Você está na página 1de 2

Segundo a lenda grega, Laio, o rei de Tebas havia sido alertado pelo

Orculo de Delfos que uma maldio iria se concretizar: seu prprio filho o
mataria e que este filho se casaria com a prpria me. Por tal motivo, ao
nascer dipo, Laio abandonou-o no monte Citero pregando um prego em
cada p para tentar mat-lo. O menino foi recolhido mais tarde por um
pastor e batizado como "Edipodos", o de "ps-furados", que foi adotado
depois pelo rei de Corinto e voltou a Delfos.
dipo consulta o Orculo que lhe d a mesma previso dada a Laio, que
mataria seu pai e desposaria sua me. Achando se tratar de seus pais
adotivos, foge de Corinto. No caminho, dipo encontrou um homem e sem
saber que era seu pai o matou, pois Laio o mandou sair de sua frente.
Depois de derrotar um homem casa-se com a sua me, no sabendo que era
tambm a sua me biolgica,
Aps derrotar a Esfinge que aterrorizava Tebas, que lanara um desafio
("Qual o animal que tem quatro patas de manh, duas ao meio-dia e trs
noite?"), dipo conseguiu desvendar, dizendo que era ele mesmo. "O
amanhecer a criana engatinhando, entardecer a fase adulta, que usamos
ambas as pernas, e o anoitecer e a velhice que usa a bengala.
Conseguindo derrotar o monstro, ele seguiu a sua cidade natural e casou-se,
"por acaso", (j que ele pensava que aqueles que o haviam criado eram seus
pais biolgicos) com sua me, com quem teve quatro filhos. Quando da
consulta do orculo, por ocasio de uma peste, Jocasta e dipo descobrem
que so me e filho, ela comete suicdio e ele fura os prprios olhos por ter
estado cego e no ter reconhecido a prpria me.

Trabalho de
filosofia