Você está na página 1de 2

O Grito dos Livres

Dante Ramon Ledesma


Milonga
Em
B7
Quando os campos deste sul eram mais verdes
Em
ndios pampeanos que habitavam o lugar
D7
Em
Foram mesclando com a raa do homem branco
Am
B7
Recm chegado de querncias alm mar
Em
B7
E o novo ser que se formou miscigenado
Em
Virou semente, germinou e se fez povo
D7
Em
E um grito novo ecoou no continente
Am
B7 E
Lembrando a todos que esta terra tinha dono
B7
Enquanto o gacho for visto no pampa
A
E
Enquanto essa raa teimar em viver
G#7
C#m
O grito dos livres ecoar nesses montes
F#7
B7
Buscando horizontes libertos na paz
E
B7
No grito do ndio, o grito inicial
A
E
Com cheiro de terra no prprio ideal
G#7
C#m
De amor querncia liberta nos pampas
A
B7
Em
Gerada em estampas do prprio ancestral
B7
A nova raa cresceu e traou limites
Em
Que bem demarcam a extenso dos ideais
D7
Em
E o mesmo povo hoje repete o grito
Am
B7
Alicerado nas razes culturais
Em
B7
A liberdade no tem tempo nem fronteiras
Em
O homem livre no verga e no perde o entono
D7
Em
Vai repetindo a todos num velho grito
Am
B7 E
Passam os tempos mas a terra ainda tem dono

B7
Do grito do ndio, aos gritos atuais
A
E
H cheiro de terra nos prprios ideais
G#7
C#m
De um povo sofrido, ereto em vontade
F#7
B7
De escrever liberdade nos seus memoriais
E
B7
Enquanto o gacho for visto no pampa
A
E
Enquanto essa raa teimar em viver
G#7
C#m
O grito dos livres ecoar nesses montes
F#7
B7
Buscando horizontes libertos na paz
E
B7
Enquanto o gacho for visto no pampa
A
E
Enquanto essa raa teimar em viver
G#7
C#m
O grito dos livres ecoar nesses montes
A
B7
E A E
Buscando horizontes libertos na paz