Você está na página 1de 119

Gestão de Recursos Patrimoniais e

Logísticos

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

INTRODUÇÃO

Mesmo que atualmente se tenha muito mais


consciência da importância da logística e da cadeia de
suprimentos, em muitas empresas essas idéias ainda
estão para ser plenamente implementadas.

A boa notícia é que, de modo geral, a logística e o


gerenciamento da cadeia de suprimentos ganharam
muito mais espaço em organizações de todas as
atividades e setores.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

INTRODUÇÃO

O reconhecimento de que cadeias de suprimentos


são, na realidade, redes, que formam verdadeiras
teias de organizações independentes.

Como resultado da crescente terceirização de tarefas


que antes eram desempenhadas pela própria
empresa, a complexidade dessas redes foi crescendo
e, com isso, a necessidade de uma coordenação ativa
da rede.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

INTRODUÇÃO
Há ênfase ainda maior na responsividade (Qualidade
de responder as exigências dos clientes), refletindo a
crescente volatilidade da demanda em muitos
mercados.

A importância dos riscos de suprimentos, que


reconhece que, quanto mais complexas se tornam as
redes, maior sua vulnerabilidade a ruptura.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

2- As origens da logística na estratégia


militar.

“Os soldados marcham com o


estômago”

Napoleão Bonaparte 1799 .

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Um general capaz não faz um segundo recrutamento


nem carrega mais de duas vezes seus vagões de
suprimentos. Uma vez declarada a guerra, não
perderá um tempo precioso esperando reforços, nem
voltará com seu exercito à procura de suprimentos
frescos, mas atravessará a fronteira inimiga sem
demora. O valor do tempo — isto é, estar ligeiramente
adiante do adversário — vale mais a superioridade
numérica ou os cálculos mais perfietos com relação ao
abastecimento.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Traga material bélico, Mas tome as provisões do inimigo. Assim,


o exercito terá alimentos suficiente para suas necessidades.

Um general inteligente estabelece um ponto de reabastecimento


por saque no território inimigo. Uma carrada de provisões
inimigas é equivalente a 20 próprias e da mesma forma um único
picul das suas respectivas provsãoes a 20 das de suas próprias
reservas. (Picul: unidade chinesa de peso igual a 64,783 Kg)

Sun Tzu – 2500 A.C. - A Arte da guerra – páginas 22 e 23

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Logística e gerenciamento da cadeia de


suprimentos não são idéias novas.

Ao longo de toda a história da humanidade,


guerras têm sido vencidas e derrotadas pelas
forças e pelas capacidades da logística — ou
pela falta delas.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Argumenta-se que a derrota dos britânicos na


Guerra de Independência dos Estados Unidos
pode ser atribuída, em grande parte, a falhas
de logística.

A invasão da Europa pelas forças Aliadas foi


um exercício de logística de grande habilidade
nas praias da Normandia Francesa.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

A derrota de Erwin Rommel no deserto, ele próprio


cujo codinome era a Raposa do Deserto, certa vez
disse que “... antes mesmo dos combates, a batalha é
vencida ou derrotada nos quartéis generais”.

Enquanto o generais e marechais-de-campo do


passado entenderam o papel essencial da logística,
curiosamente só a pouco tempo as organizações
empresariais reconheceram o impacto vital que o
gerenciamento logístico pode causar na obtenção de
Vantagem Competitiva.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Logística é processo de gerenciamento


estratégico da compra, do transporte e da
armazenagem de matérias primas, partes e
produtos acabados (além dos fluxos de
informação relacionados) por parte da
organização e de seus canais de marketing,
de tal modo que a lucratividade atual e futura
sejam maximizadas mediante a entrega de
encomendas com o menor custo associado.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

3 -Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos é um


conceito mais amplo que logística.

A logística é essencialmente a orientação e a estrutura


de planejamento que procuram criar um plano único
para o fluxo de produtos e de informação ao longo do
negócio.

O gerenciamento da cadeia de suprimentos apóia-se


nessa estrutura e procura criar vínculos e
coordenação entre os processos de outras
organizações existentes no canal, isto é, fornecedores
e clientes, e a própria organização.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

3 -Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos é um


conceito mais amplo que logística.

Assim, por exemplo, uma das metas do


gerenciamento da cadeia de suprimentos poderia ser
reduzir ou eliminar os estoques de segurança que
existem entre as organizações em cada cadeia por
meio do compartilhamento de informação sobre a
demanda, e dos níveis atuais de estoque.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Processo:

Conjunto de atividades que transforma algum


insumo, chamado de matéria prima.

O processo agrega valor àquilo que transforma.

A transformação do processo agrega valor a bens e


também serviços.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos
O foco do Gerenciamento da Cadeia de
Suprimento está:

• Na operação.
• Na confiança.
• No reconhecimento de que, devidamente
gerenciado:

“O todo pode ser maior que a soma de


suas partes”

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Logística Empresarial

A gestão das relações a montante e a


jusante com fornecedores e clientes,
para entregar mais valor ao cliente, a
um custo menor para a cadeia de
suprimentos como um todo.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Montante:

Direção de onde correm as águas duma


corrente fluvial.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Jusante:

O sentido em que correm as águas de


uma corrente fluvial.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

O foco do Gerenciamento da Cadeia


de Suprimentos está nos
gerenciamentos de relações para
atingir um resultado mais lucrativo
para todas as partes da cadeia.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

A notação de “Gerenciamento da Cadeia de


Suprimentos” é amplamente mais utilizada.

Entretanto, seria melhor definida se utilizássemos:


“Gerenciamento da Cadeia da Demanda”.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Pois o foco agora não é os fornecedores, mas sim


o mercado, ou seja, a satisfação do cliente.

Também o nome “cadeia” não é tão apropriado, o


correto seria “Rede” devido a intrincada relação
entre múltiplos fornecedores.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Assim temos uma nova definição de


“Cadeia de Suprimentos”:

Uma rede de organizações conectadas e


independentes, trabalhando
conjuntamente, em regime de cooperação
mútua, para controlar, gerenciar e
aperfeiçoar o fluxo de matérias-primas e
informação dos fornecedores para os
clientes finais.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

4- VANTAGEM COMPETITIVA

Uma Cadeia de Suprimentos bem gerenciada pode


ser uma importante Vantagem Competitiva de uma
organização.
Exemplo:

– Empresas que entregam pizzas em até trinta


minutos, sob pena de perder o produto para o
cliente.

– Rede de concessionárias de carros e motos.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

A Vantagem Competitiva reside no fato de:

– A empresa se diferenciar aos olhos de seus


clientes em relação aos seus concorrentes.

– Não é mais aceitável supor que bons produtos


vendem-se por si mesmos.

– Não é mais aceitável admitir que o sucesso de


hoje estará garantido amanhã.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

O sucesso comercial deriva do fato de:

Uma Vantagem de Custo no processo de


aquisição, produção, e distribuição.

Uma Vantagem de Valor no produto e/ou


serviço prestado ao cliente.

E, idealmente uma combinação virtuosa de


ambos.
Prof. Geraldo Tadeu de Freitas
Logística Empresarial

5- VANTAGEM DE CUSTO

Vide exposição matemática das formulas


e curvas.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

5- VANTAGEM DE CUSTO

É preciso reconhecer que a logística e o


gerenciamento de da cadeia de suprimentos
podem oferecer grande número de meios para
aumentar a eficiência e a produtividade, e assim
contribuir significativamente para a redução dos
custos por unidade.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

6- VANTAGEM DE VALOR

Há um velho axioma de marketing que diz:

• “Os clientes não compram produtos, mas


sim compram benefícios”.

• Esses benefícios podem ser Tangíveis, se


relacionando a forma e ao design.
Prof. Geraldo Tadeu de Freitas
Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

6- VANTAGEM DE VALOR

Há um velho axioma de marketing que diz:

• Esses benefícios podem ser Intangíveis, não se


relacionando as aspectos físicos dos produtos,
como por exemplo a imagem e o serviço agregado.

• A empresa que não conseguir diferenciar o seu


produto do seu concorrente pode ter o mesmo
percebido pelo cliente como sendo uma
commodity.
Prof. Geraldo Tadeu de Freitas
Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos
6- VANTAGEM DE VALOR

Há um velho axioma de marketing que diz:

Commodity:

Do Inglês, “mercadoria”, é um produto


primário de grande participação no
comércio internacional, como café,
algodão, minério de ferro, etc.
Sem muito ou nenhum valor agregado.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

6- VANTAGEM DE VALOR

Matriz de Transporte como rodovias,


ferrovias, fluviais e cabotagem.
Principalmente se as mesmas forem
interconectadas formando um sistema
de transporte.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

7- A CADEIA DE SUPLIMENTOS TORNA-SE


CADEIA DE VALOR

Das muitas mudanças que ocorreram no pensamento


gerencial nos últimos 20 anos, talvez a mais
significativa tenha sido a ênfase colocada na busca de
estratégias que proporcionem mais valor aos olhos do
cliente. O crédito disso cabe em grande parte a
Michael E. Porter, professor da faculdade de
Administração de Havard.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

7- A CADEIA DE SUPLIMENTOS TORNA-SE CADEIA DE VALOR

As atividades da Cadeia de Valor podem ser classificadas em dois tipos:

Atividades Primárias:
– Logística de Suprimento
– Operações
– Logística de Distribuição
– Marketing
– Vendas

Atividades de Apoio:
– Infra-Estrutura
– Gestão de Recursos Humanos
– Desenvolvimento da Tecnologia
– Compra de Bens e Serviços

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

7- A CADEIA DE SUPLIMENTOS TORNA-SE CADEIA DE VALOR

A Vantagem Competitiva deriva do modo como a


empresa organiza e desempenha atividades na cadeia
de valor.

A tese de Porter é que cada organização deve olhar


para cada atividade em sua cadeia de valor e avaliar
se elas têm uma vantagem competitiva real na
atividade.

Em cada negativo é melhor considera a possibilidade


de terceirizá-la.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

7- A CADEIA DE SUPLIMENTOS TORNA-SE CADEIA


DE VALOR

Terceirização : É a Organização se concentrar no


seu “negócio principal” naquilo que elas sabem fazer
bem e onde obter vantagem competitiva.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

7- A CADEIA DE SUPLIMENTOS TORNA-SE CADEIA DE VALOR

Buscando parceiros que possam oferecer essa vantagem de


custo ou de valor.

O efeito da Terceirização é estender a cadeia de suprimentos


além dos limites da empresa.

Assim a Cadeia de Suprimentos torna-se uma Cadeia de Valor.

Valor e Custo passam a ser o objetivo não só da empresa mas


também de toda a Cadeia de Valor.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

8- A MISSÃO DO GERENCIAMENTO LOGÍSTICO

A Terceirização tornou as Cadeias de Suprimentos


mais complexas e, portanto, a necessidade de um
gerenciamento eficiente da cadeia de suprimentos
passou a ser mais urgente.

A missão do Gerenciamento Logístico é Planejar e


Coordenar todas as atividades necessárias para
atingir os níveis de qualidade e de serviços prestados
ao menor custo possível.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

8- A MISSÃO DO GERENCIAMENTO LOGÍSTICO

A Logística passa a ser o vínculo entre o Cliente e o


Mercado .

A Logística é um conceito integrativo que procura


desenvolver uma visão da empresa como um amplo
Sistema .

A Logística é fundamentalmente, é um conceito de


Planejamento que tenta criar uma estrutura na qual
necessidades do mercado possam ser traduzidas em
uma Estratégia e em um Plano de Fabricação.
Prof. Geraldo Tadeu de Freitas
Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

8- A MISSÃO DO GERENCIAMENTO LOGÍSTICO

A Logística é fundamentalmente, é um conceito de


Planejamento que tenta criar uma estrutura na qual
necessidades do mercado possam ser traduzidas em
uma Estratégia e em um Plano de Fabricação.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

9 - MUDANÇAS NO AMBIENTE COMPETITIVO

A medida que o ambiente competitivo dos negócios


continua mudando, trazendo novas complexidades e
preocupações para a administração em geral, também
é preciso reconhecer o impacto considerável dessas
mudanças na logística e no gerenciamento da Cadeia
de Suprimentos.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

9 - MUDANÇAS NO AMBIENTE COMPETITIVO

Os desafios mais prementes são:

• As novas regras da competição


• Globalização dos Setores
• Pressão descendente nos preços
• Clientes assumindo o controle

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

10 - AS NOVAS REGRAS DA COMPETIÇÃO.

As novas regras de competição envolvem muito mais


parâmetros que antigamente.

Não se compete mais pela força da Marca, do Preço,


de grandes orçamentos para Publicidade e Vendas
Agressivas.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

10 - AS NOVAS REGRAS DA COMPETIÇÃO.

• Hoje a competição é entre “Cadeias de


Suprimentos”.

• Isso significa que as organizações criam mais valor


para o cliente e consumidores gerenciando seus
Processos Internos melhor que os concorrentes.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

10 - AS NOVAS REGRAS DA COMPETIÇÃO.

Esses Processos Internos abrangem:

• Desenvolvimento de um Novo Produto


• Melhoria dos Fornecedores
• Cumprimento dos Pedidos
• Gestão das Relações com os Clientes

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

10 - AS NOVAS REGRAS DA COMPETIÇÃO.

Esses Processos Internos abrangem:

• Desenvolvimento de um Novo Produto


• Melhoria dos Fornecedores
• Cumprimento dos Pedidos
• Gestão das Relações com os Clientes

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

11 - A GLOBALIZAÇÃO DOS SETORES.

Uma empresa Global é mais do que uma empresa


multinacional.

No negócio Global, recursos materiais e componentes


são terceirizados no mundo todo, e os produtos
podem ser manufaturados no exterior e vendidos em
muitos países diferentes, talvez com customização
local.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

11 - A GLOBALIZAÇÃO DOS SETORES.

Customização:

Processo de adaptação das características de um


produto as necessidades específicas de um ou mais
clientes em particular.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

12 - PRESSÃO DESCENDENTE DOS PREÇOS

É uma tendência universal que os mercados


universais são mais competitivos em termos de preço.

Os concorrentes globais entram no mercado apoiados


por bases de manufatura de baixo custo.

Os Clientes e Consumidores possuem mais


consciência de Valor

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

12 - OS CLIENTES ASSUMEM O CONTROLE

Os Clientes e Consumidores são mais exigentes não


só em relação a qualidade do produto, mas também
quanto ao serviço, pois possuem mais consciência de
Valor.

Ex: Código de Defesa do Consumidor

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

13 - OS “4Rs” PARA UMA CADEIA DE VALOR

1- Responsiveness: Responsividade.

2- Reability: Confiabilidade.

3- Resiliense: Resiliencia.

4- Relantionships: Relacionamento.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

13 - OS “4Rs” PARA UMA CADEIA DE VALOR

1- Responsiveness: Responsividade.

2- Reability: Confiabilidade.

3- Resiliense: Resiliência.

4- Relantionships: Relacionamento.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

13 - OS “4Rs” PARA UMA CADEIA DE VALOR

1- Responsiveness: Responsividade.

É a capacidade de responder as necessidades dos


clientes no menor tempo possível.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

13 - OS “4Rs” PARA UMA CADEIA DE VALOR

2- Reability: Confiabilidade.

A incerteza de suprimento é principal razão de uma


empresa manter estoque de segurança.

Quanto maior a confiança, menor é o estoque, e


menor é o custo da operação para o cliente final.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

13 - OS “4Rs” PARA UMA CADEIA DE VALOR

3- Resiliense: Resiliência.

É a capacidade da Cadeia de Suprimento de resistir


a distúrbios inesperados oriundos das turbulências e
volatilidade dos mercados.

Quanto maior a a resistência da Cadeia de


Suprimento a ruptura mais reliente ela o é.

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e
Logísticos

14 - OS “4Rs” PARA UMA CADEIA DE VALOR


4- Relantionships: Relacionamento.

Define a idéia de que o relacionamento entre o


comprador e o fornecedor deve basear-se na
parceria.

Cada vez mais as empresas descobrem as vantagens


de se buscar relacionamentos de longo prazo e
mutuamente benéficos com os fornecedores
Prof. Geraldo Tadeu de Freitas
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

Carrega até 15.000 Containers


Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

Contruido para alto mar, não passa no canal de Suez nem no


canal do Panamá
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

Foi construído em 5 seções flutuantes e depois montado


Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

A cabine de
comando fica
a mais de 10
andares de
altura
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

Navega à 31 knots, mais de 18 à 20 vezes que outras


embarcações,permitindo atravessar da China a Califórnia em
4 dias
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

11 Gruas operam simultaneamente para a carga e descarga.


Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

Origem – Dinamarca
Comprimento – 396,84 metros
Largura – 63,1 metros
Carga net - 123,200 tons
Motor diesel - 14 cilindros em linha (110,000 BHP)
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

Tipulação – 13 pessoas - . 08 Set 2006


Custo de construção - US$145.000.000,-
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

Motor de 108.920cv
Dimensões: 26.7m x 13.2m
Peso: 2300T
Consumo :
6275ltrs por hora
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Árvore de cames
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

Pistão com diam de 1 Metro


Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Cabeçote do Motor
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

VAMOS TRABALHAR JUNTOS...

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas


Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos

FIM

Prof. Geraldo Tadeu de Freitas