Você está na página 1de 277

Direito das Coisas FDUP

Direito das coisas

Introdução

Capítulo I – Dos direitos reais em geral

1. O direito patrimonial

Direito Civil → Não patrimonial → ex. Direitos pessoais de família;


direitos de personalidade; etc. Não se
inserem nas normas que regulam a troca
de bens em termos económicos, nem nas
normas que definem a atribuição dos
bens e a sua utilização.
→ Patrimonial → regulador das relações de conteúdo
económico e susceptíveis de avaliação
pecuniária.

Tem como função a definição do regime de bens
económicos. Estes bens económicos, sendo bens escassos, geram frequentes
conflitos de interesse. Daí que o direito apareça a regular estas situações de
conflitualidade imanentes à procura dos bens económicos, que reclamam
uma ordem que arbitre o domínio desses bens.

1
Direito das Coisas FDUP

É então ao Direito Patrimonial (no qual se enquadra o direito das


coisas) que cabe fazer esta regulação da utilização e da disponibilidade dos
bens e ainda do acesso e circulação desses bens. Distinguem-se deste modo
dois tipos de normas que constituem o direito patrimonial:
1) normas que regulam o acesso aos bens e a sua circulação entre as
pessoas (acesso e circulação dos bens).
2) normas que regulam a disponibilidade dos bens, isto é, a sua
apropriação, utilização e disposição imediata (apropriação,
utilização e disposição dos bens).

Assim, dentro do Direito Patrimonial encontram-se dois ramos
distintos do Direito:
1) Direito das Obrigações (regula o acesso e a circulação dos bens).
2) Direitos Reais/Direito das Coisas (regula a disponibilidade e a
disposição efectiva dos bens).

1) Direito das Obrigações → conjunto de normas que regulam o


acesso e a circulação dos bens no sentido da sua aquisição. O seu
tratamento jurídico incide sobre a transmissibilidade e acesso aos bens
numa perspectiva de dinâmica patrimonial. Regula a mobilidade da vida
económica. As normas obrigacionais permitem uma utilização indirecta do
bem, porque a sua fruição está dependente da intervenção do devedor.

2) Direito das coisas → conjunto de normas que regulam a disposição


plena dos bens e a sua apropriação. Daí que as suas normas se prendam
essencialmente com o domínio e a utilização dos bens, regulando o

2
Direito das Coisas FDUP

autêntico e autónomo poder das pessoas sobre as coisas. O direito das


coisas tem assim uma disciplina específica e directa da utilização do bem, o
poder que determinado sujeito possui sobre um bem, numa perspectiva de
estática patrimonial, numa perspectiva de domínio. Nessa medida, conferem
maior segurança sobre os bens ao seu titular. É neste sentido que se pode
afirmar que o direito das coisas regula as infra-estruturas sócio-económicas
de uma sociedade.

Resumindo, os direitos de crédito estão relacionados com a
mobilidade da vida económica, com a dinâmica patrimonial, com a
circulação dos bens no comércio jurídico, ao passo que o direito das coisas
trata da estática patrimonial.
O detentor de um direito real sobre um bem goza, por isso, de uma
maior protecção do que aquela que é conferida pelo direito das obrigações e
daí que se possa dizer que os direitos reais, pela maior segurança que
conferem aos seus titulares, são o alicerce de toda a ordem jurídica no que
se refere ao controlo de bens económicos.
Ao contrário do direito das obrigações, os direitos reais permitem a
disponibilização plena dos bens e conferem vantagens ao seu titular de
natureza não económica como, por exemplo, posições de poder, prestígio e
autoridade.
Enquanto regulador do poder e domínio dos bens, o direito das coisas
regula as infra-estruturas sócio-económicas de uma sociedade, tendo, por
isso, um papel privilegiado na definição e modo de ser de uma sociedade.
Daí o relevo que o direito das coisas assume no direito patrimonial.

3
Direito das Coisas FDUP

Assim, os direitos reais, enquanto fonte de domínio dos bens,


assumem uma grande importância normativa no desempenho do papel
privilegiado no plano da disposição de tais bens económicos, ainda que essa
função seja auxiliada pelo direito das obrigações. A gestão conferida pelo
direito das coisas deverá ser, nessa medida, o mais abrangente possível, a
fim de diminuir com eficácia o maior número de conflitos possíveis,
procurando-se, com tal intenção, a ausência de lacunas normativas.

2. As grandes formas de ordenação de domínio

A plena regulamentação normativa não tem sido historicamente


suficiente para impossibilitar o aparecimento de lacunas que têm existido ao
nível da organização dominial.
De facto, a situação ideal é que a cada coisa pertença um titular.
Quando é assim, o domínio não tem lacunas e não há conflitos de interesse.
Todavia, nem sempre assim acontece. Há situações em que se abrem
lacunas: pessoa que perde um bem; alguém que faz um contrato não sendo
sujeito a forma escrita (contrato nulo); pessoa que utiliza um bem sem ser
seu titular; alguém que furta o bem; alguém que morre sem herdeiros; etc.
Assim, distinguem-se duas grandes formas de ordenação dominial:

1) Ordenação dominial definitiva → composta por instrumentos


jurídicos que, por excelência, têm por missão regular, em termos
definitivos, incontestáveis e não duvidosos o domínio dos bens
(domínio definitivo).

4
Direito das Coisas FDUP

2) Ordenação dominial provisória → baseada no instituto da posse.


Trata-se de um expediente provisório destinado a preencher as
lacunas de ordenação definitiva. A relação dominial obtida através
da posse, não apresenta as mesmas garantias que a ordenação
definitiva, podendo, inclusive, ambas as ordens entrarem em
conflito (domínio provisório).

3. Direito das coisas e direitos da pessoa

O direito das coisas regula o domínio dos bens em sentido estrito, dos
bens considerados em si mesmo, regula a directa e imediata relação das
pessoas com as coisas, o que significa que entre o titular e a coisa não há
qualquer intermediário, há sim uma relação linear entre a pessoa e a coisa.

Noção jurídica de coisa → art.202º CC: “Diz-se coisa tudo aquilo que
pode ser objecto de relações jurídicas.”

Esta noção de coisa é muito ampla e até
tecnicamente errada. Enquanto objecto de um direito real, coisa é todo o
bem externo e escasso, desprovido de personalidade jurídica, de carácter
estático, corpóreo ou incorpóreo, com existência jurídica autónoma,
susceptível de apropriação individual e apto a satisfazer interesses ou
necessidades humanas.

Não cabem na noção de coisa (não são coisa):


1. Direitos sobre a pessoa;

5
Direito das Coisas FDUP

2. Prestações;
3. Situações económicas não autónomas (não se podem dominar, nem
possuem existência própria. Ex. Clientela de um estabelecimento
comercial – o estabelecimento vive da clientela, o valor do
estabelecimento mede-se em função da clientela. Não há nenhum
direito sobre a clientela, porque, sendo ela um bem económico, é
não autónomo, uma vez que sem estabelecimento comercial não há
clientela. A sua tutela só ganha sentido em função do
estabelecimento comercial).

Neste âmbito importa distinguir:


− Bem patrimonial → bem que tem um equivalente pecuniário.
Do ponto de vista dos interesses há um equivalente.
− Bem não patrimonial → bem ligado à pessoa (qualquer
indemnização por lesão de um bem não patrimonial destina-se a
compensar a lesão sofrida). As pessoas não são bens
patrimoniais, mas são fonte de interesses.

Direitos sobre as pessoas → atribuição de um poder directo e imediato


sobre a própria pessoa ou sobre a pessoa de outrem. São diferentes dos
direitos das coisas.
→ Direitos sobre a própria pessoa → são os chamados direitos de
personalidade, atendíveis numa dupla dimensão: por um lado, a
personalidade no seu todo e então temos uma tutela geral da personalidade;
por outro lado, aspectos da personalidade, isto é, direitos que incidem sobre
manifestações específicas da personalidade. Trata-se como é óbvio de duas

6
Direito das Coisas FDUP

perspectivas da mesma realidade. Visam proteger a própria pessoa humana.


Ela é simultaneamente titular e objecto destes direitos de auto-protecção.
→ Direitos sobre a pessoa de outrem → regulam os bens não
patrimoniais ligados a esta e atribuem ao titular um poder directo e imediato
sobre a pessoa de outrem. Aqui o titular e objecto do direito são pessoas,
mas pessoas distintas. Tais direitos visam tutelar a pessoa objecto do direito
em causa enquanto ser em desenvolvimento, nos primeiros anos de vida.
Este tipo de direitos são os chamados poderes-deveres, que possuem um
carácter excepcional, porque satisfazem não o titular do direito, mas a
pessoa objecto desse direito. Não há, por isso, uma coisificação da pessoa,
porque a pessoa é objecto, mas não titular do direito.

4. Distinção entre direitos reais e direitos de crédito

a) Distinção no plano dos interesses e no plano técnico-jurídico: a


teoria realista e a teoria personalista

Plano dos interesses:


O objecto do direito das obrigações são as prestações.
O objecto do direito das coisas são as coisas.
Deste ponto de vista, a definição entre os dois ramos não é muito
clara, principalmente quando os direitos obrigacionais têm como objecto
uma prestação de “dare” (prestação de coisa). No caso destas obrigações, o
que interessa para o credor é a entrega da coisa e não o caminho que o
devedor teve de seguir ou os esforços que teve de fazer para prestar a coisa.

7
Direito das Coisas FDUP

Do mesmo modo, nas obrigações de “facere” ou de “non facere” a


diferença também não é relevante, porque o interesse do credor não é tanto
a prestação, mas antes o resultado dela. O que importa não é o modo de
cumprimento, mas o resultado. O que conta é o efeito da prestação, a
satisfação que o credor tira da actuação/omissão do devedor para o credor.

Assim, no plano dos interesses, a diferença entre obrigações e coisas


acaba por ser atenuada ou anulada. Daí que, para se distinguir o direito das
coisas e o direito das obrigações, se torna necessário recorrer ao critério
técnico-jurídico.

Plano técnico-jurídico:
No plano técnico-jurídico, a distinção faz-se atendendo à anatomia do
direito em causa.
(Note-se, todavia, que um critério que se fundamente no objecto dos
direitos reais ou dos direitos obrigacionais não procede, porque ambos os
direitos pertencem ao direito patrimonial e, portanto, dirigem-se tipicamente
às coisas, quer se situem no domínio, quer no acesso a essas coisas.)
A distinção no plano técnico-jurídico é feita pela doutrina através da
chamada teoria realista e teoria personalista.

a) Teoria clássica ou realista → Aparece no séc. XVII e XVIII, na


Holanda e na Alemanha. O critério de distinção entre o direito
das coisas e o direito das obrigações assenta na relação homem-
coisa.

8
Direito das Coisas FDUP

Nos direitos reais há uma relação homem-coisa, que se traduz


numa relação directa e imediata, sem intermediários entre a
pessoa e a coisa objecto da relação jurídica.
No direito das obrigações a relação homem-coisa é uma relação
indirecta, mediata, porque entre ambos está a pessoa do devedor.
O acesso do bem pela pessoa está condicionado pela acção do
devedor, não sendo um acesso directo como sucede com o direito
das coisas. Pressupõe o cumprimento da prestação do devedor. A
relação obrigacional seria sempre uma relação homem-homem,
ou quando fosse uma relação homem-coisa, distinguir-se-ia da
relação real por ser sempre mediada por um terceiro (o devedor).
Até ao séc. XIX, esta doutrina colhia unanimidade no panorama
civilista, sendo de resto tradução de um fenómeno empírico
perspectivado no direito real, segundo o qual o titular do direito
real se assenhora da coisa numa relação sem intermediário.

b) Teoria personalista ou obrigacionalista → surge no séc. XIX e


tem como principais seguidores Ferrara, Planiol, Ripert,
Windscheid e, na doutrina portuguesa, Manuel de Andrade.
Defende que toda a relação jurídica é inter-subjectiva, isto é, é
estabelecida entre pessoas, em sentido técnico-jurídico. Só em
sentido figurado se pode dizer que há uma relação entre a pessoa
e a coisa. Deste modo, também a relação real assume esta
natureza inter-subjectiva, mesmo que os sujeitos passivos não

9
Direito das Coisas FDUP

sejam conhecidos. Admite-se então que pode haver relações


jurídicas entre pessoas desconhecidas.
Ora, estaríamos perante uma relação obrigacional quando a
relação inter-subjectiva for composta por pessoas
individualizadas. Se, por sua vez, apenas um dos pólos da
relação jurídica for conhecido e o outro lado for desconhecido,
estamos perante uma relação real.
Nesta perspectiva, a relação homem-coisa oculta uma relação
inter-subjectiva, caracterizada pelo facto de apenas o titular do
direito ser conhecido e de os sujeitos passivos estarem
indeterminados.
Na relação obrigacional, sendo determinados e conhecidos, quer
o titular do direito, quer o sujeito passivo, há uma relação
homem-homem.
Na relação real também há uma relação homem-homem, só que
enquanto que o titular do direito real (sujeito activo) está
determinado e individualizado, o outro lado da relação jurídica
não está. O nexo que liga um pólo ao outro é a chamada
obrigação passiva universal, ou melhor, os sujeitos passivos
estão vinculados por uma obrigação passiva universal. O seu
conteúdo é uma obrigação de “non facere” geral. É universal
porque abrange todas as pessoas que não são titulares do direito.
É passiva porque consiste numa obrigação de não perturbação
do gozo do direito, traduzindo-se num “non facere”, num dever
de não interferência.

10
Direito das Coisas FDUP

Resumindo, a diferença entre obrigações e coisas é que nas


primeiras há uma relação homem-homem, estando ambos os
sujeitos definidos, ao passo que nas segundas há uma relação
homem-homem, não estando uma das partes (o sujeito passivo)
individualizada.

b) Pertinência de cada uma das doutrinas

Estas duas teorias destacam apenas uma faceta do conjunto complexo


de factores utilizados para distinguir direitos reais e direitos de crédito: a
teoria realista destaca o conteúdo do direito real, esquecendo o elemento de
protecção desse direito real; a teoria personalista resolve o problema da
protecção do direito, mas desvaloriza o seu conteúdo.

Vimos até agora as teorias dualistas, que defendem a distinção entre


os direitos reais e os obrigacionais.
Porém, há ainda que expor a teoria monista, que nega a diferenciação
entre aqueles dois direitos e tem a sua origem na concepção que neles o
elemento principal é o patrimonial. Daí que esta teoria concebe o direito
real e o obrigacional numa só noção.
Um dos grandes defensores desta teoria monista foi René Demogue,
que concluiu que, verdadeiramente, não existe ou não é possível uma
distinção qualitativa entre os dois tipos de relação. É que a obrigação
passiva universal, sendo uma obrigação geral de respeito, também existe
nos direitos de crédito, não sendo precludida pelo facto de a relação se

11
Direito das Coisas FDUP

estabelecer entre pessoas determinadas. Ao invés, também aqui as demais


pessoas têm a obrigação de respeitar aquela relação.
Para Demogue, a distinção entre direitos de crédito e direitos reais
seria feita através de um critério quantitativo, assente no número de sujeitos
passivos. Assim, os direitos fortes têm como sujeitos passivos um número
indeterminado de pessoas e os direitos fracos, que existem entre pessoas
determinadas, correspondem aos direitos de crédito, embora estes direitos
se alargassem acabando por incluir os chamados direitos fortes. Estamos
aqui perante uma posição monista ou unitária, na medida em que negam a
diferenciação entre direitos reais e direitos obrigacionais. Como se disse,
ambos têm a sua origem na concepção que o seu elemento principal é o
patrimonial, pelo que estas teorias monistas concebem os direitos reais e os
direitos de crédito numa só noção, em virtude do facto de ambos poderem
ser abrangidos pelo direito patrimonial (as teorias monistas subdividem-se
em duas: numa prevalece o elemento obrigacional – tese defendida por
Demogue; na outra prevalece o elemento real – cfr. “Da distinção entre
direitos reais e obrigacionais – a partir do ordenamento jurídico português”
de Leonardo Gomes de Aquino).

A doutrina personalista é pertinente ao assinalar que todo o direito


assenta na inter-subjectividade e ao valorizar a sanção traduzida na
obrigação passiva universal, uma vez que os direitos só são relevantes
quando exista a sua garantia. Por outro lado, ela esquece o conteúdo do
direito ao defender que o poder directo e imediato sobre uma coisa só é
relevante quando haja uma sanção que proteja o seu exercício (neste caso, a
obrigação passiva universal, que impende sobre todos os outros sujeitos).

12
Direito das Coisas FDUP

Ou seja, o direito real só se traduz num poder jurídico, porque lhe está
associada a obrigação passiva universal. O poder sobre a coisa não será uma
realidade jurídica autónoma, mas uma consequência do poder reconhecido
pelo direito de impor aos outros o dever de não interferir.
Serão sujeitos passivos todos os sujeitos a quem a ordem jurídica
impõe tal dever, pelo que, relativamente a bens móveis, serão sujeitos
passivos todas as pessoas que estão sob a alçada da ordem jurídica que
reconhece o direito real, mas também todas as pessoas sujeitas a ordens
jurídicas que reconheçam aquela ordem.

A doutrina realista é pertinente ao afirmar que, não obstante todo o


direito pressupor uma sanção, esta sanção só tem sentido, só é realizável, se
existir um conteúdo (um poder directo e imediato que a pessoa tem sobre a
coisa) para o qual seja determinada tal sanção. Para esta doutrina, a tónica
que caracteriza o direito real deve estar no poder directo e imediato sobre o
bem, poder este que faz desencadear a garantia. Temos, então, uma relação
biunívoca (os interesses são a causa da sanção e, por outro lado, é a
existência da sanção que dá relevo jurídico aos interesses), que nos permite
perspectivar um direito real segundo um lado externo (sanção) e um lado
interno (conteúdo do direito real).

c) Doutrina dominante

A doutrina dominante consiste numa teoria eclética, mas que tem por
base as teorias dualistas (teoria clássica ou realista e a teoria personalista ou
obrigacionalista).

13
Direito das Coisas FDUP

Para esta teoria eclética, conteúdo e sanção são determinantes e


indissociáveis para uma correcta definição dos direitos reais face aos
direitos de crédito. Todavia, o elemento que desencadeia a protecção do
direito será sempre o poder absoluto, directo, imediato sobre a coisa/bem,
sendo a sanção o instrumento que o ordenamento jurídico utiliza para
assegurar este poder directo e imediato. Há então uma primazia funcional
do conteúdo sobre a sanção.
Para distinguir, portanto, direitos reais dos demais ramos do direito,
em especial o direito das obrigações, é necessário recorrer ao critério do
conteúdo e ao critério da sanção.
Porém, o conteúdo do direito real, enquanto poder directo e imediato
sobre uma coisa, só é perceptível se tivermos em conta duas características
que contendem com o seu lado interno e com o seu lado externo. Assim,
temos:
− imediação → relaciona-se com o lado interno do direito real
e traduz-se no seu conteúdo, isto é, no poder directo e
imediato sobre a coisa que caracteriza o direito real. Ao
invés, no direito das obrigações a relação é mediata, porque
entre a coisa e o bem existe a pessoa do devedor.
− estabilização → ligado ao lado externo do direito real e põe
em destaque a eficácia “erga omnes”, eficácia absoluta, do
direito real, que deste modo fica protegido contra a
generalidade das pessoas. Esta característica está, então,
ligada à sanção/protecção conferida pelo ordenamento
jurídico, que se traduz numa segurança face às agressões
exteriores. Por outro lado, o direito das obrigações tem uma

14
Direito das Coisas FDUP

tutela relativa, dirigindo-se apenas contra determinadas


pessoas. Na perspectiva dos interesses, o direito real
confere maior segurança do que os direitos de crédito, pois
enquanto que a estes apenas se admite o efeito externo das
obrigações em casos contados, em relação aos direitos reais,
eles têm como essência, natureza e razão a eficácia “erga
omnes” (absoluta).

5. Noção de direito das coisas e o paradigma da “plena in re


potestas”

Posto isto, podemos tentar ensaiar uma noção de Direito Real: poder
directo e imediato sobre uma coisa, impondo-se à generalidade dos
membros da comunidade jurídica e constituindo uma aproximação,
derivação ou expressão da forma plena de domínio sobre os bens, com vista
a organização sólida das infra-estruturas sócio-económicas existentes. Esta
forma plena e absoluta é o Direito de Propriedade.

O direito real visa a organização das infra-
estruturas económicas de um país, sendo que se destaca o direito de
propriedade como único instrumento jurídico que realiza no plano do
aproveitamento o pleno gozo sobre uma coisa. Este é o direito principal, do
qual todos os outros dependem ou ao qual se reconduzem. Assim, qualquer
noção de direito real tem obrigatoriamente que partir da noção de direito de
propriedade.

15
Direito das Coisas FDUP

6. Obrigações reais e ónus reais

Há um conjunto de situações que ocupam um espaço normativo entre


os direitos de crédito e os direitos reais:

a) Obrigações reais → encargos que recaem sobre quem é titular de


um direito real, pelo que a causa da obrigação é determinada pela
titularidade do direito real. Desse modo, o titular da obrigação e o
titular do direito real são a mesma pessoa. Há, assim, uma relação
estrutural genética, funcional e instrumental entre a titularidade da
obrigação e o aproveitamento do direito real.
Ex. Art.1375º CC – reparação e reconstrução do muro; na
compropriedade, as despesas feitas na manutenção da coisa
comum; as despesas de condomínio na propriedade horizontal; as
despesas de conservação de uma coisa que incidem sobre o
administrador dessa coisa.
Obrigação real ≠ Obrigação em geral:
− transmissão – a obrigação real transmite-se com a
transferência do direito real, isto é, as obrigações
acompanham necessariamente a transmissão do direito
real, apesar do adquirente só responder pelas obrigações
futuras. As obrigações anteriores à transmissão
continuam a ser do titular anterior do direito. Por sua
vez, nas obrigações em geral, a obrigação só se transmite
se o adquirente assim consentir. Por exemplo, A deve a
B €50 e por essa dívida convencionaram um juro de 5%.

16
Direito das Coisas FDUP

Se A transmitir a dívida a C, o juro não se transmite


automaticamente, mas só se C aceitar.
− exoneração/extinção – nas obrigações reais o titular do
direito fica exonerado quando transmite o direito. O
devedor liberta-se do vínculo, desde que renuncie ao
direito real. Na obrigação em geral, o devedor não pode,
unilateralmente, exonerar-se do débito, já que precisa de
autorização do adquirente.

b) Ónus reais → de acordo com Henrique Mesquita, não existe no


direito português um conceito unívoco de ónus real, sendo a noção
empregue pelo legislador em diferentes contextos jurídicos. Há
todavia um elemento comum: a existência de gravames, isto é,
encargos sobre determinadas coisas que constituem objecto dos
ónus.
Ónus real será então um encargo imposto a quem é titular de um
direito real, em benefício de outra pessoa a favor da qual o ónus é
constituído. Estes encargos têm eficácia “erga omnes” e recaem
directamente sobre o próprio bem, o que não acontece nas
obrigações reais.
Ex. Art.2018º CC – falecendo um cônjuge, o sobrevivo tem direito
a ser alimentado pelos rendimentos dos bens deixados pelo
falecido. Assim, são obrigados à prestação de alimentos os
herdeiros ou legatários a quem tenham sido transmitidos bens.

17
Direito das Coisas FDUP

Obrigações reais Vs. Ónus reais:


Semelhança → a determinação do sujeito passivo é feita por aferição à
titularidade do direito real.
Diferenças → no ónus real, o encargo ou obrigação real não tem
carácter acessório relativamente ao direito real, antes constitui uma situação
juridicamente autónoma, que recai directamente sobre a coisa e não como
na obrigação real sobre o titular do direito real;
→ no caso de transmissão do direito real, a transmissão do
ónus implica que o novo titular fique obrigado não só em relação às dívidas
que se venham a gerar após a transmissão, mas também em relação àqueles
que já estão vencidas, o que é um reflexo de que o encargo recai sobre a
coisa em si.

Características que aproximam os ónus reais a direitos reais e outras


que os aproximam das obrigações em geral:
 elementos obrigacionais:
• existência de um direito a uma prestação que
envolve a colaboração do titular do direito real,
ou seja, o titular do direito real está obrigado a
uma prestação face ao credor. O que distingue o
ónus real da obrigação é a relação com a
titularidade do direito real.
 elementos realistas:
• há elementos reais presentes na ligação da
prestação com a coisa. É a coisa que é objecto
da transmissão que responde pelo pagamento

18
Direito das Coisas FDUP

pelo cumprimento do ónus, ou seja, a coisa


serve como garantia.
• o ónus possui uma eficácia “erga omnes” ou
absoluta, porque face aos bens sobre os quais
recaem os ónus, o adquirente é responsável
tanto pelos ónus anteriores como posteriores.
• o titular do ónus, em caso de transmissão dos
bens, goza do direito de preferência nessa
transmissão, o que permite que se concentre na
mesma pessoa a titularidade e os encargos, o
que faz com que os encargos desapareçam.

7. Noção jurídica de coisa

Toda a relação jurídica tem por objecto um bem, mas bem não é
necessariamente uma coisa. De facto, há bens coisificáveis e bens não
coisificáveis.

Não nos interessa, como é evidente, a noção vulgar de coisa, quer


ampla – “tudo o que pode ser pensado, suposto, afirmado ou negado”
(Lalande) –, quer restrita – o objecto material delimitado no espaço.
Interessa-nos, pois, o sentido jurídico.

Noção legal de coisa → art.202º CC:


nº1: “Diz-se coisa tudo aquilo que pode ser objecto de relações
jurídicas.”

19
Direito das Coisas FDUP

nº2: “Consideram-se, porém, fora do comércio todas as coisas que não


podem ser objecto de direitos privados, tais como as que se encontram no
domínio público e as que são, por sua natureza, insusceptíveis de
apropriação individual.”

Este é um conceito, de acordo com o Prof. Dias Marques,
amplíssimo e tecnicamente errado de coisa, que deve ter tido como fonte o
art.810º do Código Civil Italiano (Pires de Lima). Há entes susceptíveis de
serem objecto de relações jurídicas que não são coisa em sentido jurídico,
como por exemplo, prestações, direitos e até as próprias pessoas. É uma
noção que confunde objecto de relações jurídicas com coisa.

Coisa em sentido jurídico → todo o bem externo e escasso,


desprovido de personalidade jurídica (o CC de 1867 definia coisa no seu
art.369º CC, como tudo aquilo que carece de personalidade), de carácter
estático (as de carácter dinâmico como contratos, prestações, efeitos
jurídicos não estão abrangidas pela noção de coisa), corpóreo ou
incorpóreo, com existência jurídica autónoma, susceptível de apropriação
individual e apto a satisfazer interesses ou necessidades humanas.

Assim, para que exista uma coisa em sentido jurídico é necessário:


1. carência de personalidade jurídica;
2. existência autónoma ou separada;
3. possibilidade de apropriação exclusiva por alguém;
4. aptidão para satisfazer interesses ou necessidades humanas.

20
Direito das Coisas FDUP

Inversamente, não é necessário:


1. que se trate de bens de natureza corpórea;
2. que se trate de bens com valor de troca, isto é, bens permutáveis;
3. que se trate de bens efectivamente apropriados (basta que sejam
bens apropriáveis).

O art.202º nº2 CC especifica, dentro das coisas, as que estão fora do


comércio, por não poderem ser objecto de direitos privados (só podem ser
objecto de relações jurídicas públicas ou internacionais – direito público),
exemplificando as coisas de domínio público e as que são, por natureza,
insusceptíveis de apropriação individual.

Situações económicas não autónomas: posições com valor
económico, sem autonomia jurídica.
Dois grandes grupos:
1) Situações económicas não autónomas ligadas incindivelmente a
outros bens → situações económicas que se ligam a outras situações,
designadamente a estabelecimentos comerciais. São situações ligadas à
titularidade do estabelecimento. À volta do estabelecimento comercial
geram-se determinadas situações que, muito embora mereçam tutela
jurídica (dado o seu valor económico), não são coisas, por não se tratarem
de entidades com autonomia jurídica. Exs. Clientela, fama, relações
fácticas, fornecedores, honra, nome, bom acreditamento na banca.
A clientela enquanto bem jurídico, só existe incindivelmente ligada ao
próprio estabelecimento.

21
Direito das Coisas FDUP

2) Situações económicas não autónomas que se ligam à titularidade de


um direito → fenómeno a que Orlando de Carvalho chamou de “direitos
sobre direitos”. São valores, como por exemplo situações de crédito, que
muito embora assumindo valor económico, não são susceptíveis de
domínio. É a vantagem ligada à titularidade de um direito, mas que não tem
a ver directamente com o objecto do direito, mas com a envolvência
económica da titularidade do direito. É a chamada “coisificação do direito
real”. Associadas a estes direitos sobre direitos estão situações privilegiadas
de vantagem. A situação económica não se liga a esse direito, mas antes às
vantagens relacionadas com a titularidade do direito.
São 5 os casos:
• Penhor de direitos (art.679º CC)
• Hipoteca de superfície (art.688º nº1 c) CC)
• Hipoteca dos direitos resultantes dos bens de domínio público
(art.688º nº1 d) CC)
• Hipoteca do usufruto das coisas e direitos (art.688º nº1 a) a d)
CC)
• Usufruto de direitos (art.688º nº1 e) e art.1439º CC)
A vantagem não se tira do crédito que se tem (do conteúdo do direito),
mas da vantagem de se ser titular de um crédito/direito.

Classificação das coisas

Art.203º CC: “As coisas são imóveis ou móveis, simples ou


compostas, fungíveis ou não fungíveis, consumíveis ou não consumíveis,
divisíveis ou indivisíveis, principais ou acessórias, presentes ou futuras.”

22
Direito das Coisas FDUP

a) Coisas móveis e imóveis (art.204º e art.205º CC)

Coisas móveis (art.205º CC) → tudo aquilo que não é classificado


pela lei (no art.204º CC) como coisa imóvel.

Coisas imóveis (art.204º CC) → nº1:


a) Prédios rústicos e urbanos;

• nº2 → prédio rústico → parte delimitada do solo, bem
como as construções nele existentes que não tenham
autonomia económica – terrenos;
Prédio urbano → qualquer edifício incorporado no
solo, bem como os terrenos que lhe sirvam de
logradouro – edifícios.
• o problema surge a propósito dos prédios mistos (não
definidos no nº2). O critério para classificar um prédio
misto como rústico ou urbano é o elemento económico
predominante. Se o prédio é predominantemente
rústico, é um prédio rústico; se é predominantemente
urbano, é um prédio urbano (critério da autonomia
económica).

b) As águas;

23
Direito das Coisas FDUP

• apesar de estarem em constante deslocação, são


consideradas como imóveis, porque a sua imobilidade
advém da integração no solo. Daí que um rio e as suas
margens e leito devam ser considerados, no seu todo, como
um imóvel.
Porém, a água ganha carácter móvel quando retirada de um
lençol e colocada num conservatório, parecendo dever ser
qualificada como um fruto, dada a sua renovação constante.
A propriedade das águas encontra-se regulada nos arts.
1385º e seguintes CC.

c) As árvores, os arbustos e os frutos naturais, enquanto


estiverem ligados ao solo;

• só são imóveis enquanto estiverem ligados ao
terreno, isto é, plantados ou, no caso dos frutos,
ligados à árvore.

d) Os direitos inerentes aos imóveis mencionados nas alíneas


anteriores;

• é imóvel o direito real sobre uma coisa imóvel. Ex. O
usufruto sobre uma coisa imóvel é um bem imóvel. O
usufruto sobre uma coisa móvel não cabe aqui e, por
isso, é uma coisa móvel por força do art.205º nº1 CC.

24
Direito das Coisas FDUP

e) As partes integrantes dos prédios rústicos e urbanos.



• nº3 → é parte integrante toda a coisa móvel ligada
materialmente ao prédio com carácter de permanência.
• apesar de ligadas à coisa imóvel, mantêm a sua
individualidade. Não se fundem na estrutura da coisa
imóvel. Embora possam aumentar a utilidade da coisa a
que estão ligadas, não são indispensáveis à sua função
normal. Ex. Quadro.
• este regime também se estende às partes componentes.
• partes componentes → confundem-se com a estrutura
do prédio, sem as quais o prédio não preenche o seu
valor, nem consegue alcançar o fim económico a que se
destina. Ex. Portas e janelas. Distinguem-se das partes
integrantes pela sua funcionalidade.
• partes acessórias → não têm uma ligação permanente à
coisa principal e, por isso, são coisas sempre móveis.

Para Oliveira Ascensão, a enumeração do art.204º CC é meramente


exemplificativa, porque existem várias coisas integradas em terrenos, como
monumentos, minas, estradas, que apesar de não constarem do artigo são
consideradas coisas imóveis.
A lei determina com clareza a necessidade das coisas imóveis estarem
ligadas materialmente ao solo. Assim, a terra é um imóvel, bem como todos
os elementos nela incorporada com carácter de permanência.

25
Direito das Coisas FDUP

b) Coisas acessórias e partes integrantes (art.210º CC)

Coisas principais → existem de “per si”



Coisas acessórias → subordinadas à coisa principal

As coisas acessórias são coisas móveis afectadas de modo duradouro a
outra coisa, mas não se confundindo com as partes integrantes. As coisas
acessórias são sempre móveis, enquanto que as partes integrantes, porque
integram um imóvel, são consideradas imóveis (art.204º nº1 e) CC). Além
disso, a afectação duradoura de uma coisa acessória não carece de ser
material, podendo ser de cariz económico não físico.

Regime das coisas acessórias:


Art.210º nº2 CC → “Os negócios jurídicos que têm por objecto a coisa
principal não abrangem, salvo declaração em contrário, as coisas
acessórias.”
Porém, Castro Mendes distingue duas situações diferentes:
1) há coisas acessórias com valor autónomo, sem as quais a coisa
principal mantém a sua utilidade normal (ex. alfaias em relação à
quinta).
2) há coisas acessórias sem valor autónomo, sem as quais a coisa
principal perde a sua utilidade.
Segundo este autor, só as primeiras estariam abrangidas pelo art.210º
nº2 CC, sendo as segundas obrigatoriamente abrangidas no negócio.

26
Direito das Coisas FDUP

Partes integrantes → art.204º nº3 CC: “toda a coisa móvel ligada


materialmente ao prédio com carácter de permanência.” Apesar de estarem
ligadas a um prédio com carácter de permanência, mantêm a sua
individualidade material, não se funde com a estrutura do prédio a que está
ligada, nem a sua falta torna esta imperfeita. Podem aumentar a utilidade da
coisa a que estão ligadas, mas não são indispensáveis à sua função normal
(ex. antena de um prédio; quadro de uma sala).

Partes componentes → aquelas que se confundem com a estrutura do


prédio e são indispensáveis ao bom funcionamento da coisa, como portas,
janelas, tijolos. Possuem um carácter funcional.

c) Coisas corpóreas e coisas incorpóreas: as obras de engenho e as


invenções industriais, o estabelecimento comercial e os direitos sobre
direitos

A distinção não consta do CC, mas ela assenta na possibilidade de


percepção das coisas pelos sentidos.
Assim,
Coisas corpóreas → aquelas que podem ser apreendidas pelos
sentidos, possuem complexão física e são materialmente palpáveis (res
quae tangi possunt).
Coisas incorpóreas → não são perceptíveis pelos sentidos, não têm
existência física, são meras construções de espírito (res quae tangi non
possunt).
Há 3 espécies de coisas incorpóreas:

27
Direito das Coisas FDUP

a) ideias ou bens ideais (integram a propriedade industrial ou


intelectual)
b) valores de organização (ligadas ao estabelecimento comercial)
c) direitos sobre direitos (direitos enquanto objecto de outros
direitos)

a) Ideias ou bens ideais ou ideações


Compreendem as obras de engenho e as invenções inventivas, isto é,
obras enquanto construção de ideias ou de conceitos ou ideias inventivas
como, por exemplo, patentes, desenhos industriais, modelos de actividade,
sinais distintivos do comércio (marca, nome e insígnia, firma). Estes sinais
distintivos do comércio são colectores de clientela e são uma forma
descentralizada de tutela do estabelecimento, não tendo autonomia
funcional, mas só autonomia do ponto de vista estrutural.
As ideias inventivas ou obras de engenho são valores em si e podem
ser exploradas economicamente. São expressões de uma personalidade
criadora e, nessa medida, estão directamente ligadas à pessoa (ao contrário
dos sinais distintivos do comércio que têm uma ligação mais ténue com o
seu criador e mais forte com o estabelecimento comercial ou produto).
No âmbito destas ideias inventivas ou obras de engenho há que
distinguir a ideia inventiva em si (que pode assumir o estatuto de coisa
incorpórea) e aquilo que suporta a ideia inventiva e permite a sua expressão
material, o “corpus mechanicum”.
Ora a ideia inventiva só adquire o estatuto de coisa incorpórea e, com
isso, autonomia e relevo jurídico na medida em que for corporizada ou
materializada ou, ainda, exteriorizada e, portanto, se torna susceptível de

28
Direito das Coisas FDUP

exploração económica pelo seu autor. É a potencialidade de conferirem


lucro que lhes atribui especificidade para efeitos de direito patrimonial.
Com vista a garantir a sua exclusividade existe o direito de
propriedade, enquanto direito de pleno uso, gozo e fruição da coisa.
Contudo, apesar da ideação se tornar independente, ela mantém-se
intrinsecamente ligada ao seu criador e, uma vez que ela é um
prolongamento da personalidade do seu criador, o direito protege de várias
formas a obra em si. Por exemplo, não se pode comprar um quadro e mudar
o nome do autor, sob pena de violar um direito de personalidade – o direito
de criação artística. Outro exemplo, o autor tem direito a não querer
publicar um livro ou tem o direito a não permitir que a sua obra não seja
transporta para o teatro.
Daqui decorre, segundo Orlando de Carvalho, que relativamente à
coisa incorpórea surgem dois direitos germinados, que visam a tutela da
coisa incorpórea e que são reflexo da autonomia e da ligação ao criador:
− Direito patrimonial de autor → direito real que permite ao autor
da obra inventiva explorá-la economicamente, ou melhor, é um
direito de exclusividade económica.
− Direito moral de autor → é um direito de personalidade, que
garante o respeito pela criação.
Todavia, Oliveira Ascensão discorda desta posição, pois o direito
sobre a obra intelectual não é um direito real, na medida em que não
abrange a totalidade de poderes sobre a coisa, por exemplo, não abrange a
possibilidade de gozo estético da coisa, somente a exploração da coisa. Este
direito não protege a obra, apenas permite que ela seja economicamente
explorada. Após a criação da obra, esta separar-se-ia dos bens intelectuais e

29
Direito das Coisas FDUP

do seu autor, transformando-se em entidades que podem ser usufruídas por


outrem, sem qualquer espécie de mediação.

Em suma, a ideia inventiva tem de ser corporizada para adquirir o


estatuto de coisa incorpórea, mantendo-se todavia distinta e independente,
embora incindivelmente ligada, quer ao autor quer ao “corpus mechanicum”
que a corporiza.
A nível de tutela real, a ideação só releva se for explorada
economicamente, o que constitui uma limitação funcional. Assim, uma
coisa será o bem susceptível de exploração económica, outra coisa será o
bem na sua dimensão da personalidade do seu autor. A protecção da
ideação através do direito real não visa regular o gozo cognitivo ou estético
do bem, mas só aquela possibilidade de exploração económica do bem e fá-
lo através do direito de propriedade, enquanto direito pleno e exclusivo.

b) Valores de organização
Correspondem ao estabelecimento comercial. É uma coisa incorpórea
“sui generis”, porque tem no seu núcleo a ideia de organização, a
combinação de factores produtivos utilizados naquela empresa (pessoas e
coisas), mas esta ideia organizatória não subsiste sem os factores produtivos
que a concretizam e que corporizam o estabelecimento. Trata-se de uma
ideia organizatória plasmada nos próprios factores de produção organizados
de determinada maneira e que só têm existência jurídica concretizada no
“corpus mechanicum”.
O estabelecimento comercial é então uma organização de factores de
produção, como as pessoas e as coisas, não se reduzindo às coisas

30
Direito das Coisas FDUP

corpóreas, mas compreendendo também bens incorpóreos e valores como a


firma, nome do estabelecimento e insígnia (sinais distintivos do
estabelecimento) e, ainda, situações patrimoniais não autónomas, como a
clientela.
Este conjunto de bens materiais/corpóreos, bens incorpóreos e
situações patrimoniais não autónomas conferem ao estabelecimento a sua
capacidade lucrativa (capacidade de gerar lucro), capacidade essa que lhe
confere relevância no âmbito do direito patrimonial. Sendo um bem com
especial capacidade lucrativa está associado à ideia de mercado e daí que
seja entendido como uma coisa composta funcional.
Orlando de Carvalho definiu estabelecimento comercial como uma
organização concreta de factores de produção com valor de posição de
mercado.
É uma coisa composta, porque é integrada por elementos de natureza
variada e é uma coisa funcional, porque tem em vista a ideia de capacidade
lucrativa. Daí que o valor do estabelecimento comercial não se afira pelos
bens materiais que o incorporam, mas pelo seu valor de posição de
mercado, isto é, pela capacidade lucrativa e pela clientela a ele ligada,
valores esses que não dependem, pelo menos directamente, dos factores
produtivos que integra.
Como a capacidade organizativa visa gerar lucro, isso confere ao
estabelecimento um valor diferente da soma do valor das unidades que a
integram, ou seja, o valor do estabelecimento é diferente do valor dos
elementos que a compõem, porque a organização tem uma função de lucro,
que deriva da sua posição de mercado, que lhe dá valor acrescido.

31
Direito das Coisas FDUP

Sendo o estabelecimento comercial uma coisa incorpórea, é ou não


objecto do direito de propriedade?
Art.1302º CC → “Só as coisas corpóreas, móveis ou imóveis, podem
ser objecto do direito de propriedade regulado neste código.”
Ora, o art.1302º CC restringe o direito de propriedade às coisas
corpóreas. Todavia, em algumas disposições do CC, o legislador trata-o
como sendo alvo de direitos reais. Assim, o direito de propriedade que
incide sobre o estabelecimento comercial recai sobre a sua organização,
enquanto bem único e simultaneamente sobre cada um dos elementos que
integra o estabelecimento.
Sendo o estabelecimento comercial uma coisa incorpórea, tem-se
entendido que é mais adequado classificá-lo como um bem móvel, não
sujeito a registo, mas um bem móvel anómalo, porque relativamente a
alguns efeitos é-lhe aplicado o regime dos bens imóveis (por exemplo, para
efeitos de alienação). Esta posição é sustentada pelo facto de para o
trespasse se exigir escritura pública, típico dos negócios que envolvam
coisas móveis. Já para efeitos de garantia, é objecto de penhor e não de
hipoteca, apesar de alguns dos seus elementos poderem ser objecto de
hipoteca.

c) Direitos sobre direitos


Obedecem ao princípio da taxatividade, pelo que só podem existir
direitos sobre direitos nos casos especialmente previstos na lei: penhor
(art.679º CC), hipoteca (art.688º CC) e usufruto (art.1439º CC).

d) Coisas presentes e futuras (art.211º CC)

32
Direito das Coisas FDUP

Art.211º CC: “São coisas futuras as que não estão em poder do


disponente ou a que este não tem direito ao tempo da declaração negocial.”

Falam ainda de coisas futuras os arts.399º CC, 408º CC e 880º CC.

A noção dada pela lei de coisa futura não é a mais correcta em termos
técnicos. De facto, uma coisa que não está em poder do disponente é uma
coisa alheia e uma coisa que ele não tem ao tempo da declaração ou não
existe ou, se existe, é alheia.

Coisa futura → é uma coisa esperada, uma coisa que se espera vir a
adquirir para integrar o património do disponente (“res speratas”), em
contraposição à coisa presente que o disponente já possui.
Distinguem-se:
− Coisas relativamente futuras → já estão na disponibilidade de
alguém, mas que não é o disponente, que espera, ao momento
da declaração negocial vir a adquiri-las.
− Coisas absolutamente futuras → ainda não existem ao
momento da declaração, mas esperam-se vir a ter.

e) Universalidade de facto e universalidade de direito

Universalidade de facto → complexo de coisas móveis, corpóreas,


objecto de uma única relação jurídica, ou seja, é uma unificação sobre a
qual recai um único direito.

33
Direito das Coisas FDUP


Orlando de Carvalho → conjunto de coisas unificadas por
interesses económicos, em que existe um valor de agregação. Por exemplo,
rebanho, conjunto de selos, colecção de moedas.

Este conjunto não é uma coisa una, porque o seu conjunto não é alvo
de um direito real. Só cada coisa isoladamente o será.
A universalidade de facto é então uma coisa que existe apenas
enquanto conjunto de bens ligados por um valor de reunião, bens esses que,
entre si, se encontram numa posição de paridade, tendo o mesmo valor quer
agrupados, quer individualizados.
Por isso, para Orlando de Carvalho, universalidades de facto não se
confundem com as coisas compostas funcionais, porque nas primeiras, o
valor do conjunto é igual ao somatório das coisas individuais, ao passo que
nas segundas, o valor do conjunto é superior ao somatório.

Requisitos das universalidades de facto:


1. Valor económico e jurídico próprio/individual → cada elemento da
universalidade tem um valor independente do valor de agregação.
2. O conjunto deverá ter uma função económica unitária, um destino
económico comum e daí que exista um valor de agregação.

Reflecte-se no regime legal das universalidades de facto,
nomeadamente no regime dos frutos das universalidades de animais
(art.212º nº3 CC).

34
Direito das Coisas FDUP

A universalidade de facto é objecto de uma única relação jurídica ou


objecto de várias relações jurídicas?
→ Tese unitária → A universalidade de facto é alvo de uma única
relação jurídica. Sobre ela há um único direito que abrange todo o conjunto
de coisas que compõem a universalidade.
Vantagem: facilidade de prova da propriedade e, consequentemente,
de reivindicação da propriedade sobre a universalidade de facto. Basta
provar a propriedade sobre o conjunto e não é necessário provar a
propriedade de cada elemento da universalidade.
Esta tese é defendida por Henrique Mesquita com base no disposto no
art.206º CC.

Orlando de Carvalho entende que desta norma não se pode
retirar a unificação do objecto, embora haja duas situações em que a lei trata
a universalidade como uma coisa única: art.942º CC – doação de
universalidades – e art.1462º CC – usufruto de animais.

→ Tese atomista → o domínio incide sobre cada uma das coisas


individualmente consideradas, coisas essas que constituem a universalidade
de facto e, portanto, há tantos direitos quanto as coisas que constituam a
universalidade.
Desvantagem: por esta tese, teria que se provar o domínio sobre cada
elemento individual da universalidade.
Porém, os defensores desta tese admitem que, numa acção de
reivindicação, é possível invocar apenas o domínio sobre a maioria dos
bens, não sendo necessário provar o domínio o domínio sobre a totalidade.

35
Direito das Coisas FDUP

Universalidade de direito → conjunto de relações jurídicas de índole


patrimonial (por exemplo, uma herança), que para efeitos de transmissão
são tidas como um valor conjunto. Também aqui cada coisa tem, no seu
conjunto, o mesmo valor que possui isoladamente e o valor do conjunto é
igual à soma aritmética do valor das partes. Porém, por vezes, a lei, por
variadas razões, tem necessidade de regular os bens em conjunto. Ex.
Património comum dos cônjuges; herança.

f) Frutos e produtos

Art.212º CC: “Diz-se fruto de uma coisa tudo o que ela produz
periodicamente, sem prejuízo da sua substância.”

− Carácter periódico
− Tem que estar em condições de, per si,
sobreviver

Frutos → Civis
→ Naturais

Frutos naturais → “dizem-se naturais os que provêm directamente da


coisa”
Frutos civis → “as rendas ou interesses que a coisa produz em
consequência de uma relação jurídica”

36
Direito das Coisas FDUP

Frutos naturais:
− Pendentes → ainda não se fez a separação (art.215º nº2 CC)
− Percebidos → já se fez a separação (art.213º nº1 e 215º nº1 CC)
− Percipiendos → podiam ter sido colhidos, mas não o foram por
culpa do detentor da coisa
− Maduros → aptos para a colheita (art.214º CC)

Regime jurídico dos frutos:


Art.204º CC → Os frutos naturais são imóveis enquanto estiverem
ligados ao solo. Logo os negócios jurídicos relativos aos imóveis abrangem-
nos, salvaguardando-se as cláusulas específicas sobre esses mesmos frutos
que imponham um regime diferente.

O momento da separação é o momento decisivo para saber se quem


tinha o gozo ou desfrute da coisa-mãe adquire ou não a propriedade dos
frutos.

Art.213º nº1 CC → Se a separação se deu no decurso do seu direito,


os frutos pertencem-lhe.
Art.214º CC → Mas a lei prevê que a colheita de frutos prematuros
obrigará à sua restituição, se o direito se vier a extinguir antes da época
normal de separação.
Art.215º nº1 CC → Por vezes, a lei impõe a restituição de frutos
percebidos, pelo que quem o fizer terá direito a ser indemnizado de todas as
despesas feitas com eles.

37
Direito das Coisas FDUP

Art.215º nº2 CC → Se quando o direito se extinguir, houver frutos


pendentes, não há direito a nenhuma restituição.
Art.408º nº2 CC → O efeito da compra e venda de uma coisa futura é
meramente obrigacional até ao momento da separação, pelo que só com a
colheita ou separação dos frutos se verifica a transferência nos termos do
art.408º nº2 CC. Se entretanto o pomar for vendido, o negócio sobre os
frutos é inoponível ao adquirente.

Frutos ≠ Produtos

Utilidades que das coisas derivam com carácter eventual (ao
contrário dos frutos que tem um carácter periódico). O produto é o
rendimento que não tem carácter periódico ou, tendo-o, a sua produção
causa prejuízo ao carácter da coisa.
Por outras palavras, produtos são, tal como os frutos, derivações das
coisas, mas que esgotam a sua substância, enquanto os frutos, sendo
colhidos periodicamente, não prejudicam a sua substância.
Ex. A pedra extraída de uma pedreira não é um fruto, mas um produto,
uma vez que a sua extracção implica, como é óbvio, o esgotamento do
terreno.

g) Benfeitorias

Art.216º CC → Despesas feitas para conservar, melhorar ou aumentar


o valor de uma coisa.

38
Direito das Coisas FDUP

Podem ser (art.216º nº2 e nº3 CC):


1. Necessárias → têm por fim evitar a perda, destruição ou
deterioração da coisa;
2. Úteis → não sendo indispensáveis para a conservação da
coisa, aumentam-lhe o valor;
3. Voluptuárias → não sendo indispensáveis para a conservação
da coisa, nem lhe aumentando o valor, servem apenas para
recreio do benfeitorizante.

Benfeitorias → despesas para melhorar ou conservar a coisa; incidem


directamente sobre a coisa.

Encargos → despesas periódicas feitas por causa da coisa (ex.


pagamento de rendas, impostos, amortizações, juros);
despesas que decorrem de relações jurídicas que o titular
tem com a coisa.

39
Direito das Coisas FDUP

Título I – Ordenação dominial provisória

Capítulo I – A posse

1. Distinção entre posse e direito

A ordenação dominial tem duas facetas: a ordenação dominial


definitiva, levada a cabo através dos direitos reais; e a ordenação dominial
provisória, estabelecida mediante a posse.

De acordo com o art.1251º CC, a posse é um poder de facto, que


alguém exerce sobre uma coisa de forma correspondente ao exercício do
direito de propriedade ou de outro direito real e que está na origem de todo
o domínio.

Daqui decorre que a posse é admissível em relação a qualquer outro
direito real que não o direito de propriedade: pode haver uma posse
traduzida na prática de actos correspondentes ao conteúdo, não do direito de

40
Direito das Coisas FDUP

propriedade, mas de um outro direito real. Ex. Posse de uma servidão; posse
de um usufruto; etc.

Porém, mesmo quando nos referimos à posse traduzida na prática de


actos correspondentes ao direito de propriedade (caso mais comum), ainda
aqui posse e propriedade distinguem-se.
As mais das vezes, a posse coincide com a titularidade do direito de
propriedade ou de outro direito real (servidão, usufruto, etc.) a que
corresponde. Ex. Um proprietário que habita o seu prédio é
simultaneamente proprietário e possuidor. Aqui a posse, por força desta
coincidência, não tem autonomia em relação ao direito real (no caso, o
direito de propriedade). Nestes casos, assiste-se a uma reunião, na mesma
pessoa, das qualidades de proprietário e possuidor.
Pode, contudo, não acontecer assim.

Exemplos:
Um agricultor começa a cultivar o terreno vizinho, fazendo-o de forma
reiterada, sem autorização e afirmando o seu intento de se comportar como
proprietário, recolhendo os frutos, etc. Nesta hipótese, este agricultor torna-
se possuidor deste terreno. Tem a posse, mas não tem a sua propriedade. O
proprietário é o dono do prédio, que, por sua vez, não tem a posse
correspondente, que pertence ao agricultor.
Um indivíduo acha uma coisa perdida ou furta um objecto e o guarda,
passando a fruí-lo. Surge aqui também uma dissociação entre a qualidade de
possuidor e de proprietário. O proprietário é o lesado; este continua a ser
proprietário da coisa, apesar de já não ser seu possuidor.

41
Direito das Coisas FDUP

Um indivíduo compra um objecto a quem não era o seu proprietário,


seja porque o alienante não proprietário vende conscientemente uma coisa
alheia, seja porque o alienante não proprietário a tinha adquirido por acto
nulo. Nesta situação, o adquirente não se torna proprietário, dado o
princípio “nemo plus iuris in alium transfere potest quam ipse habet”. O
comprador nada adquire, visto o alienante não possuir nenhum direito sobre
a coisa alheia. Não obstante, se a coisa lhe foi entregue, o adquirente torna-
se possuidor dela. Não é o seu proprietário. Proprietário é aquele cuja coisa
foi vendida por outrem. O adquirente, uma vez que a coisa lhe foi entregue,
é apenas o seu possuidor.
Em todos estes casos, a posse não coincide com a titularidade do
direito real correspondente, uma vez que, neles, há um indivíduo que detém
a coisa em seu poder e que, embora se comporte como seu proprietário, não
tem essa qualidade.
Assim, o regime da posse baseia-se numa mera situação de facto
reconhecida pela ordem jurídica e que se traduz na possibilidade de alguém
utilizar e fruir de um bem, embora não possa invocar o direito real
correspondente para legitimar o seu uso, como sucede nos casos abrangidos
pela ordenação dominial definitiva, que assentam sempre num direito real.

2. O problema da tutela possessória e a posse como caminho para


a dominialidade

42
Direito das Coisas FDUP

Como acabou de ser dito, normalmente, o direito de propriedade e a


posse surgem juntos. Quem tem a posse é o proprietário. Há, então, uma
coincidência normal entre a propriedade (poder jurídico) e a posse (poder
de facto).
Pode, todavia, acontecer que quem tenha o domínio factual ou
empírico sobre uma coisa, não tenha o domínio jurídico sobre essa mesma
coisa. Ex. Caso de furto da coisa; caso de perda da coisa; etc.

A posse pode, assim, ser exercida directamente ou indirectamente (no


caso de a coisa se encontrar na disposição de outra pessoa). A posse pode
ser exercida através da utilização directa e imediata do bem ou através da
colocação do bem à disposição de outra pessoa (mediante, por exemplo, o
comodato – emprestando a coisa a alguém). Ainda aqui, o possuidor estará
a exercer um poder de facto sobre a coisa, embora de modo indirecto.
Considera-se que conferir o uso de um bem a um terceiro é ainda uma
manifestação do exercício do poder de facto sobre o bem.
Nestes termos, existe posse logo que a coisa entre na disponibilidade
fáctica de alguém e permita exercer sobre ela um poder empírico, ou seja,
há posse sempre que o bem se mantenha na reserva de disponibilidade
fáctica do sujeito.
Daí que Heck defina posse como “a entrada factual de uma coisa na
órbita de um senhorio ou de interesses”.

A posse implica, então, que haja uma voluntariedade ou uma


intencionalidade no seu exercício por parte do sujeito (que a exerce). Por
exemplo, ninguém pode exercer a posse se estiver a ser sujeito a coacção.

43
Direito das Coisas FDUP

Sendo a posse um poder de facto e não um poder jurídico, ela surge


como um mecanismo de preenchimento das lacunas da ordenação dominial
definitiva.
Nessa medida, a posse é o objectivo a que aspira toda a dominialidade,
porque o que verdadeiramente se pretende com a ordenação dos bens é o
seu exercício através de um poder de facto, directo ou indirecto.

Posto isto, ela desempenha um duplo papel:


1) Integrar as lacunas da ordenação dominial definitiva;
2) Possibilitar a transição para um direito definitivo, restabelecendo a
ordenação dominial definitiva através do instituto da usucapião.
Isto consegue-se, porque entre a posse e os direitos reais há uma
identidade funcional e uma identidade estrutural, já que os fins visados por
estas duas figuras são os mesmos: a organização das infra-estruturas
económico-sociais e dos meios de produção.

Ora, a posse, não obstante constituir uma ameaça ao direito real, na


medida em que se apoia numa dominialidade empírica com a qual se atinge
o suprimento de lacunas da ordenação dominial definitiva, é alvo de uma
tutela/protecção jurídica, por parte do ordenamento jurídico.
O fundamento desta tutela jurídica assenta na promoção da paz social,
que com ela se alcança, na medida em que através dela se evitam conflitos
de interesses que decorrem das lacunas da ordenação dominial definitiva
(tanto mais que o direito presume a titularidade do direito do possuidor – a
posse indica a aparência do direito – art.1268º nº1 CC).

44
Direito das Coisas FDUP

Além disso, a posse é um valor de organização, que permite o


aproveitamento dos bens e a continuidade da sua exploração, uso e fruição.
Deste modo, ela permite uma reintegração do domínio dos bens, pois
esta continuidade de exploração, uso e fruição forma e consolida os
interesses de facto que têm de ser protegidos, nomeadamente quando o
proprietário do bem não tenha, durante certo tempo, reagido nem
reivindicado o bem.
A posse é, nesta medida, uma via para a dominialidade e é-o mediante
o instituto da usucapião, enquanto efeito possessório.
A posse pretende-se como uma situação provisória, exercida durante
determinado período de tempo limitado. Porém, ela pode e deve
transformar-se e passar de poder de facto para um novo poder jurídico que
se substitui ao anterior. Com isto, dá-se a transformação do domínio
provisório em domínio definitivo, mediante o instituto da usucapião, que
funciona como mecanismo de sucessão na dominialidade.
A possibilidade desta transformação justifica-se, desde logo, pela
necessidade de tutela dos valores de organização e de continuidade que a
posse permite, não obstante o facto da tutela da posse poder vir a proteger
um ladrão. Esses casos são, acima de tudo, excepcionais e têm que ser
assumidos pelo sistema.

3. Os sistemas possessórios

Na análise de uma situação possessória é possível distinguir dois


elementos:

45
Direito das Coisas FDUP

I – Elemento material – “corpus” – actos materiais praticados sobre a


coisa.
II – Elemento psicológico – “animus” – intenção de se comportar
como titular do direito real correspondente aos actos praticados.

I – Elemento material (“corpus”):


Traduz-se no exercício de “poderes de detenção” (Mota Pinto), ou
seja, em guardar ou conservar a coisa em seu poder no caso de um bem
móvel; em ocupar no caso de um bem imóvel.
Note-se que não é necessário um permanente contacto físico com a
coisa. Basta que a coisa esteja dentro do âmbito de um poder de facto do
possuidor ou, por outras palavras, na sua reserva de disponibilidade fáctica
ou empírica. Assim, por exemplo, não deixa de ser possuidor de um
automóvel o indivíduo que o deixa estacionado numa rua e se afasta durante
um certo período de tempo.
Pode, também, o corpus traduzir-se em “actos de fruição” (Mota
Pinto) ou, até em actos de detenção e fruição conjuntamente.
Assim, pode não haver uma detenção da coisa, mas haver uma fruição
da coisa, mediante a recolha das vantagens económicas desta. Por exemplo,
um indivíduo que recolhe os frutos de um prédio rústico ou que recebe as
rendas de um prédio. O indivíduo que frui o prédio está a possuí-lo.
O facto de não se tratar de um poder físico sugere a possibilidade de
exercer a posse por intermédio de outrem. Por exemplo, um indivíduo
arrenda um imóvel e está a receber as rendas do locatário, que é quem se
encontra em contacto físico com a coisa. Este locatário não é possuidor por
se encontrar a possuir em nome de outrem, não se comportando, por isso,

46
Direito das Coisas FDUP

em relação à coisa, como um proprietário (falta-lhe o animus). Ele é um


mero detentor ou possuidor precário.

II – Elemento psicológico (“animus”):


Para haver posse, além do exercício de um poder de facto sobre a
coisa, é necessária a vontade de se comportar como o titular do direito
correspondente aos actos realizados.
Não basta, portanto, o praticar, em relação ao bem, actos idênticos aos
do titular do direito real, é necessário também que haja intenção de se
comportar como titular do direito em termos do qual se possui.
Fala-se assim num animus possidendi, que não se identifica,
necessariamente, com um animus domini (intenção de se comportar como
proprietário da coisa), mas abrangendo ainda situações em que há intenção
de se comportar como, por exemplo no caso de usufruto, usufrutuário.
Trata-se, na verdade, do intuito de se comportar como o titular do direito
correspondente aos actos que se praticam.
Assim, por exemplo, uma pessoa que se senta numa cadeira em casa
de outrem, não é possuidor dessa cadeira pois falta-lhe o animus, a intenção
de se comportar como proprietário dela.
Situação idêntica se verifica nos casos de locatário ou comodatário.
Estes não são possuidores por lhes faltar o animus correspondente à
propriedade, embora pratiquem em relação à coisa actos equivalentes ao
conteúdo da propriedade (ou, pelo menos, do usufruto).

Ora, aqui, levanta-se a questão de saber se para existir posse é


necessário que concorram estes dois elementos.

47
Direito das Coisas FDUP

Surgem, então, duas concepções de posse: uma objectiva e outra


subjectiva.

→ Sistema objectivo:
Para a concepção objectiva da posse, à qual se associa o nome de
Ihering, para que haja posse é necessário que exista um poder de facto sobre
determinado bem, bastando, portanto, que se verifique o corpus.
Dispensam-se especiais intencionalidades nesse exercício (o animus).

→ Sistema subjectivo:
Para a concepção subjectiva, defendida por Savigny, para haver posse
é necessário que se verifiquem os dois elementos: o elemento
externo/fáctico (o corpus), enquanto poder de facto sobre o bem; e o
elemento interno/intencional (o animus), enquanto intenção de exercer o
poder de facto como se fosse titular do direito real correspondente.
Mas, tal como a posse se adquire quando se reúnem os dois elementos,
a posse também se perde se se perdem os dois elementos ou, do mesmo
modo, se se perde só um deles (pode acontecer que se perca só o elemento
psicológico ou só o elemento material). Por exemplo: perde-se o elemento
material, quando a coisa fosse é perdida, furtada ou usurpada por terceiro;
por outro lado, perde-se o elemento psicológico nos casos de constituto
possessório (o proprietário de um prédio vende-o, mas convenciona com o
adquirente que continua no prédio como locatário).
Assim, havendo o corpus, mas não havendo o animus, estamos
perante um direito de crédito, não havendo consequentemente tutela
possessória.

48
Direito das Coisas FDUP

Havendo corpus e animus, mas sendo um animus detinendi (e não um


animus possidendi), não há tutela possessória, porque estamos perante uma
mera detenção (que corresponde, portanto, ao exercício de um direito de
crédito).

Da comparação dos dois sistemas resulta que o sistema objectivo


confere uma tutela mais ampla, porque abrange quer os casos em que o
poder de facto se faz ao abrigo de um direito real, quer os casos em que o
poder de facto se faz ao abrigo de um direito de crédito.
Por exemplo, A empresta a B um bem móvel. Para o sistema
subjectivo, A é possuidor, mas B é um mero detentor. Já para o sistema
objectivo, tanto A como B são possuidores: A é possuidor mediato e B é
possuidor imediato. Ambos gozam, nessa medida, de tutela possessória.

A verdade é que estas duas concepções da posse se explicam, porque


cada uma delas parte de diferentes justificações que atribuem à tutela
possessória.
Para Savigny, o fim e a causa da protecção jurídica da posse é a defesa
da paz pública. A posse é protegida, porque, se os possuidores não
pudessem recorrer ao tribunal quando fossem perturbados ou esbulhados da
coisa, os possuidores teriam que recorrer à auto-tutela dos seus direitos e à
justiça privada, o que geraria a desordem, além de que esta auto-tutela é
rejeitada pelo ordenamento jurídico (art.1º CPC), salvo os casos contados
de acção directa (art.336º CC), legítima defesa (art.337º CC), estado de
necessidade, etc.

49
Direito das Coisas FDUP

Já para Ihering, a razão pela qual se protege a posse não é a defesa da


paz pública, mas o facto de a posse ser o sinal visível ou exterior do direito
real correspondente. É certo que se protegem alguns não proprietários
(ladrões e usurpadores), mas esta protecção também é uma protecção
provisória. Depois discutir-se-á a propriedade da coisa, mas, imediatamente,
tem protecção como possuidor. Além disso, estatisticamente, a maioria dos
possuidores são os proprietários das coisas possuídas. Se não se protegesse
a simples posse, as pessoas teriam que provar o seu direito, o que exigiria,
muitas vezes, a prova ininterrupta de uma cadeia de transmissões, o que se
consubstancia numa prova dificilíssima ou mesmo impossível. Facilita-se,
portanto, aos autênticos proprietários (maioria estatística dos possuidores) a
defesa da sua posse só com base na prova da posse, sem que tenham que
provar a propriedade com os vários títulos.

4. Noção de posse (posição legal do ordenamento jurídico face à


dualidade dos sistemas possessórios)

O art.1251º CC apresenta a noção legal de posse.


Esta noção legal aponta para a exigência dos dois elementos da posse:
corpus e animus.

Da conjugação do art.1251º CC com o art.1253º CC resulta, que entre


nós está acolhida a posição subjectiva. Se faltar o animus possidendi,
estamos perante uma mera detenção ou posse precária.

50
Direito das Coisas FDUP

Porém, a nossa lei admitiu quatro excepções ao consagrar resultados


que se aproximam da concepção objectiva, uma vez que, por disposições
“ad hoc”, a nossa lei concedeu tutela possessória, permitindo o recurso aos
meios de defesa da posse, a meros detentores ou possuidores precários:
1) Art.1037º nº2 CC – locatário;
2) Art.1125º nº2 CC – parceiro pensador;
3) Art.1133º nº2 CC – comodatário;
4) Art.1188º nº2 CC – depositário.
Embora estes não sejam autênticos possuidores, a lei, por norma
avulsa, vem dizer que eles podem valer-se dos meios de defesa da posse.
Todavia, não estão equiparados aos possuidores para todos os efeitos,
nomeadamente para efeitos de usucapião.

O nosso sistema, de cariz subjectivo, concebe, então, a posse como


uma relação entre o corpus e o animus.
Corpus → poder de facto sobre um bem, que se encontra na zona de
disponibilidade empírica do sujeito. Implica a ideia de estabilidade. Não
tem forçosamente que implicar um poder físico.
Animus → consciência e intenção de exercer um domínio factual
sobre um determinado bem.

O facto de a lei exigir o corpus e o animus para efeito de haver posse
implica que o possuidor tenha de provar a existência dos dois elementos, o
material e o psicológico – para poder, por exemplo, adquirir por usucapião
ou lançar mão das acções possessórias.

51
Direito das Coisas FDUP

Ora como a prova do animus poderá ser muito difícil, para facilitar as
coisas, a lei estabelece uma presunção. Em caso de dúvida, presume-se a
posse naquele que exerce o poder de facto.
Daqui decorre que, sendo necessário o corpus e o animus, o exercício
daquele faz presumir a existência deste.

Ao contrário do que se passava antigamente, nomeadamente no


Direito Romano, admite-se hoje que a posse pode ser exercida em termos
correspondentes a direitos reais menores e não apenas em termos de direito
de propriedade. Assim, encontram-se diferentes animus consoante o direito
real a que a intenção subjacente ao exercício dos poderes de facto sobre
uma coisa corresponda (animus de propriedade; animus de usufruto; animus
de superfície; etc.).

Se surgirem dúvidas acerca do
direito real em termos do qual o poder de facto é exercido, deverá entender-
se, atendendo à ideia de “plena in re potestas” que integra a dominialidade,
que estamos na presença de uma posse “uti dominus”, isto é que os poderes
de facto são exercidos como se existisse titularidade de um direito real de
propriedade.

5. Posse formal e posse causal

52
Direito das Coisas FDUP

Posse formal → posse autónoma; posse que não é suportada por


nenhum direito real; opera desligada do direito real; não tem atrás de si um
verdadeiro direito real a legitimá-la; ela surge de um conflito com esse
direito real.
“Dá-se a posse formal quando alguém exerce aparentemente um
direito sobre uma coisa, estando a sua situação dissociada da titularidade
substantiva” (Oliveira Ascensão).

Posse causal → tem causa no direito real; o possuidor causal exerce o


poder de facto (a posse) não apenas em termos de um direito real, mas na
medida em que é efectivamente o titular de um direito real; a posse é
suportada por um efectivo direito real (no caso de estar em causa um direito
de propriedade, o possuidor coincide com o proprietário).
“Posse causal é aquela que tem a justificá-la a titularidade do direito a
que se refere” (Oliveira Ascensão).

O possuidor formal apenas pode invocar a posse para se defender; o


possuidor causal pode invocar não só a posse, mas também o próprio direito
real, consoante o que lhe for mais conveniente.

6. Posse precária ou detenção

Posse ≠ Detenção

53
Direito das Coisas FDUP

Art.1253º CC → corresponde ao exercício de um poder de facto


(corpus), sem que lhe corresponda um direito real, mas sim um direito de
crédito. Há um corpus e um animus detinendi. O simples possuidor ou o
possuidor precário não tem o animus possidendi.

Art.1253º CC:
a) Engloba os actos facultativos, em que os poderes de facto são
exercidos pelo detentor em consequência da inércia do titular
do direito ou da inércia do possuidor. Nestes casos, quem
exerce o poder de facto não tem intenção de agir como
beneficiário do direito.

b) Refere-se a actos de mera tolerância. Corresponde aos casos


em que os poderes de facto são concedidos pelo próprio titular
do direito, mas sem qualquer intervenção vinculativa, sem
qualquer intenção de atribuir àquela pessoa quaisquer poderes
jurídicos. Ex. Emprestar um bem a uma pessoa.

c) Abrangem os detentores por título jurídico, que dizem


respeito a detenções que têm atrás de si a existência de um
título jurídico, nomeadamente um direito de crédito.

7. Natureza jurídica da posse

Será a posse uma simples aparência do direito, um “fumus boni iuris”


ou será ela um verdadeiro direito?

54
Direito das Coisas FDUP

De acordo com as prelecções de Mota Pinto, uma análise do seu


regime revela ser a posse um verdadeiro direito, mas um direito real
provisório. A posse não é, então, um mero facto. Ela tem mais relevo do
que um simples facto aparente do direito.
É um direito, porque a posse é uma situação jurídica subjectiva que
confere um poder sobre uma coisa em face de todos os outros e daí que seja
um direito real. É uma situação negociável, hereditável, susceptível de
registo e que pode ser defendida por meios jurídicos. Está, portanto, dotada
de garantia jurídica.
É um direito real provisório, porque esta protecção só se mantém, ou
melhor, cessa perante a acção de reivindicação (meio de defesa do direito
de propriedade – art.1311º CC), salvo se entretanto operar a usucapião.

8. Direitos em termos dos quais se pode possuir

Disse-se que podem existir vários tipos de animus, consoante as


intenções de exercer os poderes de facto correspondentes aos variados
direitos reais.
Por esse motivo, cumpre delimitar o conjunto de direitos em termos
dos quais se pode possuir, em termos dos quais pode existir um animus
possessório. Para tal, é necessário ter presente que o corpus exercido não
tem que ser necessariamente um poder físico. A posse é sim um poder de
facto que se encontra na esfera de disponibilidade empírica do seu titular.

Daí que há direitos reais que não conferem posse:


− Direitos reais de aquisição;

55
Direito das Coisas FDUP

− Hipoteca (alguns direitos reais de garantia);


− Servidões não aparentes (direito real de gozo – art.1280º CC – não
pode haver posse nas servidões não aparentes, “salvo quando a
posse se funde em título provindo do proprietário do prédio
serviente ou de quem lho transmitiu.” Justificação: os actos
correspondentes ao conteúdo das servidões não aparentes são
normalmente actos de tolerância do proprietário da coisa).

Contudo, já conferem posse:


− Direitos reais de gozo (propriedade; usufruto; uso e habitação;
superfície; servidão – exceptuam-se as servidões não aparentes;
direito real de habitação periódica);
− Alguns direitos reais de garantia:
o Penhor;
o Direito de retenção;
o Consignação de rendimentos.

9. Objectos passíveis de posse

São passíveis de posse todos os bens passíveis de domínio, ou seja,


genericamente, todas as coisas.

→ Coisas corpóreas → não levantam dúvidas de que podem ser


objecto de posse.

56
Direito das Coisas FDUP

→ Coisas incorpóreas:
− Estabelecimento comercial → pode ser objecto de posse,
porque o estabelecimento não existe sem um lastro material. Ele assenta em
valores ostensivos, com relevo jurídico-económico fora do próprio
estabelecimento, valores esses, grande parte das vezes, materiais. Além
disso, o poder de facto da posse não tem que ser um poder físico, pelo que
basta que o estabelecimento, enquanto organização de factores produtivos,
se encontre na reserva de disponibilidade empírica do sujeito. A posse
pretende garantir a exclusividade da disponibilidade destes bens ao seu
titular. Logo, parece não haver nada contra o facto de estes bens
incorpóreos serem passíveis de posse, desde que visem preservar a
exploração económica do estabelecimento comercial (o que constitui um
verdadeiro requisito para a sua classificação como coisa incorpórea).
− Ideias inventivas → também pode haver posse, já que
através desta é possível salvaguardar a exploração económica e a
exclusividade económica do bem, até porque a posse tem que ser entendida
como um poder empírico e não como um poder físico, de reserva de
exclusiva disponibilidade do bem.

Grande parte da doutrina levanta
problemas quanto à admissão da usucapião destes bens.
Para Orlando de Carvalho pode haver posse sobre estes bens,
defendendo, quanto à usucapião, que esta possui natureza diferente, até
porque ela não é um efeito necessário da posse, podendo ser excluída pelo
CC para certas situações possessórias.

57
Direito das Coisas FDUP

Assim, para as invenções e obras de engenho, sendo eles bens


protegidos pelo direito patrimonial de autor, não é de admitir a usucapião,
pelo menos quando for exercida contra o titular do direito patrimonial de
autor (já se levantam sérias dúvidas quando ela for exercida contra os
sucessores do titular daquele direito).
Quanto aos sinais distintivos do comércio, por via da sua ligação à
personalidade e, não obstante a necessidade da aquisição do
estabelecimento, também parece não ser correcto admitir a usucapião.

− Direitos sobre direitos → pode haver posse sempre que o direito


sotoposto (direito sobre o direito) confira poderes de facto sobre o direito
sobreposto (direito objecto do direito real; direito coisificado).

10. Capacidade para adquirir a posse

Art.1266º CC: “Podem adquirir posse todos os que têm uso da razão e
ainda os que o não têm, relativamente às coisas susceptíveis de ocupação.”

A lei basta-se com o uso da razão. Com o discernimento que apenas
requer da pessoa a capacidade natural de querer e entender os poderes de
facto inerentes ao exercício da posse. Basta que o sujeito tenha a capacidade
natural de entender e de querer suficiente para exercer os poderes de facto
sobre a coisa.
A lei não exige a capacidade de exercício.
Nos termos do art.488º CC, presume-se que haja uso da razão a partir
dos 7 anos.

58
Direito das Coisas FDUP

Os menores de 7 anos e os inimputáveis por anomalia psíquica não


têm capacidade para exercer posse, salvo quando a coisa é susceptível de
ocupação. Trata-se de uma presunção ilidível.

Casos em que os menores de 7 anos e os inimputáveis por anomalia


psíquica podem possuir:
2) Casos em que a coisa é susceptível de ocupação. Estes casos de
ocupação constituem meras operações materiais de apreensão
física.
3) Quando a posse tenha sido adquirida por intermediário, desde que
seja em nome e no interesse do sujeito que não tem o uso da razão
e desde que o intermediário tenha o uso da razão. O
intermediário, aqui, abrange todas as figuras da representação.
4) Casos do art.1890º nº3 CC: o suprimento da falta de aceitação
ocorre por intervenção dos pais ou representante legal. Se os pais
nada declararem, a liberdade tem-se, em princípio, por aceite. O
menor adquire a posse dos bens, tendo ou não o uso da razão, o
que se justifica porque a lei constrói uma ficção de aceitação do
intermediário.

11. Caracteres da posse

O relevo jurídico da posse depende das suas características.


Estas características contendem com:
1) O nexo da posse com o direito em termos do qual se possui.
2) A consciência da aquisição da posse.

59
Direito das Coisas FDUP

3) O facto de se adquirir a posse com ou sem violência.


4) A cognoscibilidade da posse.

Atente-se que a posse se afere no momento da aquisição.

Há características que são permanentes (fixadas em termos


definitivos) e outras que são não permanentes (a sua natureza varia ao longo
do tempo).

Há características que são absolutas (valem face a qualquer


interessado) e relativas (valem só para alguns interessados, em princípio, o
anterior possuidor).

Assim, a posse pode ser:


1) Posse titulada ou posse não titulada
2) Posse de boa-fé ou posse de má-fé
3) Posse pacífica ou posse violenta
4) Posse pública ou posse oculta

A 1) e 2) são características permanentes e absolutas.


A 3) e 4) são características não permanentes e relativas.

a) Posse titulada e posse não titulada


Art.1259º nº1 CC: “Diz-se titulada a posse fundada em qualquer modo
legítimo de adquirir, independentemente quer do direito do transmitente,
quer da validade substancial do negócio jurídico.”

60
Direito das Coisas FDUP

Esta destrinça tem importância para efeito das presunções legais do


art.1260º CC e para efeitos de usucapião. Na verdade, a usucapião obedece
a prazos diversos, consoante a posse que a fundamenta é titulada ou não
titulada.

Ela contende com o nexo de aproximação entre a aquisição da posse e


o direito real em que se funda.

“Modo legítimo de adquirir” → Adquirir o quê? O direito em termos


do qual se exerce o poder de facto, se exerce a posse.

“Modo” → Título, no sentido de justa causa de aquisição do direito


real.

“Legítimo” → Possibilidade abstracta de aquele título constituir


aquele direito. Deve ler-se título existente, pois a causa de aquisição
prescinde de saber se há ou não o “direito na esfera do transmitente” e da
“validade substancial do negócio jurídico”, pelo que a aquisição nestes
termos não pode considerar-se legítima.

Quando a lei diz “posse fundada em qualquer
modo legítimo” significa que a posse tem atrás de si, como causa
legitimante da sua aquisição, um título adquirente que, em abstracto, é
idóneo a transmitir o direito real.

61
Direito das Coisas FDUP

“Fundada” → Significa que a posse não deriva de um negócio


translativo do direito real, mas é uma posse que tem como causa mediata,
atrás de si, um título que, em abstracto, é apto a transmitir um direito real,
apesar de em concreto não se transmitir esse direito real.

“Independentemente quer do direito do transmitente, quer da validade


substancial do negócio jurídico” → Parece que se refere só aos negócios
jurídicos como a única forma de aquisição da posse, o que não é verdade,
porque também existem outras formas de aquisição da posse que são
simples operação jurídicas (e não negócios jurídicos), como o são a
ocupação, a acessão e a usurpação.
Todavia, o artigo quer mesmo referir-se somente aos negócios
jurídicos, daí que ele só se aplique às formas de aquisição derivada da
posse, i.e., àqueles que implicam uma verdadeira traditio do bem. Já não se
aplicará às formas de aquisição da posse originárias.

Assim, a posse é titulada se o título for, em
abstracto, apto/idóneo à transmissão do direito real em causa,
independentemente de, em concreto, não o ser, ou porque o direito não
existia na esfera jurídica do transmitente (mas existia na esfera jurídica de
outrem – o transmitente não tinha legitimidade para transmitir a coisa) ou
porque faltaram os requisitos substanciais do negócio e, desse modo, ele
padecia de um vício substancial (requisitos de validade substancial do
negócio jurídico).

62
Direito das Coisas FDUP

Ao invés, a posse é não titulada se os vícios do negócio conduzirem à


inexistência jurídica do mesmo ou se ele padecer dalgum vício formal.
Este regime justifica-se, porque enquanto que a falta de legitimidade
do transmitente e os vícios substanciais do negócio não são visíveis, a
inexistência e os vícios formais são, pela sua natureza, ostensivos e
cognoscíveis do declaratário.

Todavia, é importante fazer uma redução do alcance desta 2ª parte


deste art.1259º CC. É que há casos de invalidade substancial que não
podem ser tratados como posse titulada:
1) Simulação absoluta → nos actos absolutamente simulados, o
negócio é nulo (art.240º nº2 CC), porque, por acordo entre um
declarante e um declaratário, no intuito de enganar terceiros, há uma
divergência entre a declaração negocial e a vontade real do
declaratário. As partes fingem celebrar um negócio jurídico, embora
não pretendam, na realidade, negócio algum. Há somente o negócio
simulado (não há nenhum negócio dissimulado). Ora, a posse supõe
um animus ou uma vontade de possuir, vontade essa que não existe
nestes negócios. Desse modo, não havendo vontade de adquirir, não
há animus possidendi. O vício substancial retira aqui o animus e, por
isso, nestes casos, não há sequer posse. Se o declaratário ficar com a
coisa é em termos de detenção.

2) Simulação relativa → Há simulação, como se disse supra, quando


por acordo entre declarante e declaratário, e no intuito de enganar
terceiros, se verificam divergências entre a declaração negocial e a

63
Direito das Coisas FDUP

vontade real do declaratário (art.240º nº1 CC). Ora, na simulação


relativa as partes fingem celebrar um determinado negócio, mas, na
realidade, elas pretendem um outro negócio jurídico de sentido
diferente. Nestas situações, por detrás do negócio simulado, há um
negócio dissimulado (que está oculto). Tal como no caso de
simulação absoluta, aqui, o negócio simulado também é nulo
(art.240º nº2 CC). Porém, esta nulidade do negócio simulado não
prejudica a validade do negócio dissimulado (art.241º nº1 CC). Daí
que terá que se analisar este negócio dissimulado. Assim, se ele
produzir somente efeitos obrigacionais, também não haverá posse,
uma vez que não há o animus possidendi, mas somente o animus
detinendi. O declaratário será, nestes termos, um mero detentor ou
um possuidor precário.

3) Reserva mental → O art.244º nº1 CC define a reserva mental como


a emissão de uma declaração contrária à vontade real com o intuito
de enganar o declaratário. Quanto aos seus efeitos, dispõe o nº2
daquele artigo, que a reserva mental se equipara à simulação e que,
portanto, a declaração deve considerar-se nula, sempre que ela seja
conhecida do declaratário. Neste sentido, o conhecimento efectivo,
por parte do declaratário, da divergência entre a declaração negocial
e da vontade real retira-lhe o animus possidendi, pelo que nestes
casos de reserva mental também não haverá posse. Mais uma vez, o
declaratário será um mero detentor ou um possuidor precário.

64
Direito das Coisas FDUP

Atente-se que os casos de coacção física ou absoluta consubstanciam


um caso de inexistência jurídica do negócio, por força do art.246º CC. Estas
situações configuram hipóteses em que o declarante é coagido pela força
física a emitir a declaração: o declarante é reduzido à condição de puro
autómato. A posse que resulte de um negócio celebrado sob coacção física
é, nestes termos uma posse não titulada.

Em suma, com excepção dos vícios formais, dos vícios que geram
inexistência jurídica do negócio e dos casos de simulação (à qual se
equipara a reserva mental) que, sendo vícios substanciais não configuram
situações de posse, todos os outros vícios não afectam a titularidade da
posse.

Assim, podemos considerar como requisitos da posse titulada:


→ Negativo → no negócio jurídico não pode haver vícios formais;
→ Positivo → o negócio jurídico tem que ser existente e tem que ser,
em abstracto, idóneo a transmitir o direito real.

Vimos que o art.1259º CC não é aplicável às formas de aquisição


originária da posse (acessão, ocupação e usurpação).

→ No caso de direitos reais de garantia, o título aquisitivo deriva da
lei. Logo, a posse é titulada.

→ No caso de ocupação:
 Coisas que nunca tiveram dono → a posse é titulada.

65
Direito das Coisas FDUP

 Coisas perdidas:
o O achador sabe a quem pertence a coisa
→ configura um caso de usurpação: a
posse é não titulada e presume-se de má-
fé.
o O achador não sabe a quem pertence a
coisa:
• Não anuncia a coisa →
configura um caso de
usurpação: a posse é não
titulada.
• Anuncia a coisa → o achador
tem o direito de retenção da
coisa, ficando, desse modo,
com o direito de propriedade
da coisa.
→ No caso de acessão:
 Natural → a posse é titulada.
 Industrial:
o O sujeito está de boa-fé → a posse é
titulada.
o O sujeito está de má-fé → configura um
caso de usurpação: a posse é não titulada.
→ No caso de usurpação:
 Por esbulho → a posse é não titulada.

66
Direito das Coisas FDUP

 Por inversão do título de posse → a posse é não


titulada.

Nos termos do art.1259º nº2 CC, a posse titulada não se presume, pelo
que tem que ser provada por quem a invoca.

b) Posse de boa-fé e posse de má-fé


Art.1260º nº1 CC: “A posse diz-se de boa-fé, quando o possuidor
ignorava, ao adquiri-la, que lesava o direito de outrem.”

Desta disposição ressalta a noção de posse
de boa-fé, para a qual releva a ignorância do adquirente. Trata-se de uma
concepção puramente psicológica de ignorância que se está a lesar um
direito de outrem.
Daqui também se infere, a contrario sensu, a noção de posse de má-fé.

Porque se trata de uma prova difícil, a lei estabelece, no art.1260º nº2


CC, duas presunções ilidíveis: “A posse titulada presume-se de boa-fé e a
não titulada de má-fé.”

A existência do título não é suficiente, per si, para
fundamentar a boa-fé, mas constitui um sério indício de que se julgou
adquirir o direito.

67
Direito das Coisas FDUP

O art.1260º nº3 CC presume sempre de má-fé a posse adquirida por


violência, mesmo que seja uma posse titulada. Esta presunção é uma
presunção inilidível.

A boa-fé afere-se no momento da aquisição e é uma característica


permanente, não se admitindo alterações supervenientes, excepto em duas
situações:
1) Art.1270º nº1 CC → O possuidor de boa-fé faz seus os frutos
naturais até ao dia em que souber que, com a sua posse, está a lesar
o direito de outrem. A partir desse momento em que tem
conhecimento, passa a estar de má-fé, com as consequências do
art.1271º CC.
2) Art.481º CPC → Há aspectos relativos ao prazo de interrupção em
matéria de tutela possessória em que o proprietário pode notificar o
possuidor, transformando a posse de boa-fé em posse de má-fé.

Esta classificação tem importância em matéria de prazos de usucapião


– o prazo é mais curto, quando a posse é de boa-fé e mais longo quando é
de má-fé – e em matéria de frutos e benfeitorias – os direitos do possuidor
de boa-fé são diversos dos do possuidor de má-fé (arts.1270º, 1271º e 1275º
CC).

c) Posse pacífica e posse violenta


Art.1261º nº1 CC: “Posse pacífica é a que foi adquirida sem
violência.”

68
Direito das Coisas FDUP

Art.1261º nº2 CC: “Considera-se violenta a posse quando, para obtê-


la, o possuidor usou de coacção física ou de coacção moral nos termos do
art.255º CC.”

Relativamente à coacção moral, o legislador remeteu para o regime


geral do art.255º CC, pelo que não constitui coacção o exercício normal de
um direito, nem o simples temor reverencial.

Quanto à coacção física, o legislador não faz referência, mas


considera-se que abrange situações em que se coloca o coacto em situação
de absoluto automatismo, retirando-lhe qualquer liberdade de escolha.

A noção de violência traz ainda à colação o art.154º nº1 CP, que


engloba a ameaça de violência ou qualquer acto que constranja alguém a
praticar uma acção ou omissão ou a supor uma actividade.

A violência pode ser exercida por terceiro.

A violência, em princípio, é exercida sobre a pessoa, mas também


pode ser exercida sobre a coisa. Esta violência sobre a coisa releva se,
dolosamente, se destinar a intimidar, directa ou indirectamente, a pessoa,
quando a conduta do agente constrangir o possuidor.

Esta é uma característica relativa (válida para o anterior adquirente) e


não permanente (pode variar ao longo do tempo). Ela afere-se no momento
da aquisição da posse.

69
Direito das Coisas FDUP

Em consequência destas características, Orlando de Carvalho fala em


posse sob violência.

A violência é, como se disse, uma característica relativa (válida para o
anterior adquirente). Contudo, a posse pode ser pacífica nas relações
imediatas e violenta nas relações mediatas.
Por exemplo, A adquire um bem a B, tendo sobre ele exercido
coacção moral. A, após a compra, continua a exercer ameaças sobre B. A
posse de A é uma posse violenta, porque adquiriu com coacção moral.
Se o A transmite a coisa a C, sendo a posse de C pacífica e
continuando o A a exercer ameaças sobre B, a posse de C é pacífica
relativamente ao A e violenta relativamente ao B.
A posse de C não é violenta, mas está sob violência.
Aqui há um prolongamento no tempo da violência (coacção ou
ameaças).

Esta classificação visa proteger quem é desapossado violentamente da


posse e está diminuído em termos de liberdade jurídica.

Ela releva para efeitos de começo de contagem dos prazos da


usucapião.

Até este ponto analisámos a violência exercida pelo adquirente sobre o


transmitente ou alienante. Porém pode suceder, em casos mais remotos, que
seja o próprio transmitente/alienante a exercer violência sobre o adquirente.

70
Direito das Coisas FDUP

Por exemplo, A transmite a B, exercendo coacção sobre ele. Como é que se


caracteriza a posse deste adquirente?
O adquirente aqui é o coagido e, por isso, não há posse violenta,
porque é o ex-possuidor (A) que coage e é o actual possuidor (B) que é
coagido.
Ora, nestes termos, ainda se torna necessário ver se estamos perante
coacção física ou coação moral:
→ Coacção física → O adquirente (B) não tem posse, porque, sendo
ele reduzido a um mero autómato, ele não tem animus possidendi.
Nessa medida, ele é um mero detentor ou possuidor precário. Ele
não tem vontade aquisitiva.
→ Coacção moral → Consiste no “receio de um mal de que o
declarante foi ilicitamente ameaçado com o fim de obter dele a
declaração” (art.255º nº1 CC). É, portanto, a perturbação da
vontade, traduzida no medo resultante de ameaça ilícita de um mal
ou de um dano, cominada com o intuito de extorquir a declaração
negocial. Porém, ela já não se trata de um caso de divergência entre
a declaração negocial e a vontade real do declarante, mas sim de
um verdadeiro caso de vontade viciada. Isto porque, ao contrário
do que se passa com a coacção física ou absoluta, a liberdade do
coacto não foi totalmente excluída. Ainda lhe foram deixadas
possibilidades de escolha, embora a submissão à ameaça fosse a
única escolha normal. Tendo havido, então, uma declaração
negocial (ainda que viciada) por parte do adquirente, já há aqui
uma forma de aquisição da posse. O negócio é apto, em abstracto, a

71
Direito das Coisas FDUP

transmitir um direito real. O coagido deve, assim, ser considerado


possuidor.

d) Posse pública e posse oculta


Art.1262º CC: “Posse pública é a que se exerce de modo a poder ser
conhecida pelos interessados.”
A esta posse pública contrapõe-se logicamente a posse oculta ou
clandestina.

Também para esta classificação releva o momento da aquisição, sendo


que a posse pode ter sido adquirida ocultamente e, posteriormente, se
exerça publicamente. Não obstante, para efeitos de usucapião releva é o
modo como ela é exercida (art.1297º e 1300º CC). É a partir do momento
em que ela passa a ser pública, que se começa a contar o prazo para a
usucapião. Por exemplo, um indivíduo furta um objecto e guarda-o. Trata-
se de uma posse clandestina, que não conta para a usucapião, enquanto se
não tornar pública. O indivíduo furtou o objecto e escondeu-o durante vinte
anos. Ainda assim não o adquire por usucapião e isto porque, como se disse,
a usucapião exige que a posse se torne pública, se torne conhecida dos
interessados.
Se a posse é adquirida de modo público, mas depois passa a ser
exercida de modo oculto, o prazo para a usucapião começa a contar-se de
imediato.

72
Direito das Coisas FDUP

O critério a que se tem que atender é a possibilidade de conhecimento


da posse pelo interessado, de acordo com as regras do bom pai de família
face ao caso concreto, e à teoria da impressão do destinatário (art.236º CC)
– a posse pode ser cognoscível quando um interessado medianamente
diligente, colocado na posição do interessado, dela tive percepção.

O meio de conhecimento é irrelevante e o registo da posse não implica


a cognoscibilidade da posse.

Ainda que, relativamente a determinadas coisas, a sua natureza móvel


ou imóvel facilite ou dificulte o conhecimento da posse, nem por isso ela
deixa de ser pública se for exercida com a exteriorização correspondente à
normal utilização da coisa. O legislador entende que para o requisito da
cognoscibilidade estar preenchido, basta que o adquirente dê um uso normal
ao bem, como se se tratasse de um possuidor público ou como um normal
titular do direito que corresponde à posse de acordo com a natureza do bem.

Esta classificação releva para efeitos de tutela possessória e em


matéria de contagem dos prazos da usucapião.

Enquanto a posse for oculta, os prazos para a
usucapião não correm e, sendo os bens duradouros, gera-se uma incerteza,
pois a reintegração do domínio do bem não acontece. Há um prejuízo da
certeza e da segurança do comércio jurídico.
Enquanto o bem permanecer escondido, a posse permanece oculta.
Contudo ainda não há um critério exacto que nos permita saber se um bem

73
Direito das Coisas FDUP

está ou não escondido/clandestino. Daí que se entenda que a posse sobre um


bem passa a ser pública, quando o bem passa a ser usado de acordo com a
fruição normal desse bem.

Esta classificação é relativa e não permanente.

À semelhança do que se passa na posse violenta, também na posse


oculta, dado o seu carácter não permanente, se pode verificar uma posse sob
ocultação.

Nestes casos, há um prolongamento da posse oculta.
A posse pode ser pública nas relações imediatas, mas ser oculta nas
relações mediatas.
Assim, por exemplo, B adquire ocultamente uma posse de A e
transmite publicamente a C. Se quando C adquire a posse, esta se mantiver
oculta face a A, a posse de C é pública face a B e oculta face a A e está sob
ocultação.

12. Formas de aquisição da posse

1) Aquisição Originária
A. Acessão
B. Ocupação
C. Usurpação

74
Direito das Coisas FDUP

i. Por Prática Reiterada


ii. Por Inversão do Título de Posse
1. Por Oposição do Detentor
a. Explícita
b. Implícita
2. Por Acto de Terceiro
iii. Por Esbulho

2) Aquisição Derivada: Traditio

A. Tradição Real

i. Tradição Explícita

1. Material
a. Tradição Directa
b. Tradição à Distância

2. Simbólica
a. Tradição das Chaves
b. Tradição documental

3. Emissão na posse

ii. Tradição Implícita

75
Direito das Coisas FDUP

1. Traditio Brevi Manu

2. Constituto Possessório
a. Bilateral
b. Trilateral

B. Tradição Ficta

1) Aquisição Originária
Na aquisição originária da posse, a posse do adquirente surge “ex
novo” na esfera da disponibilidade empírica do sujeito, porque não depende
geneticamente de uma posse anterior, nem quanto à existência, nem quanto
ao âmbito ou conteúdo, nem quanto à extensão ou área de incidência. A
aquisição apenas depende do facto aquisitivo. A posse não tem causa em
nenhuma posse anterior, mas adquire-se contra ela ou apesar dela.

A. Acessão (art.1325º CC)


A acessão é uma forma de aquisição do direito de propriedade,
tanto sobre bens imóveis, como bens móveis e decorre da junção por obra
da natureza ou por obra do homem de uma coisa à outra.
Há dois tipos de acessão:

→ Natural → resulta exclusivamente das forças da natureza.


Art.1327º CC: “Pertence ao dono da coisa tudo o que a esta acrescer por
efeito da natureza.” Dá origem a uma posse titulada. A lei faculta um prazo
para o anterior possuidor retirar os seus bens da coisa em causa. Enquanto

76
Direito das Coisas FDUP

não o fizer há uma situação de mera detenção do proprietário enriquecido,


ele é mero detentor. Se o objecto enriquecido for propriedade do sujeito e
estiver no seu âmbito de disponibilidade fáctica, haverá posse.

→ Industrial → quando, por facto causado pelo homem, se


confundem objectos ou coisas pertencentes a diversos donos ou quando
alguém aplica o trabalho próprio a uma coisa pertencente a outrem,
confundindo o resultado desse trabalho com propriedade alheia. A acessão
industrial pode ser mobiliária ou imobiliária.
A acessão industrial dá origem a uma posse titulada nos casos em que
exista boa-fé. Existindo má-fé, a posse não será titulada, pois configura-se,
nessa situação como um caso de usurpação.

Alguns casos especiais de acessão industrial imobiliária:


Art.1339º CC: “Aquele que em terreno seu construir obra ou fizer
sementeira ou plantação com materiais, sementes ou plantas alheias adquire
os materiais, sementes ou plantas que utilizou, pagando o respectivo valor,
além da indemnização a que haja lugar.”

Estamos perante um caso em
que o terreno é propriedade do sujeito que realizou as obras ou que fez as
sementeiras ou plantações, mas o material por ele utilizado para esse escopo
é alheio. Nos termos desta disposição, o dono da coisa principal (do terreno)
terá, então, direito às plantações que nele faça, mas terá que pagar o valor
dos materiais, sementes ou plantas ao seu proprietário, bem como uma
indemnização a que este tenha direito.

77
Direito das Coisas FDUP

Art.1340º CC: “Se alguém, de boa-fé, construir obra em terreno


alheio, ou nele fizer sementeira ou plantação e o valor que as obras,
sementeiras ou plantações tiverem trazido à totalidade do prédio for maior
do que o valor que este tinha antes, o autor da incorporação adquire a
propriedade dele, pagando o valor que o prédio tinha antes das obras,
sementeiras ou plantações.”

A lei prevê aqui o critério do valor trazido ao prédio,
pelo que a titularidade do prédio depende do valor anterior do prédio e do
valor que a incorporação lhe trouxe.

B. Ocupação (art.1323º CC)


A posse funda-se numa mera operação jurídica. Trata-se de uma
forma de aquisição da propriedade de coisas móveis sem dono, ou porque
nunca o tiveram ou porque, se já tiveram, foram abandonadas ou se
perderam, esconderam ou enterraram.
A sua apropriação dá-se pela simples operação jurídica de
apresamento ou pela apreensão material, o que significa que nesse acto a
coisa entra na disponibilidade fáctica do sujeito.
Tem que se distinguir:
→ Ocupação de coisas que nunca tiveram dono (já se viu que dá lugar
a uma posse titulada).
→ Ocupação de coisas perdidas:

78
Direito das Coisas FDUP

− O achador sabe a quem pertence a coisa (configura um


caso de usurpação e dá lugar a uma posse não
titulada).
− O achador não sabe a quem pertence a coisa:
o Anuncia o achado (dá lugar a uma posse
titulada).
o Não anuncia o achado (configura um caso
de usurpação e dá lugar a uma posse não
titulada).

Capacidade de aquisição para a ocupação → não é necessário ter o uso


da razão para as coisas susceptíveis de ocupação (art.1266º CC).

As coisas imóveis não são susceptíveis de ocupação, já que revertem


para o Estado (art.1345º CC).

C. Usurpação
Conjunto de todas as formas originárias feitas sem ou contra a
vontade do anterior possuidor.
Reveste três modalidades: prática reiterada, inversão da titularidade da
posse, esbulho.

i. Por prática reiterada

79
Direito das Coisas FDUP

Prevista no art.1263º a) CC. É uma situação pré-


possessória que conduz à aquisição da posse. É um procedimento que já
prefigura a posse.
A prática reiterada é um conjunto de actos que, não constituindo o
exercício da posse, são reveladores de um poder de facto sobre o bem que
se converte num poder possessório.

Requisitos (art.1263º a) CC):


→ Actos materiais sobre um bem → actos que prefiguram um corpus
no seu sentido mais material – exercício do poder de facto, que
pode ser material ou empírico. A posse não tem que se traduzir
num poder físico, mas antes num poder empírico. Logo, estes actos
têm que revelar um poder empírico-material sobre o bem. Não
pode ser uma mera intenção, têm que ser actos materiais.
→ Reiteração → os actos têm que ser repetidos e frequentes. A
qualificação da reiteração mede-se pela ideia de estabilidade entre
quem pratica os actos e o bem. Não é uma forma de aquisição
instantânea, pois pressupõe o exercício frequente.
Se estiver em causa um bem móvel bastará que haja uma apreensão
empírica do bem. Se o bem for imóvel, aí já se exige a reiteração
da utilização ou fruição do bem.
É indiciado pela reiteração dos poderes de facto, pelo que os actos
podem ser praticados com intervalos e não têm que ser sempre os
mesmos actos.
Quanto à frequência, pretende-se que desta prática não resultem
dúvidas que é aquela pessoa que exerce domínio sobre aquele bem.

80
Direito das Coisas FDUP

Visa tornar inequívoco que o bem, em virtude da prática reiterada


dos actos, tem estado na posse empírica daquela pessoa. Está aqui
patente a ideia de estabilidade.
→ Publicidade → a reiteração dos actos materiais praticados sobre o
bem deve ser publicitada.
Os actos não podem ser clandestinos, pretendendo a lei que não
haja dúvidas que o bem tenha estado na zona de disponibilidade
exclusiva daquela pessoa, o que pressupõe a não interferência de
outras pessoas, dentro do círculo social que rodeia a prática
reiterada.
Há aquisição da posse pela prática reiterada quando, em
consequência de um conjunto de actos materiais reiteradamente
praticados, se cria a convicção no círculo social que rodeia a
prática reiterada desses actos que se age como titular do direito
real.
→ Os actos têm que corresponder ao exercício de um direito real →
são pré-figurações do animus. Os actos têm que corresponder ao
conteúdo dos direitos reais.
Se do exercício do direito real em causa resultarem dúvidas acerca
de qual o direito em termos do qual se exercem os actos deve ser
aplicada a ideia do “uti dominus”, pois todo o poder jurídico tende
na dúvida a ser exercido pelo direito de propriedade.

ii. Por inversão do título de posse


Prevista no art.1263º d) e art.1265º CC.

81
Direito das Coisas FDUP

O legislador foi pouco preciso, já que não define a inversão, mas


apenas refere quais são as suas modalidades: oposição do detentor; por acto
de terceiro.

A inversão é a conversão da detenção em posse, ou melhor, do animus


detinendi em animus possidendi. Pode acontecer em duas situações:
1. Aquele que inverte a posse ou cuja situação é invertida por terceiro
não é possuidor, mas mero detentor.
2. Aquele que inverte a posse ou cuja situação é invertida por terceiro
é possuidor, mas em termos de um direito real menor ou, pelo
menos, diferente daquele que invoca (por exemplo, quando há a
inversão de um animus em termos de usufruto para um animus em
termos de propriedade).
A inversão do animus decorre de um processo eminentemente
psicológico em que se assiste à transformação da intenção com que se
exercem os poderes de facto, seja para a transformação da detenção em
posse, seja para a transformação de uma posse com um conteúdo para uma
posse com um conteúdo diferente.

A aquisição da posse é instantânea, porque se adquire no momento em


que se verifica o processo de inversão.

Para haver, então, inversão do título de posse têm que estar


preenchidos dois pressupostos:
1. O inversor já está anteriormente numa situação de detenção,
exercendo sobre a coisa um poder empírico.

82
Direito das Coisas FDUP

2. O inversor passa a agir em termos de um direito real ou de um


direito real mais denso do que o anterior.
A intenção psicológica de alterar a situação, para poder ser deduzida,
tem de ser expressa em termos de actos externos à própria pessoa, donde se
possa deduzir a nova intenção de exercer o poder de facto em termos de um
direito real (o corpus tem que vir a coincidir com o animus).

1. Por oposição do detentor


A expressão do art.1265º CC “por oposição do
detentor do direito” é algo dúbia, porque a posse não é um direito
semelhante aos direitos reais definitivos.
A inversão do título de posse por oposição do detentor pode ser
explícita ou implícita. Em qualquer um dos casos, o detentor tem um
comportamento através do qual assume uma posição em que exerce poderes
de facto como se fosse proprietário do bem.
A inversão tem que assentar num acto sério que convença o anterior
possuidor.

a. Explícita
O detentor leva ao conhecimento do
possuidor a declaração de oposição. Por exemplo, o arrendatário deixa de
pagar a renda e declara que não paga, porque considera que o apartamento é
seu.
O acto em si é levado ao conhecimento do anterior possuidor e é
inequívoco quanto à inversão.

83
Direito das Coisas FDUP

A declaração do detentor produz os seus efeitos de acordo com a


teoria da recepção da declaração (art.224º CC).

b. Implícita
Não há qualquer declaração, mas o
acto do detentor é inequívoco, em si mesmo, de que o detentor se arroga do
direito real. Por exemplo, o arrendatário decide vender o prédio em que está
a morar, já que tem a convicção de que é seu possuidor.

2. Por acto de terceiro


O terceiro é um sujeito estranho à relação
possessória (entre possuidor e detentor). É alguém que não tem posse, mas
que se arroga da titularidade da coisa e, por isso, transfere ou constitui um
direito real em benefício do detentor, que ao participar em tal transferência
ou constituição, assume a posição de possuidor.
A inversão do título dá-se no momento em que o detentor participa no
acto atributivo, pois só nesse momento é que ele substitui o seu animus
detinendi por um animus possidendi.
O terceiro não é possuidor nem detentor. Por isso, quando a lei fala em
“acto de terceiro capaz de transferir a posse”, estabelece uma formulação
errónea, porque se o terceiro não tem posse, o seu acto não é capaz de
transferir a posse. A lei devia falar em “inversão do título da posse, por acto
de terceiro capaz, em abstracto, de atribuir o direito real”. Só desta maneira
é que ele consegue a mutação psicológica no detentor, isto é, só assim é que
o terceiro cria no detentor a convicção de que pela seriedade do acto se
passou a arrogar da posição real sobre o bem. Em concreto, o acto do

84
Direito das Coisas FDUP

terceiro não transfere posse nenhuma, já que ele não é possuidor nem
detentor.

Porém, este acto do terceiro não pode padecer nem de um vício formal
nem de um vício que conduza à sua inexistência jurídica, uma vez que,
nestes casos, o acto não cria a aparência abstracta de possibilidade de
transmissão e, assim, não gera a mutação psicológica no detentor, não gera
a convicção no detentor que ele é o novo possuidor.

Em suma, o acto do terceiro não funda a posse do inversor, apenas a


desencadeia pela via da mutação psicológica do animus detinendi em
animus possidendi. O acto do terceiro é um acto que apenas desencadeia e
não funda a aquisição da posse e, por isso, o acto do terceiro nunca titula a
posse do inversor. A posse deste é sempre não titulada, porque a inversão
não é um meio abstractamente idóneo de aquisição do direito real.

iii. Por esbulho


Esta é uma modalidade residual. Ela está associada à ideia
de ilicitude e abrange todas as formas de aquisição da posse contra ou sem a
vontade do antigo possuidor que não preencham a modalidade da usurpação
por prática reiterada ou da usurpação por inversão do título de posse.

Não se considera esbulho as expropriações lícitas.

Não se exige uma especial intenção de esbulhar (animus spoliandi).


Basta que alguém adquira uma coisa, privando outrem da posse, sem ou

85
Direito das Coisas FDUP

contra a vontade desse outrem e querendo a posse para si (animus


possidendi).
É uma aquisição instantânea.

Art.1267º nº1 d) CC: “O possuidor perde a posse pela posse de


outrem, mesmo contra a vontade do antigo possuidor, se a nova posse
houver durado por mais de um ano.”

Sendo o esbulho um facto instantâneo,
parece haver uma contradição entre a lei e o facto.
Por exemplo, um indivíduo furta um bem a outrem. De acordo com
este artigo, o desapossado, durante aquele ano, não perde a posse. Todavia,
o possuidor também tem a posse, porque é ele quem tem o corpus e o
animus. Estamos, então, perante duas situações possessórias antagónicas
que se excluem mutuamente.
O que este artigo, na verdade, quer dizer é que adquirida uma posse
por esbulho, a posse anterior extingue-se, mas durante um ano ela goza da
tutela possessória e, se for restituída a posse ao possuidor esbulhado, a
restituição retroage ao momento da privação.

2) Aquisição Derivada
A posse transmite-se, no âmbito da aquisição derivada da posse, pela
traditio da coisa, muito embora ela acompanhe o negócio jurídico. Os
negócios jurídicos não transferem a posse.
A aquisição derivada da posse é aquela em que a posse adquirida se
funda ou filia na existência de uma posse que se encontrava, anteriormente,

86
Direito das Coisas FDUP

na titularidade de outra pessoa. A posse depende jurídico-geneticamente da


posse anterior quanto ao conteúdo, amplitude e existência.
Há duas grandes modalidades:
1. Tradição real → tradição de um bem para a posse de outrem.
2. Tradição ficta → a tradição é uma ficção legal, já que a lei ficciona
uma tradição da posse que efectivamente não aconteceu.

A. Tradição Real
Trata-se de uma verdadeira tradição de um bem para outrem. É
uma tradição efectiva.

i. Tradição Explícita
A aquisição derivada diz-se explícita, quando existe um
acto exterior que materializa ou simboliza a entrega ou transmissão da coisa
que é objecto de posse.

1. Tradição Material
Art.1263º b) CC: a posse transmite-se pela
entrega da coisa, sendo este acto de entrega, aquele em que se manifesta a
intenção de transmitir e adquirir a posse.
A tradição material pode ser directa ou à distância.

a. Tradição Directa
Há tradição material directa, quando a
coisa passa de mão em mão (coisas móveis) ou quando o novo possuidor

87
Direito das Coisas FDUP

toma contacto directo com a coisa, como, por exemplo, entrar no prédio
(coisas imóveis).

b. Tradição à Distância
Designa-se tradição à distância ou
traditio longa manu, quando a tradição da coisa não é feita directamente,
mas com a coisa à vista. Tem lugar, por regra, em relação a coisas imóveis.

2. Tradição Simbólica
A tradição é simbólica, quando o objecto da
posse não é transferido, antes se transfere um bem que simboliza a entrega
do objecto da posse. A tradição simbólica pode ser, por exemplo:

a. Tradição das Chaves


Traditio clavium. Por exemplo, entrega
das chaves de um carro. A tradição simbólica das chaves tem que conferir
poderes empíricos sobre a coisa. Tem lugar em relação a coisas corpóreas
(móveis ou imóveis) e incorpóreas. Prevista, por exemplo, no art.669º CC.

b. Tradição Documental
Traduz-se na entrega dos documentos
que simbolizam a posse. A entrega dos documentos tem que conferir
poderes empíricos sobre a coisa. Tem lugar em relação a coisas corpóreas
(móveis ou imóveis) e incorpóreas. Prevista, por exemplo, no art.937º CC.

88
Direito das Coisas FDUP

3. Emissão na Posse
A tradição faz-se por emissão na posse, quando
se realiza através de um conjunto de actos destinados a colocar o adquirente
em condições efectivas de exercer a posse, ou seja, de poder explorar ou
fruir a coisa. Verifica-se relativamente à transmissão do estabelecimento
comercial, em que é necessário o adquirente tomar conhecimento dos
segredos de fabrico, dos clientes, dos fornecedores, etc.
O conhecimento do bem por parte do novo possuidor consubstancia-se
num conjunto de actos que concorram para o mesmo fim: a transmissão do
domínio de facto sobre o estabelecimento.

ii. Tradição Implícita


Diz-se implícita, porque não há qualquer acto que
sensibilize ou materialize a transmissão da posse; a posse transfere-se solo
consensu. Esta forma de aquisição é admitida por razões de economia
procedimental, permitindo assim evitar actos materiais que, atendendo à
situação possessória existente, seriam desnecessários.
A lei só prevê uma forma no art.1264º CC, mas admite-se outra.

1. Traditio Brevi Manu


Consiste na conversão do detentor em possuidor
por acordo entre aquele que detém a coisa (detentor) e aquele em nome de
quem detém (possuidor).

89
Direito das Coisas FDUP

Por exemplo, A é detentor (a título de locação, comodato, etc.) de que


B é possuidor. Se B transmitir a posse da coisa a A, este adquire a posse
sem se verificar qualquer acto externo de transmissão da posse.
De facto, não é preciso um acto externo, porque há um acordo que
torna tal acto desnecessário, logo evita-se a devolução do bem ao ex-
possuidor e a transmissão para o novo possuidor.

2. Constituto possessório
É a aquisição da posse sem efectivo
empossamento, isto é, sem entrada na posse e na detenção material da coisa.
Pode ser bilateral ou trilateral.

a. Bilateral
Art.1264º nº1 CC: “Se o titular do
direito real, que está na posse da coisa, transmitir esse direito a outrem, não
deixa de considerar-se transferida a posse para o adquirente, ainda que, por
qualquer causa, aquele continue a deter a coisa.”

A lei, mais uma vez, confunde direito com posse, esquecendo que a
posse é independente do direito real, embora seja um exercício de poderes
de facto em termos do direito real.
Por exemplo, A possuidor transmite a posse a B de uma coisa,
convencionando as partes que A continua a manter ou a dispor da coisa. B
adquire a posse, apesar de não se verificar qualquer acto explícito que a
materialize. A posse não deixa de considerar-se transferida, não obstante A
continuar a manter a coisa.

90
Direito das Coisas FDUP

Aqui, há apenas uma relação entre duas pessoas (anterior e novo


possuidor) em que o anterior transmite a posse ao novo possuidor, mas este
não exerce a posse, cabendo ao anterior possuidor a posição de detentor da
coisa.
O novo possuidor adquire a coisa sem empossamento (sem ter a
detenção material da coisa), porque, por acordo entre ele e o antigo
possuidor, não exerce os poderes de facto sobre o bem.
Neste caso, a tradição é implícita, porque não há um acto que
manifeste a tradição da posse, porque o A continua a exercer poderes de
facto sobre a coisa, apesar de ser a título de detentor e não de possuidor.

b. Trilateral
O nº2 do art.1264º CC consagra o
Constituto Possessório Trilateral.
Há dois casos possíveis:
→ A é possuidor e B detentor. A transmite a posse a C (um terceiro),
mas os dois acordam que a detenção continua na disponibilidade de B (que
já era o detentor). Ainda assim considera-se transmitida a posse para C.
→ A é possuidor e B detentor. A transmite a posse a B (antigo
detentor e novo possuidor), mas os dois acordam que a detenção passa a ser
de C (um terceiro). Ainda aqui a posse se considera transmitida.

B. Tradição Ficta

91
Direito das Coisas FDUP

Art.1255º CC: “Por morte do possuidor, a posse continua nos seus


sucessores desde o momento da morte, independentemente da apreensão
material da coisa.”

Trata-se de uma sucessão mortis causa.
A posse adquirida por sucessão mortis causa constitui uma posse ficta,
porque a lei ficciona que há um corpus e um animus. Com a morte do
possuidor, a posse só é adquirida no momento em que o herdeiro aceita a
herança (art.2050º nº1 CC).
Anteriormente, a herança permanece jacente, pelo que não há qualquer
apreensão material da coisa, logo não há corpus. De igual modo, como o
herdeiro não tinha manifestado vontade de adquirir, não há animus.
A existência e a reunião destes dois elementos apenas se verificam no
momento em que o herdeiro aceita a herança. Logo, entre a abertura da
herança (o momento da morte – art.2031º CC) e a aceitação não há posse.
No entanto, a lei considera que, uma vez aceite, a posse se adquire desde o
momento da abertura da sucessão, ficcionando assim a posse entre aqueles
dois momentos, isto é, uma vez aceite a posse, ela retroage ao momento da
abertura da sucessão (art.2050º nº2 CC).

A posse adquirida por via sucessória tem as mesmas características da


posse do de cujus. Está aqui em causa uma sucessão legal.
Ora, Orlando de Carvalho questionava a continuação das mesmas
características do de cujus no caso da sucessão (em geral). É que na
sucessão contratual e testamentária há um título pelo qual o herdeiro

92
Direito das Coisas FDUP

adquire a posse, enquanto que na sucessão legal ele adquire a posse por
força da lei.
Como na sucessão contratual e testamentária há um título autónomo,
Orlando de Carvalho defendia que, nestes casos, se o herdeiro tivesse nisso
vantagens (se a sua posse fosse melhor que a posse do de cujus), a posse se
define em função do título aquisitivo e não em função das características
anteriores.
Ou seja, ao invés do que se passa nos casos de sucessão legal, na
sucessão contratual e testamentária, há um título intercorrente, dirigido à
transmissão da posse, autónomo daquele que fundamenta a posse do de
cujus. Neste caso, pode o sucessor, se isso lhe convier, invocar esse título e
arrogar-se uma posse autónoma relativamente à posse do de cujus.

13. Conjunções de posse

Trata-se da existência de várias posses no mesmo plano temporal ou


de várias posses situadas em planos temporais diferentes.
Distinguem-se as posses sincrónicas e as posses diacrónicas.

a) Conjunção sincrónica
Trata-se da existência de várias posses no mesmo plano temporal.

→ Posse simultânea → sobre a mesma coisa existem duas ou mais


posses em termos de direitos reais diferentes. Por exemplo, posse
em termos de propriedade e posse em termos de usufruto sobre um
mesmo bem.

93
Direito das Coisas FDUP

→ Composse → é a situação correspondente à compropriedade nos


direitos reais. Consiste numa contitularidade de posses em que cada
compossuidor tem uma posse autónoma sobre uma quota ideal ou
alíquota da coisa.

→ Posse in solidum → é a figura que corresponde à comunhão de


direitos. Consiste numa contitularidade na posse, mas o conjunto
dos contitulares que encabeça a única posse que incide sobre o
objecto indiviso. Aqui há uma única posse, mas vários titulares, ou
seja, os contitulares só têm uma posse que incide sobre o bem.

b) Conjunção diacrónica
Aqui existe uma junção de várias posses situadas em planos temporais
diferentes.

→ Sucessão na posse → prevista no art.1255º CC. No caso de


sucessão legal, o sucessor mortis causa da posse adquire a mesma
posse do de cujus. Ou seja, uma posse, por via sucessória, junta-
se/continua uma posse anterior. É um efeito “ex legem”. Por
exemplo, na sucessão na posse, o herdeiro adquire uma posse que é
a mesma do de cujus.
(Tenha-se em atenção que no caso de sucessão contratual ou
testamentária não pode haver sucessão na posse, se o sucessor
fundar a sua posse no título aquisitivo – cfr. Tradição ficta.)

94
Direito das Coisas FDUP

→ Acessão na posse → art.1256º nº1 CC: “Aquele que houver


sucedido na posse de outrem por título diverso da sucessão por
morte pode juntar, à sua, a posse do antecessor.”

O adquirente da posse junta à sua
posse a posse do anterior possuidor, desde que ligadas por um nexo
de derivação. A acessão serve, nestes termos, para facilitar a
aquisição do direito real por usucapião, permitindo ao actual
possuidor interessado em usucapir encurtar o respectivo prazo,
através da junção do tempo de posse do anterior possuidor à sua
posse. O adquirente que adquire a posse acede ao direito real de
forma mais expedita.

Requisitos da acessão:
− Existência de um nexo de derivação entre as duas posses (a
aquisição originária quebra a acessão), desde que essa derivação
seja por título diferente da sucessão mortis causa. Ou seja, a
acessão não se verifica na sucessão mortis causa, à qual se
aplica a sucessão na posse do art.1255º CC. Além disso, só
acontece nas formas de aquisição derivada da posse
(“…sucedido…”). Só nestes casos faz sentido.
− Só opera entre posses consecutivas, isto é, em relação ao
anterior possuidor (nas relações imediatas).
− A posse do acessor terá de ser pública e pacífica, ou melhor, não
pode ser exercida ou mantida com violência ou ocultamente,

95
Direito das Coisas FDUP

nem estar sob violência ou sob ocultação. Enquanto a posse do


adquirente for violenta ou oculta, o prazo de posse violenta ou
oculta não é junto. A duração do prazo da posse violenta ou
oculta do anterior possuidor não pode ser aproveitado pelo novo
possuidor.
− A acessão é facultativa e voluntária.
− Tratando-se de posses diferentes, a acessão tem lugar dentro da
posse de menor âmbito.

1256º nº2 CC: “Se, porém, a posse do
antecessor for de natureza diferente da posse do sucessor, a
sucessão só se dará dentro dos limites daquela que tem menor
âmbito.”

Por exemplo, se o anterior possuidor era proprietário
e o actual era usufrutuário, a acessão só ocorre em termos da
posse de usufruto, porque o usufruto é um direito de âmbito
menor que a propriedade.

Há, todavia, que ter em atenção um outro aspecto. Os prazos da


usucapião variam conforme a posse seja de boa ou de má-fé, pelo que a
posse do ex-possuidor pode adiar o início da contagem do prazo para
usucapião do actual possuidor. A lei não resolve os problemas da junção
atendendo à boa ou má-fé, pelo que Orlando de Carvalho sugere uma
solução:

96
Direito das Coisas FDUP

→ quando as posses têm a mesma natureza (ambas de boa ou má-fé)


→ os prazos juntam-se.
→ quando a posse do antecessor é de boa-fé e a do sucessor é de má-
fé → os prazos juntam-se.
→ quando a posse do antecessor é de má-fé e a do sucessor é de boa-
fé → é preciso estabelecer uma proporção, convertendo a duração
da posse do antecessor de má-fé em posse de boa-fé do sucessor.

Esta conversão faz-se em razão do tempo necessário para
adquirir a usucapião em função da boa ou da má-fé:
 15 anos de boa-fé equivalem a 20 anos de má-fé.
Por exemplo, se alguém adquire um bem de boa-fé depois de este ter
estado 4 anos de má-fé, através da conversão, só adquire 3 anos de boa-fé.
15 = x
20 4
X=3

14. Tutela possessória: fundamento da tutela jurídica da posse

Neste ponto, questiona-se qual o fundamento da tutela jurídica da


posse. A resposta já foi algo avançada nas considerações anteriores, mas
fica aqui melhor sistematizada.
Pode parecer estranho que, às vezes, a lei proteja o possuidor contra o
próprio proprietário, nomeadamente nos casos de usurpação ou nos casos
em que o indivíduo adquiriu a posse sem se ter verificado sequer a
transferência da propriedade por a coisa lhe ter sido vendida por quem não

97
Direito das Coisas FDUP

era seu proprietário ou até por quem furtou. A verdade é que a tutela da
posse pode conduzir a que este indivíduo seja efectivamente protegido.
Não obstante, é necessário ter presente que a tutela possessória é
sempre uma tutela provisória, visto que os meios de tutela possessória – o
chamado contencioso possessório – só resolvem de imediato o litígio, mas
não definitivamente.
Mota Pinto aponta, então, três razões que justificam a tutela da posse:

1. Defesa da paz pública


A tutela da posse, a tutela desta situação de facto resultante de um
indivíduo estar em contacto com as coisas (detê-las, explorá-las,
fruí-las) tem a vantagem de evitar a desordem e, nesses termos, de
garantir a paz pública, por não forçar as pessoas à auto-tutela dos
direitos.
Por exemplo, se o possuidor de um automóvel não puder recorrer
aos tribunais para a restituição do veículo no caso de ele ter sido
furtado, então ele iria buscá-lo por suas mãos.
Deste modo, a tutela da posse destina-se a impedir a desordem e a
anarquia no que toca ao domínio dos bens.

2. Dificuldade de prova do direito definitivo


Esta justificação foi avançada por Ihering.
A protecção da posse permite facilitar aos autênticos titulares dos
direitos reais a continuação do exercício dos poderes de facto
correspondentes (continuação do exercício da posse), sem
necessidade de estarem constantemente a invocar e a provar a

98
Direito das Coisas FDUP

existência do seu direito sobre eles. A aparência, a visibilidade


exterior, que é o facto de as pessoas se comportarem como se
fossem proprietárias da coisa, leva a que, provisoriamente, sejam
tratadas como proprietárias e, na verdade, estatisticamente, são-no
na maior parte dos casos. Assim, facilita-se a defesa dos titulares
dos direitos reais, pois só têm que provar que têm a posse da coisa,
embora, repita-se, esta seja uma protecção provisória.
Nesta medida, até o autor do furto pode obter uma acção de
manutenção/restituição ou até de prevenção, desde que prove que
está na posse da coisa. E se estiver há mais de um ano na posse dela,
basta que prove esse facto para que continue na posse da coisa
(art.1267º nº1 d) CC).
O proprietário pode depois socorrer-se da acção de reivindicação
(art.1311º CC) para reaver a coisa de forma definitiva,
demonstrando que a coisa (que era sua propriedade) lhe foi furtada.
Mas isto implica uma investigação mais demorada.
Provisoriamente, mediante a simples prova da posse, o indivíduo
que tinha a coisa em seu poder (o autor do furto) consegue que ela
seja mantida em seu poder, até contra o verdadeiro proprietário.

3. Valor económico da posse


A posse, enquanto exploração das coisas, tem em si um valor
económico. Isto repercute-se na ideia de que interessa mais à
economia a exploração da coisa do que a propriedade inerte, passiva
ou, por outras palavras, a inacção.

99
Direito das Coisas FDUP

O facto de uma coisa ser explorada por alguém, facto esse que se
traduz na posse, é um valor económico que deve ser respeitado em
geral pelos outros.

15. Tutela possessória: meios extra-judiciais e meios judiciais

Meios Extra-Judiciais:

→ Acção Directa → art.336º e art.1277º CC

→ Legítima Defesa → art.337º CC

Recorde-se que, por definição, só se pode recorrer a estes meios extra-


judiciais, no caso de não ser possível o recurso, em tempo útil, aos meios
judiciais.
Tanto no caso de acção directa como no caso de legítima defesa se
exige o requisito da actualidade da perturbação ou do esbulho. Além disso,
como se faz notar a seguir, o legislador disponibilizou uma acção judicial
preventiva (acção de prevenção), para o momento prévio à perturbação ou
ao esbulho; uma acção de manutenção, para o momento simultâneo à
perturbação ou ao esbulho; e uma acção de restituição, para o momento
posterior à perturbação ou ao esbulho.
Os meios extra-judiciais só serão, então, admitidos no momento
intermédio, naquele em que já se verifica a perturbação ou o esbulho, mas
em que o possuidor ainda não se encontra destituído da posse da coisa e

100
Direito das Coisas FDUP

desde que não possa recorrer, a tempo de evitar a perturbação ou o esbulho,


ao tribunal através da acção de manutenção.

Meios Judiciais:
Estão aqui em causa as chamadas acções possessórias.
De facto, a posse confere a possibilidade de vir a juízo requerer
determinadas providências, mediante as chamadas acções possessórias.
Nessa medida, pode-se falar aqui de um contencioso possessório para
designar o conjunto destas acções, por oposição ao contencioso petitório,
representado fundamentalmente pelas acções destinadas a defender a
propriedade.
Recorrem-se a estas acções possessórias sempre que há um facto
jurídico-empírico que viola ou ameaça violar a posse, isto é, quando o facto
visa perturbar (“animus turbandi”) ou privar o possuidor da posse (“animus
spoliandi”).
As acções possessórias seguem a forma de processo comum.
Os meios judiciais são:

→ Acção de Prevenção (art.1276º CC) → recorre-se à acção de


prevenção quando há uma ameaça de perturbação ou privação (esbulho) da
coisa. A ameaça é geradora de um justo receio de se ser perturbado ou
esbulhado da coisa.
Com esta acção pretende-se que o autor da ameaça seja intimado a
abster-se desse comportamento, sob pena de multa e responsabilidade pelo
prejuízo que cause. Ela destina-se a afastar o perigo de perturbação da
posse.

101
Direito das Coisas FDUP

É portanto, uma acção preventiva.


A legitimação para intentar a acção de prevenção cabe ao ameaçado.
Por exemplo, fazem-se obras no terreno vizinho e delas advém o grave
receio de vir a ser perturbada a posse sobre o terreno contíguo. Nesta
hipótese, o ameaçado pode requerer que o autor da ameaça seja intimado
para se abster de lhe fazer agravo, sob pena de multa e responsabilidade
pelo prejuízo causado.

→ Acção de Manutenção (art.1278º CC) → aqui há uma perturbação


da posse. Esta acção visa reagir contra actos materiais de perturbação ou
agressão da posse.
Alguém só é perturbado se sobre a pessoa forem praticados actos
materiais, que traduzam uma pretensão possessória contrária à do
possuidor.
É o que acontece quando um indivíduo está na posse de uma coisa e
alguém vem perturbar essa posse, porque se considera a si próprio
legitimado para ter a posse da coisa.
Atente-se que esta acção pressupõe que o requerente conserva a posse
da coisa. Só se pode manter algo que se tem. Se já foi esbulhado, não há
lugar a uma acção de manutenção, mas de restituição.
A legitimidade para intentar a acção de manutenção cabe ao
perturbado ou aos seus herdeiros (legitimidade activa) contra o perturbador
(legitimidade passiva) – art.1281º nº1 CC.

102
Direito das Coisas FDUP

→ Acção de Restituição (art.1278ºCC) → esta acção pressupõe um


esbulho da posse, uma privação da posse. Aqui o possuidor é esbulhado da
posse, ele fica privado de poder exercer a posse.
Saliente-se que o esbulho pode ser parcial.
A acção de restituição destina-se a obter a recuperação da posse de
que se foi privado por esbulho.
A legitimidade para intentar a acção de restituição cabe ao esbulhado
ou seus herdeiros (legitimidade activa) contra o esbulhador, os seus
herdeiros ou contra quem esteja na posse da coisa e conheça o esbulho
(legitimidade passiva) – art.1281º nº2 CC.
Por exemplo, se um indivíduo foi privado da posse de um automóvel
ou mesmo de um imóvel, ele pode recuperá-lo mediante a acção de
restituição da posse.

Na prática, as situações de perturbação e esbulho podem confundir-se.


Assim, se for instaurada uma acção de manutenção e o juiz se aperceber que
devia ter sido intentada uma acção de restituição ou se for intentada uma
acção de restituição quando devia ter sido intentada uma acção de
manutenção, o art.661º CPC permite ao juiz, oficiosamente, alterar a acção.

Posto o que foi dito, retenha-se, todavia, que só é plenamente


protegido por estas duas acções, o possuidor cuja posse é superior a um ano,
ou seja, que detém a “posse suficiente”. Este possuidor pode sempre,
provada que fique a sua posse superior a um ano, obter a manutenção ou
restituição da posse, não sendo admitido à contraparte provar que tem
melhor posse (art.1278º nº2 CC).

103
Direito das Coisas FDUP

Esta “posse suficiente” confere, por isso, plenamente o direito a estas


acções.
Já se a posse actual durar há menos de um ano, então ela pode
soçobrar perante a prova de melhor posse aduzida pela outra parte.
Melhor posse, segundo o art.1278º nº3 CC, é “…a que for titulada; na
falta de título, a mais antiga; e, se tiverem igual antiguidade, a posse
actual”.

O art.1282º CC prevê um prazo de caducidade das acções de


manutenção e de restituição da posse. Elas caducam “se não forem
intentadas dentro do ano subsequente ao facto da turbação ou do esbulho,
ou ao conhecimento dele, quando tenha sido praticado a ocultas”.

Já o art.1283º CC estabelece uma ficção legal no âmbito dos efeitos da


manutenção e da restituição, já que “é havido como nunca perturbado ou
esbulhado o que foi mantido na sua posse ou a ela foi restituído
judicialmente”.

→ Acção de Restituição em caso de Esbulho Violento (art.1279º CC e


art.393º CPC) → trata-se de um procedimento cautelar especificado. Aqui
protege-se o possuidor contra uma privação violenta da posse – um esbulho
violento.
Esta acção de restituição tem lugar sem audiência do esbulhador, é
uma providência cautelar concedida sem respeito do prévio contraditório
(art.394º CPC).

104
Direito das Coisas FDUP

Tal como todos os procedimentos cautelares, ela só se mantém, ou


melhor, ela não caduca, se a respectiva acção for intentada dentro de um
certo prazo (no caso, 30 dias), nos termos do art.389º a) CPC.

→ Embargos de terceiros (art.1285º CC e art.351º CPC) → quando a


ofensa da posse resulta da existência de uma diligência judicial,
nomeadamente de penhora ou arresto e não tendo o possuidor sido parte no
processo, será este o meio adequado para a defesa da posse.
Por exemplo, o credor A executa B, seu devedor, e nomeia à penhora,
sendo apreendido, v.g., um aparelho de televisão, que está na posse de um
terceiro (C), mas que o credor entende pertencer a B. O possuidor (C) pode
opor-se à penhora com embargos de terceiro. Não tem, assim, de provar a
sua propriedade. Basta-lhe provar a posse para fazer cair essa diligência
judicial.
Trata-se, como se viu, de uma manifestação do valor indiciário ou
probatório da posse.

Oliveira Ascensão falava ainda na posse judicial avulsa, que estava


prevista no art.1044º CPC, actualmente revogado. Note-se que, embora o
nome possa sugerir o contrário, o facto é que este processo especial não é
um meio de defesa da posse. Apesar de sugerir uma conexão com a tutela
possessória, a posse judicial avulsa nada tem a ver com ela.
Trata-se de um processo especial, pelo qual o adquirente de um bem,
por força de um acto translativo, pode requerer que ele lhe seja entregue.
Assim, por exemplo, o comprador a quem não foi entregue a coisa,
exibindo o título, pode requerer a entrega do objecto comprado.

105
Direito das Coisas FDUP

É este um processo destinado a permitir com mais facilidade


conseguir esse resultado do que se tivesse que recorrer ao processo comum.
Daí que esta “entrega judicial” não é um meio de defesa da posse,
mas, pelo contrário, um meio destinado a obter a chamada investidura da
posse por parte de alguém que já a devia ter, mas não a tem.

16. Efeitos da posse

Antes de enunciar os efeitos da posse, tenha-se presente que estes


efeitos favoráveis da posse resultam das três razões justificativas ou dos três
fundamentos apontados supra para a tutela possessória.

a. Presunção da titularidade do direito


A posse faz presumir a titularidade do direito (art.1268º CC).
Chama-se, assim, à colação o valor probatório da posse.
Significa isto presumir-se que, quem está na posse de uma coisa, é
titular do direito correspondente aos actos que se praticam sobre ela. Na
origem desta presunção está a experiência (“o quod plerumque accidit”).
É que, de facto, pode ser difícil ou impossível provar, directamente,
por uma cadeia ininterrupta de transmissões, a titularidade do direito.
Esta presunção significa, portanto, que numa acção de reivindicação –
acção posta pelo proprietário contra o possuidor, onde aquele pretende obter
a declaração da propriedade e a restituição da coisa –, o possuidor não tem
o ónus da prova, cabendo ao reivindicante esse ónus.

106
Direito das Coisas FDUP

Trata-se, assim, de uma presunção ilidível. Cabe ao opositor, mediante


contraprova, a titularidade do direito sobre o bem em causa que está
possuído por outrem.
Por exemplo, se A está na posse de um bem e B vem a juízo requerer
que lhe seja entregue esse bem através de uma acção de reivindicação,
porque é seu proprietário, A, pelo facto de estar na posse (de ser o
possuidor), não tem o encargo de provar que está legitimamente na posse,
ou seja, que é ele o proprietário. Basta-lhe alegar que é proprietário, não
tendo que o provar. Ele beneficia dos critérios de repartição do ónus da
prova, que vai caber à outra parte, no caso, o B. Este é que tem que provar
que o proprietário não é o A, mas sim ele.
Ressalta deste exemplo a capital importância desta presunção. É que
pode ser atribuída a propriedade ao possuidor (no exemplo, o A), não
porque este tenha conseguido provar que era o proprietário, mas antes
porque não foi provado que ele não o era.
Decorre daqui que, em situações de dúvida, ela é superada em favor
do possuidor, situações estas onde se espelha a doutrina de que em
igualdades de circunstâncias a posição do possuidor é melhor (“in pari
causa melior est condictio possidentis”).

Havendo colisão de presunções, tem prioridade a posse que for


registada; sendo ambas as posses registadas, prevalece a primeira (art.1268º
nº2 CC).

Posto isto, compreende-se que esta é uma presunção muito importante,


especialmente, face aos bens móveis e aos bens consumíveis, já que é

107
Direito das Coisas FDUP

através da posse e posterior usucapião que se defende a respectiva


titularidade. Além disso, tome-se em linha de conta que os bens móveis
sujeitos a registo são poucos.
Contudo, isto não significa que ela não releve face aos bens imóveis.

Comprovou-se deste modo que a posse continua a ser o grande


fundamento do direito de propriedade.

b. Perda ou deterioração da coisa


Art.1269º CC: “O possuidor de boa-fé só responde pela perda ou
deterioração da coisa se tiver procedido com culpa.”
Se o possuidor estiver de má-fé, ele sabe que está a lesar o direito de
outrem e cabe-lhe um dever de restituição. Enquanto não entregar a coisa,
ele está em mora e, por isso, aplicam-se-lhe as regras dos arts.804º e 807º
CC.

c. Direitos do possuidor em relação aos frutos


Referem-se a estes direitos os arts.1270º a 1272º CC, tendo
relevo para este efeito a destrinça entre possuidor de boa-fé e possuidor de
má-fé. É que o possuidor de boa-fé faz seus os frutos, enquanto que o de
má-fé deve restituir não só os frutos que a coisa produziu, como tem mesmo
de responder pelo valor daqueles que um proprietário diligente poderia ter
obtido (em função do critério do homem médio).

d. Direitos do possuidor em relação a benfeitorias

108
Direito das Coisas FDUP

Também para aqui releva a distinção entre possuidor de boa-fé e


de má-fé.
Quanto às benfeitorias necessárias e úteis, ambos os possuidores, quer
o de má-fé, quer o de boa-fé, estão colocados numa situação de paridade.
Tratando-se de benfeitorias necessárias têm ambos o direito de ser
indemnizados e, tratando-se de benfeitorias úteis, têm o direito de as
levantar, desde que o possam fazer sem provocar o detrimento da coisa
(art.1273º nº1 CC).
Quando não for possível levantar as benfeitorias úteis sem provocar o
detrimento da coisa, tanto os possuidores de má-fé, como os de boa-fé têm
direito a uma indemnização calculada segundo as regras do enriquecimento
sem causa (art.1273º nº2 CC).
Já as benfeitorias voluptuárias, ou seja, as que apenas servem para
recreio do benfeitorizante, não aumentando o valor da coisa, estão sujeitas
ao regime especial do art.1275º CC. Enquanto o possuidor de boa-fé tem
direito a levantá-las, desde que o seu levantamento não cause o detrimento
da coisa (se causar, o possuidor de boa-fé não pode levantá-las, nem tem
direito ao valor delas), o possuidor de má-fé perde, em qualquer caso, as
benfeitorias voluptuárias que haja feito.

e. Usucapião – a posse como criadora de direitos

NOÇÃO:
Art.1287º CC: “A posse do direito de propriedade ou de outros
direitos reais de gozo, mantida por certo lapso de tempo, faculta ao

109
Direito das Coisas FDUP

possuidor, salvo disposição em contrário, a aquisição do direito a cujo


exercício corresponde a sua actuação: é o que se chama usucapião.”

Desta definição legal da usucapião ressalta a faculdade da posse de
reintegrar a coisa/o bem no seio da ordenação dominial definitiva, através
do instituto da usucapião, pelo qual a posse se transforma no direito real em
termos do qual a posse foi exercida. Há, portanto, uma correspondência
entre a posse exercida e o direito real adquirido.

A posse faz, então, adquirir o direito, desde que ela se mantenha


durante um certo período de tempo. Ela é uma forma originária de aquisição
de direitos reais, que decorre do exercício ininterrupto da posse com
determinadas características.
A posse que se prolongue por um certo período de tempo, com
determinadas características, conduz à aquisição de um direito real
correspondente à posse que se exerceu.

Atente-se, porém, que a usucapião é um efeito da posse de natureza


facultativa, pelo que, verificados os pressupostos exigidos por lei, o
possuidor tem a faculdade de beneficiar do seu regime, não sendo, todavia,
obrigado a fazê-lo.

DIREITOS OBJECTO DA USUCAPIÃO:


Os direitos que se adquirem por usucapião são os direitos reais de
gozo. Exceptuam-se os previstos no art.1293º CC:

110
Direito das Coisas FDUP

 Servidões prediais não aparentes (são direitos ocultos que não


permitem ao titular a percepção de que há uma posse antagónica
ao direito de propriedade);
 Direitos de uso e habitação (assumem um carácter intuitus
personae, isto é, têm um carácter pessoal, pelo que só podem ser
adquiridos pela pessoa perante quem foram constituídos e não
perante outra pessoa que não o titular. São direitos directamente
ligados à pessoa relativamente à qual diz respeito. Abranger
estes direitos no objecto da usucapião era por em causa o seu
carácter intuitus personae).

REQUISITOS DA USUCAPIÃO:
a) Decurso do tempo → Varia consoante os bens em causa. Faz-se a
distinção entre bens imóveis e bens móveis. Dentro dos imóveis
temos que considerar as características de boa e má-fé da posse e a
existência ou não de título de registo aquisitivo ou de registo da
posse. Dentro dos bens móveis, há a considerar se os bens estão ou
não sujeitos a registo.
A lei fixa taxativamente o prazo.

b) Posse pacífica e posse pública → Art.1297º CC: “Se a posse tiver


sido constituída com violência ou tomada ocultamente, os prazos
da usucapião só começam a contar-se desde que cesse a violência
ou a posse se torne pública.”
Enquanto a posse for mantida ou exercida com violência ou
ocultação, o prazo não corre.

111
Direito das Coisas FDUP

Recorde-se que para efeitos de usucapião, as características da


posse aferem-se no momento do exercício da posse e não no
momento da sua aquisição.
A ratio desta disposição que tutela os interesses do anterior
possuidor compreende-se, porque o titular do direito contra quem a
posse vai ser exercida não poderá reagir se a posse for oculta ou se
ela for violenta. Se for oculta, o titular do direito não sabe da sua
existência, não podendo, por isso, fazer uso dos seus direitos. Se
for exercida com violência, o titular, apesar de ter conhecimento do
facto, possui a sua liberdade jurídica suprimida, não se encontrando
em situação de estabilidade que lhe permita exercer o seu direito
em termos plenos.
Este mecanismo de tutela não é afastado no caso de um terceiro de
boa-fé adquirir a posse antes da cessação da violência ou da
ocultação. Por isso, o tempo que o terceiro possui o bem não conta
para efeitos de usucapião enquanto em relação ao titular do direito
não cessar a violência ou a posse não se tornar pública.

Porém, a lei reconhece que, nestes casos, o
terceiro de boa-fé carece de alguma tutela jurídica, pelo que,
excepcionalmente, estabeleceu o art.1300º nº2 CC, que tutela os casos em
que terceiros adquirem a posse sob violência ou sob ocultação, permitindo-
lhes que, caso estejam de boa-fé, o prazo da usucapião comece a correr a
partir do momento da aquisição, prevendo-se, contudo, prazos maiores do
que os que são impostos no art.1299º CC.

112
Direito das Coisas FDUP

Note-se que o art.1300º CC está enquadrado no regime de bens


móveis indistintamente, isto é, regula tanto os bens móveis sujeitos a
registo, como os bens móveis não sujeitos a registo (móveis simples). Não
obstante, deve entender-se que o nº2 deste artigo só deve valer face aos
bens móveis simples e já não relativamente aos bens móveis sujeitos a
registo.
Isto é assim, porque, se se aplicasse o art.1300º nº2 CC ao art.1298º b)
CC (coisas imóveis sujeitas a registo e não registadas), o prazo de 10 anos
previsto aqui seria encurtado para 7 anos. Ora, tal solução redunda numa
distorção do espírito do art.1300º nº2 CC, que pretende alargar os prazos
para aquisição por usucapião no caso da posse se encontrar sob violência ou
sob ocultação.
Daí que o art.1300º nº2 CC não deva ser aplicado nos casos previstos
pelo art.1298º b) CC.

EFEITOS DA USUCAPIÃO:
Referiu-se já que a posse tem como efeito a aquisição de um direito
real.
O que ainda não se disse foi que “invocada a usucapião, os seus
efeitos retrotraem-se à data do início da posse” (art.1288º CC).
A confirmação da retroactividade da usucapião ao momento do início
da posse encontra-se, a respeito do direito de propriedade, no art.1317º c)
CC: “O momento da aquisição do direito de propriedade é, no caso de
usucapião, o do início da posse”.

CAPACIDADE PARA USUCAPIR:

113
Direito das Coisas FDUP

Diz a epígrafe do art.1289º CC: “Capacidade para adquirir”



Para adquirir por usucapião prescinde-se do uso
da razão (art.1289º nº1 CC que remete para o art.1266º do mesmo diploma),
sendo que os incapazes podem adquirir tanto por si só, como por interposta
pessoa (nº2 do art.1289º CC).

Atente-se que, de acordo com o art.1290º CC, “os detentores ou


possuidores precários não podem adquirir para si, por usucapião, excepto
achando-se invertido o título da posse”, caso em que deixam de ser
detentores e passam a ser verdadeiros possuidores. Porém, na 2ª parte deste
artigo, a lei ressalva imediatamente que “neste caso, o tempo necessário
para a usucapião só começa a correr desde a inversão do título”.

SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO PRAZO PARA A


USUCAPIÃO:
O decurso do prazo para a usucapião está sujeito a algumas
vicissitudes.
Tanto assim é, que o art.1292º CC remete para o regime da suspensão
e da interrupção do prazo da prescrição, nos arts.318º e 323º e segs. CC.
Além disso, a lei manda ainda aplicar algumas disposições do regime
da prescrição: arts.300º, 302º, 303º e 305º CC.
A usucapião apresenta, então, algumas semelhanças com a figura da
prescrição, como aliás se nota na realização de um estudo histórico daquela
figura, no qual o primeiro aspecto particular a que se poderia atender seria
na própria designação: ela era conhecida como “prescrição aquisitiva”.

114
Direito das Coisas FDUP

Regime da prescrição:
 Art.300º CC → os prazos da usucapião são prazos imperativos,
sendo nulos quaisquer actos ou negócios que visam reduzir ou
aumentar os prazos da usucapião.

 Art.302º CC → os actos de renúncia à prescrição são nulos, a não


ser que o prazo já tenha decorrido.

 Art.303º CC → a usucapião, para ser eficaz, tem de ser invocada,


judicial ou extrajudicialmente, por aquele a quem aproveita.

 Art.305º CC → a prescrição aquisitiva é invocável pelos credores


ou terceiros que nisso tenham interesse, ainda que o devedor a ela
tenha renunciado.

Suspensão do prazo:
Verificada qualquer uma das causas que levam à suspensão do prazo
para usucapir, esta dá origem a uma paralisação do prazo e, por isso, se já
tiver decorrido algum, este não fica inutilizado, apenas não continua a
correr.

Tipos de suspensão:
a) de início → as causas da suspensão verificam-se
simultaneamente ao início da posse. Exemplo: art.318º a) CC
– “…não começa…” – se um cônjuge é titular do direito e o

115
Direito das Coisas FDUP

outro é possuidor, o prazo suspende-se (não começa a correr)


enquanto durar o matrimónio. Daí que no momento em que
um dos cônjuges adquire a posse de um bem de que o outro
era titular, o prazo suspende-se de início.
b) de curso → as causas da suspensão verificam-se durante o
exercício da posse. Exemplo: art.318º a) CC – “…nem
corre…” – se A tem a posse e, posteriormente, se casa com B,
que é o titular do direito, o prazo suspende-se.
c) de termo → as causas da suspensão verificam-se quando o
prazo de usucapião terminou, mas não venceu por ainda não se
encontrar cumprida determinada exigência da lei. Exemplo,
art.320º nº1 2ª parte CC – “…sem ter decorrido um ano…”.

Suspensão a favor de menores (art.320º nº1 CC):


Se o menor não tiver representante, ele está incapacitado de defender
o seu direito real, pelo que, nestas circunstâncias, o prazo da usucapião não
começa a correr.
O prazo da usucapião só começará a correr quando o menor tiver
representante legal.
Quando o menor tiver representante, a usucapião (mesmo que o prazo
já se tenha vencido) não produz efeitos enquanto não decorrer um ano após
o termo da incapacidade, ou seja, até um ano depois de o menor atingir a
maioridade ou adquirir a sua emancipação. A lei estabelece este prazo para
permitir ao menor acautelar os seus direitos no caso do seu representante
não ter sido zeloso na defesa dos interesses do menor.

116
Direito das Coisas FDUP

Trata-se de uma suspensão de termo, pois apesar de o prazo já ter


terminado, a lei impõe ainda uma última exigência: que a incapacidade
esteja finda e que tenha decorrido um ano após o termo dessa incapacidade.
O menor dispõe, por esta razão, de um prazo alargado para intentar a
acção de reivindicação para fazer valer o seu direito real sobre a coisa que
está na posse de outrem.

Suspensão a favor de interditos e inabilitados (art.320º nº3 CC):


Nestes casos há uma diferença de tratamento face aos menores. É que
enquanto que a menoridade cessa sempre com a maioridade ou com a
emancipação, sem mais (art.129º CC), a interdição e a inabilitação
necessitam de uma sentença judicial que decrete o levantamento da
incapacidade (art.151º e 155º CC), pelo que estão sujeitas a um prazo de
cessação indefinido, podendo mesmo não chegar a cessar.
Não obstante, para efeitos de suspensão do prazo da usucapião, o
art.320 nº3 CC equipara o interdito e o inabilitado ao menor, com algumas
ressalvas.
Assim, enquanto o interdito/inabilitado não tiver representante, o
prazo não corre.
Quando o interdito/inabilitado tiver representante, a usucapião não
produz efeitos enquanto não decorrer um ano após o termo da incapacidade.
Ou seja, após o termo da incapacidade, o interdito/inabilitado têm ainda um
ano para fazer valer o seu direito real, podendo intentar uma acção de
reivindicação para recuperar a coisa que está na posse de outrem. Findo
esse ano, a usucapião produz os seus efeitos e o possuidor adquire o direito
real sobre a coisa.

117
Direito das Coisas FDUP

Porém, se a interdição/inabilitação não for levantada antes de


decorrido o prazo necessário para usucapir, a lei ficciona o termo da
incapacidade decorridos três anos após o termo do prazo da usucapião. A
estes três anos terá depois que se acrescentar o prazo de um ano previsto no
nº1 do art.320º CC, pelo que, nestes casos, só quatro anos após o termo do
prazo da usucapião é que ela produz os seus efeitos.

Interrupção do prazo:
Verificada qualquer uma das causas que leva à interrupção do prazo
para usucapir, esta dá origem à inutilização do prazo. Cessando o efeito
interruptivo, começa a contar-se um novo prazo (art.326º nº1 CC).
Título II – Ordenação dominial definitiva

Capítulo I – Princípios constitucionais dos direitos reais

Ao contrário do que é sugerido pela designação, os princípios


expostos neste capítulo não têm qualquer matriz jurídico-constitucional,
nem sequer é possível encontrá-los na Constituição da República
Portuguesa.
Eles pretendem traduzir um conjunto de regras e princípios
orientadores da constituição, transmissão e extinção de direitos reais.
Tratam-se dos princípios fundamentais que dominam a constituição e a vida
deste ramo do direito.
Estes princípios, estas ideias gerais, podem ter as mais diversas
determinantes. Com efeito, eles podem assentar em razões político-

118
Direito das Coisas FDUP

ideológicas, históricas ou económicas, em considerações racionais, éticas


ou morais ou, ainda, em razões de técnica jurídica.
Porém, estes princípios não são necessariamente infrangíveis. Eles
também esbarram nalgumas excepções. Tanto assim que alguns são de
validade absoluta e outros limitam-se a exprimir tendências.

Ora, como ramo do Direito Privado do nosso ordenamento jurídico, os


direitos reais e os seus princípios enformadores têm subjacentes a si alguns
pressupostos. Destes, cite-se desde logo o do reconhecimento da
propriedade privada, autêntica trave-mestra do nosso ordenamento jurídico-
privado.
O reconhecimento da propriedade privada, a concessão aos
particulares da propriedade é um princípio de Direito Privado que assenta
numa consideração ideológico-política. Trata-se de uma opção político-
ideológica correspondente a uma determinada concepção do mundo e da
vida no que toca à organização da sociedade (repare-se que este ponto
marca a grande diferença entre os regimes capitalistas e os regimes
socialistas da ex-União Soviética).
Feita esta opção, em execução dela é lançado todo um sistema de
direitos reais.
Edificado nesta base, concorrem na constituição e na vida deste
sistema de direitos reais determinados princípios que assentam nas razões já
indicadas.
Quer isto dizer que, sendo os direitos reais um ramo do direito
privado, por trás de todo esse sistema de direitos reais (de todas as normas e
princípios inerentes que se encontram plasmados no Livro III do CC e que

119
Direito das Coisas FDUP

assentam em múltiplas razões) se encontram determinados pressupostos que


constituem autênticos princípios do direito privado, que ressaltam de opções
político-ideológicas. Destes princípios de direito privado, destaca-se para
efeitos do direito das coisas o princípio da autonomia privada, enquanto
reconhecimento da propriedade particular.

Na determinação destes princípios orientadores da constituição e da


vida dos direitos reais deve atender-se à anatomia dos direitos reais. Esta
metodologia permite-nos distinguir, no seio destes direitos, um lado interno
(o conteúdo do direito real enquanto conjunto de poderes) e um lado
externo (protecção/garantia conferida ao titular do direito real).
Por esta razão, é possível encontrar princípios ligados ao lado interno
(relacionados com a coisa em si e com os poderes ou faculdades que sobre
ela podem ser exercidos) e princípios ligados ao lado externo (relacionados
com a obrigação passiva universal e com a eficácia erga omnes dos direitos
reais).

A – PRINCÍPIOS LIGADOS AO LADO INTERNO (conteúdo do


direito real):
1. Princípio da Coisificação
2. Princípio da Actualidade
3. Princípio da Especialidade
4. Princípio da Compatibilidade
5. Princípio da Elasticidade

120
Direito das Coisas FDUP

B – PRINCÍPIOS LIGADOS AO LADO EXTERNO (garantia do


direito real):
1. Princípio da Taxatividade ou numerus clausus
2. Princípio da Causalidade
3. Princípio da Consensualidade
4. Princípio da Publicidade

A – Princípios ligados ao lado interno

1. Princípio da coisificação

O direito real versa sobre coisas corpóreas e coisas incorpóreas (cfr.


Classificação das coisas).
Muito embora o art.1302º CC pareça restringir o objecto do direito de
propriedade às coisas corpóreas, também as coisas incorpóreas podem ser
objecto de direitos reais. Aliás, o próprio CC contém normas em que
reconhece tal facto. Por exemplo:
− Art.1303º → refere-se à propriedade intelectual que
compreende os direitos de autor e a propriedade industrial.
Estatui o nº2 que as disposições do CC e, em particular, as do
direito de propriedade (que é onde se encontra
sistematicamente o artigo) são aplicáveis subsidiariamente a
estes direitos, sempre que se harmonizem com a sua natureza
e não contrariem o seu regime especial.

121
Direito das Coisas FDUP

− Arts.94º nº3, 1682º - A e 1938º → tratam o estabelecimento


comercial como objecto de negócios, de forma a que seja
objecto de domínio.
− Os já falados casos dos direitos sobre direitos → penhor –
art.679º; casos de hipoteca – art.688º; usufruto – art.1439º.

2. Princípio da actualidade

Art.408º nº2 CC: “Se a transferência respeitar a coisa futura (…) o


direito transmite-se quando a coisa for adquirida pelo alienante (…)”.

Ficou já definido supra, a
respeito da classificação das coisas, o que são coisas futuras.
Diz a lei que só há direitos reais sobre coisas presentes e que já
existam e estejam no poder do alienante e, por isso, não há direitos reais
sobre coisas futuras.
Os negócios translativos ou constitutivos de direitos reais que tenham
por objecto uma coisa futura são válidos, mas apenas produzem efeitos
obrigacionais (do lado passivo gera a obrigação do alienante de realizar
todos os esforços para adquirir o bem e do lado activo a expectativa jurídica
do adquirente de ter o bem).
Só quando a coisa se torna presente (entra no património do alienante)
é que se transfere automaticamente para a esfera jurídica do adquirente,
tornando-se este imediatamente seu titular.
O mesmo negócio que só produzia efeitos obrigacionais passa a
produzir efeitos reais, transferindo-se o direito real para o adquirente.

122
Direito das Coisas FDUP

O princípio da actualidade não admite derrogações face às coisas


absolutamente futuras, mas já as admite no caso de coisas relativamente
futuras (por exemplo, nos termos do art.243º e 291º CC, no caso de
protecção de terceiros de boa-fé).
Note-se que não se deve confundir o regime da venda de coisas
futuras com o regime da venda de coisas alheias. Coisa futura e coisa alheia
não se referem à mesma problemática.

3. Princípio da especialidade

Art.408º nº2 CC: “Se a transferência respeitar a coisa (…)


indeterminada, o direito transfere-se quando a coisa for determinada com o
conhecimento de ambas as partes, sem prejuízo do disposto em matéria de
obrigações genéricas e do contrato de empreitada; se, porém, respeitar a
frutos naturais ou a partes componentes ou integrantes, a transferência só se
verifica no momento da colheita ou separação.”

Significa este princípio que só há direitos reais sobre coisas certas e
determinadas, isto é, sobre coisas individualizadas. É que só pode haver o
direito de excluir todos (só há uma obrigação passiva universal) em relação
a uma coisa, se esta for certa e determinada. Não podem, por isso,
constituir-se direitos reais sobre coisas não individualizadas ou
indeterminadas.

Dentro deste contexto também se acentua um outro aspecto que não


constitui senão um outro lado da mesma realidade: é que os direitos reais

123
Direito das Coisas FDUP

são únicos, no sentido de que o direito real que incide sobre uma coisa não é
o mesmo que incide sobre outra coisa. Será porventura igual, mas não será
certamente o mesmo. Ora, isto não é mais do que um corolário da ideia de
que os direitos reais têm por objecto coisas certas e determinadas, coisas
individualizadas.

Esta é uma característica dos direitos reais que os distinguem dos


direitos de crédito, na medida em que, nestes, a prestação pode ter por
objecto uma coisa determinada apenas pela sua referência a um tipo ou a
um género e por uma certa quantidade. Assim, por exemplo, a obrigação de
entregar x pipas de vinho, sem que se saiba se será esta ou aquela que será
entregue (trata-se aqui de uma obrigação genérica). O objecto da prestação
não tem que se encontrar determinado ao momento da constituição da
obrigação.
Ao invés, o objecto de direitos reais tem que se encontrar
individualizado quando aqueles se constituem, dado que, de outra forma,
não poderiam existir os direitos de sequela e de preferência. Para que estes
existam é, portanto, necessário que os direitos reais incidam sobre coisas
certas e determinadas.

Por outro lado, atente-se que este princípio da especialidade não


exclui, todavia, a possibilidade de se constituírem direitos reais sobre coisas
colectivas, nomeadamente coisas compostas e universalidades. O facto de
os direitos reais terem como objecto coisas certas e determinadas, coisas
individualizadas, não é incompatível com a possibilidade de o seu objecto
ser uma coisa composta ou uma universalidade. Isto porque a

124
Direito das Coisas FDUP

universalidade (aceitando-se a teoria unitária – cfr. Introdução, Cap. I, 7.e)


Universalidades de facto e de direito) ou a coisa composta são, elas
próprias, uma forma de determinação ou de individualização. A coisa não
deixa, assim, de ser certa e determinada ou individualizada pelo facto de ser
constituída por uma pluralidade de coisas simples. Continua a ser na mesma
coisa determinada, cujos limites estão traçados em termos cognoscíveis.

Há, desta sorte, que atender a duas realidades:


1. Não há direitos reais sobre coisas genéricas (coisas definidas pela
quantidade ou qualidade) – só há direitos reais quando se dá a
concentração (art.541º CC – regime das obrigações genéricas) ou a
escolha (art.543º CC – regime das obrigações alternativas).
2. Não há direitos reais sobre coisas individualizadas do ponto de
vista físico ou material, mas que não o estão do ponto de vista
jurídico (partes componentes, partes integrantes, universalidades –
sempre que se aceite a teoria unitária –, frutos naturais; não se
incluem aqui as partes acessórias, uma vez que estas são coisas
individualizadas quer do ponto de vista físico quer do ponto de
vista jurídico e, nesse sentido, têm autonomia jurídica).
Assim:
 Elas seguem o mesmo destino jurídico que as coisas
principais com que estão fisicamente conexionadas e o direito
que recai sobre a parte principal recai também sobre elas. As
coisas principais, componentes e integrantes têm um destino
unitário.

125
Direito das Coisas FDUP

 No que toca às partes integrantes, enquanto não forem


separadas fisicamente ou individualizadas, não podem ser
objecto autónomo de direitos reais. Quanto às partes
componentes, elas não podem ser separadas ou
individualizadas, pois esse processo implicaria a destruição
total ou parcial da coisa ou tornaria a coisa incompleta ou
imprópria para o uso a que se destina. Daí que as partes
componentes seguem sempre e inevitavelmente o destino
unitário da coisa.
 Enquanto não se der a separação, qualquer negócio jurídico
sobre uma destas coisas só produz efeitos obrigacionais (do
lado activo, a expectativa jurídica do adquirente de adquirir a
coisa e, do lado passivo, o dever do alienante de fazer a
separação). Só depois da separação, é que o negócio produz
automaticamente efeitos reais, transferindo-se para o
adquirente o domínio do bem.

A ideia de destino jurídico único da parte componente conexa com a
coisa principal tem várias repercussões, nomeadamente no âmbito do
regime da acessão. Esta circunstância (a acessão) possibilita ao dono do
prédio que assim foi aditado adquirir a propriedade sobre aquilo que lhe foi
acrescentado, por facto natural ou por indústria do homem, regime que
representa um corolário da tal ideia que tem vindo a ser afirmada: a de que
“o direito real alcança a totalidade da coisa”.

126
Direito das Coisas FDUP

 Acessão natural → o direito que recai sobre a coisa principal recai


também sobre as coisas que com ela se conexionam (arts.1327º,
1329º e 1331º CC).
 Acessão industrial mobiliária → quando a acessão é feita de boa-fé,
o legislador estabelece o critério do maior valor – o proprietário do
bem com maior valor é aquele que fica com o bem final (art.1333º
CC). Quando é de má-fé, vigora a regra da prevalência do direito
sobre o objecto enriquecido.
 Acessão industrial imobiliária → vale a regra da primazia do solo.
Em princípio, o titular do prédio rústico passa a ter o domínio sobre
os bens imóveis incorporados no solo (art.1339º CC). Porém,
quando alguém de boa-fé construir, plantar ou semear e trouxer ao
prédio um valor superior (mais do dobro) que aquele que ele tinha,
o autor da incorporação pode adquirir a totalidade do prédio,
prevalecendo aqui a regra do maior valor (art.1340º nº1 CC). Se a
incorporação for de má-fé, vigora o princípio da primazia do solo
(art.1341º CC). Quanto a hipóteses de prolongamento de edifício
em terreno alheio subjaz o princípio do maior valor (art.1343º CC).

Excepções ao princípio da especialidade:


→ Compropriedade → neste caso, sobre o bem, incide uma quota
ideal determinada. Contudo, o objecto da quota não é determinado e daí que
o direito está determinado, mas o objecto não (art.1403º CC).
→ Propriedade horizontal → aqui há: 1 – um direito de comunhão
sobre as partes comuns (direito que abrange o solo, que é parte principal); 2

127
Direito das Coisas FDUP

– um direito de propriedade autónomo e distinto das fracções. O direito


sobre o solo não se estende às partes componentes (art.1414º CC).
→ Desmembramento do objecto → minas, árvores e pedreiras
consideram-se separadas do solo em que se situam. Há uma divisão jurídica
do bem em dois e sobre cada bem recaem direitos diferentes: um direito
sobre o solo e outro sobre as minas, árvores e pedreiras.
→ Direito de superfície e de propriedade superficiária → também aqui
há uma divisão jurídica do bem. Distingue-se o direito sobre o solo e o
direito sobre a propriedade superficiária. O direito que recai sobre o solo
não se estende às plantações e edifícios que, em abstracto, seriam partes
integrantes do solo, mas que, em concreto, se separam do solo (art.1524º
CC).
→ Servidões prediais → quando impliquem a realização de obras no
prédio serviente (art.1566º CC), as obras realizadas pelo proprietário do
prédio dominante não pertencem ao titular do prédio serviente, mas do
prédio dominante. Daí que o direito sobre o que se constrói não se estende
ao solo em que se constrói, nem o direito ao solo se estende às construções
nela realizadas (art.1543º CC). É uma excepção, porque o direito sobre a
coisa principal não se alarga às coisas que se incorporam à coisa principal.

4. Princípio da compatibilidade

128
Direito das Coisas FDUP

Só pode existir um direito real sobre um bem, na medida em que seja


compatível ou não conflituante com outro direito real que recaia sobre o
mesmo bem. Se o direito real pressupõe uma reserva, não pode existir um
direito conflituante.
Porém, tal não impede que exista todo um conjunto de direitos reais
sobre o bem, desde que tenham conteúdo diferente ou tendo o mesmo
conteúdo, pela especial natureza desses poderes, possam coexistir.
Assim, conseguimos estabelecer várias configurações da coexistência
de direitos reais sobre o mesmo objecto:
 Direitos reais de natureza diferente → podem coexistir direitos
reais de gozo, direitos reais de aquisição e direitos reais de
garantia. Embora sejam abstractamente incompatíveis, eles
podem coexistir.
 Direitos reais com a mesma natureza, mas com conteúdo
diferente → por exemplo, podem coexistir vários direitos reais
de gozo sobre o mesmo objecto, desde que tenham um conteúdo
diferente: direito de propriedade e direito de usufruto.
 Direitos reais com a mesma natureza e com o mesmo conteúdo
→ é possível coexistir vários direitos reais de garantia ou vários
direitos reais de aquisição, mesmo que tenham o mesmo
conteúdo, desde que haja entre eles uma graduação: um credor
tem um direito de preferência no pagamento de um crédito e, por
isso, se o valor do bem hipotecado se esgotar na liquidação da
dívida do credor que tem a preferência, os restantes credores
perdem a sua garantia. Mas se o credor que tem a preferência
ficar completamente ressarcido e a coisa ainda tiver valor, esse

129
Direito das Coisas FDUP

valor restante satisfaz, de acordo com a graduação, os restantes


credores.
Pode também haver concurso entre direitos reais de aquisição e
direitos reais de garantia.

5. Princípio da elasticidade

O direito de propriedade, por excelência, tem uma estrutura elástica


que lhe permite sofrer contracções sem que tal gere uma mutação deste
direito.
Isto implica que os direitos reais menores se constituam à custa de
uma contracção do direito de propriedade, não provocando, contudo, a sua
extinção, mas apenas a sua limitação.
Quer isto dizer que no que respeita a este princípio se entende que os
direitos reais limitados, os tradicionalmente chamados “jura in re aliena” –
o usufruto, a servidão, o direito de superfície, o direito de uso e habitação –
oneram, restringem, limitam a propriedade. Sempre que estamos perante um
direito real limitado, concorrem dois direitos sobre o mesmo objecto: o
direito de propriedade e o direito real limitado a certas utilidades da coisa.
Por exemplo, no usufruto, há um usufrutuário e há um proprietário de raiz;
na servidão, há um direito de servidão sobre o prédio e há a propriedade
sobre o prédio. Patenteia-se nestes casos uma concorrência de direitos.
Extinto o direito real menor, o direito de propriedade expande-se
novamente, recuperando a plenitude da sua compreensão e do seu conteúdo,
reconstituindo-se desta forma a plena propriedade.

130
Direito das Coisas FDUP

Todo o direito real tende a abranger o máximo das faculdades que o


seu conteúdo permite, isto é, tende a expandir-se ao máximo dessas
faculdades. Há, então, como que uma força expansiva do direito de
propriedade, desencadeada pela extinção dos direitos reais que a limitavam,
surgindo-nos aí a figura da aquisição originária, derivada ou restitutiva.
Qualquer constituição de um direito real menor ocorre através da
aquisição derivada constitutiva, o que implica uma contracção do direito
progenitor.
A aquisição derivada restitutiva permite que o direito real se expanda
novamente.
Não admitem contracções ou onerações aqueles direitos cujo conteúdo
permite a sua utilização apenas pelo seu titular: direitos reais de garantia e
direitos reais de aquisição. Há também alguns direitos reais de gozo que não
permitem estas contracções:
− Uso e habitação → tem um carácter intuitus personae, pelo que
não pode ser alvo de contracções ou onerações.
− Servidões → qualquer oneração podia levar a que, em caso de
incumprimento, um terceiro que não o titular do prédio
dominante pudesse adquirir um direito que não tenha por base a
predialidade (art.1543º CC).

B – Princípios ligados ao lado externo

1. Princípio da taxatividade ou numerus clausus

131
Direito das Coisas FDUP

Art.1306 CC: os direitos reais apresentam-se em figuras pré-


determinadas na lei. Este princípio implica que não possam constituir-se
direitos reais que se não enquadrem dentro de um daqueles tipos de que a
lei faz menção expressa e com um conteúdo que não seja aquele que a lei
lhes atribui.
Nestes termos, a taxatividade abrange não só o tipo, mas também o
conteúdo destes direitos reais.
Assim, apesar desta predefinição, os tipos não são forçosamente
fechados, isto é, o facto de só se poderem adoptar estes direitos reais não
quer dizer que a lei fixe absolutamente o conteúdo desses direitos. De facto,
as partes têm alguma liberdade para modelar este conteúdo de acordo com o
seu livre alvedrio, desde que não violem os limites externos de cada tipo de
direito real (por exemplo, as servidões podem ter como objecto qualquer
utilidade – art.1543º e 1544º CC).
Quanto aos negócios constitutivos de direitos reais não há princípio da
taxatividade. Eles são negócios obrigacionais (com eficácia real).
Exceptuam-se os casos previstos no art.457º e segs. CC, que respeitam aos
negócios unilaterais.

Razões que justificam a taxatividade dos direitos reais:


1) Mecanismo de segurança e certeza jurídica (os direitos reais, na
medida em que são organizadores das infra-estruturas económicas
e definidoras do regime de bens, devem ser pré-fixadas pela lei
como mecanismo de resguardo de segurança e certeza jurídica do
modo de organização destes).

132
Direito das Coisas FDUP

2) Natureza absoluta dos direitos reais. Trata-se de um mecanismo


que visa impedir as pessoas de criarem direitos reais que
contornem o seu carácter absoluto.
3) Evitar conflitos que surgissem com a criação livre de direitos reais
entre os titulares desses direitos reais. Estão em causa interesses de
ordem pública e paz social, que, por tal, se compreende serem
regulados imperativamente pela lei.
4) Este princípio impede uma proliferação de direitos reais que se
pretendem evitar por várias razões. Referimo-nos aqui à criação de
direitos reais ocultos e à criação de direitos reais característicos de
uma estrutura feudal da propriedade. Ora, a criação destes direitos
reais é desvantajosa de um ponto de vista económico, na medida
em que os primeiros podem suscitar confluência de direitos sobre a
mesma coisa ou serem fontes de discórdia e os segundos, por
implicarem a existência de vários direitos reais distintos sobre o
mesmo objecto, nunca poderem ser explorados tão intensiva e
eficazmente como aqueles que se encontrem numa situação de
exploração exclusiva ou de apropriação por uma só pessoa.

Crítica:
A livre criação de direitos reais permite um melhor aproveitamento da
riqueza dos bens.

Se de jure constituto se consagra o princípio da taxatividade,


tipicidade ou numerus clausus (art.1306º CC), de jure constituendo, as
opiniões na doutrina não são uniformes. Autores como Oliveira Ascensão

133
Direito das Coisas FDUP

ou Philip Heck, civilista alemão, entendem ser mais razoável vigorar o


princípio do numerus abertus dos direitos reais. Argumentam, no fundo,
com o interesse da espontaneidade social, uma vez que o princípio da
tipicidade pode conduzir a um desfasamento entre os esquemas legais e a
vida prática.
Porém, a opinião mais consolidada e que encontra defensores em
Mota Pinto e Orlando de Carvalho, postula a vigência do princípio da
tipicidade ou do numerus clausus neste domínio, com base nas razões acima
apontadas.
Esta divergência doutrinal reflecte-se na adopção pelos vários
sistemas jurídicos de um princípio ou de outro. É que se no nosso sistema se
segue a doutrina maioritária e se adopta o princípio do numerus clausus
(art.1306º CC), na maior parte dos regimes não vigora este princípio, mas
um regime meramente indicativo (que se funda no princípio da atipicidade
ou numerus abertus), já que as partes podem adoptar ou não os direitos
reais previstos expressamente na lei com o conteúdo fixado pela lei ou não.
Não obstante, na prática, este sistema redunda sempre na aplicação do
elenco tipificado e fechado na lei, procedendo somente a algumas
combinações das figuras que já previstas. Daí que esta questão não seja
muito pragmática, já que, na prática, há um sistema de taxatividade, pois os
direitos reais tipificados traduzem a lógica de domínio e de plena
apropriação, pelo que num regime de livre apropriação e tendo em conta
esta lógica, a apropriação de um bem tende a excluir, na prática, outras
formas de domínio.

134
Direito das Coisas FDUP

Se as partes adoptarem outros tipos de direitos reais não previstos na


lei ou cujo conteúdo extravase o limite externo dessa figura, impõe-se a sua
nulidade, pois o art.1306º CC é uma lei imperativa (art.294º CC).
É ainda possível a conversão do negócio nulo num negócio válido
(art.293º CC), com vista o aproveitamento desse negócio nulo. Exigem-se
dois requisitos para que se possa verificar a conversão (de acordo com o
regime geral):
− O negócio inválido tem que conter os requisitos de forma e de
substância do negócio a converter (art.293º 1ª parte CC).
− A vontade hipotética das partes em converter o negócio nulo
num negócio válido.

O legislador presumiu esta vontade hipotética das
partes na 2ª parte do nº1 do art.1306º CC, facilitando-se assim a conversão.
Assim, só é necessário provar que os requisitos de forma e substância do
negócio inválido são suficientes para converter o negócio nulo num negócio
válido. Visa-se com isto facilitar a constituição de um direito de natureza
obrigacional, quando há dificuldade de prova pelas partes. Como há uma
analogia de interesses entre direitos reais e direitos de crédito, a pessoa em
nome da qual iria ser constituído um direito real, desde que usufrua da coisa
através de um direito obrigacional, está favorecido.
Contudo, esta presunção só é aplicável às restrições aos direitos reais e
já não às figuras parcelares:
− Restrições aos direitos reais → Verifica-se a contracção do
direito real, surgindo na sua sequência um direito real que
desvirtua a natureza do direito de propriedade.

135
Direito das Coisas FDUP

− Figuras parcelares → Com a revogação da figura da enfiteuse


já não há nenhuma figura parcelar na lei. Na enfiteuse previa-
se um desmembramento do direito de propriedade, criando-se
com esse desmembramento dois direitos autónomos: o direito
do senhorio (domínio directo) e o direito do enfiteuta
(domínio útil).

2. Princípio da causalidade

É o princípio à volta do qual se conforma o regime de constituição e


transmissão dos direitos reais.
Todo o direito real é causado pelo acto através do qual se manifesta a
vontade de constituir ou transmitir um direito real.

Tem de ser incontestável, pois o
direito só terá eficácia erga omnes se for um direito adquirido regularmente.

Um direito é incontestável se:
− A aquisição for regular.
− A aquisição for indiscutível face a terceiro.

Não tem que haver uma coincidência entre o interesse da regularidade
e o interesse da indiscutibilidade. Pode haver aquisição do direito
independentemente da validade/regularidade do título. Por exemplo, na
usucapião. São situações em que o sistema jurídico dá prevalência ao acto

136
Direito das Coisas FDUP

de transmissão de um bem em detrimento do acto de manifestação da


vontade.

Título → acto através do qual se transmite ou adquire direitos reais.

Sistemas de articulação entre o interesse da regularidade e o interesse


da indiscutibilidade:
1) Sistema do título
2) Sistema do modo
3) Sistema do título e do modo

Título → toda a causa ou fundamento jurídico que justifica a


atribuição dos direitos reais. É o acto em que se manifesta a vontade de
adquirir e transmitir o direito real.

Modo → acto de execução do título; acto pelo qual se concretiza ou se


realiza a constituição ou transmissão do direito real. Há três espécies de
modo: tradição; registo; notificação.

1) Sistema do título (caso português)


A transmissão do direito real é uma consequência legal do acto em
que se manifesta a vontade de transmitir e adquirir, isto é, é uma
consequência do título.
A estabilidade do direito real está dependente da regularidade do
título.

137
Direito das Coisas FDUP

Assenta no interesse da regularidade (o registo e a traditio não têm


efeitos constitutivos do direito real).
O título produz efeitos reais e obrigacionais.

2) Sistema do modo (caso alemão)


A produção do efeito real, relativamente a bens móveis, dá-se com a
entrega da coisa (traditio) e, relativamente aos bens imóveis, dá-se
com o registo.
Não interessa aqui o acto de transmissão ou aquisição do direito real.
O que é decisivo é a entrega dos bens ou o registo da aquisição.
Antes da traditio dos bens ou do registo, há um contrato em que se
manifesta a vontade de transmitir ou adquirir, mas deste contrato não
resultam efeitos reais, só efeitos obrigacionais.
É com a traditio (entrega do bem) e com o registo que se realiza o
direito real. Não se atende à regularidade da transmissão.
Há uma prevalência do interesse da indiscutibilidade face ao interesse
da regularidade (este interesse esgota os seus efeitos no âmbito
obrigacional).

3) Sistema do título e do modo (caso espanhol)


O título por si só é insuficiente. Exige-se também o modo.
Para a transmissão dos bens móveis é necessário o negócio com
efeitos reais e a tradição (a entrega da coisa).
Para os bens imóveis serem transmitidos é necessário o negócio real e
a inscrição no registo.

138
Direito das Coisas FDUP

Assentam quer no interesse da regularidade do título, quer no interesse


da indiscutibilidade do modo.

Excepções:
1) Sistema do título:
− Há casos em que além da regularidade é necessário a
transmissão, sendo nesses casos um sistema de título e de
modo (ex. transmissão de bens móveis sujeitos a registo).
− No caso de usucapião é possível adquirir independentemente
da boa-fé.
− É possível, em certos casos, adquirir quando o título não é
válido (ex. casos de protecção de terceiros de boa-fé e casos
de terceiro para efeitos de registo).
2) Sistema do modo: quando o acto de atribuição do bem, que
antecede a traditio (a entrega do bem) ou o registo for inválido,
gera-se a obrigação de restituição ao abrigo do enriquecimento sem
causa.
3) Sistema do título e do modo: há casos em que não se exige os dois
requisitos da regularidade do título e da indiscutibilidade do modo,
uma vez que se admitem tradições implícitas (tradição ficta;
traditio brevi manu; constituto possessório).

Regularidade do título:
Tem que ter em conta os vícios que geram a nulidade e/ou anulação
(invalidade).

139
Direito das Coisas FDUP

Para o título ser regular a causa que lhe dá origem e, por inerência, o
próprio título, tem que ser existente, válido e procedente (art.408º nº1 CC).
A transmissão e a aquisição do título dependem da sua regularidade, isto é,
da sua existência, validade e procedência (os negócios sobre coisas futuras
ou indeterminadas não procedem).

O contrário do princípio da causalidade é o princípio da abstracção.



Princípio informador do sistema modo. A transmissão do bem abstrai-
se da validade do título.

Sistema do título ↔ Princípio da causalidade


Sistema do modo ↔ Princípio da abstracção

Há casos, não obstante o sistema português assentar na regularidade


do título, em que se dá prevalência aos interesses do adquirente em prejuízo
dos interesses da transmissão, o que constitui um desvio à regra geral de
protecção do transmitente. Assim, o interesse da regularidade é sacrificado
face ao interesse da indiscutibilidade. Contudo, estas são situações
excepcionais e que não constituem manifestações do princípio da
abstracção. São três os casos:
− Terceiros adquirentes de boa-fé (protegidos pelos arts.243º e
291º CC).
− Primeiro adquirente de boa-fé, no caso de venda de coisa
alheia (art.892º CC).
− Terceiros para efeitos de registo.

140
Direito das Coisas FDUP

O vício nestes casos traduz-se na falta de legitimidade do transmitente.

Além destes casos, há outros em que não prevalecendo um interesse


sobre o outro, exige-se quer a regularidade do título quer a indiscutibilidade
do modo (por exemplo, transmissão de coisas móveis sujeitas a registo).

3. Princípio da consensualidade

Previsto no art.408º nº1 CC – os contratos de constituição ou de


alienação de direitos reais sobre coisa certa e determinada produzem o
efeito real ex contractu, isto é, por mero efeito do contrato.
Significa isto que celebrado o acto constitutivo ou translativo do
direito real, a constituição ou a transmissão dá-se por mero efeito do
contrato, não sendo necessário qualquer acto adicional para a produção de
efeitos, que se produzem solo consensu. A atribuição de efeitos depende só
do acordo de vontades entre as partes, do negócio de alienação do título.
Inversamente ao exigido noutros sistemas (por exemplo, o sistema
alemão), não se torna necessária a tradição da coisa para a transferência de
um direito real sobre móveis, nem se exige para os imóveis outro acto,
bastando o contrato – o contrato constitutivo ou translativo de direitos reais
– para que estes se constituam ou se transfiram. Basta, para esse efeito, o
consenso no contrato.
Nesses outros sistemas, como o alemão (como se exemplificou), as
coisas passam-se de maneira diferente. Aí um contrato de compra e venda
só tem uma eficácia obrigacional, mas não transfere logo a propriedade. Por
força dele, o comprador tem apenas o direito a exigir a entrega da coisa

141
Direito das Coisas FDUP

(móveis) ou que se pratique um acto de inscrição do negócio (imóveis) para


se produzir o efeito real.
Entre nós não é assim. O direito real está ligado ao próprio contrato,
mesmo que a coisa continue na posse do vendedor e, quanto aos imóveis,
independentemente de registo, que é só condição de eficácia em relação a
terceiros.

Porém este princípio pode ter outro sentido. Dizem-se consensuais os


negócios que não carecem, para a sua eficácia, de formalismo especial;
aqueles negócios que podem realizar-se por qualquer das formas que as
declarações de vontade possam revestir.
Neste sentido, aos negócios consensuais opõem-se os negócios
formais. Nesta perspectiva não se poderia dizer que vigorasse no domínio
dos direitos reais o princípio da consensualidade, pois pelo menos para os
negócios sobre imóveis é exigido um formalismo especial (a lei exige
escritura pública para estes negócios).
Ou seja, com base neste princípio, o acordo entre as partes pode ser
formalizado ou não, salvo se for exigida forma escrita, caso em que tem que
ser necessariamente formalizado.
Posto isto, não é esta acepção que tomamos em conta ao falar em
princípio da consensualidade. O sentido com que aqui utilizamos esta
expressão visa pôr em relevo que se podem constituir ou transferir direitos
reais sobre coisa certa e determinada por mero efeito do contrato, sem
necessidade de um acto posterior que venha acrescer ao negócio jurídico.

142
Direito das Coisas FDUP

Desvios (situações em que para além do acordo é preciso um acto


ulterior):
− Art.947º nº2 CC: “A doação de coisas não depende de
formalidade alguma externa, quando acompanhada de
tradição da coisa doada; não sendo acompanhada de tradição
da coisa, só pode ser feito por escrito.”
− Art.681º nº2 CC: Quando o penhor de direitos tiver por
objecto um crédito, ele só produz os seus efeitos desde que
seja notificado ao respectivo devedor, ou desde que este o
aceite, salvo tratando-se de penhor sujeito a registo, pois neste
caso produz os seus efeitos a partir do registo.
− Art.669º nº1 CC: Na constituição do penhor, ele “só produz
os seus efeitos pela entrega da coisa empenhada, ou de
documento que confira a exclusiva disponibilidade dela, ao
credor ou ao terceiro”.
− Art.687º CC: A hipoteca tem que ser registada, já que sem o
registo, a constituição não é válida.

4. Princípio da publicidade

Este princípio implica que a constituição ou transmissão de qualquer


direito real deve revestir notoriedade, ser acessível ao conhecimento geral.
Significa isto que o direito real tem que ser conhecido. É que a
eficácia erga omnes dos direitos reais exige que eles sejam conhecidos ou,
pelo menos, que sejam cognoscíveis pelas pessoas que afectam: os
terceiros.
143
Direito das Coisas FDUP

Entre as partes intervenientes não há qualquer regime que exija a


publicidade, pois ela não se justifica. O acto é, por definição, conhecido dos
intervenientes (exceptuam-se os casos de hipoteca – art.687º CC – em que o
registo é sempre condição de eficácia, mesmo inter partes).

Já face a terceiros exige-se a publicidade, pois sendo aqueles


interessados no negócio (têm interesses conflituantes com os interesses dos
intervenientes do negócio), precisam de ser protegidos de forma a
conhecerem a situação jurídica dos bens. Ora, esta protecção faz-se através
da publicidade.

O registo aponta para uma ideia de segurança e de tutela jurídica de


terceiros. É isto que justifica a publicidade. A publicidade garante-se
através dos actos registados perante terceiros.
Ressalta desta ideia que por trás deste princípio da publicidade se
encontra o interesse da comunidade. É que se o tráfego jurídico tem de ser
fluente, na medida em que não se compadece com demoras excessivas no
seu processamento, ele tem de ser, imperativamente, seguro e certo. As
pessoas não podem estar à mercê de surpresas. Não é conveniente que os
actos mediante os quais essas pessoas adquiriram direitos possam vir a ser
destruídos por ilegitimidade de quem lhes fez a alienação. Para tal, devem
esses actos ser públicos, i.e., fornecer a possibilidade de um conhecimento
geral, para que seja conhecida a situação jurídica das coisas.

144
Direito das Coisas FDUP

Este princípio tem, porém, de acordo com as prelecções de Mota


Pinto, uma validade tendencial no campo dos direitos reais. Não é um
princípio absoluto que vigore para todos.
Nestes termos, os bens mais necessitados da tutela deste princípio da
publicidade são os bens imóveis e os bens móveis sujeitos a registo, porque
são os mais transaccionados e os mais capazes de gerar riqueza.
Assim, quanto aos:
→ Bens imóveis → para estes existe o instituto do registo predial,
precisamente com a finalidade de dar publicidade à situação jurídica
destes bens.
Embora o formalismo a que a lei sujeite os actos sobre estes bens
imóveis tenha um efeito de dar publicidade a esses actos, não é esse
o seu desiderato primário. Para tal fim existe, ex professo, o registo
predial, que se traduz num serviço público realizado em repartições
próprias onde existem livros que contêm a história jurídica dos
imóveis.
Mediante este instituto introduz-se uma dose mais elevada de
segurança na contratação. Não uma segurança absoluta, pois o
registo não dá direitos (por exemplo, pode suceder que um
determinado imóvel não pertença à pessoa em cujo nome estava
registado). Todavia, o registo garante, pelo menos, que se o imóvel
alguma vez pertenceu à pessoa em cujo nome está registado, então
ainda continua a pertencer-lhe.
→ Bens móveis sujeitos a registo → esta exigência de publicidade
para os bens imóveis, consistente no registo, foi também
transplantada para alguns móveis. Alguns destes, pelo seu valor e

145
Direito das Coisas FDUP

mercê da possibilidade de individualização que oferecem, foram


sujeitos a registo. É o caso dos automóveis, dos navios, dos aviões,
etc.
Quanto a outros móveis (por exemplo, uma jóia, um
electrodoméstico, etc.) não vigora qualquer necessidade de registo.
Diferentemente do que acontece entre nós, nalguns sistemas, já o
sabemos (cfr. supra, princípio da causalidade), há regimes que
procuram alcançar esta mesma finalidade de certeza sobre a
situação dos bens móveis mediante princípios diferentes. É o caso
dos sistemas (v.g., o sistema alemão) em que a transferência da
propriedade dos móveis exige a tradição ou, ainda, o caso dos
sistemas em que vigora o princípio de “posse vale título”, nos
termos do qual o adquirente de boa-fé de uma coisa que seja seu
possuidor, vê a sua situação jurídica de adquirente protegida em
termos definitivos (nalguns países, isso vai mesmo ao ponto de se
considerar válida a aquisição daquele que de boa-fé adquiriu um
objecto furtado ou achado). Contudo, entre nós não vigora nenhum
destes princípios.

Posto tudo o que acabou de ser dito, conclui-se que o registo é uma
condição de eficácia do facto registado perante terceiros, ou melhor, é uma
condição de oponibilidade do acto constitutivo ou translativo do direito real
a terceiros. O registo é uma condição de eficácia perante terceiros, mas não
é condição de eficácia nem de validade do acto translativo do direito real
(salvo nos casos, já referenciados, da hipoteca). Ele visa somente a
publicidade deste acto translativo.

146
Direito das Coisas FDUP

Também não confere a eficácia erga omnes aos direitos reais. Esta
resulta da própria lei.
Do mesmo modo, os factos jurídicos sujeitos a registo são inoponíveis
face a terceiros enquanto não forem registados.

No que respeita a aquisição de direitos reais sobre as coisas que estão


sujeitas a registo, o critério que prevalece em matéria de aquisição é o da
prioridade cronológica. Quando duas pessoas adquirem direitos reais
conflituantes ou incompatíveis entre si e registam o bem, prevalece o direito
registado em primeiro lugar.

Há ainda que atender à regra da prioridade do registo.


Assim, quando um primeiro adquirente não regista e há uma posterior
aquisição que é registada, embora a segunda aquisição padeça de
ilegitimidade do transmitente (porque ele, quando realiza a segunda
alienação, já não é titular do direito real sobre a coisa alienada), é esta
segunda transmissão que prevalece, já que a primeira aquisição, como não
foi registada, é inoponível a terceiros. Ao invés, a segunda aquisição, como
foi registada, é oponível face ao primeiro adquirente. A aquisição “a non
dominum” do segundo adquirente (que adquire posteriormente e regista e
que é um terceiro em relação à primeira alienação) torna-se “ad dominum” e
pode opor a aquisição ao primeiro adquirente. Isto é assim, porque quem
regista tem a aparência do direito. O primeiro adquirente, como não
registou, vê o seu direito decair.

Efeitos do registo:

147
Direito das Coisas FDUP

→ Efeito imediato → Presunção da titularidade do direito – O registo


presume a existência de um direito real e presume que ele pertence
àquele cujo nome consta do registo. É uma presunção ilidível,
porque o registo subjaz com base no documento que regula a
transmissão. Por isso, o registo não garante que o direito existe,
mas garante que se ele existe tem como titular a pessoa que o
registou.
→ Efeito lateral → Tutela de terceiros de boa-fé (art.291º CC) → visa
proteger aqueles que, encontrando-se numa mesma cadeia de
transmissão, vêem a sua posição afectada por uma invalidade
anterior.
→ Efeito central → O registo não é condição de eficácia nem de
validade, mas é uma condição de oponibilidade do acto constitutivo
ou translativo do direito real a terceiros.

Quem são terceiros para efeitos de registo?


o Art.5º nº4 Código de Registo Predial – “terceiros para efeitos de
registo são aqueles que tenham adquirido de um autor comum
direitos incompatíveis entre si.”
o Parece que não é necessário que o terceiro esteja de boa-fé, apesar
de haver autores que defendam que este é um requisito imperativo.
Manuel de Andrade e Orlando de Carvalho sustentando que tal
requisito não necessário, afirmam que o que está aqui em causa é a
segurança do comércio jurídico e, portanto, importa um interesse
geral (interesse comunitário) e não um interesse individual. Além
disso, a boa-fé determina-se segundo critérios objectivos e não

148
Direito das Coisas FDUP

subjectivos. Ora, o critério objectivo é dado pela existência ou não


do registo.
o Manuel de Andrade e Orlando de Carvalho defendem ainda que
serão protegidos os que tenham adquirido onerosamente e os que
tenham adquirido gratuitamente, indistintamente.

Registo (quanto aos efeitos):


− Constitutivo
− Declarativo

Registo (quanto à natureza e quanto à cominação de sanções de


natureza penal ou administrativa):
− Facultativo → o registo é um ónus; não há sanções para quem
não registar.
− Obrigatório → o registo é um dever; há cominação de sanções
para quem não proceder ao registo.

Em princípio, o registo é facultativo.

(Princípio do trato sucessivo → para o adquirente poder registar a sua


aquisição, o transmitente tem que ter registado previamente a sua. Daí que o
transmitente tem de ter registado o bem para que o adquirente também
possa registar e dessa forma quem adquire tem interesse que o transmitente
também já tenha registado. Tal não significa que o registo seja obrigatório,
embora, na prática, para se transmitir tenha que ser registado.)

149
Direito das Coisas FDUP

Capítulo II – Características dos direitos reais

Como prodrómo deste capítulo relativo às características dos direitos


reais diga-se que também para aqui vale a metodologia de decomposição
anatómica dos direitos reais. Assim, distinguem-se características que se
ligam ao lado interno (ao conteúdo ou licere do direito real) e características
que se ligam ao lado externo do direito real (a protecção/garantia conferida
ao titular do direito real).

1. Características ligadas ao lado interno: independência do


direito real das pretensões a que dá origem

150
Direito das Coisas FDUP

O lado interno do direito real corresponde a um poder directo e


imediato sobre a coisa: exercício de um poder que não é mediatizado por
outrem e que tem como corolário o facto de o direito existir e ser
independente das pretensões positivas a que possa dar origem.
É esta característica aqui referenciada uma das responsáveis pela
distinção que se realizou no prolegómeno deste curso entre direitos reais e
direitos de crédito e direitos sobre as pessoas.
É que os direitos de crédito correspondem sempre a uma pretensão a
um comportamento e esgotam-se nessa pretensão, isto é, extinguem-se
quando essa pretensão é cumprida.
No caso dos direitos sobre as pessoas, estes postulam uma obrigação
de respeito, mas que vai no sentido do desenvolvimento da pessoa e que
incluem um conjunto de actos (pretensões) que têm que ser realizados quer
por parte do Estado, quer por parte dos particulares (diferentemente do que
se passa nos direitos reais em que a obrigação de respeito é uma obrigação
de abstenção, logo, não é uma pretensão).
Por seu turno, os direitos reais, quando dão origem a pretensões, são
pretensões que resultam da violação do direito e não do exercício do direito.
São pretensões que o titular do direito tem, mas que não identificam o
direito real. O exercício dos direitos reais dispensa qualquer pretensão e
esta, quando surja, visa reintegrar o direito numa dominialidade definitiva e
não exercê-lo.
É o poder directo e imediato sobre o bem que confere a autonomia do
direito real face a qualquer forma de reintegração a que o seu exercício
possa dar origem.

151
Direito das Coisas FDUP

A pretensão que lhe pode estar associada não se confunde, assim, com
o seu conteúdo.

2. Características ligadas ao lado externo

→ Direito de Sequela (ou de seguimento)

O direito de sequela ou de seguimento constitui uma consequência da


eficácia absoluta dos direitos reais. É, de facto, por força desta característica
que as relações jurídicas reais se encontram dotadas desta nota,
tradicionalmente designada por direito de perseguição, direito de sequela
ou, ainda, direito de seguimento.
Significa isto que o direito segue a coisa, persegue-a, acompanha-a,
podendo fazer-se valer seja qual for a situação em que a coisa se encontre.
Daí que o titular do direito real possa sempre exercer os poderes
correspondentes ao conteúdo do seu direito, ainda que o objecto entre no
domínio material ou na esfera jurídica de outrem.
Assim, o direito de sequela pode definir-se como o direito ou a
faculdade do titular do direito real de perseguir ou seguir a coisa onde quer
que ela se encontre, nomeadamente quando seja pertença de um terceiro
adquirente, manifestando-se desta maneira o poder directo e imediato sobre
o bem e a própria garantia.
É o poder que o titular de um direito real possui de fazer valer o seu
direito real sobre a coisa, onde quer que ela se encontre, ainda que seja no
domínio material ou jurídico de outrem. O proprietário pode reivindicar a

152
Direito das Coisas FDUP

sua coisa de um terceiro, isto é, chamar a si um determinado bem, mesmo


que ele seja reclamado por outrem que não o titular.
Por exemplo: um indivíduo comprou um prédio a A, mero locatário,
julgando ser este o proprietário respectivo. O proprietário pode reivindicar a
coisa deste indivíduo que a adquiriu por um título – compra e venda –
normalmente idóneo para transferir a propriedade, mas que, não o é, no
caso em apreço, por o transmitente não possuir legitimidade para alienar
uma coisa que lhe não pertence. Não fica, por isso, o proprietário inibido de
reivindicar a coisa, podendo fazê-lo, com excepção dos casos em que se
verifique alguma excepção ao direito de sequela.
O proprietário poderá exercer uma acção de reivindicação,
constituindo esta o meio processual pelo qual a sequela se manifesta neste
exemplo em que se apresenta uma situação material incompatível com o
direito do proprietário. Porém, note-se que a acção de reivindicação não é o
único meio processual pelo qual a sequela se manifesta.

Nas hipóteses em que, não se verificando essa situação de


incompatibilidade, mas apenas a existência de uma situação jurídica
susceptível de perturbar o direito real, não havendo lugar à acção de
reivindicação, não deixa, porém, também aí, de se manifestar a sequela.
Assim, por exemplo, tanto ao usufrutuário, como ao titular de um
direito real de garantia (v.g., a hipoteca) assiste o direito de sequela, se a
coisa for alienada a terceiro pelo seu proprietário, na medida em que esses
direitos reais podem ser opostos ao terceiro adquirente para quem a coisa se
transmitiu. Não se justifica, porém, o exercício de uma acção de

153
Direito das Coisas FDUP

reivindicação, desde logo porque, por exemplo, na hipótese do usufruto, o


usufrutuário até está na posse da coisa, não tendo assim nada a reivindicar.
O direito de sequela manifesta-se aqui na circunstância de o usufruto
poder ser exercido em relação ao novo adquirente da nua propriedade. Só
que, agora, o exercício da sequela não se vai traduzir numa acção de
reivindicação, mas numa acção de simples apreciação.
O usufrutuário está na posse da coisa e, não obstante esta ter sido
transmitida do proprietário de raiz para outro, ele pode afirmar o seu direito
de usufruto em face ao novo proprietário. É nesta possibilidade que assiste
ao usufrutuário de fazer valer o seu direito contra qualquer adquirente da
propriedade, limitada pelo usufruto, que reside a sequela. Só que aqui este
direito de sequela não vai manifestar-se através de uma acção de
reivindicação, uma vez que nada há a reivindicar. O meio processual idóneo
para o direito de sequela se manifestar aqui é a acção de simples apreciação
que deve ser intentada pelo usufrutuário.
As coisas passam-se de forma idêntica em relação ao outro exemplo
citado – a hipoteca. Também ao credor hipotecário, ao titular do direito real
de garantia, assiste a possibilidade de continuar a dar a coisa, objecto do seu
direito, à execução, independentemente de esta pertencer ainda ao
proprietário que constitui a hipoteca ou já a um posterior adquirente. É
precisamente nessa possibilidade que o titular da hipoteca tem de fazer
valer o seu direito, independentemente da transmissão da propriedade, que
reside esse direito de sequela.

Destas considerações arranca uma nota específica dos direitos reais


em face dos direitos de crédito. É que ao titular destes não assiste o direito

154
Direito das Coisas FDUP

de sequela. Este surge-nos, assim, como privativo ou exclusivo dos direitos


reais.
Os direitos de crédito não proporcionam um direito real sobre o
património do devedor. Os direitos de crédito esgotam a sua eficácia inter
partes, uma vez que o titular destes direitos não pode perseguir os bens que
saem do património do devedor, excepto através da impugnação pauliana,
verificados os pressupostos deste instituto.
Porém, a sequela não se confunde com a impugnação pauliana, uma
vez que esta implica, diferentemente do que resulta do exercício do direito
de sequela, a anulação do acto de transmissão da coisa para um terceiro
adquirente, exigindo ainda, para que possa ser exercida, a verificação de
certos e determinados requisitos. Não é, portanto, a impugnação pauliana
uma manifestação do direito de sequela.

Já nos direitos reais, em consequência da sua natureza erga omnes, o


titular do direito pode reivindicar a coisa, independentemente de onde se
encontra, ou seja, mesmo que ela esteja no património de terceiro.

Esta característica é especialmente visível nos pactos de preferência.

Limites à sequela:
 Há certos direitos reais que se extinguem pelo não uso (por
exemplo, alguns direitos reais menores de gozo).
 Todos os direitos reais de gozo se podem extinguir pela
usucapião (ao reconstruir a dominialidade definitiva, faz
perder o direito).

155
Direito das Coisas FDUP

 Para efeitos de terceiro de boa-fé também pode não haver


direito de sequela, se os pressupostos de boa-fé estiverem
preenchidos.
 Para efeitos de registo predial também pode não haver direito
de sequela. Exemplo, A vende a B, que não regista e depois
vende a C, que regista. É C quem adquire e B vê a sua sequela
paralisada.

→ Direito de preferência (ou de prevalência)

Outra característica dos direitos reais é o direito de preferência ou de


prevalência. Esta traduz-se na circunstância de os direitos reais constituídos
sobre uma coisa prevalecerem quer sobre outros direitos reais
posteriormente constituídos sobre a mesma coisa e que se revelem total ou
parcialmente incompatíveis com o anterior, quer sobre os direitos de
crédito, posteriores ou anteriores, relativos a essa coisa.
Desta sorte, verificando-se uma constituição sucessiva de direitos reais
sobre a mesma coisa e incompatíveis entre si, o conflito resultante dessa
situação é dirimido de acordo com a regra “prior in tempore, potior in
jure”, ou seja, é a prioridade temporal da constituição do direito real que
determina a prioridade jurídica.
Constitui, também, esta característica uma emanação da eficácia
absoluta dos direitos reais. De facto, quem adquire um direito real pode
opô-lo por força da sua eficácia absoluta, erga omnes, a todas as pessoas
que tenham adquirido posteriormente um direito real sobre a mesma coisa
incompatível com o anterior ou que sejam titulares de um direito de crédito,

156
Direito das Coisas FDUP

que lhes confere meramente uma eficácia inter partes. O direito de


preferência surge-nos, por isso, como um corolário da eficácia absoluta dos
direitos reais, encontrando algum apoio no art.408º nº1 CC, que estabelece a
regra da transmissão dos direitos por mero efeito do contrato.

Encontram-se, porém, na doutrina portuguesa, posições que defendem


que este direito de preferência não se estende a todos os direitos reais, mas
apenas aos direitos reais de garantia.
De facto, Luís Pinto Coelho e ainda Oliveira Ascensão sustentam que
se é verdade que quanto a direitos reais de garantia constituídos
sucessivamente e incompatíveis entre si se compreende que seja necessário
estabelecer uma prioridade, uma ordem de exercício, o que se consegue
fazendo prevalecer o direito primeiramente constituído (ou, no caso da
hipoteca, primeiramente registado), já no que respeita aos direitos reais de
gozo tal necessidade não se verifica pois, nestes termos, a transmissão
sucessiva da propriedade sobre a mesma coisa a dois sujeitos diferentes não
cria nenhum direito de preferência. O que se verificaria nesta situação seria
a existência de um direito e de um “não-direito”, porque, tendo-se o
transmitente despojado do seu direito na primeira transferência, não pode
agora, na segunda transferência, transmitir um direito que não possui. Daí
que não se verifique, segundo os autores mencionados, uma situação de
conflito entre dois direitos que necessite de ser resolvida mediante a
intervenção do direito de preferência, mas uma “colisão entre um direito e
um não-direito”.
Não obstante a virtude desta tese pôr em relevo a diferença que existe
entre os termos da preferência no domínio dos direitos reais de garantia e

157
Direito das Coisas FDUP

aqueles em que surge na esfera dos direitos reais de gozo, ela não é acatada
pela generalidade da doutrina. É que, enquanto que o princípio da
preferência estabelece nos direitos reais de garantia uma prioridade de
exercício do direito, nos direitos reais de gozo, esse direito de prevalência
vai decidir da própria existência ou inexistência do direito.
Assim, é o direito de preferência ou prevalência uma característica
que, com toda a lógica, se pode imputar aos direitos em reais.

Excepções:

→ Casos em que os direitos reais anteriormente constituídos não


prevalecem sobre os direitos reais posteriormente constituídos:

 Privilégios creditórios imobiliários → art.751º CC – os


privilégios creditórios traduzem-se na faculdade que a lei, em
atenção à causa do crédito, concede a certos credores de serem
pagos pelo valor de certos bens com preferência relativamente
a outros credores. Os privilégios creditórios não estão sujeitos
a registo, produzindo a sua eficácia sem necessidade deste. A
lei atribui-os directamente.
Os privilégios imobiliários beneficiam de um privilégio sobre
os bens imóveis com os quais estão conexionados.
Ora, nos termos do art.751º CC, estes privilégios imobiliários
preferem à consignação de rendimentos, à hipoteca e ao direito
de retenção, ainda que estas garantias tenham sido constituídas
anteriormente. Assim, se um indivíduo dá um prédio em

158
Direito das Coisas FDUP

hipoteca, registando-a, mas, posteriormente, assume uma


dívida que é garantida por lei com um privilégio creditório
imobiliário sobre esse prédio, o beneficiário deste privilégio,
embora o crédito garantido seja posterior à hipoteca e até nem
se encontre registado (o registo não é exigido pelo regime dos
privilégios), tem preferência sobre o titular da hipoteca
anteriormente constituída.
Já o mesmo não sucede com os privilégios mobiliários
especiais, uma vez que o art.750º CC determina o acatamento
do direito de preferência, ao estatuir que “no caso de conflito
entre o privilégio mobiliário especial e um direito de terceiro,
prevalece o que mais cedo se houver adquirido” (excepção
apontada por Mota Pinto).
 Terceiros para efeitos de registo → no caso de venda de coisa
sujeita a registo, se o primeiro adquirente, muito embora
adquira a propriedade, a não registou, não goza do direito de
preferência em face de um segundo adquirente que registou a
sua aquisição. Isto porque os actos sujeitos a registo, mas não
registados, são inoponíveis a terceiros (excepção apontado por
Mota Pinto).

→ Casos em que os direitos reais não prevalecem sobre direitos de


outro tipo, nomeadamente, direitos de crédito:

159
Direito das Coisas FDUP

 Locação → art.1057º CC – o direito real, neste caso, não


prevalece sobre o direito de crédito. A, proprietário de um
prédio, arrenda a B e depois vende a C. O B, se C o exigisse,
teria que devolver o prédio a C. Porém, de acordo com o
art.1057º CC, o direito real não prevalece, neste caso, sobre o
direito de crédito.
 Privilégios (creditórios) mobiliários gerais → art.736º CC –
parecem ser um direito real de garantia. Contudo, tal não
acontece pois o privilégio não incide sobre coisa certa e
determinada, não observando o princípio da especialidade. Por
isso, não são direitos reais de garantia, mas sim garantias reais.
Alguns privilégios mobiliários gerais gozam de prioridade
sobre privilégios mobiliários especiais, que são verdadeiros
direitos reais de garantia, independentemente do momento da
respectiva constituição. Assim, os privilégios mobiliários
gerais, enquanto direitos de crédito, prevalecem sobre os
privilégios mobiliários especiais que são verdadeiros direitos
reais (art.739º e 747º CC).
Por exemplo, um crédito emergente do contrato de trabalho (o
crédito a salários) é um crédito privilegiado uma vez que o
trabalhador (credor) pode pagar-se pelos móveis do devedor
com preferência sobre qualquer outro (art.737º nº1 d) CC). Os
privilégios mobiliários gerais dão, portanto, preferência em
relação aos credores comuns. Ora, este privilégio mobiliário
geral que concede uma preferência não constitui um direito
real, mas uma garantia especial das obrigações. Isto porque o

160
Direito das Coisas FDUP

privilégio mobiliário geral incide sobre todos os bens do


devedor e, como se disse, os direitos reais têm
necessariamente de incidir sobre coisas certas e determinadas.
Aliás, isto infere-se claramente do art.749º CC, que ao estatuir
que “o privilégio geral não vale contra terceiros…”, lhe recusa
a eficácia absoluta.
Além disso, na hipótese de o privilégio geral ser um dos
previstos no art.736º nº1 CC (crédito do Estado ou das
autarquias locais), ele prevalece sobre os seus congéneres
mobiliários especiais que constituem direitos reais, nos termos
do art.747º nº1 a) CC.
 Pactos de preferência → art.422º CC – os direitos legais de
preferência prevalecem sobre os direitos convencionais de
preferência com eficácia real.

Tanto o direito de sequela como o direito de preferência emprestam ao


direito real uma tutela particularmente forte, o que justifica o interesse que
certos credores manifestam dentro do mundo económico, do mundo do
crédito, em reservar ou adquirir o direito de propriedade sobre certos bens
até ao cumprimento dos contratos de onde emergem os créditos de que são
titulares.
Surge então aqui, a figura da venda com reserva de propriedade, figura
esta que se encontra regulada no art.409º CC. Assim, por exemplo, A vende
a B, a prestações, um determinado objecto, reservando, porém, a
propriedade deste até ao pagamento da última prestação. Pretende-se com

161
Direito das Coisas FDUP

isto que o credor do preço fique numa posição privilegiada perante outros
credores. É que se não houvesse reserva de propriedade, no caso de não
pagamento das prestações em falta, o vendedor/credor podia apenas
executar o património do comprador/devedor, tendo de suportar nessa
execução a concorrência de todos os outros credores, inclusive no que toca
à execução da própria coisa vendida.

Capítulo III – Dos direitos reais em especial

1. Classificação dos direitos reais

No contexto do quadro classificatório dos direitos reais usa fazer-se a


clássica distinção entre:
a. Direitos Reais de Gozo
b. Direitos Reais de Aquisição
c. Direitos Reais de Garantia

Dissemos já que o direito de propriedade constitui a matriz de todos os


direitos reais, enquanto poder de “gozo pleno e exclusivo dos direitos de

162
Direito das Coisas FDUP

uso, fruição e disposição das coisas que lhe pertencem”, ou seja, poder de
pleno domínio (art.1305º CC).
Ora, os direitos reais são uma mera aproximação ao direito de
propriedade, são uma forma de expressar o pleno domínio (paradigma da
“plena in re potestas” – supra Introdução, Cap. I, ponto 5). Daí que
qualquer outro direito real (de gozo, de aquisição ou de garantia) pode ser
apelidado de direito real limitado, na medida em que não confere a
plenitude dos poderes sobre uma coisa. Confere apenas a possibilidade de
exercer certos poderes sobre uma coisa, mas não a plenitude dos poderes
correspondentes à clássica tripartição romana “jus utendi, jus fruendi e jus
abutendi”. São, portanto, direitos sobre coisas que em propriedade
pertencem a outrem. Eles pressupõem uma concorrência de direitos, isto é,
sobre uma coisa recai, além de um destes direitos reais limitados, um direito
de propriedade que é restringido por esse direito real limitado. Pode mesmo
dizer-se, de acordo com os ensinamentos de Mota Pinto, que são “jura in re
aliena” (direitos sobre coisa alheia) ou, pelo menos, direitos sobre coisa não
própria.

Uma outra classificação parte, contudo, de um critério diverso, que


contende com a natureza teleológica do direito real. Assim, distinguem-se
dois grandes grupos onde se encaixam os três tipos de direitos reais acima
apresentados:

1. Direitos Reais Principais ou Finais:

163
Direito das Coisas FDUP

→ Direitos Reais de Gozo → Conferem um poder directo e


imediato sobre o bem, permitindo a sua efectiva utilização,
bem como a fruição dos respectivos frutos. Têm uma
existência própria, ou seja, não dependem de outros direitos
reais.
No nosso direito são o direito de propriedade (no âmbito do
qual se encontram duas modalidades distintas de
contitularidade do direito – direito de compropriedade e
direito de comunhão, com especial destaque para a
propriedade horizontal) e vários direitos reais menores: o
usufruto; o uso e habitação; o direito de superfície; servidões
prediais; direito real de habitação periódica.
Desapareceram do actual sistema alguns direitos reais de gozo
conhecidos por outros sistemas anteriores: a enfiteuse, o
quinhão e o compáscuo.

2. Direitos Reais Acessórios ou Instrumentais → São direitos que


versam sobre situações que se constituem como uma aproximação
ao pleno domínio do direito de propriedade. São instrumentais,
porque asseguram o exercício do domínio sobre outros direitos
reais (direitos reais de garantia) ou contribuem para a aquisição de
outros direitos reais (direitos reais de aquisição):

→ Direitos Reais de Aquisição → Permitem ao seu titular


adquirir direitos reais de gozo ou de garantia, ou,

164
Direito das Coisas FDUP

excepcionalmente, um direito de crédito. Podem ter origem na


lei ou em convenção.
Os direitos reais de aquisição são os direitos potestativos de
aquisição; os direitos reais de preferência; e as promessas
reais de alienação ou oneração.

→ Direitos Reais de Garantia → Conferem ao seu titular o poder


de se fazer pagar à custa dos rendimentos ou bens do devedor
ou de terceiros e com preferência sobre os demais credores do
devedor que não tenham essa preferência. Visa proteger
direitos de crédito já que se destina a assegurar o
cumprimento de obrigações. Há certos direitos reais de
garantia que conferem um poder sobre a coisa, mas não
atribuem o poder de utilizar a coisa, salvo quanto à
consignação de rendimentos.
O critério que marca a distinção entre os direitos reais de
gozo e direitos reais de aquisição e os direitos reais de
garantia é o da função económica do direito real.
Os direitos reais de garantia são o penhor; a hipoteca; os
privilégios creditórios; o direito de retenção e a consignação
de rendimentos (esta era designada no nosso antigo direito e
ainda em alguns sistemas jurídicos estrangeiros de países de
língua latina por antícrese).
Já se sustentou que os direitos reais de garantia não são
verdadeiros direitos reais, mas meros direitos acessórios dos
direitos de crédito. Porém, se é verdade que há uma conexão

165
Direito das Coisas FDUP

funcional entre os direitos reais de garantia e os direitos de


crédito, uma vez que os primeiros estão ao serviço do
pagamento ou da satisfação do interesse do credor (são
acessórios dos direitos de crédito), isso não significa que eles
não tenham uma natureza própria. Ora, a natureza jurídica
destas figuras parece ser a dos direitos reais, dado que
apresentam as notas características destes, designadamente o
direito de sequela e o direito de preferência.

Há certas situações que são de qualificação real duvidosa ou


controvertida. Referimo-nos a hipóteses como o direito do locatário, o
direito de retenção (actualmente, as dúvidas relativas a este direito de
retenção não são muito prementes, na medida em que, nos termos do regime
dos arts.754º e segs. CC, a sua qualificação tem de ser como a de um
verdadeiro direito real de garantia. Ele consiste numa causa legítima de não
cumprimento e atribui ao seu titular a possibilidade de se pagar com
preferência aos outros credores sobre o valor da coisa retida.), os ónus reais
(cfr. supra Introdução, Cap. I, ponto 6), etc.
Não nos ocuparemos aqui da discussão destas situações
controvertidas, sistematicamente autonomizadas, mas fixe-se que, no termo
dessa discussão, nalgumas destas hipóteses, se não chega a nenhuma
conclusão segura, pelo que a sua qualificação continua a ser duvidosa.

2. Direitos Reais de Gozo

2.1. Direito de Propriedade

166
Direito das Coisas FDUP

→ Direito de Compropriedade
→ Direito de Comunhão: a Propriedade Horizontal

2.2. Direitos Reais Menores


→ Direito de Usufruto
→ Direito de Uso e Habitação
→ Direito de Superfície
→ Direito de Servidão Predial
→ Direito de Habitação Periódica

2.1. Direito de Propriedade

A propriedade em geral

NOÇÃO:
O direito de propriedade é o poder pleno de uso e gozo de uma coisa,
ou melhor, é o poder pleno de uso, fruição e disposição de uma coisa. Estes
poderes conferidos pelo art.1305º CC podem não coexistir na sua
totalidade.

CONTROVÉRSIA ENTRE A PROPRIEDADE INDIVIDUAL E A


PROPRIEDADE COMUNITÁRIA:
Como resulta da noção exposta, o direito de propriedade confere
poderes plenos e ilimitados sobre as riquezas. Este foi o motivo pelo qual,
ao longo da história, se desenvolveram as mais veementes controvérsias.

167
Direito das Coisas FDUP

Um dos debates que despertou uma discussão mais apaixonada,


sobretudo após a II Guerra Mundial, foi o problema da sua titularidade –
individual ou comunitária (colectiva) – e quais os poderes que devem estar
apropriados por uma ou outra forma.
Este problema transcende o quadro puramente jurídico e é vivificado
por considerações de carácter político-ideológico, económico, social,
cultural, etc.
Apologistas duma apropriação colectiva das coisas, críticos da
propriedade privada e manifestantes a favor de formas comunitárias ou
colectivas de apropriação encontramos, na Antiguidade Clássica, Platão ou
os Essénios; no Renascimento, Thomas More em “Utopia” ou Campanella
em “A cidade do sol”; os chamados socialistas utópicos como Proudhon e,
em Portugal, Oliveira Martins ou Antero de Quental; e também os
socialistas científicos com Marx e Engels e seus seguidores.
Contestam estes estudiosos a liberdade de apropriação, a anarquia
económica (que se opõem à planificação), a exploração do homem pelo
homem, as desigualdades artificiais, etc.
A lista dos defensores da propriedade privada é composta por
filósofos como Aristóteles e S. Tomás de Aquino; por economistas liberais
como Jean-Baptiste Say (que põe em relevo o papel da propriedade
individual como estimulante económico contra o desperdício e contra a
preguiça) ou Stuart Mill (não acentuando tanto o aspecto do estímulo
económico, mas antes as vantagens morais da propriedade, enquanto fonte
de aperfeiçoamento moral); a Igreja Católica, nomeadamente Leão XIII, Pio
XI e Pio XII.

168
Direito das Coisas FDUP

Como méritos da propriedade individual, argumenta-se com o


estímulo económico por ela representado e o seu valor como garantia de
liberdade individual ou familiar.

CARACTERÍSTICAS DO DIREITO DE PROPRIEDADE:


O CC não define o direito de propriedade, mas o art.1305º caracteriza-
o, dizendo que “o proprietário goza de modo pleno e exclusivo os direitos
de uso, fruição e disposição das coisas que lhe pertencem, dentro dos
limites da lei e com observância das restrições por ela impostas”.
Esta definição parece ser inspirada por princípios individualistas. Não
se repercute aqui nenhuma ideia ligada à função social da propriedade, nem
lá se contém nenhuma cláusula geral donde pudesse derivar uma limitação.
Não obstante, o recurso às cláusulas limitativas gerais não está afastado,
desde logo, o abuso do direito (art.334º CC).
Notas que ressaltam da caracterização legal do conteúdo do direito de
propriedade, previsto no art.1305º CC:
→ Carácter ilimitado → não há qualquer tipificação dos poderes do
proprietário. Podem inclusive traduzir-se na destruição do bem, ao
contrário do que acontece com outros direitos reais de gozo
menores. Significa isto que o proprietário tem poderes
indeterminados. A base é o adágio romano “jus utendi, jus fruendi e
jus abutendi”.
As únicas restrições são fixadas pela lei e pela própria natureza dos
bens (por exemplo, art.1344º e segs. CC).
No direito de propriedade há uma indeterminação na delimitação
dos poderes, ao contrário dos de um usufrutuário ou dos do titular

169
Direito das Coisas FDUP

de um outro direito real limitado que são apenas aqueles


especificamente atribuídos pela lei. No direito de propriedade, o
titular tem, em princípio, todos os poderes.
→ Carácter elástico → o direito de propriedade é elástico, é dotado de
uma força expansiva. Ou seja, extinto o direito real que limita o
direito de propriedade da coisa, reconstitui-se a plenitude da
propriedade. O proprietário limitado recupera a plenitude do seu
direito de propriedade. O direito de propriedade pode sofrer, então,
contracções ou descompressões com a constituição ou extinção de
direitos reais.
→ Carácter perpétuo → o direito de propriedade é um direito
perpétuo. Ele não se extingue pelo não uso. A inércia também é uma
manifestação do direito de propriedade. Não usar a propriedade é
ainda uma forma de a usar. O proprietário tem tais poderes que pode
querer estar inactivo e esta possibilidade cabe ainda dentro do
conteúdo do seu direito.
Porém, a perpetuidade do direito de propriedade é limitado pela
posse e consequente usucapião. Estes limites são impostos pela
função social da propriedade de incentivo à exploração da coisa.
Corolário deste carácter perpétuo é a não existência da propriedade
temporária que, nos termos do art.1307º nº2 CC “só é admitida nos
casos especialmente previstos na lei”. Exemplos: de alguma forma
na venda a retro ou num negócio translativo da propriedade sob
condição resolutiva e, também, na venda com reserva de
propriedade.

170
Direito das Coisas FDUP

PROPRIEDADE DE BENS INCORPÓREOS OU IMATERIAIS:


A propriedade pode abranger bens incorpóreos ou imateriais. Viu-se
supra que estes bens são tratados como autêntica propriedade, como se
infere logo do art.1303º CC entre outros.

FORMAS DE AQUISIÇÃO DA PROPRIEDADE (ART.1316 CC):


− Contrato (negócio jurídico)
− Sucessão por morte
− Usucapião
− Ocupação
− Acessão
− Etc.

DURAÇÃO:
− Perpétua (o direito de propriedade tem um carácter perpétuo)
Casos excepcionais:
− Temporária ou a termo:
 Art.1307º CC → propriedade temporária
 Art.2286º CC → propriedade do fideicomissário
− Resolúvel:
 Art.927º CC → venda a retro
 Art.960º CC → cláusula de reversão nos contratos de
doação

RESTRIÇÕES:
171
Direito das Coisas FDUP

Art.1305º 2ª parte CC: “…dentro dos limites da lei e com observância


das restrições por ela impostas.”
Por exemplo:
 Expropriações (art.1308º CC)
 Requisições (art.1309º CC)
 Restrições à vizinhança (art.1344º CC)

MEIOS DE DEFESA DA PROPRIEDADE:


A propriedade, como direito que é, está dotada de garantia jurídica. A
sua violação permite o recurso quer a meios judiciais, quer, em certas
situações, a meios extra-judiciais.
− Meios extra-judiciais:
 Legítima defesa (art.337º CC)
 Acção directa (art.336º CC)
− Meios judiciais:
 Acção de reivindicação (art.1311º CC) →
manifestação por excelência da defesa da
propriedade. Esta acção é exercida pelo proprietário
não possuidor contra o detentor ou possuidor não
proprietário da coisa – só pode utilizá-la o
proprietário que não está na posse contra o possuidor
não proprietário. Também se pode designar de acção
petitória.
Pode existir também uma acção negatória: o
proprietário que está na posse da coisa exerce essa
acção para que seja repelida a pretensão de outrem

172
Direito das Coisas FDUP

como proprietário da coisa. Destina-se, portanto, a


fazer negar um outro direito real sobre a coisa,
arrogado por outrem, exercido ou não em termos de
perturbar o gozo da coisa.

Propriedade de imóveis

CONTEÚDO:
A propriedade de imóveis é regulada nos artigos 1344º e segs. CC.
Esta figura abrange o imóvel rústico ou urbano, o espaço aéreo
correspondente à sua superfície, bem como o subsolo ou tudo o que nele se
contém e não desintegrado do domínio por lei ou negócio jurídico. Esta
ressalva entende-se porque há na CRP normas que integram o domínio
público certas riquezas subterrâneas (jazigos minerais, águas minero-
medicinais, etc.). Esses bens não pertencem ao proprietário do terreno,
porque estão integrados no domínio público, embora o proprietário tenha
uma posição especial relativamente a esses bens, nomeadamente,
preferência na concessão ou um direito a receber uma prestação. Outras
coisas que não estejam expressamente integradas no domínio público, por
exemplo, um tesouro, são já pertença do proprietário do subsolo ou do
espaço aéreo.
O art.1344º nº2 CC limita em certos termos os poderes do
proprietário: “o proprietário não pode, todavia, proibir os actos de terceiro
que, pela altura ou profundidade a que têm lugar, não haja interesse em
impedir”. É o caso exemplar das companhias de navegação aérea que, não

173
Direito das Coisas FDUP

fosse esta norma, violariam todos os dias os limites dos prédios. Acontece
que o proprietário não tem interesse em impedir esses actos.
Refira-se que a propriedade dos imóveis é uma propriedade que existe
sempre, ou melhor, não é nunca “res nullius” (coisa de ninguém), pois
corre-se o risco de se perder a propriedade sobre o prédio por abandono.
Ora, preceitua o art.1345º CC que “as coisas imóveis sem dono conhecido
consideram-se do património do Estado”.
A propriedade de imóveis confere certos direitos específicos gerados
pela natureza desses bens – direito de demarcação, de tapagem, de
construção, de plantação de arbustos, etc. Porém estes poderes
indeterminados têm limitações.

LIMITAÇÕES AOS PODERES DO PROPRIETÁRIO:


I → Restrições de direito público:
A este respeito encontra-se inúmera legislação avulsa.
Por exemplo, não se pode impedir que sejam colocados postes para
passagem de linhas eléctricas de alta tensão, linhas telegráficas, telefónicas,
etc.; há restrições ao direito de construção por motivos de defesa militar nas
zonas de servidão militar por motivos de higiene e salubridade, por razões
históricas e artísticas, etc.; consagra-se a possibilidade, nos casos contados
na lei, de expropriação e de requisição referidas na CRP e no CC (art.1308º
e 1309º).

II → Restrições de interesse particular


Reguladas no CC, elas decorrem das relações de vizinhança que
se estabelecem por haver proximidade ou contiguidade entre prédios. Daí

174
Direito das Coisas FDUP

que o direito de propriedade vê-se limitado por restrições derivadas da


coexistência.
Exemplos:
1. Art.1346º CC – Proíbe a emissão de fumos de fuligem, vapores,
cheiros, calor, ruídos, trepidações, que importem prejuízo
substancial para uso do imóvel ou que não resultem de uma
utilização normal do prédio donde emanam. Atente-se que este
preceito parece aplicar-se a quaisquer vizinhos e não apenas ao
vizinho contíguo.
2. Art.1347º CC – Prescreve as instalações prejudiciais.
3. Art.1348º CC – Preceitua que não se pode escavar no próprio
terreno em termos de provocar riscos de desmoronamento do
terreno contíguo.
4. Art.1349º CC – Impõe a obrigação de dar passagem forçada
momentânea. O proprietário de um terreno é obrigado a conceder
passagem momentânea, se um vizinho precisar, por exemplo, para
reparar um edifício; de colocar um andaime ou uma escada para
reparar um parede; de tolerar a passagem momentânea para que,
como se diz no nº2, alguém possa ir buscar uma coisa que
acidentalmente nele se encontre. Note-se que não está aqui em
causa qualquer servidão. É somente uma passagem momentânea,
embora forçada.
5. Art.1351º CC – Quando exista um terreno inclinado, o proprietário
da parte inferior não pode instalar um dique contra o qual a água de
torrente natural ou da chuva fique retida. Isso prejudicaria o
proprietário do terreno superior.

175
Direito das Coisas FDUP

6. Art.1357º e 1359º CC – Tratam do direito de tapagem. No caso de


tapagem com valas ou regueiros é necessário deixar uma “mota
externa de largura igual à profundidade da vala”, para que as águas
não inundem. No caso de tapagem com sebes vivas impõe-se a
colocação de marcos divisórios.
7. Art.1360º CC – Sobre a abertura de janelas, portas ou obras
semelhantes é necessário deixar um intervalo de metro e meio em
relação ao prédio vizinho. Quanto às varandas, terraços e eirados,
em princípio, têm de estar a mais de um metro e meio quando
sejam servidos de parapeitos de altura inferior a metro e meio, mas
já podem estar na própria linha divisória se tiverem um parapeito
superior a essa altura.
As restrições impostas por estes artigos não se aplicam às situações
previstas no art.1361º e 1363º CC.
Este regime não impede que se possa constituir uma servidão de
vistas por acordo ou por usucapião (art.1362º CC).
8. Art.1365º CC – Refere-se ao problema dos beirais. Dispões este
artigo que se deve deixar, na construção, um intervalo mínimo de
cinco decímetros entre o prédio e a beira se do outro modo não
puder evitá-lo.
Pode também constituir-se aqui uma servidão de estilicídio por
usucapião ou por acordo.
9. Art.1366º CC – Permite a plantação de árvores e arbustos até à
linha divisória dos prédios, sendo, no entanto, lícito ao dono do
prédio vizinho cortar ou arrancar as raízes, os troncos e os ramos

176
Direito das Coisas FDUP

que invadam o seu terreno, se o dono do prédio, rogado judicial ou


extrajudicialmente, o não fizer dentro de três dias.
10.Art.1370º e segs. CC – Relativo à comunhão forçada de paredes e
muros de meação. Estas construções podem ser feitas por acordo,
pagando cada um dos proprietários metade do muro e do terreno.
Pode suceder que, no exercício do direito de tapagem, o
proprietário mure o seu terreno sem acordo do vizinho, mas fá-lo
no seu terreno e inteiramente à sua custa. Nesta hipótese, o
proprietário confinante, se quiser, pode adquirir metade do muro,
pagando metade do terreno e metade da construção. Há sempre a
possibilidade de tornar comuns os muros ou paredes feitos na
divisória.
É um direito potestativo – o proprietário construtor como que é
expropriado, há aqui uma expropriação forçada de metade do muro
no interesse do proprietário confinante.

Estas limitações podem extinguir-se por negócio jurídico, podendo


designadamente constituir-se uma servidão (de estilicídio, de vistas, uma
servidão inominada, etc.).
Exemplo de uma servidão inominada: o caso de ramadas inclinadas
sobre um terreno vizinho. Em princípio não poderão estar assim, mas pode
constituir-se “ex contractu” uma servidão e então o dono do prédio adquire
o direito de essas árvores poderem invadir o prédio vizinho com as suas
raízes ou os seus ramos, desaparecendo estas limitações pelo acordo
constitutivo de uma servidão.

177
Direito das Coisas FDUP

Propriedade das águas

Esta matéria tem um regime especial em função das características do


seu objecto (art.1385º e segs. CC).
Há logo uma distinção fundamental entre águas públicas e privadas.
Ao direito civil cabe apenas estudar o regime das águas particulares e dos
direitos adquiridos por particulares sobre águas públicas.
Remete-se para bibliografia especial esta matéria.

Direito de compropriedade

NOÇÃO:
A figura da compropriedade apresenta-se-nos “...quando duas ou mais
posses são simultaneamente titulares do direito de propriedade sobre a
mesma coisa”, noção esta que consta do art.1403º nº1 CC. Ela consiste,
então, em vários direitos de propriedade que incidem sobre quotas ideais ou
intelectuais do bem globalmente considerado.
Estes vários direitos de propriedade são qualitativamente iguais, mas
podem ser quantitativamente diferentes. Não obstante, na falta de indicação
em contrário no título constitutivo, as quotas presumem-se
quantitativamente iguais (art.1403º nº2 CC).

As disposições legais que contêm o regime da compropriedade são


aplicáveis, com as necessárias adaptações, à comunhão de quaisquer outros
direitos, de acordo com o art.1404º CC. Isto porque a compropriedade não é
mais do que uma manifestação de um fenómeno que pode ocorrer para

178
Direito das Coisas FDUP

outros direitos. Por exemplo, pode haver comunhão numa servidão, num
usufruto, ou até em relação a um direito de crédito.
Esta aplicação das regras da compropriedade à comunhão de
quaisquer outros direitos tem importância, designadamente para efeitos de
direito de preferência.

DISTINÇÃO ENTRE COMPROPRIEDADE E SOCIEDADE:


Podem surgir algumas dificuldades em distinguir a compropriedade
das sociedades, em especial, das sociedades civis (art.980º e segs.), uma vez
que estas, segundo o entendimento generalizado, não têm personalidade
jurídica.
Este problema levanta-se, sobretudo, quando nos deparamos com
situações jurídicas em que há um fundo comum de bens ou, por outras
palavras, um fundo patrimonial comum. Nestas situações tem cabimento
saber se estamos perante uma simples compropriedade dos bens ou se
estamos perante uma autêntica sociedade.
Esta distinção releva, porque há regimes diferentes quer estejamos
perante uma realidade quer estejamos perante a outra. Assim, enquanto que
para a compropriedade se aplicam os arts.1403º e segs., para as sociedades
civis aplicam-se os arts.980º e segs. CC.
O critério preferível a adoptar é o resultante da definição da sociedade,
dada no art.980º CC: a sociedade supõe uma actividade económica que não
seja de mera fruição. A sociedade pressupõe uma actividade dirigida não
apenas a fruir os rendimentos que a coisa dá, mas também a actuar sobre
ela, potenciando a sua produtividade ou rentabilidade.

179
Direito das Coisas FDUP

NATUREZA JURÍDICA:
Este problema é passível de três soluções:
a) De acordo com a doutrina tradicional, perfilhada por Manuel
Rodrigues entre outros, a compropriedade resulta da coexistência
dos direitos de cada um dos contitulares sobre uma quota ideal ou
intelectual do bem. Assim, cada um dos comproprietários tem
direito a uma quota ideal não especificada do objecto. (Vários
direitos ↔ Vários objectos)
b) Segundo uma outra perspectiva apoiada por Luís Pinto Coelho, não
se trata aqui da coexistência de direitos incidindo cada um deles
sobre uma quota ideal (doutrina tradicional), mas sim da
coexistência de vários direitos de propriedade sobre todo o objecto,
direitos esses que se limitam reciprocamente. Aqui, há várias
propriedades sobre o mesmo objecto, limitadas por outras
propriedades com idêntico objecto. (Vários direitos ↔ Um objecto)
c) Uma terceira posição entende que estamos perante um único direito
com vários titulares. (Um direito ↔ Um Objecto)

A construção que parece traduzir com mais exactidão e de forma mais


harmoniosa a realidade em questão (embora não esteja isenta de
dificuldades) e que é, aliás, suportada por uma generalizada aceitação
doutrinal é a tese tradicional, de acordo com a qual cada um dos
comproprietários tem direito a uma quota ideal ou intelectual do objecto da
compropriedade.
Alerta-se para o facto de que a noção de compropriedade acima
apresentada assume esta perspectiva como um pressuposto.

180
Direito das Coisas FDUP

Os fundamentos desta solução são de ordem teleológica e literal. Em


primeiro lugar, a análise da ratio e do espírito da lei, nomeadamente com a
consagração da possibilidade que cada comproprietário tem em alienar a
sua quota ideal e da possibilidade de cada um deles requerer a divisão da
coisa comum assim faz entender. Em segundo lugar, porque se encontram
pontos de apoio literais ou formais desta doutrina em vários preceitos
legais, designadamente nos arts.1403º, 1405º ou 1408º, todos do CC.
Além destes, encontram-se outros argumentos pela negativa. Assim, a
segunda posição não é de aceitar, porque choca com a ideia de não se poder
conceber mais do que um direito de propriedade sobre a mesma coisa: a
propriedade é, por definição, um direito absoluto que opõe o seu titular a
todos os outros. Há, nesta medida, um ilogismo na ideia da possibilidade de
vários direitos de propriedade sobre o mesmo objecto na sua totalidade.
Já em relação à terceira hipótese, que concebe a compropriedade como
um só direito com vários titulares, ela também não é de admitir, pois não dá
expressão às diferenças entre o regime da compropriedade e o regime da
comunhão, onde, aí sim, há um só direito com vários titulares, até porque
não se pode aí pedir a divisão da coisa comum dada a afectação especial do
património a um fim específico, nem pode cada um dos contitulares alienar
a sua quota do objecto. Ora, na compropriedade não se passa assim. Aqui,
cada um dos contitulares tem alguma liberdade para agir isoladamente
quanto à sua fracção ou quota ideal do objecto. E isto, porque estamos face
a vários direitos de propriedade, cada qual pertencente a um único titular,
que incidirão sobre toda a coisa, mas cada um deles versa somente sobre
uma parte não especificada dela, isto é, sobre uma quota ideal.

181
Direito das Coisas FDUP

E nem por isso, se poderá dizer que esta solução viola o princípio da
especialidade, segundo o qual os direitos reais têm que incidir sobre coisa
determinada. De facto, aqui a coisa está determinada: é a quota ideal do
objecto, que, potencialmente, incide sobre todo ele, mas que não é
exactamente um direito sobre todo o objecto, antes é um direito sobre uma
fracção daquele objecto.

REGIME JURÍDICO:
O problema central que aqui se põe é o de saber quais são as
possibilidades de ser praticado um acto sobre a coisa comum, isoladamente,
por um comproprietário ou por um grupo de contitulares que não represente
a totalidade dos contitulares dos direitos que recaem sobre o objecto.
Quanto à possibilidade que todos têm de, por unanimidade, praticar
quaisquer actos sobre a coisa, ela não suscita dúvidas. O art.1405º CC é
claro quando estipula que os comproprietários exercem em conjunto os
poderes que pertencem ao proprietário singular, sendo que participarão nas
vantagens e encargos da coisa em proporção das suas quotas.
A questão está efectivamente em saber quais os poderes dos
comproprietários, considerados isoladamente ou em grupos parcelares.
Assim, há actos que podem ser praticados isoladamente por um
comproprietário; outros que exigem o acordo da maioria deles; e outros
ainda que exigem a sua unanimidade.

Actos que podem ser praticados isoladamente:


O art.1406º CC prevê o uso da coisa comum por qualquer
comproprietário, na falta de acordo sobre o seu uso, “...contanto que a não

182
Direito das Coisas FDUP

empregue para fim diferente daquele a que a coisa se destina e não prive os
outros comproprietários do uso a que igualmente têm direito”.
Também pode cada um deles, nos termos do art.1408º CC, “dispor de
toda a sua quota na comunhão ou de parte dela”. E podendo dispor também
pode onerá-la, v.g., dá-la em hipoteca (art.689º nº1 CC).
Porém, não pode isoladamente alienar ou onerar uma parte
especificada da coisa comum (art.1408º nº1 in fine), visto que o seu direito
não recai sobre uma parte concreta, individualizada, do objecto, mas apenas
sobre uma quota ideal, pelo menos, até se proceder à divisão da coisa
comum). Se o fizer, o nº2 daquele art.1408º CC manda aplicar ao acto as
normas relativas à disposição ou oneração de coisa alheia (arts. 892º e segs.
CC).
A disposição da sua quota ideal está sujeita à forma exigida para a
disposição da coisa (art.1408º nº3 CC). Por exemplo, a venda por um
comproprietário de metade de um imóvel exige escritura pública, tal como
se exige para a venda do imóvel.
Pode, ainda isoladamente, nos termos do art.1405º nº2 CC, cada
consorte reivindicar de terceiro a coisa comum sem que se lhe possa opor o
facto que ela lhe não pertence por inteiro. Ou seja, cada comproprietário
pode exercer a acção de reivindicação da coisa comum em relação a terceiro
que a possua indevidamente.
Conexionada com esta matéria (disposição e oneração da quota),
atente-se que quando há uma disposição da quota ideal por um dos
comproprietários a um terceiro que não seja comproprietário, há lugar ao
exercício do direito de preferência. Nos termos do art.1409º CC, os
restantes comproprietários têm preferência e têm primazia face a outros

183
Direito das Coisas FDUP

preferentes legais no caso de venda ou dação em cumprimento da quota


ideal. Se este direito de preferência não for respeitado, os outros
comproprietário podem intentar uma acção de preferência, tendo o direito
de haver para si a quota alienada (art.1410º CC). Realce-se a circunstância
de estes mecanismos só valerem no caso de venda ou de dação em
cumprimento.

Actos que podem e devem ser praticados pela maioria:


Abrangem-se aqui os actos de administração da coisa (prática de actos
de conservação e de normal frutificação, não já o seu uso), previsto no
art.1407º CC, que remete para o art.985º. Este artigo, integrado no regime
do contrato de sociedade, prescreve que pertencendo a administração a
todos os sócios ou apenas a alguns deles e não havendo convenção, todos
podem administrar tendo, portanto, poderes iguais. Admite-se, contudo,
convenção no sentido de que só alguns deles possam administrar.
Quando a administração pertença a todos ou a alguns deles, qualquer
dos administradores tem o direito de se opor ao acto que outro pretenda
realizar, cabendo depois à maioria decidir. A maioria, para os efeitos do
art.1407º não é uma maioria numérica, mas uma maioria do valor das
quotas: é necessário que ela represente, pelo menos, metade do valor total
das quotas.
Conexionado com o problema da administração da coisa está a
questão dos encargos com benfeitorias necessárias, feitas para conservar o
objecto. Esses encargos impendem sobre todos os comproprietários da coisa
na proporção das respectivas quotas, podendo cada um dos proprietários
eximir-se desse encargo renunciando ao seu direito nos termos do art.1411º

184
Direito das Coisas FDUP

CC. No caso de alienar para terceiro, continua responsável pelos encargos.


Se renunciar, os outros proprietários adquirem a quota (trata-se de uma
espécie de compensação pelo encargo acrescido que têm nas despesas de
conservação com as benfeitorias necessárias).

Actos que exigem a unanimidade dos comproprietários para serem


praticados:
Nos termos do art.1408º CC, a disposição ou oneração de toda a coisa
ou de parte especificada da coisa exige o consentimento de todos os
comproprietários.

EXTINÇÃO DA COMPROPRIEDADE:
A compropriedade pode extinguir-se por via negocial: qualquer
comproprietário pode adquirir as quotas de quaisquer dos outros ou mesmo
de todos os outros.
Além desta, importa ainda referir a forma de extinção prevista nos
arts.1412º e 1413º CC, que estipulam o direito dos comproprietários a exigir
a divisão da coisa comum.
Pode, às vezes, clausular-se, durante um certo número de anos, a
indivisão da coisa. A lei admite essas cláusulas de indivisão, mas limita a
sua validade a cinco anos, podendo depois renovar-se esse prazo.
Se for pactuada um indivisão superior a 5 anos, a cláusula deve ser
considerada nula, embora se aceita uma redução do negócio jurídico nos
termos gerais da teoria geral do negócio jurídico (art.292º CC).
Para valer em relação a terceiros, esta cláusula de indivisão tem de ser
registada (1412º nº3 CC).

185
Direito das Coisas FDUP

A divisão pode ser feita judicial (em processo judicial) ou extra-


judicialmente (divisão amigável). Neste último caso, ela tem de ser feita
obedecendo aos requisitos de forma que a lei exige para a alienação onerosa
da coisa. Quer dizer, só se pode dividir, por exemplo, um prédio rústico, por
escritura pública, tal como ela seria exigida para a alienação do prédio.

Direito de comunhão

Trata-se da contitularidade de um único direito sobre um património


global que é encabeçado por vários titulares (um direito ↔ um objecto). Por
exemplo, património dos cônjuges no regime de comunhão de bens.

Caso particular da Propriedade horizontal:

NOÇÃO E DOMÍNIO DE APLICAÇÃO:


A propriedade horizontal é a propriedade que incide sobre as várias
fracções componentes de um edifício, fracções essas que devem estar em
condições de constituírem unidades independentes.
É um regime de propriedade, não sobre um edifício na sua estrutura
unitária, mas sobre fracções do mesmo edifício que constituam unidades
independentes.
A noção é dada no art.1414º CC e o seu objecto no art.1415º CC: “Só
podem ser objecto de propriedade horizontal as fracções autónomas que,
além de constituírem unidades independentes, sejam distintas e isoladas
entre si, com saída própria para uma parte comum do prédio ou para a via
pública”.

186
Direito das Coisas FDUP

É necessário portanto que se trate de fracções privativas, mas


existindo instalações comuns ou serviços de utilização comum.
A lei chama-lhe propriedade horizontal, mas o seccionamento pode
ser numa linha vertical e não segundo uma linha horizontal. O que é
realmente necessário para podermos falar da figura da propriedade
horizontal é que as unidades obtidas por seccionamento vertical, tendo
autonomia, são, ao mesmo tempo, interdependentes.
A propriedade horizontal supõe que não haja autonomia estrutural das
várias fracções, na medida em que fazem parte do mesmo objecto unitário,
e que funcionalmente haja utilização de coisas comuns.
Se cada uma das partes for absolutamente autónoma, se não houver
coisas comuns, então, não há propriedade horizontal. O que existe são duas
propriedades contíguas.

NATUREZA JURÍDICA:
A propriedade horizontal parece ter uma natureza dualista, ou seja, ela
é integrada por um concurso de dois direitos: direito de plena propriedade
sobre as partes privativas (sobre cada fracção autónoma) e comunhão sobre
as partes comuns.
(Apesar do art.1420º nº1 CC dizer que cada condómino é
“comproprietário das partes comuns do edifício”, deve ler-se aí
“contitulares”.)
Estes direitos estão ligados, de tal forma que na alienação do direito de
propriedade horizontal vão coenvolvidos a propriedade sobre a parte
privada e o direito de comunhão sobre as partes comuns (art.1420º nº2 CC).

187
Direito das Coisas FDUP

A comunhão das partes comuns dum edifício em propriedade


horizontal é uma comunhão forçada, uma vez que não é possível sair da
indivisão, ao contrário do que sucede no regime da compropriedade em que
é sempre lícito requerer a divisão da coisa comum. Nesta medida, ela é
forçosa e perpétua. Nenhum dos membros da colectividade pode pedir a
divisão da coisa (art.1423º CC), enquanto vigorar a causa que deu origem à
comunhão. É esta uma exigência que decorre do facto de a lei impor uma
relação jurídica de vizinhança e só quando esta relação cessar é que o bem
pode ser dividido, passando-se neste caso ao regime de compropriedade.
Este carácter forçoso e perpétuo deriva da natureza do direito de
comunhão, que se traduz na existência de um só direito com vários titulares,
manifestação essa que resulta da afectação especial do património a um fim
específico.
Em suma, a figura da propriedade horizontal reveste uma natureza
dualista, resultante do concurso destes dois direitos: direito de propriedade e
direito de comunhão.

MODOS DE CONSTITUIÇÃO:
A propriedade horizontal pode ser constituída por negócio jurídico,
usucapião ou decisão judicial (art.1417º CC).
→ Por negócio jurídico:
Há várias modalidades negociais. Porém, em primeiro lugar, é
necessário que seja lavrado um título constitutivo de propriedade horizontal
por escritura pública. A atribuição de cada uma das unidades a vários
proprietários é que poderá ter lugar por diversas vias negociais.

188
Direito das Coisas FDUP

a) Pode um indivíduo, proprietário pleno e exclusivo de um bloco


habitacional, recém construído ou mesmo construído há já muito tempo,
constituir o regime de propriedade horizontal sobre esse bloco, para depois
alienar separadamente as várias unidades a outros sujeitos.
b) O caso mais vulgar é o de uma entidade (por exemplo, uma
empresa de construção) tomar a iniciativa de reunir os fundos que lhe sejam
entregues por determinadas pessoas interessadas em adquirir uma fracção a
título de propriedade horizontal e, com esses fundos e eventualmente com
outros provenientes de crédito bancário, iniciar a construção. À medida que
as construções vão atingindo determinadas fases, a entidade vai recebendo
prestações e as fracções vão sendo atribuídas a cada um dos indivíduos a
quem foram prometidas e que foram adiantando importâncias para a
construção do edifício.
A via negocial normalmente utilizada para esta modalidade de
constituição da propriedade horizontal é o contrato-promessa, mas outras
vias podiam ser seguidas, v.g., através de escritura de venda de coisa futura
e simultaneamente de venda do direito de comunhão sobre o solo que já
existe.
c) Sobre um edifício já existente e pertencente a um só indivíduo ou a
vários (em regime de propriedade horizontal), podem vir a construir-se
novos andares sendo que esse direito de construir sobre edifício já existente
pode pertencer a outrem. A esta situação refere-se o art.1526º CC e que
deve ser enquadrada no direito de superfície. Porém, levantado o edifício
são aplicáveis à ampliação efectuada as regras da propriedade horizontal,
nos termos do mesmo preceito (art.1526º CC).

189
Direito das Coisas FDUP

d) Também pode acontecer que, não havendo um elemento que tenha


a iniciativa de reunir todos os outros, sejam os vários interessados que se
unam, constituindo eles próprios uma sociedade para efeitos de construírem
um prédio em regime de propriedade horizontal.
→ Por usucapião:
Nos termos gerais da usucapião.
→ Por decisão judicial:
A decisão judicial pode ser proferida em processo de divisão de coisa
comum ou em processo de inventário.

DIREITOS E OBRIGAÇÕES OU ENCARGOS DOS


CONDÓNIMOS:
A propriedade horizontal supõe relações de vizinhança, isto é, uma
contiguidade e uma interpenetração de esferas pessoais e patrimoniais dos
vários condóminos. Criam-se grupos ligados por interesses contíguos e
solidários por força da referida interdependência resultante do regime de
propriedade horizontal a que está sujeito o prédio composto pelas várias
unidades habitacionais. Daqui resulta a existência de vários direitos e
deveres recíprocos de cada um dos condóminos.
Quanto às fracções autónomas, cada condómino é pleno proprietário
da sua fracção. Esta fracção é uma unidade habitacional fechada e tapada
pelas partes comuns.
Em relação a ela, o titular tem os poderes normais de um proprietário:
pode usá-la, fruí-la, arrendá-la e receber as rendas, dispor dela com plena
liberdade sem necessidade de submeter a sua decisão a qualquer aprovação
da assembleia de condóminos ou a qualquer outra entidade. Significa isto

190
Direito das Coisas FDUP

que, em relação a estas partes privativas, o condómino tem o “ius utendi,


fruendi e abutendi”, como qualquer normal proprietário. Nem sequer há
aqui lugar, ao contrário do que sucede na compropriedade, ao direito de
preferência (art.1423º CC). Este aspecto revela precisamente o carácter
forçado da comunhão atrás enunciado.
Porém, há a registar algumas limitações, derivadas das relações de
vizinhança, que não se verificam na propriedade em geral (emissão de
fumos, produção de ruídos, etc. – art.1346º CC) e ainda algumas limitações
especiais. Assim, não se pode prejudicar, em resultado de obras (novas ou
de reparação), a segurança ou o arranjo estético do edifício; não pode
destinar a sua fracção a uso ofensivo dos bons costumes; não pode dar-lhe
um fim diverso do uso a que é destinada nem para outras actividades que
tenham sido proibidas no título constitutivo ou por acordo dos condóminos
(art.1422º CC).
Quanto às partes comuns (enunciadas no art.1421º CC), cada um dos
condóminos está sujeito ao regime do direito de comunhão. Por força deste
regime, cada condómino tem encargos de conservação e fruição do imóvel,
são obrigados a suportar as despesas correspondentes ao pagamento de
serviços de interesse comum (electricidade de um elevador, serviços de um
porteiro, iluminação das partes comuns, etc.). A participação de cada um
nestas despesas é estabelecida em função do valor relativo das respectivas
fracções, que está prefixado no título constitutivo da propriedade horizontal,
em percentagem ou permilagem, sempre que outro critério especial de
repartição desses encargos não for acordado (art.1424º CC).
Qualquer inovação ou ampliação do edifício também implica um
encargo para os condóminos, desde que tenham sido aprovadas por uma

191
Direito das Coisas FDUP

maioria qualificada de dois terços do valor total do prédio (art.1425º nº1


CC).
Este ponto está, igualmente, sujeito a limites. É que a assembleia de
condóminos não pode aprovar inovações nas partes comuns, que
prejudiquem a utilização por parte de algum dos condóminos, tanto das suas
coisas próprias, como das suas coisas comuns (art.1425º nº2 CC).
As despesas com as inovações são repartidas pelos condóminos nos
termos do art.1424º CC, mas os condóminos que não tenham aprovado as
deliberações (que será a minoria) podem recusar-se a contribuir para as
despesas, a não ser que seja judicialmente declarada infundada a sua recusa.
A recusa será fundada quando a inovação seja de carácter voluptuário
(art.216º nº3 CC) ou que não seja proporcionada à importância do edifício
(art.1426º nº 1, 2, 3 e 4 CC).
Uma outra obrigação importante que a lei impõe aos condóminos é a
obrigação de segurar o edifício contra o risco de incêndio (art.1429º CC).

ADMINISTRAÇÃO DAS PARTES COMUNS DO EDIFÍCIO:


Ficou dito já que sobre as fracções autónomas recai um direito de
propriedade, pelo que elas são administradas pelo próprio titular.
Porém, para as partes comuns é necessária a existência de uma
estrutura adequada à prática dos actos de administração dessas partes
comuns. Essa estrutura está definida no art.1430º e é composta por uma
assembleia de condóminos e por um administrador.
A assembleia de condóminos é um órgão colegial constituído por
todos os condóminos, com carácter deliberativo, que tem poderes de
controlo, de aprovação e decisão final sobre todos os actos de

192
Direito das Coisas FDUP

administração. Realce-se que ela não pode interferir com a administração


das fracções autónomas de qualquer dos condóminos. Ela só pode exercer
estes poderes em relação às partes comuns. Além disso, só se abrangem
aqui actos de administração. Estão desta forma excluídos os actos de
disposição em relação ao imóvel (fracções autónomas e partes comuns),
pelo que não poderá, por exemplo, alienar as partes comuns. Os actos de
disposição das partes comuns só podem ser decididos por unanimidade.
Não pode também tomar deliberações administrativas que privem qualquer
dos condóminos de direitos que lhes foram conferidos pelos títulos, por
força dos quais adquiriram a sua propriedade (por exemplo, se um
condómino adquiriu uma fracção com aquecimento central, não pode a
assembleia de condóminos privá-lo desse direito, a não ser que tenha o seu
acordo).
O administrador é o órgão executivo, nomeado e exonerado pela
assembleia de condóminos, a quem tem de prestar contas da sua actividade.
Procede, portanto, à execução das decisões daquela e à adopção das
medidas necessárias à conservação e vida do edifício (art.1436º). Assume
especial importância a legitimidade conferida pelo art.1437º para estar em
juízo em representação dos condóminos, quer como autor, quer como
demandado.

Direitos Reais Menores

Direito de Usufruto

NOÇÃO:

193
Direito das Coisas FDUP

O usufruto é o direito de gozar – de usar e fruir – uma coisa ou um


direito de outrem, sem, todavia, afectar a substância do objecto usufruído
(art.1439º CC).
Reportando-nos à clássica tripartição dos poderes do proprietário “jus
utendi, jus fruendi e jus abutendi”, constatamos que o usufrutuário detém
apenas os dois poderes primeiramente referidos: o “jus utendi” e o “jus
fruendi”. O usufrutuário não detém, assim, o “jus abutendi”, o poder de
dispor da coisa.
Toda a situação de usufruto implica um concurso de direitos reais.
Onde existe um usufruto, coexiste uma propriedade esvaziada do “usus” e
do “fructus”.
Por esse motivo é esta propriedade classicamente designada por “nua
propriedade” ou propriedade de raiz.
Porém, atente-se que neste concurso da nua propriedade e do usufruto,
ninguém possui plenamente o “abusus”, ou seja, a possibilidade de dispor
da coisa.
É que este “jus abutendi” não abrange só a possibilidade de alienar a
coisa. Isso ambos o podem fazer na medida dos seus direitos: tanto o nu-
proprietário pode alienar a nua propriedade, como o usufrutuário o pode
fazer no tocante ao seu direito de usufruto.
Contudo, nenhum deles pode destruir a coisa, muito embora o poder
de destruição seja um dos poderes contidos no “jus abutendi”. Aqui, na
situação de concurso entre propriedade de raiz e usufruto, ninguém tem o
poder de destruir a coisa. Nem o pode fazer o usufrutuário, porque tem que
ressalvar aquele limite da substância da coisa, nem o pode fazer o nu-
proprietário, porque assim violava o usufruto.

194
Direito das Coisas FDUP

De tudo isto se conclui que o somatório dos poderes do nu-


proprietário e do usufrutuário não integra os poderes da propriedade plena.
O que se pode dizer é que, se o nu-proprietário e o usufrutuário se
encontrarem de acordo, podem, os dois, exercitar todos e quaisquer poderes
que caibam na propriedade plena.

De tudo o que se disse até agora resulta que o usufruto é um “jus in re


aliena”, i.e., um direito real sobre coisa alheia, que consiste numa derivação
do direito de propriedade e, ao mesmo tempo, numa limitação deste direito.
Ele decorre das relações de vizinhança ou das relações de natureza familiar.
O usufruto é o direito mais denso de todos os direitos reais menores. Ele
confere o pleno gozo do bem (art.1439º CC), podendo o usufrutuário
aproveitar todas as disponibilidades do bem.
Pode ter por objecto uma coisa móvel ou imóvel, coisas corpóreas e
incorpóreas e até um direito.

CARACTERÍSTICAS:
Com base no art.1439º CC podemos alinhavar algumas características
do direito de usufruto:
→ Temporariedade → O usufruto é um direito temporário e, no
comum dos casos, vitalício.
Este carácter resulta da circunstância de o usufruto se extinguir pelo
decurso do prazo, quando no título constitutivo foi estabelecido um prazo, e
da de o usufruto se extinguir igualmente pela morte do usufrutuário
(art.1476º nº1 a) CC).

195
Direito das Coisas FDUP

Assim, desde que não haja prazo estipulado para duração do usufruto,
este extingue-se pela morte do titular desse direito.
Havendo prazo estipulado, o usufruto extingue-se no termo deste,
excepto se, antes de decorrido o lapso de tempo pelo qual foi constituído, se
verificar a morte do usufrutuário. Neste caso, o usufruto extingue-se antes
do decurso do prazo.
É este o regime aplicável às pessoas físicas, regime este em que se
encontra bem vincado o carácter “intuitus personae”. É que, efectivamente,
o usufruto é concedido a alguém durante um determinado prazo, mas nunca
para além da vida do beneficiário (art.1443º CC).
No que respeita às pessoas colectivas, quer de direito público, quer de
direito privado, o art.1443º CC estabelece que a duração máxima do
usufruto é de trinta anos. Traduz-se aqui a preocupação do legislador em
limitar o usufruto. Se a lei utilizasse o mesmo critério para a delimitação do
prazo do usufruto para as pessoas colectivas o mesmo critério que utiliza
para a delimitação do prazo de usufruto para as pessoas singulares poderiam
surgir usufrutos perpétuos a favor de pessoas colectivas, dada a sua duração
normalmente indeterminada ou natureza perpétua.
As razões que levaram a lei a negar o carácter perpétuo do usufruto
(ao contrário do que acontece no direito de propriedade) são várias:
o Graves inconvenientes de ordem económica geral (não há um
estímulo para a exploração dos bens);
o Prejuízos na circulação dos bens (qualquer adquirente do bem, não
adquire a plena propriedade; adquire-o limitadamente); etc.
Porém, a aquisição de um usufruto tem algumas vantagens:

196
Direito das Coisas FDUP

o O usufruto permite realizar capital, isto é, mediante o usufruto, a


pessoa pode compatibilizar a sua necessidade de realizar capital
com a continuação da fruição dos rendimentos.
o Possibilita a certas pessoas o proverem à situação de necessidade de
outrem, mas conseguindo simultaneamente que os bens não saiam
da família do disponente.
A lei, em face das vantagens e dos inconvenientes do usufruto,
consagrou a figura do usufruto com uma certa regulamentação em ordem ao
melhor aproveitamento das suas vantagens e redução a um mínimo dos seus
inconvenientes.
→ Plenitude do gozo do objecto → Traduz-se no direito de gozar
plenamente a coisa (art.1439º CC). Com esta formulação pretende a lei
explicitar que a posição do usufrutuário é mais sólida que a de outras
pessoas, não obstante deterem estas igualmente certos poderes de gozo
sobre uma coisa, como é o caso do locatário ou arrendatário.
As manifestações deste direito de gozo pleno sobre uma coisa são:
o Alienabilidade do usufruto: o usufrutuário pode alienar inter
vivos o seu direito real, tal como resulta do nº1 do art.1444º CC,
ao estatuir que “o usufrutuário pode trespassar a outrem o seu
direito…”. É esta uma possibilidade que não assiste ao locatário.
Não há qualquer incompatibilidade entre este poder de trespasse
ou de oneração do usufruto e o seu carácter intuitus personae e
isto porque o usufruto não exige a fruição em espécie da coisa
usufruída. Ele confere apenas uma maior maleabilidade e
autonomia ao usufrutuário ao permitir-lhe tomar as medidas mais
adequadas à satisfação do seu interesse.

197
Direito das Coisas FDUP

Esta possibilidade de transferência do usufruto é, todavia,


limitada por restrições, quer de natureza voluntária, quer de
natureza legal. Podem surgir, desde logo, restrições resultantes
do seu título constitutivo (se, por exemplo, um testador estipular
no testamento, que o usufrutuário não pode alienar o seu direito);
as restrições podem surgir também em resultado de disposições
legais, por exemplo, do art.1893º nº1 e 1896º CC.
A transmissão do seu direito feita pelo usufrutuário, não o isenta
de responsabilidade pela coisa usufruída. O art.1444º nº2 CC
impõe ao usufrutuário a obrigação de responder perante o titular
da nua propriedade pelos danos que a coisa sofrer por culpa da
pessoa que o substitui.
o Ausência de especial limitação pelo fim: o usufrutuário não sofre
as mesmas limitações que sofre o locatário, no que tange ao fim
a que a coisa se destina.
O usufrutuário pode, com efeito, usá-la e fruí-la sem afectação
teleológica, enquanto que o locatário tem de usar a coisa para
certos fins sob pena de fundar com a sua actuação a resolução do
contrato, como sucederá, v.g., na hipótese de o locatário afectar a
fins comerciais uma casa que arrendou para sua habitação.
→ Princípio da conservação da forma e substância → O usufrutuário
pode gozar temporária e plenamente a coisa fruída, mas sem alterar a sua
forma e substância. Não é, portanto, possível que o usufrutuário,
nomeadamente por contrato ou testamento, seja legitimado para alterar a
forma ou a substância da coisa usufruída.

198
Direito das Coisas FDUP

Contudo, há que ter alguma cautela na interpretação desta


característica. É que, no caso de usufruto de coisas consumíveis, as coisas
podem ser alienadas ou destruídas (o que importa a alteração da forma e da
substância). Aqui, pela própria natureza das coisas, o seu uso implica
necessariamente o seu desaparecimento.
Estes casos de usufruto de coisas consumíveis são resolvidos pelo
art.1451º CC. De facto, nas coisas consumíveis (definido no art.208º CC), o
usufruto regular implica a destruição ou alienação da coisa.
Assim, atendendo à própria natureza dos bens (que se destinam à sua
alienação ou consumo), releva o valor dos bens e não os bens em si e, por
isso, o legislador considera que devolver o valor dos bens ou o próprio bem
são situações com valor jurídico semelhante, uma vez que, em ambos os
casos, o interesse do proprietário fica satisfeito de forma equivalente.
→ Usufruto sobre direitos → O usufruto pode incidir, nos termos do
art.1439º CC, não só sobre coisas, mas também sobre direitos alheios, como
seja o caso em que incide sobre créditos, participações sociais, direitos de
autor, etc.

LIMITES:
1.O usufruto tem que respeitar a forma ou substância da coisa
(art.1439º 2ª parte CC).
2. Se o contrário não for estabelecido no título constitutivo, tem de
obedecer ao destino económico da coisa (art.1446º CC), de acordo
com o critério do bom pai de família.

DURAÇÃO:

199
Direito das Coisas FDUP

De acordo com o art.1443º CC, a duração do direito de usufruto não


pode exceder a vida do usufrutuário ou, tratando-se de pessoa colectiva, não
pode exceder os 30 anos.

CONSTITUIÇÃO:
A constituição do direito de usufruto é regulada pelo art.1440º CC.
Segundo ele, o usufruto pode ser constituído por contrato, testamento,
usucapião ou disposição da lei.
O elenco apresentado por este artigo é um elenco não taxativo.
→ Contrato → Pode operar-se por duas formas distintas:
a) Constituição “per translationem”, que ocorre quando o proprietário
cria directamente ao terceiro o usufruto, detendo ele a nua
propriedade. Ex. A, pleno proprietário, passa para B o usufruto,
ficando com a nua propriedade.
b) Constituição “per deductionem”, que ocorre quando o proprietário
aliena a nua propriedade, ficando com o usufruto. Ex. A, pleno
proprietário, aliena a nua propriedade a B, ficando com o usufruto.
Esta dupla possibilidade revela-se, desde logo, no domínio da
prestação de caução pelo usufrutuário. É que, nos termos do nº1 do
art.1469º CC, o usufrutuário está dispensado de prestar caução no caso de o
seu direito ter sido constituído mediante alienação com reserva de usufruto,
ou seja, no caso típico de constituição “per deductionem”. Daí que o
proprietário, se continuar a usufruir a coisa, limitando-se a transferir a nua
propriedade, não tenha de prestar caução.

200
Direito das Coisas FDUP

Esta só é, assim, exigida na constituição do usufruto “per


translationem”, ou seja, quando o proprietário cria um usufruto a favor de
terceiro.
Admitindo a lei que o usufruto se possa constituir por contrato, poderá
o proprietário do prédio, em vez de o arrendar, constituir antes um usufruto.
Esta solução daria uma posição mais sólida ao adquirente e, por outro
lado, sendo o usufruto necessariamente de natureza temporária, apresenta
vantagens de carácter pessoal para o proprietário, na medida em que lhe
permitiria fugir à aplicação das normas especiais que protegem o
arrendatário.
A generalidade das legislações modernas manifesta-se no sentido da
protecção do arrendatário, protecção que se manifesta, entre nós, por
exemplo, naquela norma que impõe a renovação obrigatória do contrato de
arrendamento (art.1054º CC).
O arrendatário tem uma muito maior possibilidade de permanecer no
prédio do que o usufrutuário. Isto porque, enquanto o direito de usufruto
caduca ao fim do prazo por que foi constituído, o arrendamento pode ser
renovado por vontade unilateral do arrendatário.
Esta situação é até paradoxal. De facto, é curioso que um direito de
crédito como o é o arrendamento, goze de uma protecção maior do que um
direito real típico como o é o usufruto.
Ora, esta “fraude à lei” que resulta da constituição de um usufruto em
vez da celebração do arrendamento não pode ser admitida. Daí que, para
prevenir hipóteses deste tipo, se devam sujeitar obrigatoriamente ao regime
do arrendamento todos os contratos que conferem o uso e fruição de uma

201
Direito das Coisas FDUP

coisa, mediante uma contraprestação que afastará de todo aquela


possibilidade.
Assim, por exemplo, se o senhorio A cede o usufruto de um prédio a
B, pretendendo por esta forma fugir às normas vinculativas do regime do
arrendamento, este contrato vale como arrendamento, dado que “o negócio
celebrado com fraude à lei é nulo, como resulta logo dos princípios gerais”.
→ Testamento → A situação de usufruto que se verifica com mais
frequência é constituída por testamento.
É este um ponto que não levanta particulares dificuldades.
→ Usucapião → O usufruto pode adquirir-se por usucapião.
Já se entendeu na nossa doutrina que o usufruto não podia ser
adquirido por esta via. É que a posse do usufruto é equívoca, uma vez que a
posse do usufrutuário se analisa em termos idênticos à do proprietário.
Tanto a posse de um como a do outro se traduz afinal no uso da coisa e na
recolha dos seus frutos. Não sendo possível esta destrinça, optava-se pela
impossibilidade da aquisição do usufruto por usucapião.
Esta posição é, porém, de afastar, pois há um elemento que permite
distinguir a posse do usufrutuário da posse do proprietário e esse elemento é
o elemento psicológico, o “animus possidendi”.
Assim, configure-se o seguinte exemplo: A constitui um usufruto por
mero escrito particular, passando o usufrutuário a gozar a coisa.
Como, porém, para a constituição de direitos reais sobre imóveis é
exigida escritura pública, o usufrutuário não adquiriu validamente o direito
de usufruto, mas apenas a posse correspondente.
Neste caso, a sua intenção é nitidamente de usufrutuário, não podendo
por isso adquirir a propriedade.

202
Direito das Coisas FDUP

Pode, porém, adquirir o usufruto, uma vez que, estando


psicologicamente na posição do usufrutuário, passou a fruir a coisa como
tal. Isto não ocorrendo inversão do título da posse. Enquanto não se
verificar uma eventual inversão do título, há apenas uma posse de um
usufruto.
→ Disposição da lei → Por último, o usufruto também pode
constituir-se por disposição legal.

USUFRUTOS SUCESSIVOS OU SIMULTÂNEOS:


De acordo com o estipulado no art.1441º CC, o usufruto pode ser
constituído simultânea ou sucessivamente.
Decorre daquele preceito que a um indivíduo é legítimo constituir um
usufruto, quer simultaneamente a favor de duas pessoas, quer
sucessivamente, i.e., a favor de uma e, por morte desta ou por decurso do
prazo, a favor de outrem.
Por outras palavras, no caso de usufruto simultâneo, há uma
contitularidade do usufruto. No caso de usufruto sucessivo, os usufrutuários
entram sucessivamente pela ordem fixada no título constitutivo.
Esta possibilidade de se constituírem usufrutos sucessivos é
contrastante com o carácter temporário do usufruto. Porém, não é assim.
Atente-se na parte final do art.1441º CC: “…contanto que existam ao tempo
em que o direito do primeiro usufrutuário se torne efectivo”. Para se
constituir o usufruto, é necessário que o segundo usufrutuário já exista no
momento em que esse direito se torna efectivo.
O usufruto, ainda que sucessivo, não pode, pois, nunca ter uma
duração maior do que aquele que teria se tivesse sido directamente

203
Direito das Coisas FDUP

constituído a favor do último beneficiário. Ou melhor, qualquer dos


instituídos tem de estar, no momento da efectivação do usufruto, numa
situação segundo a qual pudessem ser imediatamente nomeados.
O usufruto simultâneo tem, por isso, uma duração tabelada pela vida
do último usufrutuário, excepto se, antes da morte deste, decorrer o prazo
pelo qual foi constituído, no caso de o ter sido a prazo (caso de decurso do
prazo).
De tudo isto decorre que se encontra excluída a possibilidade de
constituição de usufrutos sucessivos a favor de concepturos.
Quanto a nascituros, rigorosamente, nos termos da lei, não é uma
pessoa existente, não podendo, por isso, ser beneficiário de um usufruto.
A “ratio” do preceito, porém, não exclui que os nascituros possam ser
beneficiários desse direito.
De facto, se se pode deixar um usufruto a uma pessoa que acabou de
nascer, porque não a um nascituro já concebido? Esta possibilidade não
alarga incomportavelmente o prazo do usufruto.
Por outro lado, também a própria situação de pendência do usufruto
não é muito dilatada, uma vez que, no caso de nascituros já concebidos, o
seu nascimento será questão de pouco tempo.
A “ratio” não exclui, portanto, que os nascituros já concebidos
possam ser beneficiados com a instituição de um usufruto simultâneo ou
sucessivo.
De qualquer forma, é esta uma questão controversa.

204
Direito das Coisas FDUP

Por último, diga-se que, no usufruto simultâneo, existe um direito de


acrescer, não só quando esse direito resulta de testamento, mas também
quando seja constituído por contrato.
Assim, se alguém deixa um usufruto simultaneamente a duas pessoas
e uma delas falece, a outra adquire o usufruto de toda a coisa. O falecimento
de um dos co-usufrutuários não atribui ao outro apenas metade do usufruto.
O outro adquire-o na totalidade.
O fundamento desta solução é uma presunção correspondente à
vontade presumida das partes. Presume-se, com efeito, que, constituindo-se
por testamento ou contrato um usufruto simultâneo sobre um prédio,
pretendeu-se deixar aos instituídos a totalidade do usufruto. Como são
vários os instituídos, o direito de usufruto divide-se. Mas se fosse
unicamente um instituído, este seria o beneficiário da totalidade do direito
de usufruto.
É com este fundamento material que o art.1442º CC vem consagrar o
direito de acrescer destes usufrutuários simultâneos, quer o seu direito
resulte da disposição testamentária, quer de um contrato.

DIREITOS DO USUFRUTUÁRIO:
Relativamente aos poderes do usufrutuário sobre o próprio usufruto,
dissemos já, que o usufrutuário pode alienar ou hipotecar o seu direito de
usufruto; pode defender esse seu direito, exercitando acções possessórias ou
acções do tipo da acção de reivindicação (a chamada acção confessória do
usufruto – “vindicatio usufrutus”).
Já no que toca aos direitos do usufrutuário sobre a coisa usufruída,
cite-se, em primeiro lugar, o art.1445º CC que apela para o título

205
Direito das Coisas FDUP

constitutivo: “os direitos e obrigações do usufrutuário são regulados pelo


título constitutivo do usufruto; na falta ou insuficiência deste, observar-se-
ão as disposições seguintes”.
Significa isto que há uma certa variabilidade do conteúdo do usufruto,
uma vez que é possível estipular-se uma dimensão de poderes e um
conteúdo do usufruto varáveis de caso para caso.
Não existe, por isso, uma configuração rígida do usufruto. O que
acontece, normalmente, é que as partes abstêm-se de estipular, havendo
então lugar à aplicação de normas dispositivas. Nessa altura o usufruto vê o
seu conteúdo delimitado e conformado pelas normas supletivas.
Esta liberdade de conformação interna do usufruto significa que, em
princípio, o usufruto incide sobre todas as utilidades da coisa, podendo,
porém, excluir-se uma ou outra utilidade da coisa. É nesta medida que pode
dizer-se que o conteúdo do usufruto é variável.

Quais são essas normas supletivas que definem o conteúdo do


usufruto?
O art.1446º CC responde a esta questão ao estatuir que “o usufrutuário
pode usar, fruir e administrar a coisa ou o direito como faria um bom pai de
família, respeitando o seu destino económico”.
Desta disposição decorre que o usufrutuário pode usar a coisa para seu
uso pessoal, fruí-la, colhendo directamente os frutos respectivos ou
arrendando-a, e administrá-la como um bom pai de família, ressalvando o
seu destino económico.
Esta referência ao padrão do bom pai de família implica o recurso a
uma cláusula geral. Nesta linha, o usufrutuário não pode deixar de fazer

206
Direito das Coisas FDUP

obras de conservação ou, pelo uso excessivo e imoderado da coisa,


prejudicar a sua normal rentabilidade.
Do mesmo modo, não pode abster-se de utilizar processos técnicos de
cultura da terra, que se apresentem como os mais convenientes à
conservação da coisa.
Tudo isto significa que o usufrutuário tem de proceder como
procederia um bom administrador, sendo este o sentido que, em última
análise, se deve atribuir ao padrão do “bonus pater familias”.
Dentro destes poderes de usar, fruir e administrar que competem ao
usufrutuário estão abrangidas, nos termos do art.1449º CC, não só as coisas
acessórias ou as acessões que vêm acrescer à coisa, mas também todos os
direitos inerentes à coisa usufruída. Será este o caso das servidões, por
exemplo.

Uma outra nota a que alude o princípio geral do art.1446º CC é a de


que o usufrutuário tem de respeitar o destino económico da coisa, ou seja,
que o usufrutuário pode usar e fruir a coisa desde que respeite o seu destino
económico.
Daí decorre, “a contrario sensu”, que o usufrutuário não pode alterar o
destino económico da coisa usufruída. Não pode, por exemplo, transformar
um pomar ou prédio rústico num campo de jogos. O destino económico que
a coisa tem deve ser conservado. É esta vinculação uma expressão da falta
do “jus abutendi”, ou seja, da falta do direito de dispor da coisa.

Cumpre ainda referir a possibilidade de se levantarem vários


problemas a propósito quer do início, quer do termo do usufruto.

207
Direito das Coisas FDUP

Assim, pode, desde logo, perguntar-se qual o regime aplicável ao


usufrutuário, quer no início, quer no termo do seu direito, no tocante aos
frutos da coisa usufruída.
Como resulta do art.1447º CC, os frutos que estejam já em maturação,
como será, por exemplo, o caso de uma vinha muito próxima da colheita no
momento em que se constitui o usufruto, esses frutos podem ser
integralmente colhidos pelo usufrutuário, sem que este tenha de abonar
qualquer despesa feita.
Esta solução baseia-se numa presunção de vontade. A lei presume que
a vontade do instituidor se manifestaria no sentido de pretender que o
beneficiário do usufruto passe, logo após a instituição, a colher os frutos da
coisa.
No tocante ao termo do usufruto, a lei estabelece, na 2ª parte do
art.1447º CC que “…findo o usufruto, o proprietário é obrigado a
indemnizar aquele (o usufrutuário) das despesas de cultura, sementes ou
matérias-primas e, de um modo geral, de todas as despesas de produção
feitas pelo usufrutuário, até ao valor dos frutos que vierem a ser colhidos”.
Decorre deste artigo que, no termo do usufruto, a solução consagrada
conduz a um resultado inverso do verificado para o início desse direito.
Efectivamente, no termo do usufruto, o proprietário é que vai colher
os frutos, tendo, porém, que abonar as despesas de cultura, sementes e
matérias-primas, etc., realizadas pelo usufrutuário.
Esta solução justifica-se pelo intuito de evitar um locupletamento do
proprietário da raiz à custa do usufrutuário, que se verificaria com outra
solução que não a legal. Por outro lado, o regime da lei afasta o

208
Direito das Coisas FDUP

inconveniente de, no último ano do usufruto, o usufrutuário se quedar numa


atitude de inércia.

O usufrutuário tem, pois, o direito de usufruir, uma vez que o usufruto


abrange, além do direito de uso, o direito aos frutos.
A noção de frutos, como se sabe, encontra-se na parte geral do CC,
art.212º nº1 CC ao estatuir que “diz-se fruto de uma coisa tudo o que ela
produz periodicamente, sem prejuízo da sua substância”.
(Para mais desenvolvimentos a respeito dos frutos cfr. supra
Introdução, Capítulo I, ponto 7, alínea f))
Um ponto importante conexionado com esta matéria é o de que o
usufrutuário tem direito aos frutos, ma não tem direito aos produtos.
(Para saber os termos desta distinção cfr. supra Introdução, Capítulo I,
ponto 7, alínea f))

Também quanto à forma como os frutos são recolhidos há uma


importante distinção a fazer.
É que nos termos do art.213º nº1 CC, os frutos naturais são adquiridos
ou até um momento determinado ou a partir desse momento, pertencendo
ao usufrutuário os frutos percebidos durante a vigência do seu direito.
Segue-se, portanto, aqui, a doutrina da percepção.
Pertencem ao usufrutuário os frutos naturais que se percebem, que se
colhem dentro dos limites temporários do usufruto. O titular desse direito
tem, assim, direito a todos os frutos que se vencem durante o usufruto.

209
Direito das Coisas FDUP

É, assim, o momento da colheita, o momento da percepção, que


vigora, prevendo a lei, para obstar a que esta disposição seja iludida, sanção
para as colheitas prematuras.
Poderia pensar-se, para aqui, num critério de proporcionalidade,
segundo o qual o indivíduo que esteve na fruição do bem, por exemplo, por
três meses, período correspondente a metade do ciclo produtivo desse bem,
receberia também apenas metade dos frutos.
Não é, porém, esta a solução da lei.
Segundo esta, se a colheita se verifica num momento anterior aos seis
meses, o usufrutuário recebe todos os frutos; se, posteriormente, não tem
direito a quaisquer produtos, assiste-lhe apenas, no caso de ter realizado
despesas para a sua produção, o direito a ser indemnizado por essas
despesas.
Já no que toca aos frutos civis, a lei adoptou antes um critério de
proporcionalidade. Os frutos distribuem-se “pro rata temporis”, isto é, em
proporção do tempo que dura o usufruto. Por exemplo, no caso de uma
renda anual de um prédio, se o usufruto dura apenas meio ano, o
usufrutuário recebe apenas metade da renda.
Esta diferença de regimes justifica-se pelo facto de que, no toca aos
frutos civis, se poder estabelecer, com um grau suficiente de certeza, um
critério de proporcionalidade, que não se consegue obter para os frutos
naturais. Daí que a lei tenha adoptado um sistema, embora mais drástico,
mais seguro e mais certo que é o de se atender ao momento da percepção
dos frutos. Não é, por isso, quem semeia que tem direito aos frutos, mas
quem colhe. Se o usufruto vigora durante o tempo da colheita, o
usufrutuário é o dono dos frutos.

210
Direito das Coisas FDUP

Aliás, doutro modo, poderia haver uma dificuldade, quanto aos frutos
naturais, mormente quanto a saber a que período se devia atender: ao ano
civil ou ao ciclo produtivo do bem em questão, tendo em conta que este
ciclo pode variar consoante os usos locais e respectivos costumes e as
técnicas de produção utilizadas, etc., o que se traduz num elemento de
incerteza.
Daí que a lei prefira seguir um critério mais seguro e mais claro que é
o de atender ao momento da percepção.

Pode também o usufrutuário realizar benfeitorias na coisa usufruída,


quer úteis, quer voluptuárias, desde que, nos termos do art.1450º CC, “não
altere a sua forma ou substância, nem o seu destino económico”.
Aplica-se, quanto às benfeitorias, o mesmo regime do possuidor de
boa-fé.

Por último, no que toca à alienação dos frutos antes da colheita,


importa atentar no art.1448º CC.
Vimos já que o momento que releva é o momento da percepção. Mas,
se o usufrutuário alienar frutos antes da colheita e o usufruto se extinguir
antes desta, a alienação subsiste, revertendo o seu produto a favor do
proprietário.
É esta uma regra que se destina a dar conteúdo prático ao princípio de
que o que releva neste domínio é o momento da colheita, ou seja, o
momento da percepção dos frutos, reagindo, assim, contra uma alienação
prematura. O facto de o usufrutuário alienar antecipadamente os resultados
da colheita não lhe traz quaisquer benefícios, uma vez que, por força dessa

211
Direito das Coisas FDUP

disposição legal, o produto recebido terá de ser integralmente entregue ao


proprietário de raiz, deduzidas, porém, as despesas realizadas com o cultivo,
no caso de haver lugar a isso.

→ Casos especiais:
Referimo-nos até agora ao usufruto em geral. Porém, a lei regula, nos
arts.1451º a 1467º CC, o usufruto de certas coisas, de determinadas
categorias de bens. Isto porque era necessária uma previsão especial do
usufruto que incida sobre certos objectos.
É que a natureza e a constituição destes objectos criam problemas
específicos, maxime no que se refere à individualização, à determinação dos
frutos.

 Art.1451º CC: usufruto de coisas consumíveis.


Parece, à primeira vista que o usufruto é incompatível com as coisas
consumíveis.
De facto, se nas coisas consumíveis o “usus” se confunde com o
“abusus” – se o uso delas implica o seu desaparecimento – então, parece
que o usufruto não devia sequer abranger essa categoria de coisas.
A doutrina tradicional fala aqui em quase-usufruto ou usufruto
impróprio.
Ora, a lei, todavia, dá a possibilidade prática de se constituírem
usufrutos de coisas consumíveis, torneando esta dificuldade ao estatuir que
o usufrutuário se pode servir das coisas ou aliená-las constituindo-se,
porém, na obrigação de restituir o seu valor, findo o usufruto, no caso de as
coisas terem sido estimadas.

212
Direito das Coisas FDUP

Ex. Se um indivíduo é usufrutuário de uma herança e nesta estão


incluídos, por exemplo, cereais ou vinho, o usufruto incide também sobre
estes.
Pode-se, nesta hipótese, determinar o valor desses bens e é esse valor
que o usufrutuário tem que restituir, terminado o seu direito.
Pode também acontecer que essa estimativa não tenha sido efectuada.
Neste caso, o usufrutuário é obrigado a restituir coisas do mesmo género,
qualidade ou quantidade. Não é a própria coisa que é restituída, mas outra
equivalente.
O nº2 do art.1451º CC consagra um princípio que é revestido de
alguma importância: o usufruto de coisas consumíveis não importa
transferência da propriedade para o usufrutuário.
Esta solução tem alguns efeitos, desde logo, para efeitos de risco pela
deterioração da coisa. Em caso de deterioração, o usufrutuário deixa de
poder gozar a coisa e, simultaneamente, o proprietário deixa de poder exigir
a sua restituição.
É precisamente para conseguir uma solução deste tipo que a lei diz
que o usufruto de coisas consumíveis não atribui a propriedade ao
usufrutuário, embora este princípio se apresente como pouco lógico quando
encarado na perspectiva de uma lógica jurídica pura, na medida, em que é
difícil de admitir que um indivíduo não seja proprietário de uma coisa que
pode consumir e destruir.
A lei considerou, porém, que seria injusto tornar o usufrutuário
proprietário.

213
Direito das Coisas FDUP

Assim, em matéria de risco, se ele fosse proprietário, perecida a coisa,


o risco corria por conta dele e, uma vez extinto o usufruto, o proprietário de
raiz poderia exigir-lhe a restituição do respectivo valor.
É, portanto, esta solução que a lei teve em vista ao estatuir que o
usufruto não importa, aqui, o direito de propriedade, donde resulta
suportarem os dois o risco. O proprietário de raiz porque, perecendo a coisa,
esta perece por sua conta e risco; o usufrutuário porque perde o usufruto,
não estando, porém, adstrito à restituição do valor correspondente,
diversamente do que aconteceria se ele fosse o proprietário das coisas.
Neste caso, o risco seria, como já se disse, totalmente suportado por ele.
Logo, quando se extinguisse o usufruto, teria de restituir o seu valor ao
proprietário de raiz que, por seu turno, não suportaria risco nenhum.

 Art.1452º CC: usufruto de coisas deterioráveis.


Podem existir coisas que, não sendo consumíveis, não se destruindo,
pelo seu uso, vão perdendo progressivamente o valor.
Será, v.g., o caso de um automóvel. O usufruto que incida sobre um
automóvel vai diminuindo, pouco a pouco, o valor deste.
Nestes casos, diversamente do que vimos acontecer no domínio das
coisas consumíveis, aqui não há lugar à restituição do valor das coisas
objecto do usufruto. As coisas deterioráveis são restituídas pelo
usufrutuário, findo o usufruto, no estado em que se encontrem.
O usufrutuário de um automóvel usufruído durante dez ou vinte anos,
não tem de restituir um automóvel de valor idêntico ao usufruído no início
do direito de usufruto. Limita-se a restituir a coisa com o valor que esta tem

214
Direito das Coisas FDUP

no termo do usufruto, excepto se a sua deterioração resultou de utilização


diversa da que era própria.

 Art.1453º a 1456º CC: usufruto de árvores e arbustos de matas,


árvores de corte, plantas de viveiro.
Sobre esta matéria ocorrem alguns problemas específicos,
particularmente no que toca ao usufruto de matas e árvores de corte.
Referindo-se-lhe, o nº1 do art.1455º CC dispõe que “o usufrutuário de
matas ou quaisquer árvores isoladas que se destinem à produção de madeira
ou lenha deve observar, nos cortes, a ordem e as praxes usadas pelo
proprietário ou, na sua falta, o uso da terra”.
As árvores, qualificando-se, em princípio, como produtos, devem,
porém, na hipótese prevista no art.1455º CC, em que o usufruto incide sobre
matas cuja utilização reside no corte periódico de madeira, ser consideradas
como frutos. Tem, então, o usufrutuário direito a fazer esses cortes, segundo
as praxes usadas pelo proprietário ou, na sua falta, segundo os usos da terra.
O usufrutuário pode, portanto, cortar árvores da mata sobre que incide
o seu direito de usufruto, enquanto se possam considerar frutos, mas já não
quando essas árvores revistam a natureza de capital.

 Art.1457º e 1458º CC: usufruto sobre a exploração de minas e


pedreiras.
No que toca à exploração de pedreiras, o regime do art.1458º CC
inspira-se na ideia de que a pedra é um produto, não tendo, por isso, o
usufrutuário direito a ela.

215
Direito das Coisas FDUP

É precisamente esta ideia que justifica a proibição imposta ao


usufrutuário, do nº1 do preceito citado, de abrir novas pedreiras, sem o
consentimento do proprietário. Isto, porque a extracção da pedra altera a
substância da coisa usufruída na medida em que esgota a terra.
Porém, “…se elas já estiverem em exploração ao começar o usufruto,
tem o usufrutuário a faculdade de explorá-las, conformando-se com as
praxes observadas pelo proprietário” (2ª parte do nº1 do art.1458º CC).
Decorre desta disposição que, se o usufruto incide sobre algo que já é
uma pedreira quando esse direito de usufruto se constitui, então, nesse caso,
a pedra qualifica-se como fruto do bem usufruído.
Diversamente, se um indivíduo é tornado usufrutuário de um terreno,
não pode, nesta hipótese, começar a explorar uma pedreira nesse terreno,
uma vez que a pedra nele contida só é classificável como produto.

 Art.1462º CC: usufruto sobre universalidades de animais.


Levantam-se neste domínio problemas particulares, designadamente, o
da qualificação das crias como frutos ou produtos. Serão qualificadas como
produtos se se destinarem a compensar as espécies que, por qualquer
motivo, vêm a faltar.

 Art.1463º a 1467º CC: usufruto sobre rendas, dinheiro, capitais


levantados ou títulos de crédito.
O usufrutuário tem direito aos juros correspondentes à duração do
usufruto e à fruição dos prémios ou outras utilidades aleatórias produzidas
pelo título (por exemplo, um prémio atribuído por sorteio aos titulares de
títulos de crédito emitidos por uma instituição bancária). Também a lei é

216
Direito das Coisas FDUP

clara quanto ao usufruto de títulos de participação (v.g., usufruto de um lote


de acções).

OBRIGAÇÕES DO USUFRUTUÁRIO:
As obrigações do usufrutuário iniciam-se mesmo antes do começo do
usufruto.
O usufrutuário deve, com efeito, nos termos do art.1468º nº1 a) CC,
proceder a um inventário, isto é, deve relacionar os bens, declarando o seu
estado, bem como o valor dos móveis se os houver.
De seguida, de acordo com a alínea b) daquele artigo, deve o
usufrutuário prestar caução, se esta lhe for exigida.
Daí resulta que ao proprietário é tão lícito exigir a caução como
adoptar conduta inversa, nada exigindo.
A caução, porém, quando prestada, destina-se a cobrir a
responsabilidade do usufrutuário pela restituição da coisa no termo do
usufruto ou por quaisquer deteriorações que venha a causar na coisa
usufruída.
Ocorrem, todavia, certas situações em que há dispensa de caução. São
os casos previstos no art.1469º CC.
Assim acontecerá, em primeiro lugar, na hipótese de constituição de
usufruto “per deductionem”, ou seja, nos casos de alienação de uma coisa
com reserva de usufruto.
Depois, pode o usufrutuário ser dispensado de prestar caução no título
constitutivo do usufruto.

Pode, contudo, a caução não ser prestada.

217
Direito das Coisas FDUP

As consequências da não prestação de caução vêm enunciadas no nº1


do art.1470º CC, que estatui “se o usufrutuário não prestar a caução devida,
tem o proprietário a faculdade de exigir que os imóveis se arrendem ou
ponham em administração, que os móveis se vendam ou lhe sejam
entregues, que os capitais, bem como a importância dos preços das vendas,
se dêem a juros ou se empreguem em títulos de crédito nominativos, que os
títulos ao portador se convertam em nominativos ou se depositem nas mãos
de terceiro, ou que se adoptem outras medidas adequadas”.
Uma vez adoptadas as várias providências previstas para as diferentes
categorias de bens, o usufrutuário limitar-se-á, então, a receber os
rendimentos, em vez de usufruir directamente os bens.
Neste caso, o usufrutuário deixa, como é óbvio, de se encontrar numa
situação que possa envolver responsabilidade. Esta só surgiria, se se
encontrasse na posse das coisas e não na mera situação de receber, v.g., as
rendas, os juros, etc.

Como restantes obrigações salienta-se o prescrito nos arts.1472º e


1473º CC, versando sobre matéria de reparações.
O art.1472º CC, relativo às reparações ordinárias, enuncia o princípio
de que cabem ao usufrutuário as reparações ordinárias indispensáveis para a
conservação da coisa e as despesas de administração.
A lei define, por outro lado, esse tipo de reparações de acordo com um
critério teleológico. Ordinárias são aquelas reparações necessárias à
conservação da coisa.
A lei estabelece-lhes, porém, um limite baseado num critério de valor
ao estatuir no nº2 da disposição citada que “não se consideram ordinárias as

218
Direito das Coisas FDUP

reparações que, no ano em que forem necessárias, excedam dois terços do


rendimento líquido desse ano”.
Da conjugação destas duas disposições resulta que qualquer despesa
realizada em vista à conservação da coisa usufruída é qualificável como
despesa de reparação ordinária, excepto se comprometer mais de dois terços
do rendimento líquido da coisa usufruída no ano em que são necessárias.
Por último, tal como acontece com outras obrigações reais, pode o
obrigado eximir-se do encargo renunciando ao usufruto (art.1472º nº3 CC).
Quanto às reparações extraordinárias, essas cabem ao proprietário. O
usufrutuário não tem, assim, o dever de as realizar, cumprindo-lhe apenas
avisar o proprietário para que este as efectue.
Porém, note-se, este não é obrigado a fazê-las directamente. Só que,
uma vez notificado, se o proprietário não realizar as reparações
extraordinárias, se elas forem de utilidade real, o usufrutuário pode, então,
efectuá-las a expensas daquele. Melhor, a expensas suas, mas virá a ser
reembolsado do montante dispendido ou será pago, no fim do usufruto, do
valor que as benfeitorias tiverem nesse momento.
Não há, portanto, aqui propriamente uma obrigação que tenha de ser
executada em espécie pelo proprietário. O usufrutuário avisa-o, o
proprietário não procede às reparações e, então, aquele procede a elas a
expensas suas, exigindo ao proprietário a sua importância ou exigindo, no
termo do usufruto, o valor das benfeitorias que resultaram dessas reparações
para o bem usufruído.

EXTINÇÃO:
As causas de extinção do usufruto vêm referidas no art.1476º CC.

219
Direito das Coisas FDUP

→ Morte ou decurso do tempo → Art.1476º nº1 a): “O usufruto


extingue-se por morte do usufrutuário, ou chegado o termo do prazo por
que o direito foi conferido, quando não seja vitalício.”
É esta uma manifestação do carácter pessoal do usufruto. De facto,
sendo este constituído “intuitus personae” é lógico que, falecido o
usufrutuário, se extinga esse seu direito.
Por outro lado, tratando-se de um usufruto constituído por tempo
determinado, o decurso desse prazo acarreta necessariamente o termo do
usufruto.
→ Confusão → Art.1476 nº1 b): “O usufruto extingue-se pela reunião
do usufruto e da propriedade na mesma pessoa.”
Ocorre, aqui, uma situação semelhante à que, no âmbito dos direitos
de crédito, se designa por confusão. Assim, tal como as obrigações se
extinguem pela reunião na mesma pessoa das qualidades de devedor e
credor, também no domínio do usufruto, a atribuição a um mesmo titular da
propriedade de um bem e de um direito de usufruto sobre esse bem acarreta,
logicamente, a extinção deste. Isto porque não pode haver encargos sobre
coisa própria.
→ Não uso → Art.1476º nº1 c): “O usufruto extingue-se pelo seu não
exercício durante vinte anos, qualquer que seja o motivo.”
Assim, se o usufrutuário não exercer os poderes que lhe competem,
durante esse lapso de tempo, o usufruto extingue-se.
Uma nota importante a referir é a não aplicabilidade, neste domínio,
do regime da usucapião, o que implicaria serem aplicáveis as causas de
interrupção ou suspensão que sabemos valerem no campo daquele regime
da usucapião.

220
Direito das Coisas FDUP

Aqui, na hipótese do não uso, os vinte anos previstos na lei importam


necessariamente a extinção do usufruto, independentemente de quaisquer
considerações sobre o motivo do não exercício.
Se é verdade que os direitos reais correspondem ao reconhecimento de
certas vantagens e, nessa medida, são aceites tipificadamente, logo que não
estejam a cumprir a sua função a lei põe-lhes um termo.
É precisamente esse interesse em fazer caducar os direitos sobre coisa
alheia (“jura in re aliena”) que está patente na circunstância de o usufruto
se extinguir pelo seu não exercício durante vinte anos.
→ Perda → Art.1476º nº1 d): “O usufruto extingue-se pela perda total
da coisa usufruída.”
Assim, se um indivíduo detém um direito de usufruto sobre um
objecto e este desaparece totalmente, o usufruto extingue-se.

Conexionado com esta hipótese, pode referir-se ainda o regime


aplicável à perda parcial, que está previsto no art.1478º CC.
Segundo o nº1 desta disposição, “se a coisa ou o direito usufruído se
perder só em parte, continua o usufruto na parte restante”. Ocorre, desta
forma, aqui, uma redução do usufruto.
Por sua vez, o nº2 prevê uma hipótese da maior importância, como
seja, a da chamada “rei mutatio”, ou seja, a da transformação da coisa.
Aqui, a coisa usufruída não se perdeu totalmente, nem sequer parcialmente,
mas antes foi objecto de uma mutação qualitativa.
A solução tradicional para estas situações, vigente no direito romano,
apontava para a extinção do usufruto, solução essa que resultava da ideia de
predestinação económica da coisa usufruída. Só havia manutenção do

221
Direito das Coisas FDUP

usufruto, quando, embora ocorrendo alteração, se mantinha o destino


económico da coisa. Sendo as coisas concedidas para serem usadas dentro
de um certo destino económico, destino que o usufrutuário devia ressalvar,
então, quando ocorria uma alteração desse elemento teleológico o usufruto
tinha necessariamente de se extinguir.
Não obstante, o CC afastou-se desta orientação, consagrando uma
outra mais aceitável. É que, com efeito, não parece justo que o proprietário
da raiz adquira imediatamente aqueles bens, quando ainda tenham algum
valor, nem que o usufrutuário os perca.
Daí que a lei estatua no nº2 daquele art.1478º CC, que o usufruto se
mantém “…no caso de a coisa se transformar noutra que ainda tenha valor,
embora com finalidade económica distinta”.
Por exemplo, no caso de um automóvel, objecto de um usufruto, ser
reduzido, por sua destruição, a uma amálgama de sucata, o usufrutuário
mantém o seu direito sobre a sucata, só que agora incide sobre coisa
consumível, uma vez que esses resíduos só poderão ser utilizados para
outros fins mediante a sua recuperação, aplicando-se-lhes, nessa altura, o
regime previsto na lei para o usufruto de coisas consumíveis.
O usufrutuário pode, por isso, consumir a coisa ou aliená-la,
constituindo-se na obrigação de, no termo do seu usufruto, restituir coisa do
mesmo género e espécie ou o seu valor.

Resulta também de uma aplicação destes princípios o regime previsto


para a destruição de edifícios objecto do usufruto.
Nem outra coisa resulta, aliás, do nº1 do art.1479º CC.

222
Direito das Coisas FDUP

→ Renúncia → Art.1476º nº1 e): “O usufruto extingue-se pela


renúncia.”
Esta renúncia é um mero negócio jurídico unilateral, que não requer,
nos termos do nº2 do art.1476º CC, aceitação do proprietário.
→ Mau uso → Art.1482º CC: “O usufruto não se extingue, ainda que
o usufrutuário faça mau uso da coisa usufruída; mas, se o abuso se tornar
consideravelmente prejudicial ao proprietário, pode este exigir que a coisa
lhe seja entregue … obrigando-se … a pagar anualmente ao usufrutuário o
produto líquido dela, depois de deduzidas as despesas e o prémio que pela
sua administração lhe for arbitrado.”
Este abuso considerável não extingue, portanto, o usufruto, mas pode
extingui-lo em espécie, uma vez que o proprietário pode exigir que a coisa
lhe seja entregue, pagando, anualmente, a importância do respectivo
rendimento ao usufrutuário.
→ Restituição → Art.1483º CC: “Findo o usufruto, deve o
usufrutuário restituir a coisa ao proprietário, sem prejuízo do disposto para
as coisas consumíveis e salvo o direito de retenção nos casos em que possa
ser invocado.”
Decorre desta disposição que o usufrutuário deve, findo o usufruto,
restituir ao proprietário a coisa usufruída. Exceptua-se a hipótese de ser uma
coisa consumível, em que deve ser prestado o valor. Igualmente se deve
ressalvar o caso de haver lugar ao exercício do direito de retenção, como
garantia de reembolso do usufrutuário de, v.g., despesas extraordinárias
que, nos termos do art.1473º CC, tenha realizado.

Direitos de Uso e Habitação

223
Direito das Coisas FDUP

O art.1484º nº1 CC apresenta a noção deste direito real. Ele consiste


na “faculdade de se servir de certa coisa alheia e de haver os respectivos
frutos, na medida das necessidades, quer do titular, quer da sua família”,
continuando o nº2 dessa disposição que “quando este direito se refere a
casas de morada, chama-se direito de habitação”.

Este direito abrange não só o usus, mas também o fructus, embora a


sua designação como direito de uso pudesse sugerir uma limitação do seu
âmbito, correspondente à terminologia empregue.
Porém, ele abrange esses poderes de usus e fructus, mas apenas na
medida das necessidades pessoais do seu titular e da família.
Daí que, se o direito de uso incidir sobre uma casa (estando, portanto,
em causa um direito de habitação), esta não pode ser arrendada, dado que o
direito não engloba os frutos civis dela, traduzindo-se antes num mero
direito de habitar a casa.
O art.1486º CC, procurando definir o critério das medidas de
necessidade, parece ser inconstitucional por violar o art.13º CRP.
Porém, dado que as necessidades da família constituem o elemento
pelo qual se afere o âmbito de exercício do direito de uso pelo seu titular,
importa delimitar o agregado familiar. É esta a função do art.1487º CC, ao
estatuir que “na família do usuário ou do morador usuário compreendem-se
apenas o cônjuge, não separado judicialmente de pessoas e bens, os filhos
solteiros, outros parentes a quem sejam devidos alimentos e as pessoas que,
convivendo com o respectivo titular, se encontrem ao seu serviço ou ao
serviço das pessoas designadas”. Uma nota fundamental do direito de uso e

224
Direito das Coisas FDUP

habitação é, assim, o de se pautar pelas necessidades pessoais (carácter


intuitus personae do direito real de uso e habitação), diversamente do que
se verifica no domínio do usufruto que concede uma fruição e um uso
global e, em princípio, ilimitado. Aqui, as necessidades de quem usa e da
sua família são limitativas do direito de uso e habitação.

Diversamente também do que se passa no usufruto em que este direito


pode ser trespassado, onerado, locado, etc., no direito de uso e habitação
não existe idêntica possibilidade a favor dos respectivos titulares, como
resulta do art.1488º CC ao estatuir que “o usuário e o morador usuário não
podem trespassar ou locar o seu direito, nem onerá-lo por qualquer modo”.
Significa este art.1488º CC que o direito de uso e habitação não
admite trespasse ou locação do direito ou a sua oneração por qualquer
modo.
A constituição do direito de uso e habitação e a sua limitação em
função das suas necessidades e da sua família confere-lhe um carácter
intuitus personae ou carácter pessoal, pelo que só pode ser utilizado por
aquele titular e pela sua família. Daí que surjam as proibições do art.1488º
CC, que se aplicam quer à disposição directa do bem objecto de uso
(arrendamento), quer à disposição indirecta (por exemplo, hipoteca).
É que quando se constitui uma hipoteca, há um crédito que corre o
risco de ser executado, sendo o crédito pago de forma privilegiada e
prevalecendo sobre o direito de habitação, que poderia, em resultado do
incumprimento da obrigação que levou à constituição da hipoteca, ser
alienado em hasta pública e, consequentemente, ser adquirido por terceiro,
que poderia usufruir da casa como morador usuário, mesmo que o

225
Direito das Coisas FDUP

proprietário da casa não lhe quisesse conferir o direito de habitação. Pelas


mesmas razões, os direitos de uso e habitação não podem ser adquiridos por
usucapião (art.1293º b) CC).

Todo este regime até agora exposto reforça a ideia de que os direitos
de uso e habitação são diminutivos do usufruto. É, aliás, em conexão com
esta sua natureza que o art.1490º CC estatui que “são aplicados aos direitos
de uso e de habitação as disposições que regulam o usufruto, quando
conformes à natureza daqueles direitos”.
Exceptuam-se, como é óbvio, aquelas disposições específicas,
especialmente previstas a propósito do direito de uso e habitação, v.g., as
disposições sobre o trespasse, a locação, a oneração da coisa. Aplicam-se as
regras do usufruto que não se revelem incompatíveis com a natureza do
direito real de uso e habitação.
Qual é essa natureza?
Aqui, a natureza do direito de uso e habitação parece ser, no fundo, a
afectação destes direitos à função satisfazer necessidades pessoais.

Daqui conclui-se que se tem que articular o art.1484º CC com o


art.1439º CC: o direito de uso e habitação é uma faculdade plena e
temporária, na medida das necessidades da família, sem se poder alterar a
forma e a substância. Além disso, também está limitado às necessidades de
quem usa e da sua família.

Direito de Superfície

226
Direito das Coisas FDUP

NOÇÃO:
Direito de superfície (art.1524º CC) → Faculdade de construir ou
manter, perpétua ou temporariamente, uma obra em terreno ou prédio alheio
ou de nele fazer ou manter plantações.

O conceito de direito de superfície não abrange só a possibilidade de


construir, mas também o direito de fazer plantações. Por exemplo, pode-se
adquirir por direito de superfície o direito de plantar um pomar num terreno
de outrem. Esta possibilidade não se verifica em todos os ordenamentos
jurídicos, designadamente no direito italiano.

Não obstante o que acabou de ser dito, deverá ter-se ainda em conta
um outro conceito que corresponde a uma outra situação jurídica diferente
do direito de superfície, mas que ainda se lhe encontra associada. Trata-se
do direito de propriedade superficiária.

Direito de propriedade superficiária → Direito de propriedade sobre a


obra ou plantação efectuada em terreno de cultivo ou ainda em prédio ou
edifício alheio.

Direito de superfície e direito de propriedade superficiária são direitos


de natureza diferente: o primeiro é um direito real autónomo “in re aliena”
(sobre coisa de outrem); o segundo – a propriedade da obra separada do
solo – é um direito de propriedade.

227
Direito das Coisas FDUP

Isto é tanto assim que o art.1526º CC diz que “o direito de construir


sobre edifício alheio está sujeito às disposições deste título...”. Isto significa
que o direito de construir sobre prédio alheio é um direito de superfície.
Porém, na parte final do mesmo preceito diz-se “...levantado o
edifício, são aplicáveis as regras da propriedade horizontal”. Ou seja, uma
vez feita a construção, estamos já perante um direito diferente: a
propriedade horizontal. E o mesmo se diga quando se trata, não de construir
sobre edifício alheio, mas sobre solo alheio.
No fundo, o direito de construir é um direito de superfície e a
construção é uma propriedade que não abrange o solo. São dois direitos de
natureza diferente.

A obra mantida pode ser perpétua ou temporária.

A PROPRIEDADE DO SOLO:
Questão que importa colocar-se a respeito desta matéria é saber qual o
sentido da propriedade do solo. Um indivíduo autoriza outro a construir e
fica com a propriedade do solo ou, ainda, vende a construção e fica apenas
com a propriedade do solo. O solo parece uma propriedade morta. Parece
não ter, em princípio, qualquer significado o ser-se proprietário do solo.
Porém, não é inteiramente assim. O direito de superfície com este
desdobramento é mais uma fórmula, dentro de um espírito de
racionalização, que a lei excogitou e pôs à disposição dos particulares, para
eventualmente darem uma mais adequada satisfação aos seus interesses, se
assim o entenderem.

228
Direito das Coisas FDUP

Os interesses que o proprietário do solo tem em permanecer com este


e em vender só a construção ou em autorizar outrem a construir, mas
ficando com a propriedade sobre o solo para si são distintos consoante o
momento em que se encontra a construção.
→ Antes da construção:
Quando o proprietário faz a concessão continuar a ter interesse no solo
antes da construção, na medida em que o art.1532º CC diz que “enquanto
não se iniciar a construção da obra ou não se fizer a plantação das árvores, o
uso e a fruição da superfície pertencem ao proprietário do solo...”, portanto,
enquanto não se iniciarem as obras ele continua a fruir o solo.
“...todavia, não pode impedir nem tornar mais onerosa a construção ou
a plantação”, quer dizer, continua a poder fruir e usar, mas não pode fazer
modificações tais que depois torne mais onerosa a construção ou a
plantação. Ele é obrigado a uma abstenção: pode fruir, pode usar, mas não
pode tornar mais onerosa nem impedir a construção. Não é obrigado,
porém, a facilitar a construção, isto é, se vendeu um terreno que exige
despesas de terraplanagens, nivelamentos, etc., não é ele quem tem de as
fazer, mas sim o superficiário, quando iniciar a construção. A ele é-lhe
imposto apenas uma obrigação de “pati”, ou melhor, uma abstenção, um ter
de suportar a construção que o outro fez.
→ Durante a construção:
A terra que for escavada e separada do solo pertence-lhe, pelo que
poderá dar-lhe o uso que entender. Esta terra não pertence ao superficiário,
mas sim ao proprietário do solo. O mesmo se diga de quaisquer coisas
valiosas, quaisquer achados que sejam encontrados no solo durante a
construção.

229
Direito das Coisas FDUP

→ Depois de feita a construção:


O proprietário continua a ter interesse depois da construção, v.g., o
resultante do art.1533º CC, que reserva para o proprietário do solo a fruição
do subsolo, embora não possa causar prejuízos ao superficiário. Quer isto
dizer que o proprietário pode fazer no subsolo obras que não prejudiquem o
superficiário e isto pode ter um interesse económico, pois ele poderá
aproveitar o subsolo e explorá-lo (por exemplo, para explorar materiais,
garagens, parques de estacionamento, etc.). Continua a pertencer ao
proprietário do solo a fruição do subsolo, embora limitado a fazê-lo em
termos de não prejudicar o superficiário.
Além disso, o direito de superfície pode caducar, quer porque o
indivíduo não construiu (não uso do direito), quer porque, construindo, a
coisa é destruída e então o superficiário tem o poder de, nos termos do
art.1536º nº1 b) CC, reconstruir a obra ou renovar a plantação. Mas, se não
o fizer dentro do prazo estabelecido no contrato constitutivo da superfície
ou, no máximo, dentro de dez anos, reconstitui-se a plena propriedade do
proprietário do solo.
O proprietário tem, desta forma, sempre uma expectativa de lhe vir a
pertencer novamente a plena propriedade.

OBJECTO DO DIREITO DE SUPERFÍCIE E DO DIREITO DE


PROPRIEDADE SUPERFICIÁRIA:
O objecto do direito de superfície e do direito de propriedade
superficiária vem previsto no art.1525º CC.

230
Direito das Coisas FDUP

O direito de propriedade superficiária, que consiste num direito sobre


obra ou plantações já existentes, tem como objecto estas coisas (a obra ou a
plantação já existente).
O direito de superfície, consistindo na construção de uma obra ou uma
plantação sobre solo alheio, estatui o art.1525º nº1 CC, que o seu objecto é
essa obra ou essa plantação, embora possa abranger uma parte do solo não
necessária à sua implantação, desde que tenha utilidade para o uso da obra.
Consistindo o direito de superfície num direito de construir sobre
edifício alheio, alterando-o ou sobrelevando-o, o objecto é, na mesma, a
obra ou a plantação sobre a qual se vai construir, com a particularidade de,
uma vez feita a construção, se aplicarem as regras da propriedade horizontal
(art.1526º CC).
O art.1525º nº2 CC, a partir de 1991, estatui que “o direito de
superfície pode ter por objecto a construção ou a manutenção de obra sob
solo alheio”.

CONSTITUIÇÃO:
Nos termos do art.1528º CC, o direito de superfície pode constituir-se
por contrato, testamento ou usucapião e pode resultar da alienação de obra
ou árvores já existentes, separadamente da propriedade do solo.
→ Por acto negocial “inter vivos”, gratuito ou oneroso, o dono do solo
confere a outro indivíduo o direito de construir sobre ele. Quando esse
negócio seja oneroso, há uma contraprestação, que pode ser efectuada de
uma só vez ou por uma prestação anual, temporária ou perpétua, consoante
o acordo celebrado pelas partes (art.1530º CC).

231
Direito das Coisas FDUP

→ Por negócio “mortis causa” pode este direito constituir-se sob a


forma de legado. O testador pode, v.g., deixar o seu terreno a um legatário e
o direito de construir nele a outro legatário.
→ Por usucapião é necessário distinguir se se trata do direito de
propriedade superficiária ou do direito de superfície.
Uma usucapião do direito de propriedade superficiária é fácil de
compreender. Um indivíduo pode exercer actos de posse sobre uma casa
que já está construída e exercê-los com um animus, não de pleno
proprietário, mas de superficiário, porque, por exemplo, lhe foi vendida por
acto nulo a casa separada do solo. Este indivíduo não adquiriu a
propriedade superficiária, mas passou a possuir a casa nesses termos e com
o respectivo animus. Ao fim de um determinado número de anos adquire
por usucapião o direito de propriedade superficiária: adquiriu um direito
sobre aquela casa separada da propriedade do solo.
Uma usucapião do direito de superfície é mais complicada de
entender. Como é que se possui o direito de construir? Figuremos, porém,
uma hipótese semelhante à anterior: um indivíduo, por acto nulo por falta
de forma, confere a outrem um direito de construir. Este outrem não adquire
o direito por falta de forma, mas ao fim de um determinado tempo pode
adquiri-lo por usucapião, porque este acto, nulo por aquele fundamento, se
não lhe transferiu um verdadeiro direito, é todavia um título que mostra ter-
se transferido a posse desse direito. Numa situação deste tipo adquire-se por
usucapião o direito de propriedade superficiária.
→ O direito de superfície pode também constituir-se por alienação de
obra ou árvore já existente, separada da propriedade do solo.

232
Direito das Coisas FDUP

MOMENTO DA AQUISIÇÃO DA PROPRIEDADE


SUPERFICIÁRIA:
1) Posterior à aquisição do direito de superfície → A propriedade
superficiária é adquirida depois da obra estar construída, isto é,
quando alguém planta ou edifica em terreno alheio, a aquisição da
propriedade superficiária é o efeito natural do exercício do direito
de superfície e, desta forma, como se adquire em virtude deste, é-
lhe posterior.
2) Cumulativa com a aquisição do direito de propriedade → Alguém
que tenha uma obra ou plantação num terreno pode alienar a
plantação/obra sem alienar o terreno, havendo então uma separação
jurídica da plantação/obra e surge, nesses moldes, a constituição do
direito de propriedade superficiária com o direito de manter a
propriedade naquele terreno – direito de superfície. Em primeiro
lugar, surge o direito de propriedade superficiária (direito sobre a
obra ou plantação) e depois o direito de superfície (direito de
construir ou manter a obra ou plantação).

O direito de superfície e o direito de propriedade superficiária são


interdependentes, já que pode existir direito de superfície sem que exista
propriedade superficiária. Todavia, o inverso já não é possível, isto é, não
pode existir propriedade superficiária sem direito de superfície, já que se
este não existisse, não era possível ter acesso ao objecto.

DIREITOS E DEVERES DO SUPERFICIÁRIO E DO


PROPRIETÁRIO DO SOLO:

233
Direito das Coisas FDUP

Quanto aos direitos e encargos do superficiário e do proprietário,


vimos já que pode haver um contrato constitutivo do direito de superfície,
no qual se convencione a obrigação, a cargo do superficiário, de pagar uma
prestação (art.1530º CC).
O proprietário do solo tem a fruição do solo antes de começar a obra
(art.1532º CC), tem sempre a fruição do subsolo (art.1533º CC), o direito de
receber a contraprestação estipulada (no caso de ela não ser paga
pontualmente pode exigir o seu pagamento em triplo, conforme o art.1530º
e 1531º CC) e o direito de preferência na alienação do direito de superfície
nos termos do art.1535º CC.

Assinale-se, todavia, o seguinte. O direito de superfície é, no fundo,


uma excepção à acessão. Esta significa que o proprietário de uma coisa
adquire o direito sobre aquilo que nessa coisa se veio a incorporar.
O direito de superfície acaba por implicar uma excepção a esse
princípio: um indivíduo tem o direito de construir e, por força dessa
concessão, aquilo que ele constrói não se incorpora na propriedade do
proprietário do solo, mas pertence-lhe a ele.
Daqui advém uma consequência importante: se um terceiro vem, por
exemplo, construir num terreno sobre o qual já há um direito de superfície,
a construção do terceiro pode ser impedida, não apenas pelo proprietário do
solo, mas também pelo superficiário.
Considere-se, ainda, que feita a construção por terceiro e a aplicar as
regras sobre a acessão – na medida em que, segundo elas (art.1340º e segs.
CC) alguém pode fazer sua a coisa, mediante uma certa indemnização – a
pessoa que tem o direito de as invocar para esse efeito não é o proprietário

234
Direito das Coisas FDUP

do solo, mas o superficiário. É este que tem o direito conferido pelos


arts.1340º nº3 e 1341º CC.
A pessoa que tinha o direito de construir sobre aquele prédio é que
pode invocar a acessão para fazer sua, mediante indemnização, a coisa
construída por terceiro no solo relativamente ao qual só ele poderia
construir.
A acessão pode funcionar, não a favor do proprietário do solo, mas a
favor do superficiário, para adquirir a coisa construída por terceiro.

EXTINÇÃO:
O direito de superfície extingue-se nos termos do art.1536º CC.
Há, desde logo, casos de caducidade. São as hipóteses das alíneas a),
b) e c) do nº1 daquele artigo:
a) → “Se o superficiário não concluir a obra ou não fizer a plantação
dentro do prazo fixado ou, na falta de fixação, dentro do prazo de 10 anos”,
caduca o seu direito;
b) → “Se destruída a obra ou árvores, o superficiário não reconstruir a
obra ou não renovar a plantação dentro dos mesmos prazos a contar da
destruição”;
c) → “Pelo decurso do prazo, sendo constituído por certo tempo”.
Significa isto que quando há uma constituição de um direito de superfície
temporária, passado esse tempo ele caduca e a consequência da caducidade
é a reaquisição da plenitude da propriedade pelo proprietário do solo (esta
aquisição é restitutiva e reflecte a elasticidade do direito de propriedade).
Pode ainda extinguir-se, nos termos da alínea d), pela reunião na
mesma pessoa do direito de superfície e do direito de propriedade sobre o

235
Direito das Coisas FDUP

solo. Essa reunião pode dar-se por força de contrato (venderam um ao outro
o seu direito) ou por confusão (um é herdeiro do outro).
Nos termos da alínea e), pode extinguir-se por desaparecimento ou
inutilização do solo ou, nos termos da alínea f), por expropriação por
utilidade pública.

Um outro ponto a focar é a possibilidade de o superficiário, obrigado a


pagar prestações anuais, ficar liberto desse encargo, se durante vinte anos
deixou de as pagar (art.1537º CC). A falta de pagamento durante esse
tempo, perante a inércia do proprietário do solo, liberta-o da obrigação de
pagar, mas ele não adquire a propriedade do solo. Ele fica apenas liberto de
pagar as prestações. Continua a ter apenas um direito de superfície, mas
agora sem a obrigação de pagar a contraprestação. A libertação do encargo
de pagar as prestações anuais não significa que o superficiário fique a ter
mais que o direito de superfície e fique a ter o direito de propriedade sobre
o solo.

CRÍTICA AO REGIME DO CC RELATIVO AO DIREITO DE


SUPERFÍCIE:
 O art.1531º CC faz referência ao art.1505º e 1506º CC, que já
não existem.
 O CC privilegia o dono da propriedade em detrimento do
superficiário (privilegia o dono do solo em detrimento do
proprietário superficiário):
o Art.1538 nº2 CC: o superficiário não é beneficiado com
base nas despesas que efectuou, mas com base no

236
Direito das Coisas FDUP

enriquecimento sem causa e a indemnização que se obtém


por esta via é, em regra, menor.
o Art.1535º CC: direito de preferência do proprietário do
solo. Idêntica preferência não está prevista para o
proprietário superficiário, o que o impede de assegurar o
proveito da obra realizada em terreno alheio.
 A propriedade superficiária pode ser temporária ou perpétua. Se
for perpétua é um incentivo absentista e é anti-económica,
porque o proprietário do solo não adquirirá o solo e, por isso,
cada um não tem interesse em dinamizar a sua parte.

Servidões Prediais

NOÇÃO:
Um direito de servidão é um direito real com o conteúdo de
possibilitar o gozo de certas utilidades de um prédio em benefício de outro
prédio.
Quer isto dizer que as utilidades, cujo gozo o direito de servidão
propicia, devem ser utilidades susceptíveis de serem gozadas por intermédio
de outro prédio – o prédio dominante.
Não basta, assim, verificar-se a mera existência de uma vantagem,
benefício ou utilidade para o titular da servidão individualmente
determinado. É necessário que haja um proveito objectivamente ligado a
outro prédio.
O titular da servidão não tem o poder de colher utilidades, vantagens
ou benefícios, individualmente considerados, mas na qualidade de sujeito

237
Direito das Coisas FDUP

de outro prédio e na medida do objectivamente postulado para o proveito do


prédio.
Isto porque o nosso direito não acolhe as servidões pessoais.
A definição legal do direito de servidão predial, coincidente com o
que acaba de ser dito, consta do art.1543º CC: ”servidão predial é o encargo
imposto num prédio em proveito exclusivo de outro prédio pertencente a
dono diferente, em função de uma utilidade; diz-se serviente o prédio
sujeito à servidão; dominante, o que dela beneficia”.
Desta definição legal pode inferir-se que tanto o sujeito activo como o
passivo da relação jurídico-real de servidão são os prédios – o dominante e
o serviente – o que é obviamente absurdo. Sujeitos são, sim, as pessoas.
Desta ideia – do dizer-se que há um encargo imposto a um prédio em
benefício de um outro – resulta vincar-se melhor a nota de as utilidades
serem proporcionadas por um prédio (o serviente) em proveito objectivo um
outro prédio (o dominante). Elas traduzem-se, assim, numa vantagem
atribuída ao prédio dominante, numa ligação objectiva de proveito.

Esta ideia é reforçada pelo art.1544º CC ao estatuir que “podem ser


objecto da servidão quaisquer utilidades, ainda que futuras ou eventuais,
susceptíveis de serem gozadas por intermédio do prédio dominante, mesmo
que não aumentem o seu valor”.
Neste sentido, a servidão predial consubstancia uma relação de serviço
entre dois prédios, pertencentes a dois donos diferentes. Não se trata de
vantagens ou utilidades atribuídas ao titular individualmente considerado,
mas de um proveito objectivamente ligado ao prédio dominante.

238
Direito das Coisas FDUP

De acordo com a noção apresentada, a servidão é um direito real sobre


coisa alheia a que acresce, ainda, o ser autónoma, sui generis e não resultar
de um parcelamento da propriedade. É um direito real sobre coisa alheia,
sobre o prédio de outrem.
O titular da servidão não pode, por isso, ser considerado como parcial
proprietário do prédio serviente, mas, sendo este de outrem, deve ser
tomado como detendo apenas um direito real sobre coisa alheia.

Posto o que foi dito, realce-se que o que caracteriza este direito real é
a predialidade. O nosso direito não acolhe servidões pessoais.

A servidão, enquanto aproveitamento das utilidades de um prédio
serviente, pode ser determinada em função das necessidades económico-
subjectivas do prédio dominante e não tendo em conta as necessidades
pessoais dos titulares. Só as necessidades que o titular retira do prédio é que
relevam, só essas é que são obectivo-económicas. A medida da predialidade
é fixada pelas necessidades económicas decorrentes da exploração
económica do prédio.

CARACTERÍSTICAS DAS SERVIDÕES:


→ Inseparabilidade → Art.1545º nº1 CC: ”Salvas as excepções
previstas na lei, as servidões não podem ser separadas dos prédios a que
pertençam, activa ou passivamente.”
Art.1545º nº2 CC: “A afectação das utilidades próprias da servidão a
outros prédios importa sempre a constituição de uma servidão nova e a
extinção da antiga.”

239
Direito das Coisas FDUP

Destas disposições decorre explicitamente que a servidão está ligada


ao prédio dominante. Não podem ser separadas do prédio dominante
(inseparabilidade activa) nem podem ser separadas do prédio serviente
(inseparabilidade passiva).
Esta característica da inseparabilidade surge assim como um corolário
do princípio de que as utilidades do prédio serviente devem ser gozadas
através do prédio dominante.
O facto de as servidões não poderem ser separadas dos prédios a que
respeitam não implica, todavia, que as utilidades que formam o objecto da
servidão sejam insusceptíveis de separação. É que pode, de facto, ocorrer
uma servidão que tenha como objecto utilidades que, em geral, são
susceptíveis de separação. Simplesmente, só surge a servidão se, na
hipótese concreta, essas utilidades só puderem ser gozadas por intermédio
do prédio dominante e na medida das necessidades deste, ainda que, em
abstracto, sejam susceptíveis de separação.
→ Indivisibilidade → Art.1546º CC: “As servidões são indivisíveis:
se o prédio serviente for dividido entre vários donos, cada porção fica
sujeita à parte da servidão que lhe cabia; se for dividido o prédio dominante,
tem cada consorte o direito de usar da servidão sem alteração nem
mudança.”
Decorre desta disposição legal que a divisão de um prédio não importa
a multiplicação de servidões. Existindo uma determinada servidão, se
qualquer um dos prédios for objecto de divisão, para efeitos de manutenção
da servidão, tudo se passa como se não tivesse havido divisão. A divisão de
qualquer um dos prédios não atribui à parcela constituída direitos mais

240
Direito das Coisas FDUP

amplos, nem atribui encargos que antes não tinha → princípio da não
modificabilidade da servidão anteriormente constituída.
Por exemplo, se há um prédio que beneficia de uma servidão de
passagem através de um outro prédio e este é fraccionado, v.g., em duas
metades, só a que é objecto da passagem permanece onerada com a
servidão. Não há, portanto, uma multiplicação da servidão. Ou seja, o facto
de a outra metade fazer parte do prédio globalmente onerado não implica
que, após o fraccionamento deste, surjam duas servidões. Isto porque cada
fracção fica apenas sujeita à parte da servidão que lhe cabia. Logo, a metade
que não era objecto de passagem deixa, pela divisão do prédio, de ficar
onerada.
Isto é, também, como facilmente se depreende, uma expressão da
aderência da servidão ao prédio.
→ Atipicidade → Pode ser constituída uma servidão em função de
qualquer utilidade, ainda que futura ou eventual.
Diga-se aqui não ser necessário, para surgir uma servidão, que esta
venha atribuir vantagens económicas ao prédio dominante. Pode tratar-se de
vantagens de mera comodidade. Será o caso, por exemplo, de uma servidão
de vistas ou de não edificação, contratada com o fim exclusivo de tornar
mais ameno, mais aprazível o prédio dominante. A pessoa pode ter interesse
numa vista para o mar ou para uma outra paisagem, sem que isso
corresponda a um valor económico e sem que a ausência deste obste à
constituição da servidão.
→ Ligação objectiva da servidão → Não há servidões pessoais. As
servidões têm sempre que incidir sobre um prédio em benefício de outro.
Assim, se se estipular a constituição da fruição de utilidades em benefício

241
Direito das Coisas FDUP

pessoal e não por intermédio de um prédio dominante, isto só pode ter


sentido obrigacional, como será o caso, em geral, de um direito de passear
em prédio alheio.
Daí decorre que, se o indivíduo sobre cujo prédio se constitui o direito
de passear o alienar, o novo proprietário não se encontra adstrito à
obrigação de tolerar sobre este seu prédio os passeios do credor do direito
de passear, visto que se trata de um direito de crédito. Isto sem prejuízo de
este (o credor) poder exigir depois ao alienante (devedor) uma
indemnização pela não realização integral do seu crédito, no caso de o
prédio em questão ter sido alienado antes do termo do prazo pelo qual a
obrigação se constituíra.

CONSTITUIÇÃO:
Art.1547º nº1 CC: “As servidões prediais podem ser constituídas por
contrato, testamento, usucapião ou destinação do pai de família.” Nº2: “As
servidões legais, na falta de constituição voluntária, podem ser constituídas
por sentença judicial ou por decisão administrativa, conforme os casos.”
→ Contrato → As servidões podem constituir-se por acordo
voluntário das partes.
→ Testamento → As servidões pode, também, constituir-se por
testamento. Será o caso de um indivíduo legar um prédio a alguém, mas
onerando o imóvel com uma servidão a favor de outrem.
→ Usucapião → As servidões podem, também, constituir-se por
usucapião, embora só sejam susceptíveis deste modo de aquisição as
chamadas servidões aparentes.

242
Direito das Coisas FDUP

As servidões não aparentes não podem constituir-se por usucapião


(arts.1548º nº1 e 1293º a) CC). O art.1548º nº2 CC define-as ao estatuir que
“consideram-se não aparentes as servidões que não se revelam por sinais
visíveis e permanentes”.
As razões de ser deste regime é que as servidões não aparentes, não se
revelando por sinais visíveis, confundem-se muitas vezes com actos de
mera tolerância do proprietário do prédio serviente.
Por outro lado, na medida em que não há sinais visíveis ou
permanentes, podem as servidões estar a ser exercidas na ignorância do
dono do prédio serviente.
Daí que o legislador só admita a usucapião de servidões que se
revelem por sinais visíveis e permanentes. É o caso, v.g., da servidão de
vistas: abriu-se uma janela numa parede que está no limite de um prédio. Há
aqui um sinal visível e permanente – a janela – podendo, portanto, adquirir-
se uma servidão por usucapião.
→ Destinação do pai de família → Estatui o art.1549º CC a este
propósito que “se em dois prédios do mesmo dono, ou em duas fracções de
um só prédio, houver sinal ou sinais visíveis e permanentes, postos em um
ou em ambos, que revelem serventia de um para com outro, serão esses
sinais havidos como prova da servidão quando, em relação ao domínio, os
dois prédios, ou as duas fracções do mesmo prédio, vierem a separar-se,
salvo se ao tempo da separação outra coisa se houver declarado no
respectivo documento”.
Prevê-se, nesta disposição legal, a hipótese de um indivíduo ser
proprietário de um só prédio ou de dois prédios e aí haver marcas visíveis
de que um deles fornecia serventia para o outro.

243
Direito das Coisas FDUP

Ora, se esses dois prédios forem vendidos a donos diferentes e, no


momento da transmissão se constatar a existência desses sinais, sem que o
contrário tenha sido declarado no documento de transmissão, entende-se
que se constituiu uma servidão por destinação do pai de família.
Na base desta figura encontra-se uma presunção de acordo tácito –
uma presunção de intenções imputáveis tanto ao alienante como ao
adquirente.
Para ocorrer a constituição de uma servidão por destinação do pai de
família é, assim, necessária a existência de sinais visíveis e permanentes,
não apresentando relevância o facto de estes terem sido produzidos no
prédio pelo proprietário antecedente ou por outro ainda anterior a este, ou
ainda por um usufrutuário ou locatário.
Releva, assim, a existência, no momento da transmissão, desses sinais,
nada tendo sido dito em contrário no documento de transmissão. Tanto
basta para a lei presumir que tanto a pessoa que comprou como a que
alienou quiseram constituir uma servidão.
→ Sentença judicial → Diferentemente do que acontecia com os
modos de constituição até agora apontados, há certas hipóteses em que a lei
prevê a possibilidade de um indivíduo, mediante o exercício de um direito
potestativo, contra a vontade do titular, impor a constituição de uma
servidão, falando-se, nestes casos, em servidão legal.
Servidão legal é o direito potestativo de constituir coercivamente uma
servidão sobre prédio alheio mediante o pagamento de uma indemnização.
Várias hipóteses são tipificadas na lei:
a) Servidões legais de passagem:
• Servidão legal de passagem a favor de prédio encravado:

244
Direito das Coisas FDUP

Pode constituir-se, como aliás já se viu, uma servidão de


passagem de carácter voluntário (resultante de acordo entre as
partes). Porém, configurando-se a hipótese de um prédio
encravado, a lei concede ao titular deste o poder de constituir
coercivamente a servidão.
A esta servidão referem-se os arts.1550º e segs. CC,
estatuindo a primeira disposição no seu nº1 que “os
proprietários de prédios que não tenham comunicação com a
via pública … têm a faculdade de exigir a constituição de
servidões de passagem sobre os prédios rústicos vizinhos”,
acrescentando o nº2 do mesmo preceito que “de igual
faculdade goza o proprietário que tenha comunicação
insuficiente com a via pública, por terreno seu ou alheio”.
• Servidão legal de passagem para o aproveitamento de águas:
A esta servidão refere-se-lhe o art.1556º CC ao estatuir no seu
nº1 que “quando para seus gastos domésticos os proprietários
não tenham acesso às fontes, poços e reservatórios públicos
destinados a esse uso, bem como às correntes de domínio
público, podem ser constituídas servidões de passagem nos
termos aplicáveis dos artigos anteriores”.
b) Servidões legais de água:
• Art.1557º nº1 CC: aproveitamento de águas para gastos
domésticos.
• Art.1558º CC: aproveitamento de águas para fins agrícolas.
• Art.1559º CC: servidão legal de presa → decorre daquela
disposição que os proprietários e os donos de estabelecimento

245
Direito das Coisas FDUP

industriais que tenham direito ao uso de águas particulares


existentes em prédio alheio podem represar, estancar as águas,
podendo impor ao prédio alheio que se encontra do outro lado
da corrente que nele se façam as obras necessárias à
construção de uma represa, por forma ao aproveitamento das
águas.
• Art.1560º CC: servidão legal de presa, no caso particular do
aproveitamento de águas públicas.
• Art.1561º CC: servidão legal de aqueduto → estatui o nº1
daquele artigo que “em proveito da agricultura ou da
indústria, ou para gastos domésticos, a todos é permitido
encarnar, subterraneamente ou a descoberto, as águas
particulares a que tenham direito, através de prédios rústicos
alheios…”.
• Art.1562º CC: servidão legal de aqueduto no caso específico
de aproveitamento de águas públicas.
• Art.1563º CC: servidão legal de escoamento → traduz-se no
direito que a lei atribui a um indivíduo de, em certas
circunstâncias, obter que, através de prédio alheio, se possa
fazer o escoamento das águas que sobejam do aproveitamento
do seu prédio.

A estas servidões legais que acabaram de ser descritas opõem-se as


servidões voluntárias, que são aquelas que não correspondem às hipóteses
às quais a lei atribui o poder de produzir unilateralmente a sua constituição.
São, pois, as servidões referidas inicialmente, como resultando da vontade

246
Direito das Coisas FDUP

das partes, quer por efeito do contrato, quer do testamento, quer ainda por
usucapião ou destinação do pai de família, sem existir preceito legal que as
imponha.
As servidões legais podem constituir-se, como se disse, por sentença
judicial.
Assim, por exemplo, um indivíduo que pretenda adquirir a
titularidade, v.g., de uma servidão de aqueduto (art.1561º CC), pode chegar
a acordo com o dono do prédio sobre o qual aquela virá a incidir. Mas, se
esta solução, que é preferível por evitar demandas, se não vier a verificar,
então, pode esse indivíduo obter sentença judicial que venha constituir a
servidão pretendida.
Note-se, todavia, que alguns casos de servidões legais de águas,
ligadas a concessões de águas públicas, em vez de sentença judicial, podem
ser constituídas por decisão administrativa. Neste caso, a servidão é
constituída não por força de uma sentença proferida pelos tribunais, mas por
uma decisão dos órgãos administrativos competentes.

MODALIDADES:
Quanto ao título constitutivo:
→ Legais → Art.1547º nº2 CC: direito potestativo de constituição
coactiva de uma servidão sobre prédio alheio, mediante pagamento
de uma indemnização ao titular deste. Encontram-se taxativamente
previstas na lei. Podem ser constituídas contra a vontade do titular,
isto é, potestativamente, nomeadamente através de sentença
judicial.

247
Direito das Coisas FDUP

→ Voluntárias → Art.1547º nº1 CC: constituídas por contrato. Resulta


da vontade das partes, sem que exista preceito legal que a imponha.

Quanto à aparência:
→ Aparentes
→ Não aparentes

Quanto ao conteúdo:
→ Positivas → Traduzem-se na permissão da prática de actos sobre o
prédio serviente. Por exemplo, servidão de passagem.
→ Negativas → Impõem uma abstenção ao dono do prédio serviente.
Por exemplo, servidão de vistas ou servidão de estilicídio.
→ Desvinculativas → Propostas por Oliveira Ascensão. O conteúdo
destas servidões é o de libertarem o prédio dominante de uma
restrição legal. Implicam para o dono do prédio serviente a
desvinculação da obrigação que recaia sobre esse prédio serviente.
Por exemplo: referimos a existência de certas restrições à
propriedade, derivadas de relações de vizinhança como é o caso,
v.g., da proibição de emissão de fumos sobre prédio alheio. Figure-
se agora que, por acordo, o dono de um prédio onde se vai proceder
a uma determinada instalação, convenciona que o prédio vizinho
tolera a emissão de fumos para este, fumos provenientes do
primeiro prédio. Estamos aqui em face de uma servidão
desvinculativa, isto porque o prédio dominante é, nesta hipótese,
desvinculado de certas restrições legais a que estava sujeito.

248
Direito das Coisas FDUP

EXERCÍCIO:
O exercício das servidões vem regulado nos arts.1564º e segs. CC.
A regra geral sobre esta matéria pode enunciar-se dizendo que as
servidões têm a actuação e o modo de exercício definido no título
constitutivo. É, portanto, o título constitutivo que determinará a extensão e
o exercício da servidão respectiva (art.1564º CC).
Se o título não for claro ou for insuficiente aplica-se o art.1565º CC,
que estatui no seu nº1 que “o direito de servidão compreende tudo o que é
necessário para o seu uso e conservação”. No fundo, verificando-se esta
circunstância da falta de clareza do título, há uma ideia de realizar o
equilíbrio de interesses entre o dono do prédio dominante e do prédio
serviente.
Configure-se agora, a título de exemplo, uma hipótese de constituição
de uma servidão de passagem, cujo título não é suficientemente claro.
A lei entende que este direito de servidão engloba tudo o que é
necessário para o seu uso e conservação, mas, não se encontrando a
extensão e o modo de exercício deste direito real claramente definido no
título constitutivo, vem a lei regulá-los, por forma a prosseguir a satisfação
do duplo interesse em causa – o do dono do prédio dominante e o dono do
prédio serviente.
Nem outra justificação sugere o nº2 do art.1565º CC ao estatuir que
“no caso de dúvida quanto à extensão ou modo de exercício, entender-se-á
constituída a servidão por forma a satisfazer as necessidades normais e
previsíveis do prédio dominante com o menor prejuízo para o prédio
serviente”.

249
Direito das Coisas FDUP

Daí decorre que, por exemplo, sendo necessário fazerem-se obras no


prédio serviente, para possibilitar a passagem para o prédio dominante,
essas possam realizar-se, nos termos do art.1565º CC, mas limitadas pelo
agravamento da onerosidade da servidão – as obras não podem tornar a
servidão mais gravosa (art.1566º nº1 CC).
Além disso, essas obras deverão ser realizadas no tempo e pela forma
mais conveniente para o prédio onerado (art.1566º nº2 CC).
Estas soluções traduzem, sem dúvida, essa preocupação de equilíbrio
de interesses que a lei pretende prosseguir nestas disposições legais.
Os encargos das obras realizadas recaem sobre o beneficiado, ou seja,
o titular do prédio dominante (art.1567º nº1 CC).
Sendo vários os prédios dominantes, os encargos serão repartidos por
todos na proporção da parte que tiverem nas vantagens da servidão,
podendo, porém, qualquer um deles eximir-se, caso o deseje, mediante a
renúncia à servidão (art.1567º nº2 CC).
É esta uma solução justa, na medida em que a recusa de um dos
titulares de um dos prédios dominantes em comparticipar nas despesas
necessárias à constituição da passagem vai repercutir-se nos restantes
titulares, onerando os seus encargos. Então é admissível a aquisição por
estes da parte da servidão que competia àquele titular, sem que isto, como
se vê, agrave a posição do prédio serviente.
Acrescente-se que, se o titular do prédio serviente auferir benefícios
com a servidão, também ele terá de contribuir para as despesas realizadas
com as obras (art. 1567º nº3 e 4 CC).

MUDANÇA:

250
Direito das Coisas FDUP

À mudança da servidão refere-se o art.1568º CC, que estatui no seu


nº1 que “o proprietário do prédio serviente não pode estorvar o uso da
servidão, mas pode, a todo o tempo, exigir a mudança dela para sítio
diferente do primitivamente assinado, ou para outro prédio, se a mudança
lhe for conveniente e não prejudicar os interesses do proprietário do prédio
dominante, contanto que a faça à sua custa”.
Há aqui a mesma ideia de conciliação de interesses, pois se o
proprietário de um prédio serviente tem conveniência em mudar uma
servidão, v.g., de passagem, sem isso prejudicar os interesses do
proprietário do prédio dominante, é-lhe lícito fazê-lo, desde que o faça à sua
custa.
Em obediência a esta ideia, a lei permite igualmente ao proprietário do
prédio dominante que, às suas custas, faça a mudança da servidão, se tal lhe
for conveniente e não prejudicar o proprietário do prédio serviente
(art.1568º nº2 CC).

EXTINÇÃO:
Os casos de extinção das servidões vêm previstos no art.1569º CC.
→ Confusão → Art.1569º nº1 a) CC: “As servidões extinguem-se pela
reunião dos dois prédios, dominante e serviente, no domínio da mesma
pessoa”. É um caso de confusão, porque ambos os prédios – dominante e
serviente – passam a pertencer ao mesmo proprietário. Tal reunião implica,
necessariamente, a extinção da servidão. Isto porque não pode haver
servidão fora da sua imposição a um prédio a favor de outro, pertença de
um proprietário diferente (uma coisa própria não pode estar onerada a favor
de outra coisa própria).

251
Direito das Coisas FDUP

→ Não uso → Art.1569º nº1 b) CC: “As servidões extinguem-se pelo


não uso durante vinte anos, qualquer que seja o motivo”.
O fundamento desta causa extintiva é a atitude hostil com que se
tratam os direitos reais limitados que não estejam a desempenhar uma
função socialmente útil. É esta uma expressão da ideia de que só devem ser
impostos encargos, se existirem necessidades que os justifiquem. Ora, o não
uso vem precisamente mostrar que a coisa não está a ser necessária, daí que
seja mais conveniente pôr termo à servidão. Não interessa manter um
encargo num prédio, quando esse encargo não está a ser gozado por outro.
Note-se que este não uso não coincide com a usucapião. Ele conserva
a sua autonomia em face desta. Sabe-se que a não exigência de um crédito
por um certo lapso de tempo acarreta a extinção deste. Aqui, na extinção
das servidões por não uso, passa-se algo de semelhante, mas com uma
particularidade: é que a este fundamento de extinção não se aplica o regime
da usucapião, nomeadamente, as causas de suspensão e interrupção que a
lei consagra nos arts.318º e 327º e segs. CC para a usucapião.
O que interessa, em face do art.1569º nº1 b) CC, é o facto objectivo de
não haver exercício da servidão durante vinte anos.
Preste-se atenção também ao art.1572º CC. Significa esta disposição
que, se a servidão for exercida parcialmente, não deixa, apesar de o
exercício ser apenas parcial, de se considerar exercida.
→ Usucapio libertatis → Art.1569º nº1 c) CC: “As servidões
extinguem-se pela aquisição, por usucapião, da liberdade do prédio”.
A esta hipótese refere-se igualmente o art.1574º CC, que, no seu nº1,
estatui que “a aquisição, por usucapião, da liberdade do prédio só pode dar-

252
Direito das Coisas FDUP

se quando haja, por parte do proprietário do prédio serviente, oposição ao


exercício da servidão”.
Assim, se o dono do prédio serviente se opôs ao exercício da servidão,
v.g., impedindo, em dado momento, uma servidão de passagem, com a
colocação de uma cancela que obste à passagem. Se o dono do prédio
dominante durante vinte anos não força a passagem ou não a vem reclamar
judicialmente, a servidão extingue-se por usucapio libertatis.
Trata-se, grosso modo, de uma aquisição, por usucapião, por parte do
proprietário da parte do conteúdo do seu direito de que estava privado pelo
facto de existir uma servidão. Em consequência desta aquisição restitutiva,
extingue-se a servidão.
→ Renúncia e decurso do prazo → Art.1569º nº1 d) e e) CC
→ Desnecessidade → As servidões constituídas por usucapião podem
extinguir-se por desnecessidade (art.1569º nº2 CC).
No caso, por exemplo, da constituição de uma servidão de passagem
por usucapião, a requerimento do proprietário do prédio serviente, esta
servidão pode extinguir-se, desde que se mostre desnecessária ao prédio
dominante, designadamente, se o dono do prédio passar a dispor de uma
ligação com a via pública.
As servidões constituídas por usucapião extinguem-se, portanto, se
forem desnecessárias, a requerimento do onerado com elas, aplicando-se
idêntico regime às servidões legais (art.1569º nº3 CC).
Pode parecer que a ratio desta norma é a de que não deve haver
encargos sobre um prédio a favor de outro, a não ser que sejam necessárias.
Porém, a ser assim, teria que se abranger aqui não só as servidões

253
Direito das Coisas FDUP

constituídas por usucapião e as servidões legais, mas também as servidões


voluntárias.
Porém, as situações não são análogas. É que, resultando as servidões
voluntárias de um acordo, este deve ser respeitado, acrescendo ainda que
será difícil determinar-se quais as necessidades exactas que se pretenderam
satisfazer com a constituição da servidão. Ora, se a lei permite que por
acordo se possam criar quaisquer servidões, seja qual for a sua
necessidade/utilidade, não se compreende que elas se extingam, por se
tornarem desnecessárias. De outro modo, uma servidão que não fosse
necessária, não se poderia constituir, mesmo por acordo, pois poderia
terminar logo no momento seguinte. Daí que as servidões voluntárias não
possam estar sujeitas a esse regime de extinção. Esta só se compreende para
as servidões legais, em que a lei sancionou a possibilidade de se
constituírem por haver necessidade nesse sentido, e para as servidões
adquiridas por usucapião, porque aí também não se verificou um facto
voluntário na sua constituição.
Em suma, as servidões voluntárias que têm por base um facto
voluntário, permitindo a lei que se constituam mesmo quando não são
estritamente necessárias, não podem extinguir-se por desnecessidade,
porque, então, nem se poderiam constituir.
→ Remição → Está em causa a remição judicial de algumas servidões
de águas referida no art.1569º nº4 CC. Esta disposição regula os termos em
que as servidões de aproveitamento de águas para gastos domésticos
(art.1557º CC) e de aproveitamento de águas para fins agrícolas (art.1558º
CC) se podem extinguir por remição judicial, desde que o dono da água
prove que quer fazer dela um uso/aproveitamento justificado. Pode fazer

254
Direito das Coisas FDUP

esse aproveitamento, tendo, porém, de restituir, no todo ou em parte, a


indemnização recebida.
A remição não pode, todavia, ser exigida antes de decorridos dez anos
sobre a constituição da servidão.

(OUTRAS SERVIDÕES LEGAIS:


→ De estilicídio → Direito a escoar a água das chuvas para prédio
vizinho (art.1365º CC).
→ De vistas → Direito a não ver construído um edifício, janelas,
portas, etc., que deitem directamente sob o prédio vizinho sem que
deixe um intervalo de um metro e meio.)

Direito Real de Habitação Periódica

NOÇÃO:
O direito real de habitação periódica aparece regulado no decreto-lei
275/93, de 5 de Agosto. Ele, habitualmente também é designado de “time-
sharing”.
Ele pretende responder a necessidades turísticas, que se traduzem no
interesse de utilizar locais de residência durante um curto período do ano.
É um direito real limitado de gozo que confere ao respectivo titular o
poder de habitar uma unidade de alojamento integrada num prédio alheio
(art.1º), destinado a fins turísticos durante um certo período de tempo.

O conteúdo deste direito real consta do art.21º, segundo o titular de


um direito real de habitação periódica tem o direito de habitar durante um

255
Direito das Coisas FDUP

certo período em cada ano civil uma unidade de alojamento integrada num
certo tipo de edifícios que tenha a definição legal do art.1.

De acordo com o art.4º nº1 a), a exploração de um empreendimento no


regime do direito real de habitação periódica requer que haja uma
individualidade e autonomia de cada unidade de alojamento.

DURAÇÃO (art.3º):
O direito real de habitação periódica é, na falta de indicação em
contrário, perpétuo, mas pode ser-lhe fixado um limite de duração (ele pode
ser temporário), que não pode ser nunca inferior a 15 anos a contar da
escritura pública que constitua o direito real (art.6º), excepto se o
empreendimento estiver ainda em construção, situação na qual o prazo
começará a contar a partir da data de abertura ao público do
empreendimento turístico (art.3º nº1).
Sem prejuízo do que acaba de ser dito, o direito real de habitação
periódica cumpre-se em períodos de tempo, que são fixados em cada ano e
que podem variar entre o mínimo de 7 dias seguidos e o máximo de 30 dias
seguidos (art.3º nº2). Relativamente a este aspecto, atente-se no nº3 e no nº4
deste art.3º, que estabelecem que os períodos de tempo devem ter todos a
mesma duração e que o último período de tempo de cada ano pode terminar
no ano civil subsequente ao seu início.
O título constitutivo deve mencionar o início e o termo de cada
período de tempo dos direitos (art.5º nº2 p)).

CONSTITUIÇÃO (art.6º):

256
Direito das Coisas FDUP

O direito real de habitação periódica é constituído por escritura


pública (art.6º nº1) e sujeito a inscrição no registo predial (art.8º nº1 – este
registo é constitutivo), que emite um título constitutivo deste direito real.
Este título constitutivo que é emitido pelo registo predial é o
certificado predial, que é regulado nos arts.10º e segs.
Ora, diz logo o nº1 deste art.10º, que é o certificado predial que titula
o direito real aqui em causa e que legitima a sua transmissão ou oneração.

TRANSMISSÃO:
Como se disse supra, sobre a sua constituição, o direito real de
habitação periódica está incorporado num título constitutivo, o certificado
predial.
O regime de transmissão deste título (do certificado predial) equipara-
se ao regime de transmissão dos títulos de crédito (ex. letras de câmbio,
livranças, cheques, etc.). Isto significa que a sua transmissão se faz por
endosso bilateral, donde se conclui que, para efeitos de transmissão e
oneração, este direito real de habitação periódica é tratado como coisa
móvel (art.12º). E isto é assim, não obstante ele ser considerado uma coisa
imóvel nos termos do art.204º nº1 d) CC.
A transmissão e a oneração do direito real de habitação periódica está
sujeita a registo nos termos gerais (art.12º nº1 in fine). O registo, para este
efeito, não é constitutivo, mas somente declarativo.

3. Direitos Reais de Garantia

3.1. Consignação de Rendimentos

257
Direito das Coisas FDUP

3.2. Penhor
3.3. Hipoteca
3.4. Privilégios Creditórios
3.5. Direito de Retenção

3.1. Consignação de rendimentos

Art.656º/1 e 2 CC
A consignação de rendimentos é diferente dos outros direitos reais de
garantia porque pode visar o cumprimento da obrigação e não serve apenas
de garantia, isto é, é uma forma de garantia e cumprimento da obrigação –
art.659º e 661º/2. Também se distingue dos outros direitos reais de garantia
porque pode usar o cumprimento da obrigação e dos juros, ou só o
cumprimento da obrigação ou só o cumprimento dos juros – art.656º/2. O
que serve de garantia são os rendimentos que ficam consignados ao credor e
não os bens em si.

Forma
Art.660º/1 “…”;
Art.660º/2 “…” – registo meramente declarativo e não constitutivo;

Modalidades – art.658º
Voluntária ou judicial. O art.665º faz uma série de remissões sendo de
salientar o art.694º – Pacto Comissário.

3.2. Penhor

258
Direito das Coisas FDUP

Art.666º CC
Art.666º nº1 – o penhor só pode incidir sobre coisas móveis ou
créditos e outros direitos insusceptíveis de hipoteca.
Excluem-se do penhor:
 Móveis sujeitos a registo porque podem ser hipotecados;
 Universalidade, porque a coisa tem de ser certa;
 Coisas acessórias, porque o penhor da coisa principal não as
abrange, salvo convenção em contrário – art.210º/2.

O penhor só pode ser constituído por fonte convencional. O art.669º/1


estabelece que “…”. A declaração que visa o penhor não é suficiente para a
constituição do penhor, devendo ser acompanhada da entrega da coisa ao
credor ou terceiro ou da entrega de um documento que confira a exclusiva
disponibilidade da coisa ao credor ou terceiro.
O nº 2 estabelece que a atribuição da composse é suficiente, desde que
o devedor fique privado de dispor materialmente do bem, já que se visa
garantir que o credor não fique privado do objecto. Sem o desapossamento
do devedor não há constituição válida do penhor. Há muitos diplomas que
admitem a constituição do penhor sem desapossamento, mas e só nesses
casos específicos. Também no penhor há uma remissão para o art.694º.
Art.679º “…” – penhor de direitos; o objecto do penhor é um direito;
só é possível ser objecto de penhor de direitos os direitos que tenham por
objecto coisas móveis e sejam susceptíveis de transmissão – art.680º.

Forma de Constituição do penhor de direito – art.681º

259
Direito das Coisas FDUP

Aplicam-se as regras dos direitos empenhados, mas há que ter em


conta o nº 2 “…”. Quando se trate de um penhor de créditos só é válido se
for comunicado ao devedor do crédito ou se for aceite pelo devedor,
independentemente da notificação.

3.3. Hipoteca

Art.686º CC
Incide sobre imóveis e coisas móveis sujeitas a registo e pode também
incidir sobre direitos – art.688º/1, c), d) e e) quanto aos direitos.
Não podem ser objecto de hipoteca:
 As partes componentes ou integrantes porque já não
gozam de autonomia face à coisa principal – art.204º/1, e) e 691º/1, a) – isto
é, não podem ser hipotecados separadamente da coisa principal.
 As coisas acessórias porque têm natureza de ciosa
móvel – art.210º.
O art.691º/2 fala na hipoteca de fábricas “…”. Para além do edifício e
respectivo logradouro dever-se-ão considerar abrangidos os mecanismos e
demais móveis inventariados, ainda que não sejam partes integrantes. E, por
isso, bens móveis simples podem ser objecto de hipoteca. Alargamento por
extensão do objecto da hipoteca.
O art.688º/2 estabelece que “…”. Relativamente à hipoteca de partes
de um prédio apenas podem ser hipotecadas as partes susceptíveis de
propriedade autónoma, isto é, um prédio urbano será abrangido pela
hipoteca se se puder constituir uma fracção autónoma e nesse caso
abrangerá não só a fracção autónoma como as partes comuns.

260
Direito das Coisas FDUP

Quanto aos prédios rústicos não pode ser hipotecada parte do prédio
rústico desde que esta seja inferior à unidade mínima.

Modalidades da hipoteca
1. Legais – art.704º;
2. Voluntária – art.712º;
3. Judiciais – art.710º;

Pacto Comissório
Ex. A é devedor de B em € 10 000. Como garantia B exige um
automóvel que vale € 20 000.
Segundo as regras gerais a garantia só é executada se o devedor não
pagar. E as partes poderiam convencionar que se o devedor não pagar o
credor faria sua a coisa objecto de garantia. Se no acordo ficasse
estabelecido que o A seria compensado da diferença de valor a situação
patrimonial do devedor não teria qualquer prejuízo. Mas se tal não ficasse
acordado o credor iria enriquecer à custa do devedor e, por isso, a lei proíbe
estes pactos “mesmo que anterior à constituição da hipoteca”.

3.4. Privilégios creditórios

Art.733º
Tal como o direito de retenção deriva da lei e se os seus pressupostos
se verificarem actuam de imediato.

261
Direito das Coisas FDUP

Relativamente aos direitos em geral, de fonte legal, são públicos e, por


isso, cognoscíveis de terceiros, e os privilégios creditórios não precisam de
ser registados pelo facto de serem públicos.
O que distingue os privilégios dos outros direitos é o facto de serem
garantias que se caracterizam pela «causa do credor», isto é, visam
acautelar os titulares de certos créditos.

ESPÉCIES
735º/1(PRIVILÉGIOS CREDITÓRIOS MOBILIÁRIOS) – abrangem
coisas móveis. Podem ser gerais ou especiais (nº 2).
Privilégios Creditórios imobiliários – abrangem coisas imóveis. São
sempre especiais.

Os privilégios mobiliários gerais são garantias reais e não direitos


reais porque o objecto não se encontra determinado. Constituem-se no
momento em que se constitui a dívida mas como enuncia o art.735º/2 eles
não garantem o valor dos bens móveis à data da constituição do privilégio
mas sim à data da penhora ou acto equivalente. Desta feita, entre os dois
momentos pode haver uma oscilação do objecto sendo por isso um direito
de garantia, sem objecto determinado, razão pela qual não poderá ser um
direito real mas uma garantia real.

Nos termos do art.733º há uma remissão para a proibição do pacto


comissório.

262
Direito das Coisas FDUP

E quanto à graduação dos créditos e à sua característica de prevalência


há que ter em consideração as excepções presentes no art.749º e ss.

3.5. Direito de retenção

Direito de Retenção – 754º (direito de origem legal)


O direito de retenção é uma faculdade que a lei reconhece ao detentor
de uma coisa de não a entregar, a quem a puder exigir, enquanto este não
cumprir uma prestação a que está adstrito face àquele por despesas feitas
por causa da coisa ou por danos por ela causados.

Pressupostos
1. Aquele que detém a coisa a detém ilicitamente e esteja obrigado a
entregá-la a outrem;
2. Simultaneamente seja credor da pessoa a quem está obrigado a
entregar a coisa;
3. Entre o dever de entregar a coisa e o crédito do detentor haja uma
relação de conexão e essa conexão resulta do facto do devedor da
coisa ter um crédito por despesas relacionadas com a coisa;
No entanto há casos em que a lei faculta o acesso ao direito de
retenção sem que os pressupostos estejam preenchidos. Esta situação tem
por base certas relações jurídicas e estão previstas no art.755º.

Muitas vezes o direito de retenção assemelha-se à excepção de não


cumprimento, por exemplo: A acorda com B o transporte de uma
mercadoria, sendo o pagamento feito no fim. Se A não cumpre B pode reter.

263
Direito das Coisas FDUP

Se o pagamento for combinado antes do transporte o B pode também não


transportar enquanto A não pagar. Aqui não há direito de retenção mas sim
excepção de não cumprimento porque existe uma relação sinalagmática. O
facto de reter é resultado da excepção de não cumprimento do contrato e
não do direito de retenção.
No direito de retenção não há bilateralidade porque há duas
obrigações diferentes: há a obrigação de entregar o bem retido e obrigação
de pagamento das despesas relativas a esse bem. Há duas obrigações sobre
o mesmo bem mas que têm origem em relações jurídicas distintas.

4. Direitos Reais de Aquisição

4.1. Direitos Potestativos de Aquisição


4.2. Direitos Reais de Preferência
4.3. Promessas Reais de Alienação ou Oneração

4.1. Direitos Potestativos de Aquisição

Exemplos:
1. Art.1370º – comunhão forçada em paredes;
2. Art.1550º e ss. – servidões legais;
3. Art.1551º – direito potestativo que permite o afastamento da
servidão;

4.2. Direitos Reais de Preferência

264
Direito das Coisas FDUP

Exemplo de direito real de aquisição é, desde logo, o direito real de


preferência.
O direito real de preferência confere a pessoas, em certas situações, a
possibilidade de adquirirem uma coisa, no caso de o proprietário dela a
pretender alienar e o preferente estar disposto a pagar por ela a mesma
importância que o terceiro adquirente se propõe pagar. É, portanto, o direito
de fazer suas certas coisas, dando o valor pelo qual se projecta negociar a
coisa.
Assim, por exemplo, este direito real de preferência pode ser legal –
quando é a lei que o confere para certas situações – ou pode ser
convencional. A possibilidade de um direito convencional de preferência
está referida no art.421º CC, sendo possível atribuir eficácia real aos pactos
de preferência celebrados entre pessoas em quaisquer circunstâncias
(atente-se também no art.423º CC, que estende a obrigação de preferência
que tem por objecto um contrato de compra e venda a outros contratos).
O direito real de preferência legal existe, por sua vez, por exemplo:
 Arts.1112º CC: direito de preferência do arrendatário comercial
quanto à alienação do prédio por eles arrendado.
 Art.1380º CC: no que respeita a proprietários de prédios confinantes
de área inferior à unidade de cultura, a lei, para facilitar a reunião
das pequenas parcelas em prédios rústicos, confere um direito de
preferência ao proprietário confinante, se o prédio cujo proprietário
tem direito de preferência tiver uma área inferior à da unidade de
cultura; e quer isto dizer que este artigo supõe que sejam definidas
as unidades de cultura por região.

265
Direito das Coisas FDUP

 Art.1409º CC: atribui um direito de preferência ao comproprietário.


O comproprietário tem, nos termos desta disposição, preferência na
alienação da quota ideal do seu comproprietário, mas já não tem
direito de preferência no domínio da propriedade horizontal. Nesta
não há, com efeito, por força do art.1423º CC, direito de
preferência. Assim, ao proprietário de uma unidade independente
num prédio por andares – regime da propriedade horizontal – não
assiste nenhum direito de preferência na venda de qualquer outra
unidade do mesmo prédio.
 Arts.1535º CC: atribui um direito de preferência ao proprietário do
solo no direito de superfície. Aqui há um desmembramento, uma
vez que o prédio e o solo em que aquele se encontra implantado
pertencem a proprietários diferentes. Pois bem, o proprietário do
solo tem preferência na venda do prédio nele implantado.
 Art.1555º CC: atribui um direito de preferência ao titular do prédio
serviente na servidão de passagem. Assim, ao indivíduo que está
onerado com uma servidão de passagem sobre o seu prédio, assiste
um direito de preferência na venda do prédio dominante.
 Art.2130º CC: atribui aos co-herdeiros um direito de preferência na
alienação do quinhão hereditário, estando indivisa a herança, por
não terem ainda sido realizadas as partilhas. Ao titular de uma
fracção da herança assiste, assim, nos termos dessa disposição, um
direito de preferência na alienação dos outros quinhões hereditários.
Há quem defenda (Manuel de Andrade, por exemplo) que estes
direitos de preferência são direitos potestativos. Contudo, enquanto que os

266
Direito das Coisas FDUP

direitos de preferência podem ser violados os potestativos não podem ser. A


sua potestatividade aparente deriva do jogo da sequela.
Contudo, a sequela pode ser paralisada, algo que não acontece nos
direitos potestativos. Os direitos legais de preferência não carecem de
registo para serem oponíveis a terceiro, a sua publicidade decorre da
publicidade da própria lei.

4.3. Promessas Reais de Alienação ou Oneração

Um outro exemplo de direito real de aquisição é o direito do


promissário no contrato-promessa de compra e venda a que foi atribuído
eficácia real, ou melhor, o direito do promissário num contrato-promessa de
alienação onerosa de bens imóveis ou de móveis sujeitos a registo, se as
partes atribuírem eficácia real ao contrato.
Todavia, as partes podem fazer um contrato-promessa de compra e
venda e não lhe atribuir eficácia real. Quais são, então, nestes casos os
direitos do promissário?
Pois bem, são o de pedir a devolução do sinal em dobro ou, no caso de
não ter havido sinal, o de pedir a execução específica do contrato.
É esta – a possibilidade de execução específica do contrato-promessa
– uma inovação do actual CC, que, porém, só actua, nos termos do art.830º
CC, no caso de não ter havido sinal. Se este tiver sido prestado, então, como
se disse, já aquela providência não pode ser utilizada, sendo apenas exigível
uma quantia equivalente ao dobro da que, como sinal, foi prestada pelo
promissário. Porquê esta relevância dada ao sinal?

267
Direito das Coisas FDUP

É que a lei presume que, quando houve sinal, as partes sancionaram


como garantia do negócio a restituição do sinal em dobro; se não houve
sinal, nos termos do art.830º CC, o promitente-comprador pode exigir, pode
provocar uma sentença que faz as vezes de escritura, ou seja, uma execução
específica.
É claro que a possibilidade de execução específica não significa,
porém, eficácia real, pois não tem lugar, se entretanto o promitente-
vendedor já vendeu o prédio para terceiro. Então – se essa transferência se
tiver verificado – não se pode, por sentença judicial, provocar a aquisição
da coisa, a não ser que, no contrato-promessa, se tenha convencionado que
ele tinha eficácia real e que essa cláusula atributiva de eficácia real ao
contrato-promessa tenha sido registada. Em apoio legal desta ideia podem
citar-se os arts.410º e segs. CC, maxime o art.413º CC.
No contrato-promessa podem, assim, pôr-se várias hipóteses práticas
que vamos referir, partindo do pressuposto de que o contrato-promessa não
é cumprido.
Assim, figure-se que um indivíduo promete vender a outro certo
prédio e, depois, se recusa a fazer a escritura.
Quid juris? Vejamos:
− Houve sinal passado? Então, neste caso, o promitente-
comprador pode exigir a devolução do sinal em dobro (art.442º
CC);
− Não houve sinal passado? Então, nos termos do art.830º CC
referido, o promitente-comprador pode vir a juízo, requerer a
execução específica do contrato-promessa. É proferida sentença

268
Direito das Coisas FDUP

que faz as vezes de escritura, passando, assim, por esse efeito, o


prédio para a propriedade do comprador;
− Se, para além de tudo isto, foi estipulada eficácia real, então o
adquirente (promissário) pode ir buscar o prédio a terceiro que o
tenha adquirido do promitente-vendedor; isto, desde que, como
já se referiu, essa eficácia real do contrato-promessa tenha sido
registada.
Ora, esta posição do promissário, na hipótese do art.413º CC –
contrato-promessa com eficácia real registado – constitui, também, um
direito real de aquisição.
Tendo em conta o art.413º CC, os requisitos exigidos pela lei para que
os contratos-promessa tenham eficácia real são:
1 – Bens imóveis ou móveis sujeitos a registo;
2 – Documento público;
3 – Registo do contrato.

269
Direito das Coisas FDUP

Índice
Pág.
Introdução
Capítulo I – Dos direitos reais em geral -------------------------1
1. O direito patrimonial ----------------------------------------------1
2. As grandes formas de ordenação de domínio -------------------4
3. Direito das coisas e direitos da pessoa --------------------------5
4. Distinção entre direitos reais e direitos de crédito --------------7
a) Distinção no plano dos interesses e no plano
técnico-jurídico: a Teoria Realista e a Teoria
Personalista -------------------------------------------------7
b) Pertinência de cada uma das doutrinas ------------------10
c) Doutrina dominante ---------------------------------------12
5.Noção de direito das coisas e o paradigma da
“plena in re potestas” – ------------------------------------------14
6. Obrigações reais e ónus reais -----------------------------------14
7. Noção jurídica de coisa ------------------------------------------18
Classificação das coisas --------------------------------------21
a) Coisas móveis e imóveis ---------------------------------21
b) Coisas acessórias e partes integrantes ------------------24
c) Coisas corpóreas e coisas incorpóreas:

270
Direito das Coisas FDUP

as obras de engenho e as invenções


industriais, o estabelecimento
comercial e os direitos sobre direitos -------------------25
d) Coisas presentes e futuras -------------------------------30
e) Universalidade de facto e universalidade
de direito --------------------------------------------------31
f) Frutos e produtos -----------------------------------------33
g) Benfeitorias -----------------------------------------------35

Título I – Ordenação Dominial Provisória


Capítulo I – A posse
1. Distinção entre posse e direito ----------------------------------37
2. O problema da tutela possessória e a
posse como caminho para a dominialidade --------------------39
3. Os sistemas possessórios ---------------------------------------42
4. Noção de posse (posição legal do ordenamento
jurídico face à dualidade dos sistemas possessórios) ----------46
5. Posse formal e posse causal ------------------------------------48
6. Posse precária ou detenção -------------------------------------49
7. Natureza jurídica da posse --------------------------------------50
8. Direitos em termos dos quais se pode possuir -----------------50
9. Objectos passíveis de posse -------------------------------------52
10. Capacidade para adquirir a posse -----------------------------53
11. Caracteres da posse -------------------------------------------54
a) Posse titulada e posse não titulada -----------------------55
b) Posse de boa-fé e posse de má-fé ------------------------61

271
Direito das Coisas FDUP

c) Posse pacífica e posse violenta ---------------------------62


d) Posse pública e posse oculta ------------------------------65
12. Formas de aquisição da posse --------------------------------68
13. Conjunções de posse ------------------------------------------84
a) Conjunção sincrónica --------------------------------------84
b) Conjunção diacrónica --------------------------------------85
14. Tutela possessória: fundamento da tutela
jurídica da posse -----------------------------------------------88
15. Tutela possessória: meios extra-judiciais
e meios judiciais -----------------------------------------------90
16. Efeitos da posse ------------------------------------------------96
a) Presunção da titularidade do direito ----------------------96
b) Perda ou deterioração da coisa ---------------------------97
c) Direitos do possuidor em relação aos frutos -------------98
d) Direitos do possuidor em relação a benfeitorias ---------98
e) Usucapião – a posse como criadora de direitos ----------99
• Noção ---------------------------------------------------99
• Direitos objecto da usucapião ------------------------100
• Requisitos da usucapião ------------------------------100
• Efeitos da usucapião ----------------------------------102
• Capacidade para usucapir ----------------------------102
• Suspensão e interrupção do prazo
para a usucapião -------------------------------------103

Título II – Ordenação dominial definitiva


Capítulo I – Princípios constitucionais dos direitos reais -107

272
Direito das Coisas FDUP

A – Princípios ligados ao lado interno ----------------------------109


1. Princípio da coisificação ----------------------------------------109
2. Princípio da actualidade ----------------------------------------110
3. Princípio da especialidade --------------------------------------111
4. Princípio da compatibilidade -----------------------------------116
5. Princípio da elasticidade ---------------------------------------117

B – Princípios ligados ao lado externo ---------------------------118


1. Princípio da taxatividade ou numerus clausus ----------------119
2. Princípio da causalidade ---------------------------------------123
3. Princípio da consensualidade ----------------------------------127
4. Princípio da publicidade ----------------------------------------129

Capítulo II – Características dos direitos reais -------------136


1. Características ligadas ao lado interno:
• independência dos direitos reais das pretensões
a que dá origem -----------------------------------------136
2. Características ligadas ao lado externo -----------------------137
• Direito de sequela (ou de seguimento) -----------------137
• Direito de preferência (ou de prevalência) -------------141

Capítulo III – Dos direitos reais em especial


1. Classificação dos direitos reais --------------------------------147
2. Direitos reais de gozo ------------------------------------------151
Direito de propriedade --------------------------------151
• A propriedade em geral ----------------------------151

273
Direito das Coisas FDUP

− Noção --------------------------------------------151
− Controvérsia entre a propriedade
individual e a propriedade comunitária --------151
− Características do direito de
propriedade -------------------------------------152
− Propriedade de bens incorpóreos
ou imateriais –-----------------------------------154
− Formas de aquisição da propriedade ----------154
− Duração -----------------------------------------155
− Restrições ---------------------------------------155
− Meios de defesa da propriedade ---------------155
• Propriedade de imóveis ----------------------------156
− Conteúdo ----------------------------------------156
− Limitações aos poderes do proprietário -------157
• Propriedade das águas (remissão) ----------------160
• Direito de compropriedade -------------------------161
− Noção --------------------------------------------161
− Distinção entre compropriedade e
sociedade ----------------------------------------161
− Natureza jurídica --------------------------------162
− Regime jurídico ---------------------------------164
− Extinção da compropriedade -------------------167
• Direito de comunhão -------------------------------168
− Propriedade horizontal --------------------------168
 Noção e domínio de aplicação ---------168
 Natureza jurídica -----------------------169
274
Direito das Coisas FDUP

 Modos de constituição ------------------170


 Direitos e obrigações ou encargos dos
condóminos -----------------------------172
 Administração das partes comuns do
edifício -----------------------------------174
Direitos reais menores --------------------------------175
Direito de usufruto ------------------------------175
• Noção -----------------------------------------175
• Características --------------------------------177
• Limites ----------------------------------------180
• Duração ---------------------------------------181
• Constituição ----------------------------------181
• Usufrutos sucessivos ou simultâneos -------184
• Direitos do usufrutuário ---------------------186
• Obrigações do usufrutuário ------------------196
• Extinção --------------------------------------199
Direitos de uso e habitação --------------------202
Direito de superfície ----------------------------205
• Noção -----------------------------------------205
• A propriedade do solo ------------------------206
• Objecto do direito de superfície e do
direito de propriedade superficiária ---------208
• Constituição ----------------------------------209
• Momento da aquisição da propriedade
superficiária ----------------------------------210
• Direitos e deveres do superficiário e do

275
Direito das Coisas FDUP

proprietário do solo --------------------------211


• Extinção --------------------------------------212
• Crítica ao regime do CC relativo ao direito
de superfície ----------------------------------214
Servidões prediais ------------------------------214
• Noção -----------------------------------------214
• Características das servidões ----------------216
• Constituição ----------------------------------219
• Modalidades ----------------------------------224
• Exercício --------------------------------------225
• Mudança --------------------------------------227
• Extinção --------------------------------------227
Direito real de habitação periódica -------------231
• Noção -----------------------------------------231
• Duração ---------------------------------------232
• Constituição ----------------------------------232
• Transmissão ----------------------------------233
3. Direitos reais de garantia --------------------------------------233
Consignação de rendimentos -------------------------233
Penhor -------------------------------------------------234
Hipoteca -----------------------------------------------235
Privilégios creditórios ---------------------------------237
Direito de retenção ------------------------------------238
4. Direitos reais de aquisição -------------------------------------239
Direitos potestativos de aquisição --------------------240
Direitos reais de preferência -------------------------240

276
Direito das Coisas FDUP

Promessas reais de alienação ou oneração ----------242

Índice ---------------------------------------------------------------245

277