Você está na página 1de 344

MARCEL GUIMARÃES

Contabilidade Pública para Concursos

1ª edição

Brasília

2014

G963

Guimarães, Marcel. Contabilidade pública para concursos / Marcel Guimarães. Brasília: Marcel Guimarães, 2014. Livro eletrônico. ISBN: 978-85-917402-1-5 1. Contabilidade pública - Brasil. 2. Direito Financeiro. 3. Finanças Públicas. 4. Serviço público - Brasil - Concursos. I. Título

CDD: 657.61

CDU: 35.073.52

DEDICATÓRIA

Dedico este livro à minha esposa, Tábata, pelo amor e companheirismo de sempre, compreendendo minhas ausências e me apoiando nos momentos mais difíceis.

Dedico aos meus pais, Diva e Eduardo, e à minha irmã, Caroline.

Dedico a todos os meus alunos, especialmente os de Brasília-DF, Porto Alegre-RS e São Paulo-SP, e a todos aqueles que de alguma forma me incentivaram no decorrer desta caminhada.

APRESENTAÇÃO

Este livro foi elaborado com a finalidade de apresentar os demonstrativos contábeis do setor público para aqueles que precisam estudá-los para concursos públicos.

Esta obra foi idealizada de modo que o candidato a cargos públicos tenha uma visão objetiva a respeito dos balanços mais cobrados em concursos. O objetivo é fazer uma apresentação mais direta da teoria, de forma didática, resolvendo posteriormente questões que já foram cobradas em concursos anteriores do CESPE, banca tradicionalmente escolhida para organizar os concursos mais relevantes do país.

A metodologia adotada será a seguinte:

Teoria

Exposição da parte teórica;

Apresentação de esquemas, figuras e tabelas para facilitar a fixação do conteúdo.

Questões propostas (CESPE)

As questões comentadas em cada capítulo obedecerão à seguinte estrutura geral:

Item (CESPE)

Comentários a respeito do item;

Gabarito oficial;

Dicas: comentários para ajudá-los na resolução de questões de concursos públicos ou apresentação de tabelas para facilitar seu estudo (eventualmente);

CONTEÚDO

O conteúdo desta obra foi baseado nos últimos editais para os concursos de

Tribunais de Contas organizados pelo CESPE (TCU, TCDF, TCE-ES, TCE-RS, entre

outros.

A disciplina Contabilidade Pública tem passado por várias mudanças nos últimos

anos. Tais mudanças visam à promoção da convergência da contabilidade pública brasileira às Normas Internacionais de Contabilidade Pública (IPSAS), publicadas pela International Federation of Accountants (IFAC), assim como à adoção das Normas Brasileiras de Contabilidade aplicadas aos Setor Público NBCTs, editadas pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC).

Nesse sentido, a estrutura original dos quatro balanços da Lei 4.320/64 (orçamentário, financeiro, patrimonial e DVP) sofreram várias alterações nos últimos anos, em decorrência da NBCT 16.6. Com isso, a Secretaria do Tesouro nacional STN publicou o novo Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP, cujo volume V trata das novas estruturas dos balanços públicos.

Desse modo, o livro está estruturado em quatro capítulos, divididos da forma exposta a seguir.

No capítulo 1, estudaremos o Balanço Orçamentário de acordo com a Lei n.4.320/64 e com a nova estrutura trazida pelo Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP. Estudaremos as características do balanço e aprenderemos como ocorre a Interpretação do resultado orçamentário. Ao final, comentaremos questões de concursos do CESPE acerca do assunto.

No capítulo 2, veremos o Balanço Financeiro de acordo com a Lei n.4.320/64 e com a nova estrutura definida pelo MCASP. Trataremos também de características das receitas e despesas extra-orçamentárias e da interpretação do resultado financeiro. Ao final, encontram-se questões comentadas de concursos do CESPE acerca do assunto.

O capítulo 3 nos mostrará o Balanço Patrimonial, também de acordo com a Lei

n.4.320/64 e com a nova estrutura do MCASP. Veremos quais são as características dos

ativos e passivos e das contas de compensação. Ao final, comentaremos questões de concursos do CESPE acerca do assunto.

No capítulo 4, apresentaremos a estrutura e características da Demonstração das Variações Patrimoniais - DVP, de acordo com a Lei n. 4320/64 e com o MCASP. Veremos também como se dá a interpretação do resultado patrimonial e o que são as variações patrimoniais, bem como as características das interferências, mutações, superveniências e insubsistências. Também aprenderemos o que são receitas e despesas efetivas e não-efetivas. Por fim, comentaremos questões de concursos do CESPE acerca do assunto.

O AUTOR

Marcel Guimarães ocupa atualmente o cargo de Auditor Federal de Controle Externo - AUFC do TCU. É professor de Contabilidade Pública e de Administração Financeira e Orçamentária - AFO em cursos preparatórios para concursos públicos em Brasília-DF, Porto Alegre-RS e São Paulo-SP. É graduado em Engenharia Civil pela Unicamp e Pós-graduado em Administração Financeira pela FGV e em Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objeto pela UnB. Foi Analista de Finanças e Controle da CGU, e Engenheiro dos Correios (ECT), tendo obtido o 1º lugar em ambos os concursos. Além do TCU e CGU, também foi aprovado nos concursos do MPU, IPEA, TJDFT, MPOG, Anatel, Inmetro, INSS, Infraero e, em 2012, para Consultor de Orçamentos do Senado Federal.

SUMÁRIO

CAPÍTULO 1: CONTABILIDADE PÚBLICA: CAMPO DE APLICAÇÃO, OBJETO E

OBJETIVOS

13

1)

Conceito

13

2) Campo de Aplicação

14

3)

Objetivo

17

4)

Objeto

18

5)

Regime Contábil

21

6) Outras alterações trazidas pela NBCT

29

6.1) Demonstrações Contábeis

29

QUESTÕES PROPOSTAS

33

CAPÍTULO 2 - BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

49

1) Conceito / Objetivo

49

2) Características do BO

50

2.1)

Subsistema Orçamentário

50

2.2) Classificação da receita e da despesa

52

2.2.1) Balanço Orçamentário nova estrutura

52

2.2.2) Classificação por natureza da receita

54

2.3)

Equilíbrio formal

54

2.4) Relatório Resumido da Execução Orçamentária - RREO

55

2.5) Despesas Executadas

56

3) Estrutura do BO

3.1) Nova estrutura do BO (MCASP)

4) Análise do Balanço Orçamentário

58

60

62

4.1)

Resultado

orçamentário

62

4.2) Resultado da execução da receita

64

4.3) Resultado da execução da despesa

66

4.4) Comparação dos Resultados Corrente e de Capital

67

4.5) Análise do Endividamento

70

4.6)

Indicadores do Balanço Orçamentário

71

QUESTÕES PROPOSTAS

73

CAPÍTULO 3 - BALANÇO FINANCEIRO

88

2) Características do BF

89

2.1) Sistema Financeiro e Subsistema de Informações Patrimoniais

89

2.2) Classificação da receita e da despesa

90

2.3) Receitas

92

2.4) Despesas

93

2.5) Restos a Pagar

95

3) Estrutura

99

 

3.1) Sentido de Leitura do BF

101

4.1) Resultado financeiro

102

QUESTÕES PROPOSTAS

105

CAPÍTULO 4 - BALANÇO PATRIMONIAL

124

1)

Conceito

124

2) Características do BP

124

2.1) Sistema Patrimonial e Subsistema de Informações Patrimoniais

124

2.2) Escolas de Pensamento Contábil Teoria das Contas

127

2.3) Ativos e Passivos

130

2.4) Disposição das Contas no BP

131

3) Balanço Patrimonial na Lei 4.320/64

3.1) Estrutura do BP

4) Análise do Balanço Patrimonial

132

136

140

4.1) Saldo Patrimonial

140

4.2) Superávit Financeiro

143

4.3) DVP x BP

145

QUESTÕES PROPOSTAS

148

CAPÍTULO 5 - DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - DVP

159

1) Conceitos Básicos

159

1.1) Receitas e Despesas Efetivas e Não-Efetivas

159

1.2) Fatos Contábeis

161

1.3) Variações Quantitativas e Qualitativas

164

1.4) Variações Ativas e Passivas

166

1.5) Superveniências e Insubsistências

169

1.6) Mutações Patrimoniais

172

1.7) Interferências

177

CAPÍTULO 6 - DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - DVP

205

1) Características da DVP

205

1.1) Sistemas de Contas

205

1.2) Escolas de Pensamento Contábil Teoria das Contas

207

2) DVP na Lei 4.320/64

2.1) Estrutura da DVP

3) Análise da DVP

209

210

217

3.1) Resultado Patrimonial

217

3.2) Resultado

das Mutações

219

3.3) Resultado Patrimonial na nova DVP (MCASP)

221

3.4) DVP x BP

221

QUESTÕES PROPOSTAS

223

CAPÍTULO 7: TÍTULO IX DA LEI 4.320/64

247

1) Título IX da Lei 4.320/64

247

1.1) CAPÍTULO I - Disposições Gerais - art. 83 a 89

248

1.2) CAPÍTULO II Da Contabilidade Orçamentária e Financeira - art. 90 a 93

255

1.3) CAPÍTULO III Da Contabilidade Patrimonial e Industrial - art. 94 a 100

260

1.4) CAPÍTULO IV Dos Balanços - art. 101 a 106

266

QUESTÕES PROPOSTAS

CAPÍTULO 8: GESTÃO ORGANIZACIONAL DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL: PAPÉIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL E DOS ÓRGÃOS

271

SETORIAIS DE CONTABILIDADE CONSTANTES DA LEI N. 10.180/2001

281

1) Gestão Organizacional das Finanças Públicas no Brasil Lei 10.180/2001

281

281

1.2) Papéis da STN e dos órgãos setoriais de Contabilidade constantes da Lei 10.180/2001 .283

1.1) Introdução

QUESTÕES PROPOSTAS

293

CAPÍTULO 9: SIAFI

305

1) Introdução

305

1.1) SIDOR e SIOP

2) SIAFI

305

306

2.1) Conceito do SIAFI

306

2.2) Histórico e Antecedentes

309

2.3) Estrutura do SIAFI

311

2.4) Utilização

313

2.5) Objetivos

318

2.6) Segurança do Sistema (princípios e instrumentos)

320

2.6.1) SENHA

321

2.6.2) Conformidade Contábil

323

2.6.3) Conformidade de Operadores

323

2.6.4) Conformidade de Registro de Gestão

323

2.6.5) Identificação das Operações do Usuário

323

2.6.6) Integridade e Fidedignidade dos Dados

324

QUESTÕES PROPOSTAS

325

Contabilidade Pública para Concursos

CAPÍTULO 1: CONTABILIDADE PÚBLICA: CAMPO DE APLICAÇÃO, OBJETO E OBJETIVOS

Assunto: Contabilidade Pública Campo de Aplicação, objeto e objetivos, conforme definido na NBCT 16.1. Alterações trazidas pelas demais NBCTs.

1) Conceito

A Norma Brasileira de Contabilidade - NBC T 16.1/2008 Resolução CFC nº. 1.128/08 conceitua Contabilidade Pública da seguinte forma:

“A Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o ramo da ciência contábil que aplica, no processo gerador de informações, os Princípios Fundamentais de Contabilidade e as normas contábeis direcionadas ao controle PATRIMONIAL de entidades do setor público."

CONTABILIDADE Controla Patrimônio Público PÚBLICA Observação
CONTABILIDADE
Controla
Patrimônio Público
PÚBLICA
Observação

Entidade do Setor Público: Órgãos, fundos e pessoas jurídicas de direito público ou que, possuindo personalidade jurídica de direito privado, recebam, guardem, movimentem, gerenciem ou apliquem DINHEIROS, BENS E VALORES PÚBLICOS, na execução de suas atividades. Equiparam-se, para efeito contábil, as pessoas físicas que recebam subvenção, benefício, ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público.

13

Contabilidade Pública para Concursos

Para Francisco Glauber, a Contabilidade Pública é o ramo da Contabilidade que estuda, registra, controla e demonstra os ATOS E FATOS administrativos da Fazenda Pública, evidencia o PATRIMÔNIO e suas variações, bem como o ORÇAMENTO PÚBLICO.

Existem ainda alguns conceitos legais importantes, reproduzidos a seguir:

“A Contabilidade Pública estuda, registra, controla e demonstra o aprovado e acompanha a sua execução” (art. 78, do Decreto-Lei 200/67).

orçamento

“A contabilidade deverá apurar os custos dos serviços de forma a evidenciar os resultados da gestão” (art. 79, do Decreto-Lei 200/67).

“Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem o acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços industriais, o levantamento dos balanços gerais a análise e interpretação dos resultados econômicos e financeiros” (art. 85, da Lei 4.320/64).

“A contabilidade evidenciará perante a Fazenda Pública a situação de todos quantos, de qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem despesas, administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou confiados” (art. 83, da Lei 4.320/64).

2) Campo de Aplicação

O campo de aplicação da Contabilidade Aplicada ao Setor Público abrange

TODAS as entidades do setor público. (NBC T/CFC 16.1/2008)

Observação

Entidade do Setor Público: Órgãos, fundos e pessoas jurídicas de direito público

ou que, possuindo personalidade jurídica de direito privado, recebam, guardem,

movimentem, gerenciem ou apliquem DINHEIROS, BENS E VALORES PÚBLICOS, na execução de suas atividades. Equiparam-se, para efeito contábil, as pessoas físicas que recebam subvenção, benefício, ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público.

14

Contabilidade Pública para Concursos

As entidades abrangidas pelo campo de aplicação devem observar as normas e as técnicas próprias da Contabilidade Aplicada ao Setor Público, considerando-se o seguinte escopo:

(a)

INTEGRALMENTE, as entidades governamentais, os serviços sociais e os conselhos profissionais;

INTEGRALMENTE Entidades Governamenta Conselhos Serviços Sociais is (Adm. Dir. Profissionais (SESI, SENAI )
INTEGRALMENTE
Entidades
Governamenta
Conselhos
Serviços Sociais
is (Adm. Dir.
Profissionais
(SESI, SENAI
)
Autarq., Fund.
(CREA, CFC
)
EP dep.)

(b)

PARCIALMENTE, as demais entidades do setor público, para garantir procedimentos suficientes de prestação de contas e instrumentalização do controle social.

de contas e instrumentalização do controle social. Cabe ressaltar que, embora a definição apresentada

Cabe ressaltar que, embora a definição apresentada anteriormente seja aquela constante na NBCT/CFC 16.1/2008, deve-se considerar que a contabilidade pública é regulamentada originalmente pela Lei 4.320/64, que estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. A partir dessa lei, o campo de aplicação da contabilidade pública é essencialmente o das pessoas jurídicas de direito público União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Portanto, todos os entes federados devem seguir as normas gerais de direito financeiro estabelecidas na Lei 4.320/64.

Sob a ótica institucional, o campo de aplicação da contabilidade pública abrange as seguintes entidades:

- Administração direta da União, Estados e Municípios;

15

Contabilidade Pública para Concursos

- Autarquias e fundações;

- Empresas públicas e sociedades de economia mista dependentes.

Observação

LRF art. 2º: “III - empresa estatal dependente: empresa controlada que receba do ente controlador recursos financeiros para pagamento de despesas com pessoal ou de custeio em geral ou de capital, excluídos, no último caso, aqueles provenientes de aumento de participação acionária” (grifo nosso).

Deve-se considerar ainda que o orçamento público brasileiro se encontra consubstanciado em uma Lei, a chamada Lei Orçamentária Anual (LOA), que se subdivide, para fins administrativos, de acordo com a Constituição Federal (art. 165) em:

a) Orçamento Fiscal (OF);

b) Orçamento da Seguridade Social (OSS);

c) Orçamento de Investimento das Empresas Estatais (OI).

A partir dessa ótica orçamentária, até a publicação das NBCTs, era comum definir-se o campo de aplicação da contabilidade pública coincidindo com as entidades participantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social (OFSS), excluindo-se, portanto, as entidades participantes do orçamento de investimento (OI), conforme esquema a seguir:

LOA

OFSS

OI

Administração Direta

de investimento (OI), conforme esquema a seguir: LOA OFSS OI Administração Direta Autarquias, Fundações Públicas 16

Autarquias, Fundações Públicas

de investimento (OI), conforme esquema a seguir: LOA OFSS OI Administração Direta Autarquias, Fundações Públicas 16

16

Contabilidade Pública para Concursos

Empresas Públicas e

Empresas Públicas e

Sociedades de Economia

Sociedades de Economia

Mista Dependentes

Mista Não-Dependentes

Entretanto, a partir do disposto na NBCT 16.1, atualmente as estatais independentes, quando receberem recursos públicos para aplicação em determinados projetos, por exemplo, estão sujeitas ao escopo PARCIAL de aplicação da contabilidade pública, para garantia dos procedimentos suficientes de prestação de contas e instrumentalização do controle social. As estatais independentes podem, inclusive, de forma facultativa, adotar o novo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público.

Portanto, o entendimento que se deve levar para a prova do seu concurso é o de que o campo de aplicação da Contabilidade Aplicada ao Setor Público abrange TODAS as entidades do setor público.

3) Objetivo

Conforme

Resolução

CFC

1.128/08

e

NBCT

16.1,

o

OBJETIVO

da

Contabilidade Aplicada ao Setor Público é FORNECER aos usuários:

informações sobre os resultados alcançados e os aspectos de natureza orçamentária, econômica, financeira e física do patrimônio da entidade do setor público e suas mutações, em apoio ao processo de tomada de decisão;

a adequada prestação de contas;

e o necessário suporte para instrumentalização do controle social.

Observação

Instrumentalização do Controle Social: compromisso fundado na ética profissional, que pressupõe o exercício cotidiano de fornecer informações que sejam compreensíveis e úteis aos cidadãos no desempenho de sua soberana

17

Contabilidade Pública para Concursos

atividade de controle do uso de recursos e patrimônio público pelos agentes públicos.

4) Objeto

O objeto da Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o PATRIMÔNIO PÚBLICO.

De acordo com a Resolução CFC n° 1.129/2008:

Patrimônio público é “o conjunto de direitos e bens, tangíveis ou intangíveis, onerados ou não, adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelas entidades do setor público, que seja portador ou represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerente à prestação de serviços públicos ou à exploração econômica por entidades do setor público e suas obrigações.”

É

importante

considerar

a

classificação

do

patrimônio

público

SOB

O

ENFOQUE CONTÁBIL.

De

acordo

com

a

Resolução

CFC

1.437/2013,

o

patrimônio público é estruturado em três grupos:

(a) ATIVO é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos

passados e do qual se espera que fluam futuros benefícios econômicos para a entidade;

(b) PASSIVO é uma obrigação presente da entidade, derivada de eventos passados, cuja liquidação se espera que resulte na saída de recursos da entidade capazes de gerar benefícios econômicos;

(c) PATRIMÔNIO LÍQUIDO é o interesse residual nos ativos da entidade

depois de deduzidos todos os seus passivos.

LÍQUIDO – é o interesse residual nos ativos da entidade depois de deduzidos todos os seus

18

Contabilidade Pública para Concursos

Sendo

assim,

o

patrimônio

público,

formado

por

bens,

direitos

(ativos)

e

obrigações (passivos) pode ser esquematizado da seguinte forma:

Patrimônio Público Contábil

 

ATIVO

PASSIVO E PL

 

(Aplicação de Recursos)

(Fonte de Recursos)

 

BENS

PASSIVO:

CAPITAL

DE

TERCEIROS

DIREITOS

PL: CAPITAL PRÓPRIO

 

No Ativo Imobilizado, são contabilizados os Bens Móveis e Imóveis. Inseridos nos Bens Imóveis, estão os BENS PÚBLICOS, sendo que é importante considerar o disposto no Código Civil a respeito do assunto:

“Art. 98. São públicos os bens do domínio público nacionais pertencentes às pessoas de direito público interno; todos os outros são particulares, seja qual for a pessoa a que pertencerem. Art. 99. São bens públicos:

I- os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças; II os de uso especial, tais como edifícios ou terrenos destinados a serviço ou estabelecimento da administração federal, estadual, territorial ou municipal, inclusive os de suas autarquias; III os dominicais, que constituem o patrimônio das pessoas jurídicas de direito público, como objeto de direito pessoal, ou real, de cada uma dessas entidades. Parágrafo único. Não dispondo a lei em contrário, consideram-se dominicais os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público a que se tenha dado estrutura de direito privado.”

19

Contabilidade Pública para Concursos Uso comum Especiais do povo Dominicais
Contabilidade Pública para Concursos
Uso
comum
Especiais
do povo
Dominicais

Até 2010, os bens públicos de uso comum do povo NÃO eram objeto de registro pela contabilidade pública. Entretanto, a Resolução CFC n. 1.137/08, que aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público, trouxe o seguinte entendimento:

“30. Os BENS DE USO COMUM que absorveram ou absorvem recursos públicos, ou aqueles eventualmente recebidos em DOAÇÃO, devem ser incluídos no ATIVO NÃO CIRCULANTE da entidade responsável pela sua administração ou controle, estejam, ou não, afetos a sua atividade operacional.

Exemplo: Uma ponte construída por estado ou município e posterior cobrança de pedágio para fins de manutenção e outros gastos.

31. A mensuração dos bens de uso comum será efetuada, sempre que possível, ao valor de aquisição ou ao valor de produção e construção.”

Desse modo, somente os bens de uso comum do povo que absorveram ou absorvem recursos públicos, ou aqueles eventualmente recebidos em doação é que serão registrados no patrimônio da entidade pública.

Por exemplo:

Serão objeto da contabilidade pública, por exemplo:

- Praças, estradas, ruas e pontes (foram gastos recursos públicos na aquisição, produção ou construção desses bens);

20

Contabilidade Pública para Concursos

- Estátua do Zico doada ao município do Rio de Janeiro pelo Flamengo para ser colocada em uma praça (doação recebida).

NÃO serão objeto da contabilidade pública:

- Rios, mares, e praias do litoral brasileiro (não foram gastos recursos públicos para aquisição, produção ou construção desses bens).

Portanto, deve ficar claro para você que o objeto da contabilidade é o PATRIMÔNIO PÚBLICO. Entretanto, é importante comentar que existe um outro entendimento possível, de que o objeto da Contabilidade Aplicada ao Setor Público engloba o PATRIMÔNIO PÚBLICO, o ORÇAMENTO e os ATOS ADMINISTRATIVOS. É isso que se observa a partir da Resolução CFC n. 1.132/2008:

“18. O patrimônio das entidades do setor público, o orçamento, a execução orçamentária e financeira e os atos administrativos que provoquem efeitos de caráter econômico e financeiro no patrimônio da entidade devem ser mensurados ou avaliados monetariamente e registrados pela contabilidade.”

Desse modo, caso apareça na prova um item afirmando que um dos objetos da contabilidade pública é o ORÇAMENTO PÚBLICO, não está errado. Este era o entendimento anterior, mas que continua respaldado pela Resolução CFC n. 1.132/2008.

Entretanto, não se esqueça de que, conforme a NBCT 16.1, o objeto da Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o PATRIMÔNIO PÚBLICO. É esse seu foco central.

5) Regime Contábil

Inicialmente, faz-se necessário conhecer o conceito de regime de caixa e de competência:

21

Contabilidade Pública para Concursos

Regime de caixa

Por esse regime, na apuração do resultado, a receita é reconhecida no momento do seu recebimento (arrecadação) e a despesa no momento do pagamento.

Regime de competência

Por esse regime, na apuração do resultado, a receita e a despesa são reconhecidas no momento em que ocorrer o fato gerador, independente do recebimento da receita, ou do pagamento da despesa.

A 4.320/64 instituiu, em seu art. 35, o regime contábil misto para a contabilidade

pública:

Regime Orçamentário (Misto)

Pertencem ao exercício financeiro:

As receitas (orçamentárias) nele arrecadadas;

As despesas (orçamentárias) nele legalmente empenhadas.

Entretanto, em vários outros dispositivos, a referida lei faz referência ao regime contábil (competência), que pode ser caracterizado da seguinte forma:

Regime Contábil

As receitas (Variações Patrimoniais Aumentativas) e as despesas (Variações Patrimoniais Diminutivas) devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento.

Os dispositivos legais citados são os seguintes:

“Art. 85. Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem

o acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da composição

22

Contabilidade Pública para Concursos

patrimonial, a determinação dos custos dos serviços industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a interpretação dos resultados econômicos e financeiros.”

“Art. 89 - A contabilidade evidenciará os fatos ligados à administração orçamentária, financeira, patrimonial e industrial.”

“Art. 100 - As alterações da situação líquida patrimonial, que abrangem os resultados da execução orçamentária, bem como as variações independentes

passivas,

dessa

execução

e

as

superveniências

e

insubsistências

ativas

e

constituirão elementos da conta patrimonial.”

“Art. 104 - A Demonstração das Variações Patrimoniais evidenciará as

alterações

da

verificadas

no

patrimônio,

resultantes

ou

independentes

execução orçamentária, e indicará o resultado patrimonial do exercício.”

A LRF também faz referência ao regime de competência para as despesas:

“Art. 50 – Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública, a escrituração das contas públicas observará as seguintes:

) (

II - a despesa e a assunção de compromisso serão registradas segundo o regime de competência, apurando-se, em caráter complementar, o resultado dos fluxos financeiros pelo regime de caixa;

) (

Art. 18 [

]

§ 2º - A despesa total com pessoal será apurada somando-se a realizada no mês em referência com as dos onze imediatamente anteriores, adotando-se o regime de competência.”

Embora o uso do regime misto para as receitas e despesas orçamentárias tenha sido utilizado há muito tempo no Brasil, essa prática sempre foi controversa. Observem, por exemplo, o que diz o autor Heraldo da Costa Reis:

23

Contabilidade Pública para Concursos

O regime de caixa tem provocado distorções nas receitas governamentais, posto que não possibilita a visualização integral do seu

É, sem dúvida alguma, uma distorção

gravíssima de entendimento que se reflete na informação sobre a gestão

financeira e sobre o desempenho tributário da entidade governamental.

volume no exercício. [

].

O excesso de formalidade de alguns setores da administração pública tem restringido o entendimento de certas disposições da legislação financeira, contribuindo para a existência de dificuldades que, na maioria das vezes, prejudica o desenvolvimento ou a evolução de conceitos, em virtude da expansão e do aperfeiçoamento das atividades governamentais.

O equívoco na interpretação de dispositivos da legislação, também tem contribuído para o aparecimento de dificuldades e/ou obstáculos que levam os responsáveis pela Contabilidade das entidades governamentais a cometerem erros, ainda que não intencionais, mas que distorcem as informações sobre a situação patrimonial.

Por fim, o não registro prévio dos direitos líquido e certos da organização governamental faz com que a Contabilidade não cumpra com a sua missão institucional, ou seja, gerar informações úteis e confiáveis, só para citar duas dentre outras características fundamentais que lhes pertinem, a partir das quais são tomadas decisões sobre ações que se vão desenvolver.”

(REIS, Heraldo da Costa. Regime de caixa ou de competência: eis a questão. Revista de Administração Municipal-Municípios, Rio de Janeiro, v. 52, n. 260, p. 37-48, out/dez 2006; grifo nosso)

Desse modo, as recentes mudanças implementadas na contabilidade pública brasileira, visando à convergência das normas brasileiras aos padrões internacionais, denominadas IPSAS Normas Internacionais de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público, elaboradas pela IFAC International Federation of Accountants, que tomam como referência os padrões aplicados ao setor empresarial, acarretaram a edição da NBC T 16.5 Registro Contábil, que dispõe o seguinte:

24

Contabilidade Pública para Concursos

“20. Os registros contábeis devem ser realizados e os seus efeitos evidenciados nas demonstrações contábeis do período com os quais se relacionam, reconhecidos, portanto, pelos respectivos FATOS GERADOS, independentemente do momento da execução orçamentária”.

O exemplo clássico de registro de uma receita pelo regime de competência seria o caso da Atividade Tributária do Estado. A receita tributária é registrada, sob o enfoque patrimonial, no momento do lançamento, em que ocorre o reconhecimento da variação patrimonial aumentativa em virtude da ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente. Seria o caso do IPTU, cujo fato gerador ocorre no dia 1º de janeiro de cada ano. Pelo regime de competência, a receita tributária é lançada no dia 1º de janeiro. Entretanto, sob o enfoque orçamentário, essa receita deveria ser lançada pelo regime de caixa, devendo ser registrada em data posterior, no momento da sua arrecadação.

Portanto, após as recentes mudanças implementadas na contabilidade pública no país, atualmente o regime que vigora é o de competência, tanto para as receitas quanto para as despesas públicas.

Posso afirmar que acabou o regime misto na contabilidade pública?

Não, isso não é verdade. O regime misto continua existindo, mas somente no caso de receitas e despesas orçamentárias.

Para provas, podemos esquematizar o entendimento da seguinte maneira:

Regime MISTO (Lei nº 4.320/64)

orçamentárias . Para provas, podemos esquematizar o entendimento da seguinte maneira: Regime MISTO (Lei nº 4.320/64)

25

Contabilidade Pública para Concursos

ATENÇÃO

Questões de prova que versem sobre receitas e despesas ORÇAMENTÁRIAS, ou sobre a Lei 4.320/64.

MTO 2013

Vale destacar que, segundo o art. 35 da Lei no 4.320, de 1964, pertencem ao exercício financeiro as receitas nele arrecadadas, o que representa a adoção do REGIME DE CAIXA para o ingresso das receitas públicas.

Regime de competência (Portaria Conjunta STN/SOF nº 3 / 2008 + NBCT 16.5)

(Portaria Conjunta STN/SOF nº 3 / 2008 + NBCT 16.5) ATENÇÃO Questões sobre receitas e despesas

ATENÇÃO

Questões sobre receitas e despesas de forma genérica ou sobre princípio contábil da competência.

Contabilização da receita orçamentária no setor público

Portanto, pode-se afirmar que a contabilização das receitas orçamentárias no setor público se dá nas seguintes etapas:

Enfoque orçamentário: arrecadação;

Enfoque patrimonial: lançamento.

26

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilização da despesa orçamentária no setor público

Para a contabilização das despesas orçamentárias, que é feita pelo regime de competência, é importante observar os seguintes dispositivos legais:

é importante observar os seguintes dispositivos legais: Considerando que a execução das despesas é composta das

Considerando que a execução das despesas é composta das etapas de empenho, liquidação e pagamento, constata-se, com base nesses artigos da lei, que a despesa não é considerada realizada no momento do empenho.

Sendo assim, como a etapa de pagamento se refere ao regime de caixa, pode-se afirmar que o fato gerador da despesa, pelo regime de competência, é o momento da sua liquidação. É nesse momento que é gerada a obrigação de pagamento do setor público, tendo em vista a verificação do direito adquirido pelo credor.

Entretanto, há uma situação específica em que a despesa pode ser contabilizada no momento do empenho. Trata-se da inscrição em restos a pagar não processados.

Destaca-se que os restos a pagar são despesas que percorreram a etapa de empenho, mas não foram pagas. Os restos a pagar não processados são despesas que foram empenhadas, mas não foram liquidadas nem pagas. Já os restos a pagar processados são despesas que foram empenhadas e liquidadas, mas não foram pagas. A figura a seguir ilustra essa situação.

27

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilidade Pública para Concursos É muito comum o entendimento de que a regra geral no setor

É muito comum o entendimento de que a regra geral no setor público é a inscrição das despesas em restos a pagar ao final de cada exercício, dado o montante expressivo de despesas nessa situação em 31/12 de cada ano.

Entretanto, a regra geral deveria ser a anulação das despesas não liquidadas ao final de cada exercício. É o que estabelece o art. 35 do decreto 93.872/86:

É o que estabelece o art. 35 do decreto 93.872/86: Nesse sentido, a inscrição em RP

Nesse sentido, a inscrição em RP não processados só deve ser feita em um desses casos excepcionais previstos no decreto.

Assim, caso uma despesa preencha os requisitos para inscrição em RP não processados, esse empenho não é cancelado ao final de cada ano. Nessa situação, ocorre a

28

Contabilidade Pública para Concursos

liquidação forçada (contábil), já que o empenho gera o registro de uma obrigação, embora não tenha havido a liquidação real (verificação do direito adquirido pelo credor).

Resumindo, excetuando-se os restos a pagar não processados, reconhece-se a despesa orçamentária no momento de sua liquidação.

Ocorre que, em questões de provas de concursos, principalmente de balanços, é comum a Banca afirmar que o exercício financeiro já foi encerrado. Nesse caso, se os valores empenhados forem maiores do que os liquidados, é porque houve a inscrição em restos a pagar não processados. É por essa razão que, no caso de questões de balanços orçamentário e financeiro, como veremos nos próximos capítulos, são utilizados os valores empenhados para efeito de cálculo.

Diante do exposto, pode-se afirmar que a contabilização das despesas orçamentárias no setor público se dá nas seguintes etapas:

Enfoque orçamentário: liquidação (fato gerador) ou empenho (caso haja inscrição em RP não processados ao final do ano;

Enfoque patrimonial: liquidação.

6) Outras alterações trazidas pela NBCT

6.1) Demonstrações Contábeis

De acordo com a NBCT 16.6, as demonstrações contábeis das entidades definidas no campo da Contabilidade Aplicada ao Setor Público são:

(a)

Balanço Patrimonial;

(b)

Balanço Orçamentário;

(c)

Balanço Financeiro;

(d)

Demonstração das Variações Patrimoniais;

(e)

Demonstração dos Fluxos de Caixa;

(f)

Demonstração do Resultado Econômico.

As demonstrações contábeis devem ser acompanhadas por anexos, por outros

29

Contabilidade Pública para Concursos

demonstrativos exigidos por lei e pelas notas explicativas.

exigidos por lei e pelas notas explicativas . Os Balanços Orçamentário, Financeiro, Patrimonial e a DVP

Os Balanços Orçamentário, Financeiro, Patrimonial e a DVP foram instituídos pela Lei 4.320/64. Dada sua importância e relevância, serão estudados com mais detalhes nos próximos capítulos.

Assim, nossa abordagem neste tópico se restringirá à Demonstração de Fluxos de Caixa (DFC) e à Demonstração de Mutações do Patrimônio Líquido, nos termos da NBCT 16.6. Vale ressaltar que a DRE foi excluída dos anexos da Lei 4.320/64 por meio da Portaria STN 438/2012, não sendo mais um demonstrativo obrigatório para o setor público.

A Demonstração dos Fluxos de Caixa permite aos usuários projetar cenários de

fluxos futuros de caixa e elaborar análise sobre eventuais mudanças em torno da

capacidade de manutenção do regular financiamento dos serviços públicos.

A Demonstração dos Fluxos de Caixa deve ser elaborada pelo método direto ou

indireto e evidenciar as movimentações havidas no caixa e seus equivalentes, nos seguintes fluxos:

(a) das operações;

30

Contabilidade Pública para Concursos

(b)

dos investimentos; e

(c)

dos financiamentos.

A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) foi incluída na

NBCT 16.6 por intermédio da Resolução CFC nº 1.437, de 22/03/2013. Ela evidencia a movimentação havida em cada componente do Patrimônio Líquido com a divulgação, em separado, dos efeitos das alterações nas políticas contábeis e da correção de erros.

A DMPL deve ser elaborada apenas pelas empresas estatais dependentes e pelos

entes que as incorporarem no processo de consolidação das contas.

Finalmente, a última mudança relevante diz respeito às notas explicativas, elementos característicos dos demonstrativos utilizados na contabilidade geral, mas que não eram usados na contabilidade pública.

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

As informações contidas nas notas explicativas devem ser relevantes, complementares ou suplementares àquelas não suficientemente evidenciadas ou não constantes nas demonstrações contábeis.

As notas explicativas incluem os critérios utilizados na elaboração das demonstrações contábeis, as informações de naturezas patrimonial, orçamentária, econômica, financeira, legal, física, social e de desempenho e outros eventos não suficientemente evidenciados ou não constantes nas referidas demonstrações.

5.2) Depreciação, Amortização e Exaustão (NBCT 16.9)

Há situações em que a Contabilidade Geral (Empresarial) registra receitas e despesas, e a Contabilidade Pública não reconhece os efeitos por não haver embolsos ou desembolsos. Por exemplo, as depreciações, amortizações e exaustões constituem encargos, sendo imputadas ao resultado do exercício, afetando o Patrimônio Líquido na Contabilidade Empresarial. Entretanto, não representam desembolso nem comprometimento de recursos, pois não implicam dispêndios. Por esse motivo, até hoje não eram computadas na apuração do resultado na Contabilidade Pública.

31

Contabilidade Pública para Concursos

Entretanto, a partir da NBCT 16.9 (1º de janeiro de 2010), os registros da Depreciação, Amortização e da Exaustão tornaram-se uma norma obrigatória. A NBCT 16.9 os define da seguinte maneira:

Amortização: a redução do valor aplicado na aquisição de direitos de propriedade e quaisquer outros, inclusive ativos intangíveis, com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado.

Depreciação: a redução do valor dos bens tangíveis pelo desgaste ou perda de utilidade por uso, ação da natureza ou obsolescência.

Exaustão: a redução do valor, decorrente da exploração, dos recursos minerais, florestais e outros recursos naturais esgotáveis.

Convém observar que não estão sujeitos ao regime de depreciação:

(a) bens móveis de natureza cultural, tais como obras de artes, antiguidades,

documentos, bens com interesse histórico, bens integrados em coleções, entre

outros;

(b) bens de uso comum que absorveram ou absorvem recursos públicos, considerados tecnicamente, de vida útil indeterminada;

(c)

animais que se destinam à exposição e à preservação;

(d)

terrenos rurais e urbanos.

32

Contabilidade Pública para Concursos

QUESTÕES PROPOSTAS

CESPE/ANCINE/2012 - Cargo 1: Técnico Administrativo

De acordo com as normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor público, julgue os próximos itens.

(CESPE/ANCINE/2012 - Cargo 1 - Item 131) Obras de arte, antiguidades e bens

de interesse histórico devem ser depreciados anualmente. 2) (CESPE/ANCINE/2012 - Cargo 1 - Item 133) O orçamento público, no qual se estimam as receitas e se fixam as despesas, é o objeto da contabilidade pública.

1)

CESPE/CAPES 2012 - Cargo 4: Analista em Ciência e Tecnologia Júnior I Formação: Contabilidade

Considerando a Lei n.º 4.320/1964 e suas alterações, julgue os itens seguintes, relativos às demonstrações contábeis e ao campo de atuação da contabilidade governamental.

3) (CESPE/CAPES 2012 - Cargo 4 - Item 78) A contabilidade pública, por registrar atos contábeis inerentes ao orçamento público, aplica os princípios orçamentários e as normas contábeis direcionados ao controle patrimonial das entidades governamentais.

CESPE/TJAC 2012 - Cargo 5: Contador

Acerca do orçamento público e da contabilidade governamental, julgue os itens a seguir.

4) (CESPE/TJAC 2012 - Cargo 5: Contador - Item 87) O objetivo da contabilidade pública é avaliar o patrimônio público, tendo como alicerce os princípios orçamentários.

CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2 : ANALISTA ADMINISTRATIVO ÁREA II

No que se refere a bens e patrimônio público, julgue o item abaixo.

5) (CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2 ÁREA II - Item 63) Os bens de uso comum devem ser incorporados ao patrimônio público quando absorverem recursos públicos.

Em relação a classificação da receita, gestão patrimonial e variações patrimoniais, julgue os próximos itens.

33

Contabilidade Pública para Concursos

6) (CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2 ÁREA II - Item 69) O Sistema de Custos da Secretaria do Tesouro Nacional deve permitir o acompanhamento da gestão patrimonial.

De acordo com a Lei n.º 4.320/1964, referente ao regime orçamentário, é correto afirmar que pertence ao exercício financeiro de 2011

7) (CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2 ÁREA II - Item 84) a receita prevista e lançada em 2011, porém arrecadada recolhida em 2012. 8) (CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2 ÁREA II - Item 85) a despesa empenhada em 2011, porém liquidada e paga em 2012.

CESPE/ANAC 2012 - Cargo 2: Analista Administrativo Área 2

Com relação aos entes estatais e sua contabilidade, julgue os itens subsequentes.

9) (CESPE/ANAC 2012 - Cargo 2Área 2 - Item 81) Define-se patrimônio público

o conjunto de bens e direitos e seus respectivos ônus, incluídos os considerados

inservíveis, por já não terem a capacidade de gerar benefícios presentes ou futuros. 10) (CESPE/ANAC 2012 - Cargo 2Área 2 - 82) Além de estudar, registrar e evidenciar o patrimônio público e suas variações, a contabilidade pública atende a outros

campos do direito financeiro público. 11) (CESPE/ANAC 2012 - Cargo 2Área 2 - 83) Às empresas de economia mista independentes se aplicam as normas de contabilidade pública.

A respeito do registro e controle das receitas e despesas públicas, julgue os itens

seguintes.

12)

(CESPE/ANAC 2012 - Cargo 2Área 2 - 91) Excetuando-se os restos a pagar não

processados, reconhece-se a despesa orçamentária no momento de sua liquidação.

Considerando as orientações constantes das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCASP), editadas pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC), e normatização correlata, em âmbito nacional e internacional, julgue os itens que

se seguem.

34

Contabilidade Pública para Concursos

13) (CESPE/ANAC 2012 - Cargo 2Área 2 - 94) Dado o princípio da competência, que se aplica plenamente ao setor público, as receitas e despesas públicas devem ser contabilmente registradas independentemente de seu pagamento ou recebimento.

CESPE/

Contabilidade

TRT

10ª

Região

2012:

ANALISTA

ADMINISTRATIVO

ÁREA:

Com relação ao registro da depreciação, amortização e exaustão no

âmbito do setor público, julgue os seguintes itens.

14) (CESPE/ANAC 2012 - Cargo 2Área 2 - 74) Os bens de uso comum considerados, tecnicamente, de vida útil indeterminada não devem ser depreciados, ainda que venham a absorver recursos públicos.

CESPE/TRT 10ª Região 2012 - Cargo 10: Técnico Judiciário Área: Administrativa

Com relação ao disposto na Lei n.º 4.320/1964, julgue os itens a seguir.

15) (CESPE/TRT 10ª Região 2012 - Cargo 10 - Item 119) Diferenciar o regime orçamentário por meio do qual receitas e despesas são tratadas pode ser útil para melhor evidenciar a situação fiscal do governo. Nesse sentido, adota-se, no Brasil, o regime orçamentário misto: para a receita, adota-se o regime de caixa e, para a despesa, o regime de competência.

- Especialidade: Contabilidade

Cargo

CESPE/CNJ

2012

3:

Analista

Judiciário

Área:

Administrativa

Com base no disposto nas normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor público, emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade, julgue os itens seguintes.

16)

(CESPE/CNJ 2012 - Cargo 3 - Item 67) Os bens de uso comum, considerados

tecnicamente de vida útil indeterminada, não estão sujeitos ao regime de depreciação.

CESPE/SEGER ES 2012 - Cargo: Analista do Executivo Área de Formação 2:

Ciências Contábeis

17)

(CESPE/SEGER

ES

2012

Cargo:

2

QUESTÃO

57)

Com

- contabilidade governamental e a sistemas de contas, assinale a opção correta.

-

35

relação

à

Contabilidade Pública para Concursos

A A contabilidade aplicada ao setor público é o ramo da ciência contábil que faz uso dos

princípios orçamentários, das normas brasileiras de contabilidade e dos pronunciamentos

do CPC, visando o controle patrimonial de entidades do setor público.

B O campo de aplicação da contabilidade do setor público abrange as entidades do setor

público, como órgãos, fundos e pessoas jurídicas de direito público ou aquelas que, possuindo personalidade jurídica de direito privado, recebam, guardem, movimentem, gerenciem ou apliquem dinheiro, bens e valores públicos na execução de suas atividades.

C O sistema contábil é estruturado nos subsistemas orçamentário, financeiro, gerencial,

patrimonial e de compensação.

D O objetivo da contabilidade do setor público é fornecer aos usuários informações sobre

os resultados alcançados e os aspectos de natureza econômica, financeira e física do patrimônio da entidade pública e suas mutações, sendo excluídos os aspectos relativos à execução financeira

orçamentária.

E O objeto da contabilidade pública é o patrimônio público, exceto os bens adquiridos,

produzidos, mantidos ou utilizados pelas entidades do setor público.

CESPE/TELEBRAS 2013 - Cargo 6: Especialista em Gestão de Telecomunicações Ocupação: Analista Superior Subatividade: Finanças

No que concerne a orçamento público e ciclo orçamentário, julgue os próximos itens.

18) (CESPE/TELEBRAS 2013 - Cargo 6 - Item 92) O orçamento de investimento e o programa de dispêndios globais das empresas do setor produtivo estatal federal são elaborados segundo o regime misto (caixa e competência) aplicado ao setor público.

CESPE/MPE-PI 2011- Cargo 7: Analista Ministerial Área: Orçamento

Acerca de receita e despesa públicas, julgue os itens de 58 a 51.

36

Contabilidade Pública para Concursos

(CESPE/MPE-PI 2011- Cargo 7 - Item 61) A legislação brasileira impõe o regime

contábil de competência para as despesas públicas, o que significa que o fato gerador de

uma despesa deve sempre coincidir com o momento de sua liquidação.

19)

CESPE/SERPRO 2013 - Cargo 13: Analista Especialização: Gestão Financeira

Acerca do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade pública; da legislação básica (Lei n.º 4.320/1964 e Decreto n.º 93.872/1986 e alterações); e dos princípios fundamentais de contabilidade, julgue os itens subsequentes.

20) (CESPE/SERPRO 2013 - Cargo 13 - Item 80) O objeto da contabilidade pública é o patrimônio público compreendido pelos bens e direitos, com exceção dos bens intangíveis face à dificuldade de mensurá-los. 21) (CESPE/SERPRO 2013 - Cargo 13 - Item 82) Na entidade pública, o reconhecimento de receitas e despesas deve observar o regime de caixa, o que resulta em uma maior organização da contabilidade que permitirá o conhecimento da composição patrimonial.

CESPE/UNIPAMPA 2013 - Cargo 6: Contador

Acerca da contabilidade pública e das variações patrimoniais, julgue os itens que se seguem.

22) (CESPE/UNIPAMPA 2013 - Cargo 6Item 92) As empresas estatais dependentes devem aplicar os procedimentos da contabilidade pública, via Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI) do governo federal, e estão dispensadas de cumprir os requisitos contábeis previstos na legislação societária.

CESPE/MI 2013 - Cargo 1: Analista Técnico Administrativo

Julgue os itens subsecutivos, referentes a receitas e despesas públicas.

23) (CESPE/UNIPAMPA 2013 Cargo 1 Item 68) As receitas correntes e as receitas de capital não devem afetar o patrimônio líquido da entidade pública até que tenham passado pelos estágios de previsão, lançamento, arrecadação e recolhimento.

CESPE/ANS 2013/Cargo 1: Analista Administrativo

37

Contabilidade Pública para Concursos

A respeito da relação entre o regime orçamentário e o regime contábil, julgue os itens subsequentes.

24) (CESPE/ANS 2013/Cargo 1 Item 116) No âmbito da atividade tributária, pode- se utilizar o momento da realização da receita como referência para o seu reconhecimento. 25) (CESPE/ANS 2013/Cargo 1 Item 117) Além do registro dos fatos ligados à execução orçamentária, deve-se proceder à evidenciação dos fatos ligados à administração financeira e patrimonial, de maneira que os fatos permutativos sejam levados à conta de resultado.

CESPE/ANS 2013/Cargo 3: Analista Administrativo

Com relação à contabilidade governamental brasileira, julgue os itens que se seguem.

26) (CESPE/ANS 2013/Cargo 3 Item 106) O princípio contábil da não afetação das receitas está associado ao princípio da competência. 27) (CESPE/ANS 2013/Cargo 3 Item 107) O princípio contábil da entidade não é aplicável ao setor público, em razão da especificidade da administração pública. 28) (CESPE/ANS 2013/Cargo 3 Item 108) O objeto da contabilidade governamental é o patrimônio público.

No que se refere à operacionalização da contabilidade governamental, julgue os itens subsequentes.

29)

resultado econômico integram o conjunto de demonstrações constantes dos anexos da Lei n.º 4.320/1964.

(CESPE/ANS 2013/Cargo 3 Item 117) As demonstrações de fluxo de caixa e de

CESPE/MS 2013/Cargo 5: Contador

Com referência aos estágios da receita pública, julgue os itens subsecutivos.

(CESPE/MS 2013/Cargo 5 Item 83) Por ser caracterizada como uma receita

orçamentária, a doação em espécie recebida pelos entes públicos passa pelo estagio do

30)

lançamento.

38

Contabilidade Pública para Concursos

31) (CESPE/MS 2013/Cargo 5 Item 84) O registro do crédito tributário em favor da fazenda pública em contrapartida a uma variação patrimonial aumentativa será efetuado no momento da entrega dos recursos devidos ao Tesouro pelos contribuintes ou devedores, por meio dos agentes arrecadadores ou instituições financeiras autorizadas pelo ente.

CESPE/MPOG 2013 - temp/Categoria Profissional 3: Técnico de Nível Superior SPU/UCP

Julgue os itens a seguir, com relação ao sistema de informações de custos no setor público (SICSP).

32) (CESPE/MPOG 2013 - temp/Categoria Profissional 3 Item 106) Uma entidade poderá adotar mais de uma metodologia de custeamento, conforme as características dos objetos de custeio. 33) - (CESPE/MPOG 2013 - temp/Categoria Profissional 3 Item 107) O uso do SICSP é facultativo às entidades do setor público que tenham interesse no gerenciamento de custos dos serviços públicos.

CESPE/ANTT 2013 - Cargo 4: Analista Administrativo - Área: Ciências Contábeis

Considerando as normas e definições relativas ao campo de aplicação e objeto da contabilidade pública e empresarial, os fatos que afetam o patrimônio dos entes públicos e seus sistemas de contas e de controle, julgue os itens subsequentes.

34) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 4 Item 63) A Caixa Econômica Federal, empresa pública de patrimônio totalmente público, controla os recursos do FGTS por meio da contabilidade empresarial. 35) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 4 Item 65) Os bens de uso comum do povo, produzidos pelos órgãos públicos, podem ser incluídos tanto no ativo circulante quanto no ativo não circulante.

CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9: Especialista em Regulação de Serviços de Transportes Terrestres Área: Ciências Contábeis

Acerca da conceituação, objeto e campo de aplicação da contabilidade pública; e do patrimônio, variações e sistemas contábeis, julgue os itens a seguir.

39

Contabilidade Pública para Concursos

36) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9 Item 89) A finalidade da contabilidade pública consiste em gerar informações para um melhor controle do patrimônio público, sob as diretrizes dos princípios de contabilidade e das normas contábeis. 37) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9 Item 90) O objeto da contabilidade pública é o patrimônio contábil das pessoas jurídicas de direito público, mas sem abranger, no entanto, o patrimônio de pessoas jurídicas de direito privado.

A respeito das transações no setor público e os registros contábeis, julgue os itens que se seguem.

38)

suas diversas características, deve ser útil à transparência, suporte e à tomada de decisões.

(CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9 Item 91) O registro e a informação contábil entre

Com relação à execução orçamentária e financeira do governo federal, julgue os seguintes itens.

39) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9 Item 102) O reconhecimento da despesa orçamentária ocorre no momento em que é realizado o pagamento.

Acerca do regime contábil, adotado pela contabilidade pública no Brasil, julgue os itens subsequentes.

40) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9 Item 111) Uma receita que tenha sido lançada em um ano, mas arrecadada no ano seguinte, pertence ao exercício financeiro em que tenha ocorrido a arrecadação. 41) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9 Item 112) Ao contrário da contabilidade societária, a contabilidade pública brasileira adota o regime de caixa para receitas e despesas.

CESPE/ANTT 2013 - Cargo 16: Técnico Administrativo

Acerca da contabilidade governamental e suas especificidades, julgue os itens a seguir.

42) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 16 Item 91) Os registros de atos administrativos praticados pelos gestores públicos não são objeto da contabilidade governamental, pois não afetam o patrimônio dos órgãos públicos.

40

Contabilidade Pública para Concursos

CESPE/MC 2013 - Nível III Atividades Técnicas de Suporte Nível Superior Especialidade 14

Julgue os próximos itens, acerca da contabilidade aplicada ao setor público.

43) (CESPE/MC 2013 - Nível III Especialidade 14 Item 107) O objeto da contabilidade pública consiste no patrimônio das pessoas jurídicas de direito público e privado.

CESPE/MJ 2013 - CARGO 3: CONTADOR

A respeito dos princípios de contabilidade, do sistema de contabilidade federal e da

conceituação, objeto e campo de aplicação da contabilidade governamental, julgue os

itens subsequentes.

44) (CESPE/MJ 2013 - CARGO 3 Item 99) O campo de aplicação da contabilidade do setor público abrange todas as entidades do setor público, excluindo-se, para efeito contábil, as pessoas físicas que receberam subvenções, benefícios, incentivos fiscais ou creditícios de órgãos públicos. 45) (CESPE/MJ 2013 - CARGO 3 Item 101) O objeto de estudo da contabilidade pública é o patrimônio público consubstanciado no conjunto de bens e direitos, tangíveis e intangíveis, produzidos ou formados, com exceção dos que foram desenvolvidos internamente ou recebidos em doação.

CESPE/TCE RO 2013 - CARGO 8: CONTADOR

Em relação ao sistema de contabilidade federal, à conceituação, ao objeto e ao campo de aplicação da contabilidade e suas variações, julgue os itens seguintes.

46) (CESPE/MJ 2013 - CARGO 8 Item 83) O patrimônio público compõe-se de ativo, passivo e saldo patrimonial, de modo que, no setor público, o saldo patrimonial não

se diferencia do patrimônio líquido, considerado na contabilidade empresarial.

Em relação ao sistema de contabilidade federal, à conceituação, ao objeto e ao campo de aplicação da contabilidade e suas variações, julgue os itens seguintes.

41

Contabilidade Pública para Concursos

47) (CESPE/MJ 2013 - CARGO 8 Item 85) Um ativo deve ser reconhecido no patrimônio público quando for provável que dele sejam gerados benefícios futuros para a entidade, ainda que as variações patrimoniais decorrentes do seu uso nem sempre representam benefícios para a entidade.

CESPE/MPU 2013 - CARGO 6: ANALISTA DO MPU ÁREA DE ATIVIDADE:

APOIO TÉCNICO-ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE: FINANÇAS E CONTROLE

Com base nos fundamentos das contabilidades pública e comercial, julgue os itens a seguir.

48) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 6 Item 99) A inscrição de um crédito na dívida ativa integra o objeto da contabilidade pública, embora não faça parte do ciclo orçamentário.

CESPE/MPU 2013 - CARGO 8: ANALISTA DO MPU ÁREA DE ATIVIDADE:

APOIO TÉCNICO- ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE: PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

A respeito de aspectos das transações no setor público, registros e sistemas contábeis, julgue os itens que se seguem.

49) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 8 Item 87) O sistema contábil do setor público federal representa a estrutura de informações que trata da gestão do patrimônio público, do controle da elaboração, da discussão e da aprovação do orçamento público, com o objetivo de subsidiar a tomada de decisões de naturezas orçamentária, financeira e patrimonial.

Quanto ao plano de contas aplicado ao setor público, ao regime contábil, ao SIAFI e ao suprimento de fundos, julgue os itens subsequentes.

50) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 8 Item 100) Pelo regime de competência, o registro de uma provisão representa obrigação presente na data do balanço, resultante de evento passado, quando confiável a estimativa do valor da obrigação.

42

Contabilidade Pública para Concursos

CESPE/MPU 2013 - CARGO 13: ANALISTA DO MPU ÁREA DE ATIVIDADE:

PERÍCIA ESPECIALIDADE: CONTABILIDADE

Acerca da conceituação, do objeto e do campo de aplicação da contabilidade governamental e do patrimônio e suas variações, julgue os itens subsequentes.

51) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 13 Item 95) Os subsistemas contábeis devem ser integrados entre si e a outros subsistemas de informações de modo a subsidiar a administração pública com informações sobre o conhecimento da composição e movimentação patrimonial. 52) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 13Item 96) O campo de atuação do profissional de contabilidade abrange as entidades do setor público, aí incluídas as entidades que, ainda que tenham personalidade jurídica de direito privado, recebam, guardem, movimentem, gerenciem ou apliquem recursos públicos na execução de suas atividades, no tocante aos aspectos contábeis da prestação de contas. 53) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 13Item 98) As empresas de capital aberto que não estão contempladas no orçamento de investimentos, mas constam do orçamento fiscal da seguridade social estão no campo de aplicação da contabilidade pública e são isentas das exigências da contabilidade empresarial.

A respeito do plano de contas aplicado ao setor público, do regime contábil e da Conta Única do Tesouro, julgue os itens que se seguem.

54) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 13Item 114) O reconhecimento da receita, sob o enfoque orçamentário, ocorre no momento da arrecadação, de acordo com o regime de caixa. 55) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 13Item 116) O reconhecimento da receita, sob o enfoque patrimonial, tem como fato gerador o ato de verificação da procedência do crédito e a identificação do devedor.

CESPE/BACEN 2013 - Analista - Área 5: INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA

Acerca da contabilidade pública, seus métodos e procedimentos específicos, julgue os itens subsequentes.

43

Contabilidade Pública para Concursos

56) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 13Item 79) A contabilidade pública não registra os atos administrativos, assim entendidos os procedimentos que não provocam alteração qualitativa ou quantitativa na composição do patrimônio público.

CESPE/PO AL 2013 - PERITO CRIMINAL ESPECIALIDADE: CIÊNCIAS CONTÁBEIS/CIÊNCIAS ECONÔMICAS

Acerca dos princípios de contabilidade sob a perspectiva do setor público, julgue os itens a seguir.

57) (CESPE/PO AL 2013 - PERITO CRIMINAL item 81) Os créditos da fazenda pública de natureza tributária são registrados na contabilidade no exercício em que forem efetivamente arrecadados, em rubricas orçamentarias específicas, consignadas no plano de contas, o que não esta compatível com o principio contábil da competência. 58) (CESPE/PO AL 2013 - PERITO CRIMINAL item 85) A autonomia patrimonial das autarquias e empresas públicas se origina da obrigatoriedade de prestação de contas dos agentes públicos, fato amparado pelos princípios contábeis aplicáveis ao setor publico.

CESPE/FUNASA 2013 - ÁREA DE LOTAÇÃO: CELEBRAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS E CONVÊNIOS NÍVEL IV: ATIVIDADES TÉCNICAS DE COMPLEXIDADE INTELECTUAL ESPECIALIDADE 3

Considerando o campo de aplicação e os princípios de contabilidade sob a perspectiva do setor público, julgue os próximos itens.

59) (CESPE/FUNASA 2013 - ESPECIALIDADE 3 Item 92) Por ser a FUNASA um órgão executivo do Ministério da Saúde, a ela é conferida a prerrogativa de observar parcialmente as normas e técnicas próprias da contabilidade aplicada ao setor público, com vistas à garantia de procedimentos suficientes de prestação de contas e instrumentalização do controle social.

44

Contabilidade Pública para Concursos

GABARITOS OFICIAIS DAS QUESTÕES PROPOSTAS NO CAPÍTULO 1

1

E

21

E

41

E

2

E

22

E

42

E

3

E

23

E

43

E

4

E

24

E

44

E

5

C

25

E

45

E

6

C

26

E

46

C

7

E

27

E

47

C

8

C

28

C

48

C

9

E

29

C

49

C

10

C

30

E

50

C

11

E

31

E

51

C

12

C

32

C

52

C

13

C

33

E

53

E

14

C

34

C

54

C

15

C

35

E

55

E

16

C

36

C

56

E

17

B

37

E

57

C

18

E

38

C

58

C

19

E

39

E

59

E

20

E

40

C

   

45

Contabilidade Pública para Concursos

REVISÃO DO CAPÍTULO 1

Contabilidade pública: campo de aplicação, objeto e objetivos.

CONCEITO

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o ramo da ciência contábil que

aplica, no processo gerador de informações, os Princípios Fundamentais de Contabilidade e as normas contábeis direcionadas ao controle PATRIMONIAL

de entidades do setor público.

CAMPO DE APLICAÇÃO

O campo de aplicação da Contabilidade Aplicada ao Setor Público abrange

TODAS as entidades do setor público.

Entidade do Setor Público: órgãos, fundos e pessoas jurídicas de direito público ou que, possuindo personalidade jurídica de direito privado, recebam, guardem, movimentem, gerenciem ou apliquem recursos públicos, na execução de suas atividades. Equiparam-se, para efeito contábil, as pessoas físicas que recebam subvenção, benefício, ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público.

INTEGRALMENTE Entidades Governamenta is (Adm. Dir. Autarq., Fund. EP dep.) Conselhos Serviços Sociais
INTEGRALMENTE
Entidades
Governamenta
is (Adm. Dir.
Autarq., Fund.
EP dep.)
Conselhos
Serviços Sociais
Profissionais
(SESI, SENAI
)
(CREA, CFC
)
is (Adm. Dir. Autarq., Fund. EP dep.) Conselhos Serviços Sociais Profissionais (SESI, SENAI ) (CREA, CFC

46

Contabilidade Pública para Concursos

OBJETIVO

O OBJETIVO da Contabilidade Aplicada ao Setor Público é FORNECER aos usuários informações sobre os resultados alcançados e os aspectos de natureza orçamentária, econômica, financeira e física do patrimônio da entidade do setor público e suas mutações, em apoio ao processo de tomada de decisão; a adequada prestação de contas; e o necessário suporte para instrumentalização do controle social.

OBJETO

O objeto da Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o PATRIMÔNIO PÚBLICO.

Obs: A partir de 2010, os BENS DE USO COMUM que absorveram ou absorvem recursos públicos, ou aqueles eventualmente recebidos em DOAÇÃO, devem ser incluídos no ATIVO NÃO CIRCULANTE da entidade responsável pela sua administração ou controle, estejam, ou não, afetos a sua atividade operacional.

REGIME CONTÁBIL

Orçamento Regime Receita /Despesa Enfoque Orçamentário Misto Orçamentária Lei 4.320/64 Regime Contábil Qdo
Orçamento
Regime
Receita /Despesa
Enfoque
Orçamentário
Misto
Orçamentária
Lei 4.320/64
Regime Contábil
Qdo questão não
falar nada
Receitas/
Enfoque
Regime
Patrimonial
Competência
Despesa
Princípio da
competência

47

Contabilidade Pública para Concursos

NBC T 16.6 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Insere como demonstrações contábeis obrigatórias a Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC e o Demonstração de Mutações do Patrimônio Líquido - DMPL, além dos demonstrativos tradicionais da Lei 4.320/64 (BO, BF, BP e DVP).

Deverão ainda ser acompanhadas de Notas Explicativas e apresentação de valores correspondentes ao período anterior em suas estruturas.

NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO

Até o momento os registros de Depreciação, Amortização e da Exaustão, não possuem tradição de aplicação no Setor Público, tornando-se assim, a partir da NBCT 16.9, uma norma obrigatória.

48

Contabilidade Pública para Concursos

CAPÍTULO 2 - BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

Assunto: Balanço orçamentário de acordo com a Lei n.o 4320/64: estrutura, características das receitas e despesas orçamentárias. Interpretação do resultado orçamentário.

1) Conceito / Objetivo

A comparação entre a receita e despesa orçamentárias previstas (fixadas) e

executadas é feita no demonstrativo denominado BALANÇO ORÇAMENTÁRIO - BO,

conforme dispõe a Lei 4.320/64:

Art. 102. O Balanço Orçamentário demonstrará as receitas e despesas PREVISTAS em confronto com as REALIZADAS.”

O objetivo do BO é demonstrar a receita prevista e a despesa fixada na lei

orçamentária e em créditos adicionais, bem como a sua execução, permitindo a comparação dos valores previstos com os realizados.

A finalidade do balanço orçamentário é a avaliação da gestão orçamentária

confrontando as receitas previstas e despesas FIXADAS com as realizadas.

Qual a diferença entre despesa prevista e fixada?

Por se tratar de um conceito do ano de 1964, o novo conceito orçamentário não esteja claramente expresso no art. 102 da Lei 4.320/64. Na verdade, o orçamento traz as receitas previstas e as despesas fixadas, e é desse modo que devemos considerar.

É comum vermos na bibliografia o termo “prevista” estar ligado à receita

orçamentária, já que sabemos que a receita se trata apenas de uma estimativa. Já quando estamos falando em despesas, é mais comum que o termo ”fixada” apareça, pois, para que

as despesas sejam realizadas, é necessário que haja a autorização legislativa prévia (fixação).

Apesar disso, em provas de concurso é muito comum aparecer o conteúdo literal do art. 102 da Lei 4.320/64, que fala em despesas previstas. As Bancas gostam muito de reproduzir o conteúdo literal desse artigo, mesmo que tal conceito esteja superado.

49

Contabilidade Pública para Concursos

Portanto, se aparecer em uma questão o termo “despesa prevista”, não marquem errado no item por causa disso! Itens literais, copiados das leis, estão corretos.

2) Características do BO

2.1) Subsistema Orçamentário

Inicialmente, é importante destacar que a contabilidade pública, originalmente (Lei 4.320/64) trabalhava com QUATRO sistemas de contas, a saber:

(Lei 4.320/64) trabalhava com QUATRO sistemas de contas, a saber: Esses 4 sistemas registram o seguinte:

Esses 4 sistemas registram o seguinte:

(Lei 4.320/64) trabalhava com QUATRO sistemas de contas, a saber: Esses 4 sistemas registram o seguinte:

50

Contabilidade Pública para Concursos

sistema

orçamentário, sendo possível se afirmar também que e as contas do sistema

orçamentário são destinadas apenas ao Balanço Orçamentário.

O Balanço

Orçamentário

é

elaborado

apenas

com

contas

do

Observação:

Atualmente, conforme as Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCASP), o sistema contábil público estrutura-se nos seguintes subsistemas:

Subsistema de Informações Orçamentárias

Subsistema de Informações Patrimoniais

Subsistema de Compensação

Subsistema de Custos

Fonte: MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO - 2ª edição Portaria STN nº751, de 16 de dezembro de 2009.

As contas do sistema (e do subsistema) orçamentário controlam:

do sistema (e do subsistema) orçamentário controlam: No concurso, como é possível saber se estão falando

No concurso, como é possível saber se estão falando dos sistemas da Lei 4.320/64 ou dos novos trazidos pelas NBCASP?

Se aparecer apenas a palavra SISTEMA, trata-se daqueles 4 definidos pela Lei

4.320/64 (SO, SF, SP e SC). Caso apareça a palavra SUBSISTEMA, é porque a Banca

está se referindo aos novos (de Informações Orçamentárias, Patrimoniais, de Compensação e de Custos), trazidos pelas NBCASP.

51

Contabilidade Pública para Concursos

2.2) Classificação da receita e da despesa

Uma característica importante no Balanço Orçamentário é que, no modelo da Lei 4.320/64, as receitas são classificadas por CATEGORIA ECONÔMICA, e as despesas por TIPO DE CRÉDITO (e por categoria econômica). É importante observar que, no lado das despesas, o valor do crédito suplementar deve ser somado ao valor do crédito orçamentário inicial. Entretanto, no caso das receitas, não é necessário esse tipo de separação.

Podemos esquematizar o que foi dito da seguinte maneira:

Podemos esquematizar o que foi dito da seguinte maneira: A disciplina contabilidade pública está passando por

A disciplina contabilidade pública está passando por diversas mudanças nesses últimos anos. Apenas a título de curiosidade, vale a pena apresentar a nova estrutura do BO:

2.2.1) Balanço Orçamentário nova estrutura

Para a NBCT 16.6 Demonstrações Contábeis

O Balanço Orçamentário evidencia as receitas e as despesas orçamentárias, por categoria econômica, confrontando o orçamento inicial e as suas alterações com a execução, demonstra o resultado orçamentário e discrimina:

(a) as receitas por fonte (espécie);

(b) as despesas por grupo de natureza.”

52

Contabilidade Pública para Concursos

Podemos esquematizar a nova estrutura do BO da seguinte maneira:

esquematizar a nova estrutura do BO da seguinte maneira: Cabe ressaltar que, em geral, as Bancas

Cabe ressaltar que, em geral, as Bancas ainda cobram o balanço conforme os preceitos da Lei 4.320/64. Portanto, o importante aqui é que a gente se lembre do conceito apresentado anteriormente, de que as receitas são classificadas por CATEGORIA ECONÔMICA, e as despesas por TIPO DE CRÉDITO (e por categoria econômica).

O que é classificação da receita por categoria econômica? E quanto às despesas serem classificadas por tipo de crédito e por categoria econômica?

Dizer que a receita é classificada por categoria econômica, nada mais é do que dividi-la em receita corrente e de capital, conforme esquema a seguir:

53

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilidade Pública para Concursos 2.2.2) Classificação por natureza da receita Já quando se fala que as

2.2.2) Classificação por natureza da receita

Já quando se fala que as despesas são classificadas por tipos de crédito, deve-se ter em mente que os créditos podem ser: iniciais e adicionais, sendo que estes últimos são divididos em suplementares, especiais e extraordinários.

2.3) Equilíbrio formal

Na elaboração do orçamento, parte-se de uma situação em que a receita prevista é igual à despesa fixada:

Receita PREVISTA = Despesa FIXADA

Entretanto, esse equilíbrio formal da peça orçamentária não significa que o orçamento esteja equilibrado do ponto de vista econômico. É muito comum que o equilíbrio seja alcançado somente por meio da cobertura do déficit com operações de crédito (contratadas ou realizadas por meio da emissão de títulos públicos).

54

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilidade Pública para Concursos Na obra “Contabilidade Pública: Uma Abordagem da Administração Financeira

Na obra “Contabilidade Pública: Uma Abordagem da Administração Financeira Pública”, Piscitelli e Timbó fazem interessante análise acerca do equilíbrio formal:

“Por outro lado, um orçamento superavitário, a rigor, não teria sentido, à medida que o Estado estaria cobrando dos cidadãos mais tributos que o necessário para financiar suas atividades e projetos. Apesar disso, o superávit pode constituir-se num mecanismo de política fiscal através da qual o governo retira da sociedade mais recursos do que injeta, o que caracteriza uma tentativa de contração do nível da atividade econômica. No caso brasileiro, a obtenção de elevados superávits (primários) tem-se constituído numa verdadeira obsessão, em função de acordos internacionais do País e da garantia aos credores.”

2.4) Relatório Resumido da Execução Orçamentária - RREO

De acordo com a LRF, o balanço orçamentário é o único demonstrativo que deve compor um relatório, no caso o Relatório Resumido da Execução Orçamentária RREO, conforme transcrito a seguir:

“Art. 52. O relatório a que se refere o § 3o do art. 165 da Constituição abrangerá todos os Poderes e o Ministério Público, será publicado até trinta dias após o encerramento de cada bimestre e composto de:

I - balanço orçamentário, que especificará, por categoria econômica, as:

a) receitas por fonte, informando as realizadas e a realizar, bem como a previsão atualizada;

55

Contabilidade Pública para Concursos

b) despesas por grupo de natureza, discriminando a dotação para o exercício, a despesa liquidada e o saldo;”

2.5) Despesas Executadas

Na coluna de DESPESA EXECUTADA, constam despesas com as seguintes características:

a) empenhadas apenas, mas inscritas em restos a pagar não processados;

b) empenhadas e liquidadas apenas e inscritas em restos a pagar processados; e

c) empenhadas, liquidadas e pagas.

Cabe ressaltar que a STN considera como execução orçamentária da despesa a ocorrência do estágio da liquidação (e não o do empenho), efetivado ou não o seu respectivo pagamento.

Para efeito de questões de prova, considerando que em geral os balanços se referem a exercícios financeiros já encerrados, em que houve a inscrição de Restos a Pagar Não processados, devemos tomar como referência os valores empenhados para efeito de cálculos.

O que são restos a pagar processados e não processados? E o que significam despesas empenhadas, liquidadas e pagas?

ETAPAS DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA

A despesa orçamentária passa por três momentos: planejamento, execução e controle e avaliação.

O planejamento é o momento preliminar. Antes do empenho, o ente tem que fixar a despesa orçamentária, efetuar a movimentação dos créditos entre as unidades, licitar e fazer a sua programação financeira.

O momento da execução da despesa orçamentária é composto pelos três estágios a seguir: empenho, liquidação e pagamento.

56

Contabilidade Pública para Concursos

O empenho é uma reserva orçamentária para determinado gasto. Cria para o

Estado uma obrigação de pagamento. Aqui temos que entender que não é uma obrigação de natureza contábil. A obrigação que o empenho cria não é absoluta, não é eficaz, não é líquida e certa. É uma obrigação do ponto de vista de caixa, tem a finalidade de diminuir o superávit financeiro para não inviabilizar o pagamento quando as condições forem totalmente realizadas. É um mecanismo de impedir obrigação sem disponibilidade de caixa.

A

obrigação

registrada

pela

contabilidade

exigibilidade por parte de terceiros.

representa

a

possibilidade

de

A liquidação consiste na verificação da prestação do serviço e da entrega dos

bens, bem como do credor e do valor a ser pago. Só pode ser efetuada após o empenho.

O pagamento é a entrega de numerário ao credor e somente pode ser efetuado

após a liquidação.

RESTOS A PAGAR PROCESSADOS E NÃO PROCESSADOS

numerário ao credor e somente pode ser efetuado após a liquidação . RESTOS A PAGAR PROCESSADOS
numerário ao credor e somente pode ser efetuado após a liquidação . RESTOS A PAGAR PROCESSADOS
numerário ao credor e somente pode ser efetuado após a liquidação . RESTOS A PAGAR PROCESSADOS

57

Contabilidade Pública para Concursos

3) Estrutura do BO

Na coluna das receitas, estão incluídas: receitas tributárias, de contribuições, patrimoniais e outras correntes, bem como receitas de operações de crédito, alienação de bens, amortização de empréstimos e outras de capital.

Na coluna das despesas, estão incluídas: pessoal e encargos sociais, juros e encargos, outras, investimentos, inversões financeiras e amortização da dívida. Não estão incluídas despesas com depreciação ou exaustão de ativos e despesas relacionadas a consumo de materiais anteriormente incorporadas a estoques, por não se caracterizarem despesas orçamentárias.

Veja abaixo a estrutura atual do balanço orçamentário atual anexo 12 da Lei

4.320/64:

 

Receita

 

Despesa

 
   

Execuçã

     

Execuçã

 

Título

Previsão

o

Difer.

Título

Fixação

o

Diferença

Receitas

     

Créditos Inicial

     

Correntes

+

Tributárias

     

Suplementar

     

Contribuiçõ

     

Despesas

     

es

Correntes

       

Pessoal e

     

Patrimonial

Encargos

Agropecuári

     

Juros e Enc. Dívida

     

a

       

Outras Desp.

     

Industrial

Corrent

Serviços

             

Transf.

     

Despesa de

     

Correntes

Capital

Outr. Rec.

             

Correntes

Investimento

       

Inversões

     

Financeiras

Receitas de

     

Amortiz.

     

Capital

Dívida

Operações

     

Créditos

     

Créditos

Especial

Alienação

     

Despesas

     

58

Contabilidade Pública para Concursos

de Bens Correntes Amortização Despesas Emp/Fin Capital Transf. Capital Outras Rec. Créditos Capital
de Bens
Correntes
Amortização
Despesas
Emp/Fin
Capital
Transf.
Capital
Outras Rec.
Créditos
Capital
Extraordinário
Despesas
Correntes
Despesas
Capital
Subtotal
Subtotal

Ressalta-se que essa estrutura foi transcrita apenas para que se ter uma noção de como é um balanço orçamentário. Não há necessidade de se memorizar todas as receitas e despesas relacionadas anteriormente. Isso normalmente não será importante na resolução de questões de prova. Aliás, em provas do CESPE, por exemplo, é mais comum que o BO seja apresentado da seguinte maneira:

de prova. Aliás, em provas do CESPE, por exemplo, é mais comum que o BO seja

59

Contabilidade Pública para Concursos

3.1) Nova estrutura do BO (MCASP)

O novo Balanço Orçamentário, constante do volume V do MCASP, apresenta algumas alterações significativas em relação à estrutura da Lei 4.320/64.

Mudanças relevantes:

A despesa orçamentária passa a ser demonstrada por empenho, liquidação e despesa paga, e não mais por tipo de crédito.

Linhas específicas de refinanciamento de dívida e saldos de exercícios anteriores para as receitas.

Linha de amortização da dívida refinanciada para a despesa orçamentária.

anteriores para as receitas.  Linha de amortização da dívida refinanciada para a despesa orçamentária. 60

60

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilidade Pública para Concursos Além disso, o novo balanço é acompanhado dos seguintes anexos: 61

Além disso, o novo balanço é acompanhado dos seguintes anexos:

Contabilidade Pública para Concursos Além disso, o novo balanço é acompanhado dos seguintes anexos: 61

61

Contabilidade Pública para Concursos

4) Análise do Balanço Orçamentário

Existem

6

(seis)

tipos

de

análises

que

podem

ser

feita

em

um

balanço

orçamentário, sendo que as 3 primeiras são as mais cobradas em provas:

Resultado orçamentário;

Resultado da execução da receita;

Resultado da execução da despesa;

Comparação dos Resultados Corrente e de Capital;

Análise do Endividamento;

Indicadores do Balanço Orçamentário

A seguir explicaremos melhor cada uma dessas análises:

4.1) Resultado orçamentário

O resultado orçamentário final do exercício será obtido estabelecendo-se as diferenças para mais ou para menos, ou seja, a soma dos excessos e a das insuficiências, que resultam num superávit ou num déficit na execução do orçamento.

Comparando o desempenho das receitas e despesas (executadas), podem ocorrer os seguintes resultados:

( executadas ), podem ocorrer os seguintes resultados: Para efeito de prova, o resultado orçamentário é

Para efeito de prova, o resultado orçamentário é calculado comparando os seguintes valores:

62

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilidade Pública para Concursos No caso hipotético acima, o resultado orçamentário do exercício seria um

No caso hipotético acima, o resultado orçamentário do exercício seria um déficit de 20.000.

Observar que o cálculo é feito com as receitas e despesas EXECUTADAS, conforme esquematizado a seguir.

e despesas EXECUTADAS , conforme esquematizado a seguir. Podemos esquematizar o resultado orçamentário da

Podemos esquematizar o resultado orçamentário da seguinte maneira:

Resultado Orçamentário

esquematizado a seguir. Podemos esquematizar o resultado orçamentário da seguinte maneira: Resultado Orçamentário 63

63

Contabilidade Pública para Concursos

DICA

Em provas do CESPE, em geral não precisamos fazer contas para calcular os valores. Eles já vêm calculados. Basta que a gente saiba onde eles estão localizados no balanço.

No Balanço orçamentário, os déficits (sejam correntes, sejam de capital) devem ser colocados sempre do lado esquerdo (lado das receitas) e os superávits (correntes ou de capital), no lado direito (lado das despesas).

É claro! O balanço deve estar equilibrado. Se houve um déficit, por exemplo, é porque houve mais despesas do que receitas. Então, para equilibrar a situação, esse excesso de despesas deve ser colocado do lado que está defasado (no caso, o das receitas), para que, na última linha, os totais sejam iguais dos dois lados.

Portanto, no caso do balanço orçamentário, em questões do CESPE, normalmente não precisaremos fazer contas quando estiver sendo solicitado o resultado orçamentário do exercício. Normalmente, a Banca indica esse resultado em uma linha em que se calcula o déficit ou o superávit. Quando fizermos os exercícios, tudo vai ficar mais claro!

4.2) Resultado da execução da receita

Analisando apenas o lado das receitas, podem ocorrer os seguintes resultados:

lado das receitas, podem ocorrer os seguintes resultados: Para efeito de prova, o resultado da execução

Para efeito de prova, o resultado da execução da receita é calculado comparando os seguintes valores:

64

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilidade Pública para Concursos No caso hipotético acima, o resultado da execução da receita seria uma

No caso hipotético acima, o resultado da execução da receita seria uma insuficiência de arrecadação de 22.000. O ente arrecadou menos do que estava previsto inicialmente.

OBSERVAÇÃO

É importante ressaltar que, embora não esteja totalmente errado falarmos em déficit ou superávit da arrecadação da receita, deve-se evitar o uso de tais terminologias quando analisamos a execução da receita e também da despesa. Essa terminologia (superávit e déficit) deve ser usada somente quando calculamos o resultado orçamentário. Portanto, ao analisarmos a execução da receita, usaremos sempre os termos insuficiência ou excesso, conforme o caso.

Observar

que

o

REALIZADAS.

cálculo

é

feito

com

as

RECEITAS

PREVISTAS

E

Podemos esquematizar o resultado da execução da receita da seguinte maneira:

Resultado da Receita:

PREVISTAS E Podemos esquematizar o resultado da execução da receita da seguinte maneira: Resultado da Receita:

65

Contabilidade Pública para Concursos

4.3) Resultado da execução da despesa

Analisando apenas o lado das despesas, podem ocorrer os seguintes resultados:

lado das despesas, podem ocorrer os seguintes resultados: Para efeito de prova, o resultado comparando os

Para

efeito

de

prova,

o

resultado

comparando os seguintes valores:

da

execução

das

despesas

é

calculado

seguintes valores: da execução das despesas é calculado No caso hipotético acima, o resultado da execução

No caso hipotético acima, o resultado da execução da despesa seria uma economia de despesa no valor de 2.000. O ente gastou menos do que estava previsto.

Importante: É importante observar que a demonstração de um EXCESSO DE DESPESAS no balanço orçamentário constitui uma situação impossível, pois as despesas não podem ser executadas sem a respectiva autorização orçamentária.

Observar que o cálculo é feito com as DESPESAS FIXADAS E REALIZADAS.

Podemos esquematizar o resultado da realização da despesa da seguinte maneira:

66

Contabilidade Pública para Concursos

Resultado da Despesa:

Contabilidade Pública para Concursos Resultado da Despesa: 4.4) Comparação dos Resultados Corrente e de Capital É

4.4) Comparação dos Resultados Corrente e de Capital

É possível realizar análises de cunho econômico no balanço orçamentário, incluindo o estudo sobre a tendência para a capitalização ou descapitalização na aprovação do orçamento e principalmente na sua execução.

Quando há aplicação de receita corrente em despesa de capital, dá-se o fenômeno denominado CAPITALIZAÇÃO orçamentária, ou seja, superávit corrente e déficit de capital.

Em outras palavras, a capitalização consiste na aplicação (despesa) de fontes de recursos (receitas) em bens de capital (tributos sendo utilizado na aquisição de automóveis ou de um imóvel, por exemplo).

CAPITALIZAÇÃO

bens de capital (tributos sendo utilizado na aquisição de automóveis ou de um imóvel, por exemplo).

67

Contabilidade Pública para Concursos

Quando há aplicação de receita de capital em despesa corrente, dá-se o fenômeno da DESCAPITALIZAÇÃO orçamentária, ou seja, superávit de capital e déficit corrente.

Desse modo, a descapitalização ocorrerá quando bens de capital forem alienados para realização de gastos de custeio (venda de um automóvel com a finalidade de financiar despesa com pessoal, por exemplo).

DESCAPITALIZAÇÃO

despesa com pessoal, por exemplo). DESCAPITALIZAÇÃO Vedações: O cálculo de capitalização/descapitalização

Vedações:

O cálculo de capitalização/descapitalização é a base da chamada “REGRA DE OURO”, conforme segue:

Art. 167, III da CF REGRA DE OURO

“É vedada a realização de operações de créditos que excedam o montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas mediante créditos suplementares ou especiais com finalidade precisa, aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta”.

68

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilidade Pública para Concursos O fundamento para isso é o seguinte: se o montante das operações

O fundamento para isso é o seguinte: se o montante das operações de crédito exceder o montante das despesas de capital, então haverá uma margem considerável para que ocorra o uso de recursos de capital em aplicações correntes (descapitalização).

É importante ressaltar que o dispositivo citado anteriormente (art. 167, inciso III, da CF) em momento algum disse que é proibido o uso de recursos de operações de crédito em despesas correntes, mas apenas se referiu a montantes. Portanto, lembrem-se disso:

Observação (Regra de Ouro)

NÃO é proibido o uso de recursos de recursos de operações de crédito em despesas correntes. O que não pode é o montante das operações de crédito exceder o montante das despesas de capital.

Por sinal, vale a pena comentarmos que a única proibição expressa de uso de recursos de capital em despesas correntes está disposta na LRF, conforme segue:

Art. 44 da LRF

“É vedada a aplicação da receita de capital derivada da alienação de bens e direitos que integram o patrimônio público para o financiamento de despesa corrente, salvo se destinada por lei aos regimes de previdência social, geral e próprio dos servidores públicos.”

Resumindo, a capitalização se origina da combinação conjunta de Superávit Corrente e de Déficit de Capital. Já a descapitalização, origina-se da combinação conjunta de Superávit de Capital e de Déficit Corrente. Com isso, podemos esquematizar a comparação dos resultados corrente e de capital da seguinte maneira:

69

Contabilidade Pública para Concursos

Capitalização x Descapitalização

Pública para Concursos Capitalização x Descapitalização Onde: Rc = Receitas Correntes Dc = Despesas

Onde:

Rc

= Receitas Correntes

Dc

= Despesas Correntes

Rk

= Receitas de Capital

Dk

= Despesas de Capital

4.5) Análise do Endividamento

A partir do balanço orçamentário, também é possível saber se está havendo um aumento ou uma diminuição do nível de endividamento do ente.

Caso o montante referente às receitas de operações de crédito supere o montante das despesas de amortização da dívida, é porque está ocorrendo um aumento do endividamento. Caso contrário, diz-se que o endividamento está diminuindo.

Podemos esquematizar a análise do endividamento da seguinte maneira:

70

Contabilidade Pública para Concursos

Endividamento:

Receita Oper. Crédito > Desp. Amort. Dívida

Receita Oper. Crédito > Desp. Amort. Dívida Receita Oper. Crédito < Desp. Amort. Dívida 4.6)

Receita Oper. Crédito < Desp. Amort. Dívida

Dívida Receita Oper. Crédito < Desp. Amort. Dívida 4.6) Indicadores do Balanço Orçamentário Com relação ao

4.6) Indicadores do Balanço Orçamentário

Com relação ao BO, podemos ter os seguintes indicadores:

QUOCIENTE DA EXECUÇÃO DA RECEITA

Receita arrecadada ÷ Receita prevista

- Quanto maior melhor (> 1)

71

Contabilidade Pública para Concursos

QUOCIENTE DA EXECUÇÃO DA DESPESA

Despesa Executada ÷ Despesa Fixada

- Quanto mais próximo de um melhor (≤ 1)

- Se for maior, incorre em ilegalidade

QUOCIENTE DO RESULTADO ORÇAMENTÁRIO

Receita arrecadada ÷ Despesa Executada

- > 1 superávit orçamentário

- < 1 déficit orçamentário

- = 1 equilíbrio

72

Contabilidade Pública para Concursos

QUESTÕES PROPOSTAS

CESPE/TRE-RJ 2012 - Cargo 2: Analista Judiciário Área: Administrativa Especialidade: Contabilidade

Área: Administrativa – Especialidade: Contabilidade Considerando-se a tabela acima, em que são apresentados os

Considerando-se a tabela acima, em que são apresentados os saldos, em reais, de uma unidade gestora hipotética X, em 31/12/2011, é correto afirmar que

(CESPE/TRE-RJ 2012 - Cargo 2 - Item 85) o resultado orçamentário foi igual a

R$ 1.000,00. 2) (CESPE/TRE-RJ 2012 - Cargo 2 - Item 87) houve excesso de arrecadação no valor de R$ 4.000,00.

1)

CESPE/TCE-ES 2012 - Cargo: AUDITOR

Com relação às demonstrações contábeis aplicadas ao setor público, julgue os itens que se seguem, de acordo com o Manual de Contabilidade da Secretaria do Tesouro Nacional. 3) - (CESPE/TCE-ES 2012 - Cargo: AUDITOR - Item 100) Os demonstrativos da execução de restos a pagar processados e não processados devem ser anexados ao balanço orçamentário.

CESPE/TCE-ES 2012 - Cargo : AUDITOR

Tendo como referência inicial o texto acima, julgue os itens a seguir, a respeito do direito financeiro brasileiro.

73

Contabilidade Pública para Concursos

4) (CESPE/TCE-ES 2012 - Cargo: AUDITOR - Item 150) É conhecida como regra de ouro a vedação, prevista na CF, à realização de operações de créditos que excedam o montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas mediante créditos suplementares, ou especiais, com finalidade precisa, aprovados pelo Poder Legislativo, por maioria absoluta.

CESPE/TJ RR 2012 - Cargo 4: Contador

por maioria absoluta. CESPE/TJ RR 2012 - Cargo 4: Contador A tabela acima contém receitas e

A tabela acima contém receitas e despesas, em reais, extraídas do balancete de um órgão hipotético da administração direta, no exercício de X11, que teve orçamento aprovado com previsão inicial de receita de R$ 500,00. Com base nessa tabela, julgue os itens a seguir.

74

Contabilidade Pública para Concursos

5)

X1, haverá déficit orçamentário de R$ 200,00.

(CESPE/TJ RR 2012 - Cargo 4: Contador - Item 78) No balanço orçamentário de

6) (CESPE/TJ RR 2012 - Cargo 4: Contador - 79) Com base no balanço orçamentário de X11, haverá uma economia orçamentária (economia de despesas) no valor de R$ 100,00.

7) (CESPE/TJ RR 2012 - Cargo 4: Contador - 80) Infere-se dos dados apresentados na tabela que parte da despesa executada refere-se à abertura de créditos adicionais.

CESPE/TCU 2007 - Cargo: Auditor

Com base na Constituição Federal e na legislação complementar, no que concerne às matérias orçamentária e financeira públicas, julgue os itens a seguir.

8) (CESPE/TCU 2007 - Cargo: Auditor - Item 165) Considere-se que a proposta orçamentária de um ente público foi encaminhada com a seguinte estrutura (valores em R$ bilhões).

com a seguinte estrutura (valores em R$ bilhões). Nessa situação hipotética, é correto concluir que a

Nessa situação hipotética, é correto concluir que a proposta é inadmissível, em virtude de apresentar deficit corrente e de as receitas de capital excederem as despesas de capital.

CESPE/TCU 2007 - Cargo: Auditor

75

Contabilidade Pública para Concursos

Julgue os itens a seguir, relativos à apresentação e à composição dos balanços orçamentário, financeiro e patrimonial.

9) (CESPE/TCU 2007 - Cargo: Auditor - Item 193) Haverá tanto superavit quanto deficit na execução orçamentária de um ente público que apresente, ao final do exercício, a seguinte situação.

apresente, ao final do exercício, a seguinte situação. CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2: ANALISTA ADMINISTRATIVO

CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2: ANALISTA ADMINISTRATIVO ÁREA II

Considere que determinada unidade gestora tenha apresentado os seguintes saldos, em reais, ao final do seu exercício financeiro.

saldos, em reais, ao final do seu exercício financeiro. 10) (CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2

10)

(CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2 - Item 71) Houve superávit orçamentário de R$

50,00.

11)

(CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2 - Item 72) Foi constatada economia de despesas

de R$ 130,00.

12)

(CESPE/ ANP 2012 - PERFIL 2 - Item 74) Ocorreu um déficit de arrecadação de

R$ 100,00.

CESPE/TCU 2009/ Cargo 4: Técnico Federal de Controle Externo Área: Apoio Técnico e Administrativo Especialidade: Técnica Administrativa

76

Contabilidade Pública para Concursos

Com base na Lei n.º 4.320/1964 e nos conceitos e aplicações dela decorrentes, julgue os itens de 92 a 96.

13) (CESPE/TCU 2009/ Cargo 4 - TFCE - Item 96) Considerando os saldos orçamentários de determinado ente, em milhões de reais, ao final do exercício,

apresentados na tabela a seguir, é correto concluir que o superávit do orçamento corrente

foi de R$ 205 milhões.

o superávit do orçamento corrente foi de R$ 205 milhões. CESPE/INPI 2012 - Cargo 9 -

CESPE/INPI 2012 - Cargo 9 - ANALISTA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E INFRAESTRUTURA EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL (Classe A, Padrão I) ÁREA: GESTÃO FINANCEIRA (A3)

(Classe A, Padrão I) – ÁREA: GESTÃO FINANCEIRA (A3) A tabela acima ilustra os saldos do

A tabela acima ilustra os saldos do balanço orçamentário hipotético, em reais, de

determinado ente governamental. Com base nessa tabela, julgue os itens a seguir.

14)

(CESPE/INPI 2012 - Cargo 9 Item 68) O déficit de arrecadação é de R$ 350,00.

77

Contabilidade Pública para Concursos

15)

(CESPE/INPI 2012 - Cargo 9 Item 69) O resultado orçamentário é nulo.

16)

(CESPE/INPI 2012 - Cargo 9 Item 70) Houve economia de despesa no valor

de R$ 450,00.

CESPE/TRT 10ª Região 2012 - Cargo 2: Analista Judiciário Área: Administrativa Especialidade: Contabilidade

Julgue os itens a seguir, acerca da estrutura e componentes das demonstrações contábeis

no setor público.

17) (CESPE/TRT 10ª Região 2012 - Cargo 2 Item 75) Os valores referentes ao refinanciamento da dívida mobiliária deverão constar, destacadamente, no balanço orçamentário, nas receitas de operações de crédito internas e externas e, nesse mesmo nível de agregação, nas despesas com amortização da dívida de refinanciamento.

- Especialidade: Contabilidade

CESPE/CNJ

Cargo

2012

3:

Analista

Judiciário

Área:

Administrativa

A Aprovação da Lei Orçamentária Anual no valor de R$ 200.000,00;

 

B Lançamento

de

impostos

no

valor

de

R$

120.000,00,

sendo

arrecadados

R$

100.000,00;

C Compra de imóvel a vista no valor de R$ 70.000,00;

D Recebimento de veículo em doação no valor de R$ 20.000,00;

E Despesas de água, luz e telefone no valor de R$ 40.000,00, com valor total inscrito em

restos a pagar.

Considerando os eventos acima, relativos ao encerramento do primeiro exercício

financeiro de determinada entidade governamental, julgue os itens que se seguem acerca

do fechamento de suas demonstrações contábeis.

18)

(CESPE/CNJ 2012 - Cargo 3 - Item 79) Com relação ao balanço orçamentário, o

resultado orçamentário do exercício foi deficitário em R$ 10.000,00.

78

Contabilidade Pública para Concursos

CESPE/AL CE 2011 - Cargo 3: Analista Legislativo Ciências Contábeis

No primeiro exercício financeiro de uma entidade governamental, foi aprovada a lei orçamentária anual (LOA) no valor de R$ 200.000,00 e foram registrados apenas os seguintes eventos contábeis nesse exercício financeiro:

os seguintes eventos contábeis nesse exercício financeiro: Com base nessas informações, julgue os próximos itens,

Com base nessas informações, julgue os próximos itens, relativos ao fechamento de balanços públicos desse exercício financeiro, de acordo com a Lei n.º 4.320/1964.

19)

(CESPE/AL CE 2011 - Cargo 3 - Item 76) O resultado orçamentário do

exercício apresentou déficit orçamentário no valor de R$ 20.000,00.

CESPE/UNIPAMPA 2013 - Cargo 6: Contador

Acerca do balancete e das demonstrações contábeis, julgue os itens a seguir.

20) (CESPE/UNIPAMPA 2013 - Cargo 6 Item 107) No balanço orçamentário, na comparação do executado com o orçado, tem-se insuficiência de arrecadação quando a receita prevista for maior que a receita arrecadada.

CESPE/ANS 2013/Cargo 1: Analista Administrativo

Determinada entidade do setor público apresentou os eventos registrados abaixo em seu primeiro exercício financeiro, ocorrido em 2012.

• aprovação da Lei Orçamentária Anual, com previsão da receita e fixação da despesa no valor de R$ 150.000,00;

arrecadação de impostos no valor de R$ 60.000,00;

79

Contabilidade Pública para Concursos

• empenho, consumo e pagamento de despesas com serviços de água, luz e telefone

durante o ano, no valor de R$ 20.000,00;

• recebimento de imóvel em doação no valor de R$ 100.000,00;

• compra de veículo para uso no valor de R$ 30.000,00, com recebimento imediato do

bem, inscrito integralmente em restos a pagar ao final do exercício financeiro de 2012.

Com base nos eventos acima registrados, julgue os itens que se seguem, acerca do fechamento das demonstrações contábeis do ano de 2012 da referida entidade conforme a Lei n.º 4.320/1964.

21)

foi superavitário em R$ 10.000,00.

(CESPE/ANS 2013/Cargo 1 Item 108) O resultado orçamentário do exercício

CESPE/MS 2013/Cargo 5: Contador

No primeiro exercício financeiro de uma entidade do setor publico, foram registrados somente os seguintes eventos contábeis.

• Previsão da receita e fixação da despesa no valor de R$ 280.000,00.

• Impostos arrecadados no valor de R$ 130.000,00.

• Empenho, liquidação e pagamento de serviços de terceiros no valor de R$ 70.000,00.

• Compra de equipamento para uso da entidade, com recebimento imediato do bem, no

valor de R$ 120.000,00, com metade do pagamento a vista e o restante inscrito em restos a pagar.

• Veiculo recebido em doação, no valor de R$ 20.000,00.

Considerando os eventos acima registrados, relativos ao encerramento desse primeiro exercício financeiro, julgue os próximos itens, acerca da elaboração das demonstrações contábeis, de acordo com a Lei n.o 4.320/1964.

22) (CESPE/ANS 2013/Cargo 5 Item 75) O resultado orçamentário do exercício apresentou déficit no valor de R$ 60.000,00.

CESPE/DPF 2013/CARGO 1: PERITO CRIMINAL FEDERAL/ÁREA 1

80

Contabilidade Pública para Concursos

Contabilidade Pública para Concursos Os dados das tabelas acima, em que os valores são expressos em

Os dados das tabelas acima, em que os valores são expressos em reais, foram extraídos do balancete da prefeitura de uma cidade, em 31/12/2010, e representam apenas as receitas e despesas orçamentárias executadas. Com base nos dados apresentados, julgue os próximos itens.

23) (CESPE/DPF 2013/CARGO 1 Item 88) No balanço orçamentário, haverá resultado orçamentário correspondente a superávit de R$ 20.000 e déficit no orçamento de capital.

24) ) (CESPE/DPF 2013/CARGO 1 Item 89) Com base apenas nos dados mostrados na tabela apresentada, não é possível afirmar que a elaboração do balanço orçamentário da referida prefeitura demonstrará economia de despesas. Por outro lado, é possível afirmar que a execução orçamentária demonstra descapitalização. CESPE/MPOG 2013 - temp/Categoria Profissional 3: Técnico de Nível Superior SPU/UCP

Considere que em uma entidade governamental tenham sido registrados os seguintes eventos no primeiro exercício financeiro encerrado:

• aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA) no valor de R$ 120.000,00;

• arrecadação de impostos no valor de R$ 73.000,00;

81

Contabilidade Pública para Concursos

• empenho, liquidação e pagamento de despesas com limpeza e conservação no valor de R$ 35.000,00;

• recebimento de veículo em doação no valor de R$ 20.000,00;

• compra de equipamento para uso, com recebimento imediato do bem, no valor de R$ 30.000,00, inscrito em restos a pagar.

Considerando as informações acima, julgue os próximos itens, com base nas demonstrações contábeis da Lei n.º 4.320/1964.

25) (CESPE/MPOG 2013 - temp/Categoria Profissional 3 Item 119) No balanço orçamentário, o resultado orçamentário do exercício é superavitário em R$ 55.000,00.

CESPE/ANTT 2013 - Cargo 4: Analista Administrativo - Área: Ciências Contábeis

A respeito dos demonstrativos contábeis e registros previstos nas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público, na Lei n.º 4.320/1964 e na Lei de Responsabilidade Fiscal, julgue os itens que se seguem.

26) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 4 Item 85) O balanço orçamentário demonstra o que foi planejado para as despesas e receitas do órgão público, em comparação com o que foi efetivamente realizado, incluindo as inscrições e pagamentos de restos a pagar ocorridos no exercício.

CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9: Especialista em Regulação de Serviços de Transportes Terrestres Área: Ciências Contábeis

De acordo com a Lei n.º 4.320/1964, julgue os próximos itens, acerca das demonstrações contábeis.

27) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 9 Item 96) No balanço orçamentário, os restos a pagar do exercício corrente serão computados na receita extraorçamentária para compensar sua inclusão na despesa orçamentária.

CESPE/ANTT 2013 - Cargo 16: Técnico Administrativo

82

Contabilidade Pública para Concursos

No que se refere às demonstrações contábeis, segundo a legislação, julgue os itens a seguir.

(CESPE/ANTT 2013 - Cargo 16 Item 99) O superávit corrente é o excesso de

receitas correntes em relação às despesas correntes, possibilitando a cobertura de despesas de capital. O superávit de capital ocorre na situação em que as receitas de capital superam as despesas de capital, o que resulta no aumento do patrimônio público.

28)

29) (CESPE/ANTT 2013 - Cargo 16 Item 101) No balanço orçamentário, evidencia-se a receita por categoria econômica, corrente e de capital, ao passo que a despesa é desdobrada seguindo-se dois critérios: tipo de crédito (orçamentário e suplementar, especial e extraordinário) e categoria econômica (corrente e de capital).

CESPE/MPU 2013 - CARGO 8: ANALISTA DO MPU ÁREA DE ATIVIDADE:

APOIO TÉCNICO- ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE: PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

No curso de uma auditoria, estão em análise as contas de um órgão da administração pública direta da União em seu primeiro exercício financeiro, com apuração das seguintes receitas e despesas:

pública direta da União em seu primeiro exercício financeiro, com apuração das seguintes receitas e despesas:

83

Contabilidade Pública para Concursos

Considerando as informações apresentadas acima, as normas vigentes e, ainda, o consumo total do material de consumo adquirido, julgue os itens subsecutivos, em relação às demonstrações contábeis previstas na Lei n.º 4.320/1964.

30) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 8 - Item 91) O resultado corrente demonstrado no balanço orçamentário evidencia valor superavitário.

CESPE/MPU 2013 - CARGO 13: ANALISTA DO MPU ÁREA DE ATIVIDADE:

PERÍCIA ESPECIALIDADE: CONTABILIDADE

No que se refere a demonstrações contábeis e receitas e despesas públicas, julgue os itens seguintes.

31) (CESPE/MPU 2013 - CARGO 13 Item) 104 No balanço orçamentário, com o objetivo de equilibrar o demonstrativo, o déficit será informado do lado da receita e o superávit será informado do lado da despesa.

CESPE/TCU 2013 - Auditor Federal de Controle Externo

Com relação às demonstrações contábeis da contabilidade governamental, julgue os itens seguintes.

32) (CESPE/TCU 2013 - Auditor Federal de Controle Externo Item 145) No balanço orçamentário, se demonstrado que houve economia orçamentária no orçamento corrente e excesso de arrecadação no orçamento de capital, é possível que ocorra déficit orçamentário.

CESPE/FUNASA 2013 - ÁREA DE LOTAÇÃO: CELEBRAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS E CONVÊNIOS NÍVEL IV: ATIVIDADES TÉCNICAS DE COMPLEXIDADE INTELECTUAL ESPECIALIDADE 3

Considere os seguintes dados relativos ao encerramento do primeiro exercício financeiro de determinada entidade governamental:

84

Contabilidade Pública para Concursos

• previsão da receita orçamentária:

R$

80.000,00.

• fixação da despesa orçamentária:

R$

80.000,00.

• arrecadação de impostos:

R$

50.000,00.

• empenho de despesas:

R$

80.000,00.

• liquidação de despesas:

R$

70.000,00.

• inscrição de despesas em restos a pagar:

R$

30.000,00.

• recebimento de imóvel em doação:

R$ 100.000,00.

Com base nessas informações, julgue os itens a seguir, acerca da elaboração das demonstrações contábeis em conformidade com a Lei n.º 4.320/1964.

33) (CESPE/FUNASA 2013 - ESPECIALIDADE 3 Item 95) O resultado orçamentário do exercício é nulo, visto que a despesa orçamentária foi fixada no mesmo montante da receita orçamentária prevista.

CESPE/TRT 17ª Região 2013 - CARGO 2: ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA:

ADMINISTRATIVA ESPECIALIDADE: CONTABILIDADE

ÁREA: ADMINISTRATIVA – ESPECIALIDADE: CONTABILIDADE Com base na Lei n.º 4.320/1964 e nas informações

Com base na Lei n.º 4.320/1964 e nas informações apresentadas na tabela acima, referentes ao primeiro exercício financeiro encerrado de determinada entidade governamental, julgue os itens que se seguem.

85

Contabilidade Pública para Concursos

34) (CESPE/FUNASA 2013 - ESPECIALIDADE 3 Item 75) A partir do confronto

entre as receitas e as despesas, fo