P. 1
Manual Doenças Profissionais Cabeleireiro

Manual Doenças Profissionais Cabeleireiro

|Views: 12.336|Likes:
Publicado porRodrigoCorte-Real

More info:

Published by: RodrigoCorte-Real on Feb 15, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/27/2014

pdf

text

original

CENTRO DE ESTUDOS E FORMAÇÃO PROFISSIONAL “O SÁBIO DE LAGO”

Curso de Cabeleireiro Unisexo

Organização do Trabalho, Higiene e Segurança Doenças Profissionais

Formador: Rodrigo Corte-Real Carga Horária: 8 Horas

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo

Índice
1DOENÇAS PROFISSIONAIS......................................................................................3 1.1- Alergias......................................................................................................4 1.1.1- Tratamento..........................................................................................5 1.1.2- Tipos de reacções alérgicas...............................................................6 1.2- Dermatoses................................................................................................8 1.3- Asma, Distúrbios Respiratórios...............................................................13 1.3.1- Asma.................................................................................................14 1.4- Distúrbios digestivos................................................................................15 1.4.1- Gastrite..............................................................................................15 1.4.2- Úlcera................................................................................................16 1.4.3- Dispepsia...........................................................................................17 1.5- Distúrbios osteoarticulares......................................................................17 1.6- Distúrbios venosos...................................................................................20 1.6.1- Varizes..............................................................................................21 1.7- Doenças infecto-contagiosas...................................................................24 1.7.1- SIDA..................................................................................................24 1.7.2- Hepatite.............................................................................................27 1.7.3- Viroses..............................................................................................29 1.7.4- Tuberculose.......................................................................................33 2BIBLIOGRAFIA............................................................................................35

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 2 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo

1- DOENÇAS PROFISSIONAIS
A actividade profissional pode ser responsável por alterações da saúde se não for executada em condições adequadas. Assim, doença profissional é aquela que resulta directamente das condições de trabalho, consta da Lista de Doenças Profissionais (Decreto Regulamentar n.º 76/2007, de 17 de Julho) e causa incapacidade para o exercício da profissão ou morte. As doenças profissionais em nada se distinguem das outras doenças, salvo pelo facto de terem origem em factores de risco existentes no local de trabalho. No caso de a doença não constar na Lista de Doenças Profissionais, a Lei também considera que a lesão corporal, a perturbação funcional ou a doença não incluídas na lista serão indemnizáveis, desde que se provem serem consequência, necessária e directa, da actividade exercida e não representem normal desgaste do organismo. Qualquer médico, perante a suspeita fundada de doença profissional – diagnóstico de presunção – tem obrigação de notificar o Centro Nacional de Protecção contra Riscos Profissionais (CNPRP), mediante o envio de participação obrigatória devidamente preenchida. O Centro irá estudar a situação e avaliar se se trata, ou não, de do doença mediante próprio profissional, solicitação

trabalhador afectado. O Ministério por CNPRP, do é uma e a

instituição que pertence ao Trabalho assegurar Segurança Social, que tem missão prevenção, tratamento,

recuperação e reparação de doenças ou incapacidades resultantes de riscos profissionais (art. 29º da Lei 100/97 e 13/09 e art. 77 do DL 248/99 de 2/7).
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 3 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo

Reparação das doenças profissionais: Há direito à reparação emergente de doenças profissionais quando se verifiquem cumulativamente, as seguintes condições: - Estar o trabalhador afectado da correspondente doença profissional; - Ter estado o trabalhador exposto ao respectivo risco pela natureza da indústria, actividade ou condições, ambiente e técnicas do trabalho habitual.

A

protecção

nas

doenças

profissionais

é

assegurada

pelo

desenvolvimento articulado e sistemático das actuações no campo da prevenção, pela atribuição de prestações pecuniárias e em espécie, tendo como finalidade intervenções de reabilitação e recuperação profissional e a reparação dos danos emergentes.

1.1- Alergias As reacções alérgicas, também chamadas reacções de

hipersensibilidade, são reacções do sistema imunitário em que o tecido corporal normal fica lesado. O mecanismo pelo qual o sistema imunitário defende o corpo é semelhante àquele que produz uma reacção de hipersensibilidade que pode prejudicá-lo. Como consequência, os anticorpos, os linfócitos e outras células, que são componentes protectores do sistema imunitário, participam nas reacções alérgicas tanto como nas reacções às transfusões sanguíneas, na doença auto-imune e na rejeição de um órgão transplantado. Quando as pessoas falam de uma reacção alérgica, estão a fazer referência às reacções que envolvem os anticorpos da classe imunoglobulina E (IgE). Os anticorpos IgE unem-se a células especiais como os basófilos da circulação e as células gordas dos tecidos. Quando os anticorpos IgE que estão ligados a essas células encontram antigénios, neste caso chamados alergénios, as células vêem-se obrigadas a libertar produtos químicos que lesam os tecidos circundantes. Um alergénio pode ser qualquer coisa (uma
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 4 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo partícula de pó, o pólen duma planta, um medicamento ou um alimento) que actue como um antigénio para estimular uma resposta imune. Por vezes utiliza-se o termo de doença atópica para descrever um grupo de afecções, frequentemente hereditárias, que são mediadas pela IgE, como a rinite alérgica e a asma alérgica. As doenças atópicas manifestam-se pela sua tendência em produzir anticorpos de IgE face a inalantes inofensivos, como o pólen, o bolor, os tegumentos animais e as partículas de pó. O eczema (dermatite atópica) é também uma doença atópica, apesar de nesta perturbação o papel dos anticorpos IgE ser menos claro. No entanto, um indivíduo com uma doença atópica não corre riscos superiores aos outros indivíduos de desenvolver anticorpos IgE face a alergénios injectados, tais como medicamentos ou venenos de insectos. As reacções alérgicas podem ser ligeiras ou graves. A maioria delas consiste apenas no incómodo que representa o lacrimejar e o ardor nos olhos, além de alguns espirros. No extremo oposto, as reacções alérgicas podem pôr a vida em perigo se causarem uma dificuldade respiratória grave, um mau funcionamento do coração e uma baixa acentuada da tensão arterial, que pode acabar em choque. Este tipo de reacção, chamada anafilaxia, pode afectar as pessoas fracas em situações distintas, como após ingerir certos alimentos, depois de tomar determinados medicamentos ou pela picada de uma abelha.

1.1.1- Tratamento Evitar um alergénio é melhor do que tentar tratar uma reacção alérgica. Evitar uma substância pode implicar deixar de ingerir um determinado medicamento, instalar ar condicionado com filtros, renunciar a ter um animal de companhia em casa ou não consumir certo tipo de alimentos. Por vezes um indivíduo alérgico a uma substância relacionada com um determinado trabalho vê-se obrigado a mudar de emprego. As pessoas com alergias sazonais fortes podem encarar a possibilidade de se transferir para uma região onde não exista esse alergénio. Outras medidas consistem em reduzir a exposição a um determinado alergénio. Por exemplo, uma pessoa alérgica ao pó da casa pode eliminar todo o mobiliário, tapetes e cortinas que acumulem pó; cobrir colchões e almofadas com protecções plásticas; aspirar o pó e limpar os compartimentos com um
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 5 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo pano húmido com bastante frequência; usar ar condicionado para reduzir a elevada humidade interior que favorece a multiplicação dos ácaros do pó e instalar filtros de ar extremamente eficientes. Dado que alguns alergénios, em especial os transportados pelo ar, não podem ser evitados, os médicos costumam utilizar métodos para bloquear a resposta alérgica e prescrevem medicamentos para aliviar os sintomas.

1.1.2- Tipos de reacções alérgicas Os diferentes tipos de reacções alérgicas são geralmente classificados de acordo com a sua causa, a parte do corpo mais afectada e ainda alguns outros factores. A rinite alérgica é uma reacção alérgica muito comum. Tratase de uma alergia às partículas que o ar transporta (em regra pólen e ervas, mas por vezes bolores, pós e pêlo de animais) e que provocam espirros, ardor, rinorreia ou congestão nasal, ardor cutâneo e irritação nos olhos. A rinite alérgica pode ser estacional ou perenial (durante todo o ano). Esta patologia apresenta a seguinte sintomatologia: quando começa a estação do pólen, o nariz, o palato, a parte posterior da garganta e os olhos começam a arder gradualmente ou de forma brusca. Geralmente os olhos lacrimejam, começam os espirros e costuma cair uma aguadilha clara pelo nariz. Algumas pessoas têm dores de cabeça, tosse e respiração ofegante; estão irritáveis e deprimidas; perdem o apetite e têm dificuldade em conciliar o sono. A face interna das pálpebras e o branco dos olhos podem inflamar-se (conjuntivite). O revestimento do nariz pode inflamar-se e adoptar uma cor vermelhoazulada, gotejando e mostrando congestão nasal.

A

anafilaxia

é

uma

reacção

alérgica

aguda,

generalizada,

potencialmente grave e ocasionalmente mortal que se verifica em pessoas que foram previamente sensibilizadas através da exposição a um alergénio e que entram em contacto directo com o mesmo alergénio uma vez mais. A anafilaxia pode ser causada por um alergénio. Os mais frequentes são os medicamentos, as picadas de insectos, certos alimentos e as injecções de imunoterapia alergénica. A anafilaxia nunca ocorre na primeira exposição a um alergénio. Por exemplo, a primeira exposição à penicilina ou a primeira picada de abelha
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 6 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo não desencadeiam a anafilaxia, mas a seguinte já o pode fazer. Na realidade, muitas pessoas não se recordam de ter sofrido uma primeira exposição. Uma reacção anafiláctica começa quando o alergénio entra na corrente sanguínea e reage com um anticorpo da classe imunoglobulina E (IgE). Essa reacção incita as células a libertar histamina e outras substâncias que participam nas reacções imunes inflamatórias. Como resposta, as vias respiratórias dos pulmões podem fechar-se e provocar asfixia; os vasos sanguíneos podem dilatar-se e fazer com que a tensão arterial desça; as paredes dos vasos sanguíneos podem deixar sair líquido, provocando edema e urticária. O coração pode funcionar mal, bater de forma irregular e bombear sangue de forma inadequada. O indivíduo pode entrar em estado de choque.
fissões podem aparecer casos. Tive um doente polícia que era alérgico à borracha preta do cassetete", exemplifica. omichões e inflamações.

A urticária é uma reacção da pele caracterizada pela presença de pequenas elevações de cor clara ou então avermelhadas (pápulas). Existe uma afecção chamada angioedema que está relacionada com a urticária e que por vezes coexiste com esta; afecta zonas muito maiores e tecidos mais profundos debaixo da pele. A urticária e o angioedema são reacções de tipo anafiláctico que se limitam à pele e aos tecidos subjacentes. Podem ser desencadeados por alergénios ou outros agentes, ou então não ter causa conhecida. Os alergénios mais frequentes são os medicamentos, as picadas de insectos, as injecções contra a alergia e certos alimentos, em particular ovos, mariscos, nozes e frutas. Por vezes a urticária surge subitamente pouco depois de a pessoa ingerir uma quantidade ínfima de um determinado alimento. Noutros casos a urticária aparece apenas depois de se comer grandes quantidades de um alimento em particular (por exemplo, morangos). Em certas situações, a urticária pode aparecer após infecções virais, como a hepatite, a mononucleose infecciosa e a rubéola.

A alergia física é uma doença em que os sintomas alérgicos aparecem como resposta a um estímulo físico, como o frio, a luz solar, o calor ou uma lesão pouco importante. O ardor, as manchas na pele e a urticária são os sintomas mais comuns da alergia física. Em algumas pessoas, as vias respiratórias que chegam aos pulmões apertam-se e torna-se então difícil respirar. Uma reacção forte à luz solar (fotossensibilidade) pode causar
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 7 de 34

Formação Profissional

Curso de Cabeleireiro Unisexo urticária e manchas inabituais na pele. A fotossensibilidade também pode provir do uso simultâneo de vários medicamentos ou substâncias aplicadas na pele. As pessoas especialmente sensíveis ao calor podem contrair uma doença chamada urticária colinérgica: pequenas zonas de urticária que picam intensamente, rodeadas por um anel de pele avermelhada. A urticária colinérgica também surge em virtude do exercício físico, do stress emocional ou de qualquer outra actividade que provoque sudação. As pessoas particularmente sensíveis ao frio podem apresentar urticária, inflamação da pele, asma, rinorreia e congestão nasal quando se expõem ao frio.

1.2- Dermatoses

O eczema, também designado dermite ou dermatite, é uma reacção inflamatória da pele, de evolução aguda, subaguda ou crónica, que resulta da actuação de factores de natureza endógena ou exógena, actuando isoladamente ou de forma combinada. As lesões são em geral muito pruriginosas e o processo inflamatório assume intensidade maior ou menor em conformidade com a agressividade do agente causal e da susceptibilidade individual. A manifestação clínica inicial consiste na ruborização da pele que se designa de eritema. Se a reacção persistir a inflamação pode acentuar-se, surgindo sucessivamente pequenas pápulas, vesículas de conteúdo líquido claro ou purulento que podem rebentar e exsudar ou, por confluência, dar lugar a bolhas de tamanhos variáveis. Com o rebentamento das bolhas formam-se crostas e posteriormente a pele descama e finalmente cicatriza. A dermatose pode não regredir e o processo inflamatório manter-se e evoluir para o espessamento da pele, com acentuação das linhas cutâneas, constituindo-se placas mal delimitadas, muitas vezes escoriadas. Nesta fase crónica, o eczema diz-se liquenificado. A localização das lesões é muitas vezes sugestiva do tipo de eczema em causa, mas outras vezes é manifestamente insuficiente para a sua caracterização pelo que é necessário correlacionar os elementos da história clínica e da observação, com antecedentes patológicos pessoais e familiares e exames complementares de diagnóstico. Existem diversos tipos de eczema, com características muito distintas, relativamente à sua forma de apresentação, distribuição e tendência evolutiva,
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 8 de 34

mais agressões sofrem na pele pelas actividades que exercem, avança o Diário de Notícias. de 20% dos trabalhadores já meteram baixa por causa de doenças dermatológicas associadas à profissão. O que torna estes problemas uma das principais causas de absentismo. ta António Pinto Soares. As profissões que exigem grande trabalho manual são as mais problemáticas e as pessoas de classe média-baixa as mais atingidas. "No entanto, em todas as com os produtos de limpeza, ou alérgicos, como a reacção que algumas empregadas de supermercado fazem ao níquel existente nas moedas. Mas também resultam em pigmentaçõ to Soares. "Mas há casos dramáticos, em que isso é impossível, e que se tornam crónicos", garante. "Nessas situações educamos a pessoa para que evite ao máximo o ente de cortisona." (…)

Formação Profissional

Curso de Cabeleireiro Unisexo cujas designações foram consagradas pelo uso, pelo que, ora são chamadas de dermite, ora são rotuladas de eczema. Assim se distinguem a dermite ou eczema atópico, a dermite ou eczema de contacto, a dermite seborreica, o eczema numular, o eczema desidrótico, o líquen simples crónico, o eczema varicoso e a dermite asteatósica Eczema e dermite (ou dermatite) não são rigorosamente sinónimos, embora sejam usados genérica e correntemente como tal. Dermite significa "inflamação da pele" e, nesta perspectiva, em rigor eczema é um tipo particular de dermite.

Eczema de Contacto

Trata-se de um processo inflamatório pruriginoso, inicialmente limitado à zona de contacto com o agente causal e que resulta de um efeito irritativo, alérgico ou fotosensibilizante. O eczema de contacto irritativo é extremamente comum e resulta da actuação de agentes irritantes da natureza química ou física sobre o revestimento cutâneo-mucoso. Os alcalizantes e os detergentes são as causas mais frequentes e as lesões predominam sobre as mãos, como acontece nas donas de casa e em algumas dermatoses profissionais. Se o eczema tem origem alérgica a expressão clínica resultante poderá ser evocadora, como acontece na eczematização dos lóbulos das orelhas por alergias aos objectos de adorno ou de fantasia, ou na face anterior do pulso, por alergia ao níquel contido na fivela do relógio. Noutros casos é necessária uma história clínica meticulosa e uma observação cuidadosa das lesões, assim como o recurso a testes epicutâneos para despiste ou confirmação do diagnóstico. Nos eczemas de causa profissional é por vezes necessário inspeccionar as condições de trabalho dos doentes a fim de colher elementos que poderão ser fundamentais para o diagnóstico. O contacto pode fazer-se por forma directa ou através de uma superfície contaminada. Em muitos casos, como acontece com os pólens, os perfumes e muitas substâncias voláteis, o contacto pode efectuar-se por via aérea. Se o agente causal é fotosensibilizante a reacção, que poderá ser de natureza tóxica ou alérgica, só terá lugar em presença de luz. A lista de substâncias fotosensibilizantes inclui algumas centenas de produtos de
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 9 de 34
Noticia retirada de www.rcmpharma.com

Um quinto das baixas é por doença de pele São os trabalhadores da construção civil, indústria, metalúrgica, cabeleireiros e profissionais do sector da saúde Segundo estudos publicados nas revistas British Journal of Dermatology e Jounal of Investigative Dermatology, c "São as chamadas dermatoses profissionais, das mais comuns entre as doenças de trabalho", explica o dermatol Estes problemas manifestam-se normalmente em eczemas, que podem ser irritativos, como no caso das domésti (…) "Já aconselhei alguns doentes a mudarem de ambiente de trabalho e mesmo de profissão", sublinha António contacto com o agente que cria a irritação e procedemos a uma terapêutica com pomadas ou comprimidos, princi

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo utilização comum, como vegetais, cosméticos, medicamentos de aplicação tópica e administrados por via oral. O inquérito com vista à determinação da origem do eczema de contacto, terá que ter em linha de conta as condições de trabalho do doente, os passatempos, a higiene pessoal, os cosméticos (substâncias químicas depilatórias, verniz das unhas, acetona, desodorizantes, hidratantes, loções para depois do barbear, perfumes, filtros solares.) utilizados pelo próprio na sua vida pessoal e profissional, a actividade doméstica, os medicamentos usados ou simplesmente manipulados pelo doente a fim de os administrar a outrem, o vestuário, o calçado, o contacto com animais e plantas, etc. O ritmo das crises ao longo do dia, da semana, ou do ano, a sua relação com a permanência em ambientes particulares como perfumarias, zonas arborizadas, etc., a influência do Sol e outros factores ambientais, são igualmente de considerar. A execução de testes epicutâneos é frequentemente determinante na descoberta do factor causal. A identificação e a remoção da substância em causa, infelizmente nem sempre possível, são essenciais para a resolução do eczema. A protecção das mãos com luvas impermeáveis é muitas vezes suficiente em certas actividades mas não é bem tolerada quando usada durante muito tempo e dificulta a agilidade manual para trabalhos mais minuciosos.

Eczema atópico Calcula-se que cerca de 10% das crianças sofram desta dermite. Tratase de uma inflamação cutânea de evolução crónica, cujo mecanismo patogénico se desconhece, admitindo-se que resulte da interacção de uma susceptibilidade genética, uma desregulação imunológica e uma disfunção da barreira epidémica. Caracteriza-se por uma hipersensibilidade cutâneo-mucosa a estímulos diversos que os indivíduos normais suportam perfeitamente. A afecção manifesta-se habitualmente nos primeiros meses e vida e mais raramente em adultos jovens. Em cerca de 80% dos casos, no doente ou nos familiares às manifestações cutâneas associam-se asma e/ou rinite alérgica. A esta tendência familiar para se sofrer destas afecções denomina-se atopia.
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 10 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo Os atópicos têm a pele seca e áspera, em consequência de alguma incapacidade para reter a água na camada córnea da epiderme, mas também devido a uma insuficiente produção de sebo e suor. Caracteristicamente sentem prurido quando transpiram, facto que, aliado à já referida secura cutânea e a uma típica diminuição do seu limiar de sensibilidade para o prurido os leva a coçar permanentemente o corpo, pelo que a pele é frequentemente escoriada. Ainda como consequência deste facto, as crianças tornam-se impertinentes e têm perturbações do sono. As características clínicas da afecção variam em função da idade dos doentes, particularmente no que diz respeito à morfologia e distribuição das lesões. Clinicamente podemos considerar três fases evolutivas mais ou menos distintas. Quando a afecção se manifesta na fase de lactente, predomina na face, em especial nas regiões genianas e fonte, poupando tipicamente as regiões peri-oculares e peri-bucal. Posteriormente podem ser atingidos o couro cabeludo, as partes laterais externas das pernas e tronco. Em casos excepcionais e eczema pode generalizar a todo o corpo. As lesões são avermelhadas e ásperas, mas podem progredir em pequenas pápulas e vesiculação, com exsudação, crosta e descamação. Em muitos casos segue-se infecção secundária. A evolução é irregular, alternando períodos de agravamento e melhoria e a afecção pode regredir totalmente durante o segundo ano de vida ou prosseguir durante a infância, com características algo diferentes. Na vida adulta as lesões são mais disseminadas e afectam em geral a fronte, as pálpebras, o pescoço, as pregas dos cotovelos e joelhos, os pulsos e a parte dorsal das mãos e pés. Embora como foi referido, a maioria destes dentes se tornem assintomáticos durante a infância. A susceptibilidade para a inflamação cutânea mantém-se em muitos deles, pelo que os atópicos contribuem para cerca de 80% das dermatoses profissionais na vida adulta.

1.3- Asma, Distúrbios Respiratórios Os brônquios e os bronquíolos são basicamente tubos com paredes musculares. O seu revestimento interno é uma membrana mucosa que contém células que produzem mucosidade. As outras células que revestem os
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 11 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo brônquios têm três tipos principais de receptores de superfície especializados que detectam a presença de substâncias e estimulam a contracção e o relaxamento dos músculos subjacentes. Quando recebem os estímulos, os receptores beta-adrenérgicos fazem com que os músculos se relaxem e que, por conseguinte, as vias aéreas inferiores se dilatem e facilitem a entrada e a saída do ar. Os receptores colinérgicos estimulados pela acetilcolina e os receptores peptidérgicos estimulados pela neuroquinina fazem com que os músculos se contraiam; como consequência, as vias aéreas inferiores estreitam-se e a ventilação é dificultada. A obstrução de uma via respiratória pode ser reversível ou irreversível. No caso da asma, a obstrução é completamente reversível. Na doença pulmonar crónica obstrutiva, a obstrução é parcialmente reversível, enquanto a provocada pelo enfisema é irreversível. As doenças pulmonares de origem ocupacional devem-se à inalação de partículas nocivas, nuvens, vapores ou gases no local de trabalho. O local exacto das vias aéreas ou dos pulmões aonde chega a substância inalada e o tipo de doença pulmonar que desencadeia dependem do tamanho e do tipo das partículas. As maiores podem ficar retidas no nariz ou nas vias aéreas superiores, mas as mais pequenas atingem os pulmões. Uma vez ali, algumas partículas dissolvem-se e podem passar para a corrente sanguínea; as defesas do corpo eliminam as mais sólidas que não se dissolvem. O organismo tem vários mecanismos para eliminar as partículas aspiradas. Nas vias respiratórias, o muco cobre as partículas de modo que seja fácil expulsá-las através da tosse. Nos pulmões, existem células depuradoras especiais que engolem a maioria das partículas e as tornam inofensivas. Diversos tipos de partículas produzem diferentes acções no organismo. Algumas causam reacções alérgicas, como o pólen das plantas, responsável pela febre do feno ou por um tipo de asma. As partículas como o pó de carvão,
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 12 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo o carvão e o óxido de estanho não produzem muita reacção nos pulmões. Outras, como o pó de quartzo e de amianto podem causar cicatrizes permanentes no tecido pulmonar (fibrose pulmonar). Em quantidades importantes, certas partículas, como o amianto, podem causar cancro nos fumadores.

1.3.1- Asma A asma profissional é um espasmo reversível das vias aéreas pulmonares causado pela aspiração, no local de trabalho, de partículas ou de vapores que actuam como irritantes ou causam uma reacção alérgica. Muitas substâncias, no local de trabalho, podem provocar espasmos das vias aéreas que dificultam a respiração. Algumas pessoas são particularmente sensíveis aos agentes irritantes que se encontram no ar. Sintomas A asma profissional pode causar dispneia, opressão no peito, respiração sibilante, tosse, rinorreia e lacrimejo. Em algumas pessoas, a respiração sibilante é o único sintoma. Os sintomas podem verificar-se durante a jornada de trabalho, mas, muitas vezes, começam algumas horas depois de ela ter terminado. Em algumas pessoas, os sintomas começam até 24 horas depois da exposição. Além disso, os sintomas podem aparecer e desaparecer durante umas semana ou mais depois da exposição. Deste modo é difícil estabelecer a relação entre o local de trabalho e os sintomas. Muitas vezes, os sintomas diminuem ou desaparecem durante o fim-de-semana ou nas férias. Os sintomas pioram com a exposição repetida aos agentes irritantes.

1.4- Distúrbios digestivos O interior do estômago e do duodeno é marcadamente resistente às lesões pelo ácido e pelos enzimas digestivos que contém. No entanto, pode ficar irritado, desenvolver úlceras, obstruir-se e formar tumores.

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 13 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo 1.4.1- Gastrite A gastrite é a inflamação do revestimento mucoso do estômago. A mucosa do estômago oferece resistência à irritação e normalmente pode suportar um elevado conteúdo ácido. No entanto, pode irritar-se e inflamar-se por diferentes motivos. A gastrite bacteriana segue-se normalmente a uma infecção por organismos como o Helicobacter pylori (bactérias que crescem nas células secretoras de muco do revestimento do estômago). Não se conhecem outras bactérias que se desenvolvam em ambientes normalmente ácidos como o do estômago, embora muitos tipos possam fazê-lo no caso de o estômago não produzir ácido. Tal crescimento bacteriano pode provocar gastrite de forma transitória ou persistente. A gastrite aguda por stress, o tipo mais grave de gastrite, é provocada por uma doença ou lesão graves de aparecimento rápido. A lesão pode não afectar o estômago. Por exemplo, são causas frequentes as queimaduras extensas e as lesões que provocam hemorragias maciças. A gastrite erosiva crónica pode ser secundária a substâncias irritantes como os medicamentos, sobretudo a aspirina e outros anti-inflamatórios não esteróides (AINE), à doença de Crohn e a infecções bacterianas e virais. Com este tipo de gastrite, que se desenvolve lentamente em pessoas que, por outro lado, gozam de boa saúde, podem verificar-se hemorragias ou ulcerações. É mais frequente em pessoas que abusam de álcool.

Os sintomas variam conforme o tipo de gastrite. No entanto, normalmente uma pessoa com gastrite sofre de indigestão e de queixas ligeiras na parte alta do abdómen. Na gastrite aguda por stress, a doença subjacente, os traumatismos ou as queimaduras em geral camuflam os sintomas gástricos. No entanto, podem sentir-se queixas moderadas na parte alta do abdómen. Pouco depois dum traumatismo, no revestimento do estômago podem surgir pequenos pontos hemorrágicos. Em poucas horas, estas pequenas lesões hemorrágicas podem converter-se em úlceras. As úlceras e a gastrite podem desaparecer se a pessoa recuperar rapidamente do traumatismo. Se assim não for, as úlceras podem tornar-se maiores e começar a sangrar, normalmente entre 2 e 5 dias
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 14 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo depois da lesão. A hemorragia pode fazer com que as fezes sejam de cor negro-alcatrão, tingir de vermelho o líquido do estômago ou, se for muito abundante, fazer baixar a tensão arterial. A hemorragia pode ser maciça e mortal. A maioria das pessoas com gastrite aguda por stress cura-se por completo quando se consegue controlar a doença subjacente, a lesão ou a hemorragia.

1.4.2- Úlcera Uma úlcera péptica é uma ferida bem definida, circular ou oval, causada por o revestimento do estômago ou do duodeno ter sofrido lesão ou simples erosão pelos ácidos gástricos ou pelos sucos duodenais. Quando a úlcera é pouco profunda, denomina-se erosão. A pepsina é um enzima que trabalha juntamente com o ácido clorídrico produzido pela mucosa gástrica para digerir os alimentos, sobretudo as proteínas. A úlcera péptica forma-se no revestimento do tracto gastrointestinal exposto ao ácido e aos enzimas digestivos (principalmente do estômago e do duodeno). Os nomes das úlceras identificam a sua localização anatómica ou as circunstâncias em que se desenvolvem. A úlcera duodenal, o tipo mais comum de úlcera péptica, surge no duodeno (os primeiros centímetros de intestino delgado imediatamente a seguir ao estômago). As úlceras gástricas, que são as menos frequentes, normalmente situam-se na parte alta da curvatura do estômago. Se for extirpada cirurgicamente parte do estômago, podem desenvolver-se úlceras marginais na zona em que o estômago remanescente voltou a ligar-se ao intestino. A repetida regurgitação de ácido procedente do estômago para o segmento inferior do esófago pode provocar inflamação (esofagite) e úlceras esofágicas. As úlceras que aparecem como consequência do stress derivado duma doença grave, queimaduras ou traumatismos, denominam-se úlceras de stress.

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 15 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo 1.4.3- Dispepsia A dispepsia é uma dor ou um mal-estar na parte alta do abdómen ou no peito que muitas vezes é descrita como ter gases, sensação de estar cheio ou como uma dor corrosiva ou urgente (ardor). A dispepsia tem muitas causas. Algumas são perturbações importantes, como úlceras do estômago, úlceras duodenais, inflamação do estômago (gastrite) e cancro gástrico. A ansiedade pode provocar dispepsia (possivelmente porque uma pessoa ansiosa tende a suspirar ou a inspirar e engolir ar, o que pode provocar distensão gástrica ou intestinal, bem como flatulência e meteorismo). A ansiedade também pode aumentar a percepção de sensações desagradáveis por parte da pessoa, ao ponto de o mais pequeno incómodo se tornar muito stressante.

1.5- Distúrbios osteoarticulares As lesões músculo-esqueléticas (LME) podem afectar diferentes partes do corpo, como, por exemplo, o ombro e o pescoço; o cotovelo, a mão e o punho; o joelho e a coluna vertebral. São síndromes de dor crónica que ocorrem no exercício de uma dada actividade profissional e, por isso, se designam “ligadas ao trabalho”. As lesões músculo-esqueléticas dos membros superiores relacionadas (ou ligadas) com o trabalho são as que são referidas com maior insistência em certas condições de trabalho como, por exemplo, as actividades implicando tarefas repetitivas, a aplicação de força ou o trabalho que requeira posições das articulações muito “exigentes”.

A designação lesões músculo-esqueléticas relacionadas ou ligadas ao trabalho (LMERT ou LMELT) inclui um conjunto de doenças inflamatórias e degenerativas do sistema locomotor. Designam-se LMERT ou LMELT (lesões músculo-esqueléticas relacionadas ou ligadas ao trabalho) as lesões que resultam da acção de factores de risco profissionais como a repetitividade, a sobrecarga e/ou a postura adoptada durante o trabalho. As LMERT geralmente localizam-se no membro superior (LMEMSRT) e na coluna vertebral, mas podem ter outras localizações, como os joelhos ou os

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 16 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo tornozelos, dependendo a área do corpo afectada, da actividade de risco desenvolvida pelo trabalhador.

As LMERT caracterizam-se por sintomas como: • • • • • Dor, a maior parte das vezes localizada, mas que pode irradiar para áreas corporais; Sensação de dormência ou de “formigueiros” na área afectada ou em área próxima; Sensação de peso; Fadiga ou desconforto localizado; Sensação de perda ou mesmo perda de força.

Na grande maioria dos casos, os sintomas surgem gradualmente, agravam-se no final do dia de trabalho ou durante os picos de produção e aliviam com as pausas ou o repouso e nas férias. Se a exposição aos factores de risco se mantiver, os sintomas, que inicialmente são intermitentes, tornam-se gradualmente persistentes, prolongando-se muitas vezes pela noite, mantendo-se mesmo nos períodos de repouso e interferindo não só com a capacidade de trabalho, mas também, com as actividades do dia-a-dia. Quando as situações clínicas evoluem para a doença crónica, pode surgir também edema (inchaço) da zona afectada e mesmo uma hipersensibilidade a todos os estímulos, como, por exemplo, o “toque”, o esforço, mesmo que ligeiro, ou as diferenças de temperatura.

Factores de risco
      Movimentos repetitivos que requerem aplicação de força; Choque mecânico; Força de preensão e carga palmar; Carga externa e muscular estática; Stress mecânico; Vibrações e temperaturas extremas; Posições desadequadas que podem decorrer do equipamento mal desenhado, das ferramentas ou do posto de trabalho. Horas e ritmo de trabalho excessivos;

De causa ergonómica

De causa

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 17 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo  Trabalho com ritmo externo imposto – por exemplo, organizacional
  linhas de montagem; Pausas e descanso insuficientes; Insegurança ou insatisfação laboral; Monitorização excessiva, por exemplo, com câmaras de vídeo. Tabagismo: Ingestão de bebidas alcoólicas em excesso; Obesidade.

 De risco individual
  

O aspecto mais importante de qualquer programa de prevenção das LMERT é a participação de todos os trabalhadores da empresa, incluindo os órgãos da administração/gestão e as chefias intermédias. É ainda indispensável a partilha total de informação sobre os elementos das situações de trabalho, partindo do conhecimento existente e integrando os resultados da avaliação do risco. A prevenção das LMERT é um problema de todos e não dos médicos e dos trabalhadores com doenças ou lesões. A prevenção das LMERT passa sempre pela existência de um conjunto de procedimentos que reduzam o risco de lesões. Esses procedimentos
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 18 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo constituem o modelo de gestão do risco de LMERT, também na perspectiva ergonómica, que integra as seguintes principais componentes: a análise do trabalho; a avaliação do risco de LMERT; a vigilância médica (ou da saúde) do trabalhador e a informação e formação dos trabalhadores.

As LMERT podem ser agrupadas de acordo com a estrutura afectada: ○ Tendinites ou tenossinovites são lesões localizadas ao nível dos tendões e bainhas tendinosas, de que são exemplo a tendinite do punho, a epicondilite e os quistos das bainhas dos tendões; ○ Síndrome canalicular, em que há lesão de um nervo, como acontece na Síndrome do Túnel Cárpico e na Síndrome do canal de Guyon; ○ Raquialgias, em que há lesão osteoarticular e/ou muscular ao longo de toda a coluna vertebral ou em alguma parte desta; ○ Síndromes neurovasculares, em que há lesão nervosa e vascular em simultâneo.

1.6- Distúrbios venosos As veias levam o sangue de todos os órgãos até ao coração. Os problemas principais das veias são a inflamação, a coagulação e os defeitos que conduzem à dilatação e às varizes. As pernas contêm dois grupos principais de veias: as superficiais, localizadas na camada gorda por debaixo da pele, e as profundas, localizadas nos músculos. Existem veias curtas que ligam as superficiais com as profundas. Normalmente, a pressão do sangue em todas as veias é baixa; e nas pernas, esta pressão baixa pode representar um problema. Quando uma pessoa está de pé, o sangue deve circular das veias das pernas para cima até chegar ao coração. As veias profundas desempenham um papel crucial na propulsão do sangue para cima, uma vez que ao estarem localizadas dentro dos poderosos músculos da barriga da perna, estas veias são profundamente comprimidas em cada passada. Tal como quando se aperta um tubo de pasta dentífrica, assim a compressão das

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 19 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo veias profundas empurra o sangue para cima. Estas veias transportam 90 % ou mais do sangue que vai das pernas para o coração. Para manter este sentido ascendente do fluxo sanguíneo, as veias profundas contêm válvulas de uma só direcção. Cada válvula é formada por duas metades (cúspides) cujos bordos fazem contacto entre si. O sangue empurra as cúspides, que se abrem como um par de portas giratórias; mas quando o sangue tende a regressar na direcção oposta, forçado pela gravidade, empurra as cúspides de modo que estas se fechem. As veias superficiais têm o mesmo tipo de válvulas, mas não estão sujeitas a nenhuma pressão porque não estão rodeadas por músculos. Por isso, o sangue das veias superficiais flui mais lentamente do que o sangue das veias profundas. Grande parte do fluxo sanguíneo que circula pelas veias superficiais é desviado para as profundas através de veias curtas que ligam os dois sistemas.

1.6.1- Varizes As varizes, ou veias varicosas, são veias superficiais dilatadas das pernas. A causa principal das varizes é desconhecida, mas provavelmente deve-se a uma debilidade nas paredes das veias superficiais, que pode ser hereditária. Com o passar dos anos, a debilidade faz com que as veias percam a sua elasticidade. Distendem-se e tornam-se compridas e mais largas. Para que possam caber no mesmo espaço que ocupavam quando eram normais, as veias aumentadas tornam-se tortuosas, com um aspecto serpenteante quando sobressaem da pele. Mais importante que o alargamento é a dilatação que faz com que as valvas da válvula se separem. Como resultado disso, as veias enchem-se rapidamente de sangue quando a pessoa pára e as veias tortuosas e de paredes finas aumentam ainda mais. A dilatação também afecta algumas veias comunicantes, que normalmente permitem que o sangue flua numa só direcção, das veias superficiais para as veias profundas. Se as válvulas das veias comunicantes falham, o sangue reflui às veias superficiais quando os músculos apertam as veias profundas e causam um alongamento adicional das veias superficiais. Além de serem antiestéticas, as varizes, frequentemente, doem e fazem sentir as pernas cansadas. Muitas pessoas, no entanto, mesmo quando as
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 20 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo veias são muito grandes, podem não sentir dor. Pode sentir-se ardor na parte inferior da perna e no tornozelo, sobretudo quando a perna está quente, como acontece depois de se retirar as peúgas ou as meias. O ardor pode levar à coceira e causar arranhões, rubor ou erupções, que muitas vezes se atribuem, erradamente, à secura da pele. Por vezes os sintomas são piores quando as varizes se estão a desenvolver do que quando estão completamente formadas. Só uma pequena percentagem de pessoas com varizes tem complicações, como dermatites, flebites ou hemorragias. A dermatite causa uma erupção avermelhada com escamas e ardor, ou então uma zona de cor castanha na parte interna da perna por cima do tornozelo. Um arranhão ou uma ferida menor podem causar uma úlcera dolorosa que não se cura. A flebite pode surgir espontaneamente ou ser devida a uma ferida. Embora, de modo geral, seja dolorosa, a flebite que se manifesta numa variz raramente provoca problemas graves. Se a pele que cobre uma variz ou as veias aracniformes é fina, uma ferida mínima, produzida ao barbear-se ou ao coçar-se, pode causar uma hemorragia. As úlceras também podem causar hemorragia.

Um dos principais factores para o desenvolvimento das varizes é o factor familiar ou hereditário (genético), que ocasiona uma diminuição da resistência das paredes das veias tornando-as mais frágeis e menos resistentes. Mas há outros factores que desempenham, também, um papel importante no seu aparecimento ou agravamento, tais como: o tabaco, a ingestão exagerada de bebidas alcoólicas, o excesso de peso, a permanência prolongada na posição de pé ou sentada e actividades em que é necessário realizar grandes esforços, tal como sucede em muitas profissões A prevenção é fundamental e deverá ser feita o mais cedo possível. Os cuidados preventivos facilitam o retorno venoso, diminuem as queixas, o sofrimento, evitam a dilatação das veias e atrasam a evolução da doença, podendo evitar a necessidade de uma intervenção cirúrgica. Alguns conselhos importantes: - Usar meias elásticas principalmente durante a gravidez, ou durante actividades em que permaneça muitas horas de pé. São o principal meio de

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 21 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo prevenção para o aparecimento de varizes. Os seus resultados são melhores se as calçar logo de manhã, mesmo antes de se levantar da cama. - Manter um peso corporal adequado evitando o excesso de peso. Fazer uma alimentação equilibrada rica em fibras e fruta. O tabaco prejudica a fluidez do sangue no retorno venoso para o coração, agravando o problema a quem sofre de varizes. - Usar roupas e sapatos confortáveis. Quando apertados dificultam a circulação e o retorno do sangue. Os saltos altos são prejudiciais. - Evitar a exposição prolongada dos membros inferiores a elevadas temperaturas tipo sauna, sessões de bronzeamento, banhos quentes, radiadores, exposição solar, braseiras, lareiras, depilação com cera muito quente, porque provocam dilatação das veias, o aparecimento de novos vasos, o edema e dificultam o retorno venoso. - Evitar estar muito tempo sentado. Se tiver que o fazer use meias elásticas, mobilize as pernas e mexa os tornozelos e os dedos dos pés com frequência. Evitar cruzar as pernas quando se senta Ao fazê-lo está a aumentar a pressão na perna, que fica por baixo dificultando ainda mais a circulação do sangue. - Durante o repouso, manter as pernas ligeiramente levantadas, ou pelo menos esticadas em cima de um banco, após um dia de actividades mais intensas ou após o exercício físico, de forma a favorecer o retorno venoso e melhorar a circulação do sangue. Se tiver cãibras durante a noite dormir com o colchão um pouco elevado na zona dos pés (10 a 15 centímetros). - Praticar regularmente exercícios físicos moderados, evitando peso excessivo nas pernas. Andar a pé, de bicicleta, correr, dançar, caminhar na praia junto à água, banho de mar, natação. Se costuma levar o carro para o emprego ou utiliza outros meios de transporte, autocarros ou metro desça uma estação antes e aproveite para andar algumas dezenas de metros a pé. Evitar transportar pesos em excesso, ou realizar actividades físicas do tipo musculação, ou de grande impacto, porque provocam uma grande tensão nos vasos e, por conseguinte, a sua dilatação, ou a formação de novas varizes. Em
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 22 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo casa, realizar alguns exercícios simples que poderão ser indicados pelo seu médico assistente.

1.7- Doenças infecto-contagiosas

1.7.1- SIDA A infecção causada pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH) é uma doença provocada por um ou dois vírus que progressivamente destroem uns glóbulos brancos chamados linfócitos, causando a síndroma da imunodeficiência adquirida (SIDA) e outras doenças derivadas de uma imunidade deficiente. No início dos anos 80 os epidemiologistas (pessoas que estudam os factores que afectam a frequência e a distribuição das doenças) reconheceram um aumento brusco de duas doenças entre os homens homossexuais americanos. Uma era o sarcoma de Kaposi, uma variedade de cancro pouco frequente; a outra era a pneumonia que ocorre apenas em pessoas com um sistema imunitário comprometido. A insuficiência do sistema imunitário que permitiu o desenvolvimento de cancros raros e de infecções pouco comuns recebeu o nome de SIDA. Também se descobriram insuficiências nos sistemas imunológicos das pessoas que se injectavam com drogas, em hemofílicos, naqueles que recebiam transfusões de sangue e em homens bissexuais. Pouco depois, a síndroma começou a ser detectada em heterossexuais que não consumiam drogas, em hemofílicos e em doentes que recebiam transfusões de sangue. Os investigadores em breve descobriram que era um vírus o responsável pela SIDA. Os dois vírus que causam a SIDA são o VIH-1 e o VIH-2. O VIH-1 é mais frequente no hemisfério ocidental, na Europa, na África e na Ásia Central, do Sul e Oriental. O VIH-2 é o principal vírus causador de SIDA da África Ocidental, apesar de ali muitas pessoas estarem também infectadas com o tipo VIH-1. Para infectar uma pessoa, o vírus tem de entrar em células como os linfócitos, uma variedade de glóbulos brancos. O material genético do vírus incorpora-se no ADN de uma célula infectada. O vírus reproduz-se dentro da
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 23 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo célula, chegando a destruí-la finalmente e libertando novas partículas do mesmo. Depois essas novas partículas infectam outros linfócitos e podem também destruí-los. O contágio do VIH requer um contacto com fluidos corporais que contenham células infectadas ou partículas do vírus; os referidos humores incluem sangue, sémen, secreções vaginais, líquido do cérebro e da espinal medula. O VIH também está presente nas lágrimas, na urina e na saliva, mas em concentrações ínfimas. O VIH transmite-se das seguintes maneiras: • Através das relações sexuais com uma pessoa infectada, durante as quais a membrana mucosa que reveste a boca, a vagina ou o recto fica exposta aos fluidos corporais contaminados. • Pela injecção ou infusão de sangue contaminado, como sucede ao fazer uma transfusão, por partilhar seringas ou picar-se acidentalmente com uma agulha contaminada com VIH. • Transmissão do vírus a partir de uma mãe infectada para o seu filho antes do nascimento ou durante o mesmo, ou então através do leite materno. • A susceptibilidade à infecção por VIH aumenta quando a pele ou uma membrana mucosa é lesada, como pode acontecer durante uma relação sexual enérgica via vaginal ou anal. Muitos estudos demonstraram que a transmissão sexual do VIH é mais provável se um dos membros do casal tem herpes, sífilis ou outras doenças de transmissão sexual que podem provocar lesões na pele. Contudo, o VIH pode ser transmitido por uma pessoa infectada a outra durante uma relação sexual vaginal ou anal, ainda que nenhuma das duas tenha outras doenças de transmissão sexual ou lesões visíveis na pele. A transmissão também pode ter lugar durante o sexo oral, apesar de ser menos frequente.

Estratégias para evitar a transmissão do VIH Para as pessoas não infectadas
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 24 de 34

Formação Profissional • • • • • • • • • • • Curso de Cabeleireiro Unisexo Abstinência. Sexo seguro (com protecção). Abstinência. Sexo seguro (com protecção). Não efectuar doações de órgãos nem de sangue. Evitar a gravidez. Notificar os parceiros anteriores e futuros. Evitar partilhar agulhas ou utilizá-las várias vezes. Começar programas de recuperação. Usar luvas de borracha cada vez que exista a possibilidade de contacto com fluidos corporais. Usar e eliminar correctamente as agulhas e outros objectos cortantes.

Para as pessoas VIH-positivas

Para aqueles que consomem drogas

Para profissionais

1.7.2- Hepatite A hepatite é uma inflamação do fígado por qualquer causa. Em geral, é resultado da acção de um vírus, particularmente um dos cinco vírus da hepatite A, B, C, D ou E. Menos frequentemente, a hepatite pode dever-se a outras infecções virais, tais como a mononucleose infecciosa, febre-amarela e infecção por citomegalovírus. As principais causas da hepatite não viral são o álcool e os medicamentos. A hepatite pode ser aguda (dura menos de 6 meses) ou crónica; esta doença apresenta-se habitualmente em todo o mundo. O vírus da hepatite A propaga-se fundamentalmente das fezes de uma pessoa para a boca de outra. Essa transmissão é, em geral, consequência de uma higiene deficiente. As epidemias que se propagam através da água e dos alimentos são frequentes, especialmente nos países em desenvolvimento. Por vezes a causa é a ingestão de mariscos crus contaminados. Também são frequentes os casos isolados, em geral originados pelo contacto de pessoa a pessoa. A maioria das infecções por hepatite A não causa sintomas e passam despercebidas.
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 25 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo A transmissão da hepatite B é mais difícil que a do vírus da hepatite A. Um dos meios de transmissão é o sangue ou os produtos sanguíneos contaminados. Contudo, graças às precauções adoptadas, as transfusões raramente são as responsáveis da transmissão deste vírus. Em geral, a transmissão produz-se entre consumidores de drogas injectáveis que partilham as seringas e também entre casais heterossexuais ou homossexuais masculinos. Uma mulher grávida, se estiver infectada com hepatite B, pode transmitir o vírus ao seu bebé ao nascer. As pessoas sãs, portadoras crónicas do vírus, podem transmitir a hepatite B. Não está comprovado que as picadas de insectos possam transmitila. Muitos casos de hepatite B provêm de fontes desconhecidas. Em algumas partes do mundo, como o Extremo Oriente e algumas regiões de África, este vírus é responsável de muitos casos de hepatite crónica, cirrose e cancro hepático. O vírus da hepatite C é a causa de, pelo menos, 80 % dos casos de hepatite originados por transfusões de sangue, além de muitos casos isolados de hepatite aguda. A doença transmite-se habitualmente entre consumidores de drogas que partilham as seringas, enquanto, neste caso, a transmissão sexual não é frequente. Este vírus é responsável por muitos casos de hepatite crónica e alguns casos de cirrose e de cancro hepático. Por razões desconhecidas, as pessoas com doenças hepáticas causadas pelo álcool apresentam frequentemente hepatite C. A combinação de ambas as doenças conduz, por vezes, a uma maior perda da função hepática que a que poderia ser causada por cada uma destas, em separado. Parece que existe um reduzido número de pessoas sãs que são portadoras crónicas do vírus da hepatite C. O vírus da hepatite D manifesta-se unicamente como uma co-infecção com o vírus da hepatite B; esta coinfecção agrava a infecção da hepatite B. O risco entre os consumidores de drogas é relativamente alto. O vírus da hepatite E causa epidemias ocasionais, semelhantes às causadas pelo vírus da hepatite A. Até agora, estas epidemias foram desencadeadas apenas em alguns países em desenvolvimento.

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 26 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo Uma adequada higiene ajuda a prevenir a difusão do vírus da hepatite A. Como as fezes das pessoas com hepatite A são infectantes, o pessoal sanitário deve redobrar as precauções ao manipulá-las. As mesmas precauções deverão ser tomadas na manipulação do sangue dos afectados com qualquer tipo de hepatite aguda. Contudo, as pessoas infectadas não necessitam de isolamento; seria de pouca utilidade para prevenir a transmissão da hepatite A e inútil para prevenir a da hepatite B e C. A vacinação contra a hepatite B estimula as defesas imunitárias do organismo e protege a maior parte das pessoas. Contudo, a vacinação é menos eficaz para os pacientes em tratamento por diálise, nas pessoas com cirrose e naquelas com um sistema imunitário deficiente. A vacinação é especialmente importante para as pessoas com risco de contrair a hepatite B, embora esta não seja eficaz nos casos em que a doença já está desenvolvida. Por estas razões, é cada vez mais recomendável para todos a vacinação universal contra a hepatite B. A vacinação contra a hepatite A administra-se a grupos com um risco alto de contrair a infecção, tais como pessoas que viajem para lugares do mundo em que a doença tenha uma ampla difusão. Não há vacinas disponíveis contra os vírus da hepatite C, D e E.

1.7.3- Viroses Um vírus é um minúsculo organismo infeccioso (muito menor que um fungo ou uma bactéria) que necessita de uma célula viva para se reproduzir. O vírus adere a uma célula, geralmente de um tipo específico. Uma vez dentro dela, liberta o seu ADN ou ARN (que contém a informação necessária para criar novas partículas de vírus) e assume o controlo de alguns processos metabólicos da mesma. Como consequência, os componentes do vírus são fabricados dentro da célula e reunidos adequadamente para que o vírus seja libertado e continue a manter a sua capacidade infectante. O que sucede à célula depende do tipo de vírus. Alguns matam as células que infectam. Outros alteram a função celular ao ponto de a mesma perder o controlo sobre a sua divisão normal e tornar-se cancerosa. Alguns vírus incorporam uma parte da sua informação genética no ADN da célula

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 27 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo hospedeira, mas permanecem inactivos (ou latentes) até que a mesma seja alterada, permitindo então que o vírus emerja de novo. Geralmente os vírus possuem um hospedeiro preferido. Alguns, como o da gripe, podem infectar os humanos e uma variedade de outros animais. De qualquer modo, algumas variedades de gripe adaptaram-se de tal forma que conseguem infectar uma espécie de animal mais eficientemente do que outras. Quase todos os vírus que se encontram frequentemente nos seres humanos são transmitidos de pessoa a pessoa. Alguns, como o da raiva ou o da encefalite, infectam principalmente os animais e só ocasionalmente os homens. O organismo possui um número de defesas específicas e não específicas contra os vírus. As barreiras físicas, como a pele e as membranas mucosas, impedem-nos de chegar facilmente ao interior do corpo. As células afectadas produzem interferão (ou interferões), uma família de glucoproteínas capazes de fazer com que as células não afectadas se tornem mais resistentes à infecção desencadeada por muitos vírus. Pode-se gerar imunidade administrando vacinas. Estas são preparadas de forma tal que se assemelhem a um vírus específico, como o vírus que causa a gripe ou o sarampo, para que seja administrado às pessoas sem provocar doença. Em resposta a uma vacina, o organismo aumenta o número de linfócitos B e T, que são capazes de reconhecer o vírus específico. Desta forma, as vacinas podem produzir imunidade face a um vírus específico. Actualmente existem muitas vacinas que evitam infecções frequentes e graves, tais como a gripe, o sarampo, a poliomielite, a varicela, a raiva, a rubéola (sarampo alemão), as hepatites A e B, a encefalite japonesa e a febre-amarela. Todavia, por vezes, um vírus altera-se (sofre mutação) para evitar o anticorpo da vacina e então é necessário repetir a vacinação. É possível adquirir protecção imediata contra uma infecção viral, recebendo uma injecção ou uma infusão de imunoglobulinas. A referida infusão contém anticorpos que foram produzidos por outra pessoa ou então por um animal. Por exemplo, quem viaja para uma zona com prevalência de hepatite A pode receber uma injecção de imunoglobulina contra este tipo de hepatite. Contudo, a imunoglobulina pode fazer com que algumas vacinas, como a do sarampo ou a da poliomielite, sejam menos eficazes se forem aplicadas ao mesmo tempo.
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 28 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo Os medicamentos que combatem as infecções virais recebem o nome de fármacos antivirais. Existem muito menos fármacos antivirais do que antibacterianos (antibióticos). Em comparação com a maioria dos antibióticos, os fármacos antivirais costumam ser mais difíceis de produzir, mais específicos para o organismo contra o qual estão destinados a agir e, em regra, mais tóxicos. Os antibióticos não são eficazes contra as infecções virais, mas, se alguém tiver uma infecção por bactérias além da viral, costuma ser necessário administrar um antibiótico.

Complicações da gripe Apesar de a gripe ser uma doença grave em todas as pessoas, a maioria dos indivíduos saudáveis começa a sentir-se bem aos 7 a 10 dias. As complicações podem fazer com que a gripe se torne mesmo mais grave. Os muito jovens, os de idade avançada e as pessoas com alguma doença cardíaca, pulmonar ou do sistema nervoso correm um risco particularmente elevado de apresentar complicações e morrer. Certos casos raros de gripe evoluem com uma grave inflamação dos canais respiratórios com secreções sanguinolentas (bronquite hemorrágica). A pneumonia viral é a complicação mais grave; pode progredir rapidamente e causar a morte num lapso de tempo tão breve como 48 horas. Não se sabe com certeza o que determina que a pneumonia se desencadeie ou não, mas é mais provável que tenha lugar durante uma epidemia de gripe causada pelo vírus influenza A, para o qual muito poucas pessoas têm imunidade; por consequência, ele ataca aqueles que correm um risco maior. A pneumonia bacteriana também pode complicar a gripe, porque fica afectada a capacidade que os pulmões têm de eliminar ou controlar as bactérias localizadas no aparelho respiratório.

Prevenção do resfriado comum Dado que há tantos vírus diferentes que causam resfriados, e atendendo a que a taxa de anticorpos produzidos contra um vírus destes diminui com o passar do tempo, a maioria das pessoas pode constipar-se durante toda a sua vida. Até ao momento não foi ainda criada uma vacina eficaz contra cada um dos vírus respiratórios, mas todos os anos se actualiza uma vacina contra a
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 29 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo gripe para que actue sobre novas variedades de vírus, e além disso estão a criar-se vacinas para outros vírus, como o vírus sincicial respiratório e o vírus parainfluenza. As melhores medidas preventivas consistem numa boa higiene. Como muitos vírus que produzem catarros se transmitem por contacto com secreções infectadas, lavar as mãos com frequência, rejeitar os lenços usados e limpar todos os elementos e superfícies pode ajudar a reduzir a sua propagação. Foram propostos e experimentados muitos tratamentos para evitar os resfriados, mas nenhum demonstrou ser fiável e eficaz. Não se demonstrou que as grandes doses de vitamina C (até 2000 mg por dia) reduzam o risco de constipação, nem a quantidade de vírus que a pessoa infectada transmite. Prevenção da Gripe Um indivíduo exposto ao vírus da gripe produz anticorpos contra o mesmo, que o protegem contra uma nova infecção por esse vírus em especial. De qualquer modo, vacinar-se contra a gripe todos os anos é a melhor forma de evitar contraí-la. As vacinas contêm variedades do vírus da influenza inactivados (ou «mortos») ou então partículas virais. Uma vacina pode ser monovalente (uma só variedade de vírus) ou polivalente (geralmente três variedades). A monovalente permite administrar uma dose maior contra uma variedade nova de vírus, enquanto uma polivalente cria resistências contra mais de uma variedade. Cada ano é criada uma nova vacina baseada nas previsões de quais os vírus que têm mais probabilidades de causar gripe. As previsões têm em conta qual a variedade de vírus que predominou durante a temporada anterior e qual a que está a causar doença noutras partes do mundo nesse momento. A vacinação é particularmente importante para aqueles que têm probabilidade de adoecer gravemente se se infectarem. A vacinação deve ter lugar durante o Outono, de maneira que as taxas de anticorpos cheguem ao máximo durante os meses-chave para a gripe, geralmente o Inverno. Para a maioria dos vacinados, devem decorrer duas semanas até que a vacina comece a oferecer protecção. No entanto, as crianças e outras pessoas que nunca estiveram expostas a um vírus da influenza necessitam de receber duas doses do produto para assim conseguirem uma imunidade adequada.
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 30 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo

1.7.4- Tuberculose Tuberculose é uma infecção contagiosa, potencialmente mortal, causada por uma bactéria que se encontra no ar chamada Mycobacterium tuberculosis, M. bovis ou M. africanum. O termo «tuberculose» faz referência à doença mais frequentemente causada pelo Mycobacterium tuberculosis, mas que, por vezes, também pode ser devida à acção do M. bovis ou do M. africanum. Apesar de outras micobactérias provocarem afecções semelhantes à tuberculose, essas infecções não são contagiosas e a maioria delas não responde aos medicamentos que, em contrapartida, se revelam muito eficazes contra a tuberculose. Esta doença é mais frequente entre as pessoas de idade avançada. Existem três razões básicas para que se verifiquem mais casos entre os indivíduos de provecta idade: 1) muitos foram infectados quando a tuberculose era mais frequente; 2) com a passagem dos anos, a eficiência do sistema imunitário do organismo reduz-se, o que possibilita que as bactérias inactivas sejam reactivadas, e 3) os idosos que se encontram em centros de cuidados crónicos têm maior probabilidade de estar mais em contacto com adultos da mesma idade, correndo o risco de contrair a doença.

Actualmente nos países desenvolvidos, a tuberculose só se transmite inalando ar contaminado com Mycobacterium tuberculosis num ambiente fechado. Para que o ar se contamine, uma pessoa com tuberculose activa terá de expelir as bactérias com a tosse e estas poderão permanecer no ar durante várias horas. No entanto, um feto pode adquirir tuberculose através da mãe, antes ou durante o nascimento, por respirar ou engolir líquido amniótico infectado, e um lactente pode contrair a doença, depois de nascer, ao respirar ar que contenha gotículas infectadas. Nos países em vias de desenvolvimento, as crianças podem infectar-se com outra micobactéria que cause tuberculose. Este organismo, chamado Mycobacterium bovis, pode ser transmitido através do leite não pasteurizado.
Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 31 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo O sistema imunitário de uma pessoa afectada com tuberculose destrói habitualmente as bactérias ou então encerra-as no local da infecção. De facto, cerca de 90 % a 95 % de todas as infecções por tuberculose saram sem que a pessoa sequer o note. Todavia, por vezes as bactérias não são destruídas, antes permanecendo inactivas dentro de determinados glóbulos brancos (chamados macrófagos) durante muitos anos. Aproximadamente 80 % das infecções tuberculosas são causadas pela activação de bactérias inactivas. As bactérias que vivem nas cicatrizes que a infecção inicial deixa (localizadas geralmente na parte superior de um ou de ambos os pulmões) podem começar a multiplicarse. A activação de bactérias inactivas pode ter lugar quando o sistema imunitário do indivíduo não funciona bem (por exemplo, em virtude da SIDA, do uso de corticosteróides ou da idade avançada), caso em que a afecção pode pôr a sua vida em perigo. Geralmente uma pessoa infectada com tuberculose tem uns 5 % de probabilidades de vir a desenvolver uma infecção activa num período de um a dois anos. A eclosão da tuberculose varia em grande medida de pessoa para pessoa, dependendo de diversos factores, como a origem étnica.

A tuberculose activa começa habitualmente nos pulmões (tuberculose pulmonar). A tuberculose que afecta outras partes do organismo (tuberculose extrapulmonar) costuma provir de uma infecção tuberculosa pulmonar que se disseminou através do sangue. Como no caso dos pulmões, a infecção pode não causar doença, dado que as bactérias podem permanecer inactivas acantonadas numa pequena cicatriz.

Existem várias formas de prevenir a tuberculose. Por exemplo, pode utilizar-se a luz ultravioleta, pelo seu poder germicida, naqueles sítios onde pessoas diversas com afecções distintas possam ter de estar sentadas juntas durante várias horas, como nos hospitais ou nas salas de espera dos serviços de urgência. Aquela luz destrói as bactérias que se encontrem no ar.

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 32 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo As pessoas com tuberculose pulmonar que estejam a receber tratamento não precisam de estar isoladas durante mais do que alguns dias, porque os fármacos reduzem rapidamente a capacidade infectante das bactérias. De qualquer modo, os indivíduos que tossem e não tomam a sua medicação correctamente podem necessitar de um isolamento mais prolongado para que não transmitam a doença. Um doente costuma deixar de ser contagioso ao fim de 10 a 14 dias de tratamento farmacológico. Contudo, se uma pessoa trabalha com outras muito expostas à doença, como os pacientes com SIDA ou as crianças pequenas, o médico pode necessitar de repetir as análises de uma amostra de expectoração para determinar quando já não existe perigo de transmissão da infecção.
• Órgãos reprodutores: Homens, Mulheres Coluna • • Volume no escroto. Esterilidade Dor, possível ruptura de vértebras e paralisia das pernas

1- BIBLIOGRAFIA
VIALE, Simone (2007) Biologia para cabeleireiro Edições Romano

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 33 de 34

Formação Profissional Curso de Cabeleireiro Unisexo ANTUNES, Cristina, et al (2008) Descobrir a Terra 9 Areal Editores www.infopedia.pt www.manualmerck.net www.google.pt www.portalsaude.pt www.dgs.pt (Direcção Geral de Saúde) http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/ www.dre.pt (Diário da República) http://pt.wikipedia.org/wiki/Página_principal www.iefp.pt (Instituto de Emprego e Formação Profissional) www.act.gov.pt (Autoridade Condições Trabalho) www.rcmpharma.com

Rodrigo Corte-Real – Organização do Trabalho, Higiene e Segurança: Doenças Profissionais Página 34 de 34

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->