Você está na página 1de 13

Índice

Introdução ………………………………………………………………………………………….1

Enquadramento da formação ………………………………………………………………….

1

Designação do curso ……………………………………………………………………………….2

Público-alvo ……………………………………………………………………………………… 2

Perfil do formando:

Perfil de entrada …………………………………………………………………………

2

Perfil da saída ……………………………………………………………………………

2

Condições de realização …………………………………………………………………………

3

Duração da formação ……………………………………………………………………………

3

Normas de assiduidade …………………………………………………………………………….3

Certificação ………………………………………………………………………………………

3

Local de formação …………………………………………………………………………….……3

Identificação dos módulos/Conteúdos programáticos/ carga horária ……………………….……3

Metodologias e estratégias pedagógicas ………………………………………………………… 5

Objetivo geral do curso ……………………………………………………………………….……8

Objetivo específico dos módulos ……………………………………………………………….…8

Recursos didáticos …………………………………………………………………………….……9

Avaliação ……………………………………………………………………………………….… 9

Bibliografia ……………………………………………………………………………………… 12

Anexos

I Avaliação inicial

II Ficha de observação

III Teste de avaliação

IV Corrigenda

V Avaliação do formador

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

Introdução O trabalho que se apresenta, designado por projeto de intervenção pedagógica, pretende constituir-se como um produto final que reflita, de modo objetivo e claro, as aprendizagens realizadas no âmbito do curso de formação inicial de formadores que agora finda. Assim, este projeto deve demonstrar que o formando, ao longo dos diversos módulos de formação, adquiriu competências que lhe permitam estar apto a preparar, desenvolver e avaliar sessões formativas, identificando, devidamente, os aspetos pedagógicos mais importantes no processo de ensino-aprendizagem. Deve, de igual modo, espelhar a sua capacidade em propor soluções alternativas e apresentar sugestões de estratégias pedagógicas diversificadas. Estas competências serão premissa para o desenvolvimento do projeto de intervenção pedagógica, demonstrando que o formando deve agora ser capaz de contribuir positivamente para o sistema de formação em que estiver inserido.

Enquadramento Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS, 2005) revelam uma prevalência de crianças e adolescentes com problemas de saúde mental de aproximadamente 20% sendo que, cerca de metade dos adultos com problemas mentais apresentou, até aos 14 anos, sintomas que precipitaram o desenvolvimento do problema (Kessler at al, 2005, cit. Oliveira, Carolino & Paiva, 2012). No sentido de prevenir tais problemas a OMS defende a promoção global da saúde mental, a prevenção da doença mental e a inclusão social e proteção dos direitos e da dignidade das pessoas com doença mental com o objetivo de melhorar a sua qualidade de vida (Comissão das Comunidades Europeias, 2005). Importa também referir que o receio das pessoas em serem associadas à doença mental leva- as, com frequência, a evitar a sua reabilitação. Além disso, o estigma impede a integração social adequada, prejudica o acesso às oportunidades sociais, nomeadamente, ao emprego, habitação, saúde e suporte social (Larson & Corrigan, 2008 cit. Oliveira et al, 2012). Grande parte destas reações emocionais e comportamentais negativas decorre de mitos de que as pessoas com doença mental são perigosas, incompetentes e responsáveis pela sua doença (Ahmedani, 2011; Watson, Corrigan, Larson & Sells, 2007, cit. Oliveira et al, 2012). A generalização acerca da origem e curso da doença, associados a um mau prognóstico, interfere de modo negativo na opinião dos indivíduos em relação à doença mental. A manutenção deste tipo de crenças desajustadas e irreais, bem como estas atitudes estigmatizantes, derivam de informação distorcida ou escassa, justificando, deste modo, a pertinência em desenvolver intervenções dirigidas a públicos específicos que possam ter um impacto positivo na desconstrução do estigma associado. Segundo a Organização Mundial de Saúde (2001), 1 em cada 5 jovens irá passar, ao longo da sua vida, pela experiência de um problema da saúde mental. Os professores, auxiliares e pais enquanto agentes educativos preponderantes - assumem-se como elementos de elevada relevância na promoção de conhecimentos sobre saúde mental. Neste sentido, considera-se fundamental dotar este

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

público de competências de ação que lhes permitam assumir uma postura crítica e informada em relação á saúde mental infantil, bem como adotar uma posição ativa e preventiva em relação á educação das suas crianças. Assim sendo, e tendo em conta os dados supra citados, a presente ação pretende colmatar as lacunas existentes ao nível da saúde mental infantil e do desenvolvimento psicossocial da criança; das perturbações que lhe estão associadas; do método de ação mais adequado; e dos meios mais eficazes para promover a saúde mental infantil. Por fim, importa referir que a ação de formação terá lugar na CEFALUS ESCOLA DE FORMAÇÃO, LDA que se encontra situada no concelho de Lousada. Tal localização não poderia ser mais pertinente ao desenvolvimento de tal ação uma vez que no concelho, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), 32,5% dos seus 47,4 mil habitantes possuem menos de 25 anos de idade (a percentagem nacional é de pouco mais de 26%), sendo um dos concelhos mais jovens do país. Deste modo, torna-se fundamental dotar os educadores desta região de competências essenciais ao desenvolvimento físico e mental desta juventude. Tudo isto para que o futuro seja cada vez mais promissor.

Designação do curso Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

Público-alvo

A presente formação destina-se a profissionais na área da educação, nomeadamente

educadores de infância, professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico, auxiliares de educação e pais.

Perfil do formando

Perfil de entrada do formando Adultos com escolaridade mínima ao nível do 12º ano de escolaridade com ou sem experiência profissional na área da educação. Perfil de saída do formando

No final desta ação, o formando deverá ser capaz de demonstrar, claramente, uma perspetiva

sobre a saúde mental infantil que reflita a aquisição de conhecimentos ao nível das suas implicações para o desenvolvimento saudável das crianças. Deverá, ainda, ser capaz de identificar e distinguir as

diferentes perturbações mediante as suas características mais proeminentes, bem como saber como agir em cada caso.

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

Condições de realização Esta formação tem como condições que os formandos detenham o 12º ano de escolaridade e tenham algum tipo de relação pedagógica ou familiar com crianças.

Duração da formação 50 Horas.

Normas de assiduidade Em contexto de formação presencial, é condição obrigatória a frequência mínima de 95% do tempo total da formação.

Certificação Para poder ter aproveitamento positivo e concluir o curso os formandos têm que ter obrigatoriamente uma avaliação final igual ou superior a 50%.

Local de formação Instalações da CEFALUS ESCOLA DE FORMAÇÂO, LDA.

Identificação dos módulos/Conteúdos programáticos/ carga horária

 

Carga

 

Módulo

horária

Módulo I

Desenvolvimento Psicológico da criança

5

H

Conteúdos

Introdução ao desenvolvimento psicológico infantil.

2

H

Modelos e etapas desenvolvimentais da criança.

3H

Módulo II

Saúde mental infantil e intervenção precoce

5

H

 

Introdução á saúde mental infantil

1

H

Conteúdos

A saúde mental infantil em Portugal e no mundo (meios de promoção, métodos de atuação, principais implicações, causas e consequências)

3

H

Breve abordagem á intervenção precoce

1

H

Módulo III

Perturbações mais frequentes na criança

20 H

Conteúdos

Breve abordagem ao conceito de psicopatologia infantil

2 H

Perturbações da ansiedade

3 H

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

 

o

Principais características

 

o

Principais métodos de diagnóstico e intervenção/tratamento

o

Como agir enquanto cuidador?

Depressão infantil

3

H

o

Principais características

 

o

Principais métodos de diagnóstico e intervenção/tratamento

o

Como agir enquanto cuidador?

Perturbações da eliminação

3

H

o

Principais características

 

o

Principais métodos de diagnóstico e intervenção/tratamento

o

Como agir enquanto cuidador?

Perturbações do comportamento e défice de atenção

3

H

o

Principais características

 

o

Principais métodos de diagnóstico e intervenção/tratamento

o

Como agir enquanto cuidador?

Perturbações da alimentação e comportamento alimentar

2

H

 

Principais características

 

o

 

o

Principais métodos de diagnóstico e intervenção/tratamento

o

Como agir enquanto cuidador?

Perturbações da aprendizagem

2

H

o

Principais características

 

o

Principais métodos de diagnóstico e intervenção/tratamento

 

o

Como agir enquanto cuidador?

Perturbações do espectro do autismo

2

H

o

Principais características

 

o

Principais métodos de diagnóstico e intervenção/tratamento

o

Como agir enquanto cuidador?

Módulo IV

 

O sono na criança

10 H

Conteúdos

Estádios do sono

2

H

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

 

Perturbações do sono mais frequentes

4

H

A higiene do sono

4

H

Módulo V

Promoção da saúde mental infantil

10H

 

Como atuar na promoção e prevenção da saúde mental infantil

3

H

Conteúdos

Elaboração de projetos de sensibilização

4

H

Apresentação e análise dos trabalhos desenvolvidos

3

H

Metodologias e estratégias pedagógicas

Atendendo aos objetivos desta ação de formação, e considerando os conteúdos a serem

abordados, considera-se fundamental o recurso a três métodos pedagógicos fundamentais: expositivo,

interrogativo e ativo, a terem lugar em diferentes momentos das várias sessões, sempre que se

considere pertinente.

Assim, no decorrer da ação o método expositivo será contemplado com recurso a técnicas

como a exposição pela apresentação dos conteúdos, sobretudo, com recurso ao powerpoint e oralidade.

Por sua vez, o método interrogativo será operacionalizado com recurso a vários tipos de perguntas,

nomeadamente, abertas e fechadas, de ricochete, espelho e debate, sempre que assim se proporcione

ao longo das sessões. Este método será sempre utilizado em conjunto com os restantes uma vez que

permitirá gerir a participação dos formandos e verificar se a informação está a ser compreendida pelos

mesmos, assim como avaliar se os conteúdos estão a ser assimilados. No método ativo, as técnicas

aplicadas serão, essencialmente, o brainstorming, o role playing, o jogo pedagógico e ainda o estudo

de casos.

A grelha seguinte, pretende ser uma síntese do planeamento ao nível dos métodos e técnicas.

 

Métodos

Técnicas

 

Módulo I Desenvolvimento Psicológico da criança

 
 

Expositivo

Interrogativo

Exposição

 

Formulação

perguntas

de

Introdução ao desenvolvimento psicológico infantil.

 

Exposição Jogo pedagógico

Modelos e etapas desenvolvimentais da criança.

Expositivo

(fazer

a

ligação

Interrogativo

Ativo

a desenvolvimento e a faixa etária)

entre

fase

Módulo II Saúde mental infantil e intervenção precoce

 

Introdução á saúde mental infantil

Expositivo

Exposição

 

Interrogativo

Formulação

de

       

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

   

perguntas

 

Expositivo

Exposição

 

A saúde mental infantil em Portugal e no mundo (meios de

Ativo

Trabalho

 

de

grupo (elaboração

promoção, métodos de atuação, principais implicações,

de

um

folheto

causas e consequências)

digital

sobre

a

saúde

mental

 

infantil)

Breve abordagem á intervenção precoce

Expositivo

Exposição

 

Interrogativo

 
 

Módulo III Perturbações mais frequentes na criança

 

Breve abordagem ao conceito de psicopatologia infantil

Expositivo

Exposição

 

Perturbações da ansiedade

Expositivo

Exposição

 
 

Principais características

Ativo

Brainstorming

o

(registo de todas

o

Principais métodos de diagnóstico e

as

ideias

e

 

conceitos

 
 

intervenção/tratamento

relacionados com

o

Como agir enquanto cuidador?

a

ansiedade)

 
 

Estudo

de

caso

(Caso

de

uma

criança

com

perturbação

de

ansiedade

generalizada)

Demonstrativo

Demonstração

e

posterior

 

realização passo a

passo

 

do

relaxamento

muscular

 

progressivo e da

respiração

 

diafragmática

Depressão infantil

Expositivo

Exposição

 

Ativo

Brainstorming

o

Principais características

(registo de todas as ideias e

conceitos

o

Principais métodos de diagnóstico e

intervenção/tratamento

relacionados com

Como agir enquanto cuidador?

a

depressão)

 

o

Role playing

 

(pequena

 

dramatização

 

onde se demonstre o modo de agir perante os sintomas da depressão)

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

Perturbações da eliminação

Expositivo

Exposição

 

Principais características

Interrogativo

Formulação

de

o

Ativo

perguntas

o

Principais métodos de diagnóstico e

Estudo

de

caso

intervenção/tratamento

(caso

de

um

menino

o

Como agir enquanto cuidador?

com enurese noturna)

Perturbações do comportamento e défice de atenção

Expositivo

Exposição

 

Principais características

Interrogativo

Formulação de

o

perguntas

o

Principais métodos de diagnóstico e

Demonstrativo

Demonstração

intervenção/tratamento

(como fazer uma grelha de

o

Como agir enquanto cuidador?

observação

 

comportamental)

Perturbações da alimentação e comportamento alimentar

Expositivo

Exposição

Ativo

Brainstorming

o

Principais características

(registo de todas

o

Principais métodos de diagnóstico e

as

ideias

e

 

conceitos

 

intervenção/tratamento

relacionados com

o

Como agir enquanto cuidador?

a

anorexia)

 

Estudo

de

caso

(caso

de

uma

menina

com

bulimia)

Perturbações da aprendizagem

Expositivo

Exposição

Interrogativo

Formulação

de

o

Principais características

perguntas

o

Principais métodos de diagnóstico e

Ativo

Jogo

pedagógico

 

(Descubra

a

 

intervenção/tratamento

perturbação)

o

Como agir enquanto cuidador?

 

Expositivo

Exposição

Perturbações do espectro do autismo

Ativo

Brainstorming

o

Principais características

(registo de todas

 

as

ideias

e

o

Principais métodos de diagnóstico e

conceitos

intervenção/tratamento

relacionados com

Como agir enquanto cuidador?

o

autismo)

o

Jogo

pedagógico

 

(psicomotricidade

relacional

aprender a brincar

com

bolas

e

balões)

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

Módulo IV O sono na criança

 

Expositivo

Exposição

Interrogativo

Formulação

de

perguntas

Expositivo

Exposição

Ativo

Estudo

de

caso

(caso

de

um

Estádios do sono

Perturbações do sono mais frequentes

com terrores noturnos)

menino

Expositivo

Exposição

 

Interrogativo

Formulação

de

Ativo

perguntas

A higiene do sono

Brainstorming (registo de todas

as conceitos relacionados com

e

ideias

a

higiene

do

sono)

Módulo V Promoção da saúde mental infantil

 

Expositivo

Exposição

Interrogativo

Debate

Como atuar na promoção e prevenção da saúde mental

   

Ativo

Trabalho

de

infantil

grupo (elaboração

Elaboração de projetos de sensibilização

dos

projetos

de

sensibilização)

Apresentação e análise dos trabalhos desenvolvidos

Ativo

Trabalho

de

grupo

 

(apresentação dos

trabalhos)

Objetivo geral do curso

Pretende-se que no final da presente ação o formando seja capaz de compreender o

desenvolvimento psicológico da criança, bem como os conceitos de saúde mental infantil e

intervenção precoce, sendo capaz de identificar as perturbações mais frequentes desta faixa etária e

respetivas características, métodos de diagnóstico, tratamento e métodos de ação, assim como assumir

uma postura crítica e proactiva face à temática.

Objetivos específicos da formação

Até ao final da formação os formandos deverão:

I) Em jogo pedagógico, ser capazes de ligar todas as etapas do desenvolvimento

psicológico da criança às respetivas faixas etárias.

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

II) Ser capazes de construir um folheto informativo, em trabalho de grupo, onde constem 2 causas e 2 consequências da saúde mental infantil.

III) Identificar, por escrito, 2 perturbações da infância e respetivas características e métodos de intervenção e de ação.

IV) Através do estudo de 2 casos, ser capazes de distinguir 2 perturbações.

V) Através de uma apresentação multimédia, ser capazes de, no máximo de 15 minutos, demonstrar que compreenderam a importância da promoção e prevenção da saúde mental infantil.

Recursos didáticos A utilização de recursos didáticos é premissa desta ação de formação como forma de dotar os conteúdos de um carácter mais interativo e motivador para os formandos. Assim, a facilitação do processo de aprendizagem deverá contemplar o recurso a estas ferramentas didáticas, a saber:

Computadores para o formador e formandos (a serem utilizados nos trabalhos de grupo) Videoprojector Quadro Bolas de plástico de vários tamanhos (para o jogo pedagógico da sessão sobre o espectro do autismo) Balões (para o jogo pedagógico da sessão sobre o espectro do autismo) Lápis Canetas Folhas brancas Ficheiro áudio com música relaxante (a ser utilizado na sessão das perturbações da ansiedade) Teste SANP-IV (a ser utilizado na sessão das perturbações do comportamento e défice de atenção) Plataforma colaborativa Moodle

Na primeira sessão, os formandos receberão ainda uma pasta com um manual de boas vindas, cronograma, os conteúdos programáticos, folhas brancas e uma caneta. As apresentações em powerpoint serão colocadas na página da formação no moodle, bem como os resultados da avaliação final e respetiva corrigenda.

Avaliação Esta ação de formação terá como alvos de avaliação os formandos e as respetivas aprendizagens, o formador e a própria formação. Avaliação dos formandos

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

No que diz respeito à avaliação dos formandos terá em conta os seguintes parâmetros:

Assiduidade e pontualidade

10%

Motivação e empenho

10%

Qualidade das intervenções

10%

Elaboração do projeto de sensibilização

30%

Ficha de avaliação sumativa

30%

Para

efeitos

de

avaliação

em

todos

os

parâmetros,

a

escala

a

considerar

será

a

seguinte:

Insuficiente

0 49%

Suficiente

50

69%

Bom

70

84%

Muito bom

85

94%

Excelente

95 100%

A avaliação dos formandos terá ainda lugar em três momentos diferentes nomeadamente:

avaliação inicial, avaliação formativa e avaliação sumativa. Avaliação inicial

A avaliação inicial tem como principal objetivo averiguar os conhecimentos prévios

dos formandos relativamente à temática da formação (avaliação dos pré-requisitos). Nesta ação em específico será operacionalizada com recurso à formulação oral de perguntas (anexo I).

Avaliação formativa

A avaliação formativa ou contínua será levada a cabo no decorrer de toda a formação.

Tem como principal objetivo averiguar a concretização dos objetivos intermédios, bem como a evolução das aprendizagens dos formandos de modo a diagnosticar as suas dificuldades de aprendizagem e assim permitir a introdução de correções com vista à sua otimização. Esta avaliação será operacionalizada com recurso a uma ficha de observação (anexo II).

Avaliação sumativa

A avaliação sumativa terá lugar no final da formação e tem como principal objetivo

verificar a concretização dos objetivos gerais e específicos da mesma. Neste ação será concretizada com a realização de um teste de avaliação (anexo III).

Avaliação do formador A avaliação do formador será realizada pela aplicação de um questionário cujo preenchimento será solicitado no final da última sessão (anexo V).

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

Avaliação da formação A avaliação desta ação de formação decorrerá pela administração de um questionário específico (anexo VI) cujos itens apresentados pretendem obter feedback dos formandos em relação a dimensões como os recursos disponibilizados, adequação dos mesmos aos conteúdos e objetivos e a gestão da expetativa face à formação.

Saúde mental infantil: o que é, quais as principais perturbações, como agir?

Bibliografia

American Psychiatric Association. (2000/2002). Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais DSM-IV-TR. Lisboa: Climepsi Editores.

Antunes, Nuno Lobo. (2012). Mal-entendidos: Da Hiperactividade à Síndrome de Asperger, da Dislexia às Perturbações do Sono. As respostas que procura. Verso da Kapa.

Camacho, Maria José. (2008). Á velocidade da luz Revista diversidades, nº21.

Comissão das Comunidades Europeias (2005). LIVRO VERDE: Melhorar a saúde mental da população, Rumo a uma estratégia de saúde mental para a União Europeia. Bruxelas.

Corrigan, P. W. (2000). Mental Health Stigma as Social Attribution: Implications for research methods and attitude change. American Psychology Association, 7(1), 48-67.

Corrigan, P. W., & Wassel, A. (2008). Understanding and Influencing the Stigma of Mental Illness. Journal of Psychosocial Nursing, 46(1), 42-48.

Frances, Allen

Ross, Ruth. (2004). Casos Clínicos DSM-IV-TR: Guia para o

diferencial. CLIMPSI EDITORES.

diagnóstico

Oliveira, S; Carolino, L. & Paiva, A. (2012). Programa Saúde Mental Sem Estigma: Efeitos de Estratégias Diretas e Indiretas nas Atitudes Estigmatizantes. Revista Portuguesa de Enfermagem em Saúde Mental. 8.

World

Health

Organization.

Understanding, New Hope.

The

World

Health

Report

2001.

Mental

Health:

New