Você está na página 1de 1

Teu solo vermelho

Do sangue, da luta, da peixeira


Do sol ardente que coroa tuas areias
P, poeira: como a vida incendeia.

O amor em carne viva


Que deixa o moo encurvado
Como as rvores que te sadam
Amante serto ensoluarado

Ao passo da alpercata
Cco, maracatu, zabumba, repique
A dana dos amores
O beijo da calada da noite

De tuas franjas de vento


Quero somente uma coisa pedir
Uma coisa guardar
Que amar a nica vida que h.