Você está na página 1de 34

SÉRGIO BASBAUM

&

JOE MOGHRABI

“Guitar Player Lições – Palhetada”


Guitar Player Lições - Palhetada - 1 - Em Seus Lugares

Pegada. Bluseiros, roqueiros, metaleiros, jazzistas, todos os gêneros de guitarristas


dependem de um ataque certeiro, preciso e seguro com a boa e velha mão da palheta,
para extrair da guitarra sons que alcancem o coração do ouvinte. Muita gente pensa
que o segredo da guitarra está na mão da escala, aquela que tem que conhecer centenas
de caminhos tortuosos pelo braço, encadeando arpejos e escalas variados. Mas a
verdade é outra: o segredo do guitarrista é a pegada. Quer uma boa prova? Steve
Ray Vaughan incendiava platéias utilizando pouco mais do que pentatônicas na escala,
mas com uma palhetada mortal. Outra? George Benson, com seu 'stacatto' preciso
aliado à articulação impecável do fraseado, improvisa intermináveis chorus sem errar
uma nota sequer. Ou John McLaughlin, que palheta todas as notas de seu violão (assim
como Al DiMeola), no lendário Friday Night in San Francisco.
A palhetada é um desafio. Alguns guitarristas importantes procuram outras técnicas,
como Jeff Beck, Mark Knopfler, Wes Montgomery ou Hélio Delmiro, que atacam as
cordas direto com a mão. Mas a grande maioria de seus ídolos trabalhou muito com a
mão da palheta para conseguir aliar precisão, velocidade e... pegada!
Nesta matéria, trazemos uma série de exercícios que, praticados com atenção, paciência
e método, vão garantir a você pegada e precisão. No geral, há duas técnicas básicas para
a palheta: a palhetada alternada (uma palhetada para cima e outra para baixo, ou vice-
versa), e o sweep, que envolve várias palhetadas na mesma direção.

LISTA DE RECOMENDAÇÕES!

Antes que você comece a gastar sua coleção de palhetas 'malhando' técnica, alguns
alertas:
a) Técnica não é música: mantenha um equilíbrio entre os sons que você curte, que te
motivam a tocar, e o estudo da técnica puro e simples. Ninguém pratica para ser
virtuose em exercícios, mas para fazer música;
b) Comece trabalhando a técnica com a guitarra ligada: ouvindo o que toca, você terá
controle da qualidade do seu som, construindo uma palhetada precisa, com notas claras
e nítidas. Rapidez sem nitidez não vai fazer de você um bom guitarrista. Depois que
pegar o pique, você poderá estudar até vendo televisão, com a guitarra desplugada. Isto
o preserva daqueles sons repetitivos do estudo de técnica. Poupe a disposição de seus
ouvidos para fazer música;
c) Não há jeito certo ou errado de segurar a palheta: Carlos Santana, Yngwie
Malmsteen, Steve Vai, Joe Satriani, Pat Metheny e cada um dos guitarristas que
você admira segura a palheta de uma maneira diferente. Segure a palheta da forma que
lhe parecer mais natural e confortável, e deixe que a prática vá moldando a sua técnica.
No final, você verá que diferentes manobras técnicas exigem que você segure mais forte
ou mais fraco a palheta, dependendo do som que busca;
d) Relaxe: estudar com a mão tensa pode ser fatal. Tendinites, tensões, som ruim, falta
de suíngue, dificuldade de tocar rápido... tudo isso deriva de palhetar com a mão tensa:
ela trava;
e) Metrônomo é indispensável.

SÉRGIO BASBAUM E JOE MOGHRABI


1 - EM SEUS LUGARES!

A primeira coisa para desenvolver uma boa palhetada é trabalhar as cordas soltas. O
exemplo 1a é o caminho para colocar a mão na posição certa em relação a cada corda e
ir desenvolvendo segurança no movimento vertical. Esqueça a mão da escala e palhete
cada uma das cordas soltas, indo e voltando do grave ao agudo. Em todos os exercícios
propostos aqui, comece lentamente, e varie tocando uma, duas três ou quatro notas por
tempo em relação ao metrônomo. Quanto mais lento começar, melhor. Você dará
chance ao seu braço de ir aquecendo aos poucos.
Depois que já estiver bem seguro, tocando este exercício com a mão da palheta
enquanto segura o telefone com a outra mão, então já pode começar a variar um pouco.
Os exemplo 1b, 1c e 1d sugerem que você tente agora duas, três ou quatro notas por
corda.
Quanto à direção da palhetada, o mais comum é começar palhetando para baixo, e
seguir alternando. Mas, se você quiser caprichar, faça os exercícios palhetando só para
baixo, só para cima, alternando começando para baixo e alternando começando para
cima. Palhetar numa única direção aprimora a qualidade de seu movimento e prepara
você para, lá na frente, fazer sweeps à vontade!
Revista Guitar Player Brasil - Lições
Palhetada - Em Seus Lugares
Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi
Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48
Words & Music by Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi

h = 150
Exemplo 1a - Comece com uma nota por corda: Exemplo 1b - Duas notas por corda:
1

: 44 B B B B B B B B
11x

B B B B
B B B B B B B B
c

Exemplo 1c - Três notas por corda:


3
5
B B B B B B B B B B B B
11x
3
B B B B B B3
3

B B B B B B B B B B

3
8
B B B B B B B B B B B B B B B B B B
3
3
3
11x

3
3 3
3
B B B B B B

Exemplo 1d: Quatro notas por corda:


10

B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B
B B B B B B B B

12 11x

BBBBBBBB
BBBBBBBB

Copyright Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48


All Rights Reserved - International Copyright Secured Page 1/1
2 - PRONTOS!

Uma vez que sua palheta já está subindo e descendo com fluência pelas cordas soltas, é
hora de botar em campo aquela mão que está preguiçosamente abandonada ao lado da
guitarra. Vamos acrescentar movimentos da mão da escala para cada um dos
exercícios anteriores.Nesse momento, em que se começa a articular as duas mãos, é que
podem surgir problemas. Muitas vezes, a dificuldade do movimento da mão da escala
acaba tensionando e prejudicando a qualidade de seu estudo de palhetada. Para isso,
uma boa alternativa é começar trabalhando apenas a escala, sem palhetar. pratique cada
um dos movimentos antes só com hammer-ons (atacando-se as cordas com a mão da
esala, sem palhetar). Quando a mão estiver bem aquecida, executando o movimento na
escala sem esforço, você pode se concentrar na qualidade e relaxamento da palhetada.
Assim, com exceção do primeiro exercício, que deve ser estudado com pestanas do
dedo 1 subindo de 1/2 em 1/2 tom, os demais sao praticados com variações de
movimentos da mão da escala. O dedo 1 da mão da escala é o indicador; o 2, o médio; o
3, o anular e o 4, o mindinho. Procure memorizar os padrões e aplique em outras regiões
da escala.
Revista Guitar Player Brasil - Lições
Palhetada - Prontos!
Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi
Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48
Words & Music by Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi

h = 300
Com duas notas por corda
1
4
:4 B DB B B DB B DB F B DB F B DB DB B B B DB DB
B DB DB B DB DB DB B
B DB B B DB B DB
c

5
B B B B B B B B DB DB DB B DB DB B
B DB B DB B B B B
DB B B B B DB DB DB DB

DB F B DB F B DB F B DB F B
9

DB B DB DB B B B DB B DB B DB
DB DB B
B DB DB F B DB D B DB DB F B

13

B B DB DB B DB B B B B B B DB B B B DB B B
B B B B DB B B DB B
DB B DB DB

DB B B B B B B B B B B B B
DB DB DB
17

B B B DB DB B B DB
DB DB
B DB DB B B DB

Copyright Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48


All Rights Reserved - International Copyright Secured Page 1/12
21

DB DB B DB B DB B DB F B B DB B DB B B B B DB F B B B B B
B B B DB B B B B DB

25

B DB DB B B DB B DB F B DB F B DB DB B B DB B DB
B DB B DB B DB B DB DB DB DB DB DB
B

DB
29
B DB B B B B B B DB DB DB DB B B B
DB DB DB DB B B B B
DB DB DB DB DB DB B
B

etc...
33
B B DB B B DB DB F B DB F B DB F B DB F B B DB DB F B
DB B DB DB F B
DB DB F B DB F B DB F B DB F B

3 3
37
3
3
B B B B DB B F B DB B F B DB B 3
3
3
B B B B B
DB DB D DB B DB DB B B 3

B DB B DB B D
3
3 3
3
DB B B B DB B

3 3

DB B DB DB F B DB B F B DB B
3 3
40
3
3
B DB DB B B B DB DB B B DB B DB
3
3

B DB DB DB B DB DB 3 3 DB B DB B DB DB
3 3

Page 2/12
3 3
43 3
3
B B B B B DB F B B DB F B B DB 3
3
3
B B B B B
DB D F B D DB DB F B DB B B 3

B B DB DB B D
3
3 3
3
DB B B B B DB

3 3

DB B B DB B F B DB B F B DB
3 3
46
3
3
B DB DB DB B B B DB DB B DB B DB
3
3

B B DB DB B DB DB 3 3 DB B DB B B DB
3 3

3 3

DB DB B DB DB F B B DB F B B DB
3 3
49
3
3
DB B DB B B B DB B B DB DB B
3
3
B
B DB DB DB B
D DB 3 3 DB DB B B DB DB
3 3

3 3

DB F B B DB F B B DB F B B DB F B
3 3
52
3
3
DB F B DB B DB B DB B DB DB DB F B
3
3

B DB F B DB DB F B DB 3 3 DB DB F B B DB F B
3 3

3 3
55 3
3
DB F B B DB F B B DB F B B DB F B B 3
3
3
B B B B B DB DB B DB DB B DB B 3

B
DB F B B DB
D
3
3 3
3
B DB B DB F B B

3 3
DB B DB F B B
DB F B DB DB F B DB F B
3 3
58 3 3
3
B B DB DB B DB B B DB B B DB DB DB 3

DB F B DB B DB B DB DB F B DB
D 3 3
3 3

Page 3/12
3 3
61 3
3
DB B F B DB
B F B DB B F B DB B F B 3
3
3
B B B DB B DB DB B DB DB B B DB B 3

DB B F B B DB 3
3 3
3
B DB DB B F B

64 3
3
B B B DB B DB B F B DB B F B DB 3
3
3
B B DB B DB B D D B DB B B B DB 3

DB B DB B
B DB 3
3 3
3
B B DB DB B DB
3 3

3 3
DB B F B DB B F B
DB DB F B DB F B DB
3 3
67 3 3
3
B DB B B B DB B B DB B DB DB DB 3
DB D
DB DB F B B DB 3
3 3
3
B DB DB DB F B

70
3
3
B
3

DB B DB B
DB B DB DB B DB B F B DB B F B DB B DB B B DB3
3
3
B B B B B B DB DB B DB
DB B DB B
D 3 3
3 3
3 3

3 3
73 3
3
B B DB B B DB B F B DB B F B DB 3
3
3
B B B B DB DB F B DB DB F B B B
DB B DB B
3

B B DB DB B D
3
3 3
3
B B DB

3 3

DB B B DB F B B DB F B B DB DB B
3 3
76
3
3
DB
B DB DB B B B DB B DB DB
3
3

B B DB B DB DB DB 3
3 3
3
B DB DB B B DB

Page 4/12
3 3
79
3
3
B DB F B B DB F B B DB F B B DB F B 3
3
3
B B B DB DB F B DB DB F B DB B B
DB B B DB
3

B DB F B B DB 3
3 3
3
B DB F B

82 3
3
B B B DB B DB DB F B B DB F B B DB 3
3
3
B B DB DB F B
D DB F B B B B DB 3
B
B DB DB B DB 3
3 3
3
B B DB B DB DB
3 3

3 3

DB B B DB B F B DB B F B DB B DB B
3 3
85
3
B
3
DB DB DB B DB B DB B DB DB
3
3
B
B DB B DB
DB 3
3 3
B DB DB B DB B
3

DB DB B DB DB F B DB B F B DB B DB B F B
3 3
88
3
3
B DB B DB B F B B B DB B B DB B
3
3

B DB DB B DB B 3
3
3 3
3
B DB DB
3

3 3

DB B DB B DB B F B DB B F B DB B B
DB
3 3
91 3 3
3 B
DB DB B DB B DB DB DB B 3

DB B DB DB DB B 3
DB DB B DB
3
B DB
3 3

3 3

F B DB B F B DB B F B DB B F B B DB
3 3
94 3
B DB DB DB B 3
3
DB DB DB F B 3

DB F B DB DB F B DB DB F B DB DB F B DB F B
B 3
3 3
3 B

Page 5/12
3 3
97
3
DB DB F B DB DB F B B DB F B B DB F B B 3
3
3
DB B DB B B DB B DB DB B DB DB 3
3

DB DB F B DB B DB 3
3 3
3
B DB DB DB F B

DB DB F B DB DB F B DB B F B DB B F B B B DB
3 3
100 3 3
3 B B DB 3

DB DB F B DB B F B DB B FB 3 3
DB B F B DB F B
B DB DB F B
3 3
3 3

3 3
3 DB F B B DB F B B DB F B B B DB 3

DB DB DB F B B
103
3
3
DB F B DB
B DB DB F B DB
3
3

DB F B B DB F B DB 3
3 3
3
DB F B DB DB F B
B

etc...
106
3
3
DB F B DB DB F B DB DB F B B DB F B B B DB F B 3
3
3
DB F B B B DB F B DB F B B DB F B 3

DB F B DB DB F B B 3
3 3
3
B DB F B DB
3 3

109

B B B DB B DB B B DB B DB B DB B DB F B DB F B DB F B DB F B DB
B DB B DB DB B B DB DB D

111

DB B DB B DB B B DB DB F B DB B DB F B DB B B DB
DB B B DB B DB B DB B DB DB F B DB B

Page 6/12
113
B DB DB F B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB F B DB B B DB DB B DB F B
DB B DB F B B DB DB F B

115

DB DB DB F B B B B DB DB B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB
B B DB DB DB
B B DB DB B B

117

DB DB F B B DB B B DB DB B DB B DB DB B F B
DB B B DB B B DB DB B B DB DB DB B DB B

119
B B DB DB B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB DB DB B F B DB B DB B
DB B DB B B B DB DB

121

DB B F B DB B B DB
B DB DB F B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB F B
B DB DB F B DB DB B F B DB

123

DB B B DB DB DB B F B B DB F B B DB B DB F B
DB DB B F B B DB DB F B B B
B DB F B DB DB D F B D

Page 7/12
125
B DB F B DB B DB F B DB F B DB F B DB F B DB F B DB DB B DB F B DB DB F B B
DB DB F B B B DB F B DB

127

B DB B DB DB B
DB F B B DB DB F B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB
B B B B DB
DB F B B DB DB
D

129

B DB DB B B DB B DB B B DB F B B DB B DB
B DB B DB DB F B B DB DB F B DB F B B DB
DB F B D

DB F B DB F B DB F B
DB F B DB F B DB F B DB F B DB F B
131

B DB B DB B DB DB F B
B DB DB F B DB F B DB F B

133

B DB B DB DB B
DB B F B DB DB B F B DB DB F B F B DB DB F B F B DB
B B DB DB B DB
DB B F B DB

135

B DB DB B B B DB DB B DB B B B B DB B B DB B DB
B DB DB B F B DB DB B DB F B B
D DB D

Page 8/12
DB
137
B DB F B DB B DB F B DB F B DB F B DB F B DB F B B DB B DB B B DB DB B DB
B DB DB B DB F B

DB F B DB F B
DB DB F B F B DB F B DB F B DB DB F B F B
139

B B B DB DB F B B B DB DB
DB DB F B F B B D DB F

141

B B DB DB B DB DB F B DB F B DB F B DB B DB F B B B B DB DB
B DB DB DB F B F B DB DB F B F B B
D

DB F B F B DB DB F B F B DB F B
DB DB F B F B DB DB FB
143

B B DB DB B DB F B DB DB F B
B DB DB DB F B F B

145

B DB DB DB F B B B B DB DB B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB
B B DB DB B DB B DB DB B

147

DB DB F B B B DB B DB B B DB B DB DB B F B
B DB B DB B B DB DB B B
B B DB DB DB D B D

Page 9/12
149
B B DB DB B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB DB DB B F B B DB DB B
B DB DB B B B DB DB

151

B B DB F B DB B B DB F B DB B DB F B DB F B DB F B DB F B DB F B DB
B B B DB DB DB
B DB F B DB D

153

DB F B DB B B B DB DB B B DB B DB F B B DB
B B DB DB B DB F B DB B DB DB F B B B DB DB D

155
B DB DB F B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB F B DB F B B DB B B DB DB
B B DB DB B DB DB F B

157

B DB DB B DB B DB F B B DB B DB B DB B DB F B DB F B DB F B DB F B DB
B DB B DB B DB DB B

159

DB B DB F B B DB DB B B DB B B DB B F B DB
B DB DB B B DB B DB B B
B DB DB F B D B DB D

Page 10/12
161
B DB DB F B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB F B DB B F B DB B DB B DB
B DB B DB B DB DB F B

163

DB DB B F B B DB B DB
DB B DB F B DB B DB F B DB F B DB F B DB F B DB F B
B
DB B DB F B DB
D B F B

165
B DB B DB DB DB B F B DB DB F B B B DB DB F B
DB DB B F B DB
B DB F B DB B F B DB DB DB F B B

DB
167
B F B DB DB B F B DB DB F B F B DB DB F B F B DB B DB DB F B DB DB F B B
DB DB F B B DB F B
B DB

169
DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB F B F B
B B DB B DB F B B B DB DB
DB DB F B F B D B DB F

171
B B DB DB DB B DB F B DB B F B B B B DB DB
DB B DB F B DB B B
DB DB F B F B D B F DB
D
DB F B F B

Page 11/12
DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB F B F B DB DB F B F B
173
B B DB DB DB B F B DB
DB B F B DB DB F B
DB F B

175

DB F B DB B B DB DB F B
DB F B B DB DB F B B DB DB F B F B DB DB F B F B DB
DB F B B DB DB F B DB B

177
B DB DB F B DB F B DB B DB F B B DB B DB F B DB
DB F B DB B DB F B DB F B DB F B DB F B B DB
B DB

DB F BDBF BDBF BDBF B DBF BDBF BDBF B DBF B


179
BDBF BDBDBF B BDB
DBF B B DBDBF B
DBF B

Page 12/12
3 - SOFISTICANDO!

Olhando uma primeira vez, este programa de exercícios pode assustar. Não se preocupe.
Em primeiro lugar, é técnica para vários anos de estudo; em segundo, quando você
perceber o efeito que eisto tem em sua performance, não vai querer parar mais!
Agora que você já se habituou a palhetar alternado e com precisão enquanto a mão da
escala faz movimentos complexos, vamos passar a trabalahr com mais de uma corda. Os
exemplos 2a, 2b, 2c e 2d vão ajudar você a adquirir fluência na mudança de corda.
Para aproveitar melhor estes exercícios, comece com duas palhetadas alternadas por
nota, passando depois para uma, alternando sempre.
Para realizar arpejos e outros movimentos que exigem subidas e descidias por várias
cordas, experimente o exemplo 3. Uma boa idéia é praticar também a descida e a
subida em sweep, isto é, descendo somente com a palhetada para baixo, e subindo
somente com a palhetada para cima nas quatro primeiras cordas. Entre a subida e a
descida, utilize o movimento alternado.
Afinal, um guitarrista não vive só de palhetadas alternadas, nem só de sweep. Combinar
os dois desde cedo é uma decisão sábia!
Revista Guitar Player Brasil - Lições
Palhetada - Sofisticando!
Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi
Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48
Words & Music by Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi

h = 120
Exemplo 2a: Comece com duas palhetadas por nota, e aplique por todo o braço:
1
4
:4 B B BB B B DB B DB B DB B F B B DB B B B B B
BB B B B B DB B B B DB B
c

Exemplo 2b: Mudando um pouco o padrão:


3
DB B DB B DB B F B B B B Q P P P
DB B
BBBB DB B DB B B DB B B B B B DB B B B
BB B

B B B B B BFB B
B B B B B B B B B B DB B DB B B B
6

DB B FB B D
B B P P P
DB B BBBB

Exemplo 2c: Acrescentando mais um dedo:

DB B DB B DB B
9

B B B B B B
DB B DB B B B F B B DB B B B
DB B D
B B B B B B

11
B B DB B B B DB B DB B DB B DB B DB B BBBBBB B B B B DB B
P P
DB B DB B B B B B B B DB B

Copyright Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48


All Rights Reserved - International Copyright Secured Page 1/3
Exemplo 2d: Uma variante do exemplo anterior:

B B B DB B DB B B B F B B B B B B
14

DB B B B B B DB B DB
DB B DB B B B DB B

16 B B DB B B B DB B F B B B B F B B B B P P
DB B B B DB B DB B DB B B B F B B DB B
DB B DB B B B DB B

Os mesmos exercíciosa anterior, uma palhetada por nota:

19
DBDB F B DB B B DBDB F B B RP B B B DB BF B
B BDB B B DB B
DB DB B B BDB BDB F B
B B B DB B B DB DB BDB B

22

B BDB BDBDB B B R P B B DB B DB B DB BDB DB DB DB F B B


B B B DBDB F B DB D DB DB B DB B BDB
B DBDB B
B B D DB F

25
P P P DB B DB DB B F B
B B B DB B DB F B B F B B DB DB DB
B B B DB DB DB B DB DB B B DB B DB B F B DB

Exemplo 3: Uma boa chance de começar a 'sweepar'! Varie o conjunto de cordas, começando também na
28
P P P B DB F B DB B B DB F B DB B B
DB DB B DB B B B B DB F B DB F B B B B DB F B DB F B B B DB F B B B

Page 2/3
5.ª e na 4.ª cordas:
31
B
BDBF BDBF B B B DBF BDB B BDBF BDB

Page 3/3
4 - CRIANDO VARIAÇÕES

Cada um destes exercícios pode ser enriquecido com as suas próprias idéias.
O exemplo 4 é uma variação que costuma ser ensinada pelo professor Mozart Mello aos
seus alunos, chamado "L". Este exercício utiliza uma enorme variedade de digitações, e
deve ser estudado também com variações rítmicas, praticando palhetadas alternadas em
semicolcheia (quatro notas por tempo) ou sextinas (seis notas por tempo).
Revista Guitar Player Brasil - Lições
Palhetada - Criando Variações
Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi
Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48
Words & Music by Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi

h = 120
1
4
:4
B DB B DB DB B F B B F B DB B DB B B F B B B DB B DB B B F B B F B DB B DB DB B F B B
c

B
B DB B DB DB B B DB DB B B F B B B B B DB DB B B B F B B DB B B DB B DB B B

B B DB B B DB B B B B F B B B B B DB B DB B DB F B B DB B B DB F B DB F B B F B B

DB B B DB DB B B DB DB B DB F B B B F B B DB B B DB DB B B B B B F B B B B B DB

B DB F B B DB B B B DB DB B DB B B DB B
9

DB DB B B B DB F B B DB B B DB F B DB B B

Copyright Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48


All Rights Reserved - International Copyright Secured Page 1/2
DB F B DB F B
11
B DB F B DB B DB B B DB B DB B DB F B DB F B DB B DB B DB F B B F B B F B DB B

DB BDB
13 B BF B BF BDBF BDB BDB BDB B DB BF BDBF BDBF BDBF B B Q P
DBF BDBDBF B B DBDBF B BDBDBF B I
DBF B

Page 2/2
5 - APLICANDO PADRÕES

Para praticar a pegada em diferentes movimentos dentro das escalas, selecionamos 16


padrões sobre os modos (exemplos 5a a 5h) e as pentatônicas (exemplos 6a a 6h).
Pratique os modos em tonalidades diferentes a cada dia para desenvolver seu domínio
da escala. Escolha, por exemplo, o tom de E e pratique todos os modos derivados de E
maior num dia. No dia seguinte, pratique todos os derivados de A maior, e assim por
diante. Outra opção é praticar todos os modos com a tônica em G, por exemplo. Assim,
você poderá notar a diferença de sonoridade entre o G jônico, G dórico, G
frígio, etc...
Padrões envolvem uma repetição exeustiva de figuras rítmicas como tercinas ou
semicolcheias. Por isso, fique atento ao alerta vermelho do estudo de técnica: aplicar
diretamente estas frases na hora de tocar pode soar ritmicamente óbvio e monótono. Na
hora de fazer música, aproveite que suas mãos estão craques, sua pegada matadora, e
deixe seu coração, seu ouvido e seu senso melódico darem as ordens. A técnica está no
ponto para obedecê-lo!
Revista Guitar Player Brasil - Lições
Palhetada - Aplicando Padrões
Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi
Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48
Words & Music by Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi

h = 120
Exemplo 5a: 'Pattern' em G maior, com o movimento 1 2 1 4 na mão da escala:

1
4
B B B BBB B DB B B B B B B B B B B B B B B
:4 B DB B
BB BBBBB
c

Exemplo 5b: O mesmo G maior, agora com o padrão 1 4 1 2 na escala:

B B B B
DB B B B B B B B B B
3

DB BBBBBBB B
DB B B B B B
B B B
BBBBB BBBBBBBB

Exemplo 5c: a mesma escala, com o padrão 1 2 4 2:

B B B B B B BBBBBB
6

DB BBBBBBB B B B B B B BBB D
B BBB
BBBBBB B
D
BBBBB

Exemplo 5d: ainda em G maior jônico, com o padrão 1 4 2 4:

B B B B B BBBBBBB
9

DB BBBBBBB DB B B B B
B B B D
BBBB
BBBBB BBBBBBBB

Copyright Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48


All Rights Reserved - International Copyright Secured Page 1/5
Exemplo 5e: Começando com o dedo 4, fazendo 4 2 1 2:

B B B B BBBBBBBB
12

DB BBBBBBB B B B B BBBB D BBBB


BBBBB B
BBBB BB B D

Exemplo 5f: 2 4 2 1, um padrão para forçar o seu dedo anular!

B DB B B B BBBBBBBB B
B B BDB B B B B BB
15

B BDB B B B B B
BBBBB BBBBBBBB

Exemplo 5g: 2 1 4 1, mais trabalho para o dedo 2!

B DB B B B BBBBBBBB B
BDB B B B B B BB B
18

B B BDB B B B B B
B BBB BBBBBBBB

Exemplo 5h: Radicalizando, e incendiando sua mão


6 6
6 6
21

B DB B B B B B B 6
B B B B 6
B B B B B BBBBB
BBBBBBBB BB
D
BBBBB 6 6

mão com sextina! O padrao é 1 2 4 1 2 4:

B DB B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B
6 6
23 6 6
6 6
DB BBBBBBBBBBB
6 6
6 6
6 6
6 6
BBBBBBB

Page 2/5
Exemplo 6a: Pattern para pentatônica. Faça em todos os tons e adapte às demais digitações!

B B B B B B B B B B
B B B B B B B
25

B
B B B B B B B B B B B B B B

27 B B B B B B B B B B B B B
B B B B B B B B B B B B B B B
B B

Exemplo 6b: Explorando a pentatônica, em movimentos quase matemáticos!

29

B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B
B B B B B B

Exemplo 6c: A hora e a vez das tercinas!

3
B B B BBBBBB
3
31
BBBBBB 3
B B B B B B BBB
BBBBBBBB B
BBB B B 3
3
3
3 3

Exemplo 6d: A volta das semicolcheias infernais:


3
3
B B B B B BBBBB BB
34

BBBBBB B
3
B B B B B
B BBB B B B BB
B BB BBB B B B

Exemplo 6e: Tome essa! Um pouco mais de


37
B B B B B B B B B B B B
B B B B B B B B B
B B B B B B B B B B B

Page 3/5
semicolcheias:

39
B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B
B B B B B B B B

Exemplo 6f: Devorando a pentatônica!

B B B B B BBBBBBBB B
41

B B B B B BBBB B B BB BBBB B
B BBBBBBB
BBBB B

Exemplo 6g: Um famoso padrão de pentatônicas, em tercinas!

44 3 3
B B
3
B B B B B B B BBBBBBBBBBBB
3

B B B B B B B BBBB BB B
B 3
3 3 3
3 3
3
3

B B B B B B B B 3 3 3
B B B B
47 3
B B B B B B B B B B B
3 3 3
B
3

Exemplo 6h: Pentatônicas em sextinas:


6 6
49 6
B 6
B B B B B B B B
B B B B B B B B B B B B B B B
6 6
6 6

Page 4/5
50
BBBBBBBBBBBBBBBBBB BB B 6 6
6 6
B BB BBBBBBBBB BBA
6 6 6 6
6 6
B
6 6

Page 5/5
6 - A HORA E A VEZ DO SWEEP!

Frank Gambale surgiu no cenário fusion no fim da década de 80 com uma técnica
fantástica e inovadora, o sweep. Trata-se apenas de economizar movimentos, praticando
escalas, arpejos e licks aproveitando sempre a direção do ataque da palheta para tocar
mais de uma nota. Guitarristas como George Benson e Jim Hall já haviam empregado
esta técnica desde os anos 60, sobretudo para a execução de arpejos. Gambale
aprimorou a idéia e tornou tudo no fraseado da guitarra sweepável! Os próximos
exercícios permitem a você trabalhar os aspectos essenciais do sweep.
O primeiro (exemplo 7) é o exercçio de abertura do livro de Gambale, Speed Pickin',
lançado no início dos anos 90. O seguinte, exemplo 8, pode ser praticado com sweep ou
com a palhetada alternada (comece palhetando para baixo). Em seguida, o exemplo 9
mostra como o sweep pode ser usado na escala de blues, mudando-se a digitação
tradicional e adotando três notas por corda, e o exemplo 10 mantém essa digitação mas
apresenta um pattern para se voar com a palhetada alternada.
Mas guarde o seu fôlego: o exemplo 11 relembra as origens do sweep, apresentado uma
seqüência de tríades ascendentes e descendentes em D maior para você deslizar à
vontade! Aproveite e estude também nos demais tons!
Revista Guitar Player Brasil - Lições
Palhetada - A hora e a vez do Sweep
Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi
Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48
Words & Music by Sérgio Basbaum e Joe Moghrabi

h = 120
Exemplo 7: Um exercício de Frank Gambale, para você 'sweepar' nos modos gregos:
B B B B B B DB B B
1
4
:4 B DB B B B B B B DB B B B B B B DB B
BBBB B B BBBBA
c

Exemplo 8: Um exercício que você pode fazer com sweep ou com palhetada alternada:
4
B
B B B B B B B B B B B B B B B
DB B B DB B B B B B B B B B B B B

B B B B B B B B B B B DB B B B B B DB B B B B B B B B B B B B B B

B B B DB B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B
8
B DB

Exemplo 9: Uma digitação matadora para você

10

B B DB B B B B B B B B B B B B 3
B B B B DB B B
3

B BBBBBBBBA B B B DB B 3
3

Copyright Revista Guitar Player Brasil, fevereiro de 2.000, edição 48


All Rights Reserved - International Copyright Secured Page 1/3
'sweepar' na escala do blues:

B B DB B B B B B FB B
13
B B B B DB F B B 3
3
3 3 B B B DB F B B
3 3
3
3
B

Exemplo 10: A mesma digitação, para frases velozes com palhetada alternada:

15 6 6
B B B B DB B B B B B
6 6

B B B B DB B B B B B B B
B B 6 6
6 6

B B B B B B B B B B FB B
16
B B B B B B DB B B B B B
6 6 6 6
6 6 6 6

17 B B DB B B B F B B B B 6
B DB B B B B
6
6 6
3 3

B B B B DB B B B F B B B B B DB B B B B
6 6
6 6
B B 3 3

B B3BBBB DB B DB B B
B 3
B B BBBBBB 3 3
19

BBB B B B DB B DB BBB BB BB
3 3 3 3
3 3
3 3

Page 2/3
DB B B B B B B DB B B
B B B BBBB
B B B B B B DB B B B DB B B D BBB
B DB B
22

3 3 3 3
3 3
3 3 3 3
3 3

B DB B B B B
25
B DB B 3 3
BBB
3 3

Page 3/3