Você está na página 1de 15

Disciplina de Estradas

Prof. Wagner Pizani Guidi


Aluno: Lucas Adriel Figueiredo

Em sua funo primordial, a drenagem de uma


rodovia deve eliminar a gua que, sob qualquer
forma, atinge o corpo estradal, captando-a e
conduzindo-a para locais em que menos afete a
segurana e durabilidade da via.

Para um sistema de drenagem superficial


eficiente, utiliza-se uma srie de dispositivos
com objetivos especficos, a saber:

Valetas de proteo de corte;


Valetas de proteo de aterro;
Sarjetas de corte;
Sarjetas de aterro;
Sarjeta de canteiro central;
Descidas d'gua;
Sadas d'gua;
Caixas coletoras;
Bueiros de greide;
Dissipadores de energia;
Escalonamento de taludes;
Corta-rios.

VALETAS DE PROTEO DE CORTE

VALETAS DE PROTEO DE CORTE

TRIANGULAR
QUADRADA

TRAPEZOIDAL

VALETAS DE PROTEO DE ATERRO

TRAPEZOIDAL

QUADRADA

EXEMPLO DE VALETA

VALETAS DO CANTEIRO CENTRAL

EXEMPLO DE VALETAS
DO CANTEIRO CENTRAL

VALETAS DO CANTEIRO CENTRAL

TRIANGULAR

TRAPEZOIDAL

SARJETAS DE CORTE

TRIANGULAR

QUADRADA

TRAPEZOIDAL

SARJETAS DE ATERRO

SARJETA SIMPLES

MEIO-FIO-SARJETA

EXEMPLOS DE SARJETA

CONCLUSO
Sem um sistema de drenagem adequado,
a gua proveniente da precipitao das
chuvas, podem causar muitos estragos
ao corpo estradal.