P. 1
Gravidez: Fase Desenvolvimento Psicológico da mulher

Gravidez: Fase Desenvolvimento Psicológico da mulher

4.7

|Views: 8.834|Likes:
Publicado porCDuque
Síntese teórica sobre a Gravidez como fase de desenvolvimento psicológico da mulher mas também do futuro pai
Síntese teórica sobre a Gravidez como fase de desenvolvimento psicológico da mulher mas também do futuro pai

More info:

Published by: CDuque on Apr 28, 2008
Direitos Autorais:Traditional Copyright: All rights reserved

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF or read online from Scribd
See more
See less

01/26/2013

pdf

original

Celeste Duque

2004-2005

Gravidez & Maternidade
A Gravidez transcende o momento da concepção tal como a Maternidade transcende o momento do parto.

27-04-08

Mais do que acontecimentos com diferentes durações temporais, a Gravidez e a Maternidade são processos. Do ponto de vista psicológico são processos dinâmicos de construção e desenvolvimento.
5º CLE - Psicologia V

2

Gravidez & Maternidade
[cont.]

O facto de uma mulher estar grávida não assegura automaticamente que ela se consiga adaptar à fundamental necessidade de realização das tarefas maternas.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

3

Gravidez & Maternidade
[cont.]

Gravidez & Maternidade são realidades distintas, tanto em termos orgânicos como em termos psicológicos. E, inclusive, podem não ser coincidentes.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

4

Gravidez & Maternidade
[cont.]

A Maternidade implica que, mais do que desejar ter um filho, se deseje, acima de tudo, ser mãe.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

5

Gravidez & Maternidade
[cont.]

Quando se verifica a existência de um projecto adaptativo de maternidade, a Gravidez transforma-se numa época que permite a preparação psicológica da mulher para ser mãe.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

6

Gravidez & Maternidade
[cont.]

Permite então:

Ensaiar os papéis e tarefas maternas, em termos cognitivos (crenças, informação); Iniciar o processo de reestruturação de relações afectivas para incluir o novo membro (no grupo familiar);
5º CLE - Psicologia V 7

27-04-08

Gravidez & Maternidade
[cont.]

Incorporar a nova presença (filho) como uma identidade própria, separada de si mesma; Aprender a aceitá-lo e amá-lo como pessoa única, com necessidades, desejos e vida própria.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

8

Gravidez & Maternidade
[cont.]

E isto, apesar de, num primeiro momento, e dada a enorme imaturidade física deste novo ser, obrigar a uma relação de grande dependência do adulto, por questões de sobrevivência.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 9

Índice
1. Maternidade como fase de desenvolvimento psicológico

O conceito de situação de crise, no desenvolvimento psicológico Gravidez como situação de crise no ciclo vital da mulher

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

10

Gravidez
Importância das equipes multidisciplinares:
O Psicólogo deve captar as nuances emocionais e as suas manifestações ao nível intra e interpessoal, e ajudar o obstetra, e os enfermeiros a aprofundar a sua compreensão do funcionamento dinâmico da 5º CLE Psicologia V 11 grávida como -um todo 27-04-08

Gravidez

[cont.]

A revolução tecnológica da obstetrícia permite a realização de uma assistência pré e perinatal cada vez mais sofisticada, reduzindo, ao mínimo os riscos maternos e do feto.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 12

Gravidez

[cont.]

A revolução tecnológica da obstetrícia encerra, no entanto, um grave erro:

resultou numa profunda dissociação entre os aspectos somáticos e emocionais no atendimento clínico, cuja rotina convencional, tanto na gestação quanto no parto e no puerpério imediato, raramente 5º satisfaz as CLE - Psicologia V necessidades 27-04-08

13

Gravidez

[cont.]

Durante a gravidez iniciamse:
a formação do vínculo materno-filial e a reestruturação da rede de comunicação da família:

27-04-08

Ponto de partida de um novo equilíbrio dinâmico na unidade 5º CLE - Psicologia V familiar.

14

Gravidez

[cont.]

27-04-08

É sem dúvida um momento que merece a confluência de esforços de prevenção por parte dos obstetras, enfermeiros e psicólogos que resulte num atendimento mais global e satisfatório para a saúde física e emocional da mulher e do seu filho.
5º CLE - Psicologia V

15

Maternidade
A maternidade é um momento existencial fundamental no ciclo de vital feminino. Pode proporcionar à mulher a oportunidade de atingir novos níveis de integração e de crescimento (desenvolvimento) da personalidade.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 16

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

17

Perspectivas Psicológicas
Contributos da Psicanálise
Esta corrente teórica é, ainda hoje, considerada a mais importante pois fornece uma explicação clínica muito completa de como se dá o desenvolvimento da personalidade, embora seja motivo de acérrimas críticas, dada a grande importância 5º CLE Psicologia V 27-04-08 atribuída por -Sigmund Freud à

18

Perspectivas Psicológicas [cont.]
Contributos da Psicologia do Desenvolvimento A tendência da Psicologia do Desenvolvimento na qual se inserem autores como Caplan (1967), Erikson (1959), Bibring (1961) é a de conceber o desenvolvimento psicológico como um continuum que se prolonga para lá da adolescência, marcado por vários períodos de crise, que representam verdadeiros pontos decisivos no crescimento emocional e que determinam, 5ºde -algum modo, o estado CLE Psicologia V 19
27-04-08

Perspectivas Psicológicas [cont.]
Contributos da Psicologia do Desenvolvimento O que equivale a afirmar que psicologicamente o indivíduo não cessa de crescer, logo, há sempre a possibilidade de fazer reestruturações, modificações e reintegrações da personalidade.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 20

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

21

Ciclo vital da mulher
Podem considerar-se três grandes momentos ou períodos críticos, no ciclo vital da mulher, que se constituem em verdadeiras fases do desenvolvimento da personalidade e que têm alguns pontos em comum: Adolescência Gravidez 5º 22 27-04-08 Climatério CLE - Psicologia V

Ciclo vital da mulher
[cont.]

Estes três períodos têm em comum o facto de serem: Períodos de tensão biologicamente determinada; Caracterizados por mudanças metabólicas complexas; Serem um estado temporário de equilíbrio instável.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 23

Ciclo vital da mulher
[cont.]

Um estado temporário de equilíbrio instável:

27-04-08

que decorre da perspectiva das grandes mudanças envolvidas nos aspectos de: papel social, necessidade de novas adaptações, reajustamentos interpessoais e intra psíquicos e 5º de identidade. 24 mudança CLE - Psicologia V

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

25

Conceito de Crise
Conceito de situação de crise, no desenvolvimento psicológico: G. Caplan (1963), considera que crise pode ser definida como um período temporário de desorganização do funcionamento de um sistema aberto, precipitado por circunstâncias que transitoriamente ultrapassam as capacidadesPsicologiasistema para26 do V 5º CLE 27-04-08

Conceito de Crise

[cont.]

Conceito de situação de crise, no desenvolvimento psicológico: Rapoport (1965), considera que crise pode ser definida de uma forma muito simples, como uma perturbação temporária de um estado de equilíbrio.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

27

Conceito de Crise

[cont.]

O termo crise, foi inicialmente utilizado por Caplan e Lindemann para designar as reacções de uum indivíduo a eventos traumáticos, tais como morte súbita de uma pessoa amada, o nascimento de um fulho prematuro, desemprego inesperado, etc. (crises imprevisíveis). Psicologia V 5º CLE 28 27-04-08

Conceito de Crise

[cont.]

O mesmo termo foi empregue por Eric Erikson para designar as várias etapas do desenvolvimento psicológico normal, tais como: puberdade, casamento, gravidez, menopausa (crises previsíveis).

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

29

Conceito de Crise

[cont.]

Assim, o termo crise tanto pode ser utilizado para utilizado quando nos referimos aos períodos de transição inesperados como aos inerentes ao próprio desenvolvimento.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

30

Conceito de Crise

[cont.]

Uma crise pode ser impulsionada por mudanças Internas:
crises normais do desenvolvimento, doenças ou traumas;

ou Externas:

perda ou ameaça de perda de uma fonte de segurança e satisfação; acumular de tensões que ameaçam romper o equilíbrio funcional dos mecanismos adaptativos do ego.
5º CLE - Psicologia V 31

27-04-08

Conceito de Crise

[cont.]

Crise implica sempre um enfraquecimento temporário da estrutura básica do Ego, de tal modo que o indivíduo não consegue utilizar os seus métodos habituais de resolução de problemas e, como tal, requerem a mobilização de mecanismos adaptativos do Ego no sentido de procurar novas respostas 5º CLE - Psicologia V 32
27-04-08

Conceito de Crise

[cont.]

A estratégia utilizada pelos indivíduos para ultrapassarem as suas crises “existenciais” podem ser saudável ou doentia:
levando o sujeito a experimentar uma “melhoria” (novo nível de integração e maturidade da personalidade) ou a “piorar” (maior grau de desintegração, de desorganização, e V 5º CLE - Psicologia 27-04-08

33

Conceito de Crise

[cont.]

Os momentos ou períodos de crise são, precisamente por isso, ao mesmo tempo, momentos de oportunidade e de perigo, são verdadeiras encruzilhadas em termos de saúde mental.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

34

Conceito de Crise

[cont.]

O sujeito em crise tem tendência a, mais facilmente, aceitar a ajuda que lhe é oferecida. Por estar num período temporário de equilíbrio instável, em busca de novas soluções, isso significa que a pessoa fica mais sensível, e 27-04-08 vulnerável, 5º CLE - Psicologia V mais mas também

35

Conceito de Crise

[cont.]

Regra geral é mais fácil ajudar alguém em crise do que alguém que se encontra em períodos de equilíbrio estável, quando os mecanismo de defesa e de adaptação se encontram mais fortemente estruturados, o que origina uma maior hesitação para enfrentar a mudança. Já uma pessoa em crise, não tem escolha, não lhe resta outra alternativa que não seja a de aceitar a 5º 36 ajuda e efectuarCLEasPsicologia V mudanças 27-04-08

Conceito de Crise

[cont.]

Caplan e a sua equipa (1964) chegou à conclusão, a partir das suas experiências clínicas em “intervenção na crise” que:
É possível ajudar qualquer pessoa a superar uma crise satisfatoriamente, independentemente das
5º CLE - Psicologia V

27-04-08

37

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

38

Gravidez como Situação de Crise
A Gravidez possui diversas características de uma situação de crise, que se insere num processo normal de desenvolvimento.

27-04-08

Envolve: Necessidade de reestruturação e reajustamento ao nível de várias dimensões: À semelhança do que sucede na puberdade, verifica-se uma mudança de identidade E um nova definição de papéis (a mulher passa a ver-se e a ser vista de uma Psicologia V totalmente forma 5º CLE 39

Gravidez como Situação de Crise
[cont.]

Caso de primípara

Caso multípara

A grávida passa do papel de esposa (ou companheira) ao papel de mãe. Também neste caso se verifica uma certa mudança de papel: Ser mãe de um filho não é o mesmo que ser mãe de dois ou mais filhos...

27-04-08

O que se verifica é que a vinda de mais um filho obriga à alteração da composição da rede de intercomunicação familiar.
5º CLE - Psicologia V

40

Paternidade como Situação de Crise
[cont.]

Obviamente que o processo de mudança de identidade e de papel se verifica igualmente ao nível do marido. Também a paternidade deve ser considerada como uma situação crítica ao nível do desenvolvimento emocional do homem.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 41

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

42

Redefinição de Papéis
A mulher pode ter desempenhado para além do papel de esposa, até então, o papel de “mãe” ou “filha” do marido. Quando espera o seu próprio filho tem que se adaptar a este novo papel – ser mãe do daquela criança.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 43

Redefinição de Papéis
[cont.]

Esta nova definição de papéis faz, não raras vezes, reavivar antigos conflitos de relacionamento.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

44

Redefinição de Papéis
[cont.]

A mulher ou o marido podem:
Querer ser melhores pais que os seus progenitores Ser incapazes de competirem com eles Encarar o bebé como um irmão mais novo e, como tal, rivalizam pelo afecto do pai ou da mãe; Competir entre si pelo afecto do bebé, etc...
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 45

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

46

Factores socioeconómicos
A complexidade das alterações provocadas pela chegada de um bebé não se resumem às variáveis psicológicas e bioquímicas. Há ainda a considerar as mudanças ao nível dos factores socioeconómicos.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 47

Factores socioeconómicos
[cont.]

27-04-08

Vive-se numa sociedade materialista em que a mulher contribui com o seu salário para o rendimento do agregado familiar; Habitualmente trabalha fora; E cultiva interesse diversos: profissionais, estudo, carreira, sociais, culturais, 48 5º CLE - Psicologia V

Factores socioeconómicos
[cont.]

O facto de esperar um filho acarreta consequências a curto, médio e longo prazo. Privações reais sejam afectivas ou económicas: Aumentam a tensão; Intensificam a regressão e a ambivalência.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 49

Factores socioeconómicos
[cont.]

A preocupação com o futuro: Aumenta as necessidades da grávida e intensificam a frustração o que origina, como consequência, sentimentos de raiva e ressentimento que a impedem de encontrar gratificação na gravidez.5º CLE - Psicologia V 50 27-04-08

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

51

Novos Níveis de Integração
Outra característica: Representa uma possibilidade de atingir novos níveis de:
Integração, Maturidade, e Expansão

27-04-08

da personalidade – tanto na mulher como no homem. Ou de adoptar uma solução patológica que predominará ao nível da relação mãe-bebé. 5º CLE - Psicologia V 52

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

53

Relação Mãe-Bebé
Relação mãe-bebé saudável: Implica, em termos gerais, perceber e satisfazer, adequadamente, as necessidades do bebé; O bebé é encarado como um ser separado e não simbioticamente confundido com a mãe.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 54

Relação Mãe-Bebé

[cont.]

Relação materno-filial patológica ou doentia: A mãe é incapaz de perceber e, consequentemente, de satisfazer, adequadamente, as necessidades do bebé; O bebé simbioticamente confundido com a mãe (mãe e bebé são uma só e mesma pessoa).
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 55

Relação Mãe-Bebé

[cont.]

Relação mãe-bebé patológica ou doentia caracteriza-se, ainda, pela expectativa que: o bebé preencha certas necessidades neuróticas da mãe como, por exemplo:
evitar a solidão; satisfazer-lhe a carência de afecto; Fazê-la sentir-se útil.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 56

Relação Mãe-Bebé

[cont.]

Ou então: o bebé representa, simbolicamente, uma parte doente da mãe; esta é, frequentemente, a dinâmica subjacente às:
incessantes idas aos médicos com o pedido de descobrir “o que há de errado com o bebé”, quando este é perfeitamente saudável.
5º CLE - Psicologia V

27-04-08

57

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

58

Casamento & Gravidez
A gravidez pode:
levar a maiores níveis de integração e aprofundamento no relacionamento do casal;

Mas, por outro

lado, pode:

romper uma estrutura frágil e neuroticamente equilibrada.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 59

Casamento & Gravidez
[cont.]

A mulher que:
Quer excluir o marido da sua vida; Não conseguiu ultrapassar a fase da dependência infantil em relação à sua própria mãe; Se sente inferior pelo facto de ser mulher;

a gravidez pode constituir uma ameaça:
27-04-08

ao casamento; ou

5º CLE - Psicologia V

60

Casamento & Gravidez
[cont.]

Para o homem que:
Sente intensos ciúmes do filho que vai nascer, assim como sentiu em relação aos irmãos mais novos; Inveja o sucesso profissional ou pessoal (em termos familiares ou sociais) da mulher, etc...
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 61

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

62

Gravidez como Regressão
Onde predominam
Hipersonia; Voracidade; Protecção.

As características orais

que indicam uma identificação básica da grávida em relação ao feto.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 63

Gravidez como Regressão
[cont.]

Esta identificação regressiva atingiria o seu clímax, segundo Otto Rank (1929), no próprio processo de parto,
altura em que a parturiente revive o trauma do seu próprio nascimento.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

64

Gravidez como Regressão
[cont.]

Aqui a regressão não é forçosamente um processo patológico. Pelo contrário, pode fazer parte do próprio movimento do processo de desenvolvimento.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

65

Gravidez como Regressão
[cont.]

Anna Freud (1965) concebe o desenvolvimento como um jogo de regressões temporárias
A patologia caracteriza-se por regressões permanentes.

e progressões, utilizando o modelo da espiral

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

66

Gravidez como Regressão
[cont.]

Este modelo está igualmente implícito na teoria de crise:
Para atingir um novo nível de organização da personalidade – progressão; É preciso passar por um período de relativa desorganização – regressão.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 67

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

68

Gravidez como Crise

[cont.]

Situar o período gravídico como situação de crise, obviamente não quer dizer que
O período crítico termine com o parto; Grande parte das mudanças maturacionais ocorrem pósparto.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 69

Gravidez como Crise
O puerpério deve ser considerado como:
A continuação da situação crítica. Implica novas mudanças:

[cont.]

Fisiológicas Consolidação da relação mãebebé

E grandes modificações:
27-04-08

Das rotinas 5º CLE -

Psicologia V

70

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

71

Sistema Familiar
De enfatizar que o nascimento de um filho é uma experiência familiar.
Para se prestar uma assistência pré-natal efectiva é necessário não só apoiar a “mulher grávida” mas sim a “família grávida”.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 72

Sistema Familiar

[cont.]

Pode-se considerar que o sistema familiar, como um todo, se compõe de diversos subsistemas que interagem continuamente entre si.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

73

Sistema Familiar

[cont.]

Howells (1972) considera a família como um “organismo completo que possui uma unidade própria. Tal como o indivíduo, também a família é:
um sistema organizado, com uma estrutura peculiar, canais de comunicação e 5º elementos CLE - Psicologia V característicos.

27-04-08

74

Sistema Familiar

[cont.]

Qualquer evento que ocorre com uma das partes deste sistema atinge todo o sistema. Logo, a gravidez é uma experiência que pertence à família como um todo.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

75

Sistema Familiar

[cont.]

Mesmo numa família composta de pai, mãe e um filho
os subsistemas nunca representam uma díade verdadeira, uma vez que, desde o momento em que se toma conhecimento da gravidez e até às primeiras semanas após o parto, quando a interacção entre mãe-bebé é extremamente próxima, o marido-pai participa activamente, formando verdadeiramente uma tríade familiar.
5º CLE - Psicologia V

27-04-08

76

Sistema Familiar
Por exemplo:

[cont.]

O homem vai reagir às necessidades de maior protecção e cuidado que a mulher precisa Vai assumir um papel protector e Vivencia com ela os temores e as ansiedades referentes ao parto e ao puerpério Reparte com ela a tarefa de cuidar do bebé, Experiencia com ela as expectativas e fantasias em relação ao bebé e, Ao mesmo tempo que elabora dentro de 5º CLE 77 27-04-08 si a sua relação PsicologiaaV criança. com

Sistema Familiar

[cont.]

Esta primeira tríade familiar continua a manter-se estavelmente, na medida em que existe só um filho. Com a vinda de cada novo filho toda a composição da rede de intercomunicação da família se transforma, à medida que se acrescentam novos subsistemas que actuam dinamicamente entre 5º CLE - Psicologia V 78 si. 27-04-08

Sistema Familiar

[cont.]

É de lamentar que a maioria dos trabalhos de investigação sobre os aspectos psicológicos do ciclo gravídico-puerperal se foquem basicamente:

nas respectivas formas de vivenciar a gravidez.
27-04-08 5º CLE - Psicologia V 79

nas modificações da mulher e dedicam pouca atenção à paternidade, como situação crítica e à inter-influência do casal

Sistema Familiar

[cont.]

As reacções (atitudes e comportamentos) do homem em relação à mulher grávida influencia largamente a sua
aceitação ou rejeição da gravidez tal como a forma como vai vivenciar todo um conjunto de outras modificações (e.g., CLE Psicologia V alterações5º do - esquema 27-04-08

80

Sistema Familiar

[cont.]

As atitudes da mulher, em relação ao marido, também vão influenciar a o homem, nomeadamente:
Encorajando-o a participar ao máximo durante e após a gravidez. Contribui fortemente para atenuar ou intensificar os 5º de abandono, ciúmes81 sentimentos CLE - Psicologia V 27-04-08

Sistema Familiar

[cont.]

Nunca será demais enfatizar as interacções de toda a unidade familiar na medida em que cada membro desta unidade sofre transformações significativas sob o impacto da gravidez.

27-04-08

5º CLE - Psicologia V

82

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->