Você está na página 1de 30
PROFESSOR HENRIQUE NERY EMAIL: hjnery@gmail.com
PROFESSOR HENRIQUE NERY EMAIL: hjnery@gmail.com
PROFESSOR HENRIQUE NERY EMAIL: hjnery@gmail.com
PROFESSOR HENRIQUE NERY EMAIL: hjnery@gmail.com
PROFESSOR HENRIQUE NERY EMAIL: hjnery@gmail.com
PROFESSOR HENRIQUE NERY EMAIL: hjnery@gmail.com

PROFESSOR HENRIQUE NERY

EMAIL: hjnery@gmail.com

 Apesentar ementa e plano de curso – arquivo em word;  Dados: hjnery@gmail.com Email da
  • Apesentar ementa e plano de curso arquivo em word;

  • Dados: hjnery@gmail.com

 Apesentar ementa e plano de curso – arquivo em word;  Dados: hjnery@gmail.com Email da

Email da turma?? Qual melhor contato??

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

2
2
 Sistema de avaliação:  Prova + Trabalho = Nota  Peso da prova = 0,6
  • Sistema de avaliação:

  • Prova + Trabalho = Nota

Peso da prova = 0,6 Peso do trabalho = 0,4

PROVA*(0,6) + TRABALHO*(0,4) = NOTA FINAL

Nas provas poderá haver consulta a material de apoio;

Se o aluno for pego colando terá sua prova tomada e sua nota será ZERO. Em caso de trabalhos iguais os mesmos terão nota ZERO

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

3
3
 O concreto moderno , utilizado atualmente para a construção dos mais diversos tipos de estrutura
  • O concreto moderno, utilizado atualmente para a construção dos mais diversos tipos de estrutura é fruto do trabalho de inúmeros homens no decorrer da história, que durante milhares de anos observaram a natureza e se dedicaram em aperfeiçoar materiais, técnicas, teorias e formas estruturais.

  • O concreto mais antigo encontrado até hoje data de 5600 a.C., confeccionado em Lepenski Vir Iugoslávia, foi o piso de um casebre, tinha 250 mm de espessura. Era constituído de uma mistura de cal, argila e agregados. Já em 2500 a.C. a primeira das pirâmides Egípcias na cidade de Gisé foi parcialmente construída em concreto.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

4
4
 Linha do tempo da evolução do concreto  Concreto Antigo: 5000 a.C. – 100 a.C.;
  • Linha do tempo da evolução do concreto

  • Concreto

Antigo:

5000 a.C. 100 a.C.;

  • Concreto

Romano:

100 a.C. 400 d.C.;

  • Concreto

Medieval:

1200 d.C. 1600 d.C.;

  • Concreto da Revolução Industrial:

1600 d.C. 1800 d.C.

  • Concreto Moderno:

1800 d.C em diante

  • Concreto com Agregados Reciclados

1946 d.C.

  • Concreto de Alto Desempenho

  • C.A.D. com Agregados Reciclados

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

1990 d.C.

2000 d.C.

5
5
 O uso do concreto no Brasil começou no limiar do século XX e não parou
  • O uso do concreto no Brasil começou no limiar do século XX e não parou mais. Apesar do Brasil não ter participado na descoberta do concreto, já que as pesquisas tecnológicas na Europa e Estados Unidos eram bem mais avançadas que as nossas na época, soube muito bem usá-lo de forma criativa, ousada e eficiente, como comprovam o nosso acervo de obras por todo o país. Hoje, além das contribuições construtivas, o Brasil participa efetivamente no desenvolvimento tecnológico do concreto, e da ciência da engenharia como um todo.

  • Segundo VASCONCELOS (1992), a primeira obra em concreto do Brasil de que se tem notícia é de 1892. Consistia da construção de casas de habitação sob a responsabilidade do engenheiro Carlos Poma.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

6
6
 Emílio Henrique Baumgart  Blumenau, 25 de Maio se 1889 – Rio de Janeiro 9
 Emílio Henrique Baumgart  Blumenau, 25 de Maio se 1889 – Rio de Janeiro 9
  • Emílio Henrique Baumgart

  • Blumenau, 25 de Maio se 1889 Rio de Janeiro 9 de outubro de 1943.

  • 1913 - elaborou alguns dos primeiros projetos em concreto armado do Brasil, como a ponte Maurício de Nassau em Recife.

  • Emílio Henrique Baumgart destacou-se como engenheiro projetista inovador, vindo a receber o título de "Pai do Concreto Armado" pelos profissionais do ramo no Brasil.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

7
7
 Alguns dos principais projetos de estruturas de Baumgart  Ponte Maurício de Nassau, no Recife,Joseph Gire ), no Rio de Janeiro (1928) Aula 1 - Professor: Henrique Nery 8 " id="pdf-obj-7-2" src="pdf-obj-7-2.jpg">
  • Alguns dos principais projetos de estruturas de Baumgart

    • Ponte Maurício de Nassau, no Recife, PE (1913)

    • Hotel Glória, no Rio de Janeiro (1922)

    • Copacabana Palace, no Rio de Janeiro (1923)

    • Cinema Capitólio, no Rio de Janeiro (1924)

    • Ponte dos Arcos, em Indaial (1926)

 Alguns dos principais projetos de estruturas de Baumgart  Ponte Maurício de Nassau, no Recife,Joseph Gire ), no Rio de Janeiro (1928) Aula 1 - Professor: Henrique Nery 8 " id="pdf-obj-7-22" src="pdf-obj-7-22.jpg">

Viaduto Santa Tereza, em Belo Horizonte, uma das obras de Emilio H. Baumgart

  • Edifício "A Noite" (com Joseph Gire), no Rio de Janeiro (1928)

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

8
8
 Antônio Alves de Noronha Ponte Rio-Niterói – Rio de Janeiro Ponte sobre o Rio das
  • Antônio Alves de Noronha

 Antônio Alves de Noronha Ponte Rio-Niterói – Rio de Janeiro Ponte sobre o Rio das

Ponte Rio-Niterói Rio de Janeiro

Ponte sobre o Rio das Antas Rio Grande do Sul

 Antônio Alves de Noronha Ponte Rio-Niterói – Rio de Janeiro Ponte sobre o Rio das
  • A ponte do Rio das Antas possui um vão livre em 186 metros, 287,7 metros de extensão e uma altura de 46 metros. Foi a maior ponte construída na época, em toda a América

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

9
9
Catedral de Brasília- Brasília  Joaquim Maria Moreira Cardozo (1897- 1979): Especializado em cálculo de estruturas,
Catedral de Brasília- Brasília  Joaquim Maria Moreira Cardozo (1897- 1979): Especializado em cálculo de estruturas,

Catedral de Brasília- Brasília

  • Joaquim Maria Moreira Cardozo (1897- 1979): Especializado em cálculo de estruturas, notabilizou-se pela sua colaboração com o arquiteto Oscar Niemeyer

Catedral de Brasília- Brasília  Joaquim Maria Moreira Cardozo (1897- 1979): Especializado em cálculo de estruturas,

Palácio do Planalto - Brasília

Catedral de Brasília- Brasília  Joaquim Maria Moreira Cardozo (1897- 1979): Especializado em cálculo de estruturas,

Palácio do Congresso Nacional - Brasília

10
10

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

 1940 - Começa a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), com
  • 1940 - Começa a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), com Rodrigo Melo Franco, Lucio Costa e Burle Marx

  • 1941/1945 - Conhece o arquiteto Oscar Niemeyer é é convidado para fazer os cálculos estruturais do conjunto da Pampulha

  • 1956/1964 - Realiza o cálculo estrutural de alguns dos mais importantes edifícios de Brasília

  • 1962 - Paraninfo da turma de arquitetos do Recife

  • 1971 - Desaba o Pavilhão de Exposições da Gameleira, em Belo Horizonte, vitimando quase oitenta operários (4 de fevereiro).

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

 1940 - Começa a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), com

Pampulha - Igreja São Francisco de Assis

 1940 - Começa a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), com

Edifício JK BH Minas Gerais

11
11
 O desastre é considerado até hoje, o maior da construção civil brasileira: 10 mil toneladas
  • O desastre é considerado até hoje, o maior da construção civil brasileira: 10 mil toneladas de laje vieram abaixo

  • No dia do desabamento, 512 trabalhadores haviam batido cartão. Era uma quinta- feira. O registro de 69 mortos é restrito aos corpos resgatados dos escombros, depois da queda da laje de quase 10 mil toneladas no pavilhão projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer. O número de vítimas não inclui os óbitos posteriores, nos hospitais. Houve pelo menos 100 feridos. A perícia constatou falha técnica

 O desastre é considerado até hoje, o maior da construção civil brasileira: 10 mil toneladas

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

 O desastre é considerado até hoje, o maior da construção civil brasileira: 10 mil toneladas
12
12
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – 1937 NBR – Norma brasileira Registrada no Inmetro

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas 1937 NBR Norma brasileira Registrada no Inmetro.

Para o engenheiro de estruturas de concreto armado, são de maior interesse as seguintes normas:

  • - NBR-6118 : Projeto de estruturas de concreto;

  • - NBR-14931 : Execução de estruturas de concreto;

  • - NBR-9062 : Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado;

  • - NBR-7187 : Cálculo e execução de pontes de concreto armado;

  • - NBR- 6122: Projeto e execução de fundações;

  • - NBR-6120 : Cargas para o cálculo de estruturas de edificações;

  • - NBR-6123 : Forças devidas ao vento em edificações;

  • - NBR-7480 : Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado;

  • - NBR-8681 : Ações e segurança nas estruturas.

Dessas, a que está mais estreitamente ligada ao engenheiro de edificações de concreto armado, é a NBR-6118/2014, classificada como nível

3.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

13
13
 Concreto é um material de constituição proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados
  • Concreto é um material de constituição proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

o Aglomerantes: unem os fragmentos de outros materiais. No concreto, em geral se emprega cimento portland, que por ser um aglomerante hidráulico, reage com a água e endurece com o tempo.

o Agregados: são partículas minerais que aumentam o volume da mistura, reduzindo seu custo, além de contribuir para estabilidade volumétrica do produto final. Dependendo das dimensões características Ø, dividem-se em dois grupos:

Agregados miúdos: 0,075mm < Ø < 4,8mm. Exemplo: areias. • Agregados graúdos: Ø ≥ 4,8mm. Exemplo: pedras.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

14
14
 Também é frequente o emprego de aditivos e adições na composição do concreto.  Aditivos
  • Também é frequente o emprego de aditivos e adições na composição do concreto.

Aditivos: são utilizados na composição Adições: constituem materiais que, em

do concreto com a finalidade de

melhorar ou modificar suas propriedades básicas, no sentido de melhorar o concreto para determinadas condições. Os principais utilizados são: plastificantes, retardadores de pega, aceleradores de

pega, incorporadores de ar, super

plastificantes.

dosagens adequadas, podem ser incorporados aos concretos ou inseridos nos cimentos ainda na fábrica, o que resulta na diversidade de cimentos comerciais. Os exemplos mais comuns de dições são: escória

de alto forno, cinza volante, sílica ativa

de ferro-silício e metacaulinita.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

15
15
o Pasta: Resulta das reações químicas do cimento com a água. Quando há água em excesso,

o Pasta: Resulta das reações químicas do cimento com a água. Quando há água em excesso, denomina-se nata.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

16
16
o Argamassa: Provém da pela mistura de cimento, água e agregado miúdo, ou seja, pasta com

o Argamassa: Provém da pela mistura de cimento, água e agregado miúdo, ou seja, pasta com agregado miúdo.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

17
17
o Concreto simples: É formado por cimento, água, agregado miúdo e agregado graúdo, ou seja, argamassa

o Concreto simples: É formado por cimento, água, agregado miúdo e agregado graúdo, ou seja, argamassa e agregado graúdo.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

18
18
 Argamassa armada : é constituída por agregado miúdo e pasta de cimento, com armadura de
  • Argamassa armada: é constituída por agregado miúdo e pasta de cimento, com armadura de fios de aço de pequeno diâmetro, formando uma tela.

  • Concreto de alto desempenho: é obtido por meio da mistura de cimento e agregados convencionais com sílica ativa e aditivos plastificantes. Apresenta propriedades melhores que o concreto tradicional. Em vez da sílica ativa, pode-se também utilizar cinza volante ou resíduo de alto forno.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

19
19
 Depois de endurecer o concreto aparenta:  Boa resistência à compressão ;  Baixa resistência
  • Depois de endurecer o concreto aparenta:

    • Boa resistência à compressão;

Baixa resistência à tração;

Comportamento frágil, isto é, rompe com pequenas deformações.

  • Na maior parte das aplicações estruturais, para melhorar as características do concreto, ele é usado junto com outros materiais.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

20
20
 Concreto armado: É a associação do concreto simples com uma armadura, usualmente constituída por barras
  • Concreto armado: É a associação do concreto simples com uma armadura, usualmente constituída por barras de aço. Os dois materiais devem resistir solidariamente aos esforços solicitantes. Essa solidariedade é garantida pela aderência.

 Concreto armado: É a associação do concreto simples com uma armadura, usualmente constituída por barras
  • Concreto protendido: No concreto armado, a armadura não tem tensões iniciais. Por isso, é denominada armadura frouxa ou armadura passiva. No concreto protendido, pelo menos uma parte da armadura tem tensões previamente aplicadas, denominada armadura de protensão ou armadura ativa.

 Concreto armado: É a associação do concreto simples com uma armadura, usualmente constituída por barras

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

21
21
 Vantagens do concreto armado :  É moldável;  Boa resistência à maioria dos tipos
  • Vantagens do concreto armado:

É moldável; Boa resistência à maioria dos tipos de solicitação; Estrutura é monolítica, ou seja, todo conjunto trabalha quando solicitado; Baixo custo de materiais; Baixo custo de mão-de-obra; Processos construtivos conhecidos e difundidos; Facilidade e rapidez na execução; O concreto é durável e protege armação contra corrosão; Baixo gasto com manutenção; Pouco permeável à agua; Boa resistência ao fogo, choques e vibrações, efeitos térmicos, atmosféricos e a desgastes mecânicos.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

22
22
 Restrições do concreto armado:  Baixa resistência à tração;  Fragilidade;  Peso próprio elevado;
  • Restrições do concreto armado:

Baixa resistência à tração; Fragilidade; Peso próprio elevado; Custo de formas para montagem; Corrosão das armaduras; Dificuldade em adaptações posteriores.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

23
23
 Tanto a retração quanto a fluência dependem da estrutura interna do concreto. Portanto, para minimizar
 Tanto a retração quanto a fluência dependem da estrutura interna do concreto. Portanto, para minimizar
  • Tanto a retração quanto a fluência dependem da estrutura interna do concreto. Portanto, para minimizar seus efeitos, adequada atenção deve ser dada a todas as fases de preparação, desde a escolha dos materiais e da dosagem até o adensamento e a cura do concreto colocado nas fôrmas.

  • A fluência depende também das forças que atuam na estrutura. Portanto, um programa adequado das fases de carregamento, tanto na fase de projeto quanto durante a construção, pode atenuar os efeitos da fluência.

  • A baixa resistência à tração pode ser contornada com o uso de adequada armadura, em geral constituída de barras de aço, obtendo-se o concreto armado. Além de resistência à tração, o aço garante ductilidade e aumenta a resistência à compressão, em relação ao concreto simples.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

24
24
 Em peças comprimidas , como nos pilares, os estribos , além de evitarem a flambagem
 Em peças comprimidas , como nos pilares, os estribos , além de evitarem a flambagem
  • Em peças comprimidas, como nos pilares, os estribos, além de evitarem a flambagem localizada das barras, podem confinar o concreto, o que também aumenta sua ductilidade.

  • A fissuração pode ser contornada ainda na fase de projeto, com armação adequada e limitação do diâmetro das barras e da tensão na armadura.

  • Também é usual a associação do concreto com pelo menos uma parte de armadura ativa, ou seja, com tensões prévias, formando o concreto protendido.

  • A utilização de armadura ativa tem como principal finalidade aumentar a resistência da peça, o que possibilita a execução de grandes vãos ou o uso de seções menores, diminuindo o peso próprio, sendo que também se obtém uma melhora do concreto com relação à fissuração.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

25
25
 A padronização de dimensões , a pré-moldagem e o uso de sistemas construtivos adequados permitem
 A padronização de dimensões , a pré-moldagem e o uso de sistemas construtivos adequados permitem
  • A padronização de dimensões, a pré-moldagem e o uso de sistemas construtivos adequados permitem a racionalização do uso de fôrmas, levando a economia neste quesito. Outro fator pode contribuir para maior reutilização de fôrmas é o uso de materiais alternativos, como o plástico.

  • A corrosão da armadura pode ser prevenida com controle da fissuração e com o uso de adequado do cobrimento da armadura, cujo valor depende do grau de agressividade do ambiente em que a estrutura for construída.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

26
26
 Concreto armado : é o material construtivo mais utilizado no mundo (consumido) Aula 1 -
  • Concreto armado: é o material construtivo mais utilizado no mundo (consumido)

 Concreto armado : é o material construtivo mais utilizado no mundo (consumido) Aula 1 -

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

27
27
 Aplicações do concreto:  Edifícios: mesmo que a estrutura principal não seja de concreto, alguns
  • Aplicações do concreto:

Edifícios: mesmo que a estrutura principal não seja de concreto, alguns elementos serão;

Obras hidráulicas e de saneamento: barragens, tubos, canais, reservatórios, estações de tratamento etc; Galpões e pisos industriais ou para fins diversos; Rodovias: pavimentação de concreto, pontes, viadutos, passarelas, túneis, galerias, obras de contenção etc; Estruturas diversas: elementos de cobertura, chaminés, torres, postes,

mourões, dormentes, muros de arrimo, piscinas, silos, cais, fundações de

máquinas etc.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

28
28
 Estrutura é a parte resistente da construção e tem as funções de resistir as ações
  • Estrutura é a parte resistente da construção e tem as funções de resistir as ações e as transmitir para o solo.

Lajes: são placas que, além das cargas permanentes, recebem as ações de uso e as transmitem para os apoios; travam os pilares e distribuem as ações horizontais entre os elementos de contraventamento;

Vigas: são barras horizontais que delimitam as lajes, suportam paredes e recebem ações das lajes ou de outras vigas e as transmitem para os apoios;

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

29
29
 Pilares : são barras verticais que recebem as ações das vigas ou das lajes e

Pilares: são barras verticais que recebem as ações das vigas ou das lajes e dos andares superiores as transmitem para os elementos inferiores ou para a fundação;

Fundação: são elementos como blocos, lajes, sapatas, vigas, estacas etc., que transferem os esforços para o solo.

Aula 1 - Professor: Henrique Nery

30
30