P. 1
Direito Civil Obrigacoes

Direito Civil Obrigacoes

|Views: 614|Likes:
Publicado porDaniel_Aquino_2016

More info:

Published by: Daniel_Aquino_2016 on Mar 01, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/28/2012

pdf

text

original

DIREITO CIVIL – OBRIGAÇÕES

PARTE GERAL
INTRODUÇÃO: - direitos não patrimoniais - referentes à pessoa humana (direito à vida, à liberdade, ao nome etc.). - direitos patrimoniais - de valor econômico. - reais - integram o Direito das Coisas; recai sobre a coisa, direta e indiretamente, vinculando-a ao seu titular e conferindo-lhe o “jus persequendi” (direito de seqüela) e o “jus praeferendi” (direito de preferência), podendo ser exercido contra todos (“erga omnes”). - obrigacionais - pessoais ou de crédito compõem o Direito das Obrigações; confere ao credor o direito de exigir do devedor uma determinada prestação. CONCEITO: é o vínculo jurídico que confere ao credor (sujeito ativo) o direito de exigir do devedor (sujeito passivo) o cumprimento de determinada prestação; corresponde a uma relação de natureza pessoal, de crédito e débito, de caráter transitório (extingue-se pelo cumprimento), cujo objeto consiste numa prestação economicamente aferível; é o patrimônio do devedor que responde por suas obrigações; constitui ele, pois, a garantia do adimplemento com que pode contar o credor; a obrigação nasce de diversas fontes e deve ser cumprida livre e espontaneamente; quanto tal não ocorre e sobrevém o inadimplemento, surge a responsabilidade, que é a conseqüência jurídica patrimonial do descumprimento da relação obrigacional; malgrado a correlação entre ambas, uma pode existir sem a outra; as dívidas prescritas e as de jogo constituem exemplos de obrigação sem responsabilidade; o devedor, nestes casos, não pode ser condenado a cumprir a prestação, isto é, ser responsabilizado, embora continue devedor; como exemplo de responsabilidade sem obrigação pode ser mencionado o caso do fiador, que é responsável pelo pagamento do débito somente na hipótese de inadimplemento da obrigação por parte do afiançado, este sim originariamente obrigado ao pagamento dos aluguéis. ELEMENTOS CONSTITUTIVOS: a) o subjetivo, relativo aos sujeitos ativo e passivo (credor e devedor); b) o vínculo jurídico existente entre eles; c) e o objetivo, atinente ao objeto da relação jurídica. FONTES: é o seu elemento gerador, o fato que lhe dá origem, de acordo com as regras de direito; indagar das fontes das obrigações é buscar as razões pelas quais alguém se torna credor ou devedor de outrem; o CC considera fontes das obrigações: a) os contratos, b) as declarações unilaterais da vontade (a promessa de recompensa e o título ao portador) e, c) os atos ilícitos (dolosos e culposos); como é a lei que dá eficácia a esses fatos, transformando-os em fontes diretas ou imediatas, aquela constitui fonte mediata ou primária das obrigações. MODALIDADES:

OnLine

JUS

- de dar – divide-se em obrigação de dar coisa certa (obriga o devedor a dar coisa individualizada, que se distingue por características próprias, móvel ou imóvel) e obrigação de dar coisa incerta (a obrigação tem objeto indeterminado, mas não totalmente, porque deve ser indicada, ao menos, pelo gênero e quantidade). - de fazer – a prestação consiste em atos ou serviços a serem executados pelo devedor. - de não fazer – impõe ao devedor um dever de abstenção: o de não praticar o ato que poderia livremente o fazer, se não houvesse se obrigado - ex.: adquirente que se obriga a não construir, no terreno adquirido, prédio além de uma certa altura. CLASSIFICAÇÃO: - simples – são as que se apresentam com um sujeito ativo, um sujeito passivo e um único objeto, ou seja, com todos os elementos no singular. - compostas (ou complexas) – basta que um deles esteja no plural. - cumulativas (ou conjuntivas) – os objetos apresentam-se ligados pela conjunção “e”, como na obrigação de entregar um veículo e um animal, ou seja, os dois, cumulativamente. - alternativas (ou disjuntivas) – trata-se de obrigações compostas pela multiplicidade de objetos; tem, assim, por conteúdo, duas ou mais prestações, das quais uma somente será escolhida para pagamento ao credor e liberação do devedor. - divisíveis – são aquelas cujo objeto pode ser dividido entre os sujeitos. - indivisíveis – são aquelas cujo objeto não pode ser dividido entre os sujeitos. - solidárias – independe da divisibilidade ou da indivisibilidade do objeto da prestação, porque resulta da vontade das partes ou da lei; havendo vários devedores, cada um responde pela dívida inteira, como se fosse único devedor; o credor pode escolher qualquer deles e compeli-lo a solver a dívida toda; se a pluralidade for de credores, pode qualquer deles exigir a prestação integral, como se fosse único credor. - de meio – é quando o devedor promete empregar os seus conhecimentos, meios e técnicas para a obtenção de um determinado resultado, sem no entanto responsabilizar-se por ele; é o caso dos advogados, que não se obrigam a vencer a causa, mas a bem defender os interesses dos clientes, bem como o dos médicos, que não se obrigam a curar, mas a tratar bem os enfermos, fazendo uso de seus conhecimentos científicos. - de resultado – o devedor dela se exonera somente quando o fim prometido é alcançado. - civis – é a que encontra respaldo no direito positivo, podendo o seu cumprimento ser exigido pelo credor, por meio de ação. - naturais – o credor não tem o direito de exigir a prestação, e o devedor não está obrigado a pagar (dívidas prescritas, dívidas de jogo e juros não convencionados). - puras e simples – são as não sujeitas a condição, termo ou encargo. - condicionais – são aquelas cuja eficácia está subordinada a um evento futuro e incerto. - a termo – a eficácia está subordinada a um evento futuro e certo, a uma determinada data. - modais ou com encargo – são as oneradas com algum gravame.

OnLine

JUS

- momentânea ou de execução instantânea – se consuma num só ato, sendo cumprida imediatamente após a sua constituição, como na compra e venda à vista. - execução diferida – o cumprimento deve ser realizado também em um só ato, mas em momento futuro (entrega, em determinada data, do objeto alienado, p. ex.). - execução continuada ou de trato sucessivo – se cumpre por meio de atos reiterados, como ocorre na prestação de serviços, na compra e venda a prazo ou em prestações periódicas. - líquidas – é a certa, quanto à sua existência, e determinada, quanto ao seu objeto. - ilíquidas – depende de prévia apuração, pois o seu valor, o montante da prestação, apresenta-se incerto. - principais – subsistem por si, sem dependerem de qualquer outra, como a de entregar a coisa, no contrato de compra e venda. - acessórias – tem a sua existência subordinada a outra relação jurídica, ou seja, dependem da obrigação principal; é o caso da fiança, da cláusula penal, dos juros etc. - com cláusula penal – é obrigação acessória, pela qual se estipula pena ou multa destinada a evitar o inadimplemento da principal, ou o retardamento de seu cumprimento. - “propter rem” – é aquela que recai sobre uma pessoa, por força de um determinado direito real. EFEITOS: - pagamento – é o cumprimento ou adimplemento da obrigação. - mora – é o retardamento ou o imperfeito cumprimento da obrigação. - enriquecimento sem causa - pagamento por consignação – consiste no depósito, pelo devedor, da coisa devida, com o objetivo de liberar-se da obrigação. - pagamento com subrogação – a extinção obrigacional ocorre somente em relação ao credor, que nada mais poderá reclamar depois de haver recebido do terceiro interessado (avalista, fiador, coobrigado etc.) o seu crédito; nada se altera, porém, para o devedor, visto que o terceiro, que paga, toma o lugar do credor satisfeito e passa a ter o direito de cobrar a dívida. - imputação do pagamento – consiste na indicação ou determinação da dívida a ser quitada, quando uma pessoa encontra-se obrigada, por dois ou mais débitos da mesma natureza, a um só credor, e efetua pagamento não suficiente para saldar todas elas. - dação em pagamento – é um acordo de vontades entre credor e devedor, por meio do qual o primeiro concorda em receber do segundo, para exonerá-lo da dívida, objeto diverso do que constitui a obrigação. - novação – é a criação de obrigação nova, para extinguir uma anterior; é a substituição de uma dívida por outra, extinguindo-se a primeira. - compensação – é o meio de extinção de obrigações entre pessoas que são, ao mesmo tempo, credor e devedor uma da outra.

OnLine

JUS

- transação – constitui negócio jurídico bilateral, pelo qual as partes previnem ou terminam relações jurídicas controvertidas, por meio de concessões mútuas; resulta de um acordo de vontades, para evitar os riscos de futura demanda ou para extinguir litígios judiciais já instaurados, em que cada parte abre mão de uma parcela de seus direitos, em troca de tranqüilidade. - arbitragem – é o acordo de vontades por meio do qual as partes, preferindo não se submeter à decisão judicial, confiam a árbitros a solução de seus conflitos de interesses. - confussão – a obrigação pressupõe a existência de dois sujeitos: ativo e passivo; credor e devedor devem ser pessoas diferentes; se essas duas qualidades, por alguma circunstância, encontrarem-se em uma só pessoa, extingue-se a obrigação, porque ninguém pode ser juridicamente obrigado para consigo mesmo ou propor demanda contra si próprio. - remissão das dívidas – é a liberalidade efetuada pelo credor, consistente em exonerar o devedor do cumprimento da obrigação; é o perdão da dívida. - conseqüências da inexecução das obrigações – de acordo com o secular princípio da obrigatoriedade dos contratos (“pacta sunt servanda”), os contratos devem ser cumpridos; o não-cumprimento acarreta, em conseqüência, a responsabilidade por perdas e danos; com o não-cumprimento da obrigação e cumprimento imperfeito, nasce a obrigação de ressarcir o prejuízo causado ao credor; a satisfação das perdas e danos tem por finalidade recompor a situação patrimonial da parte lesada pelo inadimplemento contratual; por isso, devem elas ser proporcionais ao prejuízo efetivamente sofrido. - perdas e danos – o inadimplemento do contrato causa, em regra, dano ao contraente pontual; este pode ser material, por atingir e diminuir o patrimônio do lesado, ou simplesmente moral, ou seja, sem repercussão na órbita financeira deste; o CC ora usa a expressão dano, ora prejuízo, e ora perdas e danos. - juros legais – juros são os rendimentos do capital; são considerados frutos civis da coisa, assim como os aluguéis; representam o pagamento pela utilização de capital alheio; integram a classe das coisas acessórias. - cessão de crédito – é negócio jurídico bilateral, pelo qual o credor transfere a outrem os seus direitos na relação obrigacional.

PARTE ESPECIAL
DOS CONTRATOS
CONCEITO: é o acordo de vontades que tem por fim criar, modificar ou extinguir direitos. CONDIÇÕES DE VALIDADE:

OnLine

JUS

a) de ordem geral, comuns a todos os atos e negócios jurídicos, como a capacidade do agente, o objeto lícito e a forma prescrita ou não defesa em lei;
b) de ordem especial, específicos dos contratos: o consentimento recíproco ou acordo de vontades. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS: - da autonomia da vontade – significa ampla liberdade de contratar. - da supremacia da ordem pública – limita o da autonomia da vontade, dando prevalência ao interesse público. - do consensualismo – decorre da moderna concepção de que o contrato resulta do consenso, do acordo de vontades, independentemente da entrega da coisa. - da relatividade dos contratos – funda-se na idéia de que os efeitos do contrato só se produzem em relação às partes, àqueles que manifestaram a sua vontade, não afetando terceiros. - da obrigatoriedade dos contratos – representa a força vinculante das convenções. - da revisão dos contratos (ou da onerosidade excessiva) – opõe-se ao da obrigatoriedade, pois permite aos contratantes recorrerem ao Judiciário, para obterem alteração da convenção e condições mais humanas, em determinadas situações. - da boa-fé – exige-se que as partes se comportem de forma correta não só durante as tratativas, como também durante a formação e o cumprimento do contrato. FORMAÇÃO: - contratos consensuais – formam-se com a proposta e a aceitação. - contratos reais – formam-se com a entrega da coisa. - contratos formais – formam-se com a realização da solenidade ou do instrumento próprio (o proponente, ou policitante, propõe e o aceitante, ou oblato, aceita, de modo expresso ou tácito). LUGAR DA CELEBRAÇÃO: onde foi proposto (local onde a proposta foi feita). DEFEITOS OU VÍCIOS DECORRENTES DA FORMAÇÃO, TORNANDO-O NULO OU ANULÁVEL:

- nulo (nulidade absoluta) – contrato que atenta contra norma de ordem pública ou que não tenha os pressupostos e requisitos do ato jurídico; não pode ser convalidado nem ratificado, podendo a nulidade ser argüida a qualquer tempo, por qualquer pessoa. - anulável (nulidade relativa) – é o contrato celebrado por pessoa relativamente incapaz, ou viciado por erro, dolo, coação ou simulação; pode ser ratificado pelas partes; só os interessados diretos podem alegar a nulidade relativa, enquanto não ocorrer a prescrição.

OnLine

JUS

EFEITOS DO CONTRATO VÁLIDO: estabelece um vínculo jurídico entre as partes, sendo em princípio irretratável e inalterável (intangível) unilateralmente, vez que os pactos devem ser cumpridos (“pacta sunt servanda”). INTERPRETAÇÃO: aplicam-se os princípios gerais de interpretação da lei e do ato jurídico, com o acréscimo de algumas normas particulares. REVISÃO: em princípio, os contratos devem ser cumpridos como foram estipulados, pois os pactos devem ser cumpridos (“pacta sunt servanda”); todavia, por exceção, admite-se a revisão judicial dos contrados de cumprimento a prazo ou em prestações sucessivas, quando uma das partes, vem a ser prejudicada por uma alteração excepcional e imprevista da conjuntura econômica; a possibilidade de ajuste baseia-se na teoria da imprevisão (ou da onerosidade excessiva), que entende implícita nos contratos a termo ou de trato sucessivo a cláusula “rebus sic stantibus” (enquanto as coisas ficarem como estão). CLASSIFICAÇÃO: - unilaterais – são os que criam obrigações unicamente para uma das partes - ex.: doação pura. - bilaterais – são os que geram obrigações para ambos os contratantes - ex.: compra e venda, locação, contrato de transporte; nenhum dos contraentes, antes de cumprida a sua obrigação, pode exigir o implemento da do outro; significa dizer que qualquer dos contratantes pode utilizar-se da exceção do contrato não cumprido (“exceptio non adimpleti contractus”), para recusar a sua prestação, ao fundamento de que o demandante não cumpriu a que lhe competia. - plurilaterais – são os que contêm mais de duas partes. - gratuitos (benéficos) – são os que apenas uma das partes aufere benefício ou vantagem; para a outra há só obrigação, sacrifício - ex.: doação pura. - onerosos – ambos os contraentes obtêm proveito, ao qual corresponde um sacrifício - ex.: compra e venda; subdividem-se em comutativos (são os de prestações certas e determinadas; as partes podem antever as vantagens e os sacrifícios, que geralmente se equivalem, decorrentes de sua celebração, porque não envolvem nenhum risco) e aleatórios (ao contrário, caracterizam-se pela incerteza, para as duas partes, sobre as vantagens e sacrifícios que deles pode advir).. - paritários – são os do tipo tradicional, em que as partes discutem livremente as condições, porque se encontram em pé de igualdade (par a par). - de adesão – são os que não permitem essa liberdade, devido à preponderância da vontade de um dos contratantes, que elabora todas as cláusulas - ex.: seguro, consórcio, transporte, os celebrados com as concessionárias de serviços públicos (fornecedoras de água, energia elétrica etc.). - de execução instantânea ou imediata – são os que se consumam num só ato, sendo cumpridos imediatamente após a sua celebração - ex.: compra e venda à vista. - de execução diferida – são os que devem ser cumpridos também em um só ato, mas em momento futuro - ex.: entrega, em determinada data, do objeto alienado). - de trato sucessivo ou de execução continuada – são os que se cumprem por meio de atos reiterados - ex.: prestação de serviços e compra e venda a prazo.

OnLine

JUS

- personalíssimos ou “intuitu personae” – são os celebrados em atenção às qualidades pessoais de um dos contraentes. - impessoais – são aqueles cuja prestação pode ser cumprida, indiferentemente, pelo obrigado ou por terceiro. - individuais – as vontades são individualmente consideradas, ainda que envolva várias pessoas. - coletivos – perfazem-se pelo acordo de vontades entre duas pessoas jurídicas de direito privado, representativas de categorias profissionais, sendo denominadas convenções coletivas. - principais – são os que têm existência própria e não dependem, pois, de qualquer outro - ex.: compra e venda, locação etc. - acessórios – são os que têm sua existência subordinada à do contrato principal ex.: cláusula penal, fiança etc. - solenes – são os que devem obedecer à forma prescrita em lei para se aperfeiçoarem. - não solenes – são os de forma livre; basta o consentimento para a sua formação. - consensuais – são os que se aperfeiçoam com o consentimento, isto é, com o acordo de vontades, independentemente da entrega da coisa e da observância de determinada forma. - reais – são os que exigem, para se aperfeiçoarem, além do consentimento, a entrega da coisa que lhes serve de objeto, como os de depósito, comodato e mútuo. - preliminares ou “pactum de contrahendo” – é o que tem por objeto a celebração de um contrato definitivo; tem, portanto, um único objeto. - definitivo – tem objetos diversos, de acordo com a natureza de cada um. - nominados – são os que têm designação própria; o CC disciplina 16 contratos nominados, como os de compra e venda, de doação, de locação etc., havendo outros em leis especiais. - inominados – são os que não a tem. - típicos – são os regulados pela lei, os que têm o seu perfil nela traçado. - atípicos – são os que resultam de um acordo de vontades, não tendo, porém, as suas características e requisitos definidos e regulamentados na lei. ARRAS (ou SINAL): o contrato preliminar pode ser garantido por um sinal; esta garantia firma a presunção de acordo final e torna obrigatório o contrato; as partes podem estipular o direito de se arrepender, não obstante as arras (se o arrependido for o que as deu, perdê-las-á em proveito do outro; se o que as recebeu, restituí-las-á em dobro). ESTIPULAÇÂO EM FAVOR DE TERCEIRO: ocorrerá quando uma pessoa convenciona com outra que esta concederá uma vantagem ou benefício em favor daquele, que não é parte no contrato. VÍCIOS REDIBITÓRIOS: são os defeitos ocultos da coisa, de certa gravidade, que a tornam imprópria ao uso a que é destinada ou lhe diminuam o valor, como, por ex., os defeitos de uma máquina ou a doença de um cavalo, que o comprador normalmente não poderia ter percebido no momento da compra; o prejudicado pode rescindir o contrato e exigir a devolução da importância paga, acrescida de perdas e danos se o vendedor

OnLine

JUS

conhecia o defeito (ação redibitória); se preferir, pode pedir apenas um abatimento de preço (ação “quanti minoris”); não caberá nenhuma reclamação se as partes pactuarem que o alienante não responde por vícios ocultos. EVICÇÃO: é a perda total ou parcial da coisa adquirida, por decisão judicial, em favor de terceiro, que era o verdadeiro dono. EXTINÇÃO: normalmente pelo cumprimento, dentro do prazo fixado; mas pode extinguir-se antes do cumprimento, ou no decurso deste, através da rescisão. ESPÉCIES: COMPRA E VENDA: um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de certa coisa, e outro, a pagar-lhe certo preço em dinheiro. - elementos essenciais – coisa, preço e consentimento (livre e espontâneo). - efeitos – a) gerar obrigações recíprocas para os contratante: para o vendedor, a de transferir o domínio de certa coisa, e para o comprador, a de pagar-lhe certo preço em dinheiro; b) acarretar a responsabilidade do vendedor pelos vícios redibitórios e pela evicção; outros efeitos decorrentes de sua celebração podem ser chamados de secundários ou subsidiários, como: responsabilidade pelos riscos, repartição das despesas, direito de reter a coisa ou o preço. - limitações à compra e venda – venda de ascendente a descendente; aquisição de bens do mandante pelo mandatário; venda da parte indivisa em condomínio; venda entre cônjuges. - vendas especiais – venda mediante amostra; venda “ad corpus” e venda “ad mensuram”. - cláusulas especiais à compra e venda – retrovenda; venda a contento; preempção ou preferência; pacto de melhor comprador; pacto comissório; compra e venda com reserva de domínio. TROCA (ou PERMUTA, ou ESCAMBO): é contrato pelo qual as partes se obrigam a dar uma coisa por outra, que não seja dinheiro; difere da compra e venda apenas porque, nesta, a prestação de uma das partes consiste em dinheiro. DOAÇÃO: é o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra, que os aceita; espécies: pura e simples (ou típica); onerosa (modal, com encargo ou gravada); remuneratória; mista; em contemplação do merecimento do donatário (contemplativa); feita ao nascituro; em forma de subvenção periódica; em contemplação de casamento futuro; entre cônjuges; em comum a mais de uma pessoa (conjuntiva); de pais a filhos; inoficiosa; com cláusula de retorno ou reversão; manual.. LOCAÇÃO DE COISAS: é contrato pelo qual uma das partes se obriga a ceder à outra, por tempo determinado, ou não, o uso e gozo de coisa não fungível, mediante certa retribuição. -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO (Lei n° 8.245/91):

- residencial - comum:

OnLine

JUS

- 30 meses ou mais (denúncia vazia). - menos de 30 meses (só denúncia motivada, salvo se o contrato tiver mais de 5 anos). - contratos antigos (denúncia vazia, com prazo maior para desocupação). - livre negociação (imóveis novos ou contratos feitos 5 anos após a lei). - por temporada - até 90 dias (denúncia vazia). - não residencial - comercial: locatários comerciantes ou industriais (denúncia vazia; direito à renovatória). - civil: locatários civis (denúncia vazia; renovatória só para sociedades civis com fins lucrativos). - especial: escolas, hospitais e asilos (denúncia motivada). - de benefício ou vantagem profissional indireta: denúncia vazia.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------LOCAÇÃO DE SERVIÇOS: é toda espécie de serviço ou trabalho lícito, material ou imaterial, contratado mediante retribuição; só tem aplicação nas relações não regidas pela CLT. EMPREITADA: é o contrato em que uma das partes (o empreiteiro) obriga-se a realizar determinada obra, pessoalmente ou por meio de terceiros, mediante remuneração a ser paga pela outra (o dono da obra), de acordo com as instruções desta e sem relação de subordinação. COMODATO: é o empréstimo gratuito de coisas não fungíveis - ex.: empréstimo de vasilhame no comércio de bebidas. MÚTUO: é o empréstimo de coisas fungíveis, pelo qual o mutuário obriga-se a restituir ao mutuante o que dele recebeu em coisa do mesmo gênero, qualidade e quantidade. DEPÓSITO: o depositário recebe um objeto móvel, para guardar, até que o depositante o reclame. MANDATO: é quando alguém recebe de outrem poderes para, em seu nome, praticar atos, ou administrar interesses. GESTÃO DE NEGÓCIOS: ocorre quando uma pessoa, sem autorização do interessado, intervém na administração de negócio alheio, dirigindo-o segundo o interesse e a vontade presumível de seu dono. EDIÇÃO (Lei n. 9.610/98): difere do contrato de cessão de direitos autorais (que transmite definitivamente o direito cedido), pois apenas assegura ao editor o direito de publicação de uma ou mais edições, contendo determinado número de exemplares; o autor concede ao editor o direito exclusivo de reproduzir e de divulgar obra literária, artística ou científica, explorando-a economicamente. REPRESENTAÇÃO DRAMÁTICA (Lei n. 9.610/98): é o acordo de vontades pelo qual o autor de obra literária e artística autoriza sua representação ou execução. SOCIEDADE: é o celebrado por pessoas que mutuamente se obrigam a combinar seus esforços ou recursos, para lograr fins comuns.

OnLine

JUS

PARCERIA RURAL (Estatuto da Terra): é contrato em que uma pessoa, denominada parceiro-outorgante, cede prédio rural a outra (parceiro-outorgado), para ser por esta cultivado, repartindo-se os frutos entre as duas, na proporção que estipularem. CONSTITUIÇÃO DE RENDA: é aquele pelo qual uma pessoa (o instituidor) entrega a outrem (rendeiro ou censuário) um capital, que pode consistir em um imóvel, obrigando-se este a pagar àquele ou a terceiro por ela indicado, periodicamente, uma determinada prestação. SEGURO: é aquele pelo qual uma das partes se obriga pra com a outra, mediante a paga de um prêmio, a indenizá-la do prejuízo resultante de riscos (é a exposição de pessoa, coisa ou interesse a dano futuro e imprevisível) previstos no contrato. JOGO OU APOSTA: as dívidas de jogo ou aposta, não autorizados, não obrigam a pagamento; mas não se pode recobrar a quantia que voluntariamente se pagou, salvo se foi ganha por dolo, ou se o perdente é menor ou interdito. FIANÇA: é quando uma pessoa se obriga por outra, para com o seu credor, a satisfazer a obrigação, caso o devedor não a cumpra.

DAS DECLARAÇÕES UNILATERAIS DA VONTADE
TÍTULOS AO PORTADOR: o detentor de um título ao portador, quando dele autorizado a dispor, pode reclamar do respectivo subscritor ou emissor a prestação devida; o subscritor, ou emissor, porém, exonera-se, pagando a qualquer detentor, esteja ou não autorizado a dispor do título; para que cesse a presunção de que o portador do título está autorizado a receber é indispensável que tenha havido oposição judicial de terceiro, devidamente fundada; na época do Governo Collor, o legislador pátrio, proibiu a emissão de títulos ao portador, que foram, assim, banidos da nossa legislação. PROMESSA DE RECOMPENSA: uma vez emitida a promessa, dirigida a pessoa indeterminada, o promitente fica vinculado obrigacionalmente, se não revogá-la com a mesma publicidade com que a fez - ex.: a oferta, veiculada em jornal, de recompensa a quem encontrar determinado objeto, ou certo animal de estimação.

DAS OBRIGAÇÕES POR ATOS ILÍCITOS
RESPONSABILIDADE CIVIL: CONCEITO: é a obrigação imposta a uma pessoa de ressarcir os danos sofridos por alguém. ESPÉCIES: - contratual – rege-se pelos princípios gerais dos contratos. - extra-contratual (ou aquiliana) – baseia-se, em princípio, na culpa; conforme dispõe o artigo 159, CC: “aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito, ou causar prejuízo a outrem, fica obrigado a reparar dano”.

OnLine

JUS

MODALIDADES DA CULPA: - grave – quando resulta de dolo ou negligência crassa. - leve – quando a conduta se desenvolve sem a atenção normalmente devida. - levíssima – quando o fato só teria sido evitado mediante cautelas extraordinárias. - “in eligendo” – má escolha do representante ou preposto. - “in vigilando” – falta de vigilância de pessoas ou de coisas. - “in custodiendo” – falta de guarda devida de coisa, animal ou pessoa. - “in concreto” – exame da culpa em relação a um padrão ideal de diligência. - “in omittendo” – culpa por omissão. - “in committendo” – culpa por ação. AMPLICAÇÃO DA RESPONSABILIDADE CIVIL: a pessoa não responde apenas pelos danos que tenha causado por dolo ou por culpa; a lei e a jurisprudência impõem também a responsabilidade indireta dos pais, tutores, curadores, patrões ou comitentes, a responsabilidade pela guarda de coisas inanimadas, a responsabilidade pela guarda de animais e, ainda, em certos casos, a responsabilidade objetiva ou sem culpa. EXCLUDENTES DA RESPONSABILIDADE CIVIL: a ausência de nexo de causalidade, a culpa exclusiva da vítima, a legítima defesa, o fato exclusivo de terceiro, o caso fortuito ou força maior, e a cláusula de não indenizar. DANO MATERIAL (ou PATRIMONIAL): são os prejuízos econômicos sofridos pelo ofendido; a indenização deve abranger não só o prejuízo imediato (danos emergentes), mas também o que o prejudicado deixou de ganhar (lucros cessantes). DANO MORAL (ou PESSOAL): a expressão dano moral tem duplo significado; num sentido próprio (ou estrito), refere-se ao abalo dos sentimentos de uma pessoa, provocando-lhe dor, tristeza, desgosto, depressão, perda da alegria de viver etc.; num sentido impróprio (ou amplo), abrange também a lesão de todos e quaisquer bens ou interesses pessoais (exceto os econômicos), como a liberdade, o nome, a família, a honra, e a própria integridade física. RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL: a civil é independente da criminal; não se poderá, porém, questionar mais sobre a existência do fato, ou quem seja o seu autor, quando estas questões se acharem decididas no crime; não obstante a sentença condenatória no juízo criminal, a ação civil poderá ser proposta quando não tiver sido, categoricamente, reconhecida a inexistência material do fato.

OnLine

JUS

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->