Você está na página 1de 2

USUCAPIO

Art. 1.238. Aquele que, por quinze anos, sem interrupo, nem
oposio, possuir como seu um imvel, adquire-lhe a propriedade,
independentemente de ttulo e boa-f; podendo requerer ao juiz
que assim o declare por sentena, a qual servir de ttulo para
o registro no Cartrio de Registro de Imveis.
Pargrafo nico. O prazo estabelecido neste artigo reduzir-se-
a dez anos se o possuidor houver estabelecido no imvel a sua
moradia habitual, ou nele realizado obras ou servios de carter
produtivo.
A posse prolongada da coisa pode conduzir aquisio da
propriedade, se presentes determinados requisitos estabelecidos
em lei. Em termos mais concretos, denomina-se usucapio o modo
de aquisio da propriedade mediante a posse suficientemente
prolongada sob determinadas condies. De fato, enquanto a
prescrio extintiva, ou prescrio propriamente dita, implica
na perda do direito, o usucapio permite a aquisio do direito
de propriedade. Em ambas as situaes, leva-se em considerao o
decurso de certo tempo. Um ponto importante de se ressaltar
que no corre prazo de usucapio sobre proprietrio incapaz
(art. 198, I).
Com o novo cdigo Civil de 2002, estabeleceram-se os seguintes
requisitos para a usucapio, mantidos em lei e na doutrina Coisa hbil / justa causa / boa-f / posse / tempo. O usucapio
deve ser considerado modalidade originria de aquisio, porque
o usucapiente constitui direito parte, independentemente de
qualquer relao jurdica com anterior proprietrio. Irrelevante
ademais houvesse ou no existido anteriormente um proprietrio.
Art.
1.240-A. Aquele
que
exercer,
por
2
(dois)
anos
ininterruptamente
e
sem
oposio,
posse
direta,
com
exclusividade, sobre imvel urbano de at 250m (duzentos e
cinquenta metros quadrados) cuja propriedade divida com excnjuge ou ex-companheiro que abandonou o lar, utilizando-o para
sua moradia ou de sua famlia, adquirir-lhe- o domnio
integral, desde que no seja proprietrio de outro imvel urbano
ou rural. (Includo pela Lei n 12.424, de 2011)
O intento deste artigo introduzido aqui preservar e proteger
um teto de moradia para o cnjuge ou convivente que se separa e
permanece no imvel. Deve-se observar nessa modalidade que,
mesmo sendo um prazo mais curto do que o normal, continua sendo

usucapio, sendo necessria a presena de todos os princpios


regentes1.

Cdigo Civil Interpretado Slvio Venosa