P. 1
Ensaios de um Motor de Indução Trifásico com Rótor em Gaiola de Esquilo Estudo do Binário de Arranque

Ensaios de um Motor de Indução Trifásico com Rótor em Gaiola de Esquilo Estudo do Binário de Arranque

4.89

|Views: 11.650|Likes:
Publicado porRicardo Gomes
Ensaios de um Motor de Indução Trifásico com Rótor em Gaiola de Esquilo Estudo do Binário de Arranque
Ensaios de um Motor de Indução Trifásico com Rótor em Gaiola de Esquilo Estudo do Binário de Arranque

More info:

Published by: Ricardo Gomes on Apr 26, 2008
Direitos Autorais:Traditional Copyright: All rights reserved
Preço de Lista:$1.00 Comprar agora

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
See more
See less

06/15/2013

$1.00

USD

Ensaios de um Motor de Indução Trifásico com Rótor em Gaiola de Esquilo Estudo do Binário de Arranque

rftg.development.googlepages.com

Data de criação: 28 de Abril de 2004 Versão: v1.00 – 3/MAI/2008 Autor: Ricardo Filipe Teixeira Gomes

a quem se reservam todos os direitos. dos textos e imagens disponíveis neste documento encontra-se expressamente proíbida a menos que o utilizador respeite os direitos de autoria e/ou propriedade intelectual. e incluindo imperterivelmente uma referência clara à página web do autor: “rftg. ou respeitantes a direitos de autor e/ou propriedade intelectual sobre materiais que façam parte deste documento deverão ser regidos pela Legislação Portuguesa e sujeitos à jurisdição dos tribunais de Portugal. através de qualquer tipo de meio.googlepages. O autor do documento declina qualquer responsabilidade em caso de prejuízos que possam ocorrer pelo facto de alguém se basear na informação contida neste documento. citando para isso convenientemente o documento. uma vez que essa informação é de carácter meramente informativo.development.googlepages. O material contido neste documento constitui apenas uma informação de carácter geral baseada em experiências pessoais e não pretende de forma alguma influenciar o leitor sobre qualquer matéria específica. © 2008 Ricardo Filipe Teixeira Gomes. A cópia parcial ou integral. Quaisquer conflitos decorrentes do uso ou relacionados com este documento. O mesmo se aplica ao conteúdo de qualquer referência realizado no mesmo.AVISO LEGAL Este documento foi elaborado por Ricardo Filipe Teixeira Gomes. completa e actualizada.com”. O conteúdo deste documento é fornecido como uma comodidade para os leitores e é constituído apenas por informação não vinculativa.development. © 2008 Ricardo Filipe Teixeira Gomes Este documento encontra-se disponível para consulta e utilização desde que sejam respeitados todos os direitos de autor e/ou propriedade intelectual. O conteúdo deste documento é fornecido “como está” e não se oferece qualquer garantia sobre o mesmo. não se prometendo ou garantindo que seja precisa.com . rftg. A leitura deste documento e sua utilização pressupõe a aceitação destas condições.

Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Curso de Engenharia Electrotécnica – Electrónica e Computadores Disciplina de Máquinas Eléctricas Ensaios de um Motor de Indução Trifásico com Rótor em Gaiola de Esquilo Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 Trabalho elaborado por: Ricardo Filipe Teixeira Gomes .

5 Descrição do Trabalho -------------------------.2 Esquema de Montagem ----------------------.6 Cálculos ----------------------------------------------.5 Valores Registados--------------------------------.8 Bibliografia -------------------------------------------. – D.P.-E.6 Resultados -------------------------------------------.E.E.8 Conclusão ------------------------------------------.C.4 Material Utilizado ---------------------------------.2 Introdução ------------------------------------------.-I.P.Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 Índice Objectivo --------------------------------------------.E.8 I.S. Máquinas Eléctricas 1 .P.

E.P. 2 . 431º delimita o tipo de arranque em função da potência motores.E.). visto que o motor tenderia a atingir muito rapidamente a sua velocidade de rotação nominal. Isto porque essa variação nos vai permitir variar a corrente nos enrolamentos (pois a corrente é directamente proporcional à tensão) e (1) O R. Os grandes binários de arranque originariam também problemas de ordem mecânica relacionados com os apoios. disjuntores. no instante em que este é alimentado. também é possível faze-lo por meio da variação da frequência da corrente de alimentação. Introdução Dos vários tipos de motores de indução de corrente alternada trifásica existentes.Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 Objectivo − Estudar o binário de arranque de um motor. Estas correntes de arranque variam em norma entre 5 e 8 vezes a corrente nominal de funcionamento. o de rótor em curto-circuito é o único possível de funcionar directamente ligado à rede por meio de dispositivos simples (interruptores. no art.E.S. − Comparar o binário de arranque de um motor ligado em Y e em ∆. Uma vez que este tipo de motor possui características do rótor fixas e previamente determinadas pelo fabricante. os diversos tipos de arranque consistem essencialmente(2) na variação da tensão de alimentação a que são sujeitos os enrolamentos estatóricos. – D.E.C.S. e apenas estão disponíveis seis terminais na placa de ligações (que nos permitem ter acesso unicamente às extremidades dos 3 enrolamentos indutores).-I.-E.E. chassis e acoplamentos mecânicos do motor.. obrigando a que as instalações sejam sobredimensionadas de forma a eliminarem problemas de disparo precoce de protecções.U.P. No entanto. por meio da electrónica de potência. as correntes nos seus enrolamentos são bastantes mais elevadas do que as correntes nominais funcionamento dos mesmos (devido ao facto de este tipo de motores se comportar como um transformador com o secundário curto-circuitado sempre que a sua velocidade de rotação é nula). que no caso dos motores de rótor em curto-circuito são os 4 kW para o arranque directo e os 11 KW para o arranque estrela-triângulo. Máquinas Eléctricas (2) I. etc.. actualmente. sobreaquecimento dos condutores de alimentação e ainda grandes quedas de tensão ao longo dos condutores (que podem inclusive comprometer o funcionamento dos aparelhos)(1).I.P.

significa que estamos na realidade a majorar o valor da corrente de arranque em cerca de 1.6 vezes a corrente nominal do motor. Como se encontra também demonstrado.5 a 2.E.S. até que depois de se atingir alguma estabilidade de velocidade (na I.P.2 a 0.2 – Curva típica binário/velocidade em arranque estrela-triângulo Máquinas Eléctricas 3 .5 vezes o valor do binário nominal. o que limita também a corrente nos enrolamentos na situação de arranque.E.1 – Curva típica corrente/velocidade em arranque estrela-triângulo Fig. O método mais simples de obter tensões diferentes nos enrolamentos estatóricos é através da sua ligação em triângulo ou em estrela (daí resultando o arranque estrela-triângulo). situando-se o seu valor em cerca de 0. O binário de arranque é pois também limitado. o que equivale a aplicarmos directamente essa tensão aos enrolamentos.-E. se procedermos ao arranque do motor na ligação em estrela e depois comutarmos a ligação para triângulo.C.Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 o binário de arranque (dado que este é proporcional ao quadrado da tensão de alimentação).P. Assim. enquanto que na ligação em triângulo estamos a aplicar a tensão composta aos terminais de ligação. – D. 220 V R1 380 V 380 V R1× R 2 R1 + R 2 + R3 R1∆ R3∆ R1× R3 R1 + R 2 + R3 Como I = U : R IY = 1 I∆ 3 R2 R3 R2 ∆ R 2 × R3 R1 + R 2 + R3 R1∆ = R2 ∆ = R3∆ = 1 1 R1 = R 3 3 Isto porque através da ligação em estrela estamos a aplicar a tensão composta aos terminais de ligação mas a submeter cada enrolamento à tensão simples.E. Fig. O binário desenvolvido pelo motor mantém-se reduzido enquanto o motor estiver ligado em estrela.-I.P. podemos observar que a resistência dos enrolamentos é maior na ligação em triângulo do que na ligação em estrela.

P.3 – Esquema de montagem para os dois ensaios I.E.P.P. Este tipo de comutação pode ser temporizada.E.C.-E.-I. por interruptores activados por molas centrífugas (acopladas ao rótor) ao por um dispositivo electrónico que monitorize a velocidade de rotação ou a corrente absorvida.S. Esquema de montagem U1 0−Υ −∆ V1 W 1 M U2 V W 2 2 W V A R S T Auto-Transformador 400/230 V 50 Hz ~ Fig.Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 ordem de 75 a 85% da velocidade nominal) passámos à ligação em triângulo e o motor atinge as suas capacidades nominais. Máquinas Eléctricas 4 . – D.E.

∆/Y – 6. cos ϕ = 0. Medidor de potência Fluke 43B (W). − Colocou-se o comutador estrela-triângulo na posição “estrela”. Auto-transformador MV1103. − Ajustou-se o cursor do auto-transformador na posição de 0 V. − Ajustou-se o cursor do auto-transformador na posição de 0 V. Ia. − Registaram-se os valores U.E. Ib e Ic. − Alimentou-se o circuito e foi-se incrementando a tensão entre fases até se atingir aproximadamente o valor da corrente nominal do motor para a ligação em estrela (InY= 3.6A/3. 3.8 A).S. Pontas de prova. 3.E. 2ª Parte: − Manteve-se montado o circuito representado na fig. Motor de indução assíncrono trifásico com rótor em gaiola de esquilo: 380/220V – 50 Hz .-I.1.P.C.E.P. − Bloqueou-se o rótor do motor com uma chaveta.p. Pinça amperimétrica Prova 11 (A).. – D. tendo o primeiro sido efectuado com o mesmo ligado em estrela (1ª parte) e o segundo com a ligação efectuada em triângulo (2ª parte): 1ª Parte: − Montou-se o circuito representado na fig. − Bloqueou-se o rótor do motor com uma chaveta. Fios de ligação.5kW.m. Máquinas Eléctricas 5 .79.P.8A – 220V/380V. − Colocou-se o comutador estrela-triângulo na posição “triângulo”.Chaveta. I. Comutador estrela-triângulo. P. 1415 r. 1.-E. Descrição do trabalho Numa fase inicial este trabalho consistiu em efectuar dois ensaios de rótor travado a um motor de indução assíncrono trifásico de rótor em gaiola de esquilo.Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 Material Utilizado 111111Multímetro digital Fluke 179 III (V).

75 Ib (A) Ic (A) 3.Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 − Alimentou-se o circuito e foi-se incrementando a tensão entre fases até se atingir aproximadamente o valor da corrente nominal do motor para a ligação em triângulo (In∆= 6.4 W I. 75 + 3 . − Registaram-se os valores U.P.2 × 3.2 R3 (Ω) 5.E.2 Cálculos 1ª Parte: Ia + Ib + Ic 3 . Ib e Ic.-I.450 2ª Parte: Ucc (V) 54.2 R2 (Ω) 5.62 P (kW) 0. – D. P. tendo o trabalho sido finalizado com a medição dos valores de resistências dos enrolamentos estatóricos (4ª parte).50 6.33 P (kW) 0. 62 = = 3 .-E. 69 A 3 3 pJ 1 = 3 × R1 × I1 2 I1 = p J 1 = 3 × 5. Máquinas Eléctricas 6 .0 4ª Parte: Ia (A) 6. Ia. Após a realização dos ensaios descritos foi ensaiado o arranque Y∆ e observado o comportamento motor nos momentos de arranque e comutação da ligação em Y para a ligação em ∆ (3ª parte).6 A ). 71 + 3 .0 Ia (A) 3.71 3.E.P.P. Valores registados 1ª Parte: Ucc (V) 91.C.69 2 = 212.460 R1 (Ω) 5.S.E.57 Ib (A) Ic (A) 6.

∆ = P2 P2 = 2 × π × ns Ωs = 60 2 242.∆ (n )  380   380  = Tarrq . p 2 Tarrq .-E.6 2 × π × 1500 60 2 2  380   380  Tarrq .2 + 5.3 W R∆ = R1 × R 2 5.3 = 242.51 N .57 + 6 .Y (n ) = Tarrq .m 60 Tarrq .m.4 = 237.76 I.2 + 5.P. 33 = = 6 .2 × 5.S.m  = 1.47 2 = 217.E.6 W P P2 = 2 = Ωs 2 × π × n s Tarrq .0  2ª Parte: pJ 1 = 3 × R∆ × I1 2 I1 = Ia + Ib + Ic 6 .2 Neste caso: P2 ≅ P − p J 1 = 460 − 217.7 2 × π × 1500 = 1.73 × 6.2 = = 1. p.m  = 1.P.76 N . 47 A 3 3 p J 1 = 3 × 1. – D.E.∆ ×   = 76.∆ (n ) = 26. Máquinas Eléctricas 7 . 73 Ω R1 + R 2 + R 3 5.55 N .E.Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 Neste caso: P2 ≅ P − p J 1 = 450 − 212.55 ×   U   54.51×   U   91.P.0  2 Tarrq.m f1 50 = 60 × = 1500 r.7 W Tarrq .Y ×   = 26.Y ns = 60 × 60 = 1.Y = 237.C.Y (n ) Tarrq.33 = 0.-I. 50 + 6 .33 N .∆ (n ) 76.34 ⇔ Tarrq .Y (n ) = 34% Tarrq .

P.Estudo do Binário de Arranque 28-04-2004 Resultados Tarrq . António. ALVES. Máquinas Eléctricas 8 . Betina Campos. corroborando assim a teoria apresentada. Pudemos ainda observar.P. bem como foi também claro (pelo pequeno deslocamento do motor na bancada) o pico de binário que ocorre no momento da comutação. no decurso da 3ª parte do trabalho.S. Bibliografia: o “Tecnologias 11º ano”.Y (n ) = 34% Tarrq . o comportamento típico demonstrado na fig.E.Y(n)) sido cerca de 34% do valor obtido para o binário de arranque nominal em ∆ (Tarrq.E.C. que quando ocorre a comutação de ligações (de Y para ∆) é perfeitamente evidente (sem recurso a qualquer tipo de aparelho de medida) a diferença de funcionamento do motor de quando se encontra ligado em Y em relação a quando se encontra ligado em ∆.-E. 2 da Introdução. visto que após o mesmo foi possível atender a todos os objectivos propostos.E.∆(n)).∆ ( n ) Conclusão Após uma primeira análise dos resultados obtidos é possível referir desde já que o trabalho foi realizado com pleno sucesso. tendo o valor encontrado para o binário de arranque nominal em Y (Tarrq. Este desempenho observado verificou. o Apontamentos de Máquinas Eléctricas 2004 – NEVES. I. Tal como esperado no arranque em Y encontrámos valores de binário de arranque mais baixos do que no arranque em ∆.P. – D.-I.PINTO. Vitor – Porto Editora. como descrito.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->