Você está na página 1de 5

Sugestes de utilizao

Esta apresentao permite uma anlise coletiva dos


poemas do manual, pois poder escrever sobre os
diapositivos para, por exemplo, destacar palavras ou partes
dos poemas, salientar os recursos estilsticos, assinalar o
esquema rimtico...
Como? Muito simples: em modo de apresentao,
selecione, no canto inferior esquerdo do diapositivo, a
caneta ou o marcador e escolha uma cor. Poder recorrer a
cores diferentes para salientar aspetos distintos. Basta
clicar novamente na caneta ou no marcador e escolher uma
nova cor da tinta.
No final, pode guardar a apresentao com ou sem as
anotaes.

O adjetivo
O adjetivo? Que horror
quando no incisivo,
quando atira para o vago
o pobre substantivo
ou o circunda de um halo,
de um falso resplandor,
em que o ouro utilizado
no ouro s dourado!
O sol assim captado
sol, mas sol de teatro,
ouro em falsete, luz
barata,
e no prego no d nada,
que o prego no acredita
(seno j estava falido)
nesse ouro sem quilate

e o poeta que se orna


(que orneia, melhor diria)
de luzidias mentiras,
de potica poesia.

Tal como do mal o menos


e nesta regra redijo
antes quero sbrios
termos
do que fingir que sou
rico
Alexandre ONeill,
Poesias Completas
1951/1986, 3. ed., INCM, 1995

Mos
(A um pintor)
Admiro a tua pacincia vegetal,
o teu crescimento de raiz,
a tua pequena mo cega e certeira,
inocente, adequada e fiel,
a mo honesta e competente
que trazes a trabalhar na tela ou no papel,
a mo que abre janelas para o mundo
da nossa imaginao
e portas para a rua onde gastamos
o corao
Que desenho, que desgnio traa a tua mo?
Alexandre ONeill,
Poesias Completas
1951/1986, 3. ed., INCM, 1995

O beijo
Congresso de gaivotas neste cu
Como uma tampa azul cobrindo o
Tejo.
Querela de aves, pios, escarcu.
Ainda palpitante voa um beijo.
Donde teria vindo? (No meu)
De algum quarto perdido no
desejo?
De algum jovem amor que
recebeu
Mandado de captura ou de
despejo?
uma ave estranha: colorida,
Vai batendo como a prpria vida,
Um corao vermelho pelo ar.
E a fora sem fim de duas

Alexandre ONeill,
Poesias Completas
1951/1986, 3. ed., INCM, 1995