Você está na página 1de 9
(1P ail Catalogasto-na-Publiencto (Camara Braiera do Liv, SP Nietasche,Fredeih Wilhelm, 1844-1900 Nstio ‘Obras incompleas / Friedrich Nietache; selegta de tex- ied.” tos de Gerard Lebrun ;tradugdo e nots de Rubens Rodrigues ‘Torre Ftho ; poste de Anténio Clndido. — 3, ed. — S10 Paulo: Abril Cultural, 1983, Os pensadoros Inco vida e obea de Nictasche Bibliografia. 1, Filosofia sort 2. Nietzsche, Friedrich Wilhelm, 184s-i900°T. Lebrun, Gérard, 1980 - TI. Candido, Anion 1918- HL, Thule. WV. Série cpp-193 5.0057 190.92 Indice per catilogo sistem 1. Alemanha ; Flosofia 193 2 Filosofia alema 193 5, Filsofos tlemtes 193 4 Flosofor medertos : Blografia ¢ obra 190.92 5. Nietasche # Obras flosicas 193 FRIEDRICH NIETZSCHE OBRAS INCOMPLETAS Selo de textos de Gérard Lebrun ‘Tradugiio ¢ notas de Rubens Rodeigues Torres Fiho Posticio de Antdnlo Cindido Lg 1983 EDITOR: VICTOR CIVITA “Titus ecg Die Geburt der Tragoets out dem Got der Musit Die Phlsophie im iagehen Zetlter der Grochon ener Watt wt Lee strate Se etgemesre Berachungen Menshlierdicumenschlices ‘Morgenrocte at vol ie frohiche Wisenschaf (La Oey Scena) ‘Alo sprach Zarate evo on Gut und Boe ar Gaecogie der Moral ‘Gestaen Deemmerang ‘be Anca © Copyright Abed S.A. Curl ¢ Indu Sto Paulo, 1974 Br eligio; 197 = 3s edit 1985. Acta publiado sob sega de Ananlo Caio de elo e Sota, Sio Patio ("0 Potader") Dizon exclave sore “Nidsiche — Vida © Obr ‘Sb S-A. Culture Indust, Sto Paulo Dittos extsves sobre as dus dete vi “Abel SA. Cultural indo, S80 Paulo NIETZSCHE VIDA E OBRA Pesjusat Olga Chas Peres CConsultera: Marleua de Souza Cieui I — DA UTILIDADE E DESVANTAGEM DAHISTORIA PARA A VIDA «as74y st «) Seé uma felicidade, se ¢ uma ambigdo por uma nova felicidade em um senti- ddo qualquer, aquilo que firma o vivente na vida e o forga a viver,entao talvez ne- ‘chum fl6sofo tenha mais eazio do que o cinico: pois a flicidade do animal, que 60 cinico perfeito, € a prova viva da razdo do cinismo. A menor das felicidades, se simplesmente & ininterrupta ¢ faz fliz ininterruptamente, & sem comparas30 mais felicidade do que a maior delas, que venisa somente como um epis6dio, por assim dizer como humor, como incidenteextravagante, ene o puro desprazer, 8 avidez e a privagdo. Mas nas menores como nas maiores felicidades & sempre 0 mesmo aquilo que faz da felleidade fellcidade: 0 poder esqueser Ou, dito mais ‘eruditamente, 2 Faculdade de, enquanto dura a felicidade, sentir a-istoricamence, ‘Quem no se instale no limiar do instante, esquecendo todos os passados, quem ado é capaz de mantet-se sobre um ponto como uma deusa de vitbria, sem Verti- ‘gem medo, nunca saberd © que é Felicidade e, pior ainda, nunca far algo que torne outros flizes, Pensem o exempla extrem, um homem que nfo possuisse a orga de esquecer, que estivesse condenailo & ver por toda parte um vir-a-ser: tal hhomem no acredita mais em seu proprio ser, nfo acredita mais em si, vé tudo ddesmanchar-se em pontos méveis e se perde nesse rio do vir-a-ser: finalmente, como o bom discipulo de Hericlito, mal ousara levantar 0 dedo. Todo agir cequer esquecimento: assim como a vida de tudo 0 que & organico requer no somente Juz, mas também escuro. Uri homem que quisesse sempre sentir apenas historica- ‘mente seria semelhante aquele que se Forgasse a abster-se de doreni, ou 20 animal ‘que tivesse de sobreviver apenas da rumsinagio e ruminaglo sempre repetida, Por- tanto: € possivel viver quase sem lembranca, e mesmo viver feliz, como mostra 0 animal; mas & inteicamente impossivel, sem esquecimento, simplesmente viver. (Ou, para explicar-me ainda mais simplesmente sobre meu tema Ad wn grow de ‘nsinia, de ruminagéo, de sentido histérieo, no qual o vivente chega a softer dano por fim se arrutna,sela ele um homem ou um pova ou wma clilizagao, C, .) Quem pergunta a seus conhecidos se desejariam viver mais uma ver os ‘itimos dez ou vinte anos perceber’ facilmente quem deatre eles esté preparado vara aquele ponto de vista suprarhistérico: decerto todos responderao: Nio!, mas esse Nao!, cada um deles fundamentara diferentemente. Uns, talvez, por espera CONSIDERAGOES EXTEMPORANEAS ” xem confiantes: "Mas os pr6ximos vinte serdo os melhores”; sio aqueles de quem David Hume zombeteiramente di: And from the dregs of Ife hope to receive, What the first sprightly runaing could not give.* Vamos denominé-los homens histérieos; 0 olhar ao passado os impele 20 futuro, inflama seu dnimo a ainda por mais tempo concorrer com a vida, acende 1 csperanga de que & justiga ainda vom, de que a felicidade estéatras da montanha em cuja diregdo eles caminham. Esses homens histricos acreditam que o sentido dda existéncia, no decorrer de seu processo,vird cada vez mais & luz; les 6 olham para trés para, na consideragio do processo att agora, entenderem o presente © faprenderem a desejar com mais veeméncia © futuro. NEo sabem quia srhistoricamente, a despeito de toda a sua hist6ria, eles pensar e agem, ¢ como até mesmo sua ocupagio com a hist6ria ni esta servigo do conhecimento puro, mas da vide. Mas aquela pergunta, cuja primeira resposta ouvimos, pode também ser res- pondida de outro modo, Decerto mais uma vez comi um Nao! — mas com unt Nio fundamentado de outro modo. Com 0 Nio do hamem supra-histérica, que no vé a salvagio no processo, para quem o mundo em cada instante singular est pronto ¢ alcangou seu termo. O que poderiam ensinar dez novos anos, que os dez nos passados nio foram capazes de ensinar! Agors, ve 0 ventigo de doutrins & felicidade ou resignacio, virtade ou expia ‘edo, quanto a isto os homens supra historicos auncs estiveram de scordo entre si; mas, em contraposigio a todos as modos histiricos de considerar o que passou, cchegam A total unanimidade da proposigdo: 0 passado ¢ o presente sio um ¢ 0 resto, ou seja, em toda diversidade so tipicamente iguais e, como onipresenga de tipos impereciveis, uma formagio estivel de valor inalterado significagao ctemamente igual. Assia como as centenas de linguas diferentes corcespondem {As mesmas necessidades tipicamente estaveis dos homens, de tal modo que um que centendesse essas necessidades nio poderia aprender, em todas as linguas, nada de znovo: assim 0 pensador Supra-bistrico ilumina toda a kistéria dos poros e dos individuos de dentro para fora, adivinhando com clarividéncia 0 sentido primor- lial dos diferentes hierdglifos © pouco a pouce afastando-se, cansado, até mesmo da escrite de signos que continua a jorear sempre nova: pois como, na infinita pro- {uso do acontecimento, nfo chegaria ele A saciedade, & saturagio, e mesmo 30 fngjo! De tal modo que 9 mais temerdrio acabaré, alvez, a pontn de dizer, com Giacomo Leopardi, a seu coragio: iada vive, que fosse dgno De tuas emogies,¢ a Terra nao merece um 55 suspiro. Dor e tédio & nosso ser e 9 mundo € lodo — nada mais. Aquieta te” ° Bas deits aera wrecadar/O glo pn iro ot ne peda" (8. oT)