P. 1
Fluxo Sanguíneo - 2007

Fluxo Sanguíneo - 2007

|Views: 2.447|Likes:
Publicado porbarborium

More info:

Published by: barborium on Mar 03, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/07/2013

pdf

text

original

Função da circulação

Circulação Sistêmica
Circulação Pulmonar
Vias aéreas Vias aéreas
Alvéolo Alvéolo
pulmonar pulmonar
Circulação Circulação
pulmonar pulmonar
Circulação Circulação
sistêmica sistêmica
Células Células
Respiração Respiração
celular celular
Nutrientes Nutrientes
Introdução ao estudo do sistema circulatório

Relação entre fluxo e pressão
Fluxo sanguíneo
Fluxo α ∆ P
O sangue flui de uma área de alta pressão para uma área de baia pressão

Relação entre fluxo e resistência
Fluxo sanguíneo
Fluxo α 1
R
A resistência se op!e ao fluo

Quais os parâmetros ue determinam a resistência!
Fluxo sanguíneo
R "
# η l
π r
$
η
" %iscosidade do sangue
l " comprimento do %aso
r " raio
8/ π = constante de proporcionalidade
A resistência é influenciada por " variáveis
η l
r
$
R "
Comprimento da circulação sistêmica é determinado
pela anatomia do sistema e é constante
A viscosidade do sangue é determinada pela relação
entre as células, plasma e proteínas plasmáticas e
normalmente é constante

Quais os parâmetros ue determinam a resistência!
Fluxo sanguíneo
R "
# η l
π r
$
η
" %iscosidade do sangue
l " comprimento do %aso
r " raio
8/ π = constante de proporcionalidade
A resistência é influenciada por " variáveis
η l
r
$
R "
A viscosidade do sangue é determinada pela relação
entre as células, plasma e proteínas plasmáticas e
normalmente é constante
Comprimento da circulação sistêmica é determinado
pela anatomia do sistema e é constante

Quais os parâmetros ue determinam a resistência!
Fluxo sanguíneo
R "
# η l
π r
$
η
" %iscosidade do sangue
l " comprimento do %aso
r " raio
8/ π = constante de proporcionalidade
A resistência é influenciada por " variáveis
η l
r
$
R "
1
1
r r
$ $
R "
R "

Fluxo sanguíneo
Papel do raio na determinação da resistência

Fluxo sanguíneo
Papel do raio na determinação da resistência

∆ P
R
Fluxo "
Fluxo
P
1
P
&
#esistência #esistência
Fluxo sanguíneo
Relação entre fluxo' pressão e resistência

( "
taa de fluo
$rea de secção
transversal
(elocidade de fluxo
Fluxo sanguíneo
% a dist&ncia 'ue um dado volume de sangue percorre
em um certo per(odo de tempo

( "
taa de fluo
$rea de secção
transversal
(elocidade de fluxo
) ue * taxa de fluxo!
Fluxo sanguíneo
Volume de sangue 'ue passa por um determinado ponto do sistema
em uma unidade de tempo
Ex. taxa de fluxo sanguíneo na aorta de um homen de !"g em repouso #
$l%min
% a dist&ncia 'ue um dado volume de sangue percorre
em um certo per(odo de tempo

+rea da secção trans%ersal
total dos %asos
cm
2
,orta &'-
,rteríolas $.
/apilares &0-..
(ênula &-.
(eias /a%as#
( "
taa de fluo
$rea de secção
transversal
) ue * a 1rea de secção
trans%ersal total!
Fluxo sanguíneo
(elocidade de fluxo

Fluxo sanguíneo
(elocidade de fluxo

+rea de secção
trans%ersal total
(elocidade do
fluxo sanguíneo
Quanto maior a
1rea de secção
trans%ersal total
mais lenta * a
%elocidade do fluxo
(
e
i
a
s

c
a
%
a
s
,
o
r
t
a
,
r
t
*
r
i
a
s
,
r
t
e
r
í
o
l
a
s
(
ê
n
u
l
a
s
(
e
i
a
s
/
a
p
i
l
a
r
e
s
Fluxo sanguíneo
(elocidade de fluxo

Fluxo laminar Fluxo laminar
Perfil Parabólico de Velocidade Perfil Parabólico de Velocidade
Fluxo tur2ulento Fluxo tur2ulento
Fluxo sanguíneo
3ipos de fluxo

4istri2uição entre os órgãos
Fluxo sanguíneo

/ada órgão tem a capacidade de
controlar seu próprio fluxo sang5íneo
de acordo com suas necessidades
meta2ólicas0
/ada órgão tem a capacidade de
controlar seu próprio fluxo sang5íneo
de acordo com suas necessidades
meta2ólicas0
Importância6 e%itar so2recarga cardíaca Importância6 e%itar so2recarga cardíaca
4istri2uição entre os órgãos
Fluxo sanguíneo

(aria de acordo com as (aria de acordo com as
necessidades meta2ólicas necessidades meta2ólicas
4istri2uição entre os órgãos
Fluxo sanguíneo

(ariaç7es da resistência arteriolar
8ocal
,ção direta de
meta2ólitos locais
9umoral
:u2stâncias %asoati%as
;<istamina' 2radicinina=
:>, :imp1tico
?ecanismos de controle
Fluxo sanguíneo

8ocal
?ecanismos de controle
Fluxo sanguíneo
9umoral

,utoregulação miogênica
?antem o fluxo sanguíneo constante diante das %ariaç7es da P,
1
?ecanismos de controle local
Aumento da PA
Aumenta o fluo na arter(ola
)istensão das fibras musculares lisas
A arter(ola se contrai
Fluxo sanguíneo

9iperemia ati%a
↑ do fluxo em resposta a
↑ da ati%idade meta2ólica
9iperemia reati%a
↑ do fluxo em resposta a
↓ do mesmo
& @
?ecanismos de controle local
Fluxo sanguíneo

9iperemia ati%a
↑ do fluxo em resposta a
↑ da ati%idade meta2ólica
9iperemia reati%a
↑ do fluxo em resposta a
↓ do mesmo
& @
?ecanismos de controle local
Fluxo sanguíneo

Afeito Afeito
(asoconstrição >oradrenalina ;α 1=
&pele e mucosa',
,ngiotensina'
(asopressina'
Andotelina
Bons ;/a
&C
=
(asodilatação ,drenalina ;β &=
&m. Es(uelética, m. v. liso do
coração, fígado',
Dradicinia' 9istamina
Bons ;E
C
' ?g
C
=
?ecanismos de controle <umoral
Fluxo sanguíneo

:>, :imp1tico F /ontrole tGnico do diâmetro arteriolar
?ecanismos de controle <umoral
Fluxo sanguíneo

?icrocirculação
8ocal onde ocorre o
transporte de nutrientes
para os tecidos e a
remoção dos produtos do
meta2olismo celular
Fluxo sanguíneo
Vias aéreas Vias aéreas
Alvéolo Alvéolo
pulmonar pulmonar
Circulação Circulação
pulmonar pulmonar
Circulação Circulação
sistêmica sistêmica
Células Células
Respiração Respiração
celular celular
Nutrientes Nutrientes

capilares
vênulas
arter(olas
;vasos de resistência=
?icrocirculação
Fluxo sanguíneo

?ecanismo de troca de solutos e gases
4ifusão simpes
8ipossolH%eis
>Hcleo
/*lulas
Andoteliais
?em2rana
2asal
Aspaço
intercelular
(esículas
9idrossolH%eis
Capilares fenestrados* rins e intestinos
?icrocirculação
Fluxo sanguíneo

P//
I&#
P9/
C@.
Pi
I@
P/i
C#
Pressão Afeti%a de Filtração6
+", + " + - . /- 0 + 1" mm9g
Pressão Afeti%a de Filtração6
+", + " + - . /- 0 + 1" mm9g
Axtremidade
arterial
Axtremidade
%enosa
Pressão Afeti%a de Rea2sorção6
+1, + " + - . /- 0 2 3 mm9g
Pressão Afeti%a de Rea2sorção6
+1, + " + - . /- 0 2 3 mm9g
P9/
C1.
Pi
I@
P/i
C#
P//
I&#
?ecanismo de troca de líuidos
)smose F 4eterminada pelas press7es de :tarling
P4C . pressão 5idrostática capilar
Pi . pressão 5idrostática do l('uido intersticial
PCi . pressão coloidosm6tica intersticial
PCC . pressão coloidosm6tica capilar
?icrocirculação
Fluxo sanguíneo

7,8 do l('uido filtrado é reabsorvido9 o restante
retorna a circulação através dos vasos linfáticos
?ecanismos de troca de líuidos
?icrocirculação
Fluxo sanguíneo

Adema
?icrocirculação
Fluxo sanguíneo
Ac:mulo de l('uido no interst(cio;

Adema I /ausas
1010 ↑ Pressão /apilar
Ax0 /ausada por ↑
de pressão %enosa
10&0 ↓ Pressão /oloidosmóstica
/apilar
Ax0 4esnutrição prot*ica
10@0 ↑ Permea2ilidade capilar
Ax0 Inflamação
10 Filtração capilar excede
em muito a a2sorção
&0 /omprometimento da
drenagem linf1tica
Ax0 Remoção ou irradiação
dos linfonodos no tratamento
do câncer
?icrocirculação
Fluxo sanguíneo



You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->