Você está na página 1de 2

Definio de Contrato:

Sem pretender incorrer nesses erros, entendemos que o contrato


um negcio jurdico por meio do qual as partes declarantes,
limitadas pelos princpios da funo social e da boa-f objetiva,
autodisciplinam os efeitos patrimoniais que pretendem atingir,
segundo a autonomia das suas prprias vontades.

Ou seja, o contrato o negcio jurdico pelo qual ocorre o


consentimento entre interesses colidentes, observando-se os
princpios da funo social e o da boa f objetiva.

Nota: quando o autor diz erros, ele se refere definio


decorrente de uma presuno do autor, bem como de uma
definio qual o autor entender como absoluta. E tambm, ao erro
por omisso, onde o autor acredita que uma enunciao simples
seria a melhor, por entende-la mais didtica, porm, sem observar
que est sendo simplrio.

Definio

de

contrato

sob

uma

perspectiva

Constitucional:

Em uma perspectiva civil-constitucional, devemos ter em conta


que o contrato, espcie mais importante de negcio jurdico,
apenas se afirma socialmente se entendido como um instrumento
de conciliao de interesses contrapostos, manejado com vistas
pacificao social e ao desenvolvimento econmico. No podemos,
dessa forma, consider-lo como um instrumento de opresso, mas
sim de realizao.
Pode-se, portanto, considerar o contracto como um conciliador
dos interesses collidentes, como um pacificador dos egosmos em
lucta. certamente esta a primeira e mais elevada funco social
do contrato.

Entretanto, no s sob o aspecto de pacificao social compe-se a


denominada funo social do contrato. Dessa forma, os demais
componentes desse princpio so:
A dignidade da pessoa humana
Relativizao do princpio da igualdade das partes
contratantes
Boa f objetiva
Respeito ao meio ambiente
Respeito ao valor social do trabalho

Sendo assim, todos esses princpios reunidos formam compe a


funo social do contrato.

Definio: Portanto, vista do exposto, poderamos, sem prejuzo


da definio supra apresentada, e j sob uma perspectiva mais
estrutural, reconceituarmos o contrato, genericamente, como
sendo um negcio jurdico bilateral, por meio do qual as partes,
visando a atingir determinados interesses patrimoniais, convergem
as suas vontades, criando um dever jurdico principal (de dar,
fazer ou no fazer), e, bem assim, deveres jurdicos anexos,
decorrentes da boa-f objetiva e do superior princpio da funo
social.