P. 1
POLITICAS PÚBLICAS DE SAÚDE NO BRASIL

POLITICAS PÚBLICAS DE SAÚDE NO BRASIL

4.67

|Views: 38.333|Likes:
Publicado porItalo Leite

More info:

Published by: Italo Leite on Apr 30, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/07/2013

pdf

text

original

POLITICAS PÚBLICAS Período colonial Previdência social e da saúde – CAPS, IAPS, INPS – INAMPS, INSS Modelo medico assistencial

contribuinte • Econômia • Política • Sociedade • Crescimento do privado em relação ao público • Modelo campanhista Processo de construção do SUS • Conferencias internacionasi • VIII Conferência Nacional de Saúde 1986 • Difere por apresenta caráter democrático com a participação da sociedade civil, além de constituir no momento apical de formatação político-ideológica do projeto da reforma sanitária brasileira. Reforma sanitária • Sobre três aspectos fundamentais • A saúde é definida no contexto histórico de uma sociedade, deve ser conquistada por lutas continuas, é resultante das condições de alimentação, habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso e posse da terra, acesso a serviços de saúde de qualidade. • Saúde como direito de cidadania e dever do estado • Propõe reformulação no sistema de saúde com a instituição de um Sistema Único de Saúde que tenha como princípios à universalidade, a integralidade das ações, a descentralização da assistência. Constituição de 1988 – Questão da saúde O conceito de saúde entendido numa perspectiva de uma articulação de políticas sociais e econômicas;

• O entendimento da saúde como direito social universal derivado do exercício de uma cidadania plena; • A caracterização das ações e serviços de saúde como de relevância pública • A integração da saúde no espaço mais amplo da seguridade social • SUDs Sistema Único de Saúde • Normas diretrizes, Leis, projetos, programas, estratégia, politicas • 8.080 – ações de assistência, seja coletiva ou individual • 8.142 – entre outras – financiamento • Art. 185, 196, 197 198... • NOB – 91, 93, 96 • NOAS – 00, 01, 02 • De acordo com a Constituição Federal de 1988, em seu art. 195, o SUS é financiado com recursos do orçamento da seguridade social, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, além dos incentivos dos recursos adicionais do orçamento fiscal. • O SUS foi organizado segundo as diretrizes de descentralização, estabelecendo um comando único em cada esfera do governo, com a proposta de atendimento integral e participação da comunidade no espaço mais amplo da seguridade social (MENDES, 1999). • É regido pelos seguintes princípios: a) universalidade - todas as pessoas têm igual direito à atenção à saúde, cabendo ao Estado garantir as condições para o exercício desse direito, dentro da rede de serviços do SUS, sejam estatais ou contratados, tendo a obrigação de atender as necessidades do usuário sem exigir pagamento; • b) eqüidade - a rede do SUS deve garantir ações e serviços para todos os cidadãos, em todo o país, diferenciando a assistência de acordo com a necessidade da população, sem discriminação ou distinção de qualquer espécie; c) integralidade - o sistema garante a todos os cidadãos os serviços que forem necessários, abrangendo ações de promoção, prevenção, proteção e

recuperação da saúde, assistindo o indivíduo, a família e a comunidade de forma integral, sendo, assim, um sistema integral, igualitário e universal (BRASIL, 1994).

A criação pelo Ministério da Saúde do Programa de Agentes Comunitários de Saúde - PACS e posteriormente do Programa Saúde da Família - PSF, na década de 90, reflete a tendência de valorização da família na agenda das políticas sociais brasileiras. • O Programa Saúde da Família foi criado no Brasil pelo Ministério da Saúde – MS, respaldado na proposta de interiorização do Sistema Único de Saúde – SUS, em 1993, através da Portaria nº 692/MS, homologada pelo Decreto nº 2.043, de 23 de fevereiro de 1999. O PSF começou com um projeto-piloto na cidade de Quixadá – Ceará, em 1993 (BRASIL, 1999a). • Trata-se de uma estratégia que prioriza as ações de promoção, proteção e recuperação da saúde dos indivíduos e da família, do recém-nascido ao idoso, sadios ou doentes, de forma integral e contínua. O PSF propõe um novo modelo de atenção à saúde, tomando como base a família, em seu espaço físico e social. Proporciona à equipe multiprofissional de saúde compreensão ampliada do processo saúde/doença, tanto na unidade de saúde como no domicílio (SOUZA, 2000, p.9), (BRASIL, 2001, p.5). • • • • • • • O SUS contemporâneo Controle social Integralidade Sustentabilidade Intersetorialidade Impasses Desafios

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->