P. 1
MATERIAIS CERÂMICOS

MATERIAIS CERÂMICOS

|Views: 16.220|Likes:
Publicado porPedro Malheiro

More info:

Published by: Pedro Malheiro on Mar 09, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/06/2013

pdf

text

original

MATERIAIS CERÂMICOS

São todos os materiais obtidos por cozedura a altas temperaturas de matérias-primas naturais (ou artificiais) constituídos principalmente por argilas (silicatos de alumínio hidratado) Argilas – são rochas formadas por minerais argilosos resultantes da desagregação de feldspatos das rochas ígneas; partículas lamelares e de pequenas dimensões; rochas sedimentares detríticas. Propriedades: - fluidez e plasticidade. Muito plásticas (adiciona-se sílica), pouco (adiciona-se caulino) Tipos de argilas quanto ao teor de impurezas: · puras : - caulino>80% (cor branca) – azulejos, porcelana, sanitários (refractárias) - refractárias – resistência a altas temperaturas; algumas impurezas · impuras: – cerâmicas estruturais (exigência de uma certa resistência) - produtos de barro vermelho (óxido de ferro) - produtos de grés (maior % de sílica – menor retracção, mais vidro) Impurezas Dividem-se em: - vitrificáveis (maior teor de sílica) – formam uma camada vítrea quando aquecidos - fusíveis (com óxido de ferro e sílica) – adquirem uma cor alaranjada devido ao óxido de ferro - calcários (1 a 5%) – funcionam como fundentes e solidificantes - óxido de ferro – a água dissolve-os e transporta-os para onde se possa evaporar, provocando eflorescência e criptoflorescência. - matéria orgânica – a qual se degrada provocando a perda de compacidade Tipos de água - de constituição ou absorvida- encobre a partícula como uma casca fazendo parte integrante da mesma - de capilaridade – humidade crítica, preenche os poros e os vazios - de retracção, mecânica, amassadura Propriedades das argilas - plasticidade – as lamelas escorregam entre si, não existe limite de elasticidade - contracção – redução do volume durante a secagem e cozedura; eliminação de tensões internas - efeito do calor – responsável por um conjunto de reacções químicas que condicionam as propriedades dos produtos finais. Acima de 700º -> início da sintetização (vitrificação), redução da porosidade aberta, aumento da dureza e da resistência física e química Acima de 1000º -> gresificação (vitrificação avançada) – maior dureza, compacidade, resistência mecânica

FABRICO Preparação da matéria-prima selecção, extracção e homogeneização Moldagem / conformação Estado da matéria-prima: i) barbotina (argila em suspensão na água através de desfloculantes) – a matéria prima deverá ser suficientemente fluida para escorregar em tubos e encher moldes complicados. ii) massa semi-seca iii) massa plástica Processos de moldagem/conformação: i) enchimentos à lambugem – moldes de gesso -> sanitários ii) prensagem – via meia-seca -> azulejos, ladrilhos / via plástica -> telhas iii) moldagem – loiça cerâmica iv) extrusão – tijolos, abobadilhas, tubos de grés, etc. Processamento térmico Secagem - evita o aparecimento nefasto das tensões internas (na cozedura a crosta exterior formada impediria a saída da humidade interior) - o corpo perde a maior parte da sua água de retracção - o corpo adquire uma maior resistência mecânica Processos de secagem: - natural – ao ar sob telheiros, demorado - ar quente e húmido – mais rápido - secadores de túnel Cozimento (queima) - é no cozimento que se processam as reacções químicas que irão condicionar as características dos produtos finais - essas reacções químicas processam-se conforme um “perfil de queima” – evolução da temperatura de aquecimento e arrefecimento ao longo do tempo de forma a evitar o choque térmico - se a queima envolver uma fase vítrea, nessa fase dar-se-á a vitrificação normal ou avançada (gresificação) – redução da porosidade aberta, aumento gradual de compacidade, impermeabilidade, dureza, resistência. Tipos de cozedura - monocozedura – tubos de grés, sanitários -> cozimento simultâneo do vidrado e da pasta - bicozedura – 1º coze-se a pasta (biscoito) e 2ª coze-se o vidrado+biscoito - vidrado – suspensão de partículas finas em água que aderem à superfície da peça enquanto a água é absorvida; no aquecimento o vidrado funde-se e espalha-se e adapta-se ao suporte; no arrefecimento, fica mais rígido e tudo depende da relação entre os coeficientes de dilatação do vidrado e do biscoito

ATENÇÃO: o fendilhamento pode ocorrer tardio durante a sua colocação em obra: se o assentamento dos azulejos for feito com base em cola não é preciso molhá-los previamente. Se for feito com base em rebocos eles deverão ser previamente molhados isto porque a expansão devido à absorção da água provoca o fendilhamento do vidrado. Resumo: Extracção – apodrecimento – mistura e homogeneização – moldagem – secagem – cozedura – arrefecimento (lento para não estalar) Fases da cozedura - 100 a 150ºC – evaporação da água e aparecimento da porosidade - 250 a 600ºC – dissossiação das moléculas de SiO2 e Al2O3 - 600 a 1200ºC – combinação da SiO2 e da Al2O3 com a CaO, ocorrendo grande retracção - 1200 a 166ºC – fusão das argilas calcárias Tipos de fornos - fornos tradicionais – a lenha, temperatura não muito alta - fornos tipo Hoffman – 12 a 14 dias de cozedura. Estes fornos são umas casa ovais ou elípticas, com tantos compartimentos quantos dias de cozedura. - fornos contínuos – 80 a 100m de comprimento. A zona de maior calor é a zona central. Nestes fornos ocorre: Fase de secagem – ocorre na parte inicial, zona ainda não muito quente em que a temperatura aumenta Fase de cozedura – é a cozedura propriamente dita, ocorrendo na zona central, a qual é a mais quente Fase de arrefecimento – ocorre na zona final, a qual já não está tão quente, estando a temperatura a diminuir. Tipos de produtos cerâmicos Produtos porosos – tijolos, telhas, refractários e azulejos Produtos menos porosos – tubos de grés cerâmico, ladrilhos de grés fino, porcelanas Grés (prensagem e matéria prima em pó): - material menos espesso que os outros cerâmicos - quase impermeável e quimicamente resistente - obtém-se a partir da argila com alto teor em sílica (SiO2), que ao ser aquecido a uma temperatura muito mais elevada (1200º) que os outros cerâmicos, forma uma certa quantidade de “vidro” (argilas vitrificadas) - é muito duro, muito resistente ao ataque de ácidos, muito compacto – baixa porosidade aberta Tijolos (matéria prima é massa plástica – 1 tipo de barro, extrusão): - NP-80 – tijolos para alvenaria -Aspectos gerais: 1- Identificação – todos os tijolos devem identificar o fabricante 2- Tipos e dimensão – de acordo com a encomenda 3- Aparência – barro são, sem impurezas 4- Toque – este local do grau de fracturação – pancada com objecto duro no tijolo

Ensaios a realizar: 1- Tensão de rotura à compressão 2- Eflorescência 3- Teor total de sais solúveis (se no caso de no ensaio de eflorescência se obtiver um provete defeituoso) Rejeição do lote: quando 2 ou mais tijolos não passam nos ensaios Telhas (matéria prima é massa plástica – 2 tipos de barro, prensagem): - Telha boa deve ser lisa e impermeável (facilitar o escoamento e evitar a acumulação de musgos), resistente à flexão e ter uma orelha resistente. Ensaios a realizar: - permeabilidade – só deixar passar humidade após 48h e sem gotejamento - flexão – as telhas são mergulhadas em água durante dois dias antes de se realizar o ensaio. São ensaiadas três telhas e têm que resistir a uma carga de meio vão de 100Kg Rejeição do lote: quando pelo menos duas telhas não passam nos ensaios Tubos de grés cerâmico NP-500 – características e recepção Inspecção geral -> aspecto, textura, toque, estrias, identificação e dimensões Ensaios a realizar: - estanquidade - pressão de rotura - absorção de água - ataque pelos ácidos - resistência à compressão diametral

Azulejos (feitos a partir de melina – material bastante puro, prensagem): - O vidrado dos azulejos é conseguido através de formulação de vidro aderente a um suporte cerâmico, conseguido a altas temperaturas. - Parte não vidrada é o biscoito. - No processo de vitrificação deve-se impermeabilizar a superfície. - O pigmento é introduzido no material de vidragem - Formação de “cracket” por dilatação térmica e diferencial do vidrado e do biscoito Louças sanitárias (feitas por barbotina – matéria prima muito rica em H 2O; e por enchimento à lambugem – moldes de gesso que absorvem a água em excesso das argilas. Aquando da secagem a peça solta-se do molde): - São resistentes ao ácido clorídrico, detergentes, formação de manchas, hidróxido de sódio e choques térmicos - Defeitos: casca de ovo (folha de vidro no vidrado), mancha e fissuras

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->