P. 1
As 4 Teorias da Motivação

As 4 Teorias da Motivação

|Views: 8.158|Likes:
Publicado porEdegar Faria
As teorias da motivação humana traçam o comportamento baseado em sua psique e no meio ambiente.
As teorias da motivação humana traçam o comportamento baseado em sua psique e no meio ambiente.

More info:

Published by: Edegar Faria on Mar 07, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/17/2013

pdf

text

original

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Faculdade de LACCE – Letras, Artes, Comunicação e Ciências da Educação
Comunicação Social – Habilitação em Publicidade e Propaganda
Edegar Faria – RA: 200911043

As teorias da motivação humana

Trabalho apresentado para avaliação na disciplina de Psicologia e Comportamento do Consumidor do curso de Publicidade e Propaganda, turma 2ACSMPP, da

Universidade São Judas Tadeu. Professor Tonny.

SÃO PAULO 2010

Teoria Behaviorista
John Broadus Watson (1878-1958) foi um psicólogo americano, considerado o fundador do comportamentalismo (ou behaviorismo). A teoria behaviorista começou em 1913 com “A psicologia como um comportamentalista a vê”. Nela, a motivação tem caráter apenas impulsivo, já que as respostas aos estímulos seriam automáticas e motivadas pelo ambiente. John defende que a psicologia não deveria estudar processos internos do ser humano, mas sim o comportamento (behavior), pois acredita ser possível prever e controlar a conduta humana. Assim, qualquer modificação que resulte do meio ambiente pode provocar manifestações do comportamento.

Teoria Cognitiva
Kurt Lewin (1890-1947) foi o psicólogo que deixou a herança mais importante para o movimento das ciências do comportamento. Orientou e inspirou a maior parte dos pesquisadores dedicados à administração e à psicologia industrial de década de 1960. Com Gordon Allport, Lewin foi a maior influência para a introdução da psicologia Gestalt nas universidades americanas.

A teoria cognitivista, no começo do século XX, negou o efeito automático do comportamentalismo. O comportamento seria fruto dos estímulos do meio ambiente somado às escolhas conscientes, com base na percepção, pensamento, raciocínio, etc. O indivíduo prevê as consequências desse comportamento, pois teve embasamento em suas próprias experiências.

Teoria Psicanalítica
Sigmund Freud (1856-1939) é considerado o pai da psicanálise. Estudou medicina na Universidade de Viena e desde cedo se especializou em neurologia. Seus estudos foram os pioneiros acerca do inconsciente humano e suas motivações.

Nessa teoria de meados de 1882 o comportamento é determinado pela motivação inconsciente e pelos impulsos instintivos. Freud divide a psique em id, ego e superego que são, respectivamente, o inconsciente, o consciente e o controle. O inconsciente é a essência do indivíduo, quem ele realmente é. Os desejos sexuais e os reprimidos são gerados por ele. O consciente é questão moral e cultural que influencia esse ser. As convenções da sociedade que o integra. E o controle tem o papel de intermediação entre o id e o ego.

Teoria humanista
Carl Ransom Rogers (1902-1987) teve como primeiro foco de trabalho as crianças submetidas a abusos e maus tratos. Por essa época começou, por observação, a desenvolver suas teorias sobre personalidade e prática terapêutica. Aos 40 anos publicou o primeiro livro. Seguiram-se mais de 100 publicações destinadas a divulgar suas idéias, que ganharam seguidores em todo o mundo. Abraham Harold Maslow (1908-1970) foi um psicólogo americano que é conhecido por sua mais importante obra: “Hierarquia das Necessidades Humanas”.

A teoria humanista afirma que o homem não se limita a estímulos e respostas ou, até mesmo a impulsos. Seriamos movidos pelas necessidades internas e externas que podem ser fisiológicas ou psicológicas. Fruto desta teoria é a “Pirâmide de Maslow”.

Bibliografia

ANTONELLO, C. S. (s.d.). Acesso em 05 de março de 2010, disponível em Escola das Relações Humanas: http://nutep.adm.ufrgs.br/adp/RH.html KARSAKLIAN, E. (2000). Comportamento do Consumidor. São Paulo, Brasil: Atlas. MORAIS, O. (s.d.). Teoria Comportamentais e Cognitivas. Acesso em 15 de março de 2010, disponível em Educação & Soluções Web Osvaldo Morais :

http://www.osvaldomorais.com/index.php?option=com_content&view=article&id=73:t eoria-comportamentais-e-cognitivas&catid=44:artigos&Itemid=84 ROGERS, C. (julho de 2008). Carl Rogers - Um psicólogo a serviço do estudante. Acesso em 05 de março de 2010, disponível em Nova Escola:

http://revistaescola.abril.com.br/historia/pratica-pedagogica/carl-rogers-428141.shtml SANTANA, A. L. (24 de 09 de 2007). Behaviorismo. Acesso em 05 de março de 2010, disponível em InfoEscola: http://www.infoescola.com/psicologia/behaviorismo/

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->