P. 1
GABARITO Caderno Do Aluno Geografia

GABARITO Caderno Do Aluno Geografia

|Views: 15.124|Likes:
Publicado porrodrigorafael3421

More info:

Published by: rodrigorafael3421 on Mar 10, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/25/2012

pdf

text

original

GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

1

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O MUNDO E SUAS REPRESENTAÇÕES Para começo de conversa
Página 3

1. Resposta pessoal. Porém, é preciso uma ação do professor para um aproveitamento interessante. Ocorre que é incomum em nossas cidades o uso de mapas. É muito provável que muitas pessoas passem a vida inteira numa cidade sem conhecer o mapa desse espaço. Além disso, não há mapas nos espaços públicos nem nos sistemas de transportes para orientar os percursos, tampouco para localizar pontos importantes. Sendo assim, dependendo do que acontecer com a proposição inicial, talvez seja necessário o professor pensar em formas de apresentação desse mapa da cidade e propor alguns exercícios de localização para que os estudantes se familiarizem com ele. 2. O interessante nesse exercício que o aluno vai realizar (desenhar um mapa, na verdade um croqui, pois não é necessário fazer escala, que mostre o percurso da escola até sua residência) é o professor examinar se o mapa desenhado indica alguma familiaridade com o mapa da cidade ou se ele é alheio a isso, logo uma criação total do aluno; verificar também a noção de escala (se ele não dá distâncias maiores para percursos mais curtos, e distâncias menores no mapa para ruas e avenidas mais longas); averiguar que referências ele indica para facilitar a locomoção (se são edifícios marcantes para todos, avenidas importantes ou, então, referências muito subjetivas, somente perceptíveis para o autor do mapa). Tudo isso são elementos reveladores da percepção de espaço do estudante, que terminam sendo referências para a continuidade do trabalho do professor. 3. Aeroportos, estações de trem e estações rodoviárias costumam exibir mapas de suas localidades. Nesses locais há mesmo balcões de informações turísticas que fornecem mapas e outros materiais informativos sobre o lugar onde estão situados. Isso porque quem chega pode estar vindo pela primeira vez e precisa saber o mais rapidamente
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

2

possível se locomover. Os mapas são compreensíveis por todos, mais do que textos, e é uma obrigação das cidades orientar e receber bem seus visitantes. 4. Um dos elementos importantes da qualidade de uma residência é sua localização. Bairros bons valorizam as moradias. Os vendedores de imóveis fazem mapas nas propagandas para valorizar as localizações dos bens que estão vendendo. Por outro lado, é preciso que o interessado saiba chegar ao imóvel. 5. Resposta pessoal, mas aqui se aplica também o mesmo procedimento do mapa. É provável que muitos alunos não tenham informações sobre o que é um GPS e o aparelho deve ser apresentado. Trata-se de um pequeno aparelho que está conectado a uma rede de satélites e nos dá em qualquer ponto que estivermos qual é a latitude e a longitude. No aparelho (semelhante a um telefone celular grande) há a possibilidade de acoplar à sua memória eletrônica mapas de cidades. Assim, quando acionar o GPS numa cidade é possível ver o ponto em que se está sobre um mapa e, desse modo, orientar a locomoção.

PESQUISA EM GRUPO

Página 4

Após mostrar um exemplo de mapa de um grupo social distante, muito diferente dos mapas que nos são familiares, pede-se para que os alunos, em grupo, façam mapas usando recursos semelhantes. Esse exercício não é para se aprender mapas formais e sim para se vivenciar a experiência da representação, da representação livre sem exigências formais. É um trabalho criativo e nele os estudantes vão representar realidades geográficas com materiais inusitados, mas terão de se empenhar na comunicabilidade dessa representação. É interessante ressaltar que foi improvisando e usando o que era possível que ao longo da história o ser humano foi registrando e controlando suas realidades espaciais. No exemplo do mapa de moradores das Ilhas Marshall é importante destacar que esse mapa ajudava-os na navegação, por mais que atualmente olhemos e digamos que não é um “mapa bom” ou um “mapa correto”.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

3

Os mapas estão na moda e há muitas publicações a respeito. Mesmo os livros didáticos de Geografia que já traziam mapas, multiplicam em suas páginas a presença de mapas. Não é incomum, inclusive, apresentar a história da Cartografia, mostrando mapas de povos antigos, de culturas isoladas etc. Por isso, usar livros didáticos é uma boa medida para fazer a breve pesquisa proposta. Se o acesso à internet for possível, aí então as referências vão se multiplicar muito. A internet está inundada de mapas, há sites e sites especializados desde em mapas atuais até em mapas antigos e exóticos.

Leitura e Análise de Imagem
Página 5

1. Representam a mesma área com recursos diferentes. Inclusive a escala de ambas as representações é a mesma. 2. São visíveis as cidades representadas por diversos símbolos conforme seu tamanho. As menores são bolinhas pretas, as maiores, duas grandes metrópoles, são quadrados pretos. Também são visíveis as redes de transportes, em especial rodovias. Isso é o principal. 3. São bem visíveis, estão representadas por quadrados pretos e é possível notar como as redes de transportes convergem para elas. Trata-se de São Paulo e do Rio de Janeiro. 4. Na imagem de satélite as duas metrópoles aparecem em áreas bem marcadas por uma tonalidade do roxo. São Paulo é maior que o Rio de Janeiro, segundo a imagem. Dá para notar, além das metrópoles, um rio (Rio Paraíba) e diferentes situações espaciais, ora alternando formações e modificações feitas pelo ser humano. 5. São representações diferentes da mesma área. No mapa, estão selecionados alguns elementos que se quer mostrar: cidades segundo seus diversos tamanhos, as rodovias etc. São símbolos, mas esses fenômenos não são assim na vida, mas como símbolos são mais visíveis no mapa. A imagem de satélite não tem símbolos, é uma fotografia da terra, é mais difícil interpretar, mas a dimensão dos fenômenos é mais real.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

4 LIÇÃO DE CASA
Página 8

1. O estudante deve fazer uma lista dos mapas encontrados e descrever que função o mapa exercia na publicação em que ele foi encontrado. O contexto em que o mapa

estava exposto vai ajudar a definir que funções ele possuía. Ele pode, por exemplo, estar apenas localizando um lugar mencionado numa reportagem; mas ele pode também estar mostrando quantidades de população de um lugar etc. 2. Essa afirmação faz sentido e para demonstrar vale a pena voltar ao exemplo de comparação da imagem de satélite com o mapa da região metropolitana de São Paulo. No mapa escolheu-se representar as estradas, mas decidiu-se não representar, por exemplo, as redes de fios de eletricidade nem o volume de população que habita essa localidade coberta pelo mapa. Todo mapa é assim. Sempre uma seleção de fenômenos. Mesmo aqueles mapas que comumente se pensa que está representando tudo não conseguem essa façanha. Esse é o caso da denominada carta topográfica.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

5

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 ORIENTAÇÃO RELATIVA: A ROSA DOS VENTOS Para começo de conversa
Página 9

1. De fato, a impressão que temos em função das grandezas envolvidas, o tamanho do planeta e o nosso tamanho (e o tamanho do que é produto da ação humana), parece realmente que a Terra está parada, que ela é estática. Ela não dá solavancos nem nós vemos coisas passando em seu movimento. Por isso, aquele arco que vemos do Sol no Leste, depois sobre nossas cabeças e depois desaparecendo a Oeste nos dá a impressão do movimento do Sol, quando na verdade é a Terra que está se movimentando. 2. O movimento aparente do Sol é uma referência que permite identificarmos os pontos cardeais. Se a janela do lado direito da classe, na posição do aluno, estiver voltada para onde nasce o Sol esse lado será o Leste; o lado contrário o Oeste; à frente o Norte; e atrás o Sul. 3. A resposta deve estar vinculada à localidade da escola. O preferível é que haja referência às cidades próximas, pois é lógico que Manaus está ao Norte de qualquer cidade do Estado de São Paulo, assim como Porto Alegre está ao Sul. Não há problema que os alunos consultem mapas. Esse pode parecer um exercício muito fácil, mas surpresas podem aparecer. Ele serve para sedimentar a familiaridade com os pontos cardeais, para que o aluno não leve para frente nenhum desconhecimento a respeito.

Leitura e Análise de Imagem
Página 9

1. Esse movimento é aparente, como sabemos. Mas neste momento não importa essa questão. E sim que o Sol fica em diversas posições durante o dia. Não é possível permitir que o aluno fique sem essa percepção, que nem sempre é óbvia e precisa ser
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

6

estimulada. Por vezes não se insiste com isso, porque se entende que espontaneamente todos têm essa percepção. Isso é um engano. 2. É interessante que o professor estimule essa observação e que o aluno, ao notar onde o Sol nasce, indique uma referência que possa ser reconhecida por todos. Por exemplo: o Sol nasce do lado direito da escola, na direção do “Morro tal”. Isso vai permitir verificar se todos da classe estão percebendo da mesma maneira. Do mesmo

modo, com o ponto onde o Sol se põe. 3. É uma aparência. Isso deve ser demonstrado ao estudante. Mas, não é possível demonstrar se ele não perceber que o Sol muda de posição. A discussão sobre o que se movimenta para essa mudança de posição vem em segundo lugar. É impressionante o número de estudantes que chegam ao ensino superior (em especial no sistema privado) sem as noções dos movimentos do planeta Terra.

Leitura e Análise de Imagem
Página 10

1. Trata-se do movimento da Terra em torno de seu próprio eixo. O movimento de rotação. 2. Sem dúvida há uma relação direta. A Terra girando sobre seu próprio eixo fica numa parte das 24 horas que dura essa rotação de frente para o Sol e noutra parte de costas, e aí será noite. Quando começar a ficar de frente para o Sol (a visão que temos do Sol nascendo) estará começando o dia. 3. Os polos Sul e Norte e as posições Leste e Oeste. 4. Trata-se do movimento da Terra em torno do Sol. O movimento de translação que leva 365 dias e algumas horas. 5. Trata-se de um movimento anti-horário (ao contrário do movimento dos ponteiros de um relógio), o que é perceptível pelas setinhas desenhadas no percurso da Terra. Mostra também que a Terra se movimenta em torno do Sol, com seu eixo inclinado. Assim, nas diversas posições num momento o Hemisfério Sul é que está mais exposto ao Sol e noutro é o Hemisfério Norte. 6. Essas diversas posições durante o ano da Terra em relação ao Sol explicam as diferentes intensidades da chegada de energia calorífera nos dois hemisférios
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

7

latitudinais da Terra (o Sul e o Norte). A distribuição diferenciada dessa energia implicará no que chamamos estações do ano. Note na figura que na posição do dia 21 de junho a Terra está com o Hemisfério Norte projetado em direção ao Sol, o que vai fazer com que os ângulos dos raios solares estejam mais próximos de 90º, e isso significa mais energia calorífera. Por isso é verão naquele hemisfério e inverno no Hemisfério Sul, que nesse momento está menos projetado em relação ao Sol e os raios solares chegam num ângulo mais inclinado. Isso vai significar menos energia calorífera. Com essa mesma lógica explica-se as outras estações do ano. 7. Esse exercício do presente para o passado é muito interessante. Na verdade, é um exercício de reconhecimento do outro que contribui para o desenvolvimento de uma competência muito importante: o compreender. Compreender é colocar-se no lugar do outro e tentar pensar como o outro pensa, ou como o outro pode pensar. Nesse caso vale alertar os estudantes sobre o que as crianças no mundo antigo podiam saber. Ninguém havia visto o globo terrestre, não havia computador, nem televisão, nem imprensa com fotos e ilustrações. O que se sabia, o que se interpretava dependia de observação direta, de olhar a natureza ao vivo. É essa criança que receberá a carta. Logo, para convencê-la sobre o fato que o movimento do Sol é apenas aparente é preciso empregar estratégias próprias. Somente o fato de o estudante ter isso em mente, e se obrigar a fazer raciocínios específicos para a situação, já é de extrema valia e justifica o exercício.

Leitura e Análise de Imagem

Página 13

Um bom nome para a Figura que representa os pontos colaterais é Rosa dos Ventos, como tradicionalmente é conhecida essa figura. Nela se representam os pontos cardeais e os pontos colaterais (intermediários entre os cardeais, que quer dizer: principais). 1. Com o braço direito estendido em direção à nascente do Sol chega-se ao Leste, logo o braço esquerdo indica o Oeste. 2. Na frente o Norte e atrás o Sul se na direita estiver o Leste e na esquerda o Oeste.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

8

3.
Entre o Norte (N) e o Leste (E Nordeste (NE) Entre o Sul (S) e o Oeste (O) Sudoeste (SO) Entre o Norte (N) e o Oeste (O) Noroeste (NO) Entre o Sul (S) e o Leste (E) Sudeste (SE)

4. Esse aparelho é a bússola. Ele está para o espaço assim como o relógio está para o tempo. LIÇÃO DE CASA
Página 14

É relativamente simples construir uma bússola em casa. A maior dificuldade está em encontrar um ímã. São pequenos objetos naturais ou artificiais que têm a propriedade de magnetismo, quer dizer: de atrair materiais ferrosos. O professor de Ciências pode ajudar a localizar, pois é comum nessa disciplina se propor experiências com o magnetismo. O interessante é que ao esfregar uma agulha no ímã, as propriedades magnéticas passarão para a agulha e é a isto que se quer chegar. Uma agulha imantada, elementochave para a construção da bússola. Ocorre que na Terra há um acúmulo de materiais magnéticos mais ou menos no Norte (Norte magnético) e uma agulha imantada sempre se dirigirá sozinha para essa direção, desde que ela não esteja presa, e sim livre como está proposto no exercício. Ela está flutuando sobre uma rolha bem leve. Esse tipo de experiência é relevante para o estudante, pois concretiza uma explicação, não lhe deixa dúvida, o que nem sempre é possível com os outros conteúdos.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

9

5. Até agora os pontos cardeais foram encontrados, nas proposições anteriores, utilizando a posição onde o Sol nasce (Leste) e daí deduziu-se o Oeste, o Norte e o Sul. Agora essa localização será feita com um aparelho. Ela poderá ser feita à noite, por exemplo. Este momento aplicativo é chave para a concretização dessa parte do conteúdo. VOCÊ APRENDEU?
Página 15

1. Alternativa d. De fato a Terra está em movimento, são vários tipos, sendo os principais o de Rotação (em torno de seu próprio eixo, com duração de 24 horas) e o de Translação, que se dá em torno do Sol. Devido ao tamanho da Terra e nossa proporção em relação a ela não há como sentirmos esses movimentos. A nossa impressão é a de que a Terra está parada. 2. Rotação: duração 24 horas, se dá em torno de seu próprio eixo e é responsável pelos

dias e pelas noites. Todos os outros planetas do Sistema Solar estão em rotação, as velocidades são diferentes, mas é esse movimento o responsável pela forma arredondada dos planetas, inclusive da Terra. Translação: duração 365 dias. É uma trajetória da Terra em torno do Sol, e nesse percurso a Terra expõe diferentemente seus hemisférios em relação ao Sol, o que resulta nas diferentes estações do ano.

Aprendendo a Aprender
Página 16

1. Iguape está ao NORTE de Cananeia e a(o) SUL de Registro 2. Marília está a(o) NORTE de Assis e ao SUL de São José do Rio Preto. 3. São José dos Campos está a NORDESTE de São Paulo e a SUDESTE de MojiMirim. 4. Fernandópolis e Ituverava estão situadas ao NORTE do Estado de São Paulo 5. Teodoro Sampaio situa-se a OESTE do Estado de São Paulo.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

10

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 AS COORDENADAS GEOGRÁFICAS PESQUISA EM GRUPO
Página 17

1. Não, essa informação não é suficiente porque quando se indica um ponto cardeal ou um colateral é preciso dar uma referência. Norte em relação a que ponto, a que cidade? Uma mesma cidade pode estar ao Norte de uma cidade qualquer e ao Sul de outra. 2. Norte em relação ao quê? 3. É sempre necessário usar outros pontos de referência para melhor localizar um ponto num espaço. Nenhum ponto é o Norte absoluto (a não ser o núcleo do Polo Norte). Todo Norte será Norte em relação a outro ponto que estará ao Sul.

Leitura e Análise de Imagem
Página 17

1. A Figura é clara. A Terra é esférica e o navio no horizonte de um oceano vai desaparecer de nossas vistas, mesmo que estejamos usando binóculos, em razão da curvatura do Planeta. Aliás, essa é uma das formas indiretas que nos faz perceber a curvatura da Terra. 2. Sem dúvida. O que pode ser observado na Figura indica que a Terra é redonda.

Leitura e Análise de Imagem
Página 18

1. Essa linha é o Equador. A palavra vem de equalis, que quer dizer igual. O Equador corta a Terra em duas metades iguais.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

11

2. A metade “de cima” é o Hemisfério Norte, e a metade “de baixo” é o Hemisfério Sul. 3. Temos dois tipos de coordenadas geográficas: meridianos, perpendiculares ao Equador, e paralelos (que como o nome diz, estão paralelas ao Equador) 4. O exercício de colorir deve ser rápido. Trata-se de um recurso a ser usado só uma vez. O objetivo é a familiarização com o hemisfério Norte e com o hemisfério Sul. 5. Nesse último globo não estão todas as coordenadas geográficas. Estão apenas os paralelos. O Equador é um dos paralelos.

6. Esses números indicam a posição do paralelo no interior da circunferência que representa a Terra. Uma circunferência possui 180º (esse o pequeno representa a medida em grau). Com a linha do Equador dividindo a circunferência em duas metades iguais temos 90º Sul e 90º Norte. 7. Para posicionar corretamente os paralelos indicados será útil o estudante usar um objeto que faz parte do material escolar e que serve para medir os graus: o transferidor. 8. Em relação à primeira figura a diferença está no fato de que a grade de coordenadas não está completa. Faltam os paralelos, logo só estão representados os meridianos. A segunda figura representava apenas os paralelos e a terceira representa apenas os meridianos. 9. Os meridianos são assinalados na esfera que representa o globo terrestre também com graus. Diferentemente da marcação dos paralelos, que se dá na circunferência que tem no total 180º, os meridianos são marcados numa esfera que tem 360º. Há também um meridiano escolhido na circunferência que a dividirá em duas metades. Trata-se do Meridiano de Greenwich, que é o meridiano 0o. Ao Leste (à direita) tem 180º e à esquerda (a Oeste) tem mais 180º. Isso explica os números e o uso das iniciais dos pontos cardeais. 10. Para acrescentar mais duas linhas de meridiano na posição correta pode-se usar também o transferidor. 11. Essa área é chamada de Hemisfério Oeste ou Ocidental (tecnicamente), e popularmente de Ocidente. 12. Preenchendo os vazios do quadro:
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

12

Direção no globo terrestre Coordenada geográfica localiza Na metade – leste a oeste Greenwich Hemisférios Oriental e Ocidental Na metade – norte sul Equador Hemisférios Sul e Norte Paralelos ao Equador Paralelos Latitudes Perpendiculares ao Equador Meridianos Longitudes

PESQUISA EM GRUPO
Página 21

1. Nesse ponto localiza-se o município Delmiro Gouvêa, no Estado de Alagoas. 2. Macapá, capital do Estado do Amapá. 3. A cidade de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, está relativamente próxima desse ponto.

Leitura e Análise de Imagem
Página 23

1. A Latitude é uma medida em graus obtida por paralelos traçados numa circunferência que representa a Terra. Os paralelos vão de 0o a 90º em direção ao Sul e de 0o a 90º em direção ao Norte. Cada paralelo é uma Latitude Sul ou Norte. 2. O movimento de rotação permite determinar as longitudes. E isso não é difícil explicar. 3. Para que a Terra complete o movimento de rotação partindo do ponto A e retornando

até ele, são necessárias 24 horas (duração do dia). 4. Para girar 15º a Terra leva uma hora em seu movimento de rotação, a 15º de um ponto qualquer a Leste será uma hora mais. Por exemplo, se for 8 horas nesse ponto, 15º a Leste já será 9 horas. E 15º a Oeste será 7 horas.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

13

5. Decidiu-se por um ponto para ser a referência para a medição das diversas horas da Terra num mesmo momento e também para a medida das longitudes. Esse ponto de referência é o Meridiano de Greenwich na Inglaterra. O meridiano 0o, a longitude 0o. A partir desse ponto se estabelece os fusos horários. LIÇÃO DE CASA
Página 24

1. Em direção ao Leste as horas estão adiantadas em relação a Greenwich. 2. Em direção ao Oeste as horas estão atrasadas em relação a Greenwich. 3. Se a diferença em relação a Greenwich for de uma hora, isso corresponde a 15º de diferença de longitude. 4. Cálculo das horas da Copa do Mundo. a) Em Londres, na Inglaterra o jogo será assistido às 17 horas. b) Em Nairobi, no Quênia, às 19 horas. c) Na Cidade do México será às 10 horas da manhã. d) Em Sidney, na Austrália, será às 4 horas da manhã. e) Em Los Angeles, nos EUA, será às 9 horas da manhã. Observação: De acordo com a Lei nº 11.662, de 24 de abril de 2008, a partir da zero hora de 24 de junho de 2008 vigoram no Brasil três fusos horários. Assim, estamos providenciando a substituição do mapa desta atividade que ainda apresenta o Brasil com quatro fusos horários, a fim de garantir informação atualizada aos alunos da rede pública de ensino. No entanto, ainda não dispomos, para publicação, de um mapa-múndi com os fusos horários brasileiros atualizados. Assim que obtivermos o mapa atualizado, ele será publicado na Arquivoteca. 5. Definir qual a Longitude desse ponto, mas também a sua Latitude. Cruzando esses dois elementos chega-se à posição exata de um ponto qualquer.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

14

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 OS ATRIBUTOS DOS MAPAS Aprendendo a Aprender
Página 27

1. Não é sempre assim. Essas cores (o azul e o verde) são usadas em mapas para várias finalidades. Não são exclusivas para representar as águas e a vegetação. 2. Os denominados mapas políticos representam, especialmente, fenômenos humanos como cidades, estradas etc. Enquanto isso, os mapas físicos representam fenômenos naturais como rede de rios, altitudes dos terrenos, distribuição das formações vegetais etc. 3. Com uma escala de cores. Cada cor representa uma altitude e isso pode ser consultado na legenda. 4. Um mapa de São Paulo dentro do mapa do Brasil pode possuir menos detalhes que

um mapa isolado de São Paulo. Existem mapas maiores e mapas menores de um mesmo local, e essa variação chama-se escala cartográfica.

Leitura e Análise de Imagem
Página 28

1. Estão representados os Estados brasileiros. Isso é perceptível porque para cada Estado há uma cor e pelos traços que delimitam um Estado do outro. Essa delimitação e o fato de existirem Estados é um fenômeno humano. 2. Por intermédio de cores. Fica nítido neste caso não somente a posição diferente desses dois Estados no mapa do Brasil, mas também a diferença de tamanho entre eles. 3. Por exemplo: aparece a malha constituída pelos principais rios do Brasil. 4. Os principais elementos representados são fenômenos humanos: divisão dos Estados e das principais cidades do Brasil. 5. Mapa Político do Brasil
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

15

6. Não há mais divisão marcando a existência de Estados nem indicação de cidades. As cores assinalam os terrenos segundo as altitudes, o que pode ser observado na legenda. É importante notar que as zonas verdes correspondem a certa altitude (entre as mais baixas) e não a zonas de florestas. Do amarelo para o marrom são terrenos altos e não terras sem vegetação. Aparece também uma densa malha de rios: a rede hidrográfica. 7. Por cores diferentes se destacaram os terrenos de diversas altitudes médias. Mas só é possível identificar quais as áreas mais altas e as mais baixas observando a legenda, o que é um problema nesse mapa. 8. A cor verde não representa florestas e sim uma determinada altitude (que está entre as mais baixas). Isso demonstra que nos mapas existentes as cores têm um uso diverso e nenhuma cor tem um uso exclusivo. Nem mesmo o azul para a água. 9. São elementos da natureza: altitude e malha de rios. Logo, nesse mapa predominam fenômenos naturais. 10. Mapa Físico do Brasil. 11. No primeiro mapa foram utilizados símbolos para representar as cidades. Na legenda é possível ver que a bolinha com um ponto preto e um círculo representa as capitais e a bolinha preta outras cidades. 12. A capital ,que é Rio Branco, e as cidades de Cruzeiro do Sul e de Assis Brasil. 13. Foram utilizados os recursos da cor. A escala de cor empregada vai de um verde escuro (altitude mais baixa) até um marrom escuro (a altitude mais elevada). Essa escala compõe a linguagem do mapa. 14. Com esse recurso ficamos sabendo onde as terras são mais altas (altitude média). Elas ficam em todas as áreas assinaladas com marrom escuro. Mas o mapa faz uso também de pequenos símbolos que não aparecem na legenda que indicam os picos mais altos: o mais alto fica ao Norte do Brasil e é conhecido como Pico da Neblina, com 3 014 metros.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

16

Leitura e Análise de Imagens
Página 32

1. Sim, a região metropolitana de São Paulo está representada nos dois mapas, mas apenas no segundo (Região Metropolitana de São Paulo) constam os municípios que a compõem. 2. O segundo mapa, Região Metropolitana de São Paulo, pois nesse o território da área em questão foi menos reduzido. 3. O primeiro mapa seria o mais adequado (Brasil: regiões metropolitanas). Ele possui escala menor, quer dizer foi mais reduzido, mas com isso permite visualizar as regiões metropolitanas na extensão do Brasil. 4. Não, não seria possível. A escala do mapa Brasil: regiões metropolitanas é pequena demais para representar esse tipo de detalhe. 5. Porque somente num mapa dessa escala é possível registrar detalhes dessa extensão. LIÇÃO DE CASA
Página 34

1. A resposta vai depender da escala gráfica do mapa escolhido. 2. Alternativa e. 6 centímetros x 50 quilômetros, que é o valor de cada intervalo da escala gráfica. 3. O título nos indica o tema que será tratado no mapa. Por exemplo: Distribuição da População do Brasil; Rede Hidrográfica do Brasil etc. A legenda apoia a linguagem do mapa. Ela traduz o que os símbolos e as cores utilizados significam. Embora necessários, não são os elementos mais importantes dos mapas. O mais importante é o mapa em si, que é o visual propriamente dito.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

17

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5 A CARTOGRAFIA TEMÁTICA Aprendendo a Aprender
Página 36

1. A resposta é pessoal e depende do material pesquisado. Porém, é provável que se encontrem mapas nas duas situações. 2. Os mapas que pretendem representar tudo o que existe na superfície terrestre (o que não se consegue) são as cartas topográficas. 3. Os que representam apenas 1 ou 2 fenômenos são os temáticos. Cada fenômeno é um tema. 4. Atualmente, é cada vez mais comum mapas que mostrem fluxos. Por exemplo, onde se produz petróleo e para onde ele vai ser processado e consumido (e também em que quantidade vai). Esse é um tipo de mapa temático e a representação é chamada representação dinâmica (mostra movimentos). 5. Depende dos mapas encontrados. Em geral se representa os locais de produção com símbolos que remetem a fábricas, usinas, centros de extração etc. A legenda nesse caso indica e traduz a simbologia.

PESQUISA EM GRUPO
Página 37

1. É provável que a esta altura os estudantes não tenham dificuldades para identificar e selecionar esses mapas temáticos e classificá-los segundo os grupos de fenômenos naturais e humanos. 2. a) Em geral, os mapas têm indicação da escala cartográfica. Mas, nem sempre é

necessário isso em função de uma série de detalhes técnicos da cartografia, área que estuda e produz mapas.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

18

b) Depende dos mapas pesquisados. c) Depende do que foi pesquisado, mas de um modo geral os mapas são muito reduzidos, visto que predominam mapas do mundo, mapas do Brasil e dos Estados em nossa cultura escolar. E para representar vastos territórios os mapas devem ser muito reduzidos. d) Depende do material pesquisado. É importante exercitar esse olhar para a qualidade das representações e isso deve começar cedo. e) Encontrados os mapas que representam fenômenos naturais é importante o aluno listar os recursos de linguagem que foram empregados para a representação: cores, símbolos etc. Mas é melhor fazer a observação antes de olhar as legendas. f) Depende dos mapas pesquisados. No mais, os mesmos comentários da proposta anterior se aplicam aqui.

Leitura e Análise de Imagem
Página 38

1. Representa quais os países que fabricam e compram armas de destruição massiva, como armamentos nucleares e armas químicas. Nota-se que apenas alguns países possuem armamentos nucleares. Algo que também chama a atenção é o número de países africanos que compram essas armas, o que indica a gravidade das relações naquele continente. 2. Sim, esse é um mapa qualitativo, pois sua intenção é mostrar diversos tipos de armas (e o faz utilizando cores e símbolos) e como eles estão proliferando geograficamente. Diferencia as coisas, mostra qualidades diferentes de ocorrência. 3. Trata-se um mapa-múndi sobre o qual foram aplicados círculos de diversos tamanhos. Nota-se uma maior concentração desses círculos em certas áreas, enquanto em outras há maior dispersão, por exemplo, na América do Sul. Fica muito evidente onde se compra mais armas. Os círculos maiores representam compradores maiores de armas. A relação é direta. 4. Sem dúvida, esse é um mapa quantitativo, visto que mostra por intermédio dos círculos proporcionais (que podem ser quantificados exatamente recorrendo-se ao
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 5a série – Volume 2

19

ábaco – legenda de mapa quantitativo) as quantidades de armas que estão sendo compradas, e onde estão sendo adquiridas.

GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

1

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 AGRUPAMENTO REGIONAL DAS UNIDADES FEDERADAS Leitura e Análise de Mapa
Página 3

1. A escala monocromática é aquela que apresenta diferentes tons de uma mesma cor. Na imagem, são apresentados, por exemplo, sete tons de uma única cor, organizados em uma gradação, do mais escuro (esquerda) ao mais claro (direita). No caso específico do mapa, a escala monocromática foi escolhida porque se trata da representação de uma única variável: o IDH. Neste caso, as tonalidades mais claras estão associadas aos menores índices, e as mais escuras aos maiores. Como já apontado no Caderno do Professor, a escolha intencional da escala monocromática em tons de azul para a elaboração dos mapas pode ser aproveitada para salientar junto aos alunos o fato de que nem sempre, na cartografia, essa cor é utilizada para a representação de superfícies aquáticas. No entanto, em função de variações na impressão, é possível que alguns dos mapas do Caderno do Aluno não saiam exatamente em tons de azul. Assim, professor, esteja atento à escala cromática dos mapas presentes nos Cadernos da sua turma para fazer a exploração adequada a respeito do papel da cor na cartografia. 2. Com exceção do Distrito Federal, os melhores índices estão concentrados no Sul e Sudeste; os piores índices estão no Nordeste, especialmente no Maranhão, no Piauí, na Paraíba, em Sergipe e em Alagoas. 3. Com base no mapa, podemos agrupar os Estados brasileiros em quatro grandes grupos contíguos. O primeiro é composto por Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. No segundo entram Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e Espírito Santo. No terceiro, Amazonas, Roraima, Rondônia, Pará e Tocantins. Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará também podem ser agrupados. Dessa forma, ficariam isolados o Acre, o Amapá, o Distrito Federal e os Estados com pior índice de IDH: Maranhão e Piauí, Paraíba, Sergipe e Alagoas.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

2

4. Espera-se que os alunos percebam o contraste existente em Minas Gerais. Enquanto os municípios do Triângulo Mineiro estão mais próximos da realidade paulista em termos de desenvolvimento humano, os municípios do norte estão mais próximos da realidade nordestina. LIÇÃO DE CASA
Página 3

1. Em relação aos municípios de Pernambuco, os municípios de Minas Gerais, em especial aqueles localizados na porção central e sul, apresentam índices mais elevados de IDH. 2. No mapa de Pernambuco, a situação do Recife é uma das melhores do Estado. Porém, no mapa do Recife, observa-se que a desigualdade em termos de desenvolvimento humano também ocorre no interior do município. 3. De acordo com a escala utilizada na representação cartográfica, podemos visualizar

aspectos diferentes de um mesmo fenômeno. No mapa de Brasil, Pernambuco figura no grupo dos Estados que apresentam níveis relativamente baixos de IDH. No mapa de Pernambuco, Recife integra o grupo de municípios de maior IDH. Finalmente, no mapa do Recife, percebe-se que existem um forte contraste de intraurbano em termos de desenvolvimento humano.

ROTEIRO DE EXPERIMENTAÇÃO
Página 7

Espera-se que os alunos, ao formarem os agrupamentos das unidades federadas, percebam a existência de intervalos entre os dados. Os mapas temáticos elaborados pelos alunos devem conter os elementos cartográficos básicos: escala, legenda, título e fonte.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

3

Desafio!
Página 15

Resposta pessoal, que deverá ser debatida com os colegas. O mais importante neste momento é que os alunos se sintam motivados para apresentar seus próprios procedimentos de agrupamento, exercitando seu poder de argumentação. Sugerimos que o agrupamento seja feito entre os Estados vizinhos, formando um espaço regional contíguo, tal como ocorre na proposta de regionalização apresentada no Caderno do Professor.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 REGIONALIZAÇÃO NO TEMPO E NO ESPAÇO Leitura e Análise de Mapa
Página 17

Modelo do quadro comparativo com possíveis respostas dos alunos Divisão regional Semelhanças com a atual Diferenças em relação à atual Élisée Reclus (1893) Estabelece como limite das
regiões as fronteiras dos Estados. Apresenta um número maior de regiões. Insere São Paulo na região Sul. Critério de divisão com base na geografia física.

Delgado de Carvalho (1913)
Estabelece como limite das regiões as fronteiras dos Estados. Mesmo número de regiões. Critério de divisão com base na geografia física. Insere São Paulo na região Sul e

cria a região Leste com Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia e Sergipe.

Conselho Técnico de Economia e Finanças (1939)
Estabelece como limite das regiões as fronteiras dos Estados. Mesmo número de regiões. Critério de divisão com base na geografia humana. Estabelece uma região Sudeste e uma região Sul iguais aos limites atuais. Insere Maranhão e Piauí na região Norte.

Conselho Nacional de Geografia (1941)
Estabelece como limite das regiões as fronteiras dos Estados. Mesmo número de regiões. São Paulo faz parte da região Sul. Estabelece uma região Leste com Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

5

Desafio!
Página 21

• Espera-se que os alunos identifiquem alguns aspectos ambientais semelhantes entre São Paulo e as unidades federadas do sul, como uma faixa do território com clima subtropical, predomínio do planalto ocidental e da bacia hidrográfica do Rio Paraná. • A formação da região Leste com Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe, com base no conceito de região natural, poderá ser relacionada com as bacias de drenagem secundárias do litoral brasileiro e com a bacia do São Francisco. LIÇÃO DE CASA
Página 21

1. Do ponto de vista das características da vegetação e da hidrografia, o Tocantins é mais semelhante a Goiás do que ao Pará. 2. Tocantins está conectado por meio de rodovias a Goiás e ao Pará, embora o acesso mais fácil seja a partir de Goiás.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

6

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 OUTRAS FORMAS DE REGIONALIZAÇÃO

PESQUISA INDIVIDUAL
Página 23

Com base nos dados levantados nas entrevistas, os alunos poderiam apresentar os resultados em sala de aula. A discussão sobre esses relatos pretende chamar a atenção dos estudantes para as causas e as consequências dos fluxos migratórios para São Paulo que ocorreram nas últimas décadas. LIÇÃO DE CASA
Página 24

Para se imaginar na posição de um migrante, os alunos deverão se inspirar nas entrevistas e aprofundar suas reflexões sobre o significado social, econômico e afetivo das migrações internas.

PESQUISA EM GRUPO
Página 25

Os alunos devem ser orientados sobre os sistemas de transportes utilizados nos percursos indicados. Em todos os casos, o grande destaque é o transporte rodoviário, mas espera-se que os alunos identifiquem as diferenças entre os meios utilizados para o transporte de mercadorias (soja e madeira) e de trabalhadores.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

7

PESQUISA INDIVIDUAL
Página 26

• Os dois portos marítimos mais importantes para exportações de mercadorias do Brasil são os portos de Santos (SP) e de Tubarão (ES), localizados na chamada Região Concentrada. • Os dois maiores aeroportos do país são o Aeroporto André Franco Montoro, em Guarulhos (SP), e Antonio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro (RJ), localizados na chamada Região Concentrada. • São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais são os três Estados brasileiros que apresentam maior concentração industrial. Eles estão localizados na chamada Região Concentrada. • São Paulo e Rio de Janeiro são as cidades brasileiras que possuem como área de atração todo o território nacional. Ambas estão localizadas na chamada Região Concentrada.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

8

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 VISÃO REGIONAL Leitura e Análise de Texto
Página 28

1. Porque o autor acredita no valor do caráter e da sabedoria deste povo, muitas vezes desconsiderado pelos governantes. 2. Para ele, o Brasil não é apenas o que acontece no litoral e nos Estados do Sul e Sudeste do país. É preciso valorizar os brasileiros de todas as regiões, inclusive aqueles que vivem em áreas economicamente menos prósperas. Espera-se que os alunos interpretem a letra considerando seus conhecimentos a respeito da formação territorial do país, organizado para atender os interesses da metrópole portuguesa e, por isso, concentrando as atividades econômicas na zona litorânea, “de costas” para o

interior. Alguns alunos poderão fazer referência a isso a partir da metáfora utilizada pelo autor do encontro das águas do rio com o mar. 3. Os alunos deverão identificar as regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Sul e pintar os Estados do Pará, do Amazonas, da Paraíba, do Piauí e de Minas Gerais. LIÇÃO DE CASA
Página 30

1. A cidade de Sobral está localizada no noroeste do Estado do Ceará. 2. Sobral está relativamente próxima às cidades de Tianguá e Acaraú, e nas margens da rodovia liga a capital do Estado, Fortaleza, com a capital do Piauí, Teresina. 3. Em Sobral, a pecuária extensiva e as práticas extrativistas destacam-se como atividades predominantes. 4. Resposta Pessoal. Mas seria interessante que os alunos abordassem as possíveis diferenças entre o seu cotidiano e o cotidiano dos estudantes de sobral.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 6a série – Volume 2

9 VOCÊ APRENDEU?
Página 31

1. a) Maranhão. b) Tocantins. c) Minas Gerais. d) Goiás. 2. Porque nesta região estão concentradas as atividades produtivas mais dinâmicas, os principais aeroportos e as cidades que exercem influência no conjunto do território nacional.

GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

1

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 AS FONTES E AS FORMAS DE ENERGIA: A FONTE ENERGÉTICA DA VIDA Para começo de conversa
Página 3

• Os alunos deverão observar que, a partir de determinado momento, apareceram bolhas de ar dentro do funil. • Como a formação de bolhas ocorreu após o contato da planta com a luz da lâmpada, espera-se que os alunos associem este fenômeno com o processo de fotossíntese, que resulta na liberação de oxigênio. • O bicarbonato de sódio é usado como fonte de gás carbônico. • No caso de uma mudança da posição da luz que implicasse em diminuição da iluminação, espera-se que ocorra menor formação de bolhas, ou seja, de oxigênio. • O “sequestro” de carbono é a diminuição da concentração deste gás na atmosfera, que ocorre quando ele é consumido pelas formações vegetais em crescimento. No experimento, a Elodea sp “sequestrou” gás carbônico do bicarbonato de sódio. • A fotossíntese fornece as substâncias e a energia que as plantas precisam para crescer. Porém, as diferenças de iluminação que ocorrem na superfície da Terra interferem na fotossíntese. As formações vegetais mais produtivas em termos de biomassa são aquelas mais iluminadas, tais como os mangues tropicais e as florestas equatoriais.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

2

Leitura e Análise de Gráfico
Página 5

1. De maneira geral, as zonas mais iluminadas (tropicais) são mais produtivas em termos de biomassa, enquanto as zonas menos iluminadas apresentam menos produtividade. Porém, para o desenvolvimento das plantas também é fundamental a disponibilidade de água. Dessa forma, um ambiente poderá estar localizado na zona tropical, mas não ser muito produtivo em termos de desenvolvimento de biomassa, como se verifica nos desertos e nas savanas. 2. Os ambientes costeiros (recifes, camadas de algas e estuários) são bem mais produtivos que os oceanos abertos, sendo portanto fundamentais para a sobrevivência das cadeias alimentares que vivem nos oceanos.

Leitura e Análise de Diagrama
Página 7

Resposta aberta. Porém, é esperado que os alunos percebam que a intervenção humana no ciclo do nitrogênio, principalmente com a introdução de fertilizantes artificiais, provoca profundas alterações no ambiente, tais como a poluição do solo, do ar e dos recursos hídricos. LIÇÃO DE CASA
Página 8

Resposta aberta. Porém, é esperado que os alunos indiquem os elementos carbono,

terra, seres vivos, ar, água, rochas e os processos fotossíntese, queimadas de florestas, erupção vulcânica, respiração dos seres vivos.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

3

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 MATRIZES ENERGÉTICAS: DA LENHA AO ÁTOMO Leitura e Análise de Gráfico
Página 9

1. No decorrer da história humana, observa-se um crescimento acelerado do consumo diário por habitante. 2. Em relação à sociedade industrial, a sociedade tecnológica consome relativamente menos energia em moradias e no comércio e mais energia na indústria, na agricultura e nos transportes. LIÇÃO DE CASA
Página 10

1. Resposta aberta. O professor poderá comparar com os alunos o resultado do mapeamento. Em primeiro lugar, poderá verificar quais alunos tiveram dificuldade em desenhar o mapa, especialmente para estabelecer as fronteiras solicitadas. Em seguida, poderá ser discutido o agrupamento efetuado pelos alunos. É importante que os alunos tenham identificado a América do Norte e a África como situações extremas e opostas. É razoável supor que a América Central e a do Sul tenham sido colocadas com a Ásia e a Oceania. Assim como o Oriente Médio pode ser agrupado com os países europeus e a Rússia. 2. Resposta aberta. Para a elaboração da redação, os alunos podem partir da descrição dos países que consomem mais energia ou vice-versa. O importante é que a turma perceba a possibilidade de utilizar diferentes linguagens no estudo da Geografia. Com o objetivo de valorizar essa produção, o professor poderia sugerir que alguns alunos lessem em voz alta o trabalho realizado.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

4

Leitura e Análise de Gráfico
Página 12

1. Os combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás), cerca de 80% da produção mundial de energia. 2. Esses combustíveis são altamente poluentes e contribuem para a emissão de gases que provocam o efeito estufa na atmosfera. Além disso, eles são recursos não renováveis, ou seja, o estoque é limitado.

Desafio!
Página 14

1. Os principais países produtores de petróleo do mundo estão localizados no Oriente Médio, cuja produção é da ordem de 23 milhões de barris por dia. Além dessa região, destacam-se a América do Norte e o Leste Europeu (incluindo a ex-URSS), ambos com uma produção superior a 10 milhões de barris por dia. 2. De acordo com o mapa, a produção é menor que o consumo na América do Norte, na Europa Ocidental e na Ásia e Oceania. Por isso, essas regiões são grandes importadoras de petróleo.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

5

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 PERSPECTIVAS ENERGÉTICAS: POTENCIAL E LIMITAÇÕES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Leitura e Análise de Imagem
Página 16

1. As duas fontes de energia utilizadas na proposta de “Construção verde” são a eólica e a solar. Juntas, elas produzem 20 kwh por dia. 2. Em uma casa de força, um conversor alimenta quatro baterias movidas a energia elétrica, utilizadas no abastecimento da casa e na manutenção da piscina.

Leitura e Análise de Gráfico e Mapa
Página 18

1. Os países que mais investem em energias renováveis estão localizados na Europa. 2. Sim, pois o uso de fontes tradicionais ainda é largamente dominante em todas as regiões do mundo, exceto na América do Sul. 3. O uso intensivo da hidroeletricidade e da biomassa para a geração de energia elétrica no Brasil certamente contribui para o predomínio das fontes renováveis na América do Sul. LIÇÃO DE CASA
Página 20

1. Resposta aberta. Mas é esperado que os alunos mencionem que a maior parte dos reatores nucleares foi construída na década de 1970, que a energia nuclear tem uma participação relativamente reduzida na matriz energética dos Estados Unidos, da Alemanha e do Japão e que os países mais ricos são os principais produtores de energia nuclear.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

6

2. Resposta aberta. Mas é esperado que os alunos mencionem que nas últimas décadas foram construídos relativamente poucos reatores, e que se trata de uma tecnologia bastante custosa para a maior parte dos países.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

7

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 A MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Para começo de conversa
Página 23

1. O petróleo e gás natural, que são fontes não renováveis. 2. Naquela época, havia o predomínio do uso de fontes renováveis, principalmente a queima da lenha. O desenvolvimento do setor energético alterou completamente essa situação. 3. A hidroeletricidade e os produtos derivados da cana de açúcar são as fontes de energia renováveis mais importantes para o crescimento da produção primária de energia no Brasil. Ainda que se reconheça o papel essencial do governo na ampliação da oferta dessas fontes, ele não é exclusivo, tampouco resultado de políticas isoladas ou esparsas. Antes, deve-se a um conjunto de políticas e medidas públicas e privadas que direta ou indiretamente acabaram refletindo no investimento em pesquisa e na produção (por exemplo, os investimentos na construção de usinas hidrelétricas e no

Programa Pró-Álcool e a produção privada de motores movidos a álcool), como também ao impacto no consumo da população (como o preço do álcool em relação ao da gasolina).

Leitura e Análise de Texto
Página 24

1. Para explorar petróleo em água profundas, a Petrobras desenvolveu uma tecnologia com tubulações flexíveis conectadas a plataformas flutuantes. Desta forma, é possível alcançar os poços submarinos e explorar as reservas petrolíferas. 2. Essa tecnologia foi essencial para o crescimento da produção brasileira de petróleo, já que a maior parte do petróleo é extraída do fundo do mar.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

8 LIÇÃO DE CASA
Página 27

1. O biodiesel é um combustível biodegradável, produzido a partir de inúmeras fontes de energia renováveis. 2. A principal vantagem é que dezenas de espécies vegetais abundantes no Brasil podem ser utilizadas na produção do biodiesel, tais como a mamona, o girassol, o babaçu, a soja, o amendoim e o dendê. 3. O biodiesel pode substituir parcial ou totalmente o óleo diesel (um derivado do petróleo) em motores de combustão interna. VOCÊ APRENDEU?
Página 29

1. Alternativa d. 2. Alternativa b. 3. Alternativa a. 4. Não. De acordo com ele, a matriz energética brasileira apresenta expressiva participação de fontes renováveis, além do incentivo ao uso de energias alternativas, como o biodiesel. A maior parte das emissões de carbono do país é proveniente do desmatamento da Amazônia, e é isso que precisa ser controlado. 5. a) Na década de 1970, a produção nacional manteve-se estável, apesar de ter ocorrido crescimento acelerado no consumo de petróleo. Em 1973 e 1979, ocorreram fortes elevações no preço do barril do petróleo, o que provocou uma inversão da curva de consumo no período seguinte. Somente a partir da segunda metade da década de 1990 foi que o consumo tornou a subir, só que dessa vez acompanhado pelo crescimento da produção nacional do óleo.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 7a série – Volume 2

9

b) O crescimento da produção nacional está associado ao desenvolvimento tecnológico da Petrobras para explorar reservas até então inacessíveis em águas profundas do oceano. Essas bacias petrolíferas têm se mostrado bastante produtivas.

GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

1

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 A DECLARAÇÃO DOS DIREITOS UNIVERSAIS DO HOMEM Para começo de conversa
Página 3

Sugerimos que o professor anote na lousa a lista dos direitos humanos considerados fundamentais pelos alunos. Saúde, educação, moradia e alimentação provavelmente constarão na lista, mas é importante que eles sejam estimulados a pensar também em direitos essenciais no contexto contemporâneo, tais como o direito à informação e ao ambiente saudável. O debate proposto visa propiciar uma reflexão sobre os valores fundamentais da dignidade humana, que parecem perdidos em meio ao cotidiano violento de grande parte dos jovens brasileiros.

PESQUISA EM GRUPO
Página 3

Infelizmente, não faltam exemplos de desrespeito aos direitos humanos em todas as formas de mídia. Cabe ao professor, portanto, avaliar se as imagens selecionadas ilustram o debate realizado em classe e contemplam temas tais como insalubridade ambiental, trabalho infantil, moradias precárias etc. Também é importante atentar para a forma como os alunos descrevem e explicam as imagens que selecionaram.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

2

Leitura e Análise de Texto
Página 9

Espera-se que a produção dos grupos ilustre os direitos fundamentais da pessoa humana, na forma como eles foram definidos em convenção internacional. Seria interessante também que os alunos estabelecessem relações entre a lista de direitos humanos resultante do debate em classe e os direitos humanos considerados essenciais pela ONU. VOCÊ APRENDEU?
Página 10

1. Alternativa b. LIÇÃO DE CASA
Página 10

1. Sim, esses objetivos seguem os mesmos princípios daqueles expressos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, ainda que sejam voltados exclusivamente aos direitos das crianças e dos adolescentes. De acordo com ambos os documentos, todos os seres humanos nascem livres e iguais e as crianças têm direito a proteção social. Entretanto, “Um mundo para a criança” explicita as formas pelas quais deve ocorrer esta proteção e introduz temas novos, ligados, por exemplo, à defesa dos ambientes naturais e da biodiversidade. 2. A realização desses objetivos certamente melhoraria a vida de uma parcela importante das crianças e dos adolescentes brasileiros, que não tem assegurados direitos básicos de saúde, educação e proteção social. Espera-se que os alunos dimensionem o esforço que o país precisa fazer para garantir que esses objetivos

sejam de fato cumpridos.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

3

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU) Leitura e Análise de Imagem
Página 13

1. Os Estados Unidos, os países da União Europeia e o Japão são os principais financiadores dos programas e agências da ONU. Isso se deve ao fato de esses serem algumas das maiores economias do mundo. 2. Isso ocorre porque a economia brasileira ocupa o primeiro lugar no contexto da América do Sul. 3. No continente africano, apenas a África do Sul, a Argélia, a Líbia e a Nigéria contribuem com somas anuais superiores a 1 milhão de dólares. Isso ocorre porque a esmagadora maioria dos países africanos vive em condições de extrema pobreza. 4. Sim, os Estados Unidos são responsáveis por sucessivos e significativos atrasos de suas contribuições para a ONU. Desde 1986, a dívida dos Estados Unidos tem sido superior à dívida somada de todos os países-membros. 5. Os Estados Unidos são a maior economia do mundo e um dos principais financiadores da ONU. Os atrasos sucessivos que o país acumula com a organização resultam em escassez de recursos materiais para investimento em programas essenciais para a comunidade internacional, tais como os de auxílio ao desenvolvimento (PNUD) e de proteção ao meio ambiente (PNUMA).

Desafio!
Página 15

Sim, pois a operação ocorreu à revelia do Conselho de Segurança da ONU, já que três de seus membros permanentes (China, França e Federação Russa) se manifestaram contrários à sua realização. É importante lembrar que todos os membros permanentes
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

4

têm direito ao veto: portanto, a operação só teria o aval do Conselho se aprovada por todos eles.

Leitura e Análise de Texto
Página 16

1. O Brasil defende que o Conselho seja ampliado, e que, além do Brasil, o Japão, a Alemanha, a Índia e dois países africanos ganhem assento permanente no Conselho. 2. A Argentina e o Paquistão não aceitam que seus vizinhos (respectivamente, Brasil e Índia) assumam o papel de líderes regionais.

Leitura e Análise de Imagem
Página 16

1. O Sudeste da Ásia e a Ásia Oriental. 2. Nos Estados do Golfo Pérsico, no Oriente Médio e na África Subsaariana. 3. Na América Latina e no Caribe, na África Subsaariana, no sudeste da Ásia e na Oceania. 4. América Latina e Caribe, África do Norte, Ásia Central e Ásia Oriental. 5. Na África Subsaariana, onde nenhum objetivo foi alcançado ou está em vias de ser. LIÇÃO DE CASA

Página 19

1. Os dados da tabela contestam esta tese, pois demonstram que a persistência de parcelas da população mundial que não são atendidas em suas necessidades básicas não é consequência de problemas econômicos ou da falta de recursos, mas das decisões tomadas pelos países ricos sobre como despendê-los. Afinal, os gastos com armamentos, publicidade, cosméticos e guerras são muitas vezes superiores aos gastos necessários para melhorar a qualidade de vida das populações mais pobres do mundo 2. Alternativa a.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

5

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO Para começo de conversa
Página 20

1. Espera-se que os alunos estabeleçam associações entre o controle que os países ricos exercem sobre as tecnologias avançadas, que garantem maior produtividade às economias, e o controle que têm sobre os mercados mundiais. 2. Espera-se que os alunos entendam o significado das barreiras protecionistas, na forma de tarifas e regras específicas que incidem sobre as mercadorias importadas, que buscam dificultar a entrada dessas mercadorias. Seria interessante que o professor solicitasse aos alunos que pesquisassem exemplos deste procedimento, verificando a diferença de preço de um produto importado aqui e no país de origem. Videogames importados dos Estados Unidos, por exemplo, custam bem mais caro no mercado brasileiro. Em parte, essa diferença pode ser explicada pelas tarifas impostas pelo governo brasileiro para os importadores que desejam comercializar essas mercadorias no país.

Leitura e Análise de Imagem
Página 21

1. O comércio mundial está estruturado em torno de três polos: Europa , América do Norte e Ásia/Oceania. 2. As Américas do Sul e Central e a África ocupam posições marginais, com um fluxo relativamente reduzido de importações e de exportações.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

6

Leitura e Análise de Texto
Página 22

1. O algodão é responsável por uma parte significativa das receitas de exportação desses dois países, além de gerar emprego e renda nas áreas rurais. 2. Isso significa que o dinheiro que o governo dos Estados Unidos repassa aos produtores de algodão seria suficiente para comprar todo o algodão comercializado no mercado mundial. 3. O algodão africano tem mais qualidade e seu custo de produção é cerca de 50% mais baixo do que nos países desenvolvidos. Por isso, o cultivo de algodão nesses países depende de subsídios. Caso não existissem subsídios, os produtores passariam a cultivar produtos mais rentáveis nos países ricos, e a África ganharia com o incremento de suas exportações.

LIÇÃO DE CASA
Página 24

1. Os subsídios agrícolas concedidos aos produtores dos países ricos limitam a participação dos países pobres no mercado internacional na medida em que permitem que os alimentos e as matérias-primas de origem agrícola sejam comercializados por preços inferiores ao custo de produção. Dessa forma, os preços agrícolas são em parte determinados pelos subsídios, e a concorrência se torna desleal. 2. Alternativa a.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

7

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 O FÓRUM SOCIAL MUNDIAL Para começo de conversa
Página 25

1. Resposta pessoal. 2. Resposta pessoal. Entretanto, para estimular a discussão, sugerimos que o professor leve à sala de aula algum material sobre o evento (tal como uma manchete de jornal ou imagens da edição 2009 do Fórum Social Mundial) e analise com os alunos as imagens das edições anteriores, disponíveis no caderno. A partir desses materiais, é possível se aproximar do universo temático do FSM, que inclui, por exemplo, a luta antiglobalização, a valorização da diversidade cultural, a defesa da democracia e o direito à saúde.

Leitura e Análise de Texto
Página 28

1. Resposta aberta. Mas espera-se que o aluno identifique no texto a ideia de que o futuro pode e deve ser construído coletivamente, de forma a garantir a que todos tenham acesso a uma vida digna e à liberdade de expressar suas ideias e opiniões. Assim, o futuro é visto como pleno de novas possibilidades, e não como um destino já traçado pelas forças do mercado. 2. Resposta aberta. Entretanto, o material contido neste caderno dimensiona a importância da indústria de armamentos e dos gastos com segurança nos países ricos. Além disso, oferece um exemplo concreto: a ofensiva norte-americana no Iraque em 2003, que ocorreu à revelia do Conselho de Segurança da ONU. 3. Todos os participantes, já que a organização não tem o poder de decidir quais assuntos são prioritários. Por isso, os mais diversos temas são debatidos no FSM.
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

8

4. A luta pela consagração da água como um bem público e as redes de comércio justo podem ser citadas como exemplos.

PESQUISA EM GRUPO
Página 30

1. A democratização da informação, o combate à pobreza e à exclusão social e a busca por um modelo de desenvolvimento socialmente justo e ambientalmente responsável estiveram na pauta do último FSM. Entretanto, as estratégias de preservação dos ecossistemas amazônicos e do modo de vida das populações tradicionais da floresta ocuparam lugar de destaque, já que a edição 2009 ocorreu em Belém, no Pará. 2. Resposta aberta. Entretanto, sugerimos que os alunos sejam incentivados a refletir

sobre a importância de cada um desses temas na construção de um futuro socialmente justo e ambientalmente sustentável. 3. Resposta aberta. Entretanto, é importante que os alunos sejam estimulados a estabelecerem relações entre os temas discutidos no evento e as situações que enfrentam em seu dia a dia, de forma a dimensionar a importância da organização da sociedade civil para o enfrentamento de problemas cotidianos, tais como a violência, a intolerância e a degradação do patrimônio ambiental. 4. Resposta aberta. Contudo, os grupos devem ser estimulados a listar questões que os afetem cotidianamente. Formas de democratizar o acesso à informação, assim como a de participação mais ativa dos jovens nos destinos da comunidade, por exemplo, poderão figurar na lista elaborada pelos alunos. LIÇÃO DE CASA
Página 31

Essa proposta de redação tem como objetivo incentivar os alunos a recuperar e sintetizar os diversos aspectos do FSM que foram abordados nesta Situação de
GABARITO Caderno do Aluno Geografia – 8a série – Volume 2

9

Aprendizagem. Além disso, esperamos que a proposta estimule os alunos a refletir sobre os valores que pautam a sua própria atuação na sociedade.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->