Você está na página 1de 1

Prticas sociais e Processos Educativos

(PPGE/UFSCar)
Mariane Cristina Souza de Oliveira
Consideraes em torno do ato de estudar. (p.9)

Quem sugere uma bibliografia tem de ter um triplo respeito: a quem ela se dirige,
aos autores citados e a si mesmo. A essa pessoa cabe saber o que est sugerindo e por
que o faz para que essa se torne um desafio a quem se destina para atender ou despertar
o desejo de aprofundar o conhecimento dos estudantes a quem se destina a bibliografia.
Para Freire (1979, p.10) estudar um trabalho difcil. Cabe ao estudante ter
disciplina para no ser ingnuo diante do texto, mas sim para aflorar sua curiosidade,
esprito investigador e criatividade em busca da compreenso do contedo e no de sua
memorizao, criando a possibilidade de apropriao de sua significao profunda.
Assim, necessrio segundo o autor:
a) Que assuma o papel de sujeito deste ato.
Um sujeito no passivo, a fim de um estudo crtico, mas tambm sensvel, numa
permanente inquietao intelectual, num estado de predisposio busca (p.11).
b) Que o ato de estudar, no fundo, uma atitude em frente ao mundo.
Estudar tambm e sobretudo pensar a prtica e pensar a prtica a melhor
maneira de pensar o certo (p.12). Um registro das observaes realizadas de
muita importncia, pois estas ideias remetem o estudante a novas leituras de
textos para sua instrumentalizao e reflexo.
c) Que o estudo de um tema especfico exige do estudante que se ponha, tanto
quanto possvel, a par da bibliografia que se refere ao tema ou ao objeto de sua
inquietude (p.12).
d) Que o ato de estudar assumir uma relao dialgica com o autor do texto,
percebendo o condicionamento histrico-sociolgico e ideolgico do autor.
e) Que o ato de estudar demanda humildade.
Nem sempre o estudante estar em condies de entender determinado texto.
Cabe a ele buscar instrumentalizar-se para voltar ao texto em condies de
entend-lo.
Estudar no um ato de consumir ideias, mas de cri-las e recri-las (p.13).

FREIRE, Paulo. Ao cultural para liberdade. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1979.