Você está na página 1de 1

SENNET, Richard.

Deriva: como o novo capitalismo ataca o carter pessoal

Sennett afirma que a instabilidade e a incerteza, sempre estiveram presentes na


histria humana. A grande diferena que nos dias atuais elas aparecem sem nenhum
desastre iminente; as tenses esto ao nosso lado diariamente. Essa evidncia desperta
nos trabalhadores o que Sennett chamou de um sentimento de deriva, que seria a falta de
propsito em relao ao presente e de perspectivas futuras. Ou seja, a nova realidade
econmico-social no permite que acontea a realizao almejada por esses
trabalhadores, ao mesmo tempo em que corri no indivduo as qualidades que criam os
laos entre os seres humanos e lhes conferem uma identidade sustentvel.
Sennett defende a rotina, afirmando que ela pode proteger uma vida de impulsos
momentneos, de aes de curto prazo e sem rotinas que se sustentem. Na verdade,
uma existncia irracional, sem objetivos nem propsitos. Se considerarmos a rotina
como degradante, estaremos associando-a prpria essncia do trabalho e colocando
em risco de obstruo o progresso moral da sociedade.
Hoje se defende que o ser humano livre e em processo de evoluo aquele
aberto s mudanas e de fcil adaptabilidade. Sennett manifesta que a nova economia,
baseada na extino da rotina, na flexibilizao do tempo e dos processos, trai esse
desejo de liberdade. De fato, em vez de libertar, criaram novas formas de controle, mais
sutis, mas presentes no que chamou de fices do trabalho artifcios a servio do
exerccio da dominao