P. 1
TEXTO LITERÁRIO

TEXTO LITERÁRIO

4.2

|Views: 76.349|Likes:

More info:

Published by: José Fernandes da Silva on Feb 21, 2010
Direitos Autorais:Attribution No Derivatives
Preço de Lista:$0.99 Comprar agora

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
See more
See less

03/24/2015

$0.99

USD

pdf

text

original

TEXTO LITERÁRIO

José Fernandes da Silva
O que é um texto literário? Se um texto – não importa de que espécie – é um conjunto
de elementos – também não importa de que espécie – capaz de funcionar, direta ou
indiretamente, como meio de representação, um texto literário é um conjunto de
elementos – também não importa de que espécie – capaz de funcionar como meio de
representação, porém não diretamente, como no texto musical, pictorial, escultural etc.,
mas por meio de um outro conjunto de elementos de uma espécie concretamente
determinada, que é a referente aos sons da linguagem humana (ou de fonemas,
manifestos por sua !e" não diretamente, como no texto declamado ou recitado, mas por
meio de um conjunto de elementos de uma outra espécie também concretamente
determinada, que é a referente sinais visuais da linguagem humana (ou de letras.
#ala$se, geralmente, de literatura oral, em refer%ncia &s narrati!as e aos poemas dos
repentistas sertanejos. 'o entanto, sendo oral, não pode ser literatura. (uitos dos texto
a que, impropriamente, chamam de )literatura oral*, foram criados por artistas que são
(ou foram inclusi!e analfabetos e, consequentemente, embora dominando
perfeitamente a linguagem falada (sobretudo em seu contexto, não domina!am a
linguagem escrita. +o serem reprodu"idos em li!ros, isso se da!a porque outros
indi!,duos, que domina!am ambas as espécies de linguagem, o fa"iam. -epois, como os
li!rinhos (ou folhetos eram le!ados &s feiras e pendurados em cord.es (como roupas no
!aral para serem !endidos, passaram a ser chamados de literatura de cordel.
'a leitura de um texto liter/rio (poema, romance etc., o que mais chama a aten0ão do
leitor é o que se passa no imaginário criado pelo poeta ou ficcionista, configurando algo
existente no contexto de uma realidade que de fato existe ou que poderia existir (plano
transmediato1 mas o que se passa no imaginário criado pelo poeta ou ficcionista est/ a,
representado atra!és não da linguagem escrita (plano imediato, mas da linguagem oral
nela reprodu"ida (plano mediato. 2ogo, na leitura de um texto liter/rio (narrati!o ou
poético3 interpreta$se o que se passa ao n,!el da linguagem escrita a, diretamente
percebida (plano imediato, para alcan0ar o que se passa ao n,!el da linguagem oral
nela reprodu"ida (plano mediato1 e interpreta$se o que se passa ao n,!el da linguagem
oral representada por meio de tal linguagem escrita, para alcan0ar o que se passa ao
n,!el do imaginário criado pelo poeta ou ficcionista (plano transmediato, enquanto
meio de representa0ão do que se passa no contexto de uma realidade situada
externamente, que de fato existiu ou poderia existir, em conformidade com a !isão e o
ponto de !ista de tal sujeito.
4omo os tr%s planos acima indicados são meios de representa0ão de car/ter particular
articulados num meio de representa0ão de car/ter geral, que é justamente o do texto
liter/rio, é poss,!el caracteri"ar o texto liter/rio como sendo um texto no qual se
articulam3 a um texto referente a um processo representati!o de car/ter imaginário,
constitu,do a partir dos fatos ou imagens que comp.em tal imagin/rio, !isto como meio
de representa0ão do que se passa externamente, segundo a !isão e o ponto de !ista do
poeta ou ficcionista1 b um texto referente a um processo representati!o de car/ter oral,
constitu,do das pala!ras proferidas pelo poeta ou ficcionista, enquanto meio de
representa0ão do que ocorre nesse imagin/rio1 e c um texto referente a um processo
representati!o de car/ter grafo!isual, constitu,do das pala!ras utili"adas pelo escritor
para reprodu"ir o que é dito pelo eu poético ou ficcional, e que nem sempre coincide
com o pr5prio escritor.
-esses tr%s planos ou espécies particulares de texto, o menos importante – embora
indispens/!el e respons/!el pelo car/ter propriamente liter/rio – é o referente &
linguagem escrita. 6anto é que, numa representa0ão do que se passa num texto liter/rio
a partir não do pr5prio texto liter/rio, mas do texto de uma representa0ão teatral ou
cinematogr/fica, a primeira coisa que acontece é a elimina0ão do primeiro plano, que é
o da linguagem escrita, para deixar apenas o segundo e o terceiro planos, que são o da
linguagem oral e o da linguagem correspondente ao imagin/rio poético ou ficcional1 em
determinados casos, como o do teatro pantom,mico e do cinema mudo, inclusi!e o
segundo plano (da linguagem oral desaparece, para deixar apenas o terceiro (do
imagin/rio poético ou ficcional.

para reproduzir o que é dito pelo eu poético ou ficcional. . Desses três planos ou espécies particulares de texto. em determinados casos. a primeira coisa que acontece é a eliminação do primeiro plano. numa representação do que se passa num texto literário a partir não do próprio texto literário. e que nem sempre coincide com o próprio escritor. para deixar apenas o segundo e o terceiro planos. Tanto é que. inclusive o segundo plano (da linguagem oral) desaparece. que é o da linguagem escrita. mas do texto de uma representação teatral ou cinematográfica. como o do teatro pantomímico e do cinema mudo. o menos importante – embora indispensável e responsável pelo caráter propriamente literário – é o referente à linguagem escrita. para deixar apenas o terceiro (do imaginário poético ou ficcional). que são o da linguagem oral e o da linguagem correspondente ao imaginário poético ou ficcional.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->