Você está na página 1de 31

http://www.primeiroelemento.

com
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

1. (ITA-SP) – O plural de terno azul-claro e terno verde-mar é:

a) ternos azuis-claros; ternos verdes-mares


b) ternos azuis-claros; ternos verde-mares
c) ternos azul-claro; ternos verde-mar
d) ternos azul-claros; ternos verde-mar
e) ternos azuis-claros; ternos verde-mar

Alternativa correta: D.

Essa questão envolve o plural dos adjetivos compostos e a análise é relativamente


simples:

- analisamos a palavra da direita isoladamente: se ela sozinha for adjetivo, coloque-a


no plural. Caso a palavra, sozinha, não for adjetivo, ela permanece no singular.

- a palavra da esquerda permanece sempre no singular.

2. EFOA-MG – “...onde predomina o corte de cabelo afro-oxigenado.”


A concordância do adjetivo destacado acima com o substantivo a que se refere
manteve-se correta em:

a) cabelos afros-oxigenados
b) cabeleiras afras-oxigenadas
c) cabelos afros-oxigenados
d) cabeleiras afra-oxigenadas
e) cabelos afro-oxigenados

Alternativa correta: E

Essa questão segue a mesma linha de raciocínio da anterior, ou seja, envolve o plural
dos adjetivos compostos.

3. (Univ. Fed. de Juiz de Fora – MG) – Marque o emprego incorreto do numeral:

a) século III (três)


b) página 102 (cento e dois)
c) 80º (octogésimo)
d) capítulo XI (onze)
e) X tomo (décimo)

Alternativa correta: A

O numeral quando for usado para designar Papas, reis, séculos, capítulos etc, usam-
se:

Os ordinais de 1 a 10
Os cardinais de 11 em diante.

Logo, a letra A está incorreta por está grafado século três, quando o correto é século
terceiro.
4. (Fund. Valeparaibana – SP) – Indique o item em que os numerais estão
corretamente empregados:

a) Ao Papa Paulo seis sucedeu João Paulo primeiro.


b) após o parágrafo nono, virá o parágrafo décimo.
c) depois do capítulo sexto, li o capítulo décimo primeiro.
d) antes do artigo dez vem o artigo nono.
e) o artigo vigésimo segundo foi revogado.

Alternativa correta: B

Está corretamente grafado parágrafo nono e parágrafo décimo na alternativa B, pois


os numerais ordinais são de 1 a 10. De 11 em diante usamos os cardinais.

5. (Univ. Fed. Maranhão) – Foneticamente, o vocábulo passo contém:

a) um dígrafo
b) um ditongo
c) uma vogal e uma semivogal
d) um encontro consonantal
e) um hiato

Alternativa correta: A

Dígrafo é o conjunto de duas letras que representa um único fonema.


P-A-S-S-O à 5 letras

P-A-S-O à 4 fonemas

O SS da palavra passo equivale a um fonema. SS à S

Não poderia ser um ditongo, pois não há vogal + semivogal juntas. Logo, a C também
está incorreta. Não poderia ser um encontro consonantal, pois assim haveria duas
letras e dois fonemas. E, por fim, hiato é o encontro de dois sons vocálicos em sílabas
diferentes.

6. (Cesgranrio-RJ) – Assinale a opção em que o pronome lhe apresenta o mesmo


valor significativo que possui em:
“Uma espécie de riso sardônico e feroz contraía-lhe as negras mandíbulas.”

a) A mãe apalpava-lhe o coração.


b) Aconteceu-lhe uma desgraça.
c) Tudo lhe era diferente
d) Ao inimigo não lhe nego perdão
e) Não lhe contei o susto por que passei

Alternativa correta: A

Na frase Uma espécie de riso sardônico e feroz contraía-lhe as negras mandíbulas, o


pronome LHE, que é um pronome pessoa oblíquo átono, está funcionando como
pronome possessivo, ou seja, é equivalente a suas.
Reescrevendo a frase da alternativa A: A mãe apalpava seu coração.

7. (ITA-SP) – Dadas as sentenças:


1. Ela comprou um livro para mim ler.
2. Nada há entre mim e ti.
3. Alvimar, gostaria de falar consigo.

Verificamos que está (estão) correta(s):

a) apenas a sentença n.º 1


b) apenas a sentença n.º 2
c) apenas a sentença n.º 3
d) apenas as sentenças n.º 1 e 2
e) todas as sentenças

Alternativa correta: B

Mim está empregado incorretamente na alternativa A. O correto é: Ela comprou um


livro para eu ler.
O pronome consigo é reflexivo. O pronome correto é contigo.
A alternativa B está correta por que mim e ti funcionam como complemento.

8. (Cesgranrio – RJ) – Assinale a opção que completa adequadamente as lacunas da


frase seguinte:

Os pesquisadores e o Governo freqüentemente assumem posições distintas ante os


problemas nacionais: _______________ se preocupam com a fundamentação
científica, enquanto ____________ se guia mais pelos interesses políticos.

a) aqueles, este
b) esses, aquele
c) estes, esse
d) estes, aquele
e) aqueles, aquele

Alternativa correta: A

Na referência a dois seres já relatados, usa-se este (e variações) para o mais próximo,
ou seja, para o último; e aquele para o mencionado anteriormente.

9. (Cesgranrio – RJ) – Assinale a opção em que todos os vocábulos formam o plural


em ões (cf: botão/botões):

a) balão, irmão, tubarão


b) eleição, canção, opinião
c) confissão, nação, cristão
d) limão, cidadão, pagão
e) questão, alemão, operação

Alternativa correta: B

Os substantivos terminados em ão fazem o plural de três formas:

-ão + s à -ãos
-ão + -ões
-ão + -ães
10. (FESP – SP) Assinale a alternativa que contenha substantivos, respectivamente,
abstrato, concreto e concreto:

a) fada, fé, menino.


b) fé, fada, beijo.
c) beijo, fada, menino.
d) amor, pulo, menino.
e) menino, amor, pulo.

Alternativa correta: C.

Substantivos concretos são aqueles que denominam os seres propriamente ditos. São
os nomes de pessoas, animais (reais ou imaginários), lugares e coisas. Os abstratos
indicam sentimentos, qualidades/defeitos, sensações, ações estados.

11. (Univ. Est. Ponta Grossa – PR) – A série de palavras que, no plural, mudam o
timbre do o tônico é:

a) acordo, transtorno, sogro, morro, repolho


b) imposto, povo, corpo, esforço, tijolo
c) logro, toco, soldo, gorro, fofo
d) gafanhoto, globo, bolso, coco, bolo
e) forro, esposo, rolo, sopro, topo

Alternativa correta: B

Certos substantivos, no plural, sofrem a pronúncia do ô (fechado) da sílaba tônica, que


passa a ser pronunciado ó (aberto). Assim, imposto (ô) – impostos (ó); povo (ô) –
povos (ó); corpo (ô) – corpos (ó); esforço (ô) – esforços (ó); tijolo (ô) – tijolos (ó).

12. (Unimep – SP) – “Se você não arrumar o fogão, além de não poder cozinhar as
batatas, há o perigo próximo de uma explosão.”

As palavras destacadas podem ser substituídas por:

a) concertar – coser - iminente


b) consertar – cozer – eminente
c) consertar – cozer – iminente
d) concertar – coser – iminente
e) consertar – coser – eminente

Alternativa correta: C

Consertar – reparo, ato ou efeito de consertar.


Cozer – cozinhar.
Iminente – que ameaça acontecer.

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1 – (Univ. Fed. Maranhão) – “Naquela terrível luta, muitos adormeceram para sempre”,
há:

a) pleonasmo
b) eufemismo
c) anacoluto
d) polissíndeto
e) assíndeto

Resposta: B

Comentário:
Eufemismo é uma figura que consiste em abrandar uma expressão desagradável.
Assim, “muitos adormeceram para sempre” significa morreram.

2 – (Univ. Est. Bahia) – Na frase: “Todos somos os fios do tecido”, há um exemplo de:

a) metonímia
b) metáfora
c) pleonasmo
d) eufemismo
e) hipérbole

Resposta: B

Comentário:
Metáfora é uma figura semântica que emprega um termo com significado de outro, a
partir de uma comparação subentendida.

3 – (EFO – Alfenas – MG) “Não me deixo tapear”. Empregou-se a colocação proclítica


do pronome átono, pelo mesmo motivo por que ela foi empregada na citação acima
em:

a) Cada qual se ajeite como puder


b) De modo algum me afastarei da cidade.
c) Logo que o vi, chamei a polícia.
d) alguém lhe disse que havia perigo.
e) Oxalá a morte vos encontre preparado.

Resposta: B

Comentário:
A colocação proclítica é usada quando há palavras que atraem o pronome para antes
do verbo. As palavras de sentido negativo, por exemplo, emprega-se a próclise.

4 – (Univ. Fed. Sergipe) – “Os projetos que ...... estão em ordem; ........ ainda hoje,
conforme ......

a) enviaram-me – devolvê-los-ei – lhes prometi


b) enviaram-me – os devolverei – lhes prometi
c) enviaram-me – os devolverei – prometi-lhes
d) me enviaram – os devolverei – prometi-lhes
e) me enviaram – devolvê-los-ei – lhes prometi

Resposta: E

Comentário:
Usamos a próclise quando houver palavras que atraem o pronome para antes do
verbo, por exemplo, pronomes relativos (que) e conjunções subordinativas (conforme).
Quando o verbo está no futuro (presente ou pretérito) usamos a mesóclise, mas se
houver uma palavra atrativa antes do verbo no futuro, usa-se a próclise.
5 – (Univ. Est. Ponta Grossa – PR) – Todas as orações abaixo apresentam próclise,
exceto:

a) Isso nos preocupa muito


b) Não me faça esperar demais
c) Irritou-se com o cinismo de sua resposta
d) Faremos o que nos parecer melhor.
e) Confesso que não me esforcei muito.

Resposta: C

Comentário:
A ênclise é empregada quando o verbo inicia uma oração, pois de acordo com a
norma culta, não se deve iniciar uma oração por pronome oblíquo.

6 – (Unimep) – “Perguntei ..... ele não veio. Ele disse que não veio ...... choveu.”
A alternativa que preenche corretamente as lacunas é:

a) porque - porque
b) por que – porque
c) por que – por que
d) por quê – porque
e) porquê – por que

Resposta: B

Comentário:
A forma por que pode ser: preposição por + que advérbio interrogativo; que pronome
relativo e que conjunção subordinativa integrante. Na frase acima por que é
empregado em frase interrogativa indireta e deve ser grafado dessa forma (preposição
por + que advérbio interrogativo). A forma porque é empregada em resposta (frases
declarativas) e funciona como conjunção.

7 – (Fuvest – SP) –Assinale a frase gramaticalmente correta.

a) Não sei por que discutimos.


b) Ele não veio por que estava doente.
c) Mas porque não veio ontem?
d) Não respondi porquê não sabia.
e) Eis o porque da minha viagem.

Resposta: A

Comentário:
Novamente está sendo empregada a forma preposição POR + QUE advérbio
interrogativo. Nesse caso, após por que sempre ocorre a palavra motivo/razão, às vez
claramente outras vezes subentendida.

8 – (Fesp – SP) – Considere as frases:

I – O porquê da evasão escolar parece muito claro.


II – Por que você não veio?
III - você não veio por quê?
IV – O motivo porque ele saiu não interessa.
V – Irei porque em agrada sua companhia.

a) Todas corretas.
b) Todas corretas, menos a IV
c) I, III e IV.
d) II e IV corretas.
e) Todas incorretas.

Resposta: B

Comentário:
O item IV está incorreto. A forma correta é por que, pois nesse caso pode ser
substituído por pelo qual. (preposição POR + QUE pronome relativo).

9 – (Univ. do Amazonas) – Observe o termo destacado na seguinte frase: “A porta do


armazém fora encontrada aberta, sem o menor vestígio de violência, caixas com
fazendas abertas e a gaveta que continha o dinheiro arrombada.” (Domingos Olímpio).

Ele exerce a função sintática de:

a) aposto
b) predicativo
c) adjunto adverbial
d) adjunto adnominal

Resposta: B

Comentário:
Predicativo é um termo que, através de um verbo de ligação, relaciona-se ao sujeito
ou objeto da oração atribuindo-lhes qualidade, característica ou estado.

10 – (Univ. Fed. Maranhão) – Há objeto indireto na opção:

a) A eleição transcorreu calma.


b) A chuva cai mansa nos telhados.
c) As cidades elegeram novos prefeitos.
d) Os prefeitos foram eleitos pelo povo.
e) O povo confia nos seus dirigentes.

Resposta: E

Comentário:
O objeto indireto é o termo da oração que se relaciona com o verbo transitivo indireto,
completando-lhe o sentido. O pronome oblíquo nos pode ser objeto direto ou indireto,
depende do verbo ao qual está relacionado. No caso o verbo confiar é transitivo
indireto, pois quem confia, confia em.

11 – (Fac. Méd. Pouso Alegre – MG) – Assinale a alternativa em que o verbo


destacado não é de ligação:

a) A criança estava com fome.


b) Pedro parece adoentado.
c) Ele tem andado confuso.
d) Ficou em casa o dia todo.
e) A jovem continua sonhadora.
Resposta: D

Comentário:
verbo de ligação tem a função de ligar o sujeito a um estado, característica ou modo
de ser do sujeito. Na oração D o verbo não exprime nenhuma relação entre o sujeito e
o predicativo.

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1- (BANRISUL) – Assinale o único período em que a mesóclise é inadequada:

a) Nada contenta-lo-á enquanto não tiver a paz interior.


b) Dir-se-ia que pairava sobre nós uma divindade funesta.
c) Se mergulhares um pano vermelho neste rio, retira-lo-ás cheio de piranhas.
d) Sentir-me-ia mais aliviado, se conseguisse chorar um pouco.
e) Por este processo, chegar-se-ia a melhores resultados.

Resposta: A

A mesóclise só é usada quando o verbo está no futuro do presente ou futuro do


pretérito, desde que não haja necessidade da próclise.

2 – (BANCO DO BRASIL) – Na ordem, preenchem corretamente as lacunas:

1. Justiça entre os homens é ...


2. É ... a entrada de pessoas estranhas.
3. A água gelada sempre é ...

a) necessário, proibida, gostosa.


b) necessária, proibida, gostoso.
c) necessário, proibida, gostoso.
d) necessária, proibido, gostoso.
e) necessário, proibido, gostosa.

Resposta: A

As expressões “é preciso, é necessário, é proibido” possuem duas construções:

- com sujeito sem elemento determinante, nesse caso são invariáveis;


- variáveis se houver elemento determinante.

Na primeira oração não há elemento determinante, logo, “é necessário” fica invariável.

Na segunda e terceira orações há elementos determinantes: ... a entrada ...; a água ...
O elemento determinante na segunda e terceira orações é o artigo a. Nesse caso, há
variação das palavras.

3 – (BANRISUL) – Assinale a opção em que a concordância nominal está incorreta:

a) As matas foram bastante danificadas pelo fogo.


b) Ele trazia muito bem tratados a barba e os cabelos.
c) O carro tinha um dos faróis queimados.
d) Há muitos anos que coleciono selos e moedas raras.
e) Nesta circunstância, Vossa Excelência está enganada, Doutor Juiz.
Resposta: E

Sendo o sujeito representado por um pronome de tratamento, a concordância se


efetua com o sexo da pessoa a quem se refere. Logo, o correto é: Vossa Excelência
está enganado...

4 – (UFRGS) – Prezado Dom Gaspar, ... V. Exa. Revma. que eu chame ... atenção
para um fato que ... interessar.

a) permitais, vossa, vos deve.


b) permita, vossa, vos deve.
c) permita, sua, lhe deve.
d) permitais, vossa, lhe deve.
e) permiti, sua, vos deve.

Resposta: C

Os pronomes de tratamento são da 2ª pessoa, mas exigem que os demais pronomes


e verbos sejam usados na 3ª pessoa.

5 – (UPF) – Assinale a melhor opção, considerando os períodos propostos.

Período n.º 1 – “Enquanto corria, um único pensamento: vou ser campeão da equipe.”

Período n.º 2 – “Negrinho do Pastoreio, o escravo humilde, que por humilde, foi
louvado e é cantado eternamente.

- Os termos grafados, nos períodos 1 e 2, são respectivamente:

a) aposto, adjunto adverbial de modo.


b) aposto, adjunto adverbial de tempo.
c) objeto direto, agente da passiva.
d) sujeito, adjunto adnominal.
e) vocativo, sujeito.

Resposta: B

Aposto é o termo que explica outro termo da oração. Geralmente, é destacado por
pausas, representadas por vírgulas dois pontos ou travessões.

O adjunto adverbial se refere a um verbo, adjetivo ou a outro advérbio, indicando-lhes


uma circunstância. Nesse caso uma circunstância de tempo.

6 – (UERJ) – Assinale o par em que os vocábulos fazem o plural da mesma forma que
a palavra cristão.

a) capelão, razão.
b) tabelião, vulcão.
c) grão, melão.
d) questão, irmão.
e) cidadão, bênção.

Resposta: E
Os substantivos terminados em –ão formam o plural com o acréscimo de –s, uns
mudam –ão em –ões, outros trocam –ão por –ães e vários substantivos em –ão não
encontraram uma forma definitiva para o plural.

Os substantivos cidadão, bênção e cristão fazem o plural apenas com o acréscimo de


–s.

7 – (FMU) – Vai ... à carta minha fotografia. Essas pessoas cometeram um crime de ...
patriotismo. Elas ... não quiseram colaborar.

a) incluso, leso, mesmo.


b) inclusa, leso, mesmas.
c) inclusa, lesa, mesmas.
d) incluso, lesa, mesmas.
e) incluso, lesa, mesmo.

Resposta: B

Incluso, leso, mesmo são palavras que concordam em gênero e número com o nome
a que se referem. Logo, devem ser grafadas inclusa, leso e mesmas.

8 – (FMU) – Vão ... aos processos várias fotografias. Paisagens as mais belas ... Ela
estava ... narcotizada.

a) anexas, possíveis, meio.


b) anexas, possível, meio.
c) anexo, possíveis, meia.
d) anexo, possível, meio.
e) anexo, possível, meia.

Resposta: A

A palavra anexo concorda com o nome a que se refere. Na oração concorda com
fotografias. Logo, deve ser grafada anexa.

Possível pode aparecer invariável, quando usado em expressões superlativas com o


artigo no singular. Caso o artigo apareça no plural será variável. Na oração possível
sofre variação porque o artigo está no plural.

Meio pode aparecer como advérbio, nesse caso é invariável. Se for adjetivo ou
numeral fracionário é variável. Na oração meio é advérbio.

9 – Assinale a alternativa incorreta:

a) Pio XII (décimo segundo)


b) João Paulo II (segundo)
c) página 21 (vinte e um)
d) XV salão do automóvel (décimo quinto)
e) capítulo XVI (dezesseis)

resposta: A

O numeral quando empregado para designar capítulos, papas, séculos, reis, etc.
usam-se: 1 a 10 ordinal e de 11 em diante cardinal.
10 – Assinale a alternativa incorreta:

A ênclise ocorre:

a) Nas frases iniciadas por verbo desde que não esteja no tempo futuro.
b) Nas frases imperativas afirmativas.
c) Sempre que há palavras que atraiam o pronome para antes do verbo.
d) Nas orações reduzidas de gerúndio.
e) Nas orações reduzidas de infinitivo.

Resposta: C

Palavras que atraem o pronome para antes do verbo devemos usar a próclise.

11 – Quanto à concordância do particípio com o substantivo, assinale a alternativa


incorreta:

a) Ninguém havia anotado as questões.


b) Terminadas as aulas, os alunos saíram.
c) Todos haviam anotados os números incorretamente.
d) Dado o sinal, os pilotos partiram.
e) Todas as alternativas estão corretas.

Resposta: C

O particípio não varia quando forma o tempo composto. O correto é: Todos haviam
anotado ...

12 – Assinale a alternativa que possui uma oração coordenada explicativa.

a) Não vou sair à noite, porque vou fazer uma prova importante amanhã.
b) Ora estudava matemática, ora estudava português.
c) Não só estudava como também ensinava.
d) Viajou para Londres, contudo não esquecia Recife.
e) Conseguimos bater a meta, portanto podemos comemorar.

Resposta: A

A oração coordenada explicativa expressa uma justificativa, contida numa outra


oração coordenada. A justificativa para não sair à noite é uma prova importante.

13 – Com relação ao emprego do verbo, assinale a alternativa incorreta.

a) o pretérito perfeito é usado para indicar um fato passado concluído.


b) o futuro do presente é usado para expressar um acontecimento posterior a um outro
acontecimento passado.
c) o modo subjuntivo expressa fatos duvidosos, hipotéticos, incertos.
d) o pretérito imperfeito, do modo subjuntivo, é usado em orações subordinadas
substantivas e adjetivas.
e) o presente do indicativo é usado para enunciar um fato momentâneo, para
expressar um fato que ocorre com freqüência.

Resposta: B
futuro do presente usado na indicação de um fato realizado num instante posterior ao
que se fala. Para expressar um acontecimento posterior a um outro acontecimento
passado empregamos o futuro do pretérito.

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1 – (STA. CASA – SP) – Em qual dos exemplos abaixo está presente um caso de
derivação parassintética?

a) Lá vem ele, vitorioso do combate.


b) Ora, vá plantar batatas!
c) Começou o ataque.
d) Assustado, continuou a se distanciar do animal.
e) Não vou mais me entristecer, vou é cantar.

Resposta: E

A parassíntese é a junção simultânea de prefixo e sufixo à palavra primitiva.

Para verificar tal derivação basta retirar o prefixo ou o sufixo da palavra. Se a palavra
deixar de ter sentido, então ela foi formada por derivação parassintética.

2 – (UFPR) – Assinale a(s) alternativa(s) em que a(s) palavra(s) destacada(s) é(são)


formada(s) por parassíntese e some os valores.

1 – Lá vem ele, vitorioso do mergulho.


2 – Ora, vá plantar batatas!
4 – Assustado, continuou a se distanciar do animal.
8 – Não vou mais me entristecer, vou é cantar.
16 – Ele é um desalmado.
32 – Encontrou-a no corredor deitada.
64 – Infelizmente as coisas não saíram como supúnhamos.

Resposta: 24

Idem ao comentário da questão N.º.1

3 – Indique o período em que o SE funciona como sujeito:

a) Lutou-se bravamente.
b) Agitam-se as ondas do mar.
c) A moça sentiu-se desfalecer lentamente.
d) Sabe-se que hoje não mais choverá.
e) Esses homens se odeiam.

Resposta: C

A colocação do sujeito de um infinitivo na forma oblíqua, constitui este o objeto direto


da oração finita.

4 – (UEPG – PR) – Classifique o SE na oração: “Ele queixou-se dos maus-tratos


recebidos.”

a) Parte integrante do verbo.


b) Conjunção condicional.
c) Pronome apassivador. PA
d) Símbolo de indeterminação do sujeito. PIS
e) Conjunção integrante.

Resposta: A

Quando houver verbo pronominal essencial a partícula SE será parte integrante do


verbo. O verbo pronominal é aquele que se conjuga, obrigatoriamente, com os
pronomes oblíquos.

5 – (UFPR) – Qual é a função do SE em “Não sei se ela vem”?

a) conjunção subordinativa condicional.


b) conjunção subordinativa integrante.
c) partícula expletiva (de realce).
d) pronome pessoal.
e) conjunção subordinativa concessiva.

Resposta: B

A partícula SE será conjunção subordinativa integrante quando iniciar uma oração que
completa o sentido de outra.

6 – No período “Avistou o pai, que caminhava para a lavoura”, a palavra “que”


classifica-se morfologicamente como:

a) conjunção subordinativa integrante.


b) conjunção subordinativa final.
c) pronome relativo.
d) partícula expletiva.
e) conjunção subordinativa causal.

Resposta: C

A palavra QUE quando se relaciona com outro termo da frase, o seu antecedente, é
chamado pronome relativo.

7 – (FAAP – SP) – Assinale a frase na qual o SE não é pronome apassivador e nem


índice de indeterminação do sujeito:

a) Estudou-se este assunto.


b) Ela se suicidou ontem.
c) Falou-se muito sobre aquela festa.
d) Aos inimigos não se estima.
e) Fizeram-se reformas na casa.

Resposta: B

A partícula SE na oração do item B é um pronome reflexivo.

8 – (UNESP) – “Três seres esquivos que compõem em torno à mesa a instituição da


família, célula da sociedade.” O trecho destacado é:

a) complemento nominal.
b) vocativo.
c) agente da passiva.
d) objeto direto.
e) aposto.

Resposta: E

O aposto é o termo que serve para explicar ou resumir um substantivo. Geralmente,


vêm entre vírgulas, depois de uma vírgula, dois pontos ou travessão.

9 – (UEM – PR) – O Brasil jovem está curtindo o vestibular.

Os termos destacados, no período acima, são respectivamente:

a) adjunto adverbial e objeto direto.


b) predicativo do sujeito e objeto direto.
c) adjunto adnominal e complemento nominal.
d) adjunto adnominal e objeto direto.
e) adjunto adverbial e predicativo do sujeito.

Resposta: D

O adjunto adnominal é o termo com valor adjetivo que acompanha o núcleo


substantivo de uma função sintática, delimitando ou especificando o significado deste
substantivo. Já o objeto direto completa o sentido de um verbo transitivo direto.

10 – (UFSCAP – SP) – Ele gostava de vinhos bons. O termo destacado é:

a) objeto indireto.
b) predicativo do sujeito.
c) agente da passiva.
d) sujeito.

Resposta: A

O objeto indireto é o termo que completa o sentido do verbo transitivo indireto com o
auxílio de preposição. Para descobrir o objeto indireto basta fazer uma pergunta ao
verbo:

Ele gostava de quê? De vinhos bons.

11 – (FCHO – PE) – Observe:

1 – Alguns cidadãos ajudaram o governo a dissolver os males daquela cidade.


2 – Enquanto a gurizada soltava balãozinhos, os anciãos admiravam as nuvenzinhas.
3 – Os cirurgiões tiveram que seccionar os tórax dos animaizinhos.
4 – Através de fósseis, encontrados em regiões ocidentais, pesquisas arqueológicas
confirmam a existência, no passado, de grandes reptis.

- Quanto à flexão de número, dentre os períodos acima, estão corretos:

a) Todos.
b) Nenhum.
c) 1ª, 3ª e 4ª
d) 1ª, 2ª e 4ª
e) 1ª, 2ª e 3ª

Resposta: C

Esta é uma questão que envolve flexão de número dos substantivos terminados em
ÃO, IL, X e plural dos diminutivos.

Cidadão » plural cidadãos;


Mal » plural males;
Cirurgião » plural cirurgiões ou cirurgiães;
O tórax » plural os tórax;
Animalzinho » plural animaizinhos;
Fóssil » plural fósseis;
Réptil ou reptil » plural répteis ou reptis.

12 – (UMC/MOJI – SP) – Indique o vocábulo que muda de sentido no plural:

a) fóssil
b) féria
c) réptil
d) cânon
e) broto

Resposta: B

A palavra féria significa renda diária no plural – férias – significa descanso, repouso,
ou seja, o período aquisitivo de descanso que o trabalhador tem direito

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1- Quanto ao gênero os adjetivos podem ser uniformes e biformes. Assinale a


alternativa que apresenta adjetivos uniformes:

a) português, cristão.
b) feliz, espanhol.
c) ateu, judeu.
d) comum, feliz.
e) corajoso, brincalhão.

Resposta: D

Adjetivos uniformes são aqueles que possuem uma forma tanto para substantivos
masculinos como para substantivos femininos.

2 – O plural dos adjetivos compostos está correto nas seguintes alternativas:

1 – Olhos castanho-claros
2 – Vestidos azuis-celestes
3 – Meninos surdos-mudos
4 – Ternos azul-marinho
5 – Camisas verde-musgo

a) 1,2,4,5.
b) 2,3,4,5.
c) 1,3,4,5.
d) apenas 3 e 4.
e) Todas estão corretas.

Resposta: C

Geralmente, flexionamos apenas o último elemento para se formar o plural dos


adjetivos. Mas, existem as exceções: surdo-mudo – flexiona os dois elementos; azul-
marinho e azul-celeste ficam invariáveis. Os adjetivos compostos que se referem a
cores, quando o segundo elemento é um substantivo, são invariáveis.

3 – Assinale a alternativa que o adjetivo está flexionado no grau superlativo absoluto


sintético:

a) O garoto é tão inteligente quanto sua irmã.


b) O aluno é o mais inteligente da sala.
c) A cerveja está geladíssima.
d) O político é muito influente.
e) O leite está melhor que o café.

Resposta: C

No grau superlativo absoluto sintético a qualidade do ser é intensificada através do


acréscimo de sufixos.

4 – Marque a 2ª coluna de acordo com a 1ª coluna.

1) amargo ( ) docílimo
2) semelhante ( ) simílimo
3) doce ( ) amaríssimo
4) dócil ( ) dulcíssimo
5) frágil ( ) fragílimo

a) 4,2,1,3,5
b) 2,1,3,5,4
c) 4,2,3,1,5
d) 3,2,4,1,5
e) 1,5,3,4,2

Resposta: A

Tal questão prima pelo conhecimento de alguns superlativos absolutos sintéticos. Não
há o que comentar, apenas saber que superlativo absoluto sintético é formado através
do acréscimo de sufixo.

5 – Assinale a única alternativa que possui substantivo sobrecomum.

a) crocodilo
b) colega
c) cavalheiro
d) indivíduo
e) imperador

Resposta: D
Os substantivos sobrecomuns possuem um só gênero que indicam tanto seres do
sexo masculino como do sexo feminino. Identificamos o sexo através do contexto.

6 – Marque a alternativa que possui apenas substantivos femininos:

a) formicida, conde, poeta.


b) cal, ênfase, guaraná.
c) matinê, apêndice, imperador.
d) barão, omoplata, caneta.
e) derme, gênese, alface.

Resposta: E

Essa questão também não há muito que comentar. Apenas com o exercício da leitura
e consulta a bons dicionários é possível resolver facilmente a questão.

7 – Assinale a alternativa que o plural metafônico está incorreto:

a) fogo (ô), fogos (ó)


b) olho (ô), olhos (ó)
c) jogo (ô), jogos (ó)
d) esforço (ô), esforços (ô)
e) bolo (ô), bolos (ô)

Resposta: D

O plural metafônico consiste na mudança do o tônico fechado no singular para o o


tônico aberto no plural.

8 – Assinale a alternativa que os substantivos estão flexionados no plural


incorretamente:

a) más-línguas, bananas-maçã
b) cachorros-quentes, pombos-correio
c) grão-duques, tico-ticos
d) bananas-maçãs, altos-falantes
e) terças-feiras, pés-de-moleque

Resposta: D

Substantivos compostos separados por hífen fazem o plural variando os dois ou


apenas um dos elementos. Na alternativa D a palavra banana-maçã varia apenas o
primeiro elemento, pois o segundo elemento limita a idéia do primeiro; alto-falante
varia apenas o segundo elemento porque o primeiro elemento é uma palavra
invariável (advérbio).

9 – Amanhecer é formada pelo mesmo processo que:

a) infelizmente
b) pedrada
c) simbolismo
d) pernoitar
e) inútil

Resposta: D
Pernoitar é formada por derivação parassintética. É agregado simultaneamente um
prefixo e um sufixo ao radical, tal que a palavra não existe só com prefixo ou só com
sufixo.

10 – A palavra burocracia é formada por:

a) composição por justaposição


b) derivação regressiva
c) onomatopéia
d) hibridismo
e) nenhuma das alternativas

Resposta: D

A palavra burocracia é formada por hibridismo. Hibridismo é o processo pelo qual as


palavras são formadas por elementos de línguas diferentes. Buro (francês) + cracia
(grego).

11 – Na língua portuguesa é o elemento que contém o significado básico da palavra:

a) afixo
b) tema
c) radical
d) desinência
e) nenhuma das respostas

Resposta: C

Como já diz o próprio enunciado: radical é o elemento básico e significativo das


palavras. A ele são acrescentados os outros elementos.

12 – Na frase: A fábrica contaminou o ar. O elemento destacado é:

a) complemento nominal
b) objeto direto
c) objeto direto preposicionado
d) objeto indireto
e) sujeito

Resposta: B

O elemento em destaque – o ar – é objeto direto e está completando o sentido do


verbo transitivo direto contaminou.

13 – É chamado termo integrante da oração:

a) sujeito
b) predicado
c) objeto indireto
d) adjunto adnominal
e) aposto

Resposta: C
Os termos integrantes da oração completam o significado dos verbos e dos nomes.
São termos integrantes da oração: complementos verbais (objeto direto e objeto
indireto), complemento nominal e agente da passiva.

14 – A rainha era aclamada pela multidão.

a) objeto direto
b) objeto indireto
c) complemento nominal
d) sujeito
e) agente da passiva

Resposta: E

Agente da passiva é o complemento de um verbo na voz passiva. Corresponde ao


sujeito da oração na voz ativa.

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1 – (UFPR) – Observe a concordância verbal:


1 – Algum de vós conseguirei a bolsa de estudo?
2 – Sei que pelo menos um terço dos jogadores estavam dentro do campo naquela
hora.
3 – Os Estados Unidos são um país muito rico.
4 – No relógio do Largo da Matriz bateu cinco horas: era o sinal esperado.

a) Somente a frase 1 está errada.


b) Somente a frase 2 está errada.
c) As frases 2 e 3 estão erradas.
d) As frases 1 e 4 estão erradas.
e) As frases 2 e 4 estão erradas.

Resposta: D

Quais de vós, quantos de nós, alguns de nós, etc. admitem as seguintes


concordâncias: o verbo concorda com o pronome indefinido ou interrogativo, ficando
na 3ª pessoa do plural ou concorda com o pronome pessoal. Porém, se o pronome
estiver no singular o verbo ficará na 3ª pessoa do singular.

Na indicação de horas o verbo bater concorda com o número de horas, que


normalmente é o sujeito. O verbo bater pode ter outra palavra como sujeito, com a
qual deve concordar.

2 – (UEPG – PR) - Assinale a alternativa incorreta, segundo a norma gramatical:

a) Os Estados Unidos, em 1941, declararam guerra à Alemanha.


b) Aqueles casais parecia viverem felizes.
c) Cancelamos o passeio, haja visto o mau tempo.
d) Mais de um dos candidatos se cumprimentaram.
e) Não tínhamos visto as crianças que faziam oito anos.

Resposta: C
Ocorrem as seguintes concordâncias: a expressão haja vista fica invariável quando
equivalente a atente-se; por exemplo.

O verbo haver varia quando equivale a vejam-se.

3 – (UFCE) – Como a frase “fui eu quem fez o casamento”, também estão corretos os
períodos abaixo:

1. Fui eu que fiz o casamento.


2. Foi eu quem fez o casamento.
4. Fui eu que fez o casamento.
8. Foste tu que fizeste o casamento.
16. Foste tu quem fez o casamento.
32. Fostes vós que fez o casamento.
64. Fostes vós quem fez o casamento.

Resposta: 89

Quando o sujeito for o pronome relativo QUEM o verbo fica na 3ª pessoa do singular
ou concorda com o antecedente. Se o sujeito for o pronome relativo QUE o verbo
concorda com o antecedente.

4 – (CESGRANRIO) – Há concordância inadequada em:

a) clima e terras desconhecidas.


b) clima e terra desconhecidos.
c) terras e clima desconhecidas.
d) terras e clima desconhecido.
e) terras e clima desconhecidos.

Resposta: C

O adjetivo posposto a dois ou mais substantivos há duas concordâncias:


O adjetivo concorda com o mais próximo ou vai para o plural. Se os gêneros são
diferentes, prevalece o masculino.

5 – (UEPG – PR) – Marque a frase absolutamente inaceitável, do ponto de vista da


concordância nominal:

a) É necessária paciência.
b) Não é bonito ofendermos aos outros.
c) É bom bebermos cerveja.
d) Não é permitido presença de estranhos.
e) Água de Melissa é ótimo para os nervos.

Resposta: A

Há duas concordâncias para as expressões é bom, é necessário, etc.:


- fica invariável, portanto no masculino, se o sujeito não vem precedido de artigo ou
outro elemento determinante. Se vier precedido de artigo ou elemento determinante
concorda com o sujeito.

6 – (CESCEM – SP) – Já ... anos, ... neste local árvores e flores. Hoje, só ... ervas
daninhas.
a) fazem/havia/existe
b) fazem/havia/existe
c) fazem/haviam/existem
d) faz/havia/existem
e) faz/havia/existe

Resposta: D

Haver/fazer são verbos impessoais. São empregados apenas na 3ª pessoa do


singular. Haver (sentido de existir, ocorrer) e o verbo Fazer (na indicação de tempo).
Existir é pessoal e concorda normalmente com o sujeito.

7 – (UFPR) – Qual a alternativa em que as formas dos verbos bater, consertar e haver
nas frases abaixo, são usadas na concordância correta?

- As aulas começam quando ... oito horas.


- Nessa loja ... relógios de parede.
- Ontem ... ótimos programas na televisão.

a) batem – consertam-se – houve


b) bate – consertam-se – havia
c) bateram – conserta-se – houveram
d) batiam – conserta-se-ão – haverá
e) batem – consertarei – haviam

Resposta: A

Bater empregado com referência às horas concorda com o número de horas. Quando
há sujeito, o verbo concorda com ele.

A partícula SE na segunda oração é apassivadora; concorda com o sujeito da oração.

O verbo haver, no sentido de existir, ocorrer, conjuga-se na 3ª pessoa do singular.

8 – (PUCCAMP – SP) – Se a altíssimo corresponde alto, a celebérrimo, libérrimo,


crudelíssimo, humílimo, paupérrimo, respectivamente, há de corresponder:

a) célebre, líbero, cruel, úmido, pobre.


b) célebre, livre, cru, úmido, pobre.
c) célebre, livre, cruel, humilde, pau.
d) célebre, livre, cruel, humilde, pobre.
e) célebre, livre, cru, humilde, pobre.

Resposta: D

O superlativo absoluto expressa a qualidade de um ser, no seu grau mais elevado,


sem comparação com outro ser. Nesta questão temos exemplos de superlativo
absoluto sintético. É formado pelo radical do adjetivo + sufixo.

9 – (UFV-MG) – Em todos os itens o pronome SE é apassivador, EXCETO:

a) Sabe-se que ele é honesto.


b) Organizou-se, ontem, esta prova.
c) Não se deverá realizar mais a festa.
d) Nada mais se via.
e) Assistiu-se à cerimônia inteira.

Resposta: E

A oração E não pode ser passada para a voz passiva analítica, então, não pode ser
pronome apassivador. O “SE” é índice de indeterminação do sujeito. Quem assistiu à
cerimônia? Não sabemos quem é o sujeito.

10 – (PUCCAMP-SP) – “Nunca chegará ao fim, por mais depressa que ande”.

A oração destacada é:

a) Subordinada adverbial causal.


b) Subordinada adverbial concessiva.
c) Subordinada adverbial condicional.
d) Subordinada adverbial consecutiva.
e) Subordinada adverbial comparativa.

Resposta: B

A Oração subordinada adverbial concessiva indica uma concessão às ações do verbo


da oração principal, isto é, há uma contradição ou um fato inesperado.

11 – (UFPR) – Julieta ficou à janela na esperança de que Romeu voltasse.

A oração em destaque é:

a) subordinada substantiva subjetiva.


b) subordinada substantiva completiva nominal.
c) subordinada substantiva predicativa.
d) subordinada adverbial causal.
e) subordinada adjetiva explicativa.

Resposta: B

A oração subordinada substantiva completiva nominal funciona como complemento


nominal de um substantivo, adjetivo ou advérbio da oração principal.

Exercícios resolvidos de Português


Texto para as questões 01 a 04

"Não obstante os meus quarenta e tantos anos, como eu amasse a


harmonia da família, entendi não tratar o casamento sem primeiro falar ao
Cotrim. Ele ouviu-me e respondeu-me seriamente que não tinha opinião em
negócio de parentes seus. Podiam supor-lhe algum interesse, se acaso
louvasse as raras prendas de Nhã-Loló; por isso calava-se. Mais: estava
certo de que a sobrinha nutria por mim verdadeira paixão, mas se ela o
consultasse, o seu conselho seria negativo. Não era levado por nenhum
ódio; apreciava as minhas boas qualidades, - não se fartava de as elogiar,
como era de justiça; e pelo que respeita a Nhã-Loló, não chegaria jamais a
negar que era noiva excelente; mas daí a aconselhar o casamento ia um
abismo.
- Lavo inteiramente as mãos, concluiu ele.
- Mas você achava outro dia que eu devia casar quanto antes...
- Isso é outro negócio. Acho que é indispensável casar, principalmente
tendo ambições políticas. Saiba que na política o celibato é uma remora.
Agora, quanto à noiva, não posso ter voto, não quero, não devo, não é de
minha honra."
(Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas)

01) Considerando o trecho no conjunto da obra é correto afirmar que


Cotrim, diante da perspectiva de sua sobrinha casar-se com Brás Cubas,
a) expressa de maneira ambígua seu interesse pelo casamento, pois quer
manter uma imagem de imparcialidade.
b) revela sua honradez, já que ambos são seus parentes e, portanto, não
seria adequado aconselhar Brás Cubas.
c) pensa que o casamento, como um negócio, tem de ser decidido apenas
pelos principais interessados.
d) dissimula seu ódio contra Brás Cubas, elogiando as boas qualidades do
cunhado.
e) recusa-se a dar opiniões porque tem muito afeto por Nhã-Loló e julga
que Brás Cubas não a merece.

Alternativa
A

02) Assinale a alternativa em que se mantém o mesmo sentido das


orações: "Não obstante os meus quarenta e tantos anos, entendi não
tratar o casamento sem primeiro falar ao Cotrim":

a) Por causa dos meus quarenta e tantos anos, compreendi que não deveria
acertar o casamento sem primeiramente falar dele ao Cotrim.
b) Como já tinha quarenta e tantos anos, considerei que deveria combinar o
casamento, mas falando inicialmente dele ao Cotrim.
c) Quando já tinha quarenta e tantos anos, pensei que deveria combinar o
casamento, embora antes devesse falar dele ao Cotrim.
d) Apesar de meus quarenta e tantos anos, pensei que não deveria
combinar o casamento sem primeiro falar dele ao Cotrim.
e) Sem me incomodar com meus quarenta e tantos anos, considerei que
deveria combinar o casamento, primeiramente falando dele ao Cotrim.

Alternativa
D

03) Releia o quarto período do trecho:

"Mais: estava certo de que a sobrinha nutria por mim verdadeira paixão,
mas se ela o consultasse, o seu conselho seria negativo".
Considerando a correlação dos tempos dos verbos grifados, escolha a
alternativa em que a correlação se mantém, sem prejuízo de sentido.

a) está - nutre - consulta - será.


b) está - teria nutrido - consultara - será.
c) está - nutre - consultar - será.
d) estivera - nutrira - consultara - fora.
e) estivera - nutre - tivesse consultado - fora.
Alternativa
C

04) Comparando-se São Bernardo e Memórias póstumas de Brás Cubas, é


correto afirmar que, apesar de suas diferenças, ambos têm em comum:

a) a denúncia da violência no ambiente burguês e o protesto contra a


injustiça social.
b) a valorização do poder econômico, que permite aos homens obter tudo
que desejam, mesmo destruindo os inferiores.
c) a crítica a valores morais arcaicos, que não podem sobreviver numa
sociedade que se deseja moderna.
d) a censura ao comportamento dos homens que se deixam dominar pelos
poderosos.
e) a caracterização do homem burguês como aquele que não hesita diante
de nada para conseguir o que deseja.

Alternativa
E

Texto para as questões de 05 a 09.

Quincas Borba, que não deixara de andar, parou alguns instantes.


- Queres ser meu discípulo?
- Quero.
- Bem, irás entendendo aos poucos a minha filosofia; no dia em que a
houveres penetrado inteiramente, ah! nesse dia terás o maior prazer da
vida, porque não há vinho que embriague como a verdade. Crê-me, o
Humanitismo é o remate das cousas; e eu, que o formulei, sou o maior
homem do mundo. Olha, vês como o meu bom Quincas Borba está olhando
para mim? Não é ele, é Humanitas...
- Mas que Humanitas é esse?
- Humanitas é o princípio. Há nas cousas todas certa substância
recôndita e idêntica, um princípio único, universal, eterno, comum,
indivisível e indestrutível - ou, para usar a linguagem do grande Camões:

Uma verdade que nas cousas anda,


Que mora no visíbil e invisíbil.

Pois essa substância ou verdade, esse princípio indestrutível é que é


Humanitas. Assim lhe chamo, porque resume o universo, e o universo é o
homem. Vais entendendo?
- Pouco; mas, ainda assim, como é que a morte de sua avó...
- Não há morte. O encontro de duas expansões, ou a expansão de duas
formas, pode determinar a supressão de uma delas; mas, rigorosamente,
não há morte, há vida, porque a supressão de uma é a condição da
sobrevivência da outra, e a destruição não atinge o princípio universal e
comum. Daí o caráter conservador e benéfico da morte. Supõe tu um
campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para
alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a
montanha e ir a outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se
as duas tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-
se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse caso, é a
destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e
recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações,
recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a
guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo
motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou
vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma
ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao
vencedor, as batatas.
(Machado de Assis, Quincas Borba. Cap. VI)

05) Da leitura do texto transcrito, está correto afirmar que

a) para Quincas Borba, ele próprio, que era o maior homem do mundo -
porque inventara o Humanitismo - era superado somente pelo grande
Camões, que lhe definiu, anteriormente, o princípio.
b) Quincas Borba vale-se de uma metáfora - a das duas tribos em guerra
por um campo de batatas - para ilustrar o princípio de conservação da
vida, que é a morte.
c) o interlocutor de Quincas Borba deseja ser seu discípulo e, por isso,
submete-se a um teste para provar o princípio filosófico do
Humanitismo.
d) a referência ao campo de batatas capaz de alimentar somente uma das
duas tribos em guerra serviu para Quincas Borba justificar politicamente
as ações militares européias nas Américas.
e) a filosofia do Humanitismo encontra sua explicação última num princípio
que molda todo o universo - chamado Humanitas - e, por isso, enaltece
a morte como meio de revelá-lo.

Alternativa
B

06) Observe os pronomes sublinhados nas frases abaixo.

(1) ... no dia em que a houveres penetrado ...


(2) ... e eu, que o formulei ...
(3) Assim lhe chamo ...

Esses pronomes referem-se no texto, respectivamente, a:

a) (1) vida; (2) remate; (3) homem.


b) (1) verdade; (2) Humanitas; (3) verdade.
c) (1) verdade; (2) Quincas Borba; (3) substância.
d) (1) filosofia; (2) Humanitismo; (3) princípio.
e) (1) filosofia; (2) Humanitismo; (3) universo.
Alternativa
D

07) "Recôndita", "supressão" e "canoniza" equivalem, no texto,


respectivamente, a:
a) escondida; espólios; valoriza.
b) côncava; cancelamento; suporta.
c) oculta; eliminação; glorifica.
d) redonda; morte; santifica.
e) retirada; extinção; beatifica.

Alternativa
C

08) No período

O encontro de duas expansões, ou a expansão de duas formas,


pode determinar a supressão de uma delas; mas, rigorosamente,
não há morte, há vida, porque a supressão de uma é a condição da
sobrevivência da outra (...).

os conectivos grifados estabelecem, entre as orações, relações de sentido,


respectivamente, de

a) modo e ressalva.
b) ressalva e explicação.
c) contraste e modo.
d) causa e modo.
e) explicação e causa.

Alternativa
B

09) Assinale a alternativa em que a adaptação da frase abaixo apresenta


concordância correta.

... onde há batatas em abundância.

a) onde deve existir batatas em abundância.


b) onde houveram batatas em abundância.
c) onde poderia existirem batatas em abundância.
d) onde possa haver batatas em abundância.
e) onde iam haver batatas em abundância.

Alternativa
D

Texto para as questões 10 e 11.

SONETO

Pálida, à luz da lâmpada sombria,


Sobre o leito de flores reclinada,
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ela dormia!

Era a virgem do mar! Na escuma fria


Pela maré das águas embalada...
Era um anjo entre nuvens d'alvorada
Que em sonhos se banhava e se esquecia!

Era mais bela! O seio palpitando...


Negros olhos as pálpebras abrindo...
Formas nuas no leito resvalando...

Não te rias de mim, meu anjo lindo!


Por ti - as noites eu velei chorando
Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!

(Álvares de Azevedo, Lira dos Vinte Anos)

10) Pela leitura do poema, é possível afirmar que ele expressa

a) o assombro do poeta diante da beleza da lua cheia, como que dormindo


entre nuvens e refletindo seus raios sobre as águas do mar.
b) a excitação sexual de um amante ao surpreender sua amada deitada,
nua, sobre as areias de uma praia à noite, iluminada à luz sombria da
lua.
c) o êxtase de quem, contemplando em sonhos a luz, as flores, as nuvens e
outros elementos da natureza, vê neles os sinais da divindade.
d) a irreverência de alguém que, diante da exaltação do seu amor, não se
importa com o desprezo nem da sociedade nem de sua própria amada.
e) a admiração de um apaixonado diante da beleza de sua amada, que,
contemplada dormindo entre os lençóis da cama, em seguida, desperta.

Alternativa
E

11) A alternativa que melhor exprime as características da poesia de


Álvares de Azevedo, encontradas no poema transcrito, é a que destaca a
presença de

a) antíteses construídas sobre extremos, tais como "reclinada" X


"embalsamada" e "virgem do mar" X "anjo entre nuvens d'alvorada".
b) uma atmosfera de sonhos que evita a nitidez da descrição, como em
"Entre as nuvens do amor ela dormia" e "Pela maré das águas
embalada".
c) inversões violentas da sintaxe corrente, como em "Não te rias de mim,
meu anjo lindo!" e "Era um anjo entre nuvens d'alvorada...".
d) comparações que prenunciam a morte, como em "Pálida, à luz da
lâmpada sombria" e "Sobre o leito de flores reclinada".
e) uma fuga pueril e adolescente à objetividade quotidiana, como em "Não
te rias de mim, meu anjo lindo!" e "O seio palpitando...".

Alternativa
B

Texto para as questões de 12 a 16.


O coronel recusou a sopa.
- Que é isso, Juca? Está doente?
O coronel coçou o queixo. Revirou os olhos. Quebrou um palito. Deu um
estalo com a língua.
- Que é que você tem, homem de Deus?
O coronel não disse nada. Tirou uma carta do bolso de dentro. Pôs os
óculos. Começou a ler:
Exmo. Sr. Coronel Juca.
- De quem é?
- Do administrador da Santa Inácia.
- Já sei. Geada?
- Escute. Exmo. Snr. Coronel Juca. Respeitosas saudações. Em
primeiro lugar Saudo-vos. V. Eccia. E D. Nequinha. Coronel venho por meio
desta respeitosamente comunicar para Vossa V. E. que o cafezal novo
agradeceu bastante as chuvarada desta semana. E tal e tal e tal. Me acho
doente diversos incomodos divido o serviço.
- Coitado.
- Mas não é isso. O Major Domingo Neto mandou buscar a vacca...
Oh senhor! Não acho...
- Na outra página, Juca.
- Está aqui. Vá escutando. Em último lugar vos communico que o seu
compadre João Intaliano morreu...
- Meu Deus, não diga?!
- ... morreu segunda que passou de uma anemia nos rim: por esses
motivos recolhi em casa o vosso afilhado e orpham Gennarinho. Pesso para
V.E. que me mande dizer o distino, e tal. E agora, mulher?
Dona Nequinha suspirou. Bebeu um gole de água. Mandou levar a
sopa.
- E então?
Dona Nequinha passou a língua nos lábios. Levantou a tampa da
farinheira. Arranjou o virote.
- E então? Que é que eu respondo?
Dona Nequinha pensou. Pensou. Pensou. E depois:
- Vamos pensar bem primeiro, Juca. Não coma o torresmo que faz
mal. Amanhã você responde. E deixe-se de extravagâncias.

(Antônio de Alcântara Machado, "Notas Biográficas do


Novo Deputado", in Novelas Paulistanas)

12) Considere as seguintes afirmações sobre a estrutura do texto.

I. Nele predomina a coordenação, com orações justapostas.


II.Há uma economia no uso de conjunções, o que elimina as relações
lógicas de sentido entre as frases.
III. A predominância de diálogo no texto destaca as personagens, pondo
em segundo plano o narrador.
IV. As falas das personagens Juca e Nequinha assemelham-se à fala do
narrador, pela simplicidade da sintaxe.

Dentre essas afirmações, estão corretas somente

a) I, II e IV. b) I, II e III. c) I, III e IV.


d) II, III e IV. e) II e III.

Alternativa
C

Os professores do Uni-Técnico não concordam com o gabarito oficial


C, por pensarmos que, no uso de períodos simples, há coordenação
semântica e não sintática.
Houvemos por bem optar pela alternativa D.

13) Assinale a alternativa contendo apreciação correta das características


(I) dos diálogos de Juca e Nequinha e (II) da carta lida por Juca.

(I) diálogos de Juca e (II) carta lida por Juca


Nequinha
a) Correção gramatical Concordância e colocação pronominal
indicando desvios da norma culta
b) Desvios da norma culta na Linguagem preciosista; vocabulário
sintaxe de regência refinado
c) Sintaxe fragmentada; Tratamento informal
falta de coesão
d) Coloquialismo Correção gramatical
e) Tratamento formal Observância de regras de ortografia

Alternativa
A

14) Assinale a alternativa que expressa adequadamente a relação de


sentido presente no período

Não coma o torresmo que faz mal.

a) Apesar de que faz mal, não coma o torresmo.


b) Quando faz mal, não coma o torresmo.
c) Não coma o torresmo, cujo faz mal.
d) Não coma o torresmo, onde faz mal.
e) Não coma o torresmo, pois faz mal.

Alternativa
E

15) Encontra-se adequada transposição de trecho do texto em discurso


indireto na alternativa

a) Coronel Juca perguntou então o que é que eu responderia.


b) Coronel Juca disse que está aqui, que ela ia escutando.
c) Dona Nequinha pensou. Pensou. Pensou. E depois disse a Juca que
pensassem bem primeiro. Que ele não comesse o torresmo, que fazia
mal.
d) Dona Neq uinha afirmou que no dia seguinte ele ia responder. E
que deixe de extravagâncias.
e) Dona Nequinha declarou o que é isso, se Juca está doente.

Alternativa
C

16) A observação das características do texto leva a concluir que se trata


de um exemplar da prosa

a) modernista, privilegiando a descrição de ações das personagens e


soluções na língua coloquial.
b) naturalista, privilegiando o diálogo franco, em linguagem popular, e a
verdadeira natureza das personagens.
c) realista, privilegiando a narração de fatos do cotidiano, e construções da
língua culta.
d) romântica, privilegiando a descrição de estados de alma das
personagens e soluções da língua popular.
e) regionalista, privilegiando a narração de fatos reveladores da índole das
personagens, com construções próprias da língua culta.

Alternativa
A