P. 1
ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES valendo

ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES valendo

|Views: 504|Likes:
Publicado pormirorajao
Altamiro rajão, argumentos que se podem invocar para as privatizações, Finanças públicas, direito económico, teoria macroeconómica, Privatização, privatização formal ou legal, privatização económico-financeira , privatização material, privatização organizativa, privatização funcional, trinta gloriosos anos, consenso keynesiano, doutrina da privatização, margaret thatcher, fundo monetário internacional (fmi), banco mundial, consenso keynesiano, john m. Keynes, empresas públicas, gastos públicos, o estado liberal, estado mínimo, inglaterra, frança, países do leste europeu, méxico, argentina, brasil, chile, mário soares, prémio de ciênciais económicas, milton friedman, aumento das receitas do estado, aumento da concorrência e da eficiência, maior distribuição das acções, vital moreira, teresa luso soares.
Altamiro rajão, argumentos que se podem invocar para as privatizações, Finanças públicas, direito económico, teoria macroeconómica, Privatização, privatização formal ou legal, privatização económico-financeira , privatização material, privatização organizativa, privatização funcional, trinta gloriosos anos, consenso keynesiano, doutrina da privatização, margaret thatcher, fundo monetário internacional (fmi), banco mundial, consenso keynesiano, john m. Keynes, empresas públicas, gastos públicos, o estado liberal, estado mínimo, inglaterra, frança, países do leste europeu, méxico, argentina, brasil, chile, mário soares, prémio de ciênciais económicas, milton friedman, aumento das receitas do estado, aumento da concorrência e da eficiência, maior distribuição das acções, vital moreira, teresa luso soares.

More info:

Published by: mirorajao on Mar 08, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/14/2012

pdf

text

original

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

INTRODUÇÃO A presente temática das privatizações apresenta-se, pois, como assunto do dia no campo das Finanças Públicas, do Direito Económico e da Teoria Macroeconómica em geral. É um tema fluido e movediço, pois as alterações legislativas se sucedem a um ritmo veloz, bem como, cada Estado possui especificidades económicas próprias em relação a este tema. Nesta matéria, os contributos doutrinários mais importantes provêm de autores anglo-saxónicos, franceses, italianos e alemães, a que não será porventura estranho o facto de nestes países se terem desenvolvido vastos programas de privatização de empresas públicas. Entretanto, a perspectiva do presente trabalho é apresentar o tema num panorama geral e especificamente, aos “argumentos que se podem invocar para as privatizações”. Então, vamos a eles:

CONCEITO O termo “privatização” é uma designação genérica de vários programas e políticas públicas que podem ser globalmente definidos como “a transferência de actividades, provisão e responsabilidades do governo/instituições e organizações públicas para indivíduos e organizações privadas”. Também, pode ser entendida como um processo por meio do qual uma companhia ou empresa pública é adquirida por uma empresa privada.
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

1

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

Tornou-se uma tendencia na maioria dos países a partir da década de 1980 e representou um dos instrumentos na política de abertura da economia dos países em desenvolvimento, que reduziu substancialmente a actividade empresarial do Estado. A privatização de uma empresa ocorre, na maioria das vezes: 1) quando ela passa a apresentar lucros a curto ou médio prazo, após a maturação do investimento pioneiro feito pelo Estado, tornando-se então um empreendimento atraente para a empresa privada; 2) depois de um trabalho saneador do Estado, quando se trata de empresa falida, absorvida pelo poder público. Muitas vezes a privatização é vista também como uma “liberalização” – quando os agentes são libertados das regulações governamentais – e uma “mercantilização” – quando são criados novos mercados que proporcionam alternativas aos serviços do governo ou aos sistemas de distribuição estatal. TIPOS Como mencionando anteriormente, entende-se aqui, por processo de privatização, a transferência parcial ou total do patrimônio pertencente ao Estado, na condição de proprietário de uma empresa, para a iniciativa privada através de uma operação de venda e compra, normalmente realizada em forma de leilão público. Outra forma de efetuar esse processo é através da concessão, pelo Estado, da exploração de um serviço, seja de transporte, fornecimento de energia elétrica ou distribuição de água para a iniciativa privada, por exemplo. Evidentemente que cada Estado adoptará a classificação de tipos, os métodos e as técnicas de privatização de empresas públicas que são mais indicados a sua situação específica. Entretanto, para efeito de mera ilustração, abordaremos a classificação de Luis Morais, senão vejamos: a. PRIVATIZAÇÃO FORMAL OU LEGAL: é aquela que se traduz unicamente na mudança de forma legal, transformando empresas públicas stricto sensu em sociedades anónimas de capitais públicos. Tal não implica desnacionalizar visto que continuaremos a estar em presença de empresas públicas lato sensu ou empresas públicas de estrutura societária. b. PRIVATIZAÇÃO ECONÓMICO-FINANCEIRA – é aquela que se traduz pela abertura das empresas ao capital privado, mas sem o Estado abdicar do controle jurídico que lhe advém de uma participação maioritária, superior a 50 %. c. PRIVATIZAÇÃO MATERIAL – subdividindo-se esta em Privatização Organizativa, que compreende essencialmente a figura da concessão, e em
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

2

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

Privatização Funcional, na qual a função empresarial em causa é controlada pela parte privada. Esta Privatização Funcional pode ainda ser Parcial, se a parte privada detiver mais de 50 % do capital social, mas não a totalidade do mesmo, ou Total, se os privados forem titulares dessa totalidade. ANTECEDENTES Para compreender corretamente as privatizações, é necessário retrocedermos alguns séculos às doutrinas económicas de Adam Smith, uma vez que as privatizações são uma re-leitura moderna daquela doutrina. Embora a "privatização" possa ter-se constituído num novo burburinho é importante reconhecer que ela não é um fenómeno novo. Enquanto para os economistas ortodoxos a privatização representa um conceito hegemonico, outras disciplinas vêem esse fenómeno sob diversos ângulos. Assim, a privatização pode ser vista como um fenómeno fundamentalmente político - e não económico, administrativo ou fiscal. Em apertada síntese, a privatização é antagónica ao intervencionismo estatal. Foram nos conhecidos “trinta gloriosos anos” (três décadas seguidas) que sucederam a II Guerra Mundial, o mundo assistiu e experimentou uma crescente intervenção do Estado na economia e na sociedade, contrariando os preceitos aprovados no grande acordo de Bretton Woods. Ironicamente, foram as idéias de M. Keynes, justamente o perdedor de Bretton Woods, que orientaram, em grande parte, as relações fundamentais entre Estado e Mercado durante todo esse período, marcado pelo chamado “consenso keynesiano”. Entretanto, não foi apenas a força das idéias de Keynes que se encarregou de moldar essas relações. Somaram-se a isso o grande esforço de reconstrução da Europa e Japão acrescentado do esforço de construção dos estados nacionais nos países descolonizados no período pósguerra. Todos esses esforços exigiram grandes e profundas intervenções do Estado na vida das pessoas e das empresas. Está comprovado que a "doutrina da privatização" foi ativamente praticada e promovida pelas administrações Ford, Carter e Reagan nos EUA, e pela administração Thatcher no Reino Unido. O interesse pelas privatizações no mundo emanou originalmente das iniciativas de desregulamentação proclamadas e esposadas por essas administrações, que particularmente favoreciam a minimização do papel e das responsabilidades do Estado ou do sector público da economia, e assim transferiram essa responsabilidade ao sector privado. Modernamente, esse processo iniciou-se no Chile de Augusto Pinochet em 1973 e atingiu seu ápice na década de 1980 nos países desenvolvidos como no Reino Unido, por exemplo, sob o governo da primeira-ministra Margaret Thatcher. Estendeu-se, na década de 1990, à América Latina, onde foi incentivada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Mundial, sendo uma estratégia
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

3

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

recomendada pelo chamado Consenso de Washington que, segundo então diziam seus seguidores, aceleraria o crescimento económico nos países que o adotassem. ACTUALMENTE Actualmente, a tendência para a privatização é muito forte, ocorrendo em vários países e sectores da economia. Esta é uma tendência mundial dos Governos retirarem-se de certas actividades consideradas produtivas e concentrar seus esforços em atribuições mais correlatas com a função pública do Estado. FACTORES DETERMINANTES PARA A PRIVATIZAÇÃO ASPECTOS POLÍTICOS, ECONÓMICOS E SOCIAIS O mundo, na última metade do século passado e, em especial nos últimos 20 anos, sofreu e continua sofrendo profundas transformações em praticamente todos os campos do conhecimento, motivadas principalmente pelas inovações tecnológicas que levaram a uma nova ordem política, econômica e social, buscandose cada vez mais integração e tudo isto resultando em uma sociedade em constante evolução, porém ainda longe da ideal. Para satisfazer o clamor dessa nova sociedade que está se formando, fez-se necessário uma redefinição do papel do Estado nas economias, de forma a possibilitar o atendimento de seus anseios e carências, bem como das novas funções exigidas por esta sociedade em mutação, de maneira que o modelo de participação do Estado (chamado “consenso keynesiano”) conhecido até os anos 70 já não era mais capaz de suprir. Há dois enfoques sob os quais o Estado tem sido analisado e posicionado segundo sua participação na economia dos países. Sob a ótica intervencionista, o Estado deve participar activamente na economia, como agente produtivo e regulador. Por outro lado, sob o ponto de vista liberal, o Estado deve atuar na economia apenas como agente regulador, garantindo a igualdade de condições concorrenciais e concentrando seus esforços nas áreas de segurança, ensino, saúde e saneamento. O ESTADO INTERVENCIONISTA Um dos principais teóricos do pensamento intervencionista, como já mencionado, foi John M. Keynes (1883-1946), que defendia a intervenção do Estado na economia sempre que necessário, inclusive no sector produtivo, sendo esta intervenção mais importante nas áreas industrial, de infra-estrutura e energética dos países subdesenvolvidos do que nos países desenvolvidos. Por esta razão, durante e principalmente após a Segunda Guerra Mundial, a participação do Estado nas economias cresceu. As razões sugerem a importância estratégica de determinadas empresas durante a guerra, evitando riscos de desabastecimento em momentos críticos, a eminente falência de grandes empresas e a necessidade de grandes investimentos para a reconstrução da infra-estrutura dos países atingidos pela guerra. Um dos mecanismos intervencionistas utilizado pelo Estado, à época, foi à instituição de Empresas Públicas. Estas, assim chamadas pelo facto de serem os
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

4

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

poderes públicos (titulares da propriedade da empresa) que asseguram, total ou parcialmente, as funções do empresário, representam uma das manifestações do domínio crescente do Estado sobre a economia. Normalmente o crescimento do número de empresas públicas teve por origem em três causas essenciais: políticas, sociais e económico-financeiras. A) CAUSAS POLITICAS - em resultado de um confisco ou de uma expropriação (causas ocasionais); - por uma preocupação de segurança, entendida no seu sentido amplo (segurança e independência do Estado).

B) CAUSAS SOCIAIS - desempenho de um papel social sem preocupação de rendabilidade, traduzido num serviço gratuito ou cujo preço não tenha relação com a utilidade proporcionada, nem com os custos dos mesmos (casos do-ensino, assistência médica, transportes, etc.); - desejo de favorecer uma classe relativamente à outra, seja pela intervenção dos sistemas de crédito público, seja pela distribuição dos bens de consumo, seja ainda pelas prestações de serviços.

C) CAUSAS ECONÓMICAS E FINANCEIRAS - intervenção durante um período de depressão, mediante um estímulo financeiro, no sentido de evitar no curto prazo consequências económicas nocivas ao sector (desemprego, perturbação do funcionamento dos bens ou serviços necesssários a colectividade, etc.); - desejo de melhorar, criar ou desenvolver certos sectores da actividade económica (por exemplo, a fabricação nacional de automóveis); - intervenção nos sectores em que realizações técnicas importantes sejam incompatíveis com a lógica do investimento capitalista e, conseqüentemente, não surja em razão de riscos especialmente elevados ou de uma rendabilidade hipotética ou longínqua que desencoraja a iniciativa privada; - quando é necessária uma actividade de coordenação no interior de uma dada indústria na qual o Estado toma o lugar que caberia à empresa dominante numa organização privada, no sentido de dar uma orientação mais conforme com o interesse geral (por exemplo, a Banca e os Seguros).
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

5

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

Assim, o que podemos concluir é que a participação do Estado nas economias, à época, seguia a lógica de suprir as deficiências de investimentos do capital privado e de limitar sua atuação. GASTOS PÚBLICOS Devido ao crescimento acelerado, muitos países passaram a enfrentar crises fiscais já que o grande crescimento de suas despesas não vinha acompanhado de semelhante aumento em suas receitas, o que levou estes países a tomarem certas medidas a fim de reduzirem os gastos públicos. Neste sentido, nota-se que os governos optaram por reduzirem despesas de capital ao invés de reduzirem despesas correntes e, em especial, os países em desenvolvimento decidiram pela redução no investimento público. Esta política de não investimento levou o poder público destes países a reduzir seus orçamentos para projetos onde não há condições de aferir corretamente seus retornos (por exemplo: quanto vale a despoluição de um rio ou lago), ou ainda que possuam retornos negativos ou muito baixos; facto que levou a uma infra-estrutura problemática nos países em desenvolvimento, tornando-se um obstáculo ao seu crescimento económico. Na tabela a seguir, podemos observar o aumento dos gastos públicos em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) de alguns países.

Buscando redefinir o papel do Estado em suas economias, além da forte preocupação com uma redução mais acentuada dos gastos públicos e a necessidade de investimentos pesados em vários sectores da economia, surgiu como alternativa aos governos empreenderem programas de privatização de empresas cujo controle era do Estado que, somado a factores ideológicos, teve como conseqüência uma onda mundial de privatizações iniciada a partir dos anos 80. Como já mencionado, entendemos privatização neste trabalho como sinónimo de desestatização, ou seja, transferência da propriedade de ativos e de funções de serviços do sector público ou estatal para o sector privado.
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

6

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

O ESTADO LIBERAL Após os “trinta gloriosos anos”, a crise estrutural do Estado da Providência e o elevado nível de endividamento público se encarregam de colocar em xeque a capacidade de intervenção do Estado. Parecia, então, que a escola liberal austríaca, liderada por Hayek, tinha razão quando, em contraposição a M. Keynes, afirmava que a intervenção estatal na economia e na sociedade tem como conseqüência a subtração da eficiência dos mecanismos de mercado além de restringir a liberdade dos indivíduos no momento das decisões de suas escolhas. Para os liberais, sua principal referência é Adam Smith (1723-1790), que enfatiza as funções reservadas ao Estado como as de agente regulador, sem interferir na economia, garantindo a segurança dos cidadãos e da propriedade, deixando as actividades produtivas para a iniciativa privada onde o mercado se encarregaria de proporcionar os ajustes necessários. Dá-se assim início a um processo de substituição de consenso, que resultou numa grande onda de reformas estruturais que afetaram diretamente as relações fundamentais entre Estado, mercado e sociedade, orientadas agora pelo “consenso neoliberal”, popularmente chamado de teoria do “Estado mínimo”. Sem dúvida alguma que, R. Regan, nos Estados Unidos da América-EUA, e M. Tatcher, no Reino Unido, foram os grandes condutores práticos dessas reformas que ganharam dimensão mundial. EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS DE PRIVATIZAÇÃO Como já mencionado, a partir dos anos 70, mas principalmente após o início da década de 80, muitos países ao redor do mundo iniciaram programas de privatização. Existem muitos trabalhos publicados acerca deste processo reforçam que agora é definitivamente conclusiva a evidência de que a transferência do controle das empresas geridas pelo Estado para a iniciativa privada leva à melhora de sua eficácia em amplos aspectos. Alguns dos países que adotaram programas de privatização chamam nossa atenção, tais como: Inglaterra, França, Países do Leste Europeu, México, Argentina, Brasil e Chile. A OPINIÃO PÚBLICA No início da década de 1990, a privatização era vista como um elixir que rejuvenesceria infra-estruturas letárgicas e ineficientes e revitalizaria economias estagnadas. Actualmente, entretanto, a privatização é vista de forma cética e hostil. Pesquisas de opinião pública, especialmente na América Latina, têm revelado uma crescente insatisfação com o modelo de privatizações. No ano de 2002, 90% dos argentinos, 80% dos chilenos, 78% dos bolivianos, 72% dos mexicanos, 70% dos nicaraguenses, 68% dos peruanos e 62% dos brasileiros pesquisados desaprovaram as privatizações. Isto tem gerado inúmeras controvérsias, levando a opinião pública a dividirse basicamente em dois blocos: aqueles que apóiam a iniciativa, acreditando que os
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

7

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

meios de produção devem ser administrados pela iniciativa privada devendo o Estado concentrar-se nas actividades de regulação, saúde, segurança e educação; e aqueles que acreditam ser questão de soberania nacional, além de considerarem que o património nacional não deva ser “entregue” ao capital estrangeiro, o que culminaria com um processo de enfraquecimento do Estado.
"Vejo com horror a privatização das águas, das auto-estradas e da saúde. Caso se entre numa política cega de privatizações, qualquer dia não há capital português e os grupos económicos estrangeiros tomam conta dos nossos sectores estratégicos." Mário Soares Ex-presidente da República

ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES ARGUMENTOS FAVORÁVEIS A privatização nas suas diversas modalidades e técnicas têm sido utilizadas pelos Governos como forma de reorganização do tecido produtivo nacional e de aumento de eficácia no aproveitamento dos recursos. As técnicas utilizadas estão ao serviço desses objectivos, e de outros como, por exemplo, a participação dos trabalhadores no capital social da empresa ou a dinamização no mercado de capitais. De qualquer forma, a motivação económica que subjaz a qualquer processo de privatização assenta sempre na análise dos ganhos de eficiência económica que podem resultar para a comunidade da alienação da empresa ou da concessão da sua. Exploração ao sector privado. Estando esta discussão dos argumentos favoráveis às privatizações na esfera política, buscou-se uma análise mais técnica do assunto e com isso surgiram vários estudos sobre a privatização. Ou seja, através desses estudos, observaram-se evidências empíricas da melhora do desempenho das empresas privatizadas; no entanto, a maioria desses trabalhos trata de teorias, de aspectos legais e de perspectivas futuras da privatização e da pós-privatização. Muito pouco se escreveu sobre os resultados obtidos em termos financeiros e de ganho de qualidade dos serviços aos consumidores finais. Na opinião de economistas liberais, como o "Prémio de Ciênciais Económicas" Milton Friedman, seus objetivos principais são obter maior eficiência, reduzir despesas e gerar recursos. Para Friedman, os governos deveriam vender suas empresas estatais. Vejamos alguns benefícios constatados em decorrência da privatização: 1. AUMENTO DAS RECEITAS DO ESTADO. Estas receitas permitem ao governo reduzir os seus empréstimos e fazer cortes nos impostos sem que seja necessário reduzir a despesa pública. No entanto, a privatização tem sido comparada a "venda das pratas da família". As empresas nacionalizadas mais fáceis de vender são, como óbvio, as mais lucrativas. Uma vez privatizadas, o
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

8

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

Estado perde as receitas liquidas futuras destas indústrias. O modo como o Estado aplica as receitas das privatizações é muito importante. Se forem utilizadas para financiar reduções dos impostos, será necessário voltar a aumentá-lo quando o programa de privatizações tiver terminado. Se forem utilizadas para reduzir a dívida pública, ajudará a reduzir a carga fiscal futura. 2. AUMENTO DA CONCORRÊNCIA E DA EFICIÊNCIA. Considera-se que o sector privado tem o estímulo da concorrência, uma vez que ineficiência é punida com a falência. As empresas do Estado não podem abrir falência porque o Estado garante os empréstimos de que necessitam. Esta diferença convence os defensores das privatizações de que as indústrias e as empresas transferidas para o sector privado serão mais eficientes. Os defensores da privatização acreditam que os gestores das empresas privatizadas estarão livres do controlo político e das interferências - poderão cobrar os preços que considerarem convenientes do ponto de vista comercial e realizar os investimentos que julgarem lucrativos. 3. MAIOR DISTRIBUIÇÃO DAS ACÇÕES. A difusão da titularidade das acções é outro objectivo das privatizações. A idéia é retirar a propriedade do estado e de grandes instituições e passá-la para os indivíduos. As privatizações foram às grandes responsáveis pelo aumento do número de accionistas privados. ARGUMENTOS CONTRÁRIOS Os que se opões às privatizações indiscriminadas de serviços públicos essenciais (as de fornecimento de água e coleta de esgotos, as de geração, transmissão e de distribuição de energia elétrica, as de telefonia fixa, as de gás canalizado e outras) argumentam que toda empresa privada tem como principal foco o lucro, e este, muitas vezes, se choca com a necessidade de prover pessoas de baixo poder aquisitivo com estes serviços fundamentais. O Banco Mundial, no capítulo 6 de seu relatório Crescimento económico na década de 1990: Aprendendo com a Década da Reforma (Economic Growth in the 1990s: Learning from a Decade of Reform) de 2005, declara que muitos observadores questionam agora se a privatização e a desregulamentação não teriam ido longe demais. A insatisfação actual não está limitada a países como a Confederação Russa, onde uns poucos indivíduos privilegiados e bem relacionados politicamente assenhorearam-se do controle de várias empresas a preços vis.
"Não sei se não estaremos a exagerar. Além de privatizar empresas comerciais e industriais, estamos a privatizar serviços públicos que fazem parte da cultura do Estado social. O Estado não deve ser um empresário, mas há serviços públicos que devem continuar a ser da sua responsabilidade" Vital Moreira Professor Universitário Constitucionalista
ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

9

ECONOMIA POLÍTICA - ARGUMENTOS QUE SE PODEM INVOCAR PARA AS PRIVATIZAÇÕES

2010

CONCLUSÃO Portanto, conclui-se que a Privatização é a venda para o sector privado de ativos pertencentes ao Estado. Viu-se que depois de um longo período de nacionalização da economia, as privatizações se generalizaram em todos os países ocidentais. Os primeiros países a iniciarem essa nova política foram o Chile e a GrãBretanha, durante o governo conservador da primeira-ministra Margaret Thatcher. Constata-se também, no presente trabalho, que um dado governo pode optar pela privatização por muitas razões. Entretanto, os dois objectivos principais são reduzir o tamanho do sector público para incentivar uma maior eficiência económica e diminuir os gastos e/ou aumentar a receita do Estado. Tornou-se evidente também que em muitos países o sector privado pode substituir empresas estatais ineficientes e deficitárias com a implantação de indústrias mais modernas e serviços de mais alta qualidade, capazes de prestar um melhor atendimento às necessidades do consumidor. Parece-nos claro que os administradores privados conseguem gerir os recursos disponíveis com muito mais eficiência do que o sector público, o que leva a uma redução de custos e a um aumento da qualidade, transformando-se em beneficio para o público consumidor. Em suma, o objetivo geral dos programas de privatização é promover eficiência e flexibilidade à economia, por meio de incremento da competitividade e redução dos gastos públicos, além da procura de um equilíbrio fiscal, já que os países passaram e enfrentar crises de arrecadação dado que suas despesas superavam suas receitas internas.

BIBLIOGRAFIA CARVALHO, J. EDUARDO. Organização e Gestão do Sector Público. 1ª ed. Lisboa: Moraes Editores, 1981. DO CABO, SÉRGIO GONÇALVES. A Concessão de Exploração de Empresas Públicas. 1ª Lisboa: Ed. AAFDL, 1992. KINDLEBERGER, CHARLES P. Desenvolvimento Econômico. Tradução de Sônia Schwartz. São Paulo: Editora McGraw-Hill do Brasil, 1976. LUSO SOARES, Teresa. Temas de Economia Política I. 1ª ed. Lisboa: Universidade Lusófona, 2009. STANLAKE, GEORGE FREDERIK. Introdução à Economia. Tradução da 5ª edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

ALTAMIRO RAJÃO -

| DIREITO

10

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->