Você está na página 1de 83
oops sone te mM = Ta ereton fem, Fi later pi ttc Mics Gamay ORS 19086 MICHEL MAFFESOLI A CONTEMPLAGAO DO MUNDO. rRAoUgkO De FRANCISCO FRANKE SETTINERI (© de Mel Matsa, 1905, “Tule da edit orginal LA CONTEMPLATION DU Traduoio EDITIONS GRASSET & ‘Tradupo de FRANCISCO F. SETTINER! Concutor de Tadugde FRANCISCO SANTOS Capa de TATIANA SPERHACKE (U0) Foto de capa de ESTUDIO F- FOGUINHO Revita de PONTO-E-VIRQULA atoragio de MAFTA CASTILHOS. Fevieto de Edtorapto de PONTO-E-VIRGULA Impresedo de PALLOTTI (PORTO ALBIS. Prakennasaantener OSES nano too to puto no a pla "ARTES € OFICIOS EDITORA LTDA us Hencon ln 201 oe} G72 ISBN da ep oniginel 2-246-48901-3 ISBN da eco brass 65-25410-443 IMPRESSO NO BRASIL PRINTED IN BRAZIL abr ve Myra SUMARIO Preficio 2 10 debate como. ennvemernee 2Sine ie et odio 16 Primeira pare: © Tratado de estilo 1.A guisa de introdugto. 39 2Dealgumas genealidades sobre o esto. 29 3.A vansmutago dos valorem 41 4.Um estilo exttico, S.Esilo e quotidiano.. 6Esilo ecomunicagio, Segunda parte: ‘Omundo imaginal 1.0 medo da imagem... vm 89 2.A imagem como “mesocost0" nn 101 3.A imagem religantewrennsinwensnne 107 4.0 objeto “imajad0.e sn 2 S.A transiguragio pelas imagens. 135 Terceira parte: (O ideal comunitét0..nnennnnnnse AS a it) Prion mals 6 sds dae te ue jamais em mada err, combatente ont, gma aia, oa ‘ve Sion adie sonnet © DEBATE COMUNITARIO sete opened ea Qe ements mem Sin are, jo ir compares s,s su sei ml a contd a tara. Ea op trem ice bal qe fea, aa od «moderne Ba Tomum opto peel e tanec a ida i tenor pr, A diadr eters cise ma 0a, aa ‘sc ne env ns cri ol andi, J, ‘Een can occ do ue 0 Go ene il fem pomoe woman no ele win dma cp de a lst Nee i (hci mao ita ic nodes men ps, emu sng pote mas ashe mat ao mas oa as Ani, mpi dato i cal oti don cram wr ate cots uc ee, rt strain ern ee pr So psn ih 8 ian oman, uma pave, ene nena gee Ge mi al: ou cmp do ej omnia co bra conan. Aes eet, pales car akin 0 cro aad, com el decry Mm gar de eal, pl tenn gun de agian no € de mane la sare Iimapnia qu, em todos os tempos, glu menos poderoeamente sobre o&| Ihmens”. Observago jis, que bem mostra que, alm ov aquém do stvsmo polio, existe uma forma de quetioo sess! que no dina de serum ator de sciaizao, De agum mao, ma ea destin Apts mas de dois séuos de dominio ecanbico police, & p= ‘iso dravante saber nadar contra corres, com of ics qo is compo "para explora 0 vasto dominio do isnt coletivo que, embora nto ‘ja pensado, €amplamente vivid no seio da vida corte. so wo tm rad ver com oqo seria una ova fons de iaconalismo, ous ma {estagio do obscratismo renascente, mas dlimita bem a Sita do nlo- cional u do, nfo 6gico caja redial no mais sepa nega, ness sentido que pensameato una obra de resin, de uma xin ot necesita deeforgo equ spel para uma verdad iio. ‘Ua i nciago poe ser uma forma deities se etende por fas a preccapago de fazer 0 ete paricgar da dntmica do persamento. "Nios trata de “produc” ou desvelar uma verde dada ou ainda de fornecer respostas pronts a todos os problemas que stormentam Hoss sociedades em mutate, Su rpc 6 verdad, ssi inp, Ro mas pra adiar aap, esabelecercomparages,sscitarquestes. Em sua, render aclocro problems mais oqo hes dar sl Huma pica do monacsto moter ada ecto diving, que pose, ‘ese eset, sens til, Ruminado a pala de Deu os diversas ex top que acomeatam,o monge tela peneava, e pencava asim em su sig- niles profnda, Pde dro meso no qu concere a texto do scl. ‘Ac abort de diversas nos, ruminando ao mesmo tempo seus impasss suas flgurates.exploses, pode partir da experiacacoetiva edo isto do qual ele € a expresso, E, em todo cao, um al dmarche que posto ot. nessa perspective que, em referéci slgns grandes ances Freud, Max Weber, Waler Besjunia, ode se dar 20 ens wns cats do nobeea, as de um vera ett intelectual, Oensiosaciolico, em ta, est assim o mas pio posse de se objeto, o ms prio poste de uma vida social que ndo & Seno uma sucesso “de ents” infints, nd se conlsndo jamais. Nese sentido, da mesma forma gue 0 romance ox opoema,o ensio nfo € outa coisa que rerio a pati a mili de elementos cosiaivs dest vida, Dese node, ext € 9 ‘spect dindmico de uma obra em movimento, sucess conver dee reocupadament com sa ful, Cada escitor contr ess conversao a partir de algunas as obsedanes que poem ser compara varias musics em tone de um ‘ema coabecdo reios eaboraos a paride una india a gull o & ‘omesr,ameldia do amo soil Ente 6 tllmente automo autor x contcna, parr jstamene desss iis obsedats, de fazer sobresir slpyn tempos fortes, de aceotuar este on agele aspect, de propor este ou quel acompanhanento. Cosas que pox dic objetivo cams tengo ra riginaliddedortmo em questo, em um dao momento. Do es ‘moo que nl hi phlosophia eres, ocanpo do soil é sempre tbo a paca. aso eva 2 uma exert em contrat, ets de variates perpé- tus, em oro de un objeto que no 6 jana expel em sata, uj ica ambiho€exaieshe a carters esc, delimit ‘eontros © mostrar sus consis gu e agora Reeneont-s gu 8 ropa de Edmond Jats, segundo gual so lado de um pesamento cae- Sao, desenalvendo como urabos mecca demopstagSsfundadas sabe © pincipio de casalidade, exist uma outa anc de fae, eocedendo, & imagem do mar sobre amargem po vga estas. x die fare a mesma cia neste lve. A mata de um objeto fupiio em pena mutao, preciso pc em So um pnsament i, s- aos, que no terme as repaiges. Cada ua dls, deft, tar sea toque ‘specfc,pemitindo assim apreigoar ou completo quaro propos. O impresionismo a queso nd amt mais ecesra quanto a pce & de heterogeneizagi,e no se deixa eduir um consi, nem mesmo 2 um eonjunt de concitos Na aise cei cls, face a um abjlo moto a extabilzado, pode, segundo exgtcia legitimamente adits, pa ‘edo concen 0 abso sos dl de form totalmente difereate quando Mo fax com que esaparjam. Als, mts so agueles gos, depois eos ignored tlzam 0 pripri temo ibaa, ou temic da eta, Po urge, em una Spe paramenteespeclatva —o qb 6 met caso — ‘xem uma perspectiva de apo x de reso, vai ak conseiéncia sociis demerpocia dese valores ara dio de uma mania un amt brit, ps pergunar se, 0 ideal dermocrtio, qu fia marca du moderidade, lo ests saedendo um ideal comuntiri que, como ado que ess em edo nascent, ou nts em eta re-ascnt,€elabrad na dren incerta, Dio resi ments, pis, em bs parte, o ideal camiro droves sent a le- ‘menos arcs, ques area totalmente esmagados pela rcionaliapio do mundo, Os divers fanatismas religoos, as resergtnias nica, at reivinicapes ingiticas 0a ours apegos 308 leitin Spas manifes- tagdes mais evdentes dese acaamo, Mas gore © mesmo com todos os atusises, jam de qualqer oem: eervescnciaespotvs, musics ou feaivas que pontuam a vida soci, sem esquce,maturalmens, a iis consumistas, que dios grandes megapoes 0 aspecto de um bazar prs tuo, onde se cebea um pai ostenttrio sm precedents. Tad is ‘exprime de una manera mais ou menos rons, porém,em todos ot aos existe algo do tans ang, que isa exsencinlmente por fang r= {orgar oer junto dagcles qe paticipvam dos mesos mists. ideal comuntirio tm se enconra na vii formas de sal tad ou de geersiade,cuja nds mots ves eign. Eas podem ser mas ov mens espace, podem opr antl doe meio de comunieao, 0,20 conto, ser vivid dsretameste ni vida quotiina "Nem po iso desam de ser elementos importantes da scabilidade de bse ‘Assim, os concertos pels grandes casas humaniis, a mulipicago dat “opanizagtes nfo governments" e a araco qu clas saci, as viriae des caitatvas, «recradesctncia ds "boas obras" sem exquce ok dvs iealismos qe, sem muitas teria, drgem-se essncalente so alto da- ‘gees que ox pain Em todos eses cso, a fia no é eve, is ‘eres cla ¢ mesmo completamente mula, Em compensao, de una mania mais ow meno concent, vives um fora de estar juno que no ett ‘volada para o ongingso, para elizago de uma sociedad petite no ovr, masque se dda gma o present, qu se tent torsaro mais edit poste ‘A senbildade que ssn todas ess mates, to par tices como qutianas, fo nals Pali mesmo, ese respi, de cara do sentiment, Resta agora ver ual a cxss uns soos Seas feos, No se poe edu essa cultura (re-ascnt) a seu aspect conc- ‘ual 1 racional, endo et, ais, hem poe es taduznd, ma mor pate do tempo, por um bricabeague Meoligco que nfo merece uma grande aten- «5, Desse modo, pode-se ver em ago um conjunto de imagens que, por ‘erfsciossuestivo,chegam a consitir wma consicia coletiva que serve de pot, ao mesmo tempo, a0 conuno da vid sociales diversas “vos qu dela fzem pane A esse respi 20 contrio daqules que con ‘iam anand o mundo contemporieo com capris peprias da mo deride, pde-e flr de rencatament do mundo, eaten isso que sem queso e que pode permit aprender a vio misters das cosas em ago no comaitaiamo em are. O mistio €agulo qu Se pariha om spans e que consqentente serve de iment, efor 0 sentimento de penengaefavrece uma nova rel com o ambient ile com oan ene sara item mut mani de bora este ideal cunt”. Neste tiv, e propos lmas dla que pe er resumias por uns alaes- caves etiloe imagem. Os cptlsformados apa eses temas no so {echados em si mesmo, ms, muito pelo conto, comespnden-se, com- ‘lta ese matinan, Retradas de obras ties, sjam estas sins, ‘secilipies,hstieas 0 ainda simpesmente da realidad epics, a is- tragic que atlizoencontam-se em cad um dos pls. O conjunt pre- tend delmitaro mando “imaginal” qu sc xboga sob nossotos Estndo, om sto, um conjunto complexe no qual a diversas manifesages da ima ‘em, do iain, do simbico, jogo das aparncias,ocopam, em todos 08 doo, um nar primordia Ei pimeio lugar, o exo. Nio se i, evdestement, de com- reendé-o em seu seni eto, mas ants como o uao geal no qual se expime a vida socal em um dado momento. Des odo, asim como se de falar de um el eigico, na dade Média. aude um extiloeeondmi- 0, drate a Medemidade ¢ceramente at exes simos deci, etl emonstar que est Sedo elaborao, sob soesos ols, um eile exc, [Neste sent, to préximo posive de su etimlogia, 0 “estilo” € agile ‘elo que uma época se define, escrvese se descreve ax msn, ‘Taga o quai pr, anaisara significa da profuse ime 05s qua ele i rigem, A imagem, no devemes exqust-, seme foi ‘spit, nara cident, ra “Tova daca, pssivel das poets pr- verses. Por uma curios transmatagfo dos valores, ea imagem se tort “liga” ela une a mundo qe cer, ela une as ours gue me rds, Ela pode ser iustrada por una dest modula o objeto, Alm desig matizagdo ou éacondenago meraita, tentarei mostrar que o objeto nl isola masque, ao conto, um vor de coming Tel come o ttm para as tbos pitas ele serve dep drag par ios pr moderns [Nese sent, a imagem eo qu chao de “oben isd” opt 20 ‘acionalismo ov ao idea!longinguo, que prevaleceram durante toda 2 mo- eniade, isa dias ests gu vi ointar x déimarche inicio antes !mencionas, Blas no levam 2 uneoncaso. Qua podria srl, dad que ‘eseaiament s rata de dscever wma dina em curso? NS eink, 20 ler estas linha, encontrar resposss prota. Basta, de moment, fer © invemito dos heréglifos pels quis un sociedad edie x vive, Porm ‘um a invention ¢ init, os heros certament smi do sagrado, agit pel qual ve masa um conju saci que fhe asegura ras © refrga eu se. Tere compreendo que, indo na conuaorente de muita iis ments, peteo mostar aga que o etl, a imager, tm mai na ‘ver como inividualso da moderne. O peti printfa da individ liao © individ qu & sua expresso me parce fotmentesarrados. (Osujito no mas sethor de s meso, no domi mas o uve, © social racional e mer nico, suri de wm tal cofigrgio mo es mas mt ‘ndem do da Porm isso no quer dae que no exis um estar-jom aler- takivo. E mesmo que ele no exe cla para si mesmo, et bem presets. se no € consi, le ceraent vvido enquano ta De am manera ovis, pode dizer que o mando imaginal cans efit de uma “sb- {tivdade de masa", progresivamete, contamina todos os dominios da ida sci Eta no mais epusa sobre uma aro tunfnte, la nada mais ‘em ver com uma ated conzatul, fo mais et ola 0 por. Mas pode-se destendé-la no emociona, no sentimentopartihado € na paixio comm, todos els valores dionisicos, que remetem a present, 2 hc et nc, 20 Redonism mundo, exatament iso que faz desta 0 ogo ds imagens sun dseinao via, Neste seat, eal, os divers com- pete qe acabo deci, é0 melhor meio de compreender oral, isto & ail que sda vive na efloeataia do gic quotidian, Primeira Parte TRATADO DE ESTILO agin dus met, ‘lime pets de vei spe” (Emi A GUISA DE INTRODUGAO “pio” é preciso deolver su acepso mais amp por exer lo, ni de ur ugar ou ogo de um povo. is algo que € bem iil depois de mi de us seule de moderidde, oa ul pevaleen a ideoogia indiduslita, Porm, nos ddim pensir bo present, 2 pesar presente, se dessjumes comprende as mutans de impordnca que se exbogam hoje em di, convémn devolve 0 go cleivo suas carts de nobeza. a esse prego que 0s diferentes aspects da vida socal enconraro noo setd,ragilo gue ele em de univ, de intangs- vel, de universal — progresio, evolcinisme histo, estado de dito racial ou intnaconal — as sus diversas significa spiiages vividas com eas equ so eansas fis de una ova mania doe jan, Pois 6 bem isso que est em gusto: oindviusismo, a rardo insrumentl a cripotnia da nica eo “ido econiica” ado mais sus ‘um aadesto de antano, es ao mais ftcionam como mito andadrs ou como mets a seem atingilas. Dito de outa manta, 0 ideal democltico ‘st sro, em vas de sr substi po alo que se pode chamar do ideal eomunit. Inport, pois, doduzit 0 colons qu ee vai ssuic. Digumovo claramente, 20 faze 0 peo ao no coetivo © 0 que- ‘ee-viver qu ele impulsiona, no se wala de nenhuma nostalga'de uma ‘xem socal que se desvanecen.Tampooco se tala de lament una com- tad peé-moverna de conten inefinis, mas ames de econece ue, 2 ‘um muindo que se saba, est em vias dese suceder um novo exile de exsncintE pods pensrn0 cori tric nos vans ees que, segundo Vio, caractizum a istrias bumans. Para do snd de ura ‘ur mania, & congo d que no so encare de uma perspctiva mecani- camente daca, pode fazer efertecia 20 trabalho do vefativo: ail gue se aceditava ultapassalo, depois de ter secrtament ranspassdo © apo socal retra 20 prieiro plano. Nese caso, &0 retro das imagens, 2 impordncia do congo emeionl o ecuno a ees mapa simbolie- ros qu soa afrmagi da entifiago relgos, a efervescocia ica, a ‘use do "et" lo coisas que serem de maiz socaade nascent, sas que consttuem o caldo de cura do qual a atuaidade nos oferece muitos exemplos, mais ov menos explosivos ‘io bi nenhuma socidade que escape a ese estilo em gests. lus €evdet, no antigo impo “do Lee”. O mex cca com ‘ulncias que afotam diveros pale dts do “Teceiro Mundo". Mae ot ses ocidentsis — este “Prineiro Mundo” ds moderidade — ertfo em ie_profunds. Quanto a0 “Segundo Mundo", o impltio american, que ce servi de modelo elude sala wm nova orden manda, 6am coloe- S0 de pés de bao, ele também & beira da imploso, Tudo iso & bastante bal mas merece ser lembrao, no de a mance eapoalp- ica, mas smplesmente para cama aso paces ricrs de oe fl Vio: hi repularmenterecomaos, ode soa dine eto is ins mag is o ques pode ier de um gio cletv Hi crisSo moa, mes- mo qe esta precise, para se afirmar, de una fase de desig. Em uma pula, oandmico de hoje &o cantnico de anash. Donde necessidde de uma steep redobada a eses soos eoeivos que, tno se exprimem no arose ca no fret, asumindo a forma do fat edu excl, quan: too vvios no corpratvsmo mais rae, na mira do quot, 18 revolt jvenil ov em uma revindicago stra, por mais ral qs, na mia ds ens, “alo-rciona” Todas ess xia remete a ples primis, espécie de arafsmos que se poesia sproximar do gue Preto hamava de “esis” «que preside, que sequin 0 no, aes ast le agepo essa misters “arao Social” (Tus), do gal feito 0 vacuo soca ‘Taverse deves falar, a ese reset, do nascimento de um “ego Coletvo, qe nose eonhece mais nos ideas lenglngus, acon, ivr sis, pépios dos EstadoeasSs da modenidade, mas qu se mare do mais prximo, no ctdiano vivid 0 que Benjamin chamav de mancia feliz, de “o conceto mais extreme. HS, eft, um paaelo evdete se feito, entre a saturao do politica e i reatalizagio do “domestica”, do ‘colpic, que pouce a pouco contamina tooo panel. Eidenteente, ‘ni pada de uiforme em tal proceso, sendo ira a modelos que ele sume, Mas, tal como uma vaga ssi que ni pd parr, © movimento {ich dtrminar, a termo, a configura socal do slo por vit A propésito onda de choge da Revlugso Frances, dal conse a importincia ‘n elabrado do ideal derocrico,Ballanche pe fs, no ko XIX, de ‘uma verdadera“palingensi”, de wna mudanga toa. Talvez ocrea © mesmo em nosis dig, H lgus denis, ete esorando um pond smetamerfose qu, de una mane crea, oper parti de gees preexit- tenes. Os germes jt foram jets como bali, clara do seat- mets, estetizar da vide, predominkaia do quan, Els esto em vis constitu uma nova configu do mundo, ques pote lament, 0 om gual pose eregoijar — esse to © nosso propésito—, mas que é rgete anal, ember do sj ete 0 nao propsso. eta coniuragio oe delimit, em se seid mas esti, eesti da Spc: quero dine squ- logue indic, alo qu esreveaépca. Pox conseguint, a atens 0 exo usm defini no 6d ordem do fivolo, Maio plo conti, ue pote finer apace ado of microerents, a inperetivei muaes, a sts es apurentemente anc, que de um extemo aoa faze eal, 4 servem de substat, de himus, ess rig, qu 6 adn vid sci ‘A palngnesia de Blanche, o proceso de metamorose que iso implica, € um Angulo de atague penne para spreender os fens 50- a, la permit mazar as rps baa, 0 corte episemolios © tos temas sobre o "Yim" do home, do social, da striae esas casas e que se navem os divers catasofismos do pensamento moderna. De fio, préximo ness poto de Lb, Balsche aentan a continued, transigdes impecepives ou, pra dio em tems inns scilicos, 0 pode do insiime edo estado racete ds coisas? 0 senso comm, de wma forma nio-cnscene, vive e eaca ee vai inceseate dew con- ‘eg par our. Avent d pio pica ua exes acaba. (0 mesmo oeare com os historias esocdlogos que acntuam ei da stemagio" ov © mecenismo da suragio(Sorkie). Dessa mane, sbli- sham qu, quando alumna cosa pede sex srativo, pasa, inensivelmens, ‘um outro objeto de refertca, que vai ser reves de venerao ou de malo. A moda et af para provél, id nascer em conseqncia, una outa forma desesbiidade, ‘A este respi, histris da ate 6 insttv, poi masa como & manga de etilo 6 case efito de mudanga de seaibildade. Ruskin 0 indcou para passage do romano a0 sice, Wein para aqula que va a renascenga a0 baroco ¢podersia muliplicar& vont os exerplos ese sent. Fim ead um desis casos, e€ isso gue me preccupa au, © sto €o care xen de um sentiment cletv. Ee € wa mca epee fia. No sentido esto do temo, toes ma forma eglbans uns “orn formant, que dé rig diss mania deer, costumes, rpese tages, moda divers pols qs se exprime vide em sociedad, Byidememet, letvo sq oes abe aang impe- cep, no € nda adn ene esos, embora se poss alms preciso, queso pura conveno. Na rida, i contaminates, siper- sg, ob aids, retomando uma expresso do lsofo Bist Bloch, alo- ‘ontemporaneidads" Iso é pariulamene evident ns oc de transi, em que continua 2 eit, concarentenat, de forma mit 08 mens vive, cals vida amindmicse as gas institu, o establishment pote, inlet, adminis, rligis, ergs pra rea, tnt gun pas vel aexpresso das fogs viva do instiine do sia. Para complica ainda um poo o problems, ¢ precio lembrar que ‘M retormos singles. De alguna mane, o i a oo dd vu hit 0, Citundo Spengler, Ernst Jager lembrtque “ene, personalidad, renos, embor separados pr miléscs, podem ser conemperinece”> interesante ese ponto de vst mofliica, no semdo de qe relavza& iinaidade de determina civilizagio cob, porque coisa pre- tensioner, evlutivae progress da filosfa dhs cident. Em realidad, ambas as perspectivas, a sobrepoigio de eile, pincialmente aan a Gpocas de tans, eo retry icc 6 evento ede ips” da isa psd, so des pra nos aur a compreender a especficidade exo pie modern que, em mates species, poten em um snrtsmo, em uma misura de genes ena reatilizagio mtiforme de clement dos “tons velhos temps" fll, a aio pla pesquisa ncliic, ce Iebrago da repo de seus podutos, © pt-madesimo arguitetual © © emrego da mitloga feito pels videosipes ow pla publica so, dese no de vis, of mais eslecedors, (0 priprio de um esilo particular er heerogineo © até mesmo repos sobre, em tendEncascontatiis. Lembremo-na ds dfulade ‘que o cristanismo nascene tee para se distingir das diversas ptcas Peels Por exemplo, a dfrenga ene a imagens da virgo Marisa de ‘Venus no foi even por muito tempo. O mesmo ocons co of sos cates que, feqdentemente, no eam sno hers, deuses ou runes pe- sonagens locas, aizados&¢ press. E of “sprites” ds eto afore leis 00 otras formas de vod funciona, exelent, abe uma co ‘aaa de estilo do mex tipo. ‘otabelecida essa nuance ¢ presto, no enn, reconbecer que, ois de um aleamento peli intera ds eile eva a um eto lobal que diated as coisas, segundo a expresso de M. Shapiro, uma "alia atica" estilo de ua pea toma eato um “coun de {formas caractrsicas"* Fess uidade global que merece ates. Com scabs de diz, € uma unidade®diniica em movimento exe, mas qe ods de detiitar os costae do modelo cual de uma Epo da. (ers pater, em socilogia,episteme (M. Foucault), pra a istria das ia, parnigma Kuhn, ma istria da ica, ou sind “hacia semda- ca", tl camo ouiliza Gilet Duran, em anuoploga, lo quem dace cura coisa: pode, de uni mania bolic, ru 0 diversas elements que constiuemasociedie, mortar sus inteagSes eet ofa cond torque ose. Suro DE ALGUMAS GENERALIDADES ‘SOBRE O ESTILO ‘ent seve, em princi, pra seanonsl na exe do priv, nese semtdo, um excedene um spleen dima reserado {ira ous cts grandes obras da cult, pinta, misc, ecu, te Em todos of casos, referee apenas ao lazer, 20 domingo da id, sem muta implicaso no resto da existécia, subnet 3m principio de el- ade bastante mais si. Nesn perp, o eile tl come a dni ue o bards“ pagaa” para seu dl, &fcimenterevogivel epi mente em tempos de cis. F cena gue, howe nos Skimoe ano, ua ao emprego da ngio, em paeuar na expresso “elo de vide, mas el fo nila essence com uma preoupasio merc ois tts com, iso de delimit “popelaeslv",vsndo sutra prod , sem divi- 4, oconsumo 2s suns demands, ses deseo, spots ou reat. ‘Sem nega aimpertnia do estilo na “grande” ctr em pl seni so tlizagéo metrics, para os exis de meredo,convém d= ‘hum acepo bem mas ampla, qu ext altaadodesafin acil que ele represent ima vir do sie scl, ceo olga, came Gaya i= ‘sham prebid clarament problema, 0 mostrar que ele ea“ sociedad de uma épca”. Mais presente: qu esto de ut homem ou de um dtr rinado grupo nada mas er do que crstaliagio da epoca em gu vivian, [so the uma oara amplitude ,sbredo, permite he servi de rvelador ‘& compleidade social. Pode-se, a pati df, splicar oes 8 at, mas z E ‘fegiente conser qu o “esl € home” ea in co igualmete 20 sentiments, sreles soca, A produto industrial on 8 vida da empres,E asi, poles ver em qu es concep complexa de tum esl € das mais pritentes pra apeir todas esas coisas nascent, reakando aguilo que & apareatemente ini e que vai da eatetizagio da isc cata de empresa, pasando pelo desenho instal ou a preo- capo com a qualidade de vida, que caracteriao urbaismo cotempor 0 esi, como “sociale de uma épuc, ao dita de lembrar a ogo de lima, tlizad pela isi us iis, ¢ gue permite comprecader arm os valores de uma determina pa io maser, desbrockare fal- mente, dar fats O que tem valor pra produsfo das iis poe ser etapolae par toda a vide soil, Assim como se deve apresnder ama ‘loeofia oa una rligio particular a parti do cima social que the dew vig € pose comprcndero esate a pat dese mesmo cima que | iso ndo€ apenas una matiors, 6 condi deposi da eneréncia do crescimento de toda vida socal, oura maa de dae a sociedad de ‘una daa época, Als, pas preciar que, en una socadae simples, como fi 2 a época moderna, em qu todas a cosas repusavam ma iting, na sepa ‘ago, no carte — por exemplo, a ecosomiaestuva bem sepaada da cultura, cst da eligi, ee —, esl podria ser una coisa pre, qu se aplicava 2» dominio bem cicunserio da are, Ds de outa mania as socidades complexas, nas sociedades teadiioni ,cetamente, nas p-moderas com todos os dominios da vida sca est em intra, é sane i, 24é mesmo imposivl, solar este ou aguee aspeto do fenbmeno, Neste co, estilo pode ser ompreenida camo 0 “rapa de nid, o que ‘ne em profundidade, a dvesdade ds cosas. © papel de vicul qu se tibia esi € muito mais til do que fapmentag, a hetrogensinago 6 mais impor. Retomando uma iia que muita ves aot, 0 esto, ese poto devs, liga "em pond” o vero elementos da ealidade social. Tomando-se de emprétimo uma metfoautlzada ar Feu, poe se ‘consider-o como uma esi de subul pelguco”, que seve de bso o-conscene ealidadeem stot, ‘A iin de “subsea” & insti De fo, mutes socides tram am "apo cele ou corano, qu hes daria sentido, Em 80 ct, se “tuple”, x moderaidade, tighto proetado em um tempo a vir, era sociedad persia ona apereigsr, pana do diversas tps de scaismo on de captalismo. Coneentement, no er precio reoesparse cm o resent, no hi mune. Com a falécia de uma proego dest, er ene para os scismos,e gue logo o ser para capitalimos, a neces ade de um al "tpl eadguire importa. Esa di, li, enon, 0b os mais dvesos nome, em outros autores gbe nlp ex: “o pro das coisas sem pogo" de Jean Duvignand, 0 nog de “imei”, propria or Jean-Frangois Lyotard etlver até mesmo nas anlises de Jean Bandar sobre o“simola-ro"- uma pala, afr bem alto qu 8 realidad ngloba seu contro c assim e poe compen um "rabalho do negative” que lo se resolve em uma ies lia tendo material eda ‘vex mais neces do esprinal, nto padendo miso fico ser compress io sem metas, a crpredae 6 adie etiam fn de sis. Desss conjunges, a vida quotiiana os proporcionaexemplos em of, paricularment nos joves. So tan encontrado exemple nas insituges, as empress , certaments, na vida cern, onde agar anal liza a espiriualdad, as pias da New Agee ours ténicas tlo- cine parareforgar, apeeioar eacompanr os objets racine ds insitugdese empress em quest, ov simpesmente pare melborar sus isc pessoa. Tod atemitica do qualia, espe de fms oa dt altar de empress, tesemunha a posers, a pregnin, do “dupa” imate il no seo da sciedade conemporine. Dito de outro modo, noes 80- ‘ede, de uma maneia mais ov menos consis, eto recaps com «ss fumoso“hoiso que considera ta coisas em au mera ou em sua plbalidade, jstument esa slobaidade que se poe melhor anal ¢ com cnr ras ogi de sil, n ge icra far imei eemen tos dominos completamente dures. Fae ago feria defi «lise de sil, ad or. Shp: "O el € uma mars dc tua amo lade; Eo si vie de su uid. csi eft uo et feet do ene ed seinen colevos Ogu € inp tun, sete eae, a8 0 alo de um vino o uma a ola so 2s formas qe paris pros sd una mesma cl ta, dua um aps de tp sitio Eee send ur fala do tome lio, bomen matical. Tene af os os ingreens uma concepo ampli do slo, roporcionn como a exes de uma ‘ora and se xiao de xpi. Donde eu interes nos quaos 4 ua anise silica, saeco em ut proade mugs de res He pode permit duct alo qr, lane dee alo on ma al de fa eno tao die nce, constvind e le central: No De Online qu pode se casera como um wad de sil, santo Agostino dela gue “a ras humans € uma fog qu ene ida” Atma sini, eum casio prea, ¢ mas ta 9 «efit de eta, de scare deominaor comm, uve ada moss de rao. isso também oq pa evar gridded eto de una olga erode us ede a conser ol guage agus. speculative & pega do inainri.Nada 6 era & zh: sobre no 00 qu lo 6 mG Otomo express cas 8 Max Weber on Wifdo Part ondoracona ak aio asim co © no-go no ¢ igi. A pesquisa sobre sila scl € ua asso dese propio, aula om qu ela se cpa cm encontraron, geminata, solide ina de oes ces clement — sa 0 mis minilos— quo mezanismo da modem ih, exo, pa ao, Assim, conforme a ding caltur-civilizagfocaracteitia do Pesameto algo, o el, enqunto fora de arse, seria prio da cultura em sea apcto fundador” isso qu, em um deteinado moments, segura nese dos valores, e asi impe un orem e wma forma i as, im nosos dia ist 6 observe em toro dino, do mais frelo 0 mais io, nos qua vida socials apega 8 “olocasso em frm Sea ‘capo qu se consi, a aprtcia individual ue se cid, a prodyo de iia ques rocura ber pesto produto indastial que se valet, empresa de aj imagem se caida ou mesmo © programa plo que se spent cm stoma extras mais mente possi. Hum peo- upago “cultural”, um esorgo sini que considera que © produto, © pono programa, et, uma potldae, ou ainda que Sou "Yundo™ ‘io poe exis sem su “rma Se preciso vlura ese poo, nas pode die ue, depois do ‘momento cultural que dea origem as valores bargueses, do live abitio Iuerano & Revolug Francesa, pasando pelo sito cartesian e plo con- trato social de Rousea,o buguesisno foe iasformandoprogressiva- mete em uma cvizag da iia, até mesmo de “wens”, Essa civizago wit, da qual 0 "Yodo eonimico” a expresso scabad, ta ‘ado, «pia tama dor pormeaores do chjeosigaficand esa “intr "apie do sujet Fémala adios, que bein ma peda do sjito em um unverso matricial. crescent, por mes tuo, qb & esa maiz, cri de indigo, que confrtao etna, 6 a condo de possibil- dade d oman, ‘a image literade 8 imagen comunho,pssando pela imager ‘iscinago apenas um paso oo uma gras 6 intensdade. Como ma uz ott, que a, em dingo, os nse gu, com 0 sco da prépia vid, grams a la, assi a image, em sua inensdade, vores a agre- ‘eo, sopra a iscasidade. mature, a0 prego da mors, “peqecst ret” do ao sexual, peda do indviduo em um conn mai vse; mas rt ue 6 peor de vida do amar, ada comanidde, ue, longo prazo, Joma, por seu tro, sobre a pesca quem temen perder. Lembrems dt ela observa de Noval: “a exterior 6 um interior elevado ao estado de ‘iso. Mais ua vez um paraote, que permite pens, tmand-s a0 pé- vera os termos emproades, que ese "mis" ue ent io inciados ue em torn dele se agrepam. Asim, a wansfiguraio do inerior em exte- sr, longed sificar decal, per de todas ovals, de valoizar ‘comunopara os que saben. “capo gloria” dot misos criss € ‘um cop de conesimento; divi, por meu tro, wna “ado sense”. exterior, otra manera de cama imagem, também é veloc de conecimen- to, mesno que ese cahecimentosja pri do mist, ino parade apenas por alguns oxi prs lb que as meganaavs, 8 gandssitemas, 1 verdades univers vera sua dca desde enti 6 pode pati Thar de microuaraiva, de verdes rovisris sas pouenas idols, lave se pues de ess “pequeos ila”, opr, 36 sendo ev eres pra alguns. Porn, fim de ao se foe iso por elit, lebee- os qu so muta ioe que pram de ma mulipliidade de (ols, gregand-se ao redor dees. bem o dena da pr maderidae er bl, articular e particalariad, cosas qu so case efcito do eas, Jo -inisaca de qu fora sci, Ora antes de se tna xia priv <4, erotsmo 6 ants de tad colt. Bo gue nos lembram as ras esta turk antopolgias, como ss haan, a nica € ogias diversas que eta 0 curso das hitxias bananas. Como un io condor, tase de i elemeato extrurantecontal de oa vids em sociedad , quando ese eatin storm evident ee se da ver vido ene muitos ene surs. Com nuns ese, €oque obras omo as de Side, de Baile 08 de Klossowskiber-permitem compreender. Assim, seputdo ese thino,o rtsmo 6, antes de mais made, pretest para colo- cages em eens” uefa com ie “opensamento se fa carpe, 0 espiito se faa cae" Assim 6 gue se enconatransfiguas indica: ro- time da imager far comunidad, fx corpo teil, sim como est timo confor 0 aspecosesivele eget de toa image. Tete de um es- tino, pis mada, nem ningném esap a um al proceso, Pode-se lament, ‘stgmatzar ovat, de ua manera As vez josie, destarar qu a ro- Iieragio das imagens tem algo de obsceno, mas nada € feito, Por tempo ders cond imagem explode, tendo export o qu seared tsar soe, quer sem dos de orgniasS jaobia” — Estados ges, insite cenalizata e sober prenes — ger sm modes de pensar who menas“acobinos" — para dito rpidament, a grandes arativas de efertoci,homopfnes, caboradas no imo sé ‘Ao expldi a fuze tudo explo, a imagem mada compet mene a pisgem intact! qual estivamoshabituades, donde sea aspecto ovastdor. Nucl, vtsoo? Sua eflagg, sua comamingio no deixa ada indve, Ao contri das esruturas (pensar, erganizo que arab de amar de “jacbins, onde 0 cet eas peifecias ram betas, ‘om imagen tudo se situa “lures”, 0 io, to singular bo adorn ‘2 ioloe € po ele constitu, mas ele no seria universal. Da mesma forma, ails, a imagem eo exemplodiferetemente do coco, fo oss eminentemeat singular, e sempre est “ao lo" de um pode en- {rao lado" dolgar onde € espero. lis, naa existe de mais neto do «oe em geo, otro que expine 0 exempo, paradigm, par-deigma € __"oque se most ao ldo”, asim como, em alm, Beil, o ques repre seota a lado” Persia instr longest sabre exe so lado", mas ‘sta quel nos embed npr e da regndnsa do "pequno Kol”, ‘1m constugo das socials: so esa eis imei, singular, que to stra ore pensdo, assim como so stb imei” que vo conti- twiro real viveciado. convenient, pois, xem ago um modo de edie que permita cscapar da nino lisa ene o univer eo parla. Ou and, am ‘modo de anise que perma pers ora prt do eal O meio igurativo de Freer, pra so, maj ecuda A igure permite fier seo, © da sentido, no enguantoFzalidade tant ov avo a ser stigido, mas eaqunt o gue eu comanico ou o que eu arti com outs. “A figura & 0 «ue vos ola, gue me oa Esta fru de Gilbert Duran, resume bem sea pont de ists, gua parc, ela ind, ors mes, uments siamese, enum etic, numa intesidadeemocional qu va gir pofudidd na vida vocal Ew a entsisna qu oxigen das revolugies dos tempos passdos, sendo bem-posivel que também seu 2 niga dloos esto, qu vivo, d sciaade qu et por vit Terceira parte O IDEAL COMUNITARIO sMotaente que ie 6 €°~ VINCENT VAN GOGH © IDEAL COMUNITARIO emo qu iso ej um nots, lembremas, para onc, que a pofusto das imagens ea énfase posta 0 esti indica tm retono & “comunidad”. De mina pate, a0 contro agules que continua analiundonosasScidades em tos de indi thalsmo ede deseeantament, jf most que 0 que parce estar na oem odin enete anes a uma especie de ialismo, qu tem or verete un er ali reenantmeno do mundo. A pari do ue é vse, manent, hi algo que leva 2 invsel, a wanscendete. Acotece que, nas sociedad emaens, safrg de no se “man” & quoi, 6 vvido aqui © agra, e econ sua expres em uma rancendénca manent de clo- ‘ago fremente hedonsn. Assim, o que prevlect.o € mais inva, isolado na feraeza desu rao, mas coun tbal que se cmunia 20 ‘edor dum conunto de imagens que consome com vr. Pde-se compara a ligao ent a imagem ¢ a comunidad com a relay ao que Fred esuibelece eae o que chunou de "pesoacoletva" eo soaho: “Poe-s cra uma peso cletva, qu serve para a condense do ‘eaho;o snd de otra mane 0 reancem uma Sica imagem de rho os aos de duns a vita ess Ao tlizar de manera mafia uma tal observasi, ea ampiar sua apc, da qu parte cad vex ior a vida ofc, na vid Social, cri uma “pessoa coletva’, du qual cada Iindvidoo naa mais & do que um element nfo. Os sonbor qu se pre- {am sobre a esl cinematogrfca da moda, sobre o espana fam ou sobre a equipe ganhadora, © mecanismo de partcipso migca que me fat ‘emir a sorriso quotdiano da presetadora de televisto, as diversas destes aos gars rligoss ou intelecwais, em sums, abuindose a ese ‘emo seu setdopleno, a arao que a moda exec, tdo isso ev a iar ‘um anbieme emocioal,cajasvibaes so lida na superficie das cosas, ‘um ambiente que encontra sua expresso em uma crescent esteizayio da cinta, ‘Vibra por meio de imagens oman, gaa, nm gue jude mania eave, do mando tl como le is as grades cancersicas de uma ica nesta, staple exis em ours pocas ¢ parece ress, contempo- raneamente. Trata-se de uma efrvesctcia que no dea de lembrar 2 do ‘rca, Ese, embora tendo muita situa © fnfeluches, nem por io rita de pssuir uma ordem rigors ida. Pee far, respeito dis zuma odem epoca. isso mesmo qu permite dizer que existe uma ica nesta ov snd um iment, un vnc socal ques estabelac a patir agi que, A primer vista, pe er onsiderado five; jogos da forma so dese tp. Ocome gue, no alango da hse us as, observe, e- laren, depis a sara de um grupo de valores aionaistas ucts ses oressargimento de um nr grup de valores qu afta a sera fae ono baroco. Ceres pensadoes, tno histradores (E. dO) como socilogos(.Sorokin G, Duran) obervaram eanalsaram que os conjnts ulus eam cacteitor por um esl espeticn (no seid preci qe se dena ese emo), masque ese esi sera suscetvel ds eet, n em segundo uma alert io eco. 8 exatamente iso qu esti em jog, na efloresctci rigia da forma. Por wm lado, eaomiese es crateritica nos mas divers 6 aio, ep ot, ela rept temas atigos, 20s quis dum novo set, E impressionane, com efit, ver que todos os dominios david social, mesmo os repuado srs, so “sontaminads” pel jogo dt formas. so foi demonsvado na produgo das dias, navi elisa, até mesmo na polica, Em cada um dese cass, rodu” em questo 6 ¢ aio quan o€ posto em forma, quando sabe aparece, quando nos empenhumas em embeletlo,em poem imager, m sma, qundo nos dedcames 2 ei fanizar a pana O mesmo ostre coma empesa, qr nose basa mais ‘si mesma masque preci de wma “inagen”, de uma elt para ser © ue 6. Mts monografts desacam ber 0 pape ea importa da clo- ago em forma do objeto industrial. Baconta-s a mesa coisa no que con- cere aos paris polio, vers insu, 6 pas, sides, as rece qu labora “logo, simboos que aesentam a specifi ou 2 caracteritica d institu on do lgarem questo. Em cada um desses aso, profesionat da imager, ants de comsicalo een se em tar viel, ob wma forma determin, fog ivisvel que anima, qu se ula animarainsttigo que ales et apelando. ‘Acotece também qo esa coocao em fo rivet, na aio- i das wens, temas arcaios, refrtacias micas ov imagens dos bons © ve- thos tempos. Assim como aargiteturap-madernisa cons seas iméveis 8 ptr de dvenas “cites, empresas justamente das constags dos estilo antigs, 9 mundo imaginal, que et seo labora comemporanea- mens, fndamentse em um sbeaoargoetpica Ree, de mania cfli- 0 que se area exarutrpassad, Biss qb permit falar de maravi- Ihaents, de eencantmeno imaginiio, osm, 0 ono, fsivo, so algne dos parmctrs que exrimem melhor uml proceso. Fst alos ‘scasmas queso einvestosereutlizdos plo diversas mos do dsen- ‘volvimentotenolgico. Nese set, poses aig a penpctva cilion ‘indicat um movimento em eral, onde o retro 0 meso ste uma lta de importa, que € trai pea tecolgi pons ‘Eine, no sentido simple do ea, un concontaia en os menos arias eo dexenvolvimento enon. No seni mak etimeléy- 0 do temo: cun-crrer, les “cre ante. Bis a prculridae da pis: mori, lar conriios, feos eta em sergio que no dei de ‘ar 8 Gpce an origilidde. Ua tal sie fo tem nad aver, com © loearisme causal, que prevalceu na modemidade que consti sua fora A hai inviual,wo mais do questi eal, lo pode desde ent ‘er needa em tos develo. A marcha real do progressoteve sea {empo. No hi lugar tabi paso eocenimo ecient. As clus se nerpenetram suas diverse tempoaliads contamina a mans de er de pensar. Para dio am tos snda mei ors, a istriasegura de mesma dlgar a uma mitlgi plural e diversicads Bex a mudaga que aca oeeito do resargimento da form. De ito esta enfin oespago ess divers modlag es: emp, © teritro, a comunidad, a lingua, a religoidde, 0 localino, Pode, neste caso, faerreferncia a0 que Gilbert Durand chama de “teria do recital" via humana os insereve mais em uma simples cada cas, el fein de eves encaxaos em una mei cletv, cj iporticia ‘lo mais we pode negar, ela 6 “recta”. Encontn-e, asim, ovarete 0 “situacinimo de qe fl feito de stan tro, reatlizand as figuras ties arqutpcs com a ajuda do desenvolvimento tcnligico, 0 "ret" recnhecimenn a ecigdo, «mandi, todas coisas encodes nas diversas imagens, ma manera de vet, 0 sncreimo eligi e filsitin, "as consrges argues, ma pina igrativa, em sums ma cren- talizagio do mundo odes, eplaiando-e no conjato da vida social. videntemente, deve-se compreenereses “orients mticos de mancica ‘mafia. Noh um lgarparcula: antes um pchwor elborado com um ext ioc hinds, uma pstra esprit! ze, ua pega nega de vestments, uma pritica cliniriasubameicana, ama wiliagio deste ou