Você está na página 1de 8

Disponibilidades hídricas

Rui Jesus

11-02-2010
Precipitação: factor condicionante das disponibilidades hídricas

Os recursos hídricos disponíveis correspondem, no essencial, à água que se encontra em


circulação nos continentes, tanto à superfície, as chamadas águas superficiais (rios, lagos, lagoas e
albufeiras), como em profundidade, as ditas águas subterrâneas (nascentes naturais e lençóis de
água existentes no subsolo).

As disponibilidades hídricas - quantidade de água disponível - dependem, essencialmente,


do volume de precipitação e da sua distribuição ao longo do ano. Em Portugal, da água doce gerada
anualmente pela precipitação, cerca de 44% evolui para recursos hídricos superficiais e subterrâneos
(Quadro I e fig. 2).

Apesar desta relativa abundância das nossas disponibilidades


hídricas, a realidade é que a irregularidade temporal com que surgem,
a desigual distribuição no espaço (fig. 3), a acentuada dependência
de Espanha no que diz respeito aos rios internacionais e as diferentes
necessidades regionais, conduzem frequentemente a situações de
carência de água em muitas regiões do país, principalmente durante a
época estival.

Escola Secundária de Penafiel


Águas Superficiais

As águas superficiais têm origem nas precipitações que caem sobre a superfície da terra e
constituem a principal fonte de alimentação dos cursos de água, sejam eles temporários ou
permanentes.

Numa primeira fase, essas águas escorrem de forma desordenada ao longo das vertentes,
mas, devido à acção da gravidade e às
características do relevo existente, rapidamente
começam a organizar-se, formando pequenos
riachos, ribeiros, rios maiores, que levarão a
água até aos oceanos. Fica assim organizada
uma rede hidrográfica.

A rede hidrográfica no território


continental é dominada pelos rios luso-
espanhóis:
Minho, Lima, Douro, Tejo e Guadiana.
Contudo, existem outros exclusivamente
portugueses, também com grande importância.
É o caso do Vouga, Mondego e Sado.

A grande maioria dos rios nacionais


tem uma orientação geral nordeste-sudoeste
(NE-SW), seguindo a inclinação geral do relevo
no nosso território e a orientação das principais
falhas tectónicas. Contudo, há rios em que
assim não acontece e escoam as suas águas
noutras direcções. É o caso, por exemplo, dos
rios Sado e Guadiana, que correm de Sul para
Norte e de Norte para Sul, respectivamente.

Mas o relevo não influencia apenas a orientação dos rios, é também responsável, juntamente com o
clima, pelas diferenças na densidade da rede hidrográfica do território nacional.

Escola Secundária de Penafiel


No Norte, onde o relevo é mais acidentado e o clima mais pluvioso, a rede hidrográfica é
mais densa e está melhor hierarquizada.

Os rios escoam por vales mais ou menos apertados e profundos, regra geral, com perfis
transversais em "V" fechado ou em forma de "V" aberto ou normal, com grande declive e
consideráveis irregularidades ao longo do seu percurso.

No Sul e Centro litoral a situação é bem diferente. Aqui desenvolvem-se vastas planícies
aluviais e o clima regista maior secura, pelo que a rede hidrográfica é menos densa. Nesta região
os cursos de água têm percursos com menor declive e leitos muito mais regulares, ao mesmo tempo
que escoam em vales mais abertos, frequentemente designados por "caleira aluvial” fig. 4 e 5.

Principiais Bacias Hidrográficas

Escola Secundária de Penafiel


Em Portugal continental, destacam-se quinze bacias hidrográficas, cinco das quais dizem
respeito aos rios luso-espanhóis - Minho, Lima, Douro, Tejo e Guadiana (fig. 6).

As bacias hidrográficas luso-espanholas ocupam uma superfície correspondente a cerca de


64% do território português e a 42% do espanhol, o que é um factor extremamente importante
para as disponibilidades hídricas dos dois países e atesta bem a nossa dependência, em termos de
recursos hídricos, face ao país vizinho.

De entre as várias bacias hidrográficas (nacionais e internacionais) a do Douro é a que


ocupa maior superfície (superior à de Portugal Continental). A do Tejo, por seu lado, é a que
abrange maior área em território exclusivamente nacional.

As bacias hidrográficas inteiramente portuguesas são pouco extensas, e delas destacam-se


as dos rios Sado, Mondego e Vouga.

Nas bacias hidrográficas as disponibilidades hídricas são fortemente condicionadas pela


irregularidade da precipitação e pela forma como se processa o escoamento (figuras 7,8 e 9).

Escola Secundária de Penafiel


Variação do caudal dos rios

Caudal – Volume total de água que passa numa dada secção de um curso de
água por unidade de tempo (m3/s).

O caudal dos rios é particularmente condicionado pela variação anual e espacial da


precipitação, mas também pelas características do relevo (forma e declive das vertentes), da
natureza dos terrenos (tipo de rocha que os constitui e grau de permeabilidade), da cobertura
vegetal e pela própria acção do homem, uma vez que também ele tem influência no modo como
se processa o escoamento.

Clima

Em consequência das condições climáticas (temperatura e precipitação) ao longo do ano,


os cursos de água portugueses apresentam um regime irregular, com carácter torrencial, ou seja,
têm caudais muito reduzidos ou mesmo nulos durante a estiagem (caudal de estiagem) e elevados
nas épocas de maior precipitação (Dezembro a Março) fig.10.
Este facto prende-se com a saturação dos solos e dos reservatórios subterrâneos.

A irregularidade verificada aumenta de norte para sul e do litoral para o interior


acompanhando a irregularidade da precipitação.

Escola Secundária de Penafiel


Natureza dos terrenos

A natureza dos solos é igualmente importante.


Nas áreas onde predominam as rochas impermeáveis
ou pouco permeáveis, como os granitos e os xistos, a
infiltração é fraca. Neste caso, a escorrência aumenta,
alimentando os cursos de água - rios e ribeiras. Em
solos mais porosos, logo mais permeáveis, como, por
exemplo, as areias e o grés, grande parte da água das
chuvas infiltra-se, pelo que os caudais são mais fracos
devido à menor escorrência.

A cobertura vegetal

Em relação à vegetação, verifica-se uma


situação análoga à anteriormente descrita sobre a
natureza das rochas. Ou seja, se o solo está coberto de
vegetação a infiltração é maior, logo a escorrência é
fraca. Pelo contrário, se o solo está desprovido de
cobertura vegetal, a infiltração diminui, aumentando
significativamente a escorrência.

Acção do Homem

A acção humana também influencia o regime dos rios. Por um lado, contribui para regularizar os
caudais, construindo barragens que:

• Na época de maior precipitação, retêm a água nas albufeiras, evitando muitas cheias;
• Na época estival, impedem que os rios sequem completamente, pois a água armazenada permite
manter um escoamento mínimo, fig. 13.

Por outro lado, a ocupação humana das bacias hidrográficas agrava o efeito das cheias, pois:

• A obstrução de linhas de água, pela construção urbana, dificulta o escoamento;


• A impermeabilização dos solos, devido à pavimentação das ruas e à construção de aterros, impede
que as águas se infiltrem, aumentando a escorrência superficial;
• A destruição da cobertura vegetal, pelos incêndios, pelo pastoreio intensivo e pela desflorestação,
aumenta o escoamento superficial e a quantidade de materiais arrastados pela água.

Escola Secundária de Penafiel


LAGOS, LAGOAS E ALBUFEIRAS

Os lagos e lagoas (a designação depende da dimensão - os lagos são maiores e as


lagoas menores) constituem também importantes reservatórios de água doce, embora,
em alguns casos, a água seja salobra. Por exemplo, nos Açores, grande parte da água para
consumo é captada em lagoas.

Em Portugal Continental, tendo em conta o processo de formação, podemos

considerar três tipos de lagoas:


Nos Açores, existem numerosas lagoas de origem vulcânica. As mais conhecidas são as
maiores de S. Miguel (Sete Cidades, Furnas e Fogo), mas também se encontram lagoas nas Flores e
no Corvo.

As albufeiras são reservatórios construídos para a acumulação de água que se


destinam ao abastecimento da população e das actividades económicas, mesmo em épocas
de seca.

Em Portugal Continental, a distribuição geográfica do relevo e as características da rede


hidrográfica explicam a existência de maior número de barragens nas regiões Norte e Centro que,
além da função de armazenamento de água,
dispõem, na sua grande maioria, de centrais
de produção de electricidade.
No Sul, as albufeiras têm
contribuído sobretudo para melhorar a
gestão da água, nomeadamente no que se
refere às reservas para usos doméstico e
agrícola, embora também existam
importantes centrais de produção de
electricidade, como é o caso da barragem do
Alqueva. No Algarve, com uma rede
hidrográfica pouco extensa e constituída
sobretudo por ribeiras, as albufeiras têm
apenas a função de armazenamento de água
para a agricultura e para o abastecimento das
populações.

Dada a necessidade de aumentar a


produção de energia a partir de fontes
renováveis, está previsto a construção de 10
novas grandes barragens. No Douro serão construídas seis, uma no Vouga, outra no Mondego e
duas no Tejo.

Escola Secundária de Penafiel

Interesses relacionados