P. 1
Violencia Contra Infancia e Adolescente

Violencia Contra Infancia e Adolescente

|Views: 705|Likes:
violência doméstica, trabalho infantil e escravo e violação contra os direitos da criança e adolescente
violência doméstica, trabalho infantil e escravo e violação contra os direitos da criança e adolescente

More info:

Published by: ADELAIDE DO SOCORRO DIAS BAIA on Feb 08, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/12/2013

pdf

text

original

FACULDADE METROPOLITANA DA AMAZÔNIA CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM NA ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA E ADOLESCENTE

ADELAIDE BAIA JULINETE BARBOSA KÁTIA CARDIAS LUCÉLIA OLIVEIRA LUCIENE VERAS MAURICIO ESTEVES

BELÉM 2009

ADELAIDE BAIA JULINETE BARBOSA KÁTIA CARDIAS LUCÉLIA OLIVEIRA LUCIENE VERAS MAURÍCIO ESTEVES

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA E ADOLESCENTE
Trabalho apresentado ao Curso de Enfermagem da Faculdade Metropolitana da Amazônia - Famaz, como requisito parcial e avaliação à obtenção de nota(____________) na disciplina Enfermagem na atenção à saúde da criança e adolescente. Orientadora: Profª. Glenda Bentes

Ass.: _____________________________________________________________________ 1º Exam.: Glenda Bentes – Msc.– Faculdade Metropolitana da Amazônia

BELÉM 2009

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO..............................................................................................................................3 I. II. III. IV. Violência e Vulnerabilidade: literatura e conceitos........................................................4 Criança versus Família......................................................................................................6 Violência Doméstica...........................................................................................................7 A Violência Sexual Intrafamiliar Praticada Contra a Criança: a quem compete

produzir a prova?..........................................................................................................................9 V. VI. Exploração do trabalho infanto-juvenil.........................................................................15 Educação infanto-juvenil.................................................................................................19

CONSIDERAÇÕES FINAIS......................................................................................................22 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA...........................................................................................23

INTRODUÇÃO

A violência contra crianças e adolescentes acompanha a trajetória da humanidade, manifestando-se de múltiplas formas, nos diferentes momentos históricos e sociais, em acordo com aspectos culturais. A violência “tem significado” a sociedade brasileira, atingindo crianças e adolescentes pobres de forma cruel e infame. Os assassinatos, torturas e maus-tratos a que estes são violentamente submetidos têm-se apresentado com um certo caráter de normalidade. Acreditamos, no entanto, que tais ações não são cometidos de forma individual, mas são conseqüências de um imaginário construído historicamente que concebe a violência como elemento estruturador e organizador das relações sociais e da superação dos conflitos sociais. Este texto sustenta que a violência sofrida pelas crianças e jovens possui fortes vínculos com a condição de vulnerabilidade social em que se encontra nosso país. Ressalta-se que a violência, embora, em muitos casos, associada à pobreza, não é sua conseqüência direta, mas sim da forma como as desigualdades sociais, a negação do direito ao acesso a bens e equipamentos de lazer, esporte e cultura operam nas especificidades de cada grupo social desencadeando comportamentos violentos. Portanto, a violência estrutural, responsável pela desigualdade social, contribui com o desenvolvimento da violência interpessoal, nos diferentes segmentos sociais, em especial na dinâmica e no modelo familiar. Estudos apontam que a violência doméstica faz parte de um contexto socioeconômico e cultural, que pode influenciar o comportamento agressivo dos familiares, os quais tendem a repetir as condições de exploração e abandono de que são vítimas, contribuindo assim para a perpetuação da violência contra a criança e adolescentes, num ciclo vicioso.

I.

Violência e Vulnerabilidade: literatura e conceitos Não é simples a tarefa de definir a violência. Conceitos de violências têm sido

propostos para falar de muitas práticas, hábitos e disciplinas, de tal modo que todo comportamento social poderia ser visto como violento, inclusive o baseado nas práticas educativas, tais como na idéia de violência simbólica proposta por Pierre Bourdieu (2001). Para esse autor, a violência simbólica se realiza sem que seja percebida como violência, inclusive por quem é por ela vitimizada, pois se insere em tramas de relações de poder naturalizadas. Em que pesem as dificuldades em definir a violência, sendo comum a formulação de conceitos ad hoc,ou seja, mais apropriados ao lugar, ao tempo histórico que se examina, a literatura, a seguir apresentada, aponta uma tendência de conceituar a violência de forma mais abrangente do que relacioná-la com atos que imputam danos físicos a pessoas ou grupos de pessoas. Chauí (1999: 3-5), por exemplo, define violência como: “(...) 1) tudo o que age usando a força para ir contra a natureza de alguém (é desnaturar); 2) todo ato de força contra a espontaneidade, a vontade e a liberdade de alguém (é coagir, constranger, torturar,brutalizar); 3) todo ato de transgressão contra o que alguém ou uma sociedade define como justo e como direito. Conseqüentemente, violência é um ato de brutalidade, sevícia e abuso físico e/ou psíquico contra alguém e caracteriza relações intersubjetivas e sociais definidas pela opressão e intimidação, pelo medo e o terror (...).” A noção de violência é, por princípio, ambígua. Não existe uma única percepção do que seja violência, mas multiplicidade de atos violentos, cujas significações devem ser analisadas a partir das normas, das condições e dos contextos sociais, variando de um período histórico a outro. A violência é um dos eternos problemas da teoria social e da prática política. Na história da humanidade, tem-se revelado em manifestações individuais ou coletivas. Chesnais (1981) apresenta as múltiplas formas de violência registradas em diferentes épocas e sociedades, privada e coletivamente. Neste sentido, chama a atenção para o fato de que existem várias concepções de violência, as quais devem ser hierarquizadas segundo o seu custo social. Para o autor, o referente empírico do núcleo desse conceito é a violência física – inclusive a violência sexual – que pode resultar em danos irreparáveis à vida dos indivíduos e, conseqüentemente, exige a reparação da sociedade mediante a intervenção do Estado.

A segunda concepção abrangeria a violência econômica, que se refere somente aos prejuízos causados ao patrimônio, à propriedade, especialmente aqueles resultantes de atos de delinqüência e criminalidade contra os bens, como o vandalismo. Para o autor, essa modalidade foge ao significado estrito de violência, já que não caracteriza a violação da integridade da pessoa. Uma terceira concepção tem por foco a idéia de autoridade, que possui forte conteúdo subjetivo e, segundo o autor, encontrasse na moda: trata-se da chamada violência moral ou violência simbólica. Chesnais sustenta que “falar de violência neste sentido é um abuso de linguagem, próprio a certos intelectuais ocidentais, excessivamente bem instalados na vida para conhecer o mundo obscuro da miséria e do crime”. O autor sustenta que somente a primeira concepção tem por base uma definição etimologicamente correta, encontra amparo nos códigos penais e nas perspectivas profissionais – médicas e policiais, por exemplo – quanto ao fenômeno. Assim, a violência física é que significaria efetivamente a agressão contra as pessoas, já que ameaça o que elas têm de mais precioso: a vida, a saúde, a liberdade. É comum chegar-se a conceitos ad hoc, ou seja, mais apropriados ao lugar, ao tempo histórico que se examina. De fato, é tênue o consenso sobre o que é violência, o que já traduz sua força, segundo Arblaster (1996: 803-805), em verbete sobre o termo no Dicionário do Pensamento Social do Século XX: “O termo é potente demais para que [um consenso] seja possível. Não obstante, um entendimento do termo ditado pelo senso comum é, grosso modo, que a violência classifica qualquer agressão física contra seres humanos, cometida com a intenção de lhes causar dano, dor ou sofrimento. Agressões consideradas, com freqüência, atos de violência. E é comum falar-se também de violência contra certa categoria de coisas, sobretudo a propriedade privada.” Na busca por definições mais finas, alguns autores disputam a relação entre o conceito de violência, o de força e o de ser a violência necessariamente um regime de excepcionalidade, tanto quando o nível de analise é o Estado, como grupos sociais e indivíduos. Discute-se que na contra corrente, por não violência poder-se-ia apelar para a correlação de forças, ou o reconhecimento de simetrias para resolver conflitos e se obter negociações. Assim, segundo Bourdon e Borricauld (1982: 613), "a renuncia à violência não resulta de uma

conversão, mas de uma aprendizagem, que parte do reconhecimento de uma relação de forças que se impõe às duas partes (...) sem ‘perder a face’ ". O conceito de violência muitas vezes é usado de forma indiscriminada para referir-se a agressões, incivilidades, hostilidades e intolerâncias. Ainda que, em perspectiva ética geral ou dos sentimentos da vítima, tais fenômenos possam reverberar como violações de direitos, há que cuidar, principalmente quando se lida com crianças e jovens, dos limites conceituais, já que no plano de recomendações e políticas é importante conceituar bem o tema (Chesnais in Debarbieux, 1996).

II.

Criança versus Família Não parece fácil definir exatamente o que seja uma família ( figura 1). Para Fukui

(1981), pode-se afirmar que não existe a família, mas uma diversidade de combinações circunscritas histórica e socialmente. O convívio entre as pessoas pode ser variado, indiferente ou não a “laços de sangue” e, mesmo assim, podemos defini-lo como um conjunto de relações familiares.

Figura 1 – Família e a criança

A atual família nuclear tornou-se modelo de estrutura familiar na grande maioria das sociedades industrializadas, caracterizado pela divisão dos papéis de homem e mulher, de pais e filhos, seguindo uma hierarquia de poder que é típica do seu funcionamento. Historicamente, essa proposta que rompe com modos e costumes de épocas anteriores, isola a família em seu lar, onde o marido e pai passa a ser o provedor do sustento da família; a mulher passa a responder pela vida doméstica e pela educação dos filhos, e estes, por sua vez, devem total obediência aos pais, como também devem a eles a sua educação, principal preocupação do casal (Ariés, 1973/1981; Poster, 1979). Com o seu surgimento, a família nuclear trouxe consigo novos padrões de higiene e novos hábitos alimentares (principalmente para as crianças, no que se refere à amamentação), definindo novos rumos aos papéis da sexualidade e, consequentemente, ao casamento e à vida afetiva (Ariés, 1973/1981). Outras transformações ainda ocorreram no seio da família nuclear. Algumas dessas mudanças se deram principalmente pela nova atitude da mulher e o seu papel na sociedade, inserindo-se no mercado de trabalho e, muitas vezes, sustentando toda a família. Seus filhos, que antes viviam exclusivamente sob seus cuidados, hoje cada vez mais precocemente, são obrigados a freqüentar creches, escolas e outras alternativas, que acabam atuando em sua educação. É importante que a família tenha momentos de encontro. A hora das refeições pode ser um desses momentos. Parte do dinheiro da família deve ser destinada para as despesas com as crianças. A divisão das tarefas, despesas e responsabilidades deve ser decidida em conjunto e de acordo com a organização de cada família. Os projetos de vida, os sonhos, os medos também devem ser compartilhados por todos. A família é responsável por criar, cuidar, educar, proteger e garantir o desenvolvimento de suas crianças.

III.

Violência Doméstica4 Ao ler sobre a violência doméstica (Figura 2) que nossas crianças estão submetidas,

seja ela negligência, violência física, psicológica ou mesmo sexual, pensamos logo em países subdesenvolvidos, sem emprego e onde a fome toma conta da sua população. Seria verdadeira essa afirmação? A violência por acaso não ocorre nos países europeus, ou na América do Norte? O que levaria o agente agressor a tanta barbárie? Existem pesquisas que apontam a própria família (pai ou mãe) com maio índice de agressão: pai 25% dos casos, mãe, 50%, pais 13%. As

pesquisas também apontam que quem revela os abusos são, na maioria a comunidade ou pessoas autônomas. O que existe na verdade é um problema mundial que deve ser considerado um tema de grande preocupação de todos os poderes. Não conseguimos resolver, apenas instituindo leis, estatutos sem uma conscientização de todos os envolvidos. Além das leis, a política de atendimento da criança e do adolescente exige a criação de conselhos municipais, estaduais e nacional de seus direitos com força de órgãos deliberativos e controladores das ações em todos os níveis. Apesar de tudo, as pesquisas continuam apontando os mesmo índices de violência para com a criança e o adolescente. E o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) no Brasil já fez dez anos. Violência física, segundo FERREIRA (2002, p. 21), são violências praticadas pelos pais e/ou responsáveis que vão desde uma palmada até um espancamento e podem resultar em hematomas, queimaduras, fraturas, engasgo, hemorragias internas e até a morte. Não é incomum a comunicação de acidentes, por parte dos adultos responsáveis pelas crianças, para casos de violência. Especialmente os sinais físicos de queimaduras e hematomas, provenientes de violências, são mascarados em acidentes e levados diretamente aos profissionais de saúde, por meio dos hospitais, postos de saúde e pronto socorros.

Figura 2 – Violência doméstica

Todo cidadão deve sentir-se responsável e o estatuto da criança abre a possibilidade de elaborar e concretizar uma política educacional em todos os âmbitos (municipal, estadual e federal); mas, a mudança só ocorrerá se os conselhos não forem transformados em órgãos burocráticos cooptados e pelo Estado. Devemos então fazer uma discussão não jurídica e sim de política educacional, porque só a educação será o agente básico para essa transformação. IV. A Violência Sexual Intrafamiliar Praticada Contra a Criança: a quem compete

produzir a prova? A infância, historicamente vista como objeto a serviço dos interesses dos adultos, a partir do século XX, passa a ser compreendida como etapa do desenvolvimento humano. A violência sexual contra crianças é um tema sobre o qual paira uma barreira de silêncio. Esporadicamente, vem à baila sob forma de um escândalo envolvendo alguém famoso, como aconteceu com o cantor Michael Jackson, e rapidamente desaparece. Quando o assunto é o abuso praticado por alguém da família, o pacto é ainda mais inquebrantável. Não existem sequer estatísticas confiáveis, porque na maioria das vezes a criança sofre calada a experiência devastadora do incesto. Um passo importante para encarar a realidade desse crime terrível, pelos efeitos sobre as pequenas vítimas e por violar um dos tabus fundadores da civilização. Pizá & Barbosa fundadoras de uma clínica desde de 1996, afirmam ter registrados mais de 2.000 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes de todas as classes sociais, dos quais mais de 80% têm como agressor o próprio pai. As psicanalistas debruçaram-se sobre 853 prontuários de atendimento a crianças entre 2 e 9 anos de idade, para tornar público o drama do incesto sob o ponto de vista delas. Os desenhos que ilustram este trabalho fazem parte do conjunto de 31 imagens selecionadas por Graça Pizá para ilustrar o que batizou de "vocabulário ilustrado dos afetos emparedados" – uma síntese dos sentimentos mais freqüentemente expostos por seus pequenos clientes. São um testemunho comovente da experiência aterrorizante do incesto. Numa idade em que não têm como compreender o que sentem quando violentadas, elas se desenham mutiladas, isoladas. O medo é comunicado através de seres monstruosos ou, ao contrário, de situações absurdamente realistas, povoadas por enormes órgãos sexuais. Uma menina retratou-se refletida

num espelho de teto como os que se vêem nos motéis, deitada sob um homem identificado como "papai". Como ajudar essas crianças, vitimadas justamente pelas pessoas em quem mais deveriam confiar, a quebrar a barreira do silêncio? "A criança violentada vive emparedada pelo seu próprio medo de falar e pela surdez de quem deveria ouvi-la", diz Graça Pizá. Por isso a proposta do centro é formar uma rede de apoio e atendimento. Pizá & Barbosa publicaram um livro com artigos de especialistas em medicina, educação, Justiça e segurança que analisam em suas respectivas áreas as dificuldades para reconhecer e enfrentar o problema. Em todos, a constatação é que, diante de uma evidência de incesto, a tendência é descrer da criança. O principal motivo é que esse tipo de violência é algo que vai contra a própria noção de humanidade, uma vez que a proibição de relações sexuais entre pais e filhos é uma das características que nos distinguem dos animais. Diante de uma suspeita, a tendência é fechar os olhos, e isso se faz desqualificando a criança como interlocutor, jogando o que ela diz sob o rótulo de "fantasia infantil". O impulso sexual infantil existe e dá origem a fantasias que podem, sim, envolver o pai, o padrasto, o namorado da mãe, ou a própria mãe. Mas a criança que fantasia esse tipo de envolvimento imaginário não tem o relato de sofrimento, de dor física, de nojo, de medo que uma vítima de violência real faz. "Quando a base é fantasiosa ou simplesmente mentirosa, a história não se sustenta", afirma Graça Pizá, que só não confirmou 0,5% das suspeitas de incesto que chegaram à Clínica de Violência. O triste é constatar que, mesmo quando a criança consegue ser ouvida em casa, o crime não consegue ultrapassar as barreiras externas, como mostra o relato de uma mulher que descobriu que seu ex-marido abusava da filha de 2 anos e quis processá-lo. Não conseguiu. Sem prova material de estupro (que na maior parte das vezes não existe), seria palavra contra palavra. Mais do que isso, a denúncia poderia virar contra ela, por acusação sem provas. "O que mais me chocou foi a impossibilidade de agir. Eu não podia fazer nada", diz. Para a advogada Elizabeth Sussekind, ex-secretária nacional de Justiça, o problema é que o Judiciário só crê no material, no incontestável. Com isso, muitas vezes crianças que foram abusadas acabam devolvidas judicialmente a seus agressores. É preciso começar a mudar essa lógica, definindo os caminhos jurídicos de reconhecimento da credibilidade das vítimas, ressalvadas evidentemente com as

devidas garantias aos acusados. O principal, em qualquer circunstância, é ouvir o que a criança tem a dizer. Esse é um direito fundamental de todo ser humano.

1.

"vocabulário ilustrado dos afetos emparedados":

"Ele é um monstro, vampiro" Ela demora a perceber que uma parte do que sente é nojo e não consegue inicialmente expressar esse sentimento em palavras. Mas o exprime através de monstros que têm "língua de fogo", "língua que me lambe". Um simples programa de fim de semana com o pai vira história de terror no relato de uma dessas pequenas vítimas. "Uma vez um caranguejo mordeu o meu dedo. Doeu muito. No domingo papai me levou à praia, depois ao shopping. Tirou a minha roupa e eu me senti um caranguejo. Ele é um monstro, um vampiro."

AVERSÃO O encontro da sexualidade adulta com a infantil é muito violento. A criança sente a invasão do corpo, mas não absorve seu significado.

"Morri um pouquinho" É comum crianças se desenharem mutiladas, em auto-retratos relacionados a uma imagem corporal alterada, de quem passou por um trauma tão grande que se despedaçou. Em alguns casos, elas não se dão conta da mutilação. É preciso perguntar se não está faltando nada no desenho. A narrativa de alguns sonhos, como o que se segue, dá conta dessa vivência silenciosa de horror. "Sonhei que o carro estava lá em cima, caiu lá embaixo e eu morri. Mas só um pouquinho. A minha cabeça morreu, mas o corpo estava em pé, não estava morrido."

SILÊNCIO A barreira erguida em torno da violência torna invisível a identidade da criança. A menina se representa num corpo de mulher, de salto alto – e sem rosto.

Violência "invisível" Montanhas e praias desertas aparecem recorrentemente. Mas o abuso acontece também em lugares públicos, como o cinema ou o metrô. É uma situação visível (a criança no colo de um adulto) que torna invisível uma outra (o pai que bolina a própria filha). Uma dessas crianças contou seu drama a partir de uma brincadeira: escondia um objeto, mas deixava uma parte à mostra. O mesmo acontecia com ela. Seu pai a violentava "escondido" na frente de todo mundo.

MEDO DE REAGIR A montanha é uma clara representação da solidão da criança violentada. Além da submissão física e moral, ela sofre do medo de reagir contra o agressor

Segundo o Ministério publico do rio grande do sul, à vulnerabilidade, das crianças estão expostas a várias formas de violência, sendo que a violência sexual intrafamiliar é a que traz maiores dificuldades de manejo, responsável por sequelas que podem acompanhar a sua vida, com reflexos no campo físico, social e psíquico, justificando o envolvimento de profissionais de várias áreas do conhecimento na busca de alternativas de minorar os danos. É comum a violência sexual intrafamiliar praticada contra a criança vir desacompanhada de vestígios físicos, acarretando para o Sistema de Justiça inúmeras dificuldades para desvendar os comunicados e ocorrências que chegam ao Conselho Tutelar e à Delegacia de Polícia, assim como as denúncias que aportam nas Varas Criminais e nos litígios que se deflagram nas Varas de Família, através de disputas de guarda e regulamentação de visitas. A inexistência de vestígios físicos, aliada à falta de testemunhas presenciais, uma vez que a violência sexual intrafamiliar praticada contra a criança geralmente se dá na clandestinidade, levaram os Tribunais a valorizar a palavra da vítima, favorecendo a sua exposição a inúmeros depoimentos no afã de produzir a prova e possibilitar a condenação do réu3. Exigir da vítima a responsabilidade pela produção da prova da violência sexual, através do depoimento judicial, como costumeiramente se faz, não seria uma nova violência

contra a criança? Estaria a criança obrigada a depor? Estes e outros questionamentos precisam ser enfrentados sob a ótica da Doutrina da Proteção Integral. Inquirir a vítima, ainda que através de métodos que visam dar outra roupagem à inquirição , com o intuito de produzir prova e elevar os índices de condenação, não assegura a credibilidade pretendida, além de expor, a criança, a nova violência, ao forçá-la a reviver situação traumática, renovando o dano psíquico produzido pelo abuso. Enquanto a primeira violência foi de origem sexual, a segunda passa a ser psíquica e jurídica, na medida em que se espera que a materialidade, que deveria ser produzida por peritos capacitados, venha ao bojo dos autos através do depoimento da criança, sem qualquer respeito às suas condições de imaturidade. Direito de ser “ouvida”, como prevê a Convenção (art. 12), não tem o mesmo significado de ser “inquirida”. Considerar a “fala” da criança necessariamente não exige o uso da palavra falada, porquanto o sentido da norma é muito mais amplo, estando a significar a necessidade de respeito incondicional à criança em face de suas condições de desenvolvimento. A inquirição destina-se a produzir prova, podendo levar o abusador, com quem tem laços afetivos, ainda que distorcidos, à cadeia, recaindo sobre a ela a responsabilidade pelo evento. É comum, a criança avistar o abusador, no ambiente forense, por ocasião de sua inquirição, ainda que o depoimento não seja prestado na sua presença, fato que contribui para reacender o conflito e a ambivalência de seus sentimentos, porquanto, em muitos casos, “nutre forte apego pelo abusador, com quem, no mais das vezes, mantém vínculos parentais significativos”. Delegacias de Polícia, Fóruns e Tribunais não são locais apropriados para crianças; são, essencialmente, espaços de resolução de litígios envolvendo adultos. A perícia, levada a efeito por psicólogos e/ou psiquiatras, especialistas na infância e adolescência, no lugar da inquirição judicial da criança, nos crimes envolvendo violência sexual, com ou sem vestígios físicos, mostra-se a melhor alternativa, permitindo ao Julgador obter a prova através da constatação das lesões ou danos ao aparelho psíquico da vítima, podendo a autoridade judiciária e as partes oferecerem quesitos a serem respondidos pelo Perito. Quando a violência deixa vestígios físicos, não é a autoridade judicial que faz a constatação direta das lesões, na sala de audiências, cabendo ao médico perito examinar o corpo da vítima, em ambiente preservado, descrevendo os achados que serão disponibilizados não só ao Julgador como também às partes, assegurado o contraditório e a ampla defesa preconizados na Constituição Federal.

Sustentamos que a autoridade judicial, diante de pedido dos representantes legais da vítima, da própria vítima ou do Ministério Público, devidamente justificado, de dispensa de prestar depoimento, poderá deferi-lo, levando em consideração as condições pessoais da criança, como idade, aspectos emocionais, existência de vínculo familiar ou afetivo com o réu. Ademais, “a criança pode sempre se recusar a falar diante do juiz”, “o direito à oitiva tem como corolário o direito de recusar de exprimir-se, isto é, o direito ao silêncio”, garantido expressamente na Carta Maior, inclusive, ao réu (artigo 5º, inciso LXIII, da Constituição Federal). Substituir a inquirição da criança vítima de violência sexual intrafamiliar pela perícia psicológica e/ou psiquiátrica, através de profissionais especializados na área da infância, aliada a outros elementos de prova, como o estudo social e a avaliação do próprio abusador (via de regra poupado até mesmo de uma criteriosa avaliação), é o caminho capaz de assegurar à criança a proteção integral que a lei lhe confere, reservando-se a medida apenas aos casos em que a criança manifesta o desejo de ser ouvida pela autoridade judicial. É momento de pensar em instrumentos para averiguar o dano psíquico, situado no campo da proteção à saúde, em substituição à exigência da inquirição da vítima, quando criança, evitando a reedição do trauma já experimentado. Profissionais de várias áreas começam a perceber a relevância de sua atuação na proteção à criança, repensando procedimentos e investindo em ações abraçadas pelo manto da interdisciplinaridade. A mudança é lenta e há de começar por aqueles que acreditam na possibilidade de avançar, mantendo acessa a chama da esperança e preservando espaço para o sonho de uma vida mais digna à criança3.

V.

Exploração do trabalho infanto-juvenil A maior parte das crianças que trabalham mora na zona rural. As condições de

trabalho no campo são muito difíceis e prejudicam a saúde. Só as vezes as crianças recebem pagamento e, mesmo assim muito pouco, em geral, o trabalho infantil é considerado ajuda e não é remunerado. Nas cidades, a maioria das crianças trabalham prestando serviços aqui e ali (“biscates”): em supermercados e feiras livres, como carregadores, empacotadores; as que trabalham nas ruas vedem frutas, balas, chocolates, ou são guardadores de carros; há ainda crianças trabalhando em fábricas de roupas, calçados etc...5

Apesar de a incidência de trabalho infantil estar diminuindo, um grande número de crianças continua trabalhando e por um período longo de horas. O Departamento de Estatística da Organização Internacional do Trabalho estimou em 2000 que, mundialmente, existiam em torno de 211 milhões de crianças entre cinco e 14 anos trabalhando. As maiores porcentagens eram observadas na Ásia, na África e na América Latina. Enquanto a Ásia tinha a maioria dos trabalhadores infantis em termos absolutos, a África ocupava o primeiro lugar em termos relativos (ILO, 2002). No Brasil, dados da PNAD de 2003 mostram que ainda existem mais de dois milhões e setecentas mil crianças e jovens de cinco a 15 anos trabalhando ou 7,5% do total nessa faixa etária, apesar de ter havido um declínio acentuado, principalmente, a partir da metade da década de 90. Em 1992, por exemplo, havia quase cinco milhões e meio de crianças trabalhando, correspondendo a 14,6% da população entre cinco e 15 anos1. As estatísticas sobre o trabalho infantil levantadas em diversos países do mundo devem ser analisadas com cuidado, pois os valores podem estar subestimados ou superestimados. Os levantamentos de dados realizados, geralmente, contabilizam o trabalho efetuado por crianças na semana anterior à pesquisa. Entretanto, Levison ET al. (2002) apontam que se considerado o trabalho no ano, o número de trabalhadores infantis é bem maior. Isto ocorre, segundo os autores, pelo fato de uma parte do trabalho de menores ser sazonal e intermitente. Existe ainda o problema de não se considerar o trabalho dentro do domicílio, largamente realizado por meninas, o que pode ser a explicação para o fato de haver uma maior porcentagem de meninos trabalhando. Em muitos países, como na Índia, o trabalho realizado por meninas dentro do domicílio é tão árduo que até as impede de estudar (Burra, 1997). Trabalho infantil é uma atividade que gera benefícios imediatos na forma de renda, mas também gera custos por não estudar e/ou por reduzir o tempo de lazer. Assim sendo, fatores que afetam os benefícios do trabalho (salário), ou os custos (retornos à educação) também afetarão a decisão com relação ao trabalho infantil. Apesar de ser o mais esperado, pobreza é o determinante mais controverso dentro da literatura sobre trabalho infantil. Basu e Tzannatos (2003) ressaltam que filhos de advogados, médicos, professores e, em geral, da população de classe média alta não trabalham na infância. Vários estudos mostram que o aumento da renda familiar reduz a probabilidade de a criança trabalhar e aumenta a de ela estudar [Nagaraj (2002), Edmonds (2001), Kassouf (2002)]. Em

nível mais macroeconômico, observa-se que as nações que se tornaram mais ricas apresentaram uma redução no trabalho infantil. A baixa escolaridade e o pior desempenho escolar, causados pelo trabalho infantil, têm o efeito de limitar as oportunidades de emprego a postos que não exigem qualificação e que dão baixa remuneração, mantendo o jovem dentro de um ciclo repetitivo de pobreza já experimentado pelos pais6. A equação estudo e trabalho se realiza de forma diversificada entre os jovens, como se ilustra no quadro seguinte: Outra conseqüência do trabalho realizado na infância é a de piorar o estado de saúde da pessoa, tanto na fase inicial da vida, quanto na fase adulta. Os efeitos maléficos do trabalho infantil sobre a saúde foram constatados em alguns estudos, apesar de a literatura abrangendo esse tópico ser bastante escassa pela falta de dados6. Forastieri (1997) coloca que os locais de trabalho, equipamentos, móveis, utensílios e métodos não são projetados para utilização por crianças, mas, sim, por adultos. Portanto, pode haver problemas ergonômicos, fadiga e maior risco de acidentes. O autor argumenta que as crianças não estão cientes do perigo envolvido em algumas atividades e, em caso de acidentes, geralmente não sabem como reagir. Por causa das diferenças físicas, biológicas e anatômicas das crianças, quando comparadas aos adultos, elas são menos tolerantes a calor, barulho, produtos químicos, radiações etc., isto é, menos tolerantes a ocupações de risco, que podem trazer problemas de saúde e danos irreversíveis.

Quadro 1 Fonte: CEPAL. Juventude, População e Desenvolvimento na América Latina e no Caribe. 2000.

Kassouf et al. (2001), utilizando dados do Brasil, mostram que quanto mais cedo o indivíduo começa a trabalhar pior é o seu estado de saúde em uma fase adulta da vida, mesmo controlando a renda, escolaridade e outros fatores. (O’Donnell et al.,2003), ao analisarem o trabalho rural de crianças vietnamitas, concluem que as atividades realizadas durante a infância aumentam o risco de doenças em uma fase posterior da vida. Além do desemprego entre a população jovem, outro aspecto de sua vulnerabilidade no que se refere ao trabalho é a grande distribuição de jovens por postos de trabalho pouco remunerados, muitas vezes situados no mercado informal. Os depoimentos que se seguem, colhidos em pesquisa da UNESCO no Brasil (Castro et. al 2001: 46), corroboram essa concentração do público jovem em atividades informais, desnudando tanto as precárias condições vividas nas relações de trabalho, como sua vulnerabilidade a explorações.

Quadro 2 Fonte: Castro et al (2001: 46).

VI.

Educação infanto-juvenil Por se tratar de um componente chave para a qualidade de vida da população juvenil,

uma primeira dimensão a ser analisada de modo a compreender a situação da juventude latinoamericana é a educação. Ela é considerada o principal instrumento para a elevação dos níveis de capital humano e para promover o bem-estar de jovens e adolescentes. Além disso, a interação que surge nas escolas também acumula capital social, já que ali se constroem relações sociais, redes de amigos e contatos. Neste sentido, a educação em conjunto com a família constitui um dos espaços tradicionais de socialização entre os jovens (UNESCO, 2002). Os fracassos escolares (abandonos e insucessos), o mal-estar dos professores, a agressão física e verbal existentes, a violência, ilustram essa realidade ( figura 3). É nosso dever, obrigação e necessidade trabalharmos em conjunto7.

FIGURA 3 - Abandono e insucesso escolar

A escola com o apoio da comunidade escolar e esta com o apoio da escola têm que trabalhar no sentido de levar os pais à escola. Pais e professores não têm que discutir se devem ou não colaborar, são obrigados a isso, todos estão ligados a tarefas comuns, "criar" as mesmas crianças (figura 4). A escola nada pode sem a ajuda e o apoio contínuo, mas não incondicional dos pais, cuja educação é uma das condições da boa adaptação escolar dos filhos7.

Figura 4 - Educação dos pais e educadores na escola

Pizarro argumenta que é uma característica própria da educação a segmentação dos estudantes segundo seu nível de renda, ou seja, as crianças e jovens de famílias com rendas superiores usualmente estudam na rede particular que oferece uma melhor infra-estrutura e qualidade de ensino. Já as famílias mais pobres só podem ter acesso a estabelecimentos públicos, onde, em alguns casos, é evidente a precariedade das instalações e a deteriorização acadêmica. Assim, dadas às novas exigências do mercado de trabalho e à diferença de qualidade entre a educação pública e privada, percebe-se que os jovens piores situados na escala de distribuição de riquezas estão mais vulneráveis(UNESCO, 2002). Por fim, também relacionada a esses problemas, encontra-se uma preocupação dos jovens estudantes, referente a uma outra dimensão crucial de sua vida o trabalho. Em geral, a principal inquietação dos jovens sobre a educação remete à questão da perda da importância do ensino formal para sua inserção no mercado de trabalho: "Eu me pergunto: pra que o segundo grau? E tenho que trabalhar não é? Não vejo bem a necessidade de um segundo grau para ganhar dinheiro. Pedem mais é experiência." (Castro et al, 2001: 505).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A violência infantil não pode ser discutida com ressalvas e preconceitos. Deve-se atentar para fatores tanto sociais, como culturais, políticos e econômicos, colocando de lado os tabus e realizando ações efetivas de erradicação e prevenção, de forma a diminuir as ocorrências que são provavelmente muito maiores do que apontam as estatísticas. Nossa pesquisa mostrou a violência que as crianças e jovens sofrem de todas as formas e condições como, violência intrafamiliar, exploração sexual e de trabalho, fome, miséria, falta ao direito a educação, saúde e laser, tudo isso, contribui a violação aos direitos da criança e adolescentes. Assim, todas as situações de violência afetam todos os que direta ou indiretamente convivem com ela. Insistimos que é preciso apurar os nossos olhares em nossas diferentes áreas de atuação com crianças, especialmente na educação e na saúde. Detectar focos de possíveis atos de violência, significa proteger estas crianças e adolescentes do sofrimento físico e, principalmente, do sofrimento psicológico que marcará suas vidas para sempre.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

1.

Abramovay, Miriam. Juventude, Violência e Vulnerabilidade Social na América Latina:

desafios para Políticas Públicas. UNESCO, BID, 192 p. Brasília, 2002. 2. A Violência Silenciosa do Incesto (Imprensa Oficial de São Paulo); 244 páginas. acesso 08/12/2009

3. http://www.mp.rs.gov.br/infancia/doutrina/id614.htm 4. http://www.partes.com.br/educacao02.html

acesso: 2009/12/08

5. http://www.portaldascuriosidades.com/forum/index.php?topic=63198.0 acesso em 8/12/2009 6. Kassouf, A. L. Trabalho infantil: causas e conseqüências. Depto. de Economia,

Administração e Sociologia da ESALQ/USP, 2005. 7. Criança, Família, Escola, Que Relação. Revista Boletim do IAC, Junho/set nº81, 2006. 8. FERREIRA, K.M.M. Violência doméstica/intrafamiliar contra crianças e adolescentes – nossa realidade, In: Violência doméstica contra a criança e o adolescente. Recife: EDUPE, 2002.p.19-43.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->