Você está na página 1de 13

I - Despedidas em Belém (est.

83 a 89)

Síntese
Depois de relembrar a História de Portugal, Vasco da Gama narra ao rei de
Melinde a partida da armada para a viagem de descoberta do caminho marítimo para a
Índia, em analepse.
Começa por contar que os navegadores foram remunerados por D. Manuel I
e incentivados com palavras de ânimo.
No porto de Lisboa, prepararam-se as naus para a viagem, encontrando-se os
marinheiros e os soldados muito entusiasmados e sem medos. Depois destes
preparativos, aprontaram-se também espiritualmente, pedindo a Deus orientação e
apoio para a viagem.
Vasco da Gama refere que quando recorda o momento da partida, cheio de
dúvida e receio, tem dificuldade em conter as lágrimas.
Naquele dia, o povo da cidade de Lisboa aglomerou-se na praia de Belém para
assistir à partida das naus e para se despedir dos amigos e parentes que iriam embarcar.
Acreditava-se que a viagem seria longa e perigosa de forma que o povo
considerava a possibilidade dos navegadores jamais voltarem. Os homens não
conseguiam esconder a emoção (“com suspiros”) e as mulheres choravam com
desespero e medo de não os voltarem a ver.

Análise
Foi no dia 8 de Julho de 1497 que a armada portuguesa, capitaneada por Vasco
da Gama, partiu em procura do desconhecido. Uma enorme multidão concentrou-se na
praia de Belém para assistir à partida dos marinheiros seus amigos ou familiares.

O tema deste excerto lírico, é emotivo do ponto de vista sentimental, pois é


revelada uma enorme saudade por aqueles que vão “navegar” e por aqueles que ficam.
É um episódio constituído por uma primeira parte, em que se descreve o local da
partida e o alvoroço geral dos últimos preparativos da viagem, estando as naus já
preparadas e os nautas na ermida de Nossa Senhora de Belém orando (est. 84 a 86).

Numa segunda parte, em que Gama e os seus marinheiros passam por entre a
multidão para chegar aos batéis, num caminho desde o “santo templo”, destacam-se as
evocações de mães e esposas acerca da partida, criando um entristecimento na emotiva
despedida do Restelo (est. 87 a 92).

Finalmente, na terceira parte, é referido o embarque em que, por determinação


de Vasco da Gama, não se fazem as despedidas habituais, para diminuir o sofrimento
tanto dos que partiam como dos que ficavam (est. 93).

1.ª parte
Estrofes: 84 – 86
Introdução

Localização Preparação
espácio-temporal Vista geral da praia religiosa dos
marinheiros

2.ª parte
Estrofes: 87 – 92

Desenvolvimento

A
procissão

Plano de Plano de Plano de Grande plano:


conjunto: pormenor: conjunto:
- as mulheres (mães, - os velhos - a mãe
- a gente da cidade esposas, irmãs) - os meninos - a esposa
- as gentes - os homens - os montes

3.ª parte – estrofe 93: O embarque


1. “Co salgado Neptuno o doce Tejo” (est. 84)
1.1. A que se refere o narrador na expressão “salgado Neptuno”?
R.: _________________________

1.2 Identifica o recurso estilístico presente no verso transcrito.


R.:__________________________

Houve a substituição de mar por Neptuno, deus do mar. Desta forma,


substituiu-se mar por outro termo com o qual mantém uma relação directa. A este tipo
de recurso dá-se o nome de metonímia.

Metonímia
A metonímia é uma figura de estilo segundo a qual se substitui um termo por
outro com o qual está em íntima relação.

2. “Que o nome tem da terra, pera exemplo,/Donde Deus foi em carne ao


mundo dado.” (est. 87)
2.1. E neste caso, a que terra se refere o narrador?
a) Lisboa
b) Belém
c) Porto
d) Índia

2.2. Efectivamente, “Deus em carne” é Jesus, que nasceu em Belém.


Que recurso estilístico está presente nestes versos?
R.: ______________________________

A perífrase é uma figura de estilo que consiste em substituir uma palavra por
uma expressão mais longa, indirecta e descritiva.

3. Integra as estrofes 83 a 89 no plano da narrativa correspondente:


a) Plano Mitológico
b) Plano da História de Portugal
c) Plano da Viagem de Vasco da Gama.

4. Relê o verso: “A gente marítima e a de Marte” (est. 84).


A quem se refere o poeta?
a) Aos deuses do Olimpo
b) Aos marinheiros e aos soldados

4.1. Que figura de estilo está presente neste verso?


a) Aliteração
b) Perífrase
c) Hipérbole
5. Vasco da Gama é um narrador participante quanto à sua presença.
5.1. Sublinha na estrofe 87, que se segue, marcas textuais que justificam
esta afirmação.

“Partimo-nos assim do santo templo


Que nas praias do mar está assentado,
Que o nome tem da terra, para exemplo,
Donde Deus foi em carne ao mundo dado.
Certifico-te, ó Rei, que se contemplo
Como fui destas praias apartado,
Cheio dentro de dúvida e receio,
Que apenas nos meus olhos ponho o freio.”

6. Na estrofe 83 é feita uma comparação entre os marinheiros portugueses e os


mínias, argonautas que se aventuraram no Mar Negro.
6.1. Sublinha na estrofe a palavra que estabelece a comparação referida.

“Foram de Emanuel remunerados,


Porque com mais amor se apercebessem,
E com palavras altas animados
Para quantos trabalhos sucedessem.
Assim foram os Mínias ajuntados,
Para que o Véu dourado combatessem,
Na fatídica Nau, que ousou primeira
Tentar o mar Euxínio, aventureira.”
II - Intertextualidade

As descobertas marítimas constituem um assunto muito recorrente na nossa


literatura e na arte em geral. O mar, a saudade, a desgraça, o perigo, a coragem, a
fama e a glória resultantes dos Descobrimentos servem frequentemente de inspiração a
muitos escritores.
Lê com atenção o poema de Fernando Pessoa que reflecte os medos e os
perigos presentes nas estrofes de Os Lusíadas.

Mar Português
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena


Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Fernando Pessoa, in Mensagem

Fernando Pessoa
Nome completo: Fernando António Nogueira Pessoa.
Nascimento e naturalidade: Nasceu em Lisboa,
freguesia dos Mártires, no prédio n.º 4 do Largo de S.
Carlos (hoje do Directório) em 13 de Junho de 1888.
Morte: 30 de Novembro de 1935.
Educação/Formação: escolaridade primária e estudos
liceais (com resultados brilhantes), na África do Sul. Em
virtude de, falecido seu pai em 1893, sua mãe ter casado,
em 1895, em segundas núpcias, com o Comandante João
Miguel Rosa, Cônsul de Portugal em Durban, Natal, foi ali educado. Ganhou o prémio
Rainha Vitória de estilo inglês na Universidade do Cabo da Boa Esperança em 1903, no
exame de admissão, aos 15 anos.
Regressou a Lisboa, em 1905.
Morada: Rua Coelho da Rocha, 16, 1º. Dto. Lisboa. (Endereço postal - Caixa Postal
147, Lisboa).
percurso: Actividade profissional ligada à tradução de documentos comerciais.
Colaboração em diversas publicações (A Águia, A Renascença, Centauro, Portugal
Futurista, entre muitas outras).
Preparação e lançamento, em 1915, da revista Orpheo que abala a mentalidade do seu
tempo.
Análise
O poema "Mar Português" revela-nos que apesar do sofrimento, resultante do
empreendimento dos Descobrimentos, este "valeu a pena", pois ficou na memória da
humanidade como sendo algo grandioso e glorioso.
O mar era doce. Segundo Fernando Pessoa, ficou salgado com as lágrimas do
povo português. Para imortalizar o lado doloroso e trágico dos heróis portugueses,
Fernando Pessoa escreveu: “quem quer passar além do Bojador. Tem que passar além
da dor”. Sem Fernando Pessoa, sem Camões, os heróis portugueses seriam menos
grandiosos. O artista valoriza os sentimentos de um povo e engrandece uma nação. Dá
cor, sabor e imortaliza.

1. Qual dos seguintes excertos do poema consideras que resume melhor o seu
tema?
a) Para que fosses nosso, ó mar
b) Ó mar salgado, quanto do teu sal
c) Valeu a pena? Tudo vale a pena

Para que fosses nosso, ó mar! é a resposta correcta, porque o tema deste poema
é a conquista marítima. Os sacrifícios, o sofrimento e a dor por que passaram os
portugueses para alcançar a glória da conquista constituem o assunto desenvolvido no
poema.

O poema pode ser dividido em duas partes:


Na primeira parte, que corresponde à primeira estrofe, é destacado o
sofrimento provocado pelo empreendimento marítimo dos portugueses.

2. Sublinha na primeira estrofe as expressões que demonstram sofrimento.

Ó mar salgado, quanto do teu sal


São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Na segunda parte, que corresponde à segunda estrofe, justifica-se a razão


de tantas provações pela obtenção da glória.

3. Destaca da segunda estrofe as expressões/versos que nos revelam a razão de


tantas provações pela obtenção da glória.

Valeu a pena? Tudo vale a pena


Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
4. A apóstrofe consiste na interpelação ou invocação de alguém ou de alguma coisa
personificada. Normalmente, é introduzida pela interjeição Ó.
4.1. Identifica as apóstrofes presentes na primeira estrofe do poema.
R.: ______________________________ e _______________________.

A invocação do mar através da apóstrofe, que abre e encerra a primeira


estrofe, permite destacá-lo como elemento responsável pela dor do povo português.

5. A repetição do determinante indefinido – “quanto… quantas… Quantos…


Quantas…” na primeira estrofe tem como objectivo:
a) Determinar o número exacto de vítimas.
b) Transmitir uma sensação de monotonia.
c) Realçar o esforço e o sofrimento do povo português.

6. Identifica o recurso estilístico presente nos versos iniciados pelos determinantes


indefinidos.
R.: _____________________________________

A intenção do sujeito poético ao repetir várias vezes o determinante indefinido


na primeira estrofe é enfatizar a ideia de sofrimento e de dor.

A este recurso estilístico, que consiste na repetição da mesma palavra ou


palavras no início de vários versos ou frases sucessivas com o objectivo de exprimir a
intensidade de uma ideia, dá-se o nome de anáfora.

7. Qual é a mensagem que se pretende transmitir na metáfora: “Ó mar salgado,


quanto do teu sal / são lágrimas de Portugal!”?

a) As lágrimas (que, como sabes, são salgadas) foram a causa do mar ser
salgado.

b) A associação entre o sal do mar e as lágrimas de Portugal enfatiza a


dimensão do sofrimento do povo português.

c) O sal era um bem muito caro na época e era preciso um grande esforço
para conseguir comprá-lo.
8. Completa o texto com palavras da lista seguinte: glória, positivo, grandeza,
consequências negativas, Valeu a pena?

Depois de, na primeira estrofe, referir as __________________________ dos


Descobrimentos Portugueses, o sujeito poético inicia a segunda estrofe com a pergunta
retórica “ __________________” que reforça o tom épico do poema.
A resposta que se lhe segue pretende realçar o lado _________________ do
empreendimento. Os versos “Tudo vale a pena / Se a alma não é pequena” realçam a
_________________ da alma humana, disposta a enfrentar os desafios em nome da
_______________.

9. Atenta nos dois últimos versos do poema e associa-os àquele que consideras ser o
seu significado.

a) Estes versos revelam a dupla orientação divina (negativa e positiva) que foi
concedida ao mar: ser um espaço de perigos mas, simultaneamente, constituir
um espaço de compensação e de glória.

b) Os versos significam que Deus, apesar de ter feito do mar um espaço de perigo e
abismo, concedeu-lhe beleza pois nele é que espelhou o céu.

c) O significado destes versos é que Deus criou no mar perigos e abismos, mas
espelhou nele o céu e as estrelas pelas quais os marinheiros se orientavam.

O verso Deus ao mar o perigo e o abismo deu apresenta uma mudança da


ordem directa das palavras na frase. A ordem natural das palavras na frase seria:
“Deus deu o perigo e o abismo ao mar”
(sujeito + verbo + complemento directo + complemento indirecto).

Estamos perante um recurso estilístico de sintaxe designado hipérbato que,


através da anteposição do complemento indirecto “ao mar”, destaca este elemento do
poema.
No último verso do poema Mas nele é que espelhou o céu, a conjunção
adversativa Mas revela a dupla orientação divina (negativa e positiva) que foi
concedida ao mar: ser um espaço de perigos mas, simultaneamente, constituir um
espaço de compensação e de glória.
III - Versificação

Verso – representa cada unidade construtiva rítmica de uma poesia.


Métrica – é a quantidade de sílabas poéticas.
Escansão - é a contagem do número de sílabas poéticas.
Estrofe – é o agrupamento de versos.

Importante: Contam-se as sílabas até a última sílaba tónica.

Es|tou | de | vol|ta | pro | meu | a|con|che||go – átona


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Sem|pre | quis | te | dar | ca|ri|nho e | pai|xão|| – tónica


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

O fenómeno que se verifica na sílaba poética número oito chama-se elisão (sons
vocálicos diferentes).

A | col|cha a|ca|ba | de a|que|cer | nós | dois||


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Além da elisão na sílaba poética número seis, há crase (a mesma vogal) na sílaba
número três.

A saber...
O número de sílabas é determinante para a sua classificação:

Uma – Monossílabos;
Duas – Dissílabos;
Três – Trissílabos;
Quatro – Tetrassílabos;
Cinco – Pentassílabos ou redondilha menor;
Seis – Hexassílabos;
Sete – Heptassílabos ou redondilha maior;
Oito – Octossílabos;
Nove – Eneassílabos ou jâmbicos Dez – Decassílabos = heróico (acentos na 6ª e 10ª) ou
sáficos (acentos na 4ª, 8ª e 10ª);
Onze – Hendecassílabos;
Doze – Dodecassílabos ou alexandrinos (se os acentos forem na 6ª e 12ª);
Mais de doze – Bárbaros

Repetição
Antecanto – repetição do verso no início de cada estrofe.
Bordão – repetição do verso no final de cada estrofe.
Estribilho ou Refrão – repetição constante dos versos.
Quanto ao número de versos:

Monóstico – um verso
Dístico – dois versos
Terceto – três versos
Quadra – quatro versos
Quintilha – cinco versos
Sextilha – seis versos
Sétima – sete versos
Oitava – oito versos
Nona – nove versos
Décima – dez versos

Rima - Identidade sonora, normalmente, no fim de cada verso.

Quanto à combinação:
Rimas Cruzadas – ABAB
...casa
...forte
...brasa
...norte

Rimas Emparelhadas ou Paralelas – AABB


...vento
...lento
...ponho
...sonho

Rimas Interpoladas ou Opostas – ABBA


...viso
...fraca
...maca
...riso

Rimas Encadeadas – a palavra final de um verso rima com uma palavra do meio do
verso seguinte.

Ausência de rima – quando os versos não rimam são designados de versos soltos ou
brancos.

Quanto à acentuação:
Rimas agudas ou masculinas – rimam palavras agudas
Rimas graves ou femininas – rimam palavras graves
Rimas esdrúxulas – rimam palavras esdrúxulas
Quanto à terminação vocálica ou consonântica:

Rima Perfeita, Consoante ou Soante – há correspondência completa de sons: tento /


vento – vele / sele. Rimam consoantes e vogais.
Rima Imperfeita ou Toante – apenas rimam vogais.

Quanto à Morfologia ou à classe gramatical:


Rima Rica – classes gramaticais diferentes: contente / tente
Rima Pobre – a mesma classe gramatical: coração / união

1. Preenche correctamente o seguinte texto.

O poema “Mar Português” é composto por _________ estrofes com seis versos
cada, ou seja, duas ____________________.
Relativamente à métrica, os versos são ____________________ ( oito sílabas): “São
lágrimas de Portugal!” e decassílabos (_______ ______________): “Ó mar salgado,
quanto do teu sal”
Quanto à rima, temos presente o esquema rimático ______________, ou seja,
rima _________________.
2. A rima pode ser classificada de várias formas, dependendo do parâmetro que
analisamos.
2.1. Sublinha no texto da primeira sextilha, a vermelho, as palavras que
quanto à acentuação são rimas agudas.

Ó mar salgado, quanto do teu sal


São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

2.2. Sublinha, agora a azul, as palavras que quanto à acentuação são


rimas graves.

3. Procura, agora, exemplos de rima rica e de rima pobre.


R.: Rima rica: ___________________________
Rima pobre: ______________________________

4. Na segunda sextilha, nos vocábulos “deu” e “céu”, quanto à terminação vocálica


ou consonântica, dizemos que há rima ________________. Já nas palavras “pena”
e “pequena”, a rima é ___________________.

IV - “Mar português” e “O Velho do Restelo”


A expansão e as descobertas marítimas portuguesas são temas muito recorrentes
na Literatura Portuguesa.
Tendo em conta a intertextualidade existente entre “Mar Português” de
Fernando Pessoa, na Mensagem, e o episódio “O Velho do Restelo” de luís de Camões,
em Os Lusíadas, resolve os exercícios que se seguem.

Em “Mar Português”, ficamos a saber que se concretizaram as profecias do


“Velho do Restelo”, relativamente ao sofrimento que os portugueses iriam passar caso
decidissem seguir “o fraudulento gosto” da cobiça e da ambição.
1. Sublinha, no excerto que se segue, os versos que correspondem às profecias do
“Velho do Restelo” dirigidas `armada de Vasco da Gama no momento da
despedida das naus:

96
Dura inquietação d'alma e da vida,
Fonte de desamparos e adultérios,
Sagaz consumidora conhecida
De fazendas, de reinos e de impérios;
Chamam-te ilustre, chamam-te subida,
Sendo dina de infames vitupérios;
Chamam-te Fama e Glória soberana,
Nomes com que se o povo néscio engana.
97
A que novos desastres determinas
De levar estes reinos e esta gente?
Que perigos, que mortes lhe destinas,
Debaixo de algum nome preminente?
Que promessas de reinos e de minas
De ouro, que lhe farás tão facilmente?
Que famas lhe prometerás? Que histórias?
Que triunfos? Que palmas? Que vitórias?

2. Assinala apenas as afirmações verdadeiras:

a) Segundo o “Velho do Restelo”, a “glória de mandar” e a “vã cobiça” desencadearão


desastres à gente navegadora portuguesa e a glória prometida nunca será alcançada.

b) No episódio de “O Velho do Restelo”, o objectivo que impulsionou o


empreendimento marítimo foi a “glória de mandar” e a “vã cobiça”.

c) No episódio de “O Velho do Restelo”, o mar constitui um espaço de sucesso e de


glória.

d) Em “Mar Português”, as formas verbais choraram, rezaram e ficaram, no Pretérito


Perfeito do Indicativo, expressam o sofrimento por que passaram os portugueses.

Em ambos os textos que acabaste de confrontar se enfatiza o sofrimento e a dor


que passaram os portugueses, aquando do empreendimento marítimo dos
Descobrimentos. No entanto, se no episódio de “O Velho do Restelo” há uma crítica
feroz às ambições portuguesas, pelo contrário, em “Mar Português”, o sujeito poético
realça positivamente o empreendimento dos Descobrimentos e enaltece a grandeza da
alma humana, disposta a enfrentar os desafios em nome da glória.

Bom trabalho!
Maria Filomena Ruivo Ferreira Santos