P. 1
CLASSIFICAÇÃO DOS MEDICAMENTOS HOMEOPATICOS DE RAJAN SANDARAN

CLASSIFICAÇÃO DOS MEDICAMENTOS HOMEOPATICOS DE RAJAN SANDARAN

|Views: 752|Likes:
Publicado pordomingues4294
A CLASSIFICAÇÃO DOS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS
SEGUNDO RAJAN SANKARAN
A CLASSIFICAÇÃO DOS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS
SEGUNDO RAJAN SANKARAN

More info:

Published by: domingues4294 on Feb 07, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/12/2013

pdf

text

original

A CLASSIFICAÇÃO DOS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS SEGUNDO RAJAN SANKARAN

Os medicamentos homeopáticos são classificados de acordo com a sua fonte em Reino Mineral Reino Vegetal Reino Animal Nosódios Sarcódios Imponderabilia

O Reino Mineral Os temas centrais comuns aos medicamentos do Reino Mineral são a estrutura e a organização, e os problemas dos remédios/personalidades minerais provém de uma ruptura nesta estrutura e organização, quebra de relações ou falhas no desempenho. Como personalidades, eles são muito sistemáticos e tendem a ser altamente organizados. Os medicamentos minerais podem ser adicionalmente classificados em vários grupos: Metais Entre os medicamentos minerais, os metais tem a haver com o desempenho e a defesa. A primeira linha de metais na Tabela Periódica preocupa-se com a defesa mais do que com o desempenho. Esta linha consiste do Manganês, Ferro, Cobalto, Níquel, Cobre e Zinco. A segunda linha tem mais a haver com o desempenho do que com a defesa, e inclui o Ródio , Paládio , Prata, Cádmio e o Índio. Os elementos pertencentes à terceira linha apresentam as mais fortes questões sobre defesa/desempenho. Esta linha consiste dos metais mais pesados e incluem o Ósmio, o Irídio, a Platina, o Ouro e o Mercúrio e o Tálio. Portanto, o grau de preocupação com a defesa/desempenho aumenta da primeira para a terceira linha. Cátions O tema principal dos cátions é a sua necessidade de relacionamentos, mas este tema apresenta um traço característico em cada grupo. O tema dos cátions no grupo IA é a formação dos relacionamentos. Estes cátions são o Sódio e o Potássio. Para os cátions do grupo IIA, i.e., Magnésio, Cálcio, Estrôncio, Bário, o tema é uma necessidade de suporte e apoio. Os elementos do grupo II Boro e Alumínio tem em comum um sentimento de confusão e uma sensação como se houvesse uma teia de aranha sobre o seu rosto. Ânions O principal tema entre os ânions é o esforço em ter ou manter uma relação. No grupo V (Fósforo, Arsênico, Antimônio, Bismuto) o tema é um sentimento de não ser amado e de estar só. Os sintomas comuns aos elementos deste grupo são : "Medo de ficar sozinho", "Desejo de companhia", "Apegados". Entre os elementos do grupo VI, i.e., Sulphur e Selênio, observamos os sintomas em comum "Aversão à companhia" e "Incapacidade para o trabalho". O tema aqui é o de uma pessoa que está fazendo um esforço, que é o que é esperado deles. O grupo VII contém os Halogênios, Fluoretos, Cloro, Brometos e Iodo. Eles tem um sentimento central de serem enganados e serem traídos. O grupo IV contém os elementos não-metálicos Carbono e Sílica. A característica comum a ambos é que eles são não-reativos. Sais Um sal representa uma união de duas qualidades que equilibram uma a outra e, conjuntamente, são apropriadas em certas situações da vida. Dos dois componentes de um sal, o cátion precisa formar uma relação enquanto que os ânions algumas vezes parecem repelir um

relacionamento. Por exemplo, a qualidade do Natrum é um forte desejo de formar um relacionamento, tanto que qualquer rejeição causaria uma dor e um desapontamento tremendos. Esta necessidade do Natrum precisa ser equilibrada por uma qualidade de esperar desapontamento e rejeição e a não-disposição em formar relacionamentos. Isto é fornecido pelo elemento muriaticum (Cloro). Portanto, o Natrum muriaticum é compreensivelmente um sal muito básico, pois ele representa a necessidade do homem de formar relacionamentos e, ao mesmo tempo, a capacidade de tolerar rejeições. Ácidos O tema principal do grupo ácido é uma luta seguida por um colapso. O ácido de um elemento em particular representa um constante esforço/luta na situação daquele elemento. Por exemplo, o principal sentimento do Phosphorus é que ele não é amado e ele reage a este sentimento sendo afetuoso, amigável e compassivo, na esperança que o seu amor e cuidado sejam retribuídos. O esforço do Phosphorus é, portanto, na direção do cuidar dos outros, sendo compassivo para com os demais, etc. Quando este esforço torna-se constante, (i.e., quando ele sente a necessidade de fazer um esforço constante para cuidar dos outros, o estado é o do Phosphoricum acidum. O Reino Animal Comum aos medicamentos animais há um "conflito" que tem a sua base na divisão dentro do self. Existem dois lados diferentes de tais personalidades: o lado animal e o lado humano. O lado animal se preocupa com a competição (que é a chave da sobrevivência no mundo animal). Há necessidade de se atrair a atenção, e estas personalidades são atraentes no seu comportamento e aparência. Eles também podem ser enganosos, malévolos e agressivos - e todas estas qualidades podem ser atribuídas ao seu lado animal. O seu lado humano, por outro lado, parece desprezar o animal interior. A maneira como eles se sentem a respeito de si mesmos frequentemente reflete-se nas expressões que podem ser "...pelos seres humanos", "Os humanos são tão cruéis", "Eu me sinto dividido", "Eu pulei em cima dele", "Eu não sou bom o suficiente", etc. Enquanto os principais problemas dos medicamentos animais provém deste conflito, eles geralmente são afetados por desapontamentos no amor e no desempenho, por serem desprezados, por serem atacados. Entre os medicamentos animais, grupos e classes diferentes .e.g., cobras, insetos, mamíferos, etc, cada um representará os seus padrões característicos. O Reino Vegetal A qualidade básica de uma planta é a sua sensibilidade. Ela é um organismo vivo enraizado no solo, incapaz de mover-se. Para sobreviver, ela precisa ser sensível às alterações no ambiente externo e também capaz de se adaptar a estas mudanças, pois ela não consegue se mover dali. Estas características também são descritivas daqueles que precisam de um medicamento vegetal. Eles tem uma natureza sensível, afetada por muitas coisas e ajustando -se/adaptando-se a elas. Na sua escolha de roupas, eles refletem esta sensibilidade. Eles preferem padrões florais, irregulares, algo que apele para o seu gosto estético. A sua escrita também é muito em "padrões irregulares", geralmente arredondada e desorganizada. O mesmo é verdadeiro quanto a sua maneira de falar. Eles apresentam as suas queixas de um modo desorganizado, frequentemente falando no meio delas sobre as queixas de outras pessoas, e descrevendo as suas de maneira incompleta, sem nenhuma ordem em particular. Eles começam os seus acompanhamentos muito abruptamente. Com a sua afiada sensibilidade, eles sentem a maioria das coisas muito intensamente e são muito descritivos. As queixas são de início rápido e de natureza mutável, com muitas modalidades; elas geralmente estão relacionadas com esta sensibilidade. O fator causal frequentemente é o esforço excessivo ou dano emocional ou físico.

As expressões que eles empregam são: "Eu sou afetado por/sensível a .." "Isto me machuca...", "Eu não consigo tolerar..." "Isto me toca". Estas expressões mostram-nos como pessoas

sensíveis, suaves e emocionais. Os seus sentimentos são as coisas mais importantes para eles, e o medo de ser machucado também. Eles são facilmente afetados e podem ter alterações abruptas do humor. Mesmo os seus sonhos são influenciados pelas ocorrências cotidianas. Os sonhos são variados: sonhos de plantas, de vegetação, de natureza, de música, de arte. A variação miasmática dos medicamentos vegetais varia do miasma agudo até o sicótico. Exceções são a Drosera (tuberculínico) e o Anacardium (sico-sifilítico). Nosódios O tema dos nosódios é o desespero, e este desespero é expresso em todas as esferas da vida de uma pessoa que precisa de um destes remédios. A sua maneira de encarar as coisas e reagir a elas sempre é desesperada. Os nosódios são preparados a partir de um tecido doente. Este tecido está completamente sob o domínio da infeçcão, sobrepujado pela infecção, de modo que as qualidades mais básicas da infecção ou dos processos infecciosos são manifestados nos nosódios. No caso da escabiose, o tecido terá as qualidades da infecção escabiótica - o principal sintoma da escabiose é um intenso prurido - é uma luta constante com um extremo desconforto. O nosódio é preparado a partir do tecido escabiótico derrotado - Psorinum manifesta esta luta. A indicação para um nosódio reside no processo, ao invés de em qualquer esfera de vida em particular. Por exemplo, onde há uma intensa luta com qualquer problema, seja este dinheiro, aceitação, religião ou amor, o remédio indicado é Psorinum. O problema aqui é de caráter indiferenciado. Mas se o problema for específico a uma esfera em particular, por exemplo, se a luta tiver algo a haver com ego e dinheiro, o remédio indicado é Sulphur, um dos antipsóricos mais conhecidos. Os nosódios representam o ponto central do miasma. Para uma explicação mais detalhada a respeito deste conceito, eu referencio o leitor ao meu livro "The Substance of Homoeopathy" (A Substância da Homeopatia). Sarcódios Eu ainda não tenho muita experiência com eles Imponderabilia O meu trabalho com a música como agente terapêutico de cura foi discutido em detalhes no "The Substance of Homoeopathy". A ALMA DO MEDICAMENTO Por um longo tempo eu hesitei em escrever um livro sobre medicamentos, pois estou bastante consciente dos perigos inerentes a tal empreendimento. Em primeiro lugar, há uma grande possibilidade que o leitor, especialmente se ele for um iniciante no campo, possa fixar-se nestes quadros de medicamentos e esquecer que todos os medicamentos possuem um espectro mais amplo e um maior escopo do que qualquer indivíduo consegue observar ou descrever. Não percebendo que estes quadros representam apenas uma versão, apenas um ponto de vista a respeito do medicamento, ele poderia erroneamente imaginar que já observou a totalidade. Eu também percebi que uma idéia imperfeitamente comunicada que poderia facilmente ser corrigida em uma situação de ensino "ao vivo", é muito menos facilmente retificável quando foi colocada por escrito e impressa. Finalmente, há um risco que a Matéria Médica do leitor possa ser restrita ao número limitado de medicamentos descritos aqui; poderia criar uma tendência para tentar se encaixar todos os pacientes em um destes quadros; portanto, jovens praticantes poderiam falhar em fazer a pesquisa sem preconceitos no Repertório ou na Matéria Médica mais completa qual a melhor prescrição necessária. No entanto, nos últimos dois a três anos os meus livros "The Spirit of Homoeopathy" (O Espírito da Homeopatia) e "The Substance of Homoeopathy" (A Substância da Homeopatia) obtiveram uma certa popularidade. Estes livros, escritos para os estudantes de Homeopatia como uma introdução na minha linha de pensamento não tinham e nunca tiveram a intenção de serem textos de Matéria Médica. No entanto, alguns leitores consideraram as idéias dos diversos medicamentos representados nestes livros úteis na prática, apesar de que um pouco inconvenientes na forma, já que o emprego do índice para checar um remédio em particular frequentemente obriga a

pesquisar em vários locais diferentes. Numerosos leitores tentaram reorganizar este material de modo a permitir uma referência mais fácil e parece-me que algumas destas tentativas quase que chegaram a ser publicadas. No entanto, conforme li algumas delas, constatei muitos erros grosseiros que poderiam ter fornecidos idéias bastante errôneas, incorretamente imputadas como minhas. Foi neste momento que eu decidi que eu poderia muito bem escrever um livro no meu próprio estilo para apresentar a minha própria experiência. O material apresentado aqui foi observado e confirmado na minha própria prática; ele é um material sobre o qual estou bastante seguro. Não inclui remédios dos quais tenho pouca experiência ou conhecimento. Eu tentei apresentar o sentimento mais interno da ilusão básica do medicamento enquanto conectava-o com a situação, fonte, miasma e reino. As rubricas e os sintomas físicos citados são aqueles que eu observei repetidamente e frequentemente usei para confirmar o remédio prescrito. Estas idéias me ajudaram na minha prática clínica e eu desejo compartilhá-las com os colegas de profissão. Conforme mencionado acima, grande parte deste material pode ser encontrado nos meus livros anteriores; esta apresentação, no entanto, deve ser de uso mais fácil. Há uma concepção errônea comum com efeito, que eu friso os sintomas mentais e emocionais com a exclusão dos sintomas físicos. Isto é, eu repito, uma concepção errônea. Se parece que eu frequentemente falo exclusivamente do estado mental/emocional, é porque a compreensão disto requer algum grau de insight em relação ao paciente, assim como sobre o remédio, e isto é mais difícil do que notar os sintomas físicos. No entanto, na prática, eu dou muita importância aos sintomas físicos, ao significado da patologia e às modalidades que precisam ser pareadas com as do medicamento. Dar um remédio unicamente com base em uma vaga idéia sobre o quadro mental é uma prescrição destinada a fracassar. Tal abordagem é arriscada, e certamente uma que eu não sigo nem recomendo. As idéias apresentadas neste livro não são superficiais; elas não são apenas meras sugestões. Eu tentei trazer à luz os sentimentos mais interiores do remédio e não é fácil descobrí-los nos pacientes, a não ser na toma do caso do tipo artística, que mergulha profundamente em coisas como as ilusões, sonhos, hobbies do paciente, etc...O que aparece superficialmente pode ser bastante diferente do que realmente se encontra no interior. Por exemplo, eu tive um caso no qual a expressão era de um medo do palco, mas observei que, nesta situação, a reação do paciente, pânico e medo tremendos, era como se ele estivesse prestes a ser assassinado. Minha idéia de compreensão de um remédio é captar a conexão que une os seus inúmeros sintomas: a ilusão básica, a sua fonte (reino), o miasma ao qual ele pertence, os seus sintomas - todos precisam ser compreendidos como aspectos de uma totalidade única se quisermos ao menos começarmos a verdadeiramente compreender um remédio. É esta minha tentativa de traçar estas conexões que distingue este trabalho das outras Matérias Médicas. Eu acredito, por exemplo, que o "elo de conexão" em Sepia é o sentimento que ela é forçada a fazer alguma coisa contrária à sua intenção. Isto foi confirmado por mim na prática vezes sem conta. - eu não acredito que seja uma mera teoria...e ainda assim o leitor precisa lembrar-se que esta é a experiência do Rajan e não necessariamente a palavra final. Similarmente, a compreensão sobre os miasmas apresentadas aqui, por exemplo, o tema da sicose como sendo "fixada" não é tradicional. Ela é apenas o meu próprio entendimento e o ponto de vista de outra pessoa poderia muito bem ser diferente. Uma discussão completa a respeito da minha compreensão sobre miasmas é apresentada em "The Substance of Homoeopathy" e não é relatada aqui. Em muitos casos eu descrevi a "situação" do remédio sob discussão. Deixe-me notar aqui que a situação do remédio não é necessariamente a verdadeira situação do paciente; na realidade é a situação na qual ele (inconscientemente) percebe-se como sendo. Portanto, quando eu digo que o Magnésio é um órfão, isto significa que o paciente sente-se como se fosse órfão, apesar de que ele possa, na verdade ainda ter pais vivos. As pessoas colocam as situações de acordo com as suas percepções da realidade. O Magnesium muriaticum, por exemplo, sente que os seus amigos o trairão e então evita as pessoas. Isto apenas reforça o seu sentimento de estar sem amigos. Eu desejo novamente reiterar que um bom praticante da Homeopatia não tenta encaixar o paciente a um remédio em particular, mas procura primeiro compreender claramente o paciente e então encontrar o remédio apropriado através da repertorização, os estudos dos remédios prováveis nas diversas Matérias Médicas e a revisão das experiências dos outros homeopatas com estes remédios.

Ao invés de se tentar ver qual parte de um remédio considerado encaixa-se no caso, ele precisa ver o que não se encaixa e precisa permanecer cético. O prescritor que deseje ampliar a sua habilidade precisa ser capaz de reconhecer o que não se encaixa e resistir à tendência a "forçar" um encaixe. Desta maneira ele será levado a considerar um outro medicamento que poderia parecer similar, mas não o é. Este é o modo pelo qual eu tento trabalhar, e se você fizer o mesmo, você pode ser capaz de desenvolver quadros de remédios menos conhecidos. Este livro é direcionado para aqueles que leram "The Spirit of Homoeopathy" e "The Substance of Homoeopathy" pois são estes trabalhos anteriores que expressam mais plenamente a minha compreensão sobre o Organon e a Matéria Médica. Sem uma compreensão sobre as minhas idéias sobre coisas como a toma do caso, a classificação dos remédios de acordo com o reino, miasmas, etc, este livro não terá muito benefício. Este trabalho pode ser usado como um coadjuvante para os trabalhos prévios mas não os substitui. O leitor que tentar usar este livro sem compreender os conceitos fundamentais pode facilmente se encontrar perdido, sem uma bússola. Finalmente, deixe-me repetir que o leitor precisa ter em mente que este livro baseia-se na experiência de um homeopata em meio à uma multidão e deve ser tomado apenas como "notas ao longo da trajetória" e não como a palavra final. Usado desta maneira, ele pode ter algum valor. REINO VEGETAL PALAVRAS EMPREGADAS: Em sou afetado por. Eu sou sensível a . Isto me machuca. Isto me toca. Eu não consigo suportar. Eu sou imediatamente afetado por. Mudanças de humor. DISCURSO: Toda a sorte de coisas que o afetam. Variado. CALIGRAFIA: redonda. ASSINATURA: desorganizada. NATUREZA E DISPOSIÇÃO: Suavidade, Sensível, Emocional, Ajustável, Facilmente influenciável, Adaptável, Irritável. MEDOS: Machucar-se/da Dor. SONHOS E INTERESSES: Natureza, Vegetação, Plantas, Artísticos, Música, Variados. Depende das ocorrências do dia. DESEJOS: Variadas. AVERSÕES: MODO: Mutável, Adaptável, Instável. MIASMÁTICO: Agudo-Sicótico. PALAVRA-CHAVE: Sensibilidade. MANEIRA DE VESTIR-SE: Sensível, florais, padrões irregulares. PROFISSÃO: Artistas, Enfermeiras. APRESENTAÇÃO DAS QUEIXAS: emaranhada, arredondada, divagante, descritiva, ajustável. Sintomas descritos de forma ao acaso e não completamente (frequentemente mesmo entremeado por queixas de outras pessoas). NATUREZA DA QUEIXA: Sensibilidade, Muitas Modalidades, Influenciado facilmente, Reação rápida. RITMO E CAUSALIDADE: Geralmente de início e de variações rápidas. Emocional e física, Dor/Choque/Esforço. ACOMPANHAMENTOS: Começa subitamente. Estes não afetam-me tanto assim. REINO ANIMAL PALAVRAS EMPREGADAS: Meus sentimentos. Pelos seres humanos. Eu pulo em cima deles. Eu vou bater neles. Ela é melhor do que eu. Eu não sou bom o suficiente. Eu não me aceito. Eu me sinto dividido. Os seres humanos são tão cruéis. DISCURSO: O que quer que chame atenção. Excitado/animado/vívido. CALIGRAFIA: Atraente. ASSINATURA: Chama a atenção, Agressiva. NATUREZA E DISPOSIÇÃO: Afetuosa/solícita/brincalhona, Amorosidade, Agressiva/ malévola. Alerta/rápido em reagir. Animado/inquieto. Enganador/curioso. Maldoso/ciumento, Expressivo/comunicativo.MEDOS: Perda do poder de atração. Competição. Agressão/ataque, rejeição, isolamento. SONHOS E INTERESSES: Animais, cobras, buscas, ser atacado, amorosos, voando. DESEJOS: carne, peixe. AVERSÕES: leite. MODO: multifacetado, mutável, mudanças abruptas. Instável. MIASMÁTICO:Agudo-Sico-sifilítico. PALAVRA-CHAVE:Competição. MANEIRA DE SE VESTIR: Atraente ou inexpressiva. Diferente. Os animais em roupas (anéis de serpentes, etc). PROFISSÂO: Propaganda, Competidores. APRESENTAÇÃO DA QUEIXA: com sentimento. Animado. Buscando atenção, calorosa, olhos alertas, contato visual. NATUREZA DA QUEIXA: problemas no seu poder de atração e na competitividade. RITMO E CAUSALIDADE: Geralmente tem um RITMO moderado. Rejeição. Negligenciado. Parece por baixo, falha em se defender. Falha na competição. Agressão/ataque. Fracasso no amor. ACOMPANHAMENTOS: eu estou me sentindo melhor. Eu posso relacionar-me melhor. Também cuide das minhas manchas na pele e da queda do meu cabelo. REINO MINERAL PALAVRAS EMPREGADAS: Meu relacionamento. Minha casa/família. Minha conta-corrente. Minha saúde. Meu desempenho. Meu trabalho. Minhas articulações, Minha pele/meus nervos. DISCURSO: direto e vai até o fim. Uniforme. CALIGRAFIA: estruturada. ASSINATURA: angulosa,

reta. NATUREZA E DISPOSIÇÃO: sistemática. Forte, Calculista. MEDOS: Ruptura das estruturas. Falhas no desempenho. De perder alguma coisa. SONHOS E INTERESSES: estruturados. Coisas, financeiros. Relacionamentos. Casa, trabalho/esforço, desempenho/luta. Repetitivo. DESEJOS: sal, terra. MODO: Um modo ou dois no máximo. Fixo, invariável. Similar em todas as situações. Estável. MIASMÁTICO: agudo-Sifilítico. PALAVRA-CHAVE:Estrutura. MANEIRA DE SE VESTIR: Estruturada, Com estampas, listras, simples. Simetria. PROFISSÃO: contadores, computadores, gerenciamento, construtores de casas, engenheiros (desempenho). APRESENTAÇÃO DA QUEIXA: Organizada, estruturada, Percentagens, sistemática, exatidão, pontos por escrito. Números. NATUREZA DA QUEIXA: Problemas na estrutura. Crônica. RITMO E CAUSALIDADE: Geralmente de início lento e progride, ruptura na estrutura. Ruptura no relacionamento. Falhas no desempenho. ACOMPANHAMENTOS: Eu vim ver você da última vez.... Minha pressão arterial é 140/90, eu estou 25% melhor. Meu trabalho é bom. Tenho estado em um tratamento regularmente há seis meses. Quanto tempo vai demorar? Esteve 10% melhor nos primeiros seis dias.

FONTE: http://www.amhmg.org

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->