de áreas por “zonas”. no Brasil.

interpretando a simbologia utilizada nos equipamentos. • Reconhecer a importância do certificado de conformidade dos equipamentos. • Identificar os tipos de equipamentos elétricos adequados a cada área classificada.Equipamentos elétricos em áreas classificadas Capítulo 4 Prefácio Ao final desse capítulo. o treinando poderá: • Reconhecer a adequação necessária para a instalação de equipamentos elétricos em áreas classificadas. RESERVADO .

Alta Competência 58 RESERVADO .

o conceito de grau de proteção deve ser conhecido para que essa confusão não comprometa a segurança das pessoas e da instalação.Capítulo 4. pois atesta que o equipamento elétrico poderá ser instalado em áreas classificadas. RESERVADO 59 . solicitado por Portaria do INMETRO. É comum que a classificação por grau de proteção seja confundida como a classificação dos tipos de proteção devido à semelhança dos termos e sua aplicação. Os equipamentos elétricos permitidos em áreas classificadas têm como obrigatoriedade o certificado de conformidade. Equipamentos elétricos em áreas classificadas E m áreas classificadas. ATENÇÃO Nunca deverão ser utilizados em áreas classificadas equipamentos elétricos que não possuam certificado de conformidade. Essas instalações devem ser feitas a partir de uma regra básica: Só instalar equipamentos elétricos ou outros equipamentos que possam gerar fonte de ignição que sejam estritamente essenciais para a operação da unidade. Equipamentos elétricos em áreas classificadas 4. presentes em normas aplicáveis. Esse certificado é importante. Apesar de não ser específico para equipamentos elétricos de uso em áreas classificadas. A certificação de conformidade está associada ao atendimento dos requisitos que são utilizados na construção dos equipamentos. o cuidado com instalação de equipamentos elétricos é essencial. Esses requisitos determinam os tipos de proteção adequados ao equipamento. também chamados de requisitos construtivos.

RESERVADO . serão apresentados os tipos de proteção.1.1. por isso.1. 4. A simbologia a ser utilizada para a designação do tipo de proteção deve ser composta da sigla Ex (explosão). A seguir. Tem como método de proteção o confinamento da explosão dentro de um invólucro robusto. 60 Zona 1: é a área onde é provável a ocorrência de uma mistura potencialmente explosiva durante a operação normal de uma instalação/equipamento. Ainda que ocorra. necessitam de requisitos técnicos específicos para isolar e até mesmo eliminar suas fontes de ignição. Os tipos de proteção dos equipamentos estão associados à classificação de áreas por “zonas”: Zona 0: é a área onde continuamente está presente uma atmosfera potencialmente explosiva ou a mesma ocorre por longos períodos. suas simbologias e características. que é um dos três elementos que compõem o triângulo de fogo. À prova de explosão (Ex d) Este tipo de equipamento é capaz de suportar uma explosão interna.Alta Competência 4. Cada equipamento tem o requisito técnico designado por uma simbologia específica. Tipos de proteção Os equipamentos elétricos comuns são considerados como possíveis fontes de ignição em uma atmosfera potencialmente explosiva e. seguida de uma letra. Zona 2: é a área onde é pouco provável a ocorrência de uma mistura potencialmente explosiva durante a operação normal ou anormal esperada (exemplos: vazamentos em válvulas e flanges) de uma instalação/equipamento. será por curtos períodos. sem permitir que essa explosão se propague para o meio externo.

Esquema de um equipamento Ex d Estes invólucros podem ser de tampas flangeadas ou roscadas. conforme imagens a seguir. Tampa flangeada Tampa roscada 4.2.1.Capítulo 4. ou seja. Equipamentos elétricos em áreas classificadas São adequados para utilização em áreas classificadas como “zona 1” e “zona 2”. isola-se fisicamente a atmosfera potencialmente explosiva das possíveis fontes de ignição de um equipamento/componente elétrico. Dessa forma. Pressurizado (Ex p) São invólucros cuja pressão interna é maior que a pressão atmosférica. RESERVADO 61 . pressão positiva. que utiliza a segregação de faíscas como método de proteção.

62 Esquema de um equipamento Ex p 4. utilizam a segregação de faíscas como método de proteção. Atmosfera potencialmente explosiva Invólucros Meio isolante Esquema de um equipamento Ex o. o equipamento é desenergizado. em caso de despressurização do invólucro.1. areia ou resina. São adequados para a utilização em áreas classificadas como “zona 1” e “zona 2”. as partes que podem causar centelhas ou alta temperatura situam-se em um meio isolante que pode ser óleo. São adequados para utilização em áreas classificadas como “zona 1” e “zona 2”. Ex q e Ex m RESERVADO .Alta Competência Geralmente são pressurizadas com ar seco ou gás inerte e. Imerso em óleo (Ex o) / Imerso em areia (Ex q) / Imerso em resina (Ex m) Estes invólucros. Neste caso. da mesma forma que os invólucros pressurizados.3.

5. É uma alternativa à utilização de equipamentos elétricos do tipo à prova de explosão devido à instalação e manutenção mais simples.4. Equipamentos elétricos em áreas classificadas 4. caso haja um único defeito no circuito. pois é fabricada de modo que o equipamento possa sofrer até dois defeitos consecutivos e simultâneos. 4. São divididos em dois tipos: Ex ia e Ex ib.Capítulo 4. não possuem energia suficiente para inflamar a atmosfera explosiva. Segurança aumentada (Ex e) Usam como medida de proteção a prevenção. sem a ignição da atmosfera explosiva. não produzem arcos. em condições normais de operação. RESERVADO 63 . podem ser utilizados em “zona 1” e “zona 2” e. A categoria Ex ia pode ser utilizada em zona 0. Os equipamentos de categoria Ex ib. São adequados para a utilização em áreas classificadas como “zona 1” e “zona 2”. na qual se controla a fonte de ignição de forma a não possuir energia elétrica e térmica suficientes para detonar a atmosfera potencialmente explosiva. não necessitando de oficinas qualificadas de serviços especializados e credenciadas pelos fabricantes. Segurança intrínseca (Ex i) São equipamentos elétricos com dispositivo ou circuito que. centelhas ou altas temperaturas.1. São equipamentos elétricos nos quais são aplicadas medidas construtivas adicionais que. por sua vez.1. não provoca a ignição da atmosfera explosiva. em condições normais ou anormais (curto-circuito) de operação.

1. Este tipo de equipamento só é permitido para a utilização em áreas classificadas como “zona 2”. em condições normais de operação.2. RESERVADO . 4. Grau de proteção O grau de proteção refere-se à proteção gradativa que o invólucro dá ao equipamento. “zona 1” e “zona 2”.1. Não acendível (Ex n) 64 São equipamentos de energia limitada e. Dependendo do tipo. inclusive mãos e dedos.Alta Competência Área não-classificada (Alta energia manipulada/armazenada) Área classificada (Baixa energia) Fonte de energia Equipamento Ex i Barreira limitadora de energia Curto-circuito aqui Não provoca ignição Esquema do método de proteção de um equipamento Ex i 4. 4.6. levando em consideração a penetração de objetos sólidos. Especial (Ex s) Esta simbologia é utilizada para equipamentos ainda não previstos em normas. e a penetração de líquidos.7. pode ser utilizado em áreas classificadas como “zona 0”. não são capazes de provocar a ignição de uma atmosfera explosiva.

A seguir será ilustrado este conceito. Exemplo: Um equipamento com proteção IP-54 significa que é protegido contra poeira e contato. IP-XY. RESERVADO . seguida de dois dígitos característicos do grau especificado. ALTA TENSÃO ALTA TENSÃO Completamente protegido contra contato. ALTA TENSÃO Protegido contra contato por ferramentas.0 mm e corpos pequenos. Equipamentos elétricos em áreas classificadas A simbologia a ser utilizada para a designação do grau de proteção de invólucros deve ser composta da sigla IP (proteção de invólucro). Diâmetro > 2. O primeiro dígito (X) refere-se à proteção contra penetração de objetos sólidos.Capítulo 4. ALTA TENSÃO Protegido contra contato por ferramentas. refere-se à proteção contra a penetração de água. ALTA TENSÃO Protegido contra contato por um dedo padrão e corpos médios diâmetro >12 mm.5 mm e corpos pequenos. Já o segundo dígito (Y). à prova de pó. não há ingresso de pó. como também contra penetração de água projetada de qualquer direção. Diâmetro > 1. fios etc. comprimento > 50 mm. Completamente protegido contra contato. ou seja. 65 Proteção de pessoas contra contato a partes vivas e móveis no interior do invólucro e proteção contra o ingresso de corpos sólidos Primeiro Dígito Não protegido. fios etc. não estanque a pó. ALTA TENSÃO Protegido contra contato acidental do corpo (exemplo: mão) e contra corpos com diâmetro > 50 mm. estanque a pó.

Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO). O equipamento é projetado para operar continuamente submerso. ondas do mar ou jatos potentes. privada ou mista. de terceira parte e acreditada pelo Instituto Nacional de Metrologia.Alta Competência Segundo Dígito 66 Proteção contra o ingresso de água 0 Não protegido. RESERVADO . 3 Protegido contra água de chuva com inclinação de até 60º à prova de chuva. 1 Protegido contra queda vertical de água (água de condensação). 4. 2 Protegido contra água com inclinação de até 15º em relação à vertical (à prova de pingos). 6 Protegido contra condições encontradas em decks de navios. este certificado é emitido por um Organismo de Certificação de Produto (OCP). é necessário que seja atestado que o produto foi fabricado segundo requisitos construtivos determinados em normas ou especificações técnicas aplicáveis. 5 Protegido contra jato d’água. O equipamento opera imerso em água sob condições de tempo e pressão. 7 Protegido contra imersão. ? VOCÊ SABIA? A manutenção mal executada de um equipamento elétrico compromete a validade da certificação de conformidade. 4 Protegido contra respingo em todas as direções à prova de respingo. No Brasil.3. sendo este uma entidade pública. 8 Protegido contra submersão. Essa garantia é obtida a partir da emissão do certificado de conformidade. Água projetada em todas as direções não prejudicam o equipamento. Certificado de conformidade dos equipamentos Para que um equipamento elétrico possa ser instalado em área classificada.

O Instru-Ex (Instruções gerais para instalações em atmosferas explosivas). conforme ilustração a seguir: RESERVADO 67 . mantém a obrigatoriedade da certificação para todos os equipamentos elétricos. apresenta o modelo com os principais itens de marcação de equipamentos Ex de origem brasileira.Capítulo 4. acessórios e componentes que serão utilizados em atmosferas potencialmente explosivas.br/ Todos os equipamentos certificados devem possuir identificação mínima exigida por portarias.inmetro. http://www.gov. através de seu site na Internet. Fique atento e procure manter-se sempre informado sobre todas as atualizações. Equipamentos elétricos em áreas classificadas A Portaria n. associados. atualizações para as portarias existentes. ATENÇÃO Freqüentemente o INMETRO divulga. eletrônicos.º 83/2006. do INMETRO.

Alta Competência Br Ex ia IIC T6 Temperatura Certificação Indica a classe de temperatura de superfície do instrumento T1 (450º). RESERVADO . por exemplo. como. os do tipo à prova de explosão (Ex d). equipamentos certificados para “zona 2”. o contrário não é válido. Porém. T6 (85º) Indica que a Certificação é Brasileira Proteção Grupo Indica que o equipamento possui algum tipo de proteção para atmosfera potencialmente explosiva Indica o grupo para o qual o equipamento foi construído GRUPO IIC GRUPO IIB GRUPO IIA Tipo de proteção Indica o tipo de proteção que o equipamento possui: “d” “p” “m” “o” “q” “e” “ia” “ib” “n” "s" 68 – – – – – – – – – – À prova de explosão Pressurizado Encapsulado Imerso em óleo Imerso em areia Segurança aumentada Segurança intrínseca. pois são de concepção mais simples (requisitos construtivos menos rigorosos que os adotados para “zona 1”). podem ser utilizados em “zona 2”. T2 (300º). T4 (135º). T3 (200º). como os do tipo não acendível (Ex n). categoria “a” Segurança intrínseca. não podem ser utilizados em “zona 1”. ou seja. categoria “b” Não acendível Especial ATENÇÃO Equipamentos Ex certificados para uso em “zona 1”. T5 (100º).

( ) Não é permitido. Exercícios 1) Sobre a adequada instalação de equipamentos elétricos em áreas classificadas. ( ) No Brasil. RESERVADO 69 .º 83/2006 obriga que os equipamentos elétricos permitidos em áreas classificadas tenham o certificado de conformidade.4. porém. ( ) O certificado de conformidade do INMETRO atesta que o equipamento elétrico poderá ser instalado em áreas classificadas. Equipamentos elétricos em áreas classificadas 4. ( ) O atendimento dos requisitos construtivos não determina os tipos de proteção adequados ao equipamento. ( ) Atesta que o produto foi fabricado segundo requisitos construtivos determinados em normas ou especificações técnicas aplicáveis. a instalação de equipamentos elétricos em áreas classificadas. ( ) É exigido pelas normas internas Petrobras. sob nenhuma hipótese. 2) Sobre o certificado de conformidade é correto afirmar: ( ) Obrigatório para que um equipamento elétrico possa ser instalado em área classificada. ( ) Só devem ser instalados equipamentos elétricos ou outros equipamentos que possam gerar fonte de ignição quando forem estritamente essenciais para a operação da unidade. é emitido por um OCP (Organismo de Certificação de Produto). ( ) Torna desnecessária a manutenção dos equipamentos. estão associados à certificação de conformidade. marque V (verdadeiro) ou F (falso): ( ) A Portaria do INMETRO n.Capítulo 4.

Alta Competência 3) Todos os equipamentos certificados devem possuir identificação mínima exigida por normas. Complemente a descrição dos principais itens de marcação de equipamentos no modelo de identificação reproduzido a seguir: Br Ex d IIA T4 70 RESERVADO .

Equipamentos elétricos em áreas classificadas 4.uma atmosfera é definida como potencialmente explosiva quando em seu estado normal ela não é perigosa. Normalização e Qualidade Industrial.Instruções gerais para instalações em atmosferas explosivas. Instru-Ex .Organismo de Certificação de Produto. no caso de uma vazamento de gás ou na vaporização de um vazamento líquido. OCP . Por exemplo.Capítulo 4. mas existe a possibilidade que em circunstância anormal ela se torne explosiva. INMETRO .5. Ex . Flange .elemento que permite a união de dois componentes de um sistema de tubulações. Glossário Atmosfera potencialmente explosiva .Instituto Nacional de Metrologia.simbologia utilizada para identificar equipamento elétrico destinado a ser instalado em atmosfera potencialmente explosiva. 71 RESERVADO .

Petroquímicas e de Petróleo: Atmosferas Explosivas. Rio de Janeiro: 2002. Helio Kanji. Rio de Janeiro: 2002. Bibliografia JORDÃO. 72 RESERVADO . 2ª ed. Plataformas Marítimas de Perfuração e de Produção.6. SUZUKI. Roberto Gomes. Dácio de Miranda.Instruções gerais para instalações em atmosferas explosivas. Instru-Ex . Manual de Instalações Elétricas em Indústrias Químicas.Alta Competência 4. OLIVEIRA.

(F) Não é permitido. também chamados de requisitos construtivos.º 83/2006 obriga que os equipamentos elétricos permitidos em áreas classificadas tenham o certificado de conformidade.Capítulo 4. presentes em normas aplicáveis. Equipamentos elétricos em áreas classificadas 4. estão associados à certificação de conformidade. é emitido por um OCP (Organismo de Certificação de Produto). sob nenhuma hipótese. Esses requisitos determinam os tipos de proteção adequados ao equipamento. porém. ( X ) É exigido pelas normas internas Petrobras. Gabarito 1) Sobre a adequada instalação de equipamentos elétricos em áreas classificadas. ( X ) No Brasil. Justificativa: a certificação de conformidade está associada ao atendimento dos requisitos que são utilizados na construção dos equipamentos. ( X ) Atesta que o produto foi fabricado segundo requisitos construtivos determinados em normas ou especificações técnicas aplicáveis. ( ) Torna desnecessária a manutenção dos equipamentos. a instalação de equipamentos elétricos em áreas classificadas. Justificativa: é permitido instalar equipamentos elétricos adequados para a área classificada. RESERVADO 73 . (F) O atendimento dos requisitos construtivos não determina os tipos de proteção adequados ao equipamento. 2) Sobre o certificado de conformidade é correto afirmar: ( X ) Obrigatório para que um equipamento elétrico possa ser instalado em área classificada. ( V ) O certificado de conformidade do INMETRO atesta que o equipamento elétrico poderá ser instalado em áreas classificadas.7. ( V ) Só devem ser instalados equipamentos elétricos ou outros equipamentos que possam gerar fonte de ignição quando forem estritamente essenciais para a operação da unidade. marque V (verdadeiro) ou F (falso): ( V ) A Portaria do INMETRO n.

Complemente a descrição dos principais itens de marcação de equipamentos no modelo de identificação reproduzido a seguir: Br Ex d IIA T4 Classe de temperatura T4 (135º) Certificação brasileira Equipamento Ex com tipo de proteção à prova de explosão Adequado para o Grupo IIA À prova de explosão 74 RESERVADO .Alta Competência 3) Todos os equipamentos certificados devem possuir identificação mínima exigida por normas.

o treinando poderá: • Identificar a importância dos critérios de ventilação adotados na classificação de áreas. RESERVADO .Influência da ventilação em áreas classificadas Capítulo 5 Prefácio Ao final desse capítulo.

Alta Competência 76 RESERVADO .

Portanto. Influência da ventilação em áreas classificadas 5. Influência da ventilação em áreas classificadas A ventilação influencia de forma considerável a classificação de áreas. Área confinada Entende-se o espaço tridimensional (sala. devem ser ventilados adequadamente. de modo a evitar a formação de mistura explosiva. pois toda instalação elétrica nesses locais estará adequada a esses critérios. isto requer a existência de mais do que 2/3 de paredes. As definições a seguir foram retiradas da Norma Petrobras N-2784 . teto e/ou piso. podendo levar à ocorrência de uma explosão. Exemplo: O hood (invólucro) de turbogeradores possui uma taxa de ventilação excessiva. Ambiente com ventilação artificial Ambiente (sala. justamente por causa da área classificada. Áreas com pouca ventilação tendem a possuir um critério mais rigoroso de classificação. pois a falta desta ventilação altera a classificação de área.Capítulo 5. prédio ou invólucro) que possui sistema artificial de insuflamento de ar. fechado por mais do que 2/3 da área superficial projetada no plano e de tamanho suficiente para permitir a entrada de pessoas. Ambiente com ventilação natural Ambiente que não possui nenhum obstáculo ao movimento do ar. RESERVADO 77 . prédio). que são considerados como áreas classificadas para a instalação de equipamentos elétricos. e em caso de perda desta ventilação o gerador é desligado. e servem para ilustrar alguns conceitos utilizados.Confiabilidade e análise de risco. Os ambientes fechados (áreas confinadas). Para um prédio típico. os critérios de ventilação adotados nos projetos deverão ser atendidos durante a vida útil da instalação.

As salas de baterias são projetadas com redundância no sistema de ventilação e. onde a falha desta ventilação deve desenergizar todos os equipamentos internos que não são adequados a áreas classificadas. precisam estar dentro ou adjacente a áreas classificadas. Os ambientes não são considerados áreas classificadas e que. na falha de um deles. além de alarmar. devem ser mantidas desta forma. que uma boa dispersão do ar interno nesse ambiente faz com que a concentração fique abaixo do Limite Inferior de Inflamabilidade (LII). por necessidade. Exemplo: Presença de salas de controle de módulos de compressão em plataformas de produção ou até mesmo contêiner de controle de mergulho. podendo também levar à ocorrência de explosão. ou seja. Fica claro. o outro é acionado automaticamente. caso a concentração de hidrogênio na sala ultrapasse determinada concentração. são projetados com uma ventilação que causa uma pressão positiva em relação a essas áreas classificadas. pois a falta deste diferencial de pressão poderá contaminar o ambiente adjacente. assim. uma mistura pobre. é o caso da sala de baterias (área classificada) com os ambientes adjacentes (áreas não classificadas).Alta Competência As áreas classificadas confinadas que possuem ventilação mecânica e promovem pressão menor que a pressão atmosférica (chamada de pressão negativa) em relação à área classificada de menor risco. 78 Geralmente. o sensor de gás dispara automaticamente o ventilador reserva. Além disso. Veja a seguir uma ilustração que demonstra essa situação: Pressão positiva Zona 2 Porta com dispositivo automático de retorno Alarme visual e sonoro >p M Área não classificada Ventilador RESERVADO . que não pega fogo.

Production. se um dos exemplos precisar ser instalado dentro de uma área classificada como zona 1. são considerados áreas classificadas com um critério mais rigoroso. RESERVADO 79 . o confinamento do local gerado pelas estruturas e módulos é tamanho. que impede a boa circulação de ar. Nesse caso. Storage and Offloading). A ilustração a seguir exemplifica esta situação. mesmo estando ao ar livre e com ventilação natural. como no caso do convés principal de plataformas do tipo FPSO (Floating. é necessário utilizar outro recurso além da pressurização positiva: antecâmara (air-lock). Influência da ventilação em áreas classificadas Mas. Zona 1 >p Antecâmara >p M Zona 2 Área não classificada Alguns locais abertos.Capítulo 5.

c) Área confinada. com suas respectivas descrições: a) Ambiente com ventilação natural. fechado por mais de 2/3 da área superficial projetada no plano e de tamanho suficiente para permitir a entrada de pessoas. RESERVADO .1. ( ) Ambiente que não possui nenhum obstáculo ao movimento do ar.Alta Competência 5. ( ) Ambiente que possui sistema artificial de insuflamento de ar de modo a evitar a formação de mistura explosiva. ( ) Espaço tridimensional. Exercícios 1) Considerando que a ventilação interfere de forma considerável na classificação de áreas. responda às questões a seguir: a) Por que os ambientes fechados que são áreas classificadas devem ser ventilados adequadamente? __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ b) Por que devem ser atendidos os critérios de ventilação? __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ 80 2) Correlacione os tipos de ambientes listados a seguir quanto à ventilação. b) Ambiente com ventilação artificial.

FPSO .Limite Inferior de Inflamabilidade. Hood .2.gerador elétrico acionado por uma turbina a gás ou a diesel. Influência da ventilação em áreas classificadas 5. desembarque etc. Storage and Offloading. Concentração mínima na qual a mistura se torna inflamável. Sistema Flutuante de Produção. Turbogerador .Capítulo 5. LII .grande caixa. 81 RESERVADO . Também é chamado de Limite Inferior de Explosividade (LIE). para acondicionamento de carga.invólucro. a fim de facilitar o seu embarque. Production. de tamanho e características padronizados. Glossário Contêiner .Floating. Armazenamento e Transferência.

2005. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Helio Kanji.Alta Competência 5. Manual de Instalações Elétricas em Indústrias Químicas. JORDÃO. 82 RESERVADO . Aurélio Buarque de Holanda.3.Tankers . Instru-EX . Dácio de Miranda. Petroquímicas e de Petróleo: Atmosferas Explosivas. Rio de Janeiro: 2002. Minidicionário da língua portuguesa.Special Features. Confiabilidade e Análise e Riscos. Plataformas Marítimas de Perfuração e de Produção. N-2784. Electrical Installations in Ships . Roberto Gomes. IEC 60092-502. Bibliografia FERREIRA. PETROBRAS. SUZUKI.Instruções gerais para instalações em atmosferas explosivas. Rio de Janeiro: 2002. OLIVEIRA. 3ª ed. 1993. 2ª ed.

Gabarito 1) Considerando que a ventilação interfere de forma considerável na classificação de áreas. (a) Ambiente que não possui nenhum obstáculo ao movimento do ar. 83 b) Ambiente com ventilação artificial. devem ser ventilados adequadamente. que são considerados como áreas classificadas para a instalação de equipamentos elétricos.Capítulo 5. b) Por que devem ser atendidos os critérios de ventilação? Os critérios de ventilação adotados nos projetos deverão ser atendidos durante a vida útil da instalação. RESERVADO . (c) Espaço tridimensional. pois toda a instalação elétrica nestes locais estará adequada a esses critérios.4. Influência da ventilação em áreas classificadas 5. responda às questões a seguir: a) Por que os ambientes fechados que são áreas classificadas devem ser ventilados adequadamente? Os ambientes fechados (áreas confinadas). fechado por mais de 2/3 da área superficial projetada no plano e de tamanho suficiente para permitir a entrada de pessoas. (b) Ambiente que possui sistema artificial de insuflamento de ar de modo a evitar a formação de mistura explosiva. pois a falta desta ventilação altera a classificação de área podendo levar à ocorrência de uma explosão. c) Área confinada. Correlacione os tipos de ambientes listados a seguir quanto à ventilação. 2. com suas respectivas descrições: a) Ambiente com ventilação natural.

RESERVADO .

RESERVADO . • Identificar os documentos que compõem o plano de classificação de áreas. identificando seu objetivo. o treinando poderá: • Conceituar o plano de classificação de áreas.Capítulo 6 Prefácio Plano de classificação de áreas Ao final desse capítulo.

Alta Competência 86 RESERVADO .

Em algumas instalações. que é o somatório de todas as plantas de classificação de áreas. 6. no caso de recintos fechados.1. VAC etc. Um exemplo da utilização deste desenho é o auxílio ao emitente de Permissão para Trabalho (PT) na identificação do trabalho a ser liberado em área classificada e a partir disso a tomada de medidas adicionais de segurança. Esses documentos serão apresentados a seguir. que influenciam a classificação e extensão das áreas classificadas. Sua necessidade é embasada pela norma Petrobras N-2706 (Plano de classificação de áreas) que o define da seguinte forma: Conjunto de documentos que fornecem as informações sobre as áreas classificadas da unidade industrial. elétrica. a correta dimensão da área classificada. Plano de classificação de áreas 6. operação. 6. quando for consultar a planta. Compõe-se das plantas de classificação de áreas.1.1. As plantas são elaboradas em escala. Esses profissionais se baseiam no arranjo geral ou planta baixa e vistas laterais da instalação. das listas de dados das fontes de risco e. o que informa ao profissional. RESERVADO 87 . encontramos um grande desenho denominado plano geral de classificação de áreas. processo. Plantas de classificação de áreas As plantas de classificação de áreas são elaboradas por uma equipe multidisciplinar com participação das áreas de segurança.Capítulo 6. das listas de dados de substâncias inflamáveis. Documentação O plano de classificação de áreas é composto por documentos. das informações relativas ao projeto de ventilação e ar condicionado. Plano de classificação de áreas O plano de classificação de áreas é utilizado para o conhecimento detalhado da área classificada de uma unidade industrial.

RESERVADO . 88 Essas plantas trazem. Área não classificada. para cada região. • Identificação do grupo ao qual pertencem as substâncias inflamáveis presentes.Alta Competência A ilustração a seguir apresenta parte de um plano geral de classificação de áreas. Zona 1 . para não contaminar os compartimentos vizinhos).(através de exaustão forçada. estando associado à equipamento de processo. • Identificação da classe de temperatura para os equipamentos Ex. Área não classificada . é por curtos períodos.Local onde a ocorrência de mistura inflamável/explosiva é pouco provável e. as seguintes informações: • Indicação da direção de vento predominante. Zona 2 . P Área a ser mantida com pressurização negativa . ainda.Local onde a ocorrência de mistura inflamável/explosiva é provável em condições normais de operação do equipamento de processo. se ocorrer.(desde que mantida com pressão positiva por ventilação forçada).

Devem apresentar os dados dos equipamentos que contenham as fontes de risco.2. 6. evitando erros como no caso da utilização de um equipamento elétrico adequado para zona 2 em zona 1. RESERVADO 89 . Listas de dados para áreas classificadas As listas de dados para áreas classificadas (substâncias inflamáveis e das fontes de risco) servem como insumo para a elaboração das plantas de áreas classificadas. o tipo de ventilação presente no ambiente.1. com seus parâmetros de processo. além de outras. esse documento é de extrema importância no processo de instalação de qualquer equipamento elétrico na unidade. a localização.Capítulo 6. ou até mesmo um equipamento adequado para uso em uma atmosfera de hidrocarbonetos sendo utilizado em uma sala de baterias onde a atmosfera pode conter hidrogênio. o material inflamável com sua classe de temperatura e grupo dos gases. Plano de classificação de áreas Dessa forma.

sejam relacionados em uma lista de equipamentos elétricos e eletrônicos conforme modelo a seguir: RESERVADO . REV.REV.ANEXO A .LOCAÇÃO NOTAS: NORMAS DE REFERÊNCIA: ESPAÇO PARA NOTAS E OBSERVAÇÕES DESCRIÇÃO EQUIPAMENTO DE PROCESSO SIM SIM GRAU NÃO LIMITE DA ZONA 0 SIM LIMITE DA ZONA 2 PETROBRAS N-2167 LIMITE DA ZONA 1 FONTE DE RISCO DISTÂNCIA HORIZONTAL (m) DESCRIÇÃO PETROBRAS N-2166 VENTILAÇÃO NÃO TEMPERATURA / PRESSÃO / VOLUME DE OPERAÇÃO ºC / kPa / m3 PETROBRAS N-2154 MATERIAL INFLAMÁVEL / EXPLOSÍVEL NÃO CLASSE DE TEMPERATURA E GRUPO 90 IDENTIFICAÇÃO OBSERVAÇÃO REV. FOLHA VERIF. SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE. C REV. FORMULÁRIO PERTENCENTE A NORMA PETROBRAS N-2155 . E REV. D REV. LISTA DE DADOS PARA CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAS PROGRAMA: CLIENTE: de AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS.FOLHA 01/01. F REV. I REV. B REV. as diretrizes de projeto da E&P estabelecem que todos os equipamentos e acessórios. TÍTULO: ÁREA: EXEC. G REV. VERIF. H Alta Competência Para as novas unidades.C . Nº DATA APROV. J DESCRIÇÃO DATA EXEC. PROJ. REV. A REV. para uso em áreas classificadas.

mantido a bordo. Tipo/Modelo do fabricante. XYZ – Brasil Área não classificada (ESD-3 ou Carga Essencial). Equipamento.. para exibição/aprovação da Sociedade Classificadora.. quando requerido.TAG... Função/ Sistema. XPTO-. MB-211111 Motor da Bomba de .. Ref. Convés Principal. Classificação de Área (Grupo. “zona”). zona 2 Tensão (V). 1 Motor Item Capítulo 6. . Plano de classificação de áreas Todos os certificados de equipamentos e acessórios para uso em atmosfera explosiva deverão ser reunidos em um databook. Equipamento/ Local instalado IP-W-55 Fabricante/país. Compartimento. skid da Unid. Área/Skid Umidade Pacote. Grupo IIA. 480 22 Grau de Proteção I. Potência Nominal (kW).. Características 2 RESERVADO 91 .

I. R. dez/2001 Marcação Equipamento.. Classe de Temperatura (IEC).7 seg. Tempo máximo de rotor travado tE.Ip/In. tempo de Ajuste relé proteção = 5 seg (a) Prensa-cabo descrito no item xx Entidade Certificadora (OCP). 92 Ex-e Item Alta Competência Motor Parâmetros de Circuitos Intrinsecamente Seguros (V. L. 99-XXX. C. tempo ajustado proteção. Valor total real. Valores Máximos permitidos no circuito. Grupo de Gás (IEC). condições especiais. para motores Ex-e. N/A N/A N/A Acessórios de Instalação Certificados Certificado de conformidade (Dados de placa) tE .. T3 (200 C) BR-Ex-e. Cepel/Labex Observação No. P) 2 RESERVADO . IIA 1 Tipo de Proteção “Ex” (IEC). incluindo os circuitos associados. Valores do Equipamento/ componente. Certificado de conformidade e Validade.

( ) De acordo com a N. ( ) A N-2706 embasa o plano de classificação de áreas e o define como um “Conjunto de documentos que fornecem as informações sobre as áreas classificadas da unidade industrial”. no caso de recintos fechados. das informações relativas ao projeto de ventilação e ar condicionado. Exercícios 1) Sobre o conceito apresentado pela N-2706 aplicado ao plano de classificação de áreas. ( ) O plano de classificação de áreas é utilizado para o conhecimento detalhado da área classificada de uma unidade industrial.Capítulo 6. Plano de classificação de áreas 6.2706. o plano de classificação de áreas é composto das plantas de classificação de áreas. ( ) De acordo com a N.2706. que influenciam a classificação e extensão das áreas classificadas. indique as alternativas que são corretas: ( ) A necessidade do plano de classificação de áreas é embasada pelas normas Petrobras aplicáveis. das listas de dados das fontes de risco e. 2) Quais os documentos que compõem o plano de classificação de áreas? _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ RESERVADO 93 . que não influenciam a classificação e extensão das áreas classificadas.2. das listas de dados de substâncias inflamáveis. o plano de classificação de áreas é composto das plantas de classificação de áreas e das informações relativas ao projeto de ventilação e ar condicionado.

( ) Parâmetros de processos. ( ) Número de equipamentos utilizados. 94 RESERVADO .Alta Competência 3) Indique as alternativas que apresentam informações indicadas nas plantas de classificação de áreas: ( ) Direção de vento predominante. ( ) Identificação do grupo ao qual pertencem as substâncias inflamáveis presentes. ( ) Identificação da classe de temperatura para os equipamentos Ex. para cada região.

Comissão Internacional Eletrotécnica.3. VAC . 95 RESERVADO . PT .Capítulo 6.Ventilação e Ar condicionado. Plano de classificação de áreas 6.International Electrotechnical Commission.simbologia utilizada para identificar equipamento elétrico destinado a ser instalado em atmosfera potencialmente explosiva.Permissão para Trabalho.Organismo de Certificação de Produto. OCP . IEC . Glossário Ex .

96 RESERVADO . Roberto Gomes. Helio Kanji. SUZUKI. Petroquímicas e de Petróleo: Atmosferas Explosivas. Bibliografia JORDÃO. 2a ed. Dácio de Miranda. OLIVEIRA. Rio de Janeiro: 2002.Alta Competência 6. Rio de Janeiro: 2002. Plataformas Marítimas de Perfuração e de Produção.4.Instruções gerais para instalações em atmosferas explosivas. Manual de Instalações Elétricas em Indústrias Químicas. Instru-Ex .

2706. 2) Quais os documentos que compõem o plano de classificação de áreas? a) Plantas de classificação de áreas. das listas de dados das fontes de risco e.2706. que influenciam a classificação e extensão das áreas classificadas. ( ) De acordo com a N.Capítulo 6. o plano de classificação de áreas é composto das plantas de classificação de áreas. das listas de dados de substâncias inflamáveis. ( ) Parâmetros de processos. Gabarito 1) Sobre o conceito apresentado pela N-2706 aplicado ao plano de classificação de áreas. ( X ) A N-2706 embasa o plano de classificação de áreas e o define como um “Conjunto de documentos que fornecem as informações sobre as áreas classificadas da unidade industrial”. Plano de classificação de áreas 6. ( ) Número de equipamentos utilizados. no caso de recintos fechados. lista de equipamentos elétricos e eletrônicos em áreas classificadas. o plano de classificação de áreas é composto das plantas de classificação de áreas e das informações relativas ao projeto de ventilação e ar condicionado. 3) Indique as alternativas que apresentam informações indicadas nas plantas de classificação de áreas: ( X ) Direção de vento predominante. ( X ) Identificação da classe de temperatura para os equipamentos Ex. para cada região. ( X ) Identificação do grupo ao qual pertencem as substâncias inflamáveis presentes. indique as alternativas que são corretas: ( ) A necessidade do plano de classificação de áreas é embasada pelas normas Petrobras aplicáveis. ( X ) O plano de classificação de áreas é utilizado para o conhecimento detalhado da área classificada de uma unidade industrial.5. RESERVADO 97 . b) Listas de dados para área classificada: lista de dados de substâncias inflamáveis. das informações relativas ao projeto de ventilação e ar condicionado. para novas unidades. ( X ) De acordo com a N. que não influenciam a classificação e extensão das áreas classificadas. de dados das fontes de risco e.

Anotações 98 .

Anotações Anotações 99 .

Anotações 100 .

Anotações Anotações 101 .

Anotações

102

Anotações

Anotações

103

Anotações

104

Anotações Anotações 105 .

Anotações 106 .

Anotações Anotações 107 .