P. 1
Rede nacional de portos marítimos (11.º)

Rede nacional de portos marítimos (11.º)

|Views: 2.395|Likes:
Publicado porprofgeofernando

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: profgeofernando on Mar 13, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

06/16/2013

pdf

REDE NACIONAL DE PORTOS MARÍTIMOS

Nos portos portugueses, a principal função é a comercial. Consoante o volume de carga portugueses, comercial. movimentada e a sua capacidade, estes classificam-se como principais ou secundários. São capacidade, classificamsecundários. considerados portos principais os de Leixões, Aveiro, Lisboa, Setúbal e Sines. Nas regiões Sines. autónomas, destacamautónomas, destacam-se os portos do Funchal e de Ponta Delgada (Doc. 1).
_________

Doc. 1 - Movimento de mercadorias nos portos comerciais nacionais, em 2006

O porto que movimenta, anualmente, maior volume de mercadorias é o de Sines, Sines, onde se destacam os granéis - produtos transportados em depósito do próprio navio, como o petróleo, petróleo, o carvão, etc. Lisboa é o primeiro porto no movimento de contentores, contentores, Aveiro e Leixões no de carga geral e Setúbal no de Ro-Ro Roentrada (roll-on) e saída (roll-on) (roll-off) de camiões roll-off) carregados de mercadorias, em navios especializados, pelos quais eles próprios são transportados (Doc. 2).
_________

Doc. 2 - Movimento de mercadorias nos portos principais, por tipo de carga (total-ton.) - 2006 (total-ton.)

Portugal situa-se numa posição central em relação ao Atlântico, no cruzamento das principais rotas situaAtlântico, marítimas, marítimas, beneficiando de portos de águas profundas capazes de receber navios de grandes dimensões usados no tráfego de mercadorias de longo curso. Assim, pode oferecer serviços de transhipment transbordo de mercadorias de um navio para outro (por exemplo, um navio de longo curso descarrega as (por exemplo, mercadorias num porto português que as faz chegar a outros portos europeus, em navios de menor dimensão, e vice-versa). Por isso, aproveitar as potencialidades da costa nacional como fachada viceatlântica de entrada na Europa é um objectivo da Política Geral de Transportes. Para tal, será Transportes. necessário: desenvolver os serviços de transporte marítimo de curta distância (TMCD); desenvolver TMCD); as infra-estruturas logísticas e intermodais nos portos e investir na logística e na distribuição; infracontinuar a exploração do terminal de contentores do porto de Sines (Terminal XXI); melhorar as XXI); infrainfra-estruturas e ligações ferroviárias de tráfego de mercadorias; estimular a complementaridade e a cooperação entre portos, por forma a aumentar a eficiência e atrair carga. portos,

O tráfego marítimo de passageiros tem pouco significado no nosso país, embora nas regiões país, autónomas seja alternativa ao transporte aéreo na ligação entre ilhas e como componente turística. No Continente, assume algum relevo o tráfego fluvial de passageiros (Doc. 3). Continente,
_________

Doc. 3 - Tráfego fluvial de passageiros em Portugal Continental, 2006 Continental,

Fonte: Adaptado de ARINDA, Rodrigues [et al], Geografia A 11.º Ano, 1.ª Edição, Texto Editores, 2008. [et al], Ano,

http://geoclick.blogspot.com/ prof.geo.fernando@sapo.pt

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->