Segurança no uso de correias

transportadoras
O Ministério do Trabalho ampliou as exigências de segurança para o uso de correias
transportadoras, em 2013. A portaria 197 da NR-12 faz adequações para
fabricantes e usuários, citando, inclusive, a utilização de proteção para evitar o contato
do operador com partes rotativas ou em movimento das máquinas, requisito mínimo na
operação. A preocupação principal é evitar riscos de acidentes no trabalho
com correias transportadoras.
A norma traz regras para movimentos que podem ser perigosos nas correias
transportadoras, dando ênfase aos pontos de esmagamento, aprisionamento e
agarramento. De uma forma geral, a normatização visa à proteção dos profissionais de
manutenção e operação que atuam no conjunto de correias transportadoras,
tambores e roletes.
No entanto, as normas vieram para oficializar algo que já era praticado pelos
fabricantes. Quanto aos clientes finais, há algumas mudanças, já que até então eles
podiam optar por adquirir apenas parte do escopo de produtos oferecidos, o que
poderia levar a riscos na operação. Um exemplo é o uso de motorredutores como
padrão nos acionamentos, uma questão da nova norma que nem sempre era atendida
pelas empresas, sobretudo na área de construção, e agora é obrigatório.
Pela nova norma só é permitida a circulação de pessoas sob
os transportadores contínuos em locais devidamente protegidos e a recomendação é
que as correias trabalhem com níveis de enchimento entre 80% e 90%. Todas as
ações de segurança devem ser seguidas. Há regras gerais sobre dimensionamento,
seguir as orientações dos fabricantes e não sobrecarregar as correias
transportadoras. A principal maneira de ter um trabalho seguro é não ir além do
que o transportador suporta e sempre ficar de olho na manutenção.
Para trabalhar com eficiência e segurança é preciso investir em produtos
de qualidade. A Bormax atua com correias transportadoras padrão e com
projetos de desenvolvimento sob medida. Entre em contato conosco e conheça mais
sobre nossas soluções.
12.9 Transportadores de materiais.
12.9.1 Os transportadores contínuos de materiais devem ter os seus
movimentos perigosos
protegidos, especialmente os pontos de esmagamento, agarramento e
aprisionamento formados
pelas esteiras, correias, roletes, acoplamentos, freios, roldanas, amostradores,
volantes, tambores,
engrenagens, cremalheiras, correntes, guias, alinhadores, região do
esticamento e contra peso e
outras partes móveis acessíveis durante a operação normal.
12.9.1.1 Os transportadores contínuos de correia, cuja altura da borda da
correia que transporta a

devem ser dotados em toda a sua extensão de passarelas em ambos os lados. ao longo de sua extensão.9. conforme item 12.14. em que sejam possíveis realizar quaisquer intervenções e inspeções a partir do solo.12.9. 12. ou que possam ficar em movimento.1. para a realização de inspeções. estão dispensados da observância do item 12. devem ser adotadas medidas que garantam a paralisação e o bloqueio dos movimentos de risco. 12.4 Nos transportadores contínuos de materiais.9.5.12.1 Ficam dispensados do cumprimento da exigência do item anterior os transportadores contínuos acessíveis aos trabalhadores cuja analise de risco não indicar a sua necessidade. é proibida a reversão de movimento para esta finalidade.1 Os cabos de aço. desde que não haja a circulação nem a permanência de pessoas nas zonas de perigo.5. devendo-se adotar o uso de plataformas móveis ou elevatórias para quaisquer intervenções e inspeções.2 A permanência e a circulação de pessoas sobre os transportadores contínuos devem ser realizadas somente através de passarelas dotadas de sistema de proteção contra quedas. 12.3. 12. manutenções e outras intervenções necessárias.5. de modo que possam ser acionados em todas as posições de trabalho.4. ganchos e outros elementos de suspensão ou tração e suas conexões devem ser adequados ao tipo de material e dimensionados para suportar os esforços solicitantes.9.9.9.9.9.1.9.1 Os transportadores cuja correia tenha largura de até 762 mm (30 polegadas) podem possuir passarela em apenas um dos lados. associada a proteção móvel intertravada. 12. de dispositivos de parada de emergência. desde que atendido o disposto no item 12.3 É permitida a permanência e a circulação de pessoas embaixo dos transportadores contínuos somente em locais protegidos contra quedas de materiais que ofereçam resistência e dimensões adequadas.5 É proibida a permanência e a circulação de pessoas sobre partes em movimento.12.7. 12.9.5. correntes.3 e 12.2 Os transportadores móveis articulados. atendidos os requisitos do item 12. cuja altura da borda da correia que transporta a carga esteja superior a dois metros e setenta centímetros do piso. de modo a restringir o acesso a pessoal especializado. que necessitem de parada durante o processo. 12.9. 12.2. 12. dos transportadores de materiais.6 Os transportadores contínuos acessíveis aos trabalhadores devem dispor.2 Os transportadores contínuos de correia. 12.1 Nas situações em que haja inviabilidade técnica do cumprimento do disposto no item anterior. . ficam dispensados da exigência. estão dispensados da observância do item anterior.3 Os transportadores de materiais devem ser utilizados somente para o tipo e capacidade de carga para que foram projetados.2. quando não projetadas para essas finalidades.9.9.9.6.7. 12. eslingas.3.2 Os transportadores contínuos de correia em que haja proteção fixa distante.8.carga esteja superior a dois metros e setenta centímetros do piso. 12. conforme o disposto nos itens 12.

e) sistemas interativos tais como ícones.1 As medidas de segurança prevista no caput deste item devem priorizar a existência de áreas exclusivas para a circulação de cargas suspensas devidamente delimitadas e sinalizadas.10. extensão ou torção dos segmentos corporais.7 Os transportadores contínuos de correia devem possuir dispositivos que garantam a segurança em caso de falha. flexão.9. que deve contemplar. quando exigir o ingresso em seu interior .9. g) reduzir a exigência de força. tais como monitores de vídeo.10 Aspectos ergonômicos nos trabalhos em máquinas e equipamentos 12. reduzindo a probabilidade de falhas na operação. devem possibilitar a interação clara e precisa com o operador de forma a reduzir possibilidades de erros de interpretação e/ou retorno de informação. no mínimo. 12.1 As máquinas e equipamentos devem ser projetados. sinais e comandos. durante sua operação normal e que interrompam seu funcionamento quando forem atingidos os limites de segurança. disponível em situações de emergência. construídos e mantidos observando os seguintes aspectos: a) a variabilidade das características antropométricas dos operadores. 12. 12. preensão. b) as exigências posturais e cognitivas e os movimentos e esforços físicos demandados dos operadores.12.8. conforme especificado em projeto. c) componentes. d) comandos e indicadores devem representar sempre que possível a direção do movimento e demais efeitos correspondentes. b) sobrecarga de materiais.8 As empresas devem adotar medidas de segurança durante o transporte de materiais suspensos visando garantir que não haja pessoas sob a carga.9. f) favorecer o desempenho e a confiabilidade das operações. as seguintes condições de: a) desalinhamento anormal da correia. pressão. h) garantir iluminação adequada. símbolos e instruções devem ser coerentes em sua aparência e função.