Você está na página 1de 2

AO LEITOR

A extensa bibliografia que trata da noo de progresso


humano , sem sombra de dvida,
uma colcha de retalhos. Enquanto algumas destas obras so
impressionantes e mesmo
inspiradoras, muitas so superficiais, talvez at mesmo
ridculas, na sua reiterao
(especialmente durante o sculo XIX) do conceito
reconfortante de que todos os dias, de
alguma forma, nos tornamos cada vez melhores.
Esse tipo de insensatez se manifesta em especial nas
discusses sobre os temas do progresso
econmico, poltico, moral e artstico. Na verdade,
difcil sustentar a noo de que tenha
ocorrido, ao longo de toda a histria da raa humana na
terra, algum progresso na riqueza
global da humanidade, no governo em geral, no
comportamento mdio ou tpico dos seres
humanos ou na produo de obras de arte grandiosas.
De tempos a tempos, parece existir uma melhoria verdadeira
e tangvel nessas reas. Em
outras vezes, o oposto parece igualmente verdadeiro. Desta
forma, a crena fervorosa de
autores, como o socilogo e filsofo francs Auguste
Comte, na inevitabilidade do progresso
em todos os campos da atividade humana ter de ser
considerada insuportvel. J no podemos
aceit-la, mesmo que um dia a tenhamos considerado
verdadeira.

Progresso no conhecimento
O progresso no conhecimento humano outro caso. Aqui
possvel argumentar de forma
convincente que o progresso est na essncia das coisas.
No s o indivduo progride dia a
dia, escreveu o filsofo, matemtico e mstico francs
Blaise Pascal, como a humanidade,

enquanto um todo, progride constantemente de modo


proporcional ao envelhecimento do
universo. Tal como seria descrito por um historiador
mais recente, a essncia do homem
enquanto ser racional que ele desenvolve suas
capacidades potenciais atravs da acumulao
de experincias das geraes anteriores.
Assim como em nossas vidas individuais aprendemos mais dia
a dia e ano a ano, por nos
lembrarmos pelo menos de uma parte do que aprendemos e lhe
acrescentarmos o nosso
conhecimento novo, tambm na histria da raa a memria
coletiva retm parte do
conhecimento do passado, a qual acrescentada cada nova
descoberta.