Você está na página 1de 100
cLAssicos 3 - ILUSTRADOS : ; * x Es M.O NOSSO nimero 60, de dezembro de 1992, prometemios para éste ano Baicao Espeeial desta revista com os. cléssicos de” Homero: "A-Tliada” ¢ e TA Odisséia” Aqui eumprimos a nossa promesss. Cumpra também o leltor a sua a sua promessa de que é nosso leitor constante, leitor assiduo, leiter incondicio- S hal. Mas nao soja tao egoista.... Nao deseje s6- para voce aquilo de que voce inais gosta,’ Sela boin samaritano, dando de beber a quem tem séde, dando de tem fome.. © pao do espirito deve Ser repartido com os nossos Thassos inmios.. Ao comprar éste exemplar de Eoigho MaRAvi- = amigos que Lijosa para a sua colecdo, compre outro para um presente. B ofereca-o, fle cora~ =) (do. Quem o receber the agradecera a lembranca per omnia secula seculorum | A DISSEMOS ¢ 0 repetimos: né préximo ano.de 1954 continuaraola serypubli- 4 cadas as doze edigdes comuns, 7 Ame Wi — N° 78 (ESPECIAL) ‘ondutor Nao, me interessa © carro! ! [ADA Lia (OSA % Dezembro 1953 — Pag. 15 2° 78 (ESPECIAL) *% EDICAO M: ON ‘4 pedra alcancou Enéias, que teria morrida néo ha fora a intervengio de sua mie, Afrodite, dewsa lo do Amor. ¢ tel do sol /Pouco depois, Heitor, { Pai, vé com que firia com ajuda de Arey Ao deus Aver ests Podemos detélo \(—Podets farer deus da guerra, intervindo na batalha, antes que oO que yos orien e fonar' on ie devotee a destrua? “aprower gicgos a recuar, No limpo, Hera ¢ Atena apelaram para Zeus as hhostes gregas. Re are een a, m ae we Ss as eg aoe & cols a 3 ‘Transformando-se, 2 seguir, em pom bas, voaram para 0 ponto onde gregos € froianos ‘estavam pelejando. ‘Ao chegarem 2 planicie de T:6ia, envolveram 0 carro em tal nevoeiro, que nenhum homem seria capaz de yelo. A vor de Hera, 20 falar 20s gregos, era Ho possante | como a de cingiienta homens que gritassem a un sb tempo. . Envergomhai-vos, 6 gregos! Qs troianos vos estdo ana) | @ retornar aos yossos navios! Nao sei se 0 que te aflige & cansaco ou médo, mas em nada te poreces: com teu puil | SA wie: = Néo me alrevo a pelejar ‘contra 0 poderaso Ares! Nao tenhas médo de Arest \ Eu irei contigo! ph Atena guiou 0 carro na direcio de res, que estava junto de um grego ue acabara de matar. © elmo de Hades, deus dos mortos, que Aten trazia “a cabeca, impedia Ares de vela ; A. seguir, Diomedes atirou seu dardo, que on tro gesto de Atena {@z ir atingit certeiamente Ares. fiste soltou um grito de dor e alcouse rumo ao céu, qual uma nuyem em tarde ten ‘tena, com um gesto mégico, desvion 0 dardo arremessado por Ares, Foi éte o maior feito de Diomedes: atingir ‘Ares, pondo-o fora de combate. _ Ano VI — N." 78 (ESPECIAL) % EDICAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 — Pag 18 Peete ade meee eee * be + fei is 0 ene ees = NS Ohta or foie a A ee / Assim fizeram os deuses, e Heitor se mostrou satis- feito. Erguendé-se 3 frente de seus homens, cha- Escolhei 0 mais forte dos vossos omens, para Tuter comigo em prélio singular. Se eu o matar, yoltarcis para por ée ‘serd vossal Paremos com que Heitor desi mas bravo s cd aremes Spare una tite ~~, | homen-a home. N. , An e- <- v 1) imsis bravo dos gregos seria escolhido por sorte, Nove hefes iclenos lancaram seus nomes no elmo de Ag al desejando ser 0. escolhidot )\ = Ali Sou eu, e ninguém pode caleular como estou contente! Vencerei 0 poderoso Heitor, amigos. Ninguém seria capaz de me derrotar por forea ou asticia, pois or homens de Salamina desconhecem a palayra derrota. A ILIADA Zeus tomou conhecimento da disputa, ¢ dirigin a palavra aos deuses Escutai ¢ obedecei! Nenhum de yés aiudard @ gregos ou troianos... E tomai nota... Se algum deus ou deusa ousar fazé-lo, langéto-ei as trevas exteriores! ‘Atena era sua filha, e Zeus a amava mais que a qualquer outro dos deuses, de sorte que a deixou Pai, todos née fe \ bem sabemos que nenhum ‘Nao ausiliaremos os gregos, porque o proibiste.. ‘Mas, se 0 permitires. dar-lhes-emos conselhos.... de compadecer-nos dos gregos, pois receamos que sejam todos éles destruidos! Tendo consentido no plano de sua filha, de aconselhar os gregos, Zeus aparclhow sew carto e baixou i Terra, vindo ter 20 monte Ida, perto de Trdia. Ghegara o tempo de ‘cumprit a promessa feita a Tétis, de ajudar os troianos, de modo que 08 gregos sentissem a austneia de Aquiles. , ¢ grande foi tre 0s cavalos. ¥ A ILIADA Ps a e = rl qu haa esto pae tgs OF eu na ~ Ee = aE 24 vee = % EDICAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 — Pig. 24 ‘Ano VI — N° 78 (ESPECIAL) % EDICAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 — Pag. 25 Ly 7 A x [ | Ss re ne La 1958 — % EDICAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 — Pag. 28 elie SRS. aN Sig ios nis O tei Azam: Ne id te restituiu deve ser 11 0 que te a ése A ILTADA Diomedes ¢ Odisseu se deitaram entre 05 cadavercs, até Dolon passar por éles @ n0s50 alcance, eaivemos sébre éle Sue | Sugeem 3 sua fente, enganowse. a > pete dele... Parece que Heitor | Dolon, ao ver de repente os dof homens oe i Yao se puseram sentinelas, ide se encontra Heitor. em yigias @ noite, por pensarem que os troisnos estao sempre alerta Ano VI — N.2 78 (ESPECIAL) % EDICAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 — Pag. 33 © Odisseu, baseando-se na in- le Dolon, entraram furtivamen- ipo troiano, e, depois de ma- tos que dormiam, sairam dali de que se apoderaram.. itsomper por entre as linhas trojans: As primeiras Iuzes da aurora, recomecou a batalha Heitor nJo ousou enfrentar Agamenon, porque: O primeiro grego leusa fris, mensageira de Zeus, he trouxe <= déste um aviso. 4 Enquanto Agamenon estiver lutando, Bite é 0 dia 7 detimte a um lado. [om que Ge se cobriré de honras. $6 dev Sc, Dimer quando le estiver ferido. eR ee PEASY = De acdrdo com a previsio, Agamenon foi ferido © nao péde continuar a Inta. BN saadix Diomedess DY Prefer terte ferido (gt a thera! 6 at SIAN ase! UN ASF Ne 7 ‘Ano VI — N.!.78 (ESPECIAL) “ EDICAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 — Pag. 97 18 (ESPECIAL) % EDICAO A Quando 0 carro de Poséidon passou sdbre as ondas, ‘vieram & tona baleias, botos e outros grandes animais marinhos, Do cume de um monte, 4 distincia, Postidon, deus do mar, observava a hatalha. Povdiooa erenives dur eer dc Cikes, o equ. | | Tabu alloy = Ales bike 42 elie Cee Tove se ding a0 acampamento dos greg05. TO" Grande” que combatera com Heitor, © Aint, ee oe ee en “0 Menor’, flho de Gilea. Tomai a iniciativa! [> Ide ao luger onde Heitor esté pelejando e fazeio reeuar! VV Que um deus vos dé forga € cordgem! Eu partir 4 Tutar contra Heitor ainda que estivesse bro 1993 — Pag. 39 A ILIADA Ajax coneu ao campo de batalha e langou contra Heitor gnome pedis, que 0 atingiu no pescogo, acima do Qs troianos retirar Heitor, striamente ferido... Quando Zeus olhow e vin o que estava acontecen- lo, ficou encolerizado ¢ yoltouse contia Hera, 4 sua espdsa. Vai a Poséidon ¢ dizethe que nao desejo velo interferir nestes assuntos! 4 Heitor nova vida ¢ coragem, de Sorte que possa retornar d lutal ) %& EDIGAO MARAVILHOSA: % Dezembro 1953 — Pag. 41 Ao ver Patrocl lo, a quem supunham tratarse de Aquiles, 68 troianos fugiram. Entio, Patroclo esquecen « ordem de Aquiles. < le eel 5 | A <— YN i a W) = : al y lias " Re 5 cidade, 2 Tr Concedo-te tédas as didivas que Odisseu (05. pensamentos que nesta guerra ies este say Pater sore est seus efeitos desestrosos. Dé-me as riquezas prometidas, ou guarda-as contigo, 6 Reif ‘ame preocupa agora: langarsne sem demora ‘40 combate! ‘Abri as portas, para que por elas possam entrar 0s nossos soldados, que recuam ante ‘as hostes comandadas por Aquiles. Boyt — N76 (ESPECIAL) + EDICAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 — Pag. 45 nei HE: YY © Rei Priamo concita seu filho Heitor a ndo Iutar com Aquiles. i ‘Ai de mim, se eu me ocultar aA Sen VANE ‘Também a Rainha Hécuba rogou a seu filho Heitor que viesse abrigar- Se detris das muralhas. Nao lutes contra Aquiles! Se de te vencer, tua carne seré devorada pelos aes! Devo, entdo, depor'o escudo e ir dizer a Aquiles: “Vamos devolver-vos «@ formosa Helena ¢ t8das Do seu palicio no Olimpo, os deuses contemplavam a cena li em baixo, e Zeus teve pena de Heitor. “de morte, ou deixéto. ‘sob os golpes de Aquiles? & EDICAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 — Pag. 47 es ‘Tétis veio ter com Aquiles na sua tenda. Disse- Mais tarde, Paris disparou contra Aquiles uma” The que Zeus estava furioso pelo modo por que flecha que, orientada pelo deus Febo, 0 feriu le tratara 0 cadiver de Heitor. de morte no seu sinico ponto vuluerivel — 0 seu = Galeavhar. E. também Tins, posteormente, mor Zeus te ordena )\( Cumprase a vontade ‘tue devolvas a Ret ‘dor_deuses! Priamo 0: corpo de sew fitho. tie, |// re ferido por uma flecha, que foi o instrumento i @ quem causira tédas aquelas Depois disto € que Odissen teve uma idéia, traduzida neste plano: os gregos construiram enorme cavalo de pau, em eujo béjo se ocultaram alguns solda- « dos, para peo na cidade. Os” ‘troianos, pensando que 0 cavalo fésse uma dadiva dos deuses, levaramne |b: para dentro das muralhas. Entdo, os gregos, saindo do esconderijo, de sur- présa, abriram as portas da cidade a |- seus exércitos ¢ tomaram Trbia, apés dez anos de sitio. ‘As adapiacées de romances ou obras classicas para a EDICAO MARAVILHOSA sao apenas um “aperiti _ Para 0 deleite do leitor. | Se vacé gostou, procure ler o nrénrio livro em sua tradueao e organi sua biblioteca — que uma hoa biblioteca ¢ sinal de cultura e bom. gésto. N78 (ESPECIAL) % EDIGAO MARAVILHOSA % Dezembro 1953 egundo 2 tradiego, Homero viveu entre os anos 800 ¢ 900 antes de Crato, numa das comunidades jénices da praia oriental do Mar Egeu. iguém disse déle: “8 um cego que mora narochesa ilha de Quios; para todo o sempre, seus poemas serao os mais belos” ‘atretanto, ao falar de Homero como autor de “A Ifada”, devemos recordar que o’ambiente social, a linha geral dos acontecimentos narra~ Jos c provavelmente grande parte das longas descricdes de sangrentas futas peito a peito, foram por éle livremente retiradas das lendas tra~ dicionais. Ble podia admitir que seus ouvintes estivessem tao familiar adios duanto éle com ésses temas e que mesmo sem a sua narrativa foram por que e como os grexos tinham ido a Tréia, o que ali haviam feito, quem finham sido os seus chefes, quais as suas ilustres linhagens € que deuses favoreciam a cada qual.’ Por isso éle podia entrar quase Son preambulo ho tema particular da célera de Aquiles no peniiltimo ano da guerra de Troia, suas causas consegiiéncias, Mae Homero ainda foi capaz de retomar o conhecido tema ¢ set cenitio, tecer sdbre éle seu proprio poema, dar vida nova aos persona- Zens ad velha lenda, exaltar alguns incidentes e eriar outros, novos, pa BoMintensificar 0 interésse dramético, nessa historia em que os deuses Séo humanos ¢ os homens se portam como verdadeiros deuses. Mais *ar~ Ge, os escritores gregos, voltando os olhos para o passado, chamaram Homero “o primeiro dos grandes tragicos”. Sao sinda as manifesta- (oes do genio de Homero, eneontradias em “A Iliadal” e “A Odisséia”, que hos fazem considera-lo 0 maior dos poetas de todos os tempos. ‘Os poemas de Homero nao se conservaram como hem exclusive dos gregos que viveram na Asia Menor. No VI século A. C. foram adota- Sisipela cidade de Atenas como parte de sua prépria heranga literaria. Todo colegial ateniense aprendia a conhecé-los, como hoje em dia os imeninos estudam 9 catecismo. Nos festivais panatencicos, que se realiza~ Yam anualmente, 05 poemas de Homero eram recitados @ todo momento. ‘Alexandre Magno sabia “A Tliada” de cor, ¢ até escolheu Aquiles como seu modélo de heréi. 03 romanos, depois de conguistarem a Grécia, Sdotaram a lenda de Trdia como parte da sua propria historia. _N&o podiam, naturalmente, dizer que descendiam de algum dos paladinos Efeges, mas apontaram como antepassado um dos melhores troianos — Endias, Poséidon diz, num treeho de “A Ilfada”, que Enéias nao perece- Tia juntamente com os demais descendentes de Priamo, mas sobreviveria e réinaria alhures, tal como os filhos de seus filhos. De acérdo com isto, ‘Virgilio tomou Enéias como heréi de sua “Eneida” e féz déle 0 elo entre Tréla eo Império Romano, fundado msis tarde. Com a expansio do Im~ pério Romano, desapareceu o interésse do conhecimento da lingua gre~ ga em toda a Buropa Ocidental. Para Dante e Chaucer, Homero nao pas- fava de um nome misterioso. Mas no século XIV, o poeta Petrarca teve a ventura de conseguir uma rude traduego latina de “A Iliada” e “A Odiseéia”, No século seguinte, um reavivamento de interésse pelas letras Glssicas #2 surgit melhores traducdes; além disso, constituiucse na Buropa uma classe educada que pode novamente ler ¢ apreciar Homero na lingua original. Contudo, os eruditos dos séculos XVIII e XIX nega- ram # propria oxisténcia de Homero. O bardo cego de Quios teria sido jimplesmente parte da lenda. Atualmente, todos acreditam que tenha “realmente existido um poeta com ésse nome, autor da “A Tiiada”, ma juventude, ¢ da “Odisséia”, na velhice t A Mitologia e a Arte GLevRe Gelecdo de A.M. de: Ciera — Franca * Quase todos os grandes pintores da historia se inspiraram em cenas da mitologia para assunto dos seus quadros. Devido a isso, até as mais insignificantes passagens das lendas gre- gas se acham hoje imortalizadas em imimeras pinturas dos mais famosos artistas. Reproduzimos aqui alguns désses quadros, que ilustram passagens das monumentais narrativas de Homero — “A Iliada” e “A Odisscia” ULISSES (ODISSEU) E NAUSICAA Apés o nautri- gio, Odisseu foi jogado praia de uma itha cujo rei Alcino. Ao ver Odisseu, barbado e despido, as. mogas que’ se banhavam nu ma fonte fugiram — tddas menos Nawsicaz, filha do rei. Ela eseutou a histéria de Odisseu © o levou 20 pat, que mandou que © ‘estisiem © the dessem de comer. Este quadro de Gleyte nos mostra Odisseu. quando, apés vestido, novamente se apresentou ‘a Nausicaa-e a donzelas. DEZEMBRO DE 1953 PAGINA 50 EDICAO MARAVILHOSA — N= 78 (ESPECIAL) % ANO VI CIRCE E 0S SEUS AMANTES. x “Todos que iam comer 2 mes de Circe eram por cla transforma- dos em animais, embora conseryas sem as faculdades mentais de séres humanos. Neste interessante qua- dro vemos Circe rodeada de alguns de seus animais * Dosso Doss! Colegio Kress, a Galeria Nacional de Arte, Washington, D.C. JUPITER (ZEUS) E TETIS. * Uma linda pintura de Ingres — por muitos considerado o maior dos pintores franctses — nos mos- . tra Tétis, a mfe de Aquiles, quan- do cla procura Zeus para pedir a divindade que auzilie o seu_filho, empenhado na Guerra de Trdia. * INGRES Museu de ‘Aix en Provence DEZEMBRO DE 1953 & PAGINA 51