Você está na página 1de 35

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1

1.

NOME DO MEDICAMENTO

Truvada 200 mg/245 mg comprimidos revestidos por película

  • 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido revestido por película contém 200 mg de emtricitabina e 245 mg de tenofovir disoproxil (equivalente a 300 mg de tenofovir disoproxil fumarato ou 136 mg de tenofovir).

Excipiente(s):

Cada comprimido contém 96 mg de lactose mono-hidratada.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

  • 3. FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película.

Comprimido revestido por película, de cor azul, em forma de cápsula, com as dimensões 19 mm x 8,5 mm, impresso num lado com “GILEAD” e no outro lado com “701”.

  • 4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

    • 4.1 Indicações terapêuticas

Truvada é uma associação de doses fixas de emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato. Está indicado em terapêutica de associação de anti-retrovirais para o tratamento de adultos infectados por VIH-1, com 18 anos de idade ou mais.

A demonstração do benefício da associação de emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato em terapêutica anti-retroviral baseia-se apenas em estudos realizados em doentes sem terapêutica anti-retroviral prévia (ver secção 5.1).

  • 4.2 Posologia e modo de administração

A terapêutica deve ser iniciada por um médico com experiência no tratamento da infecção por VIH.

Posologia Adultos: A dose recomendada de Truvada é um comprimido, tomado por via oral, uma vez por dia. Recomenda-se que Truvada seja tomado com alimentos, de modo a optimizar a absorção de tenofovir. Até mesmo uma refeição ligeira melhora a absorção de tenofovir a partir da associação num comprimido (ver secção 5.2).

Quando estiver indicada a interrupção terapêutica com um dos componentes de Truvada ou quando for necessário uma modificação da dose, estão disponíveis as formulações separadas de emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato. Por favor consulte o Resumo das Características do Medicamento destes mesmos medicamentos.

Se um doente se esquecer de uma dose de Truvada no período de 12 horas após a hora em que é habitualmente tomada, o doente deve tomar Truvada com alimentos logo que for possível e continuar com o seu esquema de toma normal. Se um doente se esquecer de uma dose de Truvada e tiverem decorrido mais de 12 horas e estiver quase na hora de tomar a sua próxima dose, o doente não deve tomar a dose esquecida e continuar simplesmente com o esquema de toma habitual.

2

Se o doente vomitar no espaço de 1 hora após tomar Truvada, deve tomar outro comprimido. Se o doente vomitar depois de mais de 1 hora após tomar Truvada, não necessita de tomar outra dose.

Populações especiais

Idosos: Não existem dados disponíveis que possibilitem recomendar uma dose para doentes com idade superior a 65 anos. No entanto, não deverá ser necessário um ajuste da posologia diária recomendada para adultos, excepto se existir evidência de insuficiência renal.

Compromisso renal: A emtricitabina e o tenofovir são eliminados por excreção renal e, nos doentes com disfunção renal a exposição à emtricitabina e ao tenofovir está aumentada. Os dados de segurança e de eficácia de Truvada são limitados para doentes com compromisso renal moderado e grave (depuração da creatinina < 50 ml/min) e os dados de segurança a longo prazo não foram avaliados para o compromisso renal ligeiro (depuração da creatinina 50-80 ml/min). Desta forma, Truvada só deve ser utilizado em doentes com compromisso renal se os benefícios potenciais do tratamento superarem os riscos potenciais. Os doentes com compromisso renal podem necessitar de uma cuidadosa monitorização da função renal (ver secção 4.4). São recomendados ajustes do intervalo posológico para doentes com depuração da creatinina entre 30 e 49 ml/min. Estes ajustes posológicos não foram confirmados em estudos clínicos e a resposta clínica ao tratamento deve ser cuidadosamente monitorizada nestes doentes (ver secções 4.4 e 5.2).

Compromisso renal ligeiro (depuração da creatinina 50-80 ml/min): Dados limitados de estudos clínicos apoiam a administração uma vez por dia de Truvada em doentes com compromisso renal ligeiro (ver secção 4.4).

Compromisso renal moderado (depuração da creatinina 30-49 ml/min): A administração de Truvada em intervalos de 48 horas é recomendada, com base em dados de modelos farmacocinéticos de dose única para a emtricitabina e o tenofovir disoproxil fumarato em indivíduos não infectados por VIH com graus variáveis de compromisso renal (ver secção 4.4).

Compromisso renal grave (depuração da creatinina < 30 ml/min) e doentes hemodializados: Truvada não está aconselhado em doentes com compromisso renal grave (depuração da creatinina < 30 ml/min) e em doentes sujeitos a hemodiálise porque com a associação num comprimido não podem ser obtidas as reduções de dose adequadas.

Compromisso hepático: As farmacocinéticas de Truvada e emtricitabina não foram estudadas em doentes com compromisso hepático. A farmacocinética de tenofovir tem sido estudada em doentes com compromisso hepático não sendo necessário um ajuste da posologia para o tenofovir disoproxil fumarato nestes doentes. Um vez que o metabolismo hepático da emtricitabina é mínimo e sendo esta eliminada por via renal, é improvável que seja necessário um ajuste da posologia de Truvada nos doentes com compromisso hepático (ver secções 4.4 e 5.2).

Em caso de interrupção do tratamento com Truvada em doentes co-infectados por VIH e VHB, estes doentes devem ser cuidadosamente monitorizados para detectar evidências de exacerbação de hepatite (ver secção 4.4).

População pediátrica: A segurança e eficácia de Truvada em crianças com idade inferior a 18 anos de idade não foram estabelecidas (ver secção 5.2).

Modo de administração Os comprimidos de Truvada devem ser tomados uma vez por dia, por via oral, com alimentos.

Nos doentes com dificuldade de deglutição, Truvada pode ser desintegrado em, aproximadamente, 100 ml de água, sumo de laranja ou sumo de uva e tomado imediatamente.

3

4.3

Contra-indicações

Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer um dos excipientes.

  • 4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Co-administração com outros medicamentos: Truvada não deve ser administrado concomitantemente com outros medicamentos que contêm emtricitabina, tenofovir disoproxil (fumarato) ou outros análogos da citidina, como a lamivudina (ver secção 4.5). Truvada não deve ser administrado concomitantemente com adefovir dipivoxil.

Co-administração de tenofovir disoproxil fumarato e didanosina: Não é recomendada. A co-administração de tenofovir disoproxil fumarato e didanosina resulta num aumento de 40-60% da exposição sistémica à didanosina, o que pode aumentar o risco de reacções adversas relacionadas com a didanosina (ver secção 4.5). Raramente, foram notificadas pancreatite e acidose láctica, ocasionalmente fatais. A co-administração de tenofovir disoproxil fumarato e didanosina numa dose diária de 400 mg tem sido associada a uma diminuição significativa na contagem de células CD4, possivelmente devido a um aumento da didanosina fosforilada (i.e. activa) por interacção intracelular. A co-administração de uma dose reduzida de 250 mg de didanosina com tenofovir disoproxil fumarato tem sido associada a notificações de taxas elevadas de falência virológica com as várias associações testadas.

Terapêutica tripla com análogos nucleosídeos: Têm havido notificações de uma elevada percentagem de falência virológica e de emergência de resistência, numa fase inicial, quando o tenofovir disoproxil fumarato foi administrado em associação com lamivudina e abacavir, assim como com lamivudina e didanosina, num regime uma vez por dia. Existe uma grande semelhança estrutural entre a lamivudina e a emtricitabina e semelhanças na farmacocinética e farmacodinâmica destes dois fármacos. Deste modo, podem observar-se os mesmos problemas caso Truvada seja administrado com um terceiro análogo nucleosídeo.

Infecções oportunistas: Os doentes em tratamento com Truvada ou outra terapêutica anti-retroviral podem continuar a desenvolver infecções oportunistas e outras complicações da infecção por VIH e, por isso, devem permanecer sob observação clínica frequente, de médicos com experiência no tratamento de doentes com doenças associadas ao VIH.

Transmissão de VIH: Os doentes têm de ser informados que as terapêuticas anti-retrovirais, incluindo Truvada, não provaram prevenir o risco de transmissão de VIH a outros, através de contacto sexual ou contaminação com sangue. Terão de continuar a ser utilizadas as precauções adequadas.

Compromisso renal: A emtricitabina e o tenofovir são eliminados principalmente pelo rim, por filtração glomerular e secreção tubular activa. Com a utilização de tenofovir disoproxil fumarato na prática clínica, têm sido notificadas insuficiência renal, compromisso renal, creatinina elevada, hipofosfatemia e tubulopatia proximal (incluindo síndroma de Fanconi) (ver secção 4.8).

Recomenda-se que a depuração da creatinina seja calculada em todos os doentes antes do início da terapêutica com Truvada e que a função renal (depuração da creatinina e fosfato sérico) seja também monitorizada a cada quatro semanas, durante o primeiro ano, e depois a cada três meses. Nos doentes em risco de compromisso renal, incluindo os doentes que tenham anteriormente sofrido acontecimentos renais durante o tratamento com adefovir dipivoxil, deve considerar-se a monitorização mais frequente da função renal.

Doentes com compromisso renal (depuração da creatinina < 80 ml/min), incluindo doentes

hemodializados: A segurança renal com Truvada foi apenas estudada de forma muito limitada em doentes com função renal comprometida (depuração da creatinina < 80 ml/min). São recomendados ajustes no intervalo posológico para doentes com depuração da creatinina entre 30 e 49 ml/min (ver

secção 4.2). Dados limitados de estudos clínicos sugerem que os intervalos entre tomas prolongados não são ideais e podem resultar numa toxicidade aumentada e possível resposta inadequada. Além

4

disso, num pequeno estudo clínico, um subgrupo de doentes com depuração da creatinina entre 50 e 60 ml/min que recebeu tenofovir disoproxil fumarato em associação com emtricitabina a cada 24 horas apresentou uma exposição ao tenofovir 2-4 vezes superior e um agravamento da função renal (ver secção 5.2). Desta forma, é necessário fazer uma cuidadosa avaliação do risco-benefício quando se administra Truvada em doentes com depuração da creatinina < 60 ml/min e a função renal deve ser cuidadosamente monitorizada. Adicionalmente, a resposta clínica ao tratamento deve ser cuidadosamente monitorizada em doentes que estejam a receber Truvada em intervalos posológicos prolongados. A utilização de Truvada não é aconselhada em doentes com compromisso renal grave (depuração da creatinina < 30 ml/min) e em doentes sujeitos a hemodiálise, uma vez que com a associação num comprimido não podem ser obtidas as reduções de dose adequadas (ver secções 4.2 e

5.2).

Se o fosfato sérico for < 1,5 mg/dl (0,48 mmol/l) ou a depuração da creatinina diminuir para valores < 50 ml/min em qualquer doente a receber Truvada, a função renal deve ser reavaliada dentro de uma semana, incluindo os níveis sanguíneos de glucose e potássio e as concentrações de glucose na urina (ver secção 4.8, tubulopatia proximal). Deve considerar-se também a interrupção do tratamento com Truvada em doentes com diminuição da depuração da creatinina para valores < 50 ml/min ou uma diminuição do fosfato sérico para níveis < 1,0 mg/dl (0,32 mmol/l).

A utilização de Truvada deve ser evitada concomitantemente ou pouco tempo após a utilização de medicamentos nefrotóxicos (ver secção 4.5). Caso seja inevitável o uso concomitante de Truvada e fármacos nefrotóxicos, a função renal deve ser monitorizada semanalmente.

Doentes com estirpes do VIH com mutações: Truvada deve ser evitado em doentes previamente tratados com anti-retrovirais que apresentem estirpes do VIH-1 com a mutação K65R (ver secção 5.1).

Efeitos ósseos: Num estudo clínico controlado com a duração de 144 semanas que comparou o tenofovir disoproxil fumarato com estavudina em associação a lamivudina e a efavirenz em doentes sem terapêutica anti-retroviral prévia, observaram-se pequenas diminuições na densidade mineral óssea a nível da bacia e da coluna em ambos os grupos de tratamento. Às 144 semanas, as diminuições na densidade mineral óssea a nível da coluna e as alterações nos biomarcadores ósseos desde o início foram significativamente maiores no grupo de tratamento com tenofovir disoproxil fumarato. Neste grupo, as diminuições na densidade mineral óssea a nível da bacia foram significativamente maiores até às 96 semanas. Contudo, durante as 144 semanas, não houve um risco aumentado de fracturas ou evidência de alterações ósseas clinicamente relevantes.

As anomalias ósseas (contribuindo infrequentemente para fracturas) podem ser associadas a tubulopatia renal proximal (ver secção 4.8). Se se suspeitar de anomalias ósseas deve recorrer-se a consulta apropriada.

Doentes co-infectados por VIH e vírus da hepatite B ou C: Os doentes com hepatite crónica B ou C em tratamento com terapêutica anti-retroviral têm um risco acrescido de sofrerem reacções adversas hepáticas graves e potencialmente fatais.

Os médicos deverão consultar as directrizes actuais para o tratamento do VIH para um melhor tratamento da infecção por VIH em doentes co-infectados por vírus da hepatite B (VHB).

No caso de terapêutica antiviral concomitante para a hepatite B ou C, por favor consulte também o Resumo das Características do Medicamento destes mesmos medicamentos.

A segurança e a eficácia de Truvada não foram estabelecidas para o tratamento da infecção crónica por VHB. A emtricitabina e o tenofovir individualmente e em associação têm demonstrado actividade contra o VHB em estudos farmacodinâmicos (ver secção 5.1). Experiência clínica limitada sugere que a emtricitabina e o tenofovir disoproxil fumarato têm actividade anti-VHB quando utilizados em terapêutica de associação de anti-retrovirais para controlar a infecção por VIH.

5

A interrupção do tratamento com Truvada em doentes co-infectados por VIH e VHB pode estar associada a exacerbações agudas graves de hepatite. Os doentes co-infectados por VIH e VHB, que interromperam o tratamento com Truvada, devem ser cuidadosamente monitorizados, com acompanhamento clínico e laboratorial durante, pelo menos, vários meses após a paragem do tratamento. Se apropriado, pode justificar-se o recomeço do tratamento da hepatite B. Em doentes com doença hepática avançada ou cirrose, a interrupção do tratamento não é recomendada, uma vez que a exacerbação da hepatite após o tratamento pode dar origem a uma descompensação hepática.

Doença hepática: A segurança e a eficácia de Truvada não foram estabelecidas em doentes com doenças hepáticas significativas subjacentes. As farmacocinéticas de Truvada e emtricitabina não foram estudadas em doentes com compromisso hepático. A farmacocinética de tenofovir foi estudada em doentes com compromisso hepático não sendo necessário ajuste posológico nestes doentes. Uma vez que o metabolismo hepático da emtricitabina é mínimo e sendo esta eliminada por via renal, é improvável que seja necessário um ajuste da posologia de Truvada nos doentes com compromisso hepático (ver secção 5.2).

Os doentes com disfunção hepática preexistente, incluindo hepatite crónica activa, têm uma frequência aumentada de alterações da função hepática durante a terapêutica de associação de anti-retrovirais e devem ser monitorizados de acordo com a prática clínica. Se nestes doentes existir evidência de agravamento da doença hepática, deve ser considerada a paragem ou interrupção do tratamento.

Acidose láctica: Foi notificada acidose láctica, geralmente associada a esteatose hepática, com a utilização de análogos nucleosídeos. Os sintomas precoces (hiperlactatemia sintomática) incluem sintomas digestivos benignos (náuseas, vómitos e dor abdominal), mal-estar geral, anorexia, perda de peso, sintomas respiratórios (respiração rápida e/ou profunda) ou sintomas neurológicos (incluindo fraqueza motora). A acidose láctica apresenta uma elevada mortalidade e pode estar associada a pancreatite, insuficiência hepática ou insuficiência renal. A acidose láctica ocorreu, de uma maneira geral, após alguns ou vários meses de tratamento.

O tratamento com análogos nucleosídeos deve ser interrompido se houver hiperlactatemia sintomática e acidose metabólica/láctica, hepatomegália progressiva ou aumento rápido dos níveis séricos de aminotransferases.

Deve-se ter especial cuidado quando se administram análogos nucleosídeos a qualquer doente (sobretudo mulheres obesas) com hepatomegália, hepatite ou outros factores de risco conhecidos para doença hepática e esteatose hepática (incluindo determinados medicamentos e álcool). Doentes co-infectados pelo vírus da hepatite C e tratados com interferão alfa e ribavirina podem constituir um risco especial.

Doentes com risco acrescido devem ser cuidadosamente monitorizados.

Lipodistrofia: A terapêutica de associação de anti-retrovirais, em doentes infectados por VIH foi associada com a redistribuição do tecido adiposo corporal (lipodistrofia). As consequências a longo prazo destes efeitos são actualmente desconhecidas. O conhecimento sobre o mecanismo subjacente é incompleto. Foi colocada a hipótese de existir uma relação entre a lipomatose visceral e os inibidores da protease, a lipoatrofia e os análogos nucleosídeos inibidores da transcriptase reversa. Um risco acrescido de lipodistrofia foi associado a factores individuais, tais como idade avançada, e a factores relacionados com o fármaco, como a longa duração da terapêutica anti-retroviral e as perturbações metabólicas associadas. O exame clínico deve incluir a avaliação dos sinais físicos de redistribuição do tecido adiposo. Deverá considerar-se a medição dos níveis de lípidos séricos e da glicemia em jejum. As alterações lipídicas devem ser tratadas de modo clinicamente adequado (ver secção 4.8).

O tenofovir está estruturalmente relacionado com os análogos nucleosídeos pelo que o risco de lipodistrofia não pode ser excluído. Contudo, os dados clínicos de doentes sem terapêutica anti-retroviral prévia às 144 semanas indicam que o risco de lipodistrofia foi mais baixo com o tenofovir disoproxil fumarato do que com a estavudina quando administrados com lamivudina e efavirenz.

6

Disfunção mitocondrial: Os análogos nucleosídeos e nucleótidos demonstraram causar, in vitro e in vivo, lesões mitocondriais de grau variável. Têm sido descritos casos de disfunção mitocondrial em lactentes VIH negativos expostos a análogos nucleosídeos in utero e/ou após o nascimento. As principais reacções adversas notificadas são alterações hematológicas (anemia, neutropenia), alterações metabólicas (hiperlactatemia, hiperlipasémia). Estes acontecimentos são geralmente transitórios. Foram notificadas algumas alterações neurológicas de início tardio (hipertonia, convulsões, comportamento anormal). Desconhece-se actualmente, se as alterações neurológicas são transitórias ou permanentes. Qualquer criança exposta in utero a análogos nucleosídeos e nucleótidos, mesmo crianças VIH negativas, deverá ter seguimento clínico e laboratorial e em caso de sinais e sintomas relevantes deve ser investigada quanto à possibilidade de disfunção mitocondrial. Estes resultados não alteram as recomendações nacionais actuais sobre a utilização de terapêutica anti-retroviral em mulheres grávidas, para prevenir a transmissão vertical do VIH.

Síndrome de Reactivação Imunológica: Em doentes infectados por VIH com deficiência imunológica grave à data da instituição da terapêutica anti-retroviral combinada (TARC), pode ocorrer uma reacção inflamatória a infecções oportunistas assintomáticas ou residuais e causar várias situações clínicas graves, ou o agravamento dos sintomas. Tipicamente, estas reacções foram observadas durante as primeiras semanas ou meses após início da TARC. São exemplos relevantes a retinite por citomegalovírus, as infecções micobacterianas generalizadas e/ou focais e a pneumonia por Pneumocystis jirovecii. Qualquer sintoma de inflamação deve ser avaliado e, quando necessário, instituído o tratamento.

Em doentes infectados por VIH co-infectados pelo vírus da hepatite B pode ocorrer exacerbação aguda de hepatite associada à síndrome de reactivação imunológica após o início do tratamento anti-retroviral.

Osteonecrose: Foram notificados casos de osteonecrose, particularmente em doentes com doença por VIH avançada e/ou exposição prolongada a terapêutica anti-retroviral combinada (TARC), apesar da etiologia ser considerada multifactorial (incluindo a utilização de corticosteróides, o consumo de álcool, a imunossupressão grave, um índice de massa corporal aumentado). Os doentes devem ser instruídos a procurar aconselhamento médico caso sintam mal-estar e dor articular, rigidez articular ou dificuldade de movimentos.

Idosos: Truvada não foi estudado em doentes com idade superior a 65 anos. Os doentes idosos são mais susceptíveis de apresentar a função renal diminuída, portanto, o tratamento de doentes idosos com Truvada deve ser efectuado com precaução.

Truvada contém lactose mono-hidratada. Portanto, os doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência em lactase de Lapp, ou má absorção de glucose-galactose não devem tomar este medicamento.

  • 4.5 Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

Uma vez que Truvada contém emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato, as interacções que foram identificadas com estes medicamentos individualmente podem ocorrer com Truvada. Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.

A farmacocinética no estado estacionário da emtricitabina e tenofovir não foi afectadas quando a emtricitabina e o tenofovir disoproxil fumarato foram administrados em associação comparativamente a cada medicamento administrado isoladamente.

Os estudos de interacção farmacocinética in vitro e clínica demonstraram que o potencial para interacções mediadas pelo CYP450, envolvendo a emtricitabina e o tenofovir disoproxil fumarato com outros medicamentos, é baixo.

7

Utilização concomitante não recomendada:

Devido a semelhanças com a emtricitabina, Truvada não deve ser administrado concomitantemente com outros análogos da citidina, tais como a lamivudina (ver secção 4.4).

Truvada, como associação fixa, não deve ser administrado concomitantemente com outros medicamentos que contenham qualquer um dos componentes, emtricitabina ou tenofovir disoproxil fumarato.

Truvada não deve ser administrado concomitantemente com adefovir dipivoxil.

Didanosina: A co-administração de Truvada e didanosina não é recomendada (ver secção 4.4 e a Tabela 1).

Medicamentos eliminados por via renal: Uma vez que a emtricitabina e o tenofovir são excretados principalmente pelos rins, a co-administração de Truvada com medicamentos que reduzem a função renal ou competem pela secreção tubular activa (ex. cidofovir) poderá aumentar as concentrações séricas da emtricitabina e do tenofovir e/ou dos medicamentos administrados concomitantemente.

A utilização de Truvada deve ser evitada concomitantemente ou pouco tempo após a utilização de medicamentos nefrotóxicos. Alguns exemplos destes medicamentos incluem, mas não se limitam a, aminoglicosídeos, anfotericina B, foscarneto, ganciclovir, pentamidina, vancomicina, cidofovir ou interleucina-2 (ver secção 4.4).

Outras interacções:

As interacções entre os componentes de Truvada e inibidores da protease e inibidores nucleosídeos da transcriptase reversa, estão indicadas na Tabela 1 abaixo (um aumento é indicado como “”, uma diminuição como “”, sem alteração como “”, duas vezes por dia como “b.i.d.” e uma vez por dia como “q.d.”). Se disponíveis, os intervalos de confiança de 90% são indicados entre parênteses.

Tabela 1: Interacções entre os componentes individuais de Truvada e outros medicamentos

Medicamento por áreas terapêuticas

Efeitos sobre os níveis dos fármacos Alteração média em percentagem das AUC, C max , C min com intervalos de confiança de 90% se disponíveis (mecanismo)

Recomendação respeitante à co-administração com Truvada (emtricitabina 200 mg, tenofovir disoproxil fumarato 300 mg)

ANTI-INFECCIOSOS

Anti-retrovirais

Inibidores da protease

Atazanavir/Ritonavir/Tenofovir

Atazanavir:

Não é recomendado ajuste

disoproxil fumarato (300 mg q.d./100 mg q.d./300 mg q.d.)

AUC: 25% (42 a 3) C max : 28% (50 a 5) C min : 26% (46 a 10)

posológico. O aumento da exposição do tenofovir pode potenciar os acontecimentos

Tenofovir:

adversos associados ao tenofovir, incluindo doenças

AUC: 37% C max : 34%

renais. A função renal deverá ser cuidadosamente

C min : 29%

monitorizada (ver secção 4.4).

Atazanavir/Ritonavir/Emtricitabina

Interacção não estudada.

8

Darunavir/Ritonavir/Tenofovir

Darunavir:

Não é recomendado ajuste

disoproxil fumarato (300 mg q.d./100 mg q.d./300 mg

AUC: C min :

posológico. O aumento da exposição do tenofovir pode

q.d.)

Tenofovir:

potenciar os acontecimentos adversos associados ao

AUC: 22% C min : 37%

tenofovir, incluindo doenças renais. A função renal deverá

ser cuidadosamente

Darunavir/Ritonavir/Emtricitabina

Interacção não estudada.

Lopinavir/Ritonavir/Tenofovir

Lopinavir/Ritonavir:

monitorizada (ver secção 4.4). Não é recomendado ajuste

disoproxil fumarato

AUC:

posológico. O aumento da

(400 mg b.i.d./100 mg b.i.d./300 mg q.d.)

C max : C min :

exposição do tenofovir pode potenciar os acontecimentos

Tenofovir:

adversos associados ao tenofovir, incluindo doenças

AUC: 32% (25 a 38)

renais. A função renal deverá

C max :

ser cuidadosamente

C min : 51% (37 a 66)

monitorizada (ver secção 4.4).

Lopinavir/Ritonavir/Emtricitabina

Interacção não estudada.

NRTIs

Didanosina/Tenofovir disoproxil fumarato

A co-administração de tenofovir disoproxil fumarato e didanosina resulta num aumento de 40-60% da exposição sistémica à didanosina, o que poderá aumentar o risco para reacções adversas relacionadas com a didanosina. Raramente, foram notificadas pancreatite e acidose láctica, ocasionalmente fatais. A co-administração de tenofovir disoproxil fumarato e didanosina numa dose diária de 400 mg tem sido associada a uma diminuição significativa na contagem de células CD4, possivelmente devido a um aumento da didanosina fosforilada (i.e. activa) por interacção intracelular. A co- administração de uma dose reduzida de 250 mg de didanosina com tenofovir disoproxil fumarato tem sido associada a notificações de taxas elevadas de falência virológica com as várias associações testadas para o tratamento da infecção por

Não se recomenda a co-administração de Truvada e didanosina (ver secção 4.4).

VIH-1.

Didanosina/Emtricitabina

Interacção não estudada.

Estudos conduzidos com outros medicamentos:

Emtricitabina: In vitro, a emtricitabina não inibiu o metabolismo mediado por qualquer uma das seguintes isoformas humanas do CYP450: 1A2, 2A6, 2B6, 2C9, 2C19, 2D6 e 3A4. A emtricitabina

não inibiu a enzima responsável pela glucoronidação.

Não existem interacções farmacocinéticas clinicamente significativas quando a emtricitabina é administrada concomitantemente com indinavir, zidovudina, estavudina ou famciclovir.

9

Tenofovir disoproxil fumarato: A administração concomitante de lamivudina, indinavir, efavirenz, nelfinavir ou saquinavir (ritonavir boosted), metadona, ribavirina, rifampicina, adefovir dipivoxil ou do contraceptivo hormonal norgestimato/etinilestradiol com tenofovir disoproxil fumarato não originou qualquer interacção farmacocinética clinicamente significativa.

Truvada: A administração concomitante de tacrolímus com Truvada não originou qualquer interacção farmacocinética clinicamente significativa.

  • 4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

Uma quantidade moderada de dados em mulheres grávidas (entre 300-1.000 gravidezes expostas) indicam ausência de malformações ou toxicidade fetal/neonatal associadas à emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato. Os estudos da emtricitabina e do tenofovir disoproxil fumarato em animais não indicam toxicidade reprodutiva (ver secção 5.3). Por este motivo, a utilização de Truvada pode ser considerada durante a gravidez, se necessário.

Amamentação

A emtricitabina e o tenofovir são excretados no leite humano. Existe informação insuficiente sobre os

efeitos da emtricitabina e do tenofovir em recém-nascidos/lactentes. Por este motivo, Truvada não deve ser utilizada durante a amamentação.

Como regra geral, recomenda-se que as mulheres infectadas por VIH não amamentem, em qualquer circunstância, para evitar a transmissão de VIH à criança.

Fertilidade

Não existem dados disponíveis sobre o efeito de Truvada em humanos. Os estudos em animais não

indicam efeitos nefastos de emtricitabina ou tenofovir disoproxil fumarato sobre a fertilidade.

  • 4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas. No entanto, os doentes devem ser informados que foram descritas tonturas durante o tratamento com emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato.

  • 4.8 Efeitos indesejáveis

a. Resumo do perfil de segurança

As reacções adversas notificadas mais frequentemente, consideradas como possível ou provavelmente relacionadas com emtricitabina e/ou tenofovir disoproxil fumarato, foram náuseas (12%) e diarreia (7%) num ensaio clínico aberto aleatorizado (GS-01-934, ver secção 5.1). O perfil de segurança de

emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato neste estudo foi consistente com a experiência anterior com estes fármacos quando cada um foi administrado com outros fármacos anti-retrovirais.

Foram notificados acontecimentos raros de compromisso renal, insuficiência renal e tubulopatia renal proximal (incluindo síndroma de Fanconi), por vezes conduzindo a anomalias ósseas (contribuindo infrequentemente para fracturas), em doentes a tomar tenofovir disoproxil fumarato. A monitorização da função renal é recomendada em doentes a tomar Truvada (ver secção 4.4).

A acidose láctica, hepatomegália grave com esteatose e a lipodistrofia estão associadas ao tenofovir disoproxil fumarato e emtricitabina (ver secções 4.4 e 4.8c).

A administração concomitante de tenofovir disoproxil fumarato e didanosina não é recomendada, uma vez que pode resultar num aumento do risco de reacções adversas (ver secção 4.5). Raramente, foram notificadas pancreatite e acidose láctica, ocasionalmente fatais (ver secção 4.4).

10

A interrupção do tratamento com Truvada em doentes co-infectados por VIH e VHB pode estar associada a exacerbações agudas graves de hepatite (ver secção 4.4).

b. Resumo tabulado das reacções adversas As reacções adversas consideradas como no mínimo possivelmente relacionadas com o tratamento com os componentes de Truvada descritas a partir da experiência obtida em ensaio clínico e pós-comercialização, estão listadas na Tabela 2, abaixo, por classes de sistemas de órgãos e frequência. Os efeitos indesejáveis são apresentados por ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência. As frequências são definidas como muito frequentes (1/10), frequentes (1/100, < 1/10), pouco frequentes (1/1.000, < 1/100) ou raros (1/10.000, < 1/1.000).

Tabela 2: Resumo tabulado das reacções adversas associadas aos componentes individuais de Truvada baseado em estudo clínico e experiência de pós-comercialização

Frequência

Emtricitabina

Tenofovir disoproxil fumarato

Doenças do sangue e do sistema linfático:

 

Frequentes:

neutropenia

 

Pouco frequentes:

anemia 3

 

Doenças do sistema imunitário:

Frequentes:

reacção alérgica

 

Doenças do metabolismo e da nutrição:

 

Muito frequentes:

 

hipofosfatemia 1

Frequentes:

hiperglicemia, hipertrigliceridemia

 

Pouco frequentes:

   

Raros:

 

hipocaliemia 1 acidose láctica 2

Perturbações do foro psiquiátrico:

Frequentes:

insónia, sonhos anormais

 

Doenças do sistema nervoso:

Muito frequentes:

cefaleias

tonturas

Frequentes:

tonturas

cefaleias

Doenças gastrointestinais:

Muito frequentes:

diarreia, náuseas

diarreia, vómitos, náuseas

Frequentes:

elevação da amilase incluindo elevação da amilase pancreática, elevação da lipase sérica, vómitos, dor abdominal, dispepsia

dor abdominal, distensão abdominal, flatulência

Pouco frequentes:

 

pancreatite 2

Afecções hepatobiliares:

Frequentes:

elevação da aspartato aminotransferase sérica (AST) e/ou da alanina aminotransferase (ALT), hiperbilirrubinemia

elevação das transaminases

Raros:

 

esteatose hepática 2 , hepatite

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:

 

Muito frequentes:

 

erupção cutânea

Frequentes:

erupção cutânea vesicular, erupção cutânea pustular, erupção cutânea maculopapular, erupção cutânea, prurido, urticária, alterações da pigmentação cutânea

 

Pouco frequentes:

(hiperpigmentação) 3 angioedema 4

 

Raros:

 

angioedema

11

Afecções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos:

 

Muito frequentes:

elevação da creatina cinase

 

Pouco frequentes:

   

Raros:

 

rabdomiólise 1 , fraqueza muscular 1 osteomalacia (manifestada como dores ósseas e contribuindo infrequentemente para fracturas) 1,4 , miopatia 1

Doenças renais e urinárias:

Pouco frequentes:

   

Raros:

 

elevação da creatinina, proteinúria insuficiência renal (aguda e crónica), necrose tubular aguda, tubulopatia renal proximal incluindo síndrome de Fanconi, nefrite (incluindo nefrite intersticial aguda) 4 , diabetes insípida nefrogénica

Perturbações gerais e alterações no local de administração:

 

Muito frequentes:

 

astenia

Frequentes:

dor, astenia

 
  • 1 Esta reacção adversa pode ocorrer como consequência de tubulopatia renal proximal. Não se considera associada de forma causal ao tenofovir disoproxil fumarato na ausência desta condição.

  • 2 Ver secção c. Descrição de reacções adversas seleccionadas para mais detalhes.

  • 3 Quando a emtricitabina foi administrada a doentes pediátricos, a anemia foi frequente e a alteração da pigmentação cutânea (hiperpigmentação) foi muito frequente.

  • 4 Esta reacção adversa foi identificada através da vigilância pós-comercialização mas não foi observada em ensaios clínicos controlados aleatorizados em adultos ou em ensaios clínicos em pediatria VIH com a emtricitabina ou em ensaios clínicos controlados aleatorizados ou no programa de acesso alargado para o tenofovir disoproxil fumarato. As categorias de frequência foram estimadas a partir de um cálculo estatístico baseado no número total de doentes expostos à emtricitabina nos ensaios clínicos controlados aleatorizados (n=1.563) ou ao tenofovir disoproxil fumarato nos ensaios clínicos controlados aleatorizados e no programa de acesso alargado (n=7.319).

c. Descrição de reacções adversas seleccionadas Compromisso renal: Como Truvada pode causar lesão renal, é recomendada a monitorização da função renal (ver secções 4.4 e 4.8a).

Interacção com didanosina: A administração concomitante de tenofovir disoproxil fumarato e didanosina não é recomendada pois resulta num aumento de 40-60% da exposição sistémica à didanosina o que poderá aumentar o risco para reacções adversas relacionadas com a didanosina (ver secção 4.5).Raramente, foram notificadas pancreatite e acidose láctica, ocasionalmente fatais.

Lípidos, lipodistrofia e alterações metabólicas: A terapêutica de associação de anti-retrovirais foi associada a alterações metabólicas, tais como hipertrigliceridemia, hipercolesterolemia, resistência à insulina, hiperglicemia e hiperlactatemia (ver secção 4.4).

A terapêutica de associação de anti-retrovirais foi associada à redistribuição do tecido adiposo corporal (lipodistrofia) em doentes infectados por VIH, incluindo a perda da camada adiposa subcutânea periférica e facial, aumento de tecido adiposo intra-abdominal e visceral, hipertrofia mamária e acumulação de gordura dorso-cervical (bossa de búfalo) (ver secção 4.4).

Síndrome de Reactivação Imunológica: Em doentes infectados por VIH com deficiência imunológica grave à data de início da terapêutica anti-retroviral combinada (TARC), pode ocorrer uma reacção inflamatória a infecções oportunistas assintomáticas ou residuais (ver secção 4.4).

Osteonecrose: Foram notificados casos de osteonecrose, particularmente em doentes com factores de risco identificados, doença por VIH avançada ou exposição prolongada a terapêutica anti-retroviral combinada (TARC). A sua frequência é desconhecida (ver secção 4.4).

12

Acidose láctica e hepatomegália grave com esteatose: A acidose láctica, normalmente associada a esteatose hepática, tem sido notificada com a utilização de análogos nucleosídeos. O tratamento com análogos nucleosídeos deve ser interrompido se houver hiperlactatemia sintomática e acidose metabólica/láctica, hepatomegália progressiva ou aumento rápido dos níveis séricos de aminotransferases (ver secção 4.4).

  • d. População pediátrica

Os dados de segurança disponíveis em crianças com idade inferior a 18 anos são insuficientes.

Truvada não é recomendado nesta população (ver secção 4.2).

  • e. Outra(s) população(ões) especial(ais)

Idosos: Truvada não foi estudado em doentes com idade superior a 65 anos. Os doentes idosos são

mais susceptíveis de apresentar a função renal diminuída, portanto, o tratamento de doentes idosos com Truvada deve ser efectuado com precaução (ver secção 4.4).

Doentes com compromisso renal: Como o tenofovir disoproxil fumarato pode causar toxicidade renal, recomenda-se uma monitorização cuidadosa da função renal em qualquer doente com compromisso renal em tratamento com Truvada (ver secções 4.2, 4.4 e 5.2).

Doentes co-infectados por VIH/VHB ou VHC: Apenas um número limitado de doentes estavam co-infectados por VHB (n=13) ou VHC (n=26) no estudo GS-01-934. O perfil das reacções adversas de emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato em doentes co-infectados por VIH/VHB ou VIH/VHC foi idêntico ao observado em doentes infectados por VIH sem co-infecção. No entanto, tal como seria de esperar nesta população de doentes, as elevações da AST e ALT ocorreram com maior frequência do que na generalidade da população infectada por VIH.

Exacerbações de hepatite após interrupção do tratamento: Em doentes infectados por VIH, co-infectados por VHB, após a interrupção da terapêutica ocorreram evidências clínicas e laboratoriais de hepatite (ver secção 4.4).

  • 4.9 Sobredosagem

Se ocorrer sobredosagem, o doente deve ser monitorizado para pesquisa de toxicidade (ver secção 4.8) e, se necessário, deve ser administrada terapêutica de suporte.

A hemodiálise pode remover até 30% da dose de emtricitabina e aproximadamente 10% da dose de tenofovir. Desconhece-se se a emtricitabina ou o tenofovir podem ser eliminados por diálise peritoneal.

  • 5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

    • 5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Antivirais para uso sistémico; antivirais para o tratamento de infecções por VIH, associações. Código ATC: J05AR03

Mecanismo de acção e efeitos farmacodinâmicos: A emtricitabina é um análogo nucleosídeo da citidina. O tenofovir disoproxil fumarato é convertido in vivo em tenofovir, que é um análogo nucleosídeo monofosfatado (nucleótido) do monofosfato de adenosina. Ambos, emtricitabina e tenofovir, têm actividade que é específica para os vírus da imunodeficiência humana (VIH-1 e VIH-2) e vírus da hepatite B.

A emtricitabina e o tenofovir são fosforilados por enzimas celulares para formar a emtricitabina trifosfato e o tenofovir difosfato, respectivamente. Estudos in vitro demonstraram que ambos, emtricitabina e tenofovir, podem ser totalmente fosforilados quando ambos estão presentes nas células.

13

A emtricitabina trifosfato e o tenofovir difosfato inibem competitivamente a transcriptase reversa do VIH-1, por terminação da cadeia de ADN.

Ambos, a emtricitabina trifosfato e o tenofovir difosfato são fracos inibidores das ADN polimerases dos mamíferos e não houve evidência de toxicidade mitocondrial, in vitro e in vivo.

Actividade antiviral in vitro: Uma actividade antiviral sinérgica foi observada, in vitro, com a associação de emtricitabina e tenofovir. Observaram-se efeitos de aditivos a sinérgicos em estudos de associação com inibidores da protease, e com análogos nucleosídeos e não-nucleosídeos inibidores da transcriptase reversa do VIH.

Resistência: Foi observada resistência in vitro e em alguns doentes infectados por VIH-1 devido ao desenvolvimento da mutação M184V/I associada à emtricitabina ou da mutação K65R associada ao tenofovir. Não foram identificados quaisquer outros mecanismos de resistência à emtricitabina ou ao tenofovir. Os vírus com a mutação M184V/I de resistência à emtricitabina apresentaram resistência cruzada à lamivudina, mas mantiveram a sensibilidade à didanosina, estavudina, tenofovir e zidovudina. A mutação K65R pode também ser seleccionada pelo abacavir ou didanosina e resulta numa susceptibilidade reduzida a estes fármacos e à lamivudina, à emtricitabina e ao tenofovir. Em doentes que tenham estirpes de VIH-1 com a mutação K65R deve evitar-se o uso de tenofovir disoproxil fumarato.

Os doentes com estirpes de VIH-1 com 3 ou mais mutações da transcriptase reversa associadas a análogos da timidina (TAMs) que incluíam quer a M41L ou L210W apresentaram susceptibilidade reduzida ao tenofovir disoproxil fumarato.

Resistência in vivo (doentes sem terapêutica anti-retroviral prévia): Num estudo clínico aberto aleatorizado (GS-01-934) em doentes sem terapêutica anti-retroviral prévia, foi efectuada uma genotipagem em isolados do VIH-1 plasmático de todos os doentes com ARN VIH > 400 cópias/ml confirmado às semanas 48, 96 ou 144 ou no momento da interrupção precoce do medicamento em estudo. À semana 144:

A mutação M184V/I desenvolveu-se em 2/19 (10,5%) dos isolados analisados de doentes no

grupo de emtricitabina/tenofovir disoproxil fumarato/efavirenz e em 10/29 (34,5%) dos isolados analisados do grupo de lamivudina/zidovudina/efavirenz (p < 0,05, Teste Exacto de Fisher comparando o grupo de emtricitabina+tenofovir disoproxil fumarato ao grupo de lamivudina/zidovudina entre todos os indivíduos). Nenhum vírus analisado continha a mutação K65R.

Desenvolveu-se resistência genotípica ao efavirenz, predominantemente a mutação K103N, no vírus de 13/19 (68%) doentes no grupo de emtricitabina/tenofovir disoproxil fumarato/efavirenz e no vírus de 21/29 (72%) doentes no grupo comparativo.

Eficácia e segurança clínicas: Num estudo clínico aberto aleatorizado (GS-01-934), doentes sem terapêutica anti-retroviral prévia infectados por VIH-1 receberam ou um regime de emtricitabina, tenofovir disoproxil fumarato e efavirenz uma vez ao dia (n=255) ou uma associação de dose fixa de lamivudina e zidovudina (Combivir) administrada duas vezes ao dia e efavirenz uma vez ao dia (n=254). Os doentes no grupo de emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato receberam Truvada e efavirenz desde a semana 96 à semana 144. No início do estudo os grupos aleatorizados tinham um valor mediano de ARN VIH-1 plasmático (5.02 e 5.00 log 10 cópias/ml) e contagem de células CD4 (233 e 241 células/mm 3 ) semelhantes. O objectivo de eficácia primário para este estudo foi o alcance e manutenção de concentrações confirmadas de ARN VIH-1 < 400 cópias/ml ao longo das 48 semanas. Análises secundárias de eficácia ao longo das 144 semanas incluíram a proporção de doentes com concentrações de ARN VIH-1 < 400 ou < 50 cópias/ml e alterações dos valores iniciais na contagem de células CD4.

Os dados do objectivo primário às 48 semanas revelaram que a associação de emtricitabina, tenofovir disoproxil fumarato e efavirenz apresentou eficácia antiviral superior quando comparada com a

14

associação fixa de lamivudina e zidovudina (Combivir) com efavirenz como demonstrado na Tabela 3. Os dados do objectivo secundário às 144 semanas estão igualmente apresentados na Tabela 3.

Tabela 3: Dados de eficácia às 48 e 144 semanas do estudo GS-01-934 no qual a emtricitabina, tenofovir disoproxil fumarato e efavirenz foram administrados em doentes sem terapêutica anti- retroviral prévia com infecção por VIH-1

 

GS-01-934

GS-01-934

Tratamento para 48 semanas

Tratamento para 144 semanas

 

Emtricitabina+

Lamivudina+

Emtricitabina+

Lamivudina+

tenofovir disoproxil

zidovudina+efavirenz

tenofovir disoproxil

zidovudina+efavirenz

fumarato+efavirenz

fumarato+efavirenz*

ARN VIH-1 < 400 cópias/ml

84% (206/244)

73% (177/243)

71% (161/227)

58% (133/229)

(TPRV) Valor p

0,002**

 

0,004**

% da diferença (IC 95%)

11% (4% a 19%)

13% (4% a 22%)

ARN VIH-1 < 50 cópias/ml

80% (194/244)

70% (171/243)

64% (146/227)

56% (130/231)

(TPRV) Valor p

0,021**

 

0,082**

% diferença

9% (2% a 17%)

8% (-1% a 17%)

(IC 95%) Mudança média no valor inicial da contagem de células CD4

+190

+158

+312

+271

(células/mm 3 ) Valor p

0,002 a

 

0,089 a

Diferença

32 (9 a 55)

 

41 (4 a 79)

(IC 95%)

 

*

Doentes a receber emtricitabina, tenofovir disoproxil fumarato e efavirenz receberam Truvada e efavirenz desde a semana 96 à semana 144

** Valor p baseado no teste de Cochran-Mantel-Haenszel estratificado para contagem de células CD4 no início do estudo TPRV = Tempo de Perda de Resposta Virológica

a:

Teste de Van Elteren

Num outro estudo clínico aleatorizado (M02-418), cento e noventa adultos sem terapêutica anti-retroviral prévia receberam também terapêutica com emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato, uma vez por dia, em associação com lopinavir/ritonavir tomado uma ou duas vezes por dia. Às 48 semanas, 70% e 64% dos doentes apresentaram ARN VIH-1 < 50 cópias/ml com os regimes diários de lopinavir/ritonavir uma e duas vezes por dia, respectivamente. As alterações médias na contagem inicial de células CD4 foram de +185 células/mm 3 e +196 células/mm 3 com os regimes diários de lopinavir/ritonavir uma e duas vezes por dia, respectivamente.

Experiência clínica limitada em doentes co-infectados por VIH e VHB sugerem que o tratamento com emtricitabina ou tenofovir disoproxil fumarato em terapêutica de associação de anti-retrovirais para controlar a infecção por VIH também resulta numa redução de ADN-VHB (redução de 3 log 10 ou redução de 4 a 5 log 10 , respectivamente) (ver secção 4.4).

População pediátrica: A segurança e eficácia de Truvada em crianças com idade inferior a 18 anos de idade não foram estabelecidas.

  • 5.2 Propriedades farmacocinéticas

Absorção: A bioequivalência de um comprimido revestido por película de Truvada com uma cápsula de 200 mg de emtricitabina e um comprimido revestido por película de 245 mg de tenofovir disoproxil fumarato foi estabelecida após a administração de uma dose única em jejum a indivíduos saudáveis.

15

Após administração oral de Truvada, a indivíduos saudáveis, a emtricitabina e o tenofovir disoproxil fumarato são rapidamente absorvidos e o tenofovir disoproxil fumarato é convertido em tenofovir. As concentrações séricas máximas de emtricitabina e de tenofovir são observadas dentro de 0,5 a 3,0 horas após a administração em jejum. A administração de Truvada com os alimentos resultou num acréscimo de aproximadamente três quartos de hora para atingir a concentração máxima de tenofovir e com aumentos da AUC do tenofovir e C max de aproximadamente 35% e 15%, respectivamente, quando administrado com uma refeição rica em lípidos ou com uma refeição ligeira, comparativamente à administração em jejum. Recomenda-se que Truvada seja tomado com alimentos, de modo a optimizar a absorção do tenofovir.

Distribuição: Após a administração intravenosa o volume de distribuição foi aproximadamente de 1,4 l/kg e 800 ml/kg para a emtricitabina e tenofovir, respectivamente. Após administração oral de emtricitabina ou tenofovir disoproxil fumarato, a emtricitabina e o tenofovir são largamente distribuídos no organismo. In vitro, a ligação da emtricitabina às proteínas plasmáticas foi < 4% e independente da concentração dentro do intervalo 0,02 a 200 µg/ml. In vitro, a ligação do tenofovir às proteínas plasmáticas ou às proteínas séricas foi inferior a 0,7 e 7,2%, respectivamente, acima do intervalo de concentração de tenofovir 0,01 a 25 µg/ml.

Biotransformação: O metabolismo da emtricitabina é limitado. A biotransformação da emtricitabina inclui a oxidação da metade tiol para formar os diastereoisómeros 3´-sulfóxido (aproximadamente 9% da dose) e a conjugação com o ácido glucorónico para formar o 2´-O-gluocoronido (aproximadamente 4% da dose). Os estudos in vitro determinaram que nem o tenofovir disoproxil fumarato nem o tenofovir são substratos para as enzimas do CYP450. Nem a emtricitabina nem o tenofovir inibiram in vitro o metabolismo de fármacos mediado por qualquer uma das principais isoformas humanas do CYP450 envolvidas na biotransformação de fármacos. A emtricitabina também não inibiu a uridina-5´-difosfato glucoroniltransferase, a enzima responsável pela glucoronidação.

Eliminação: A emtricitabina é excretada principalmente pelos rins, sendo que aproximadamente 86% da dose foi recuperada na urina e aproximadamente 14% nas fezes. Treze por cento da dose de emtricitabina foi recuperada na urina na forma de três metabolitos. A depuração sistémica da emtricitabina foi, em média, 307 ml/min. O tempo de semi-vida de eliminação da emtricitabina, após administração oral, é de, aproximadamente, 10 horas.

O tenofovir é excretado principalmente pelo rim, por filtração e também pelo sistema de transporte tubular activo sendo aproximadamente 70-80% da dose excretada na forma inalterada na urina após a administração intravenosa. A depuração aparente do tenofovir foi estimada em aproximadamente 307 ml/min. A depuração renal foi estimada como sendo aproximadamente 210 ml/min, a qual excede a taxa de filtração glomerular. Isto indica que a secreção tubular activa é uma parte importante da eliminação do tenofovir. Após a administração oral, o tempo de semi-vida de eliminação do tenofovir é de, aproximadamente, 12 a 18 horas.

Idade: Não foram efectuados estudos farmacocinéticos com emtricitabina ou tenofovir em idosos (com idade superior a 65 anos).

Sexo: A farmacocinética da emtricitabina e do tenofovir é idêntica em doentes do sexo masculino e feminino.

Etnicidade: Não foram identificadas diferenças farmacocinéticas clinicamente importantes relacionadas com a etnicidade para a emtricitabina. A farmacocinética de tenofovir não foi especificamente estudada em diferentes grupos étnicos.

População pediátrica: De um modo geral, a farmacocinética da emtricitabina em lactentes, crianças e adolescentes (com idades compreendidas entre os 4 meses e os 18 anos) é idêntica à verificada em adultos. Não foram efectuados estudos farmacocinéticos com tenofovir em crianças e em adolescentes (com idade inferior a 18 anos).

16

Compromisso renal: Estão disponíveis dados farmacocinéticos limitados para a emtricitabina e para o tenofovir após a administração concomitante das formulações separadas ou na forma de Truvada em doentes com compromisso renal. Os parâmetros farmacocinéticos foram determinados principalmente após a administração de doses únicas de 200 mg de emtricitabina ou 245 mg de tenofovir disoproxil a doentes não infectados por VIH com graus variáveis de compromisso renal. O grau de compromisso renal foi definido de acordo com os níveis basais de depuração da creatinina (ClCr) (função renal normal quando a ClCr > 80 ml/min; compromisso renal ligeiro se ClCr = 50-79 ml/min; compromisso renal moderado se ClCr = 30-49 ml/min e compromisso renal grave se ClCr = 10-29 ml/min).

A exposição média ao fármaco (%CV) emtricitabina aumentou de 12 µg•h/ml (25%) em indivíduos com a função renal normal, para 20 µg•h/ml (6%), 25 µg•h/ml (23%) e 34 µg•h/ml (6%), em doentes com compromisso renal ligeiro, moderado e grave, respectivamente.

A exposição média ao fármaco (%CV) tenofovir aumentou de 2.185 ng•h/ml (12%) em doentes com a função renal normal, para 3.064 ng•h/ml (30%), 6.009 ng•h/ml (42%) e 15.985 ng•h/ml (45%), em doentes com compromisso renal ligeiro, moderado e grave, respectivamente.

Nos doentes com compromisso renal moderado, espera-se que o aumento do intervalo entre doses de Truvada resulte numa concentração máxima plasmática mais elevada e menores níveis de C min , em comparação com doentes com função renal normal. As implicações clínicas resultantes deste facto são desconhecidas.

Em doentes com doença renal em fase terminal (End Stage Renal Disease - ESRD) necessitando de hemodiálise, a exposição aos fármacos entre diálise aumentaram substancialmente durante 72 horas para 53 µg•h/ml (19%) de emtricitabina e, durante 48 horas para 42.857 ng•h/ml (29%) de tenofovir.

Recomenda-se que o intervalo entre doses de Truvada seja modificado em doentes com depuração da creatinina entre 30 e 49 ml/min. Truvada não está aconselhado em doentes com ClCr < 30 ml/min ou em doentes sujeitos a hemodiálise (ver secção 4.2).

Foi realizado um pequeno estudo clínico para avaliar a segurança, actividade antiviral e a farmacocinética do tenofovir disoproxil fumarato em associação com emtricitabina em doentes infectados por VIH com compromisso renal. Um subgrupo de doentes com níveis basais de depuração da creatinina entre 50 e 60 ml/min, com uma administração diária, apresentou um aumento de 2-4 vezes na exposição ao tenofovir e um agravamento da função renal.

Compromisso hepático: A farmacocinética de Truvada não foi estudada em doentes com compromisso hepático. Contudo, é improvável que seja necessário um ajuste posológico de Truvada nos doentes com compromisso hepático.

A farmacocinética da emtricitabina não foi estudada em indivíduos não infectados por VHB com diferentes graus de insuficiência hepática. De um modo geral, a farmacocinética da emtricitabina em indivíduos infectados por VHB foi idêntica à verificada em indivíduos saudáveis e indivíduos infectados por VIH.

Uma dose única de 245 mg de tenofovir disoproxil foi administrada a doentes não infectados por VIH com diferentes graus de compromisso hepático definidos de acordo com a classificação

Child-Pugh-Turcotte (CPT). A farmacocinética do tenofovir não foi substancialmente alterada nos indivíduos com compromisso hepático sugerindo que não é necessário um ajuste da posologia nestes indivíduos. Os valores médios (%CV) da C max e AUC 0- do tenofovir foram 223 ng/ml (34,8%) e 2.050 ng•h/ml (50,8%), respectivamente, em indivíduos normais comparativamente com

  • 289 ng/ml (46,0%) e 2.310 ng•h/ml (43,5%) em indivíduos com compromisso hepático moderado,

  • 305 ng/ml (24,8%) e 2.740 ng•h/ml (44,0%) em indivíduos com compromisso hepático grave.

17

5.3

Dados de segurança pré-clínica

Emtricitabina: Os dados não clínicos com a emtricitabina não revelam riscos especiais para o ser humano, segundo estudos convencionais de farmacologia de segurança, toxicidade de dose repetida, genotoxicidade, potencial carcinogénico e toxicidade reprodutiva e de desenvolvimento.

Tenofovir disoproxil fumarato: Os estudos não clínicos de farmacologia de segurança com tenofovir disoproxil fumarato não revelam riscos especiais para o ser humano. Os estudos de toxicidade de dose repetida em ratos, cães e macacos sujeitos a níveis de exposição superiores ou análogos aos níveis de exposição clínica, e com eventual relevância para a utilização clínica, incluem toxicidade renal e óssea e uma diminuição na concentração sérica de fosfato. A toxicidade óssea foi diagnosticada como osteomalacia (macacos) e redução da densidade mineral óssea (DMO) (ratos e cães). A toxicidade óssea em ratos e cães adultos jovens ocorreu em exposições 5 vezes a exposição em doentes pediátricos ou adultos; a toxicidade óssea ocorreu em macacos jovens infectados em exposições muito elevadas após administração subcutânea (40 vezes a exposição em doentes). As descobertas dos estudos realizados em ratos e em macacos indicam que houve uma diminuição na absorção intestinal de fosfato relacionada com a substância com potencial redução secundária na DMO.

Os estudos de genotoxicidade revelaram resultados positivos no ensaio de célula de linfoma de ratinhos in vitro, resultados equívocos numa das estirpes usadas no teste de Ames e resultados fracamente positivos num teste de UDS em hepatócitos primários do rato. Contudo, os resultados foram negativos num ensaio de micronúcleo de medula óssea do ratinho in vivo.

Os estudos de carcinogenicidade por via oral em ratos e ratinhos apenas revelaram uma baixa incidência de tumores duodenais numa dose extremamente alta em ratinhos. Estes tumores não são, provavelmente, relevantes para os humanos.

Os estudos de toxicidade reprodutiva em ratos e coelhos não demonstraram alterações nos parâmetros de acasalamento, fertilidade, gravidez ou nos parâmetros fetais. No entanto, o tenofovir disoproxil fumarato reduziu o índice de viabilidade e o peso das crias em estudos de toxicidade peri- e pós-natal a doses tóxicas para o animal materno.

Associação de emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato: Os estudos de genotoxicidade e de toxicidade de dose repetida com um mês ou menos efectuados com a associação destes dois componentes não revelaram nenhuma exacerbação dos efeitos toxicológicos, em comparação com os estudos dos componentes separados.

  • 6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

    • 6.1 Lista dos excipientes

Núcleo do comprimido:

Croscarmelose sódica Lactose mono-hidratada Estearato de magnésio (E572) Celulose microcristalina (E460) Amido pré-gelificado (sem glúten)

Película de revestimento:

Triacetato de glicerol (E1518) Hipromelose (E464) Laca de alumínio indigotina (E132)

Lactose mono-hidratada Dióxido de titânio (E171)

18

6.2

Incompatibilidades

Não aplicável.

  • 6.3 Prazo de validade

4 anos

  • 6.4 Precauções especiais de conservação

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade. Manter o frasco bem fechado.

  • 6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Frasco de polietileno de alta densidade (PEAD) com um fecho de polipropileno resistente à abertura por crianças contendo 30 comprimidos revestidos por película e um exsicante de sílica gel.

Estão disponíveis as seguintes apresentações: embalagens contendo 1 frasco de 30 comprimidos revestidos por película e 3 frascos de 30 comprimidos revestidos por película. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

  • 6.6 Precauções especiais de eliminação

Os produtos não utilizados ou os resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais.

7.

TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Gilead Sciences International Limited Cambridge CB21 6GT Reino Unido

8.

NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/04/305/001

EU/1/04/305/002

9.

DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 21 de Fevereiro de 2005 Data da última renovação: 20 de Janeiro de 2010

  • 10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Informação pormenorizada sobre este medicamento está disponível na Internet no site da Agência Europeia de Medicamentos http://www.ema.europa.eu

19

ANEXO II

  • A. TITULAR(ES) DA AUTORIZAÇÃO DE FABRICO RESPONSÁVEL(VEIS) PELA LIBERTAÇÃO DO LOTE

  • B. CONDIÇÕES DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

20

  • A. TITULAR(ES) DA AUTORIZAÇÃO DE FABRICO RESPONSÁVEL(VEIS) PELA LIBERTAÇÃO DO LOTE

Nome e endereço do(s) fabricante(s) responsável(veis) pela libertação do lote

Gilead Sciences Limited, IDA Business & Technology Park, Carrigtohill, County Cork, Irlanda

O folheto informativo que acompanha o medicamento deve mencionar o nome e endereço do fabricante responsável pela libertação do lote em causa.

  • B. CONDIÇÕES DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RELATIVAS AO FORNECIMENTO E UTILIZAÇÃO IMPOSTAS AO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Medicamento de receita médica restrita, de utilização reservada a certos meios especializados (ver anexo I: Resumo das Características do Medicamento, secção 4.2).

CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RELATIVAS À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO

Não aplicável.

OUTRAS CONDIÇÕES

O titular desta autorização de introdução no mercado deve informar a Comissão Europeia sobre os planos de comercialização do medicamento autorizado pela presente decisão.

Sistema de farmacovigilância O Titular da Autorização de Introdução no Mercado deve assegurar que o sistema de farmacovigilância, apresentado no Módulo 1.8.1 da Autorização de Introdução no Mercado, está implementado e em funcionamento antes e enquanto o produto estiver no mercado.

Plano de Gestão do Risco O Titular da Autorização de Introdução no Mercado compromete-se a efectuar os estudos e as actividades de farmacovigilância adicionais detalhadas no Plano de Farmacovigilância, tal como acordado na versão 4.0 do Plano de Gestão do Risco (PGR) apresentado no Módulo 1.8.2 da Autorização de Introdução no Mercado, assim como todas as actualizações subsequentes do PGR acordadas pelo CHMP.

De acordo com a Norma Orientadora do CHMP sobre Sistemas de Gestão do Risco para medicamentos de uso humano, a actualização do PGR deve ser submetida ao mesmo tempo que o Relatório Periódico de Segurança (RPS) seguinte.

Além disso, deve ser submetido um PGR actualizado Quando for recebida nova informação que possa ter impacto nas actuais Especificações de Segurança, no Plano de Farmacovigilância ou nas actividades de minimização do risco No período de 60 dias após ter sido atingido um objectivo importante (farmacovigilância ou minimização do risco)

A pedido da Agência Europeia de Medicamentos.

RPSs O Titular da Autorização de Introdução no Mercado irá submeter Relatórios Periódicos de Segurança anualmente.

21

ANEXO III

ROTULAGEM E FOLHETO INFORMATIVO

22

A. ROTULAGEM

INDICAÇÕES A INCLUIR NO ACONDICIONAMENTO SECUNDÁRIO E NO ACONDICIONAMENTO PRIMÁRIO ROTULAGEM DO FRASCO E DA EMBALAGEM

INDICAÇÕES A INCLUIR NO ACONDICIONAMENTO SECUNDÁRIO E NO ACONDICIONAMENTO PRIMÁRIO

INDICAÇÕES A INCLUIR NO ACONDICIONAMENTO SECUNDÁRIO E NO ACONDICIONAMENTO PRIMÁRIO ROTULAGEM DO FRASCO E DA EMBALAGEM

ROTULAGEM DO FRASCO E DA EMBALAGEM

  • 1. NOME DO MEDICAMENTO

Truvada 200 mg/245 mg comprimidos revestidos por película Emtricitabina/tenofovir disoproxil

  • 2. DESCRIÇÃO DA(S) SUBSTÂNCIA(S) ACTIVA(S)

Cada comprimido revestido por película contém 200 mg de emtricitabina e 245 mg de tenofovir disoproxil (equivalente a 300 mg de tenofovir disoproxil fumarato ou 136 mg de tenofovir).

  • 3. LISTA DOS EXCIPIENTES

Contém lactose mono-hidratada, consulte o folheto informativo para mais informação.

  • 4. FORMA FARMACÊUTICA E CONTEÚDO

30 comprimidos revestidos por película.

3 x 30 comprimidos revestidos por película.

  • 5. MODO E VIA(S) DE ADMINISTRAÇÃO

Via oral.

Consultar o folheto informativo antes de utilizar

  • 6. ADVERTÊNCIA ESPECIAL DE QUE O MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE E DA VISTA DAS CRIANÇAS

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

  • 7. OUTRAS ADVERTÊNCIAS ESPECIAIS, SE NECESSÁRIO

  • 8. PRAZO DE VALIDADE

VAL.

  • 9. CONDIÇÕES ESPECIAIS DE CONSERVAÇÃO

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade. Manter o frasco bem fechado.

24

10.

CUIDADOS ESPECIAIS QUANTO À ELIMINAÇÃO DO MEDICAMENTO NÃO UTILIZADO OU DOS RESÍDUOS PROVENIENTES DESSE MEDICAMENTO, SE APLICÁVEL

  • 11. NOME E ENDEREÇO DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Gilead Sciences Intl Ltd Cambridge CB21 6GT Reino Unido

  • 12. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/04/305/001

30 comprimidos revestidos por película

 

EU/1/04/305/002 3 x 30 comprimidos revestidos por película

  • 13. NÚMERO DO LOTE

Lote

  • 14. CLASSIFICAÇÃO QUANTO À DISPENSA AO PÚBLICO

Medicamento sujeito a receita médica.

  • 15. INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO

  • 16. INFORMAÇÃO EM BRAILLE

Truvada

[Apenas no acondicionamento secundário]

25

B. FOLHETO INFORMATIVO

26

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Truvada 200 mg/245 mg comprimidos revestidos por película

Emtricitabina/tenofovir disoproxil

Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

  • - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.

  • - Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.

  • - Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.

  • - Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Neste folheto:

  • 1. O que é Truvada e para que é utilizado

  • 2. Antes de tomar Truvada

  • 3. Como tomar Truvada

  • 4. Efeitos secundários possíveis

  • 5. Como conservar Truvada

  • 6. Outras informações

  • 1. O QUE É TRUVADA E PARA QUE É UTILIZADO

Truvada é utilizado para tratamento da infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) em adultos com 18 anos de idade ou mais.

Truvada contém duas substâncias activas, emtricitabina e tenofovir disoproxil. Estas substâncias activas são ambas fármacos anti-retrovirais utilizados para tratar a infecção por VIH. A emtricitabina é um análogo nucleosídeo inibidor da transcriptase reversa e o tenofovir é um análogo nucleótido inibidor da transcriptase reversa. No entanto, ambos são geralmente conhecidos como análogos nucleosídeos inibidores da transcriptase reversa e eles actuam interferindo com a actividade normal de uma enzima (transcriptase reversa) que é fundamental para que o vírus se possa reproduzir. Truvada deve ser sempre utilizado em associação com outros medicamentos para tratar a infecção por VIH. Truvada pode ser administrado em vez da emtricitabina e do tenofovir disoproxil em separado utilizados nas mesmas doses.

Este medicamento não é uma cura para a infecção por VIH. Enquanto tomar Truvada pode desenvolver, na mesma, infecções ou outras doenças associadas com a infecção por VIH. Poderá também transmitir o VIH a outros, portanto, é importante tomar precauções adequadas para evitar infectar outras pessoas.

  • 2. ANTES DE TOMAR TRUVADA

Não tome Truvada

Se tem alergia (hipersensibilidade) à emtricitabina, ao tenofovir, ao tenofovir disoproxil fumarato, ou a qualquer outro componente de Truvada descrito no fim deste folheto.

Caso isto se aplique a si, informe imediatamente o seu médico.

Tome especial cuidado com Truvada

Se tiver tido uma doença nos rins, ou se as análises tiverem apresentado alterações relativas aos seus rins, informe o seu médico. Truvada pode afectar os seus rins. Antes de

27

iniciar o tratamento, o seu médico pode pedir-lhe análises ao sangue para avaliar a função dos seus rins. O seu médico também pode pedir-lhe análises ao sangue durante o tratamento, para verificar se os seus rins estão a funcionar correctamente e pode aconselhá-lo a tomar os comprimidos menos frequentemente. Truvada não é recomendado se tem doença renal grave ou se está a fazer hemodiálise.

Truvada não é geralmente tomado com outros medicamentos que possam prejudicar os seus rins (ver Ao tomar Truvada com outros medicamentos). Caso isto seja inevitável, o seu médico irá verificar, uma vez por semana, se os seus rins estão a funcionar correctamente.

Se tem mais de 65 anos, fale com o seu médico. Truvada não foi estudado em doentes com mais de 65 anos de idade. Caso tenha mais de 65 anos e lhe seja receitado Truvada, o seu médico irá observá-lo mais frequentemente.

Truvada não é para administrar em crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade.

Se tem ou tiver tido uma doença no fígado, incluindo hepatite, fale com o seu médico. Os doentes com doença no fígado, incluindo hepatite B ou C crónica, que estejam a ser tratados com medicamentos anti-retrovirais, apresentam um risco superior ao normal de sofrerem complicações graves e potencialmente fatais ao nível do fígado. Se tem hepatite B, o seu médico irá considerar exactamente o melhor regime terapêutico para si. Ambas as substâncias activas de Truvada demonstram alguma actividade contra o vírus da hepatite B apesar da emtricitabina não estar aprovada para o tratamento desta infecção. Se tem antecedentes de uma doença no fígado ou hepatite B crónica, o seu médico pedir-lhe-á análises ao sangue para verificar se o seu fígado está a funcionar correctamente.

Uma vez que esteja já a tomar Truvada, fique atento a possíveis sinais de acidose láctica. Os medicamentos que contenham análogos nucleosídeos, incluindo Truvada, podem causar acidose láctica (excesso de ácido láctico no seu sangue), juntamente com o aumento de tamanho do fígado. Uma respiração rápida e profunda, sonolência, e sintomas não específicos como náuseas, vómitos e dor de estômago, podem indicar o desenvolvimento de acidose láctica. Este efeito secundário raro, mas grave, tem sido ocasionalmente fatal. A acidose láctica ocorre mais frequentemente em mulheres, particularmente se tiverem excesso de peso. Se tem uma doença no fígado pode também estar em maior risco de ocorrência desta situação. Enquanto estiver a ser tratado com Truvada, o seu médico vai observá-lo cuidadosamente para detectar quaisquer sinais de que possa estar a desenvolver acidose láctica.

Outras precauções

As terapêuticas de associação de anti-retrovirais (incluindo Truvada) podem elevar o açúcar no sangue, aumentar as gorduras no sangue (hiperlipidémia), causar alterações da gordura corporal e resistência à insulina (ver secção 4, Efeitos secundários possíveis).

Se é diabético, tem excesso de peso ou tem o colesterol elevado, fale com o seu médico.

Esteja atento a infecções. Se tem infecção avançada por VIH (SIDA) e tem uma infecção, pode desenvolver sintomas de infecção e inflamação ou piorar os sintomas de uma infecção já existente, assim que inicie o tratamento com Truvada. Estes sintomas podem indicar que o seu sistema imunitário está melhor e está a combater a infecção. Esteja atento a sinais de inflamação ou infecção assim que inicie a toma de Truvada. Se se aperceber de sinais de inflamação ou infecção, informe imediatamente o seu médico.

Problemas ósseos. Alguns doentes em terapêutica anti-retroviral combinada podem desenvolver uma doença óssea chamada osteonecrose (morte do tecido ósseo provocada por falta de afluxo de sangue ao osso). A duração da terapêutica anti-retroviral combinada, a utilização de corticosteróides, o

28

consumo de álcool, a imunossupressão grave, um índice de massa corporal aumentado, entre outros, podem ser alguns dos inúmeros factores de risco para o desenvolvimento desta doença. Os sinais de osteonecrose são rigidez, mal-estar e dores nas articulações (especialmente na anca, joelho e ombro) e dificuldade de movimentos. Informe o seu médico se notar qualquer um destes sintomas.

Os problemas ósseos (por vezes resultando em fracturas) podem também ocorrer devido a lesão nas células tubulares do rim (ver secção 4, Efeitos secundários possíveis).

Ao tomar Truvada com outros medicamentos

Não deve tomar Truvada se já estiver a tomar outros medicamentos que contenham os componentes de Truvada, emtricitabina e tenofovir disoproxil fumarato, ou quaisquer outros medicamentos antivirais que contenham lamivudina ou adefovir dipivoxil.

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

É particularmente importante informar o seu médico se estiver a tomar outros medicamentos que possam prejudicar os seus rins.

 

Estes incluem:

 

aminoglicosídeos (para infecções bacterianas)

anfotericina B (para infecções fúngicas)

foscarneto (para infecções virais)

ganciclovir (para infecções virais)

pentamidina (para infecções)

vancomicina (para infecções bacterianas)

interleucina-2 (para tratamento do cancro)

cidofovir (para infecções virais)

Outros medicamentos que contêm didanosina (para infecção por VIH): Tomar Truvada com outros medicamentos antivirais que contêm didanosina pode aumentar os níveis de didanosina no seu sangue e pode reduzir as contagens de células CD4. Foram notificados, raramente, inflamação do pâncreas e acidose láctica (excesso de ácido láctico no sangue), que ocasionalmente causou morte, quando foram tomados em conjunto medicamentos contendo tenofovir disoproxil fumarato e didanosina. O seu médico irá considerar cuidadosamente se deverá tratá-lo com associações de tenofovir e didanosina.

Não interrompa o seu tratamento sem falar primeiro com o seu médico.

Ao tomar Truvada com alimentos e bebidas

Truvada deve ser tomado com alimentos.

Gravidez e aleitamento

Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

Não deverá tomar Truvada durante a gravidez, a menos que especificamente discutido com o seu médico. Apesar de existirem dados clínicos limitados sobre a utilização de Truvada em mulheres grávidas, este não é habitualmente utilizado, a menos que seja absolutamente necessário.

Se é uma mulher com possibilidade de engravidar durante o tratamento com Truvada, deverá utilizar um método contraceptivo eficaz para evitar engravidar.

29

Se engravidar, ou estiver a planear engravidar, consulte o seu médico acerca dos potenciais benefícios e riscos da terapêutica com Truvada para si e para a sua criança.

Se tomou Truvada durante a gravidez, o seu médico pode pedir-lhe para efectuar análises ao sangue e outros testes de diagnóstico regulares para verificar o desenvolvimento da sua criança. Nas crianças cujas mães tomaram análogos nucleosídeos e nucleótidos durante a gravidez, o benefício da menor possibilidade de infecção por VIH é superior ao risco de sofrerem efeitos secundários.

Não deverá amamentar durante o tratamento com Truvada. Isto deve-se ao fato de que as substâncias activas deste medicamento são excretadas no leite humano.

Se é uma mulher infectada por VIH recomenda-se que não amamente para evitar a transmissão do vírus ao bebé através do leite.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Truvada pode causar tonturas. Se sentir tonturas enquanto estiver a tomar Truvada, não conduza e não utilize quaisquer ferramentas ou máquinas.

Informações importantes sobre alguns componentes de Truvada

Se é intolerante à lactose ou a outros açúcares, informe o seu médico. Truvada contém lactose mono-hidratada. Se souber que é intolerante à lactose, ou se foi informado que tem intolerância a alguns açúcares, fale com o seu médico antes de tomar este medicamento.

  • 3. COMO TOMAR TRUVADA

Tomar Truvada sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

A dose habitual:

Adultos: um comprimido por dia com alimentos.

Se tiver dificuldade em engolir, pode desfazer o comprimido com a ajuda de uma colher. Em seguida, dissolva o pó em cerca de 100 ml (meio copo) de água, sumo de laranja ou sumo de uva, e beba imediatamente.

Tomar sempre a dose recomendada pelo seu médico. Isto para ter a certeza que o seu medicamento é totalmente eficaz, e para reduzir o risco de desenvolvimento de resistência ao tratamento. Não altere a dose a menos que o seu médico lhe diga para o fazer.

Se tiver problemas com os seus rins, o seu médico pode aconselhá-lo a tomar Truvada menos frequentemente.

Se o seu médico decidir interromper um dos componentes de Truvada ou alterar a dose de Truvada, pode ser-lhe dado emtricitabina e/ou tenofovir em separado em vez do medicamento em associação ou outros medicamentos para o tratamento da infecção por VIH.

O seu médico irá receitar-lhe Truvada com outros medicamentos anti-retrovirais. Por favor consulte o folheto informativo dos outros medicamentos anti-retrovirais para orientação sobre o modo como tomar esses medicamentos.

30

Se tomar mais Truvada do que deveria

Se acidentalmente tomar mais do que a dose recomendada de Truvada, consulte o seu médico ou aconselhe-se junto do serviço de urgência mais próximo. Mantenha o frasco de comprimidos consigo para que facilmente possa descrever o que tomou.

Caso se tenha esquecido de tomar Truvada

É importante que não falhe nenhuma dose de Truvada.

Caso se tenha esquecido de tomar uma dose de Truvada no período de 12 horas após a hora em que é habitualmente tomada, tome-a o mais rapidamente possível, e depois tome a sua dose seguinte à hora do costume.

Se for já quase hora (menos de 12 horas) da sua próxima dose, não tome a dose que falhou. Espere e tome a dose seguinte à hora do costume. Não tome uma dose a dobrar para compensar um comprimido que se esqueceu de tomar.

Se vomitar em menos de 1 hora após a toma de Truvada, tome outro comprimido. Não terá de tomar outro comprimido se tiver vomitado após 1 hora da toma de Truvada.

Se parar de tomar Truvada

Parar o tratamento com Truvada pode resultar numa diminuição da eficácia da terapêutica anti-VIH recomendada pelo seu médico. Fale com o seu médico antes de parar de tomar Truvada por qualquer razão, particularmente se detectar alguns efeitos secundários ou tiver qualquer outra doença. Consulte o seu médico antes de voltar a tomar Truvada em comprimidos.

Se tiver infecção por VIH e hepatite B, é particularmente importante não parar o tratamento com Truvada sem previamente consultar o seu médico. Alguns doentes apresentaram análises ao sangue ou sintomas indicativos de que a sua hepatite tinha agravado após interrupção do tratamento com Truvada. Pode necessitar de análises ao sangue durante vários meses após interrupção do tratamento. Em alguns doentes com doença hepática (do fígado) avançada ou cirrose, a interrupção do tratamento não é recomendada, uma vez que pode levar a um agravamento da sua hepatite.

Informe imediatamente o seu médico se surgirem quaisquer sintomas novos ou pouco habituais após parar o tratamento, particularmente sintomas que associaria à sua hepatite B.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico ou farmacêutico.

  • 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS

Como todos os medicamentos, Truvada pode causar efeitos secundários, no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

Informe o seu médico acerca de qualquer um dos seguintes efeitos secundários:

Efeitos secundários muito frequentes

(Efeitos que ocorrem em pelo menos 10 doentes em cada 100 tratados)

diarreia, estar enjoado (vómitos), sentir-se enjoado (náuseas), tonturas, dor de cabeça, erupção cutânea

31

fraqueza, fraqueza muscular (se os níveis de creatina cinase no sangue estiverem aumentados)

As análises também podem revelar:

diminuição do fosfato no sangue

Efeitos secundários frequentes

(Efeitos que ocorrem em 1 a 10 doentes em cada 100 tratados)

dor, dor de estômago

dificuldade em dormir, sonhos anormais

problemas digestivos que podem resultar em desconforto após as refeições, enfartamento,

flatulência erupções cutâneas (incluindo manchas vermelhas ou pústulas algumas vezes com bolhas e

inchaço da pele), que podem ser reacções alérgicas, comichão, alterações na cor da pele incluindo escurecimento da pele em manchas outras reacções alérgicas, tais como dificuldade em respirar, inchaço do corpo ou sentir-se confuso

As análises também podem revelar:

baixa de glóbulos brancos (uma diminuição dos seus glóbulos brancos pode torná-lo mais sujeito a infecções)

aumento dos triglicéridos (ácidos gordos), de bílis ou do açúcar no sangue

alterações no fígado e pâncreas

Efeitos secundários pouco frequentes

(Efeitos que ocorrem em pelo menos 1 doente em cada 1.000 tratados, mas menos do que 1 doente em

cada 100 tratados)

anemia (baixa contagem de glóbulos vermelhos).

dor no abdómen (barriga) causada por inflamação do pâncreas

perda de força muscular, dor muscular ou fraqueza muscular

inchaço da face, lábios, língua ou garganta

As análises também podem revelar:

diminuição do potássio no sangue

aumento da creatinina no sangue

alterações na urina

Efeitos secundários raros

(Efeitos que ocorrem em pelo menos 1 doente em cada 10.000 tratados, mas menos do que 1 doente

em cada 1.000 tratados)

acidose láctica (excesso de ácido láctico no sangue) é um efeito secundário grave que pode ser fatal). Os seguintes efeitos secundários podem ser sinais de acidose láctica:

respiração rápida e profunda

sonolência sentir-se enjoado (náuseas), estar enjoado (vómitos) e dor de estômago

Caso pense que possa ter acidose láctica, contacte imediatamente o seu médico.

dor nas costas causadas por problemas de rins, incluindo insuficiência renal. O seu médico pode

fazer-lhe análises ao sangue para verificar se os seus rins estão a funcionar correctamente. fígado gordo

pele ou olhos de cor amarelada, comichão ou dor no abdómen (barriga) causadas por inflamação do fígado

32

inflamação do rim, aumento da quantidade de urina e sentir sede

perda de resistência dos ossos (com dor nos ossos e por vezes resultando em fracturas)

As análises também podem revelar:

lesão nas células tubulares do rim

A perda de força muscular, perda de resistência dos ossos (com dor nos ossos e por vezes resultando em fracturas), dor muscular, fraqueza muscular e diminuição do potássio ou fosfato no sangue podem ocorrer devido a lesão nas células tubulares do rim.

Outros efeitos secundários

Nas crianças, às quais foi administrada a emtricitabina, um dos componentes de Truvada, também ocorreu, frequentemente, anemia (baixa de glóbulos vermelhos), e muito frequentemente, alterações na cor da pele incluindo escurecimento da pele em manchas. Se a produção de glóbulos vermelhos estiver reduzida, a criança pode ter sintomas de fadiga ou dificuldades de respiração.

Truvada pode alterar a forma do seu corpo, devido a alterações na redistribuição da gordura corporal. Estas alterações podem incluir perda da gordura das pernas, dos braços e da cara; aumento da gordura à volta do abdómen (barriga) e dos órgãos internos; aumento do peito e bossas de gordura na parte de trás do pescoço (“bossa de búfalo”). Desconhece-se a causa e os efeitos a longo prazo destas alterações.

Truvada pode também causar hiperlipidémia (aumento da gordura no sangue) e resistência à insulina. O seu médico irá avaliar estas alterações.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

  • 5. COMO CONSERVAR TRUVADA

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize Truvada após o prazo de validade impresso no frasco e na embalagem exterior, após {VAL.}. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade. Manter o frasco bem fechado.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.

  • 6. OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição de Truvada

As substâncias activas são emtricitabina e tenofovir disoproxil. Cada comprimido revestido por película de Truvada contém 200 mg de emtricitabina e 245 mg de tenofovir disoproxil (equivalente a 300 mg de tenofovir disoproxil fumarato ou 136 mg de tenofovir).

Os outros componentes são croscarmelose sódica, triacetato de glicerol (E1518), hipromelose (E464), laca de alumínio indigotina (E132), lactose mono-hidratada, estearato de magnésio (E572), celulose microcristalina (E460), amido pré-gelificado (sem glúten) e dióxido de titânio

(E171).

33

Qual o aspecto de Truvada e conteúdo da embalagem

Truvada comprimidos revestidos por película são comprimidos de cor azul, em forma de cápsula, impressos num lado com a palavra “GILEAD” e no outro lado com o número “701”. Truvada apresenta-se em frascos de 30 comprimidos.

Estão disponíveis as seguintes apresentações: embalagens contendo 1 frasco de 30 comprimidos revestidos por película e 3 frascos de 30 comprimidos revestidos por película. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado:

Gilead Sciences International Limited Cambridge CB21 6GT Reino Unido

Fabricante:

Gilead Sciences Limited IDA Business & Technology Park Carrigtohill County Cork Irlanda

Para quaisquer informações sobre este medicamento, queira contactar o representante local do Titular da Autorização de Introdução no Mercado:

België/Belgique/Belgien

Gilead Sciences Belgium SPRL-BVBA Tél/Tel: + 32 (0) 24 01 35 79

България Gilead Sciences International Ltd Тел.: + 44 (0) 20 7136 8820

Česká republika Gilead Sciences International Ltd Tel: + 44 (0) 20 7136 8820

Danmark

Gilead Sciences Sweden AB Tlf: + 46 (0) 8 5057 1849

Deutschland

Gilead Sciences GmbH Tel: + 49 (0) 89 899890-0

Eesti

Gilead Sciences Sweden AB Tel: + 46 (0) 8 5057 1849

Ελλάδα Gilead Sciences Ελλάς Μ.ΕΠΕ. Τηλ: + 30 210 8930 100

Luxembourg/Luxemburg

Gilead Sciences Belgium SPRL-BVBA Tél/Tel: + 32 (0) 24 01 35 79

Magyarország

Gilead Sciences International Ltd Tel: + 44 (0) 20 7136 8820

Malta

Gilead Sciences International Ltd Tel: + 44 (0) 20 7136 8820

Nederland

Gilead Sciences Netherlands B.V. Tel: + 31 (0) 20 718 36 98

Norge

Gilead Sciences Sweden AB Tlf: + 46 (0) 8 5057 1849

Österreich

Gilead Sciences GesmbH Tel: + 43 1 260 830

Polska

Gilead Sciences Poland Sp. z o. o.

Tel: + 48 22 262 8702

34

España

Gilead Sciences, S.L. Tel: + 34 91 378 98 30

France

Gilead Sciences Tél: + 33 (0) 1 46 09 41 00

Ireland

Gilead Sciences Ltd Tel: + 44 (0) 1223 897555

Ísland

Gilead Sciences Sweden AB Sími: + 46 (0) 8 5057 1849

Italia

Gilead Sciences S.r.l. Tel: + 39 02 439201

Κύπρος Gilead Sciences Ελλάς Μ.ΕΠΕ. Τηλ: + 30 210 8930 100

Latvija

Gilead Sciences Sweden AB Tel: + 46 (0) 8 5057 1849

Lietuva

Gilead Sciences Sweden AB Tel: + 46 (0) 8 5057 1849

Portugal

Gilead Sciences, Lda. Tel: + 351 21 7928790

România

Gilead Sciences International Ltd Tel: + 44 (0) 20 7136 8820

Slovenija

Gilead Sciences International Ltd Tel: + 44 (0) 20 7136 8820

Slovenská republika

Gilead Sciences International Ltd Tel: + 44 (0) 20 7136 8820

Suomi/Finland

Gilead Sciences Sweden AB Puh/Tel: + 46 (0) 8 5057 1849

Sverige

Gilead Sciences Sweden AB Tel: + 46 (0) 8 5057 1849

United Kingdom

Gilead Sciences Ltd Tel: + 44 (0) 1223 897555

Este folheto foi aprovado pela última vez em

Informação pormenorizada sobre este medicamento está disponível na Internet no site da Agência Europeia de Medicamentos http://www.ema.europa.eu

35