Você está na página 1de 920
COMENTARIO AOL DO NOVO TESTAMENTO DAVID H. STERN UU Ay AO OO a DE ESTUDAR A BIBLTA foke Cem rick NMC ems RCE eS CEE ne eee at ert ERE Riot Rent Peer re Re Cc ICE Recon te Ee can Re ot wan! Stern, um Judeu Méssidnico e erudito biblico — nesta obra tao bem escrita Beene eee ca a aie ee ce eC tuo TEPER area ea Re Moe eae Veja alguns dos principais destaques do Comentario Judaico do Novo Testamento: en CNR Coa ie oe Cun Ck eS eae as Jesus era judeu, entao, para entender mais profundamente o Novo Testamento, Pee eR Mo ahd mre Roa EES a. Orr ee ee ere oes rer CRC cme erecta MASE cao Reems et ance Rca eae Ra RN ea Ure ees on eRe eC ero ue Cer Pees ee te Retr Tr ceo te ergo a eral Pee aa mee mC oe ON Ree ener ek A NCR ree Sed eee eee eeu ae aaa hee eS Tal CooL mesma maneira que Yestiua [os pronunciaval. COMENTARIO JUDAICO DO NOVO TESTAMENTO > Senet PAO Ore} Jewish New Testament Commentary Copyright 1992, David H. Stern Published by Jewish New Testament Publications/ Messianic Jewish Publishers 6120 Day Long Lane, Clarksville, MD 21029, USA www.messianicjewish.net/jntp All Rights Reserved. Supervisdo editorial Marcos Simas Capa Oliverartelucas Tradutores Regina Aranha Lena Aranha valéria Lamim Pedro Bianco Marson Guedes Edinael Rocha Cella Clavello Revisores Joao Félix ‘Angela Nunes Paulo Pancote Projeto grafico e diagramacao Pedro Simas 1 Edicao brasileira Margo de 2007 Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida sem o consentimento prévio, por escrito, dos editores, exceto para breves citacdes, com indicacao da fonte. Publicado no Brasil com a devida autorizacao e com todos os diretos reservados pela Editora Atos Caixa Postal 402 Belo Horizonte, MG CEP. 30161-970 www.editoraatos,com.br Para A GLORIA DE Deus, A SALVACAG DE ISRAEL E A EDIFICACAO DA COMUNIDADE MESSIANICA Sumario Introducgao ... -1l AS BOAS-NOVAS DE YESHUA, © MIESSIAS, CONTADAS POR Mattityahn (Mateus) ... Marcos Lucas Yochanan (Joao) Os Aius DOs EMISSARIOS DE YESHUA, O MIESSIAS .... AS CARTAS DE SHA'UL, EMISSARIO DE YESHUA, AS COMUNIDADES MESSIANICAS Romanos 1Corintios .. 2Corintios . Galatas Efésios . Filipenses ... Colossenses . 1Tessalonicenses 2Tessalonicenses AS CARTAS INDIVIDUAIS DE SHA'UL, EMISSARIO DE YESHUA 1Timoteo 2Timéteo Filemom AS CARTAS GERAIS Judeus Messianicos (Hebreus) . Ya'akov (Tiago) ... 1Kefa (1Pedro) 2Kefa (2Pedro) 1Yochanan (I Joao) 2Yochanan (2Joao) 3Yochanan (3Joao) Y'hudah (Judas) ... A Revetacko (Arocaupse} DE YesHuA, O Messias, A YOCHANAN .. Apéndice ... Sobre o autor 937 Prefacio para a versdo em portugués do Comentario Judaico do Novo Testamento Vocé tem em suas mos uma ferramenta que vai revolucionar a sua per- cepgao do Novo Testamento! £ simplesmente umas das melhores obras de estu- do e referéncia biblica que ja vi. Descobri essa pérola de conhecimento neo-testamentario ha alguns anos, quando estava ministrando uma conferéncia na Bahia. La o meu anfitrido, Pas- tor Joao Batista, trouxe-me a sua copia em inglés do Comentario Judaico do Novo Testamento com um entusiasmo contagiante. Sabendo do meu trabalho com livros, ele me pediu para olhar com carinho, na hipétese de publicarmos em portugués. No inicio, peguei-o apenas por educacao. Mas quando comecei a ver contetido, nao conseguia parar de ler! Meu amigo simplesmente tinha me apresentado algo precioso, profundo na sua for- ma de explanar o Novo Testamento, mas ao mesmo tempo simples e de facil compreensao. Fui fisgado de imediato! Sabia que estava vendo algo que paderia ajudar milhares de pessoas a compreender melhor ¢ aplicar a Palavra do Senhor nas suas vidas e em ministérios Por que o Comentario judaico do Novo Testamento é tao incrivel e fasci- nante? Pondere comigo a resposta dessa pergunta. O Senhor Jesus na sua vinda a0 nosso mundo como homem foi judeu. O cristianismo nasceu do contexte do Judaismo, como a nova alianga de Deus para com os homens, mas cumprindgo a velha alianga, ¢ ndo abolindo-a. Os apéstolos e escritores do Novo Testamento eram judeus, Entao o que poderia ser melhor para entender o Novo Testamento do que vé-lo explicado por um Judeu, que cré no Senhor jesus como Messias e Salvador, @ no Novo Testamento como a Palavra de Deus? Pois sendo judeu, e ao mesmo tempo crendo no Senhor Jesus, 0 autor do Comentario Judaico do Novo Testa- mento, David Stearn, consegue explicar de um jeito profundo e esclarecedor as Escrituras, de uma forma empolgante. Ele explica muitas nuances do Novo 10 ——___________ Prefacio Testamento,extraindo pepitas de ouro do contexto judaico, que antes passa- riam desapercebidos facilmente. Recomendo a todos que levam a sério 0 estudo do Novo Testamento, que tenham uma copia desse comentario superlativo. Sera de ajuda tanto para o judeu que quer estudar € etender melhor o Novo Testamento, como para o gentio, ou ndo judeu, como eu. A visio do comentario 6 de respeitar quem cada um de nés é. Eu nao sou judeu, mas tenho um amor e respeito por serem um povo que Deus escolheu. Tenho o privilégio, através do sanguc de Jesus derra mado na cruz do Calvario, ser participante das promessas e bén¢aos de Deus na minha vida. A visdo do autor nao é de fazer com que o nao judeu se torne judeu, e nem de fazer com que o judeu deixe de ser, e sim de nos trazer um novo en- tendimento da Palavra do Senhor. E ele atinge esse alvo com total sucesso. Encorajo vocé a estudar mais uma vez 0 Novo Testamento, com esse ma- ravilhoso comentario ao lado, e tenho certeza que Deus vai usé-lo para dar-Ihe um compreensdo mais profunda da sua Palavra! Essa obra vai lhe inspirar a esuidar com novos ulhos as Escrituras Sagradas, e av aplicar as verdades da Palavra na sua vida, tenho certeza que vocé vai ser profundamente tocado e insptrado pelo Espirito Santo de Deus! Servindo ao Messias e Senhor Jesus, Pastor Gary Haynes Editor Introducao 1 — O Que £0 Comentario Jupaico po Nove TestaMento? © Comentario Judaico do Novo Testamento (CJNT) lida com “assuntos judai cos" que confrontam leitores do Novo Testamento — questdes que os judeus tém a respeito de Yeshua (Jesus), o Novo Testamento e o cristianismo; questées que 0s cristéos tém sobre o judaismo e as raizes judaicas da fé; e questdes que os judeus messianicos tém sobre ser tanto judeu quanto messianico. £ um volume que acom panha o Novo Testamento Judatco (NTJ), minha traducao do Novo Testamento do original grego para o inglés feita para extrair a esséncia do seu judaismo. Um comentario “Desperta-Consciéncia”. Quase todo mundo se apro xima do Novo Testamento com opinides pré-concebidas sobre assuntos judai- cos. Geralmente isso acontece por nao os ter examinado ¢, as vezes, ocorre por causa do preconceito ou do treinamento a que se foi submetido na infancia. Em qualquer um dos casos, meu objetivo com 0 Comentario Judaico do Novo Tes- tamento é fornecer as pessoas mais informagdes acerca dos assuntos judaicos do Novo Testamento e, assim, tornd-las capazes de chegar a novas conclusdes sobre eles. Por essa razéo eu chamo o CJNT de um comentario “desperta conscién- cia". Ele apresenta informacdes que oferecem novas op¢des. Um leitor deveria ter a compreensao de que o Novo Testamento é um livro judaico escrito por judeus, que descreve amplamente os judeus, e escrito tanto para judeus quan- to para gentios. Os judeus deveriam saber que o Novo Testamento apresenta Yeshua de Natzeret (Nazaré) como o Filho de David, 0 tao esperado Messias de Israel, essencial para a salvagio individual ¢ coletiva dos judeus. Os cristaos deveriam ter certeza de que sdo para sempre um s6 povo com os judeus e que © Novo Testamento nao da espaco para o anti semitismo de forma alguma. 12 Introducao i — O PROJETO CONJUNTO NU-CINT Issa tarefa de desperta consciéncia ¢ desempenhada parcialmente pelo Novo Testamento Judaico e por este livro, Na verdade, minha idéia original, de 1977, era apenas escrever um comentario sobre o Novo Testamento que lidasse com assuntos judaicos. Mas depois de rascunhar umas poucas notas para alguns capitulos do livro de Atos, percebi que muito do que cu estava escrevendo consistia em objecées a versdo em inglés que estavarn usando: “A traducao diz ‘x’, mas no original grego significa ‘Y””. Em vez de desperdicar 0 tempo do leitor buscando terceiros (tradutores), decidi tentar traduzir 0 texto grego ¢ descobri que gostei do resultado. Assim, 0 Novo Testamento Juduico nasceu — como um pensamento tardio. A partir dai, ancorei meus comenta- rios no NIJ e ignorei o que considerava abordagens equivocadas de outras versées, distintas daquilo que o Novo Lestamento de fato diz (ou seja, a partir daquilo que eu entendia que ele dizia). Eu desejava publicar tanto a tradugao quanto um comentario num unico volume, nao apenas porque eles se complementam, mas porque eu acreditava / que algumas das abordagens mais controversas no NTJ necessitayam das mi- nhas notas no CJNT para defendé-las. Infelizmente, devido ao meu ritmo de vida ndo foi possivel terminar esse projeto rapidamente. Quando a traducao estava praticamentte pronta — e eu ainda estava trabalhando no comentario —, um amigo disse: “Publique apenas 0 Novo Testamento Juduico. Tanto os judeus quanto os cristaos precisam ver que o Novo Testamento é um livro judaico. Nao se preocupe em defendé-lo — a Palavra de Deus subsiste por si s6. Posterior- mente seu comentario vai servir para seu propésito.” Fle me convenceu. Entao publiquei a primeira edic&o do N7J cm 1989; houve trés edi¢des posteriores. Enquanto a N7/foi recebidv com muita alegria pela maioria dos judeus messid nicos e por muitos cristéos, alguns judeus nao-messianicos e uma grande quantida- de de comentaristas foram, é claro, criticos. Sempre que lia um comentario negativo que eu considerava injusto, sentia-me frustrado pelo fato de que o comentario nao estava ld para fornecer uma defesa. Agora esta, e espero que estimule uma discussao inleligente sobre os assuntos judaicos que cercam o Novo Testamento. 0 Novo Testamento Judaico. Como 0 CJNI e baseado no NTJ, algumas palavras sobre ele se tornam necessarias. O NTJ expressa 0 judaismo essencial do Novo lestamento de trés maneiras, que chamo de cosmética (ou superficial) religioso-cultural ¢ teoldgica. + Elementos cosméticos — como utilizar “estaca de execugao” em vez de “cruz”, “Ya'akov" em vez de “Tiago” ¢, é claro, “Yeshua, 0 Messias” em vez de “Jesus Crista” — so Ahvins; ¢ sua freqiiéncia tem um efeito coletivo « Elementos religioso-culturais inserem o evangelho mais seguramente em seu ambiente judaico; o uso da palavra "tzitzit’ em vez de “orla” em Matti- ‘yahu (Mateus) 9:20 para descrever o que a mulher com a hemorragia tocou, ¢ 1anucd’ em vez de “festa da dedicagado” em Yochanan [Joao] 10:22, sau duis los meus.. ‘Jementos teoldgicos incluem traduzir judeus messianicos [Iebreus] mostrar que a Nova Alianca nao for meramente “estabelecida”, mas ", e como diz Romanos 10:4,"(...) o fim da Tord é o Messias”, e e @ Cristo”. Introdugao 13 Para a uma discussao mais ampla do que a do carater do NTJ, veja a Seco Va seguir. Comentarios judaico-messianicos do Novo Testamento. 0 CJNT é, até onde eu saiba, apenas o segundo comentario a respeito do Novo Testamento escrito por um judeu messianico. O primeiro foi escrito por Jehie] Zvi Lichtens- tein (1827-1912), cujo Comentario do Nove Testamento, escrita em hebraico, foi publicado em assentamentos peio Institutum Delitzschianum, em Leipzig, Alemanha, entre 1891 e 1904, com o texto em blocos na tradicional impressao hebraica e os comentarios em Rashi (citei partes dele em minhas proprias no- tas sobre as Epistolas Gerais c a primeira parte de Apocalipsc). Ele scguiu os passos de Joiachim Heinrich Biesenthal (1800-1886), que escreveu comentarios sobre os [vangelhos, Romanos, Ilebreus, Salmos ¢ Isaias. Neste século, Victor Buksbazen, Charles Lee Feinberg, Moshe Immanuel Ben-Maeir, Louis Goldberg ¢ Arnold Fruchlenbaurn estao entre os crentes Judeus que produziram comen- tarios sobre um ou mais livros da Biblia. A organizacao “Netivyah", em Jerusa- Jém, sob a direcao de Joseph Shulam, esta preparando um comentario hebraico “sobre o Novo Testamento que, como este, se baseia em fonte judaicas e tenta ‘recuperar a compreensdo judaica; o primeiro produto desse esforco sera um comentario substancial sobre Romanos. Ainda ha necessidade de se escrever .6* mais comentarios judaico-messianicos sobre todos os livros da Biblia, tanto do ‘Tanakh (Antigo Testamento) quanto do Novo Testamento. A Biblia judaica completa. Produzi 0 Novo Testamento Judaico para mostrar quéo judaico é 0 Novo Testamento. Nunca desejei traduzir o Tanakh do hehraico para o inglés porque ninguém questiana seu judaismo. Além disso, em resposta a uma demanda clara, estou preparando a Biblia judaica completa, que consiste no Novo Testamento Judaico reunido com uma traducdo existente adaptada estilisticamente do Tanakh. Os leitores terao toda a Biblia num unico volume, com 0 NTJcomo sua porgao Novo Testamento. lil — QUE TIPOS DE COMENTARIOS ESTAO NO CINT? O CJNT aborda diversos temas, alguns mais familiares, outros menos, para atingir seus propdsitos. Entre eles estado: Notas historicas explicando a situagao do escritor, dos leitores originais e dos assuntos da passagem, com o foco na cultura judaica em particular. Notas lingiiisticas explicando pontos da gramatica grega ou o signifi- cado das palavras gregas, esclarecendo freqientemente pontos similares da linguagem, da gramatica ou da forma de pensamento hebraicos que sublinham 0 texto grego. Notas exegéticas explicando o que a passagem quer dizer. As vezes, elas ocorrem porque o texto nao esta claro para o leitor que nado conhece o contexto original. Mas freqdentemente as escrevo porque o texto geralmen te é mal compreendido pelos cristéos, pelos judeus ou por ambos; neste caso, preciso demonstrar que a falta de compreensao tradicional esta equi- vocada, como também explicar por que minha traducao e/ou interpretacao esta correla. 14 Introducao Notas ressaltando a maneira de pensar dos escritores judeus. Como os escritores do Novo Testamento eram todos judeus (acredita-se que Lucas tenha sido um prosélito do judaismo), freqiientemente ressalto seus pa- drécs rabinicos de discussao e argumento. paralelismos na literatura judaica. Menciono paralelos do Novo Tes tamento a partir de fontes judaicas antlgas, medievais e modernas, incluindo as seguinites: « Os apécrifos. Uma colecao de 15 livras judaicos escritos do século Ill ao século [antes da E.C.. Eles foram excluidos do Janakh, embora os catolicos romanos os incluam no canon biblico, Entre eles esto Tobias, Judite, Sabedoria de Salomao, Siraque (Eclesiastico), Baruque, Oracdo de Manassés e 1 ¢ 2 Maca heus. Todas as edicdes em inglés catélicas e algumas protestantes incluem os apécrifos. Iambem existe uma edicao critica de R. II. Charles. + Os pseudepigrafes. Mais de sessenta livros escritus entre 0 século Ill antes da F.C. e 0 século I depois da E.C. normalmente atribuidos a figura do Ta- i nakh por seus autores reais. A maioria o elaborou em cima de temas do Tanakh §, ou é apocaliptico em scu carater (veja minha nota sobre Revelacao 1:1). Cxiste, em uma antiga edicdo em inglés de R. H. Charles e em uma outra mais recente) ¢ completa, editada por James H. Charlesworth, * O Talmud. A parte 1 ¢ 0 Mishna, uma apresentacao em \picos da Tora judaica Oral com discussdes rabfnicas; foi compilado por volta de 220 da EC por Y’hudah HaNasi (Juda, o Principe) e consiste em seis secées divididas em 63 tratados. Hillel, Shammai, Gamli’el e Akiva estao entre os rabinos mais bem conhecidos cujas contribuigdes furam incluidas. A parte Il € 0 Gemara, que consiste em um amplo comentario sobre os tratados do Mishna, feitos por rabinos que viveram entre os séculos Ill ¢ V da E,C.. O lalmud de Jerusalém, com Gemara feito por rabinos principalmente da terra de Israel, é mais antigo, menor e menos conhecido do que o Talmud babi Jonico, com seu Gemara escrito por rabinos da diaspora que viviam na Babilonia ou perto dela. ‘0 Mishna de Blackman é@ uma edigao nas linguas hebraica e inglesa. A edi- ¢&o em inglés, de Soncino, do Talmud ¢ bem conhecida. A edigao em hehralco de Adin Steinsaltz esta sendo publicada, em inglés, volume a volume. + O Ialakhic Midrashim. O primeiro termo significa “relacionado a lei” o segundo “discussdes, homilias, alegorias’. Essas combinacoes do século IV da E.C. contém um material muito mais antigo e rednem Mekhilta (Exodo), Sifra (Levitico) e Sifre (Numeros c Deuteronémio). 0 Mekhlita foi publicado em inglés pela Jewish Publication Suciety eo Sifre sobre Dcuteronémio pela Universidade de Yale. * O Midrash Rabbah. A cdicdo final foi feita entre os séculos VI € X, mas a maioria do material @ muito mais antiga. Inclui o midrashim relacionado ao Fentateuco © 0s Cinco Rolos. Soncino publicau uma edi¢éo em inglés. Entre as fontes medievais que menciono estéo Rashi (Rabino Shlomo chaki, 1040-1105), 0 mais famoso comentarista judcu da Biblia e do Tal- d, € 0 Rambam (Rabino Moshe Ben-Maimon, também conhecido como Mai ;:1135-1204). i conexdes histdricas e conceituais entre o que os rabinos escre- toda a linha do Novo Testamento. No enlanto, evitei 0 exagero — uma vez que nao ha necessidade de duplicar o que Her- ae Introdug4o ———_——_—____—_ 15. mann Strack e Paul Billerbeck fizeram exaustivamente em seu livro de seis vo- lumes Kommentar Zum Neuen Testament Aus Talmud Und Midrasch (Munique: C. H. Beck’sche Verlagsbuchhandlung, 1926, reimpresso em 1978), embora nem todas as suas referéncias sejam igualmente reievantes, O meu propési- to com as notas feitas a partir de escritas judaicos nado é provar que o Novo Testamento copiou o judaismo rabinico nem o contrario, mas simplesmente apresentar uma amostra dos muitos paralelos; veja minha nota em Mattityahu [Mt] 6.7. Assuntos judaicos modernos. Na tradicao ocidental, um comentario académico nao discute assuntos modernos que nao tém relacao direta eviden- te com o texto biblico. Em contraste, eu os investigo — primeiro, porque os comentaristas judeus tendem a fazer exatamente isso, uma vez que véem a vida como um todo; e, segundo, porque a visdo das pessoas sobre assuntos modernos éticos, politicos, sociais e psicologicos podem apresentar sintomas -de objecdes a aspectos do Novo Testamento. 5 Por exemplo, escrevi uma nota sobre quando, como e para quem o evan: “gelho deveria ser proclamado — com referéncia especifica ao evangelismo do “pove judeu — em 1 Kefa [1 Pedra] 3-15-16 (Antes, santificai a Cristo, como #Senhor, em vosso coracao; e estai sempre preparados para responder com man- sid&o e temor a qualquer que vos pedir a razdo da esperanca que ha em vos, terido uma boa consciéncia, para que, naquilo em que falam mal de vés, como za.8 malfeitores, fiquem confundidos os que blasfemam do vosso bom procedi- mento em Cristo”). Em 1 Corintios 4:1-2 (‘Que os homens nos considerem como ministres de Cristo ¢ despenseiros dos mistérios de Deus. Além disso, requer- se nos despenseiros que cada um se ache fiel") existe uma nota relacionada sobre se o evangelismo Judaico € uma tarefa inerentemente va; muitos judeus e cristdos j4 concluiram que sim; minha nota, como vocé pode imaginar, defende o evangelismo de judeus. Ve igual modo, discussdes sobre o casamento entre judeus e gentios ¢ a assimila¢ao da cultura gentia por judeus estado ancorados a versiculos apropriados. Outros assuntos judaicos despontam nas questées cristas. Muitos cris- tdos pensam que a Igreja substituiu os judeus como o povo de Deus e que a terra de Israel nao é¢ mais prometida a eles. Nao sdo poucos versiculos que oferecem oportunidade de se corrigir essa visdo equivocada, como também de demonstrar que o Novo Testamento nao da hase para qualquer farma de anti- semitismo e certamente nao é, ele préprio, anti-semita. Assuntos teologicos despontando do didlogo judeu-cristéo. 0 melhor exemplo é a nota de Romanos 5:12-21, em que abro caminho para uma discussao teolégica sobre o “pecado original”, uma nocéo que, compre- endida da forma que é pela maioria das pessoas, é inaceitavel para ndo-ju- deus messianicos, e parece peculiar para um numero significative de cris- taos. Meu objetivo é dar sentidy a um cunceito deslocado e mostrar como. ele pode ser util. Em diversos lugares lanco perguntas como “Yeshua é Deus?” e “Deus ¢ uma Trindade?” Com essas duas perguntas tento perpassar as respostas auto- maticas de “Com certeza" (cristaos) e "Claro que nao” (judeus) para discutir 0 amago do assunto — respostas positivas e negativas podem surgir de seus con- textos tanto de cristéos quanto de judeus e podem admitir formulacées menos. antagénicas sem comprometer as informacées das Escrituras. 16 Introducdo Elementos devocionais. Este nao é um comentario devocional, mas me sinto com liberdade para intvoduzir um material devocional parcial para dar uma dimensao adicional ao comentario e para fortalecer o conteddo espiritual. Elementos homiléticos. Do mesmo modo, assim como este comentario nao é uma colecdo de sermées nem um gula para que pregadores os escrevam, penso que seu interesse e sua utilidade aumentam por conter material desse tipo Advocacia e apologética. Muito do comentario tem como objetivo pro- mulgar uma abordagem judaico-messianica das Escrituras e defendé-la, as ve- zes contra pontos de vista ndo-judaico-messianicos, as vezes contra varias po sicdes idcoldgicas cristas, e outras vezes ainda contra atitudes seculares. Deus existe. Yeshua é 0 Messias de Israel. A Biblia é a Palavra de Deus para a humanidade. A morte de Yeshua foi necessaria para a salvacao de todos. A lgreja nao substituiu os judeus como 0 povo de Deus. Essas sao as afirmagdes que podem ser defendidas neste comentario, € nao hesito em assim fazer. Nao me obriguei a assumir uma postura neutra acerca de Lodos os assuntos, embora faca assim com alguns _cspecialmente aqueles em que nao percebo um rela- cionamento direto com yuestes judaicas. Desafios e exortacées. As vezes, assumindo 0 papel de pregador, vou além da advocacia ¢ da apologética para desafiar e incentivar 0 Icitor a executar aces responsivas. Anedotas e ilustracées pessoais. As vezes introduzo anedotas ¢ infor macées pessoais que seriam inadequadas num comentario mais formal. Ajudas biblicas. Fxistem no mercado muitas biblias de estudo, diciona rios biblicos ¢ enciclopédias biblicas, introducées a Biblia e muitos outros lipos de ajudas biblicas. Elas explicam como a Biblia ¢ scus livros, individualmente, so organizados, por quem e para quem foram escritos e 0 contexto historico geral, além de detalhes necessarios para a compreensao de que 0 leltor maderno possa necessitar. A inoducao ao NT/ inclui alguns elementos desse tipo; mas, m sua maioria, 0 CJNT nao duplica 0 que essas ohras favem, embora exija para si esse tipo de tarefa em rclacdo a assuntos judaicos. Por exemplo, nao esmitico to- dos 0s livras do Novo Testamento, mas faco isso em Romanos, porque conhecer sua estrutura é importante para compreender o judaismo de sua mensagem. Redundancia para conveniéncia e para educacdo. Construi uma quanti- dade consideravel de redundancias no CJNT. Um leitor com a paciéncia de ler todo o texto pode ficar incomodado ao ver o quéo freqiientemente eu me repito. A maioria dessas repeticoes ocorre Intencionalmente, Luin v objetivo de servir ao Icitor mais usual, que procura uma passagem e nao sabe que posso ter feito o mesmo comen- _ trio em outro lugar. Eu poderia eliminar a redundancia criando referéncias a outras s, ¢fiz isso muitas vezes. Ainda assim, deixei algumas repeticdes, de certa forma evitar que oleitor tenha que ficar pulando de uma parte do livro para a outra 0 todo ¢ parcialmente para enfatizar idéias que espero que o leitor assimile. s coisas foram deixadas de fora. Nao tento explicar tudo. Por latas 3.4 ressalto que “outras interpreta¢6cs sio possiveis”, mas Vis Tntradugao 17 Além disso, vocé provavelmente sera capaz de identificar topicos nao mencianadas que acha que deveriam ser abordados. Se percebermos que vo lumes deste tamanho e maiores foram escritos a partir de um Unico versiculo do Novo Testamento e até mesmo de uma unica palavra, fica claro que muito do que deveria ter sido dito nao foi. Por exemplo, escrevi muito pouco sobre assuntos textuais. Geralmente, accito o texto critico da Sociedade Biblica Unida; mas, além das poucas observacdes na introducao e nas notas de rodapé do NT} eno livro cm si, a “critica inferior" (a analise de problemas textuais com foco em determinar que verséo de um texto é auténtica} é raramente o que o CJNT faz. Algumas pessoas perceberao assuntos judaicus que deixel de fora ou com que lidei de modo que considerarao incompleto ou insatisfatorio. Algumas ques- tdes que lém raimificades judaicas abordei rapidamente, muito embora outros tenham escrito sobre elas profundamente — por exemplo, sobre em que dia da semana Yeshua fol executado, ou ainda, se a comunhao deveria ser oferecida diariamente, semanalmente, mensalmente, anualmente ou quando se desejar. Sou apenas uma pessoa e€ este é apenas um livro. Espero que outras pessoas “preencham minhas lacunas e explorem o novo territério. Corrigindo erros do NTJ. 0 CJNT aponta erros nas edicées anteriores 3do NTJ (além de problemas de impressao) e os corrige na nota apropriada. Veja também 0 paragrafo 7 da Secdo V a seguir. ae VV — O GINT E 0 JUDAISMO MESSANICO Judaismo messianico: 100% judeu e 100% messianico. 0 judaismo messianico define seu alvo como sendo 100% judeu e 100% fiel a Biblia (que consiste no Tanakh mais 0 Navn Testament). Ele se recusa a se adequar a cate- gorias de outras pessoas. A principal objecao do cristianismo: “vocé esta reconstruindo a ‘parede de separagao, que estava no meio.” 0 maior problema dos cris- tdos com 0 judaismo messianico é expresso freqiientemente por essas palavras. “Voc esta reconstruindo a ‘parede divis6ria’, que o Messias derrubou (Efésios 2:11-16). Sua énfase no judaismo vai desgastar a unidade dos judeus e dos gen- tios na Comunidade Messianica (@ Igreja)”. Nego que estamos fazendo tal cotsa. Muitas das notas no CJNT sdo voltadas a refutar essa impressao equivocada dos objetivos do judaismo messianico. A principal objecdo do Judaismo: “voce nao pode ser judeu e acre- ditar em Jesus.” 0 problema judaico mais comum com o judaismo messiani- co pode ser estabelecido da seguinte forma: "Vocé esta tentando o impossivel — nao pode aceitar Yeshua como o Messias ¢ ainda assim ser judeu.” A objecdo assume algo que exige prova, uma vez que o C/NT mostra que a verdade é 0 oposto: ndo apenas Yeshua e seus seguidores eram todos judeus, mas ao longo dos ultimos 2.000 anos existiram judeus que tiveram Yeshua como Messias, Salvador e Senhor, ao mesmo tempo em que permaneceram leais ao povo judeu como eles permitiram. O desafio: criar um judaismo messianico viavel. Todavia, a ta- refa de criar um judaismo messianico vidvel que se relacione seriarmente com a histéria e a evolucao tanto do judaismo quanto do cristianismo du- 18 Introdu¢ao rante os ultimos vinte séculos ainda n&o foi realizada. Escrevi dois livros que lida com esse objetivo sistematicamente (algo que o CJNT nao pode fazer, devido a seu formato versiculo-a-versiculo). Meu livro [Manifesto ju- deu messidnico] tem como objetivo ajudar judeus messianicus a organizar pensamentos e acdes enquanto perseguem os empolgantes desafios que enfrenta o movimento do judaismo messianico. Um resumo intitulado Res- toring the Jewishness of the Gospel: A Message for Christians [Restaurando 0 judaismo do Evangelho: uma mensagem para cristaos| é dirigido aos cris~ tdos que nao tém conhecimento do judaisino do Evangelho. Espero, um dia, completar a trilogia com um livro que explique o judaismo messianico a judeus nao-messidnicos. v — EXTRAINDO O MAXIMO DO CJNT Use o NTJ. Como 0 Comentario judaico do Novo Testamento é um vo- », lume que acompanha 0 Novo Testamento Judaico, uma de suas funcdes & explicar a distancia do NTJ das abordagens mais usuais. 0 CJNT pode ser lido com outras versdes, mas 0 fluxo de interacdo entre v texto e 0 comen- trio estara necessariamente ligado, uma vez que o comentario considera, as abordagens do NTJ como algo ja informado e frequentemente explica por que outras abordagens estao erradas. Além do mais, as notas de rodapé fornecem referéncias a todos os 695 versiculos do Tanakh mencionados no Novo Testamento, e seu glossario dispde de equivalentes para mais de 400 nomes € termos cm hebraico encontrados no NTJ; 0 CJNT supde que o leitor tem essa informacdo e raramente a duplica. Assim, para aproveitar 0 maximo de seu CJNT, use 0 NTJ. Leia a Introdugdo do CINT. [ssa é uma parte essencial da Introducao ao CJNT. Nao repito aqui o que escrevi 1a. No entanto, para estimular o interessc ¢ refrescar memérias, enumcro suas oito sessoes com um contetido brevemente anotado. O lettor pode ver que ele discute uma grande quantidade de assuntos gerais quc sio inseparaveis do tema essencial do CJNT. 1. Por que 0 Nava Testamento Iudaico? 0 NT} é necessario para mos- trar aos judeus e aos cristaos que 0 Novo Testamento é uin livro judaico, para combater 0 anti-semitismo cristao, para lidar com a ma interpretacdo Judaica do Evangelho e para ajudar a pensar sobre a maior divisdo da historia: a sepa- rac4o entre a comunidade judaica e a Igreja- 2. A Biblia. Sua mensagem central é que o homem, individual € assocla- damente, pecou e necessita de salvacau; e que Deus graciosamente forneceu essa salvacdo por intermédio de Yeshua, o Messias, para aqueles que confiam nele e 0 obedecem. O Tunakh (Antigo Testamento) ¢ 0 Novo ‘lestamento sao independentes: dois testamentos, uma Biblia — dada ao povo de Deus, Israel, judeus, a quem os gentios sao acrescentados sem se converter av judaismo ndo confiam no Deus de Israel e em seu Messias. _3. © Novo Testamento. Ele contém os quatro Evangelhos, o livro de as. 13 epistolas de Shaul (Paulo), as 8 epistolas gerais e o livro de Reve- -existem. pardgrafos em cada uma dessas cinco divisées. Ha discussoes a om a datacdo e o canon do Novo Testamento, ¢ sobre a opiniao odo meio académico. Introducao 19 4. Como o Novo Testamento Judaico expressa 0 judaismo do Novo Testamento, De trés modos, como explicado acima (cosmeticamente, cultu- ralmente/religiosamente e ideologicamente); utilizando, também, o “portugués Judaico’, definindo expressées em hebraico e iidiche, para que judeus que fa- lam portugués possam incorpora-las em seu discurso diario. Assuntos relativos a tradu¢ao. Dois assuntos principais: (1) tradu- G6es “literais” contra “dinamicas” (conhecidas por alguns pelo termo negativista de “parafrases"), e (2) a que ponto a interpretacao pessoal do tradutor afeta sua traducao (meu ponto de vista é que ele o traduz de qualquer modo, Ingo a tradu- tor deveria admitir isso; nao apenas isso, mas onde existe mais de um significado possivel nao dev traduzir de modo ambigun, ¢ sim escolher o melhor signi- ficado e expressa-lo bem). O texto grego utilizado para 0 NTJé 0 texto critico da Sociedade Biblica Unida, edicao de 1975, que é o mesmo de Nestle-Aland. 6. Razées para certas abordagens. Aqui dou um panorama antecipado do que pretenda fazer no CJNT. Escolhi sete passagens ¢ expliquei por que as Araduzi e como as traduzi, Trés exemplos: Yeshua “completou” ou “cumpriu” a Tora? (Mattityahu [Mt] 5:17). Serd que “ligar e desligar” (Mattityahu 18:18) se jzefere ao controle de deménios ou a determinar a Halachd (lei, pratica comum) “messianica? As frases de Sha’ul sobre “obras da lei’ e “debaixo da lei" se refe- {fem 4 Tord ou ao legalismo? Escrevi um paragrafo sobre cada questao; no CJNT * respondi de forma mais extensiva. > _?. Profecias do Tanakh cumpridas por Yeshua, o Messias. Lima lista tom 54 profecias do Tanakh sobre a primeira vinda do Messias com passagens do Novo Testamento mostrando como Yeshua as cumpriu. Dos cerca de 50 fal- sos messias cunhecidys na historta Judaica, nenhum cumpriu mais do que al- gumas; ele cumpriu todas. Infelizmente, a lista contém erros nas trés primeiras edi,des em inglés com capa de papel ¢ na primeira edigao com capa dura: por favor, faca as correcdes como se segue: PAGINA | PROFECIA | AGORA SE LE DEVERIA LER-SE XxVi ts “marca’ o “calcanhar” “marca” ou “esmaga" a da serpente “cabeca” da serpente. 2 18:18, 22:18 lapagar] e 11:23 13:23 7 su 118 XxVIL Be 7:48 lapagar} 188 Mattityahu 27:31, 39-44. | Mattityahu 26:67-68; 67-68 27:31, 39-44 —} —|- xxix le 20:25 20:35) # 24:31(20) 34:21(20) 6 Mattityahu 2:1; Lucas | Romanos 5:6, 3:1, 23 Ikefa 3:18 20 Introdu¢ao 8. Utilizando o Novo Testamento Judaico. © texto do NTJ tem cita- des do Tanakh em negrito, com livro, capitulo e versiculo em notas de rodapé no final de cada coluna. Um indice com as 695 citacées do Tanakh encontra: se no final. Dois mapas mostram Fretz-Israel (a Terra de Israel) na época de Yeshua, e 0 Mediterraneo Oriental e o Oriente Proximo na época do Segundy Templo; Ha uma chave para lugares-nomes. Glossarios com tradugao para 0 portugués de nomes e termos em hebraico ¢ aramaico; um “glossario inver- tido” fornece equivalentes em hebraico e aramaico dos tradicionais nomes € palavras em portugues. VI — CONVENCOES USADAS NO CINT Abreviagées gerais. Abreviacées padres incluem “vy.” e "vy." ('versiculo” € “versiculos”), “s.” € "ss." ("e 0(s) Seguinte(s) versiculo/versiculos”) e “ad loc.” (do latim ad locum, “no lugar” em que a mesma passagem é discutida). 0 Novo Testamento Judaico é abreviado "NT/' e a versao King James da Biblia, também conhecida como Versdo Autorizada, freqiientemente é referida como "KJV". Outras versdes nao sao abreviadas. As abreviacoes “E.C." e"a.E.C.” significam “Era Comum’ (d.C.) € “Antes da Era Comunt (a.C), sobre essas convengécs veja nota em Mattityahu [Mateus] 2:1 Nomes e abreviacées de livros do Novy Testamento. Alguns dos no mes de livros do Novo Testamento utilizados no NTJe no CJNT séo os nomes he- braicos, listados na tabela a seguir com seus equivalentes mais usuais em portu- gués. Esses nomes sdo escritos em sua totalidade no inicio de uma frase ou quan- do é feita referéncia a um capitulo inteiro (sem referéncias a versiculos). Quando existe uma referéncia a versiculo, sao utilizadas as seguintes abreviaces: At Atos dos Lmissarios (Atos dos Apéstolos) 1Co 1Corintios 2Co 2Corintios ch Colossenses Ef Efésios Gl Galatas 1Ke \Kefa (1Pedro) 2Ke 2Kefa (2Pedro) Le Lucas JM Judeus Messianicos (Hebreus} Mc Marcos Mt Mattityahu (Mateus) Fm Filemon Fp Filipenses Romanos Revelacdo I Tessalonicenses 2Tessalonicenses Tito 1Timéteo 2Timoteo Ya’akov (Tiago) Y’hudah (Judas) Yochanan (1oa0) 21 —__—_____- Introducao 1Yn 1Yachanan (1jodo) 2Yn 2Yochanan (2Joao) 3Yn 3Yochanan (3Jodo) Exemplos: Veja 1Co 15:3 Veja LCorintios, Capitulo 15, versiculo 3 Veja 1Corintios 15 Veja 1Corintios, Capitulo 15 Veja Yd 6 Veja Y'hudah (Judas), versiculo 6 Yochanan 1:12 [Sem abreviacao ("Yn") no comeco de uma frase]. Nomes, ordem e versificacao dos livros do Tanakh (Antigo Testa- mento). Os nomes tradicionais em portugués dos livros do Tanakh sao utiliza- dos, sao escritos completamente, nunca abreviados. Quando muitos sao lista- dos, a ordem é a da Biblia hebraica, que é a seguinte: PENTATEUCO PROFETAS POSTERIORES — ESCRITOS. (Tord ou CHUMASH) iN’) (K'TUVIM) Genesis Isaias Salmos Fxodo Jeremias Provérbios Levitico Ezequiel J6 Nameros (Os 12 Profetas) (Os Cinco Manuscritos) go” Deuterondmiv Oséias C&ntico dos Canticos Joel Rute ANTIGOS PROFETAS ‘més Lamentages (N'VI'TIM) Jonas Eclesiastes Miquéias Ester Josué Naum Daniel Juizes Habacuque Fedras Samuel Sofonias Neemias 2Samuel Ageu 1Crénicas ikeis Zacarias 2Crénicas 2Reis Malaquias Referéncias a capitulo e versiculo estéo como na Biblia hebraica; onde a Biblia crista difere no ntimero de capitulo e versicula, a ele sdo acrescentados em parénteses imediatamente depois. Exemplos: Veja Exodo 20:12-17 (12-14), Joel 3:2 (2:29), Malaquias 3:23-24 (4:5-6), Salmo 51-17 (15), Neemias 4:6 (3:38), 2Crénicas 18:21-24. Seqiiéncia de Notas no CJNT. Notas referentes a uin grande grupo de versiculos precedem notas referentes a um grupo menor de versiculos, que por sua vez precedem notas referentes a versiculos e porcdes individuais. Exemplos: Cartiuio 8 8:1-9:6 Nota para a passage que comeca no capitulo 8, versiculo i, e termina no capitulo 9, versiculo 6. 1-13 Nota para 0 capitulo 8, versiculos 1-13 1 Nota para o capitulo 8, versiculo 1 22.5 ——_—______—_. Int rodugao. —_——__—__——_ 2-3 Nota para o capitulo 8, versiculos 2-3 3 Nota para o capitulo 8, versiculo 3 5a Nota para o capitulo 8, primeira parte do versiculo 5 Sb-6 Nota para o capitulo 8, segunda parte do versiculo 5 e versiculo 6 10-12 Nota para o capitulo 8, versiculos 10-12 Capito 9 1-6 Nota para o capitulo 9, versiculos 1-6 7 Nota para o capitulo 9, versiculo 7 Referéncias ao texto de NTJ e a notas do CJNT. Referencias ao texto do NTJ sao por livro, capitulo ¢ versiculo; as notas do CJNT sao referidas por essas quatro Abreviacdes: N nota NN notas &N e nota &NN e@ notas Exemplos Veja Mt 5:3 Veja Mattityahu, capitulo 5, versiculo 3 Veja Mt 5.3N. Veja a nota para Mattityahu, capitulo 5, versiculo 3 Veja Mt 5:3&N Veja Mattityahu, capitulo 5, versiculo 3 ¢ sua nota. Veja Rin 10:4-8NN Veja as notas para Romanos, capitula 10, versiculos 4-8 Veja Rm 10:4-8&NN Veja Romanos, capitulo 10, versiculos 4-8 ¢ suas notas Veja Rm 10:6-8N Veja a nota (singular) para Romanos, capitulo 10, versiculo 6-8 Uso do negrito nas Notas. Uma citagao do(s) versiculo(s) sendo comentado(s) é impressa em negrito. No comeco de um paragrafo ele normal mente indica que 0 comentario € apenas sobre aquela porcao do(s) versiculo(s). Citacdes de outras partes da Bihlia aparecem em tipo romano comum. Prontncia de nomes ¢ termos em hebraico, aramaico e grego. No- tes € termos em hebraico e aramaico sdo transliterados de modo a facilitar a pronincia de israelitas. Vogals suam como as letras cm italico nas seguintes palavras: pai, mel, investir, obedecer, rua. J4 pata as consoantes, o “ch” € pro- nunciado como em Johann Sebastian Bach, bem como 0 "kh"; "y” é sempre como em “guia”; outras consoantes s4o mais ou menos como em portugués. O gutural aleph é freqiientemente representado por um apéstrofe (’) antes de uma vogal (exemplo: Natan'el, pronunciado Na-tan-el ¢ néo Na-tan-el. A parada gutural mais forte ‘ayin (mais fundo na garganta, perto do som de um “g" mais duro) 6 normalmente representado por um apéstrofe reverso (’) antes ou depois de uma vogal. > Ao transliterar nomes ¢ termus em grego, fiz um pequeno esforgo para ugar o leitor a pronunciar as palavras corretamente. Procurei fazé-lo de modo qué.a prontincia ficasse igual 4 da moderna Atenas, e ndo como seria equivo- cadamente feito em seminarios cristdos. Eu uso “e" para significar a letra grega “epsilon” e.é" para significar "éta’, “o" para significar “omicron” e “d" para signt- ficar “6mega’. Uso tanto “u” quanto “v" para “upsilon’, esta é minha tentativa de TT Int roducico ——___—__________ 23 ajudar 0 leitor a encontrar a proniincia correta (no entanto, onde esta escrito “u’, a pronuncia correta nao é “a”, mas “i”, como também para “i, “é", “el’, e "or". Também “e" e “ai” sdo pronunciados “é" ¢ "au" @ "ii". A consoante “b" tem som de “v’, “d’ soa como “d" em “idéia", “th” é como em “fim” e “g" como o “i” de “caiaque” ou um “g” suave. Para mais informagées consulte qualquer texto sobre linguagem grega moderna. Nomes hebraicos e portugueses. Enquanto no texto do NTj utilizei apenas formas do hebraico de nomes pessoais e lugares, no comentario per- mito usar os nomes mais familiares aos leitores da lingua portuguesa. Assim, troco entre "Avraham" e "Abraau", “Yitzchak” e “Isaque’, “Ya'akov’ ¢ “Jaco” (Ta nak) ou “Tiago” (Novo Testamento), etc. Veja o Glossario do NT/¢ 0 Glossario Invertido para esclarecimentos. Vil — AGkeADECIMENTOS, , A palavra “agradecimentos” é algo palido ao se referir a minha divida de | Btatidao para com meus pais de abencoada memoria, Harold Melrose Stern (1R92- 51981) e Marion Levi Stern (1899-1976), pelo amor, pela orientacao ética, por meu crescimento na comunidade judaica e por outras héncAns que me deram. 0 termo também falha para expressar o que devo a minha esposa, Martha Frances (Frankel) Stern, que tem sido n&o apenas uma eshet-chayil (‘mulher « -virtuosa", Provérbios 31:10-31) e uma ezer k'negdi (‘ajudadora idénea”, Génesis 2:18), mas que também leu todo o manuscrito ¢ ofereccu conselhos sabios, aceito a total responsabilidade por qualquer deficiéncia devido a minha teimo- sa falha em ouvi-la. oe Doutor Paul Ellingworth, consultor de traducdio para a Sociedade Biblica Unida e editor do livro The Bible Translator [O tradutor da Biblia}, passou trés semanas inteiras Cumigo revisando cada palavra de uma versdo anterior do Novo Testamento Judaico. Seu conselho melhorou minha traducdo. Se o leitor discurdar de algumas de minhas abordagens mesmo depois de ler a minha de- fesa neste comentario, nao 0 culpe. Joseph Shulam, um judeu messianico que conhece muito bem tanto o judaismo quanto o Novo Testamento, tinico em sua maneira de relacionar um ao outro, € meu amigo intimo e consultor freqiiente. Tenho certeza que este comentario é o melhor para nossas conversas. Martha e eu conhecemos Barry e Steffi Rubin desde a metade dos anos 1970. Desde 1989, Rarry é 9 diretor executive do Ministério Messianico Lede- rer, e também administra a Jewish New Testament Publications. Steffi, artista maravilhnsa, compds a impressao do CJNT. Somos gratos pelo trabalho deles ¢ ficamos felizes por nossa amizade. Alem de expressar apreco especial por cada uma dessas pessoas, quero acrescentar que aprendi me benefiviei com muitas outras dentro da comunida- de judaico-messianica de Israel, dos Estados Unidos e do resto do mundo. Tam- bém ganhei o comhecimento de professores e amigos que sao cristaos gentios, nao-judeus messianicos, e de pessoas que nao sao judias nem cristés. Sem que liste seus nomes, espero que reconhecam minha intencao de lhes agradecer. 24 Introdugao Finalmente —e as palavras aqui nao exprimem o suficiente — agradeco ao meu Deus, 0 Deus de Abrado, Isaque e Jaco, € a0 seu Messias Yeshua, Salvador ¢ Senhor meu e do povo judeu (‘Louvado sejas, Senhor nosso Deus, Rei do univer- 50, que nos manteve vivos, nos preservou e nos capacitou a chegar até aqui”). David H. Stern 78 Manahat, 96901 Jerusalém, Israel Rosh-HaShanah 5753 (Setembro de 1992) ADENDO A TERCEIRA EDICAO (1994) Com esta edigao estou inaugurando um sistema para acrescentar novas informagoes ao comentario sem desorganizar o layout e 0 indice do original. Onde tenho algo novo a dizer (mais do que umas poucas palavras), estou colo- cando em um apéndice em vez de por nas notas originals. O apéndice comeca na pagina 931. David H. Stern Yom HaAtzma'ut 5754 (Abril de 1994) ADENDO A SEXIA EDICAO (1998} Esta é a primeira ediclo a aparecer ap6s a publicacdo do meu Complete Jewish Bible [Biblia fudaica completa}, minha versao do Tanakh mais 0 NT]. Por razées cstilisticas, 0 NTJ, como aparece no CJR, é ligeiramente diferente das edicdes publicadas anteriormente do NTJ. Modifiquei 0 minimo possivel, para que leitores do CJNT nao tenham dificuldades ao utilizar 0 C/B do NT). David H. Stern Chanuca 5759 (Dezembro de 1998) As. boas-novas de Yeshua, 0 Messias, contadas por Maitityahu (Mateus) Carituto | 1-16 0 Novo lestamento comeca com a genealogia de Yeshua para mos- trar que cumpre todas as exigéncias estabelecidas pelo Tanakh com relacdo ao Messias — um descendente de Avraham (Génesis 22:18), Ya‘akev (Nimeros 24:17),Y"hudah (Génesis 49:10), Yishai (Isaias 11:1), David (2Samuel 7:13: veja abaixo em “Filho de David") e Z'rubavel (Haggai 2:22-23). Todos esses nomes aparecem em wv.1-16. Essa genealogia lembra o padrao das suas similares no Tanakh (Génesis 5, 10; 1Crénicas 1-9 etc.). A genealogia do Messias camo registrado por Lucas é diferente da que aqui esta: veja Lc 3:23-38&N, 1 “Yeshua, o Messias”, ¢ chamado de “Jesus Cristo” em outras versdes em portugués, como se 0 primeiro nome do homem fosse “Jesus” © seu su- brenome “Cristo”. Nenhum dos dois é 0 caso. "Yeshua" é o nome de Jesus em hebraico ¢ cm aramaico, os idiomas que ele falava, ern seus 30 © poucos anos na Terra as pessoas o chamavam de Yeshua. A palavra “Jesus” representa 0 es- forco das pessoas que falatn portugués ao tentar pronunciar o nome do Mesias como aparece nos manuscritos gregos do Novo Testamento, “Iésous" — iee-sus em grego modermo, talvez iai-sus no antigo grego koiné, que substituiu o ara- maico como o principal idioma do Oriente Préximo depois das conquistas de Alexandre (331-323 a.E.C.). Assim, a palavra “/ésous" representa a tentativa das pessoas que antigamente falavam grego de pronunciar “Yeshua”. Ao utilizar 0 hebraico "Yeshua", no entanto, o NIJ chama a atencao para 0 judaismo do Mes- sias. Sobre o nome “Yeshua’ veja o versiculo 21&N. © Messias. A palavra grega aqui é “Christos’, que tem o mesmo signifi- cado que a hebraica “mashiach’, a saber, “ungido” on “aquele sobre 0 qual foi 26 ————————. Mat tityahu (Mateus), ————————__ derramado”. © significado de ser conhecido como “O Ungido” é que tanta os reis quanto os kohanim (sacerdotes) eram inyestidos de sua autoridade numa cerimonia de uncao com dleo de oliva. Assim, nerente ao conceito de “Messias’ éa Idéla de receber autoridade sacerdotal e real da parte de Deus. ‘A palavra grega “Christos” é usualmente traduzida para 0 portugués como. “Cristo”. Lm dois versiculos do Novo Testamento (Yn 1:41, 4:25) 0 texto grego efa *Messias’, obviamente como no portugués “Messias”, uma transliteracao da palavra hebraica; ali o NTJusa “Mashiach" (veja Yn 1:41N). © NTI também chama “Christos’ de “Mashiach’ em duas narratives onde © seu significado judaico especifico esta em destaque: em 16:15 e et 26.63 (e, equivalentemente, em Mc 8:29, 14:61; Le 9:20, 22:67). Outros podem ter usado case critério para introdu7tr “Mashiach" em outras passagens, como se pode ver cm At 2:31, 36, 38. A decisao do tradutor de usar “Cristo”, “Mesias” ou "Mashia- ch’ depende do propésito de sua traducao. No final das contas, vai depender de sua intuicao ou de sua preferéncia pessoal. Entretanto, no texto do NTJ, o termo Christos é traduzido como “Messias’: “Cristo” nao aparece seqer uma vez. Isso ocorrc porque “Messias’ tem signifi: cado na religido judaica, em sua tradicau e cultura; enquanto a palavra “Cristo tem um tom estrangeiro e uma conotacao negativa devido a perseguicio sofrida, pelos judeus por parte daqueles que alegavam ser seus seguidores. Além disso, a utilizacdo da palavra “Messias” em mais de 380 vezes no texto du NT/ ¢ uma lembranca continua de que v Novo Testamento alega que Yeshua fe7 simples: mente o que foi feito pelo Mashiach que o povo judeu tando espera. A palavra em portugués “Cristo” nao aponta 0 cumprimento por Yeshua das esperancas Judaicas e da profecia biblica. Filho de. A palavra hebraica "ben" (‘filho”, “filho de") é comumente usada em tres diferentes modus na Biblia e no judaismo: (1) Tanto na Biblia quanto 110 judaismo, um homem é@ normalmente !den- tificado como um filho de seu pal. Por exemiplo, se 0 filho de Sam Levine, Joe, é chamado para ler um rolo da Tord na sinagoga, ele sera anunciado nio como Joseph Levine, mas como Yosef ben Shmu’el (‘Joseph, filho de Samuel’). (2) “Ben” também pode significar ndo 0 filho de fato, mas um descen- dente mais distante, como era o Lasv neste versiculo: David e Avraham eram ancestrais distantes de Yeshua (também v. 8; Yoram nao cra o pai, mas o tata- ravé de Uziyahu). (3) Em terceiro lugar,"ben" pode ser utilizado mais amplamente para sig- muhcar “tendo as Catacteristicas de”, c isso também se aplica aqui: Yeshua tinha as qualidades encontradas tanto em Avraham quanto no rei David. Filho de David. Avraham e David sao destacados porque tém uma im- portancia tinica na linhagem do Messias. O termo “Filho de David" é, na ver- dade, um dos titulos do Messias, tendo como base as profecias do Tanakh de que 0 Messias seria um descendente de David e se sentaria do trono de David para sempre (para as referéncias do Tanakh, veja At 13:238N). Enquauito “Fie ho de David’ nao aparece como um titulo messianico no Janakh e ¢ visto la primeira vez como tal na pseudoepigrafe Salmos de Salomao 17:23, 36, 0 séctilo 1 a.E.C., 0 Novo Testamento registra 0 uso dessc termo de ‘A vlute vezes, ¢ ele tem sido continuamente urilizado no judaismo até Avraham. Este termo é significativo em pelo menos quatro maneiras: 6 0 rei David quanto o rei Yeshua seguem seus ancestrais até o sido por Deus como 0 pal do povy judeu (Génesis 12:1-3). Mattityahu (Mateus) ————__—_——-_ 27 (2) Yeshua é a prometida “semente de Avraham’ (Génesis 13:15, explica- do por Gl 3:16). (3) A identidade mistica do Messias com o povo judeu (veja 2:15N) aqui é sugerida, uma vez que todo judeu é um filho de Avraham (3:9). (4) Yeshua também tem uma identidade mistica com todos aqueles que acreditam nele, sejam judeus ou gentios (Rm 4:1, 11, 17-20; Gl 3:29). 3, 5, 6, 16 Tamar... Rachav... Rut... a esposa de Uriyah (Bat-shie- va)... Miryam. Mulheres, especialmente aquelas nascidas gentias, raramente cram incluidas nas genealogias biblicas. As primeiras quatro eram mulheres gentias a quem Deus tinha honrado incluindo as entre os ancestrais registrados de Yeshua, v Messias judeu — por meio de quem os gentios, as mulheres e os escravos tinham a salvacdo igualmente com os judeus, os homens e os livres (GI 3:28&N), Sobre se essas mulheres se tornaram judias ou continuaram a ser gentias veja At 16:1&N. 16 Yosef, marido de Miryam, da qual nasceu Yeshua. A mudanca “de linguagem da ladainha "X gerou Y” assinala que Yeshua nao foi concebido de rode usual; outras passagens estabelecem que o Espirito Santo de Deus descent # sobre Miryam, levando-a a engravidar sem unido sexual (vv. 18, 20: Le 1:27, 31, .& 34-38: veja também wv. 18-25&NN, le 3:23-288N) Yeshua, chamado o Messias. Esta frase um tanto peculiar chama a :.#sifencao pelo fato de que a genealogia leva até essa pessoa em particular cha mada Yeshua, 0 Yeshua que era conhecido como o Messias. Nao existe nenhuma implicagao de que ele nao cra o Messias; cle sc chama de Messias porque ele eraeé. 18-25 Sobre a concepgao e o nascimente de Yeshua compare com Le 1:26- 38, 2:1-7; Yn 1:21-2:14, 18 comprometida. A palavra hebraica/aramaica para noivado 6 *ki- ddushin’, que significa “santificacao, separacdo", ou seja, a separaco de uma mulher em particular para um homem em particular. De acordo com 0 Mishna, oadultério durante 0 periodo de noivado é um pecado mais sério do que depois do casamento. O Mishna especifica quatro tipos de pena de morte. em ordem descen- dente de seriedade: apedrejamento, ateamento de fogo, decapitacdo e estrangu- lamento (Sanhedrin 7:1). Um homem que tem relacées sexuais com uma mulher noiva é submetido a mesma punicdo que alguém que teve relacdes com sua mie, ou seja, 0 apedrejamento (Sanhedrin 7:4). Aquele que se relacionou sexu aimente com a esposa de outro homem é passivel de morte por estrangulamen- to (Sanhedrin 11:1). Hoje, com o objetivo de eliminar parcialmente a possibilidade de cometer esse grave pecado, o noivado judeu formal (kiddushin ou 'erusin) © o casamento (nisu'in) geralmente sao combinados numa unica ceriménia. Ruach HaKodesh, 2 expressau hebraiva para “Espirito Santo”. O termo aparece no Tanakh (Isaias 51:13(11), 63:10-11) e é equivalente a “Espi Deus” (Ruuch-Elohim), visto primeiro em Génesis 1:2 como se movendo “sobre a face das aguas” antes que Deus dissesse “haja luz”. A partir desse versiculo, Isafas 48:16 € de outras referéncias na Biblia, pode-se aprender que 0 Espirito Santo é divino, néo menos ou diferente do que Deus. Sob os termos da Nova 28 ———__——_- Matttityahu (Mateus) —————————_—_ Alianca, Yeshua enviou 0 Espirito Santo para habitar em qualquer pessoa que confiar em Deus por intermédio do Messias. O Espirito Santo capacita a pessoa para uma tarefa, guia para a confianca em Deus, d4 dons para facilitar uma vida santa de frutos e um comportamento reto. Miryam. Em portugués, esse nome. hebraico é usualmente traduzido com a grafia “Miriam” no Tunakh, e ‘Maria’ no Novo Testamento. Essa distin¢ao infundada e artificial produzida por tradutores subitamente cria uma lacuna entre a mac de Yeshua e seu proprio judaismo. A Miriam original era a irma de Moshe Rabbenu ("Moisés, nosso professor’; Exodo 2:4-8) e uma profelisa (Exodo 15:20); em alguns aspectos, ela é vista como um exemplo para a mulher judia nos dias de hoje. Contudo o nome “Maria” evoca no leitor pensamentos sobre uma imagem de “Madonna e Filho", cheia de esplendor, sorriso beatificado e cercada de anjos, em vez do retrato do Novo Testamento de uma senhora judia terrena num yilarejo de Israel, administrando seu casamento, sua maternidade e oulras responsabilidades sociais com cuidado, amor e fé. A mae de Yeshua se encontrou gravida pelo Ruach HaKodesh. Ma\s cedo ou mais tarde tados descubriram que ela estava gravida. Mas nem todos descobriram que ela tinha engravidado como resultado nao de relacées sexuais mas da atividade sobrenatural do Espirito Santo. O “nascimento virginal” foi um evento sobrenatural (veja a Seco (1) do v.23N). © Dens que fez os céus € at terra é bastante capaz de levar uma mulher a engravidar de um modo que nao 6 possivel na narureza. Mattityahu informa a seus leitores da concepcao sobrenatural de Yeshua para refutar a inferéncia Obvia e natural de que Miryam tinha se comportado de forma errada. Os antigos rabinos desenvolveram uma tradico pela qual Yeshua era filho ilegitimo de Miryam e de um soldado romano chamado Pantera (no sécula tT, Tosefta, uma colecao similar ao Mishna, veja Chullin 2:23; no Tal- mud babilonico do século V, veja Sanhedrin 43a, 67a), Essa caliinia, inventada, é claro, para refutar as alegacées dn evangelho. foi mais trabalhada na obra antievangelho do século VI Toledot-Yeshu (veja v.21N). pastes 8 20 Adonai, literalmente “meus scnhores”; mas os gramaticos conside- ram como senda a “plural da majestade”; assim uma traducéo menos literal seria “meu Senhor". Muito antes da época de Yeshua, porém, a palavra “Adonai” tinha, por uma questo de respeito, subsritufdo ao falar © ao ler em voz alta o nome pessoal de Deus, as quatro letras hebraicas yud-heh-vay-heh, normal: mente escrito em portugués como “YHVH', “Javé” e “Jeova’. O Talmud (Pesachim 50a) tornou uma exigéncia néo pronunciar o Tetragrammatron (palavra que sig- nifica o “nome de quatro letras” de Deus), € isso permanece como regra nas comunidades judaicas mais modernas. De forma diferente dessa tradi¢ao (que, do meu ponto de vista, é desnecessaria, mas inofensiva) 0 NTJ usa “Adonai” onde o original diz “YIIVH” (incidentalmente, 0 nome “Jeova” ¢ uma inven¢ao moderna, um hibrido baseado nas quatro Ictras hebraicas numa transliteragaa alemao, J-H-V-H com as vogais individualmente transliteradas do hebraico “ Adonai’, e-0-a). ‘A palavra grega aqui é “kurios", que pode significar (1) “senhor", no sen- 0, como em “senhor de engenho” (2) “Senhor” no sentido divino ou pessoal de Deus YIIVi. O NTJ usa “Adonai” apenas quando se pode gale que “YHVH’ é o significado correto; nao é utilizado se existe as edicdes do NTJ sao conservadoras a esse respcito; existem, ‘lugares adicionais no texto em que “Adonai poderia tranqtiila Mattityahu (Mateus) 29 mente ser substituido por “Senhor”. Para mais informacées sobre “kurios’, veja 7:218N. 21 Fsse versiculo é um exemplo de um “semitismo” (uma alusdo ao he- braico ou ao aramaico), traduzido literalmente para o texto grego. Ele fornece fortes evidéncias em favor da teoria de que havia tradicéo Oral ou escrita he- braica ou aramaica por tras dos manuscritos gregos, pois apenas em hebraico ou aramaico a cxplicagao do nome de Yeshua faz alguin sentido; em grego (ou portugués) ndo explica nada. A palavra hebraica para “ele salvara “€ “yoshia’, que tem a mesma raiz hebraica (yud-shin-‘ayin) do nome Yeshua (yud-shin-vav-‘ayin). Assim, 0 nome do Messlas € explicaco com base naquilo que ele vai fazer. Etimologicamente, © nome Yeshua‘ é uma contragdo do nome hebraico Y'hoshua‘ (em portugués, “Josue"), que significa “YHVH salva’. Também é a forma masculina da palavra hebraica “yeshu‘ah”, que significa "salvacdo”. . A versdo em portugués desse versiculo é "...e chamaras 0 seu nome JE: » SUS; porque ele salvara 0 seu povo dos seus pecados”. Mas em portugués, salvar “€5 pessoas de seus pecados nao é uma razdo para chamar alguém de Jesus mais do que chamar de William ou Francisco. Fm gregn nao é diferente; apenas em ‘yhebraico ou aramaico de fato é valida essa explicacdo. se No hebraica moderno, Yeshua é normaimente chamado de Yeshu (yud- shin-vay, sem 0 ‘ayin) pelos nao-crentes. Esse versiculo também mostra por eee o nome “Yeshu” nao poderia, de modo algum, ser correto — ele nao inclui todas as trés letras da raiz hebraica de yoshia’, No entanto, 0 assunto exige mais informagées. De acordo com os professores David Flusser e Shmuel Safrai, judeus orto- doxos, “Yeshu” é como "Yeshua" era prouunciado pelos judeus galtleus no século 1. Como mostra 26:73, os judeus da Galiléia tinham um dialeto diferente daque- Jes da Judéia. Segundo Flusser em Jewish Sources in Early Christianity, p. 15, [Origem judaica no cristianismo primitivo], os galileus nao pronunciavam a letra hebratca ‘ayin no final de uma palavra. Ou seja, em vez de pronunciar “Ye-shu a”, eles diziam “¥é-shu”. Sem davida, algumas pessoas comecaram a soletrar 0 nome de acordo com essa pronincia. No entanto, esse nao é 0 final da historia. Na polémica judaica anticris- tG, tornou-se costume nao usar o nome correto de Yeshua, mas intencional e conscientemente usar a distorcdo “Yeshu", porque em algum momento alguém percebeu que "Yeshu" também é um acrénimo consistindo nas primeiras le- tras do insulto hebraica “Yimach sh'mo v'zikhro” (‘Que seu nome e sua me- méria sejam apagados”, as palavras adaptam e expandem a Ultima frase de Salmo 109:13). Assim, “Yeshu" era um tipo de imprecacio codificada contra 0 evangelismo cristo. Mais ainda, desde que Yeshua passou a ser lembrado no judaismo ndo-messiinico como um falso profeta, blasfemador e iddlatra, equivocadamente sendo adorado como Deus, e uma vez que a Tord diz “Entao, disse Moisés a Deus: Lis que quando vier aus fills de Israel ¢ Ihes disser: 0 Deus de vossos pais me enviou a vos; ¢ eles me disserem: Qual é o seu nome? Que thes direi?” (Exodo 3:13), 0 nome do Messias era pronunciado de forma errada propositalmente. Hoje, a maioria dos israelitas que diz “Yeshu" acredita que esse ¢ o nome correto do homem e o dizem sem outras intencoes. 0 NTJ evita "Yeshu" devido a esse relato, e também porque em hebraico essa palavra, assim como “Jesus” em portugués, carrega o significado de ser “o deus adora- do pelos gentios”. 30 Mattityahu (Mateus) ———————— Mas Yosef Vaktor (veja 10:37N) reinterpreta o acrénimo para exaltar Yeshua, *Yitgadal sh’mo umalkhuto!” ("Que seu nome € scu reino sejam magni- ficados!”). 22 Tudo isso aconteceu para cumprir o que Adonai disse por meio do profeta. A Nova Alianca consistentemente se apresenta como sendo o cum- primento de profectas e promessas feitas por Deus no Tanakh. Essa conformt- dade a declaracées de previsdes feitas centenas de anos antes, cm desafio a todas as probabilidades razoaveis, provam que Deus “cunhecia 0 final desde 0 principio”, £, neste caso, mostra, sem davida alguma, que Yeshua é o Mesias. O cumprimento das profecias é a principal razao, baseada na observagao empiri ca de eventos historicus — ou seja, em fatos — para judeus e outros aceitarem Yeshua como 0 Messias. Houve mais de 50 pretendentes messianicos nos ultimos 2.000 anos de his- téria judaica, comecando com Todah (I heudas) e Judah HaG'lili (At 5.36-378NN), continuando com Shim’on Bar Kosiba (morto em 135 E.C.), que o rabino Akiva reconheceu como v Messias mudando seu nome para “Bar-Kochva" (“filho de uma Estrela"; veja 2Ke 1-19N em “a Estrela da Manha’), e culminando em Shabtai T2vi ” (1626-1676), e se converteu ao Islamism, € lacob Frank (1726-1791), que se, Converteu ao catolicismo, Mas nenhum deles cumpria o critério estabelecido no~ Tanakh no que se refer a identidade do Messias; enquanto Yeshua cumpria to- das as que sao aplicaveis a sua primeira vinda (a lista de profecias cumpridas esta listada em 26:24N e na Segao VII da Introdugao ao NTJ Jabuti). Dos quatro escritores dos Evangelhos, Mattityahu especialmente se preocupa cm apontar esses cumprimentos (veja: 5, 15, 17; 3:3; 4:14; 8:17; 11.10, 12:17; 13:14, 35; 21:4; 22:43; 26:31; 27:9). Seu objetivo é mostrar que Yeshua deveria ser reconhecido comu 0 Messias porque cumpriu aquilo que Adonai disse sobre 9 Messlas por intermédia dos profetas do Tanakh. 0 que Adonai disse por meio do profeta. Sobre esta frase, vcja 2:15N, a quatro paragrafos do fim. 23 A virgem concebera, e dara 4 luz um filho. Este versiculo introduz uma das principais controvérsias no que se refere ao uso da Biblia hebraica no Novo Testamento. A seguir, estao trés ubjecGes que judeus nao messianicos e outros céticos freqiientemente fazem a colocacdo que Mattityahu faz de Isaias 7:14b neste versiculo, junto com respostas judaico-messtanicas. 1) Objecdo: o nascimento de uma virgem é impossivel. Resposta: No pensarnento académico liberal, milagres so caracteristica- mente explicados como um fenémenv natural disfarcado. Alguém pode elabo- rar essa afirmacao apontando casos de partenogénese no reino animal ou em modernas expcriéncias de clonagem. Mas nao é a caso de parlenogénese huma- na. E preciso pensar no nascimento virginal como algo sobrenarural. Normalmente, objecdes a um nascimento virginal como sendo alga im- jvel sao resultado de um pensamento légico de fazer objegdes a todo ¢ er tipo de sobrenaturalismo. Mas o Deus da Biblia é, literalmente, “so- acima da natureza, uma vez que ele criou a natureza € suas leis. isso se adequar a seus propésitos, ele pode suspender essas leis. A ig.tie Tanakh quanto no Novo Testamento, ensina repetidamente que ‘na historia humana e as vezes altera 0 curso natural dos eventos the sd convenientes. 34 Mattityahu (Mateus) Freqiientemente, sua razéo, como ocorre aqui, é dar 4 hurnanidade um sinal de sua soberania, de sua presenca e preocupacao. De tato, Isaias 7:14a, que precede imediatamente a frase mencionada, diz: “Portanto o mesmo Senhor vos dara um sinal". A palavra hebraica para sinal ("“ot’) significa um evento extraordinario que demonstra e chama atencdo para 0 envolvimento direto de Deus em assuntos humanos. O “Deus” do deismo, retratado como tendo criado 0 universo como um homem dando corda em um reldgio e deixando que ele funcione por si s6, nao € o Deus da Biblia. 2) Objegao: Isaias, ao utilizar a palavea hebraica “almah’, estava se refe- rindo a uma “jovem mulher”; se quisesse dizer "virgem', teria escrito "b'tulah’. Resposta: “Almah’ é utilizado sete vezes na Biblia hebraica, e em cada aparicao significa explicitamente uma virgem ou implica nisso, porque a pala- vra biblica “almah" sempre se refere a uma mulher solteira de boa reputacao. Em Génesis 24:43, se aplica a Rebeca, a futura noiva de Isaque, ja mencionada em Génesis 24:16 como sendo uma b'tulah. Em Exodo 2:8 ela descreve a irmad «Mais velha do jovem Moseh, Miryam, uma menina de 9 anos de idade e certa- “mente uma virgem (assim, o nome da mée de Yeshua leimbra essa outra virgem). As outras referéncias sdo para jovens donzelas tocando adufes (Salmo 68: 25), “Monzelas scndo cortejadas (Proverbiys 31:19) € virgens da Corte real (Cantico yfdos Canticos 1:3, 6:8). Em cada caso, 0 contexto exige uma jovem solteira de * boa:-reputagao, ou seja, uma virgem. »_ Além disso, Mattityahu aqui esta citando um trecho da Septuaginta, a pri- vwtieira tradugao do Tanakh para o grego. Mais de dois séculos antes de Yeshua nascer, os tradutores da Septuaginta escolheram a palavra grega “parthenos’ para significar “aimah”. “Parthenos” sem divida alguma significa “virgem’. Isso fol muito antes de o Novo Testamento ter tornado esse assunto uma controvérsia O mais famoso comentarista medieval da Biblia judaica, 0 rabino Shlo- mo Yitzchaki ("Rashi", 1040-1105), que se opds enfaticamente a interpretacao cristolégica do Tanakh, ainda assim explicou que em CAntico dos Canticos 1:3, “alamot" (plural “‘almah’) significa “h'tulot’ (“virgens”) e se refere de forma me taforica as nacées. Victor Bukshazen, um cristéo hebraico, em seu comentario The Prophet Isaiah [0 profeta Isaias}, cita Rashi como tendo escrito que em Isaias 7:14 “‘al- mah" significa “virgem". Nas primeiras quatro edi¢ées do Comentariv Judaico do Novo Testamento eu citei Rashi. Foi-me avisado que Rashi ndo escreveu o que eu disse que ele tinha escrito, assim removi a cilacao do corpo principal do C/Ni © aqui pe¢o desculpas por nao ter checado a fonte original. Para mais detalhes, veja o Apéndice na pagina 931. Em edicdes anteriores, também me referi a um artigo de 1953 do Journal of Bible and Religion (Jornal da Biblia e da religiGo}, no qual o académico judeu Cyrus Gordon afirma que as linguas cognatas aceitam a traducdo de “‘almah" em Isafas 7:14 como “virgem’. No entanto, Michael Brown, um académico judeu messidnico com doutorado em Semitica, me disse que as observacGes de Gor- don foram baseadas numa leitura antiga incorreta de um texto-chave ugaritico. Nesse caso, meu erro foi resultado de falta de familiaridade com o pensamento académico moderno. No entanto, a Biblia nos mostra como podemos saber quando um ‘almah € uma virgem. Rivkah é chamada de uma ‘almah em Génesis 24:43, mas pode ser deduzido de Génesis 24:16 (‘E a donzela era mui formosa a vista, virgem, a quem vardo nao havia conhecido; e desceu A fonte, e encheu o seu cantaro, e su- bin”) que ela era uma virgem, Do mesmo modo, sabemos que a ‘alma Miryain 32 Mattityahu (Mateus) —————— era uma virgem em Le 1:34, onde ela pergunta ao anjo como pode engravidar “visto que nao conhece varao?” Uma possivel raz4o para Isaias usar a palavra “‘almah” em vez de bitulah 6 que no hebraico biblico (em oposicdo ao posterior), “b'tulah” nem sempre significa, de forma nao ambigua, “virgem”, como aprendemos a partir da leitura de Joel 1:8; “Pranteiam como a b'tulah’ (...). Deuteronomio 22:19 fala sobre uma mulher aps sua noite de casamento como sendo uma b'tulah. (3) Objecao: em Isaias, o contexto (vv. 10-17) mostra que 0 profeta estava predizendo como um sinal ao rei Achaz que diante da ‘almah como uma crian- ca nao concebida e nao nascida seria velha a hastante para escolher o bem € recusar o mal, a Siria c o Reino do Norte perderiam seus reis ¢ a Assiria alacaria Juda. Essa profecia foi cumprida no século VIII a.E.C. Portanto, 0 profeta nao. estava predizendu um evento que aconteceria cerca de 700 anos depois. Kesposta: (pela qual sou gralu av crente judeu Amold Fruchtenbaum): pelo contrario, o contexto, que inclui tudo de Isafas 7, sao apenas oito versi- culos, mostia que © “sinal" do v.14 nao era para o rei Achaz, a quem se sefere como “vocé” (singular) nos wy, 11 ¢ 16-17, mas para toda a “Casa de David" men- cionada no v.13 ¢ referida como “vocés" (plural) nos vy. 13-14. n, © sinal para Achaz era que antes que um na’ar (“filho”, ou uma crians, ca, nunca um bebé recém-nascido) soubesse como escolher o bem € recusa 0 mal, os eventos de vv.16b-17 ocorreriam. Aquela crianca era 0 filho de Isai- as Sh’ar-Yashuy (v.3), que estava com ele quando profetizava e para quem ele provavelmente estava apontando, no o filho (em hebraico ben) do v.14. Isso faz 0 v.14 prover um sinal para toda a Casa de David, incluindo todos os seus descendentes daquela época em diante até que a profecia fosse cumprida — 0 que aconteceu pelo nascimento virginal de Yeshua. ‘Ocasionalmente vimos pessoas sem intimidade com a tradicao crista, es- pecificamente a tradicao catélico romana, confundir 0 termo “nascimento virgi- nal” com “concep¢ao imatulada”, O nascimento virginal de Yeshua — ele sendo concebido pelo poder do Fspirito Santo de Deus em Miryam antes mesmo que cla tivesse tido contato sexual — é aceito por todos os judeus messidnicos € cristéos gentios que acreditam na Biblia. A concep¢ao imaculada, a doutrina Catlicu-1omana (primeiro ensinada pelos Pais da Igreja) que dizia que a propria Miryam foi concebida sem pecado, nao é accita pelos protestantes porque 0 Novo Testamento nao menciona isso. Immanu’el é 0 nome dado ao Messias em Isaias 7:14, 8:8. Como Matti tyahu explica, significa "Deus asta conosco” — que 6 como a palavra hebraica immanu Ll é traduzida cm Isaias 8:10. No entanto, Yeshua nao era conhecido por esse nome durante sua vida na Terra; cm vez disso, o nome da uma dica (re- mez; veja ?°15N) sobre quem ele € ao descrevé-lo: ele é Deus-conosco. O povo de Deus experimenta o cumprimento final em Rv 21:3, onde nos novos Céue Terra “Deus-convosco” habita entre eles. No Tanakh, nomes freqiientemente descrevem um aspecto da pessoa eo recebeu. De fato, o Tanakh usa diversos nomes para se referir ao Mes Ancluindo “Silé” (Genesis 49:10), “Rebento” (Isaias 11:1), “Renovo” (Jeremias :15), €0 mais comprido, “Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Principe da Paz” (Isaias 9:5-6 (6-7)). Tudo descreve o Messias, € ain- ele era ‘conhecido por apenas um nome, Yeshua ‘eomportamento de Yosef mostra que ele aceitou Yeshua como do com o Mishna, “se alguém diz ‘este ¢ mcu filho’ deve re- Mattityahu (Mateus) 33 ceber crédito” (Bava Batra 8:6). O Gemara explica que ele deve receber crédito “como garante o direito de heranca” (Bava Batra 134a), Assim, Yeshua, como filho legalmente reconhecido, tem 0 direito de herdar o trono do rei David por. « intermedio de Yossef, umn descendente de David (v.8). (Essa observacao é feita em Phillip Goble, How to Point to Yeshua in your Rabbi's Bible, Nova York: At- lists for Israel, 1986). 25 Até que tivesse dado a luz. Os protestantes geralmente afirmam que Miryam era uma virgem quando Yeshua nasceu, mas que “as irmas dele” (plural, pelo menos duas, e quatro irmaos (13:55-56; Mc 6:3) eram os filhos naturais de Miryam e Yossef. A Igreja Catélica Romana ensina que Miryam Permaneceu virgem por toda a sua vida e que os termos “irmaos" e “irmas” sao usados livremente para se referir a parentes mais distantes (compare com Génesis 14:12-16, 31:32; Levitico 10:4). A expresso grega “eds ou” ("até") & inconclusiva porque nao necessariamente implica em uma mudanca; ou seja, expressdo grega poderia significar tanto que eles nao tiveram relacées du. rante 0 periodo anterior a ela dar a luz como que o tiveram depois, ou que ermaneceram Celibatarios posteriormente. Contudo, o celibato em particular eS ascetismo em gcral, cmbora praticados pelos pagdus como espiritualmen- te meritérios, eram e sio a excecdo na fé do judaismo e da Nova Alianca, ” come tanto Yeshua quanto Sha'ul ensinam (veja 19:10-12&N, 1Co /:1-4U0&NN, CL 2:18-23&NN, 1Tm 4:3a&N). CapiruLo 2 1 Depois de Yeshua ter nascido entre 8 e 4 a.£.C. a razao pela qual ele nasceu “a.C.” (“antes de Cristo") é que Dionisius Exiguus, 0 monge do século Vi que estabeleceu 0 calendario moderno, cometeu um erro ao determinar a data que ndo foi corrigida até tempos depois. Em vez do termo “A.D” (“Anno Domini’, “no ano do Senhor" Yeshua), a comunidade judaica normalmente chama esses periodos de “E.C" (Era Comum’) e "a-E.C” (“Antes da Era Comum’), para evitar relacionar as datas explicitamente com o Messias. Em Beit-Lechem. Veja v. 6&N. Herodes, o Grande (73-4 a.E.C.) fundou a dinastia herodiana (veja Lucas 3:1N), que governou Israel e suas redondezas desde 37 a.E.C, até a guerra com Roma em 66-70 E.C.. O proprio Herodes era um homem de grande energia fisica ¢ ambicdo. Sua carreira chama a atengao dos historiadores em 47 a.E,C. na Siria ¢ Galiu; uma combinacdo de sucessos militares, naquinacdes politicas e subor- nos de superiores romanos o capacitou a substituir o tiltimo dos governantes hasmoneanos, Antigono, quando morreu em 37 a.£.C. (possivelmente em con- seqiiéncia de um dos subornos de Herodes). Embora tecnicamente judeu por nascimento, uma vez que sua familia era de Idumeus (Edomitas) que tinham se convertido a forca ao judaismo sob 0 dominio dos macabeus hasmoneanos no século Il a.£.C. (veja 23:15N), nem sua crenga religiosa nem sua ética refletem algo do judaismo. Porém. ele de fato reconstruiu ¢ aumentou o Segundo Templo que tinha sido edificado sob as ordens de Z'rubavel (veja o livro de Haggai) em 520-516 a.F.C.. Os rabinos talmiidicos disseram que “alguém que no viu o Templo de Herodes nunca viu um construcao bela” (Bava Batra 4a), mas tamhém “foi construido por um rei pecador eo edificio tinha como seu objetivo a expiacao por ter destruido os sabios de Israel” (Niimeros Rabbah 4:14). 34 Mattityahu (Mateus) Herodes era parandico em relacdo ao seu poder. Tudus os seus rivais foram exterminados, incluindo os da tamilia de sua esposa (ele tinha casado com Marianne, uma hasmoneana, ¢ temia a restauracao da dinastia hasmonea- na) e mesmo alguns de seus préprios filhos (ele tinha 15). Construiu fortalezas remotas, Herodion e Matzada, como refligio para 0 caso de ele scr deposto. Os eventos descritos em 2:1-17 sao inteiramente cumpativeis com 0 comprovado carater independente daquele homem. Magos nao cram apenas feiticeiros ou magicos, apesar do termo “magico”; nao eram eles simplesmente astrologos, embora observassem as estrelas. Eles eram sAbios, normalmente em cargos de responsabilidade, mas, s vezes, dignos de respeito por causa de sua sabedoria, mesino quando nado ocupavam cargos oficiais. Esses magos vieram do Império Medo-Persa ou da Babilonia. 2 Rei dos Judeus. Em Yn 1:19N acredito que a palavra grega loudaioi deveria ser normalmente traduzida como “naturais da Judéia” e nao “judeus" quando o contexto éa terra de Israel. Entretanto a expressao “rei dos loudaiow’ ¢~ utilizada no Novo ‘lestamento apenas por ndo-judeus — aqui pelos magos e de- ( pois por Péncio Pilatos e pelos soldados romanos (27°37; Mc 15:26; Le 23:3, 38. Yn 19:19). Aqui existe uma excecdo: todas essas pessoas estavam Interessadas %, nao em distinguir galileus naturais da Judéia, mas judeus de gentios. ty No entanto, alguém pode despertar um grande debate ao admitir loudaioi te como “naturais da Judéia”, mesmo aqui. Nau apenas é o contexto da terra de Israel, mas trés yezes em wv. 1-6 lemos sobre Reit-I echem em Y'hudah (Judéia). O académico judcu Solomon Zeitlin assim compreende a expressaa: “Os evangelhos, de acordo com Mateus (1:1-16) ¢ Lucas (3.24-31), tragam a genealogia de Jesus até David, enquanto Marcos, que nao fornece a genea- logia, estabelece que Jesus é 0 filho de David (12:35), Jodo, que estabelece a visio que Jesus era o filho de Deus, nao obstante escreven ‘ontras diziam: Este é 0 Cristo; mas diziam outros: Vem, pois, 0 Cristo da Galiléia? Nao diz a Escritura que o Cristo vem da descendéncia de David e de Belem, da aldeia onde era David’ 741-42. Segundo os evangelhos, Jesus cra saudado com as palavras ‘Bendito 9 reino do nosso pai David’ (Marcos 11:10), ‘Ilo- sana ao filho de David’ (Mateus 21:9). Na cruz em que Jesus foi crucificado, as palavras ‘Jesus de Nazaré, rei dos judeus’ foram escritas em hebralco, grego ¢ latim [lesus Nazarenos Rex Iudacorum]. Mashiah, messias e Cristo eram sindnimos em suas mentes de ‘filho de David’ c ‘rei dos judeus”. "The Ongin of the Idea of the Messiah”, em Daniel Jeremy Silver, ed., In the Time of Harvest, Nova York: the MacMillan Campany, 1963, p.458). Sua estrela. Isso parece fazer uma alusdo a Niimeros 24:1/, quando Baladu profetiza. “Uma estrela procedera de Jaco c um cetro subira de Israel.” 0 judaismo compreende essa “estrela” como sendo o Messias. Veja 2Ke 1:19N sobre “a Estrela da Manha” . 4 Kohanim (plural; singular Kohen), “sacerdotes’, palavra que atualmen- a imagem de clérigos em denominacécs cristas, formais ou ativos em ortentais ou primitivas. Isso ocorre porque 0 sacerdécio no judaismo \do adormecida desde a destruicdu du Segundo Templo, em 70 E.C. Mas hua, quando o Templo estava de pé, 0 judaismo sem um sacer- indvel. Mattityahu (Mateus) ———..__ 35 A tarefa de um sacerdote, como a de um profeta, é a de servir como porta- vaz e mediador entre Deus e o homem. O profeta fala ao homem em favor de Deus, 0 sacerdote fala a Deus em favor do homem. Os Kohanim que serviam no Templo eram descendentes do irm4o de Moseh, Aharon, bisneto de L'vi, terceiro filho de Ya’akov. Em termos de descrigées praticas de tarefas, sua atribuicaéo priméria era oferecer sacrificos de auimais no altar. O sempre sangrento altar do Templo de Deus era uma testemunha continua para Israel de que a punicao de Deus para o pecado 6 a morte (veja JM 10:3). U conceito de sacerdécio e sacrificio ¢ reduzido no judaismo nao-messianico dos dias de hoje (veja |M 9:22N), mas 0 Judaismo da Biblia ¢ inoperante sem eles. O judaismo messianico estabelece que Yeshua, o Messias, é nosso kohen eterno (JM 7:23-25) e nosso eterno sacrificio (JM 7:27, Yn 1:29). Mestres da Tord. A palavra grega “grammateus’ é traduzida literamen- te em hebraico como sofer, que tem o significado literal “escriba’ e é normal- mente traduzida assim em portugués, Contudo a funcdo dos sofrim na época .de Yeshua ia muito além de copiar rolos e realizar tarefas de secretariado; eles + eram os estudantes e professores da contettdo do judaismo, ou seja, da Tord. Principais Kohanin, que eram em sua grande parte saduceus ¢ mes- ‘tres da Tord, aliados dos fariseus (veja o paragrafo seguinte), representa- jvam as duas principais concentracées de poder dentro do sistema religioso judaico (veja 3:7N). As opinides dos dois grupos frequentemente diferiam, mas a pergunta de Herodes recebeu uma resposta simples: a partir disso, _« %prendemos quc todo Israel concordava que o Messias nasceria em Belt-Le- chem (veja v. 6N). Joseph Shulam, judeu messianico lider em Jerusalem, ressalta que os académicos modernos acreditam que os escribas nao eram rabinos nem fari. seus, mas “sabios, ‘am-ha‘aretz” (veja Yn /:49N; At 4:13N), mestres da Tord sem s'mikhah (ordenacao: veja 21:23N) — mas veja Mc 2:16&N. Por essa razdo, eles nao podiam estabelecer chiddushim (introduzir novas interpretacdes) ou posek Halacha (realizar julgamentos legais). De acordo com Shulam, essa é a razdo pela qual as pessoas ficaram chocadas por Yeshua ensinar como um rabino e ndo como um escriba (7:28-25; Mc 1:22&N). 6 No judaismo a citacéo de um texto das Fscrituras implica em todo o contexto, nao apenas nas palavras citadas. Assim, Miquéias 5:1 (2) 18, totalmen- te de Hebreus: “E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Juda, de ti me saira 0 que governard em Israel e cujas saidas sao desde os tempos antigos, desde os dias da cternidade.” Alguns assumiram que este versiculu significa apenas que 0 Messias se- ria descendente do rei David, que saiu de Beit-Lechem (1 Samuel 17:12), tam- bem chamada Efrata (Génesis 48:7). Mas é uma exegese ruim dar essa predicao muito clara da origem geografica do Messias de uma forma tao figurativa. Em vez disso, € um esforco para estabelecer a referéncia obvia a Yeshua, o eterno filho de Deus, “que estava no principio", como ressaltado em Yochanan 1:1-28N, 14; 8:56-S8GN, E maravilhoso que, em muitos periodos da Historia, nimeros significa- tivos de judeus cairam na conversa messianica de enganadores (veja 1:22N), sendo que nenhum deles cumpria a profecia de ter nascido em Belém 36 Mattityahu (Mateus) Existem até mesmo fontes rabinicas que identifica diretamente Beit- Lechem como o lugar de nascenga do Messias, como, por exemplo, o Midrash Rabbah de Lamentacées, seco 51 (em Lamentagées 1:16): “Um homem estava arando a terra quando um de seus bois deitou-se. Um Arabe passava e Ihe perguntou: 'O que ¢ vocé?’ Ele replicou: ‘Sou um Ju- deu.’ O arabe Ihe disse: ‘Desamarre seu boi e seu arado [como sinal de la- mentacdo/’. ‘Por qué?’, quis saber o homem. ‘Porque o Templo dos judeus foi destruido' — respondeu 0 outro. O judeu perguntou: ‘Como voce sabe isso” Respondeu o arabe: ‘Pelo deitar de seu boi.’ Enquanto eles estavam falando, © boi deitou de novo. O arabe disse: ‘Desamarre seu boi e amarre seu arado, porque o libertador dos judeus nasceu.' O judeu perguntou: ‘Qual é 0 nome dele?’ Respondent o arabe: ‘Seu nome ¢ Menachem [Con- fortador}'. E o judeu perguntou: ‘Qual é 0 nome de seu pai?’ No que res- pondcu o arabe: ‘Chizkiyahu lo rei Ezequias é identificado na literatura Judaica com o Messias]’. Quis saber 0 judeu: ‘Onde eles moram?’ O arabe respondeu: ‘Lm Birat-Arba, em Beit Lechem da Judéia’. A mesma agguduh (historia) aparece no Talmud de Jerusalém cm B’rakhot Sa; ld, a ultima linha é ‘Na capital real de Beit-Lechem”. Além disso, embora ndo identinque 0 Messias como Yeshua, implica que 0 Messias ja teria vindo, por volta da época da destruicéo do Templo. 13 Um anjo de Adonai. Veja Yn 1:14N. 15 Do Egito, chamei meu Filho. Oséias 11:1 claramente se refere ndo ao Messias, mas ao povo de Israel, que era chamado de filho de Deus antes de deixar o Egito (Exodo 4:22), As duas citacdes prévias do Tanakh (1:23; 2:6) envolviam cum- primentos literais, mas essa nao envolve. Em que sentido, entdo, a ida de Yashua a0 Fgito cumpre o que Adanai tinha ditn par meio do profeta? Para responder, precisamos compreender os quatro modos basicos de interpretacao das Escrituras usados pelos rabinos. Sao eles (1) Pshat (‘simples") — 0 sentido literal e pleno do texto, mais ou menos © que académicos modcrnos chamam de "exegese historico-gramatical", que olha para a gramatica da linguagem e as questées historicas como pano de Tunndy para decidir ¢ que uma passagem significa. Académicos modernos fre- qientemente usam a exegese historico-gramatical como sendo o Unico meio valido de lidar com um texto; pastores que usam outras abordagens em seus sermées usualmente sentem-se na defensiva sobre isso diante de académicos. Mas os rabinos tinham trés outros meios de interpretar as Escrituras ¢ sua vali- dade no deveria ser excluida de imediato, mas relacionada a validade de suas pressuposicGes implicadas. (2) Remez (“dica") — presentes numa palavra, numa expressdo ou em ou- tro elemento no texto estao dicas sobre uma verdade nao estabelecida pelo -Pohat. A pressuposicao implicada é que Deus pode dar dicas de coisas sobre as “quais os escritores da Biblia nao tinham conhecimento. “ve, (3) Prash ov midrash (“busca") — uma aplicacao alegérica ou homilética de‘lim texto, Isso é uma espécie de exegese — a leitura dos pensamentos de al- guém presente no texto — em oposicda A exegese, que extrai do texto o que ele de fato quer dizer. A pressuposicao sugerida é de que as palavras das Escrituras podert se torriar legitimamente os graos para o moinho do intelecto humano, 37 Mattityahu (Mateus) que Deus pode guiar as verdades nao relacionadas diretamente ao texto como um todo. (4) Sod (‘segredo") — um significado mistico ou escondido, alcancado. pela operayao de valores numéricos de letras hebraicas, ressaltando formas de soletrar incomuns, transpondo letras e coisas do género. Por exemplo, duas palavras, em que os equivalentes numéricos daquelas letras somam a mesma quantidade, sdo boas candidatas a revelar um segredo pelo qual Arthur Koestler em seu livro sobre mentes criativas chamou de “dissociacao de idéias”. A pres- suposi¢ao implicada é de que Deus investe significado nos menores detalhes das Escrituras, mesmo em letras individuais. As pressuposicGes que sublinham remez, drash e sod ohviamente expres- sam a onipoténcia de Deus, mas também expressam seu amor pela humanida de, no sentido de que ele escolhe, a partir do seu amor, usar meios extraordina- rios para aleancar 0 coracdo e a mente das pessoas. Ao mesmo tempo é facil ver como se pode abusar de remez, drashe sod, uma vez que todos permitem ¢, na yerdade, exigem, interpretacdes subjetivas; e isso explica por que académicos, que lidam com o mundo objetivo, hesitam em utilizar esses recursos. Esses quatro métodos para trabalhar um texto sao lembrados pela pala- "ra hebraica “PakDes", um acrénimo formado pelas iniciais; significa “pomar™ Fou “Jardim”, oe , O que, entao, Mattityahu esta fazendo aqui? Alguns alegam que ele esta subutilizando as Escrituras, distorcendo o significado daquilo que Oséias es- _vtreveu a partr de seu contexto para aplicar em Yeshua. Essas acusacdes s6 so Validas se Mattityahu esta lidando com o p’shat. Pois nao existe duvida de que o pshat de Oseias 11:2 se aplica 4 nacao de Israel, e néo a Yeshua. Alguns pensam que Mattityahu esta utilizando a abordagem drash, fa- zendo uma midrash na qual ele 1é 0 Messias no versiculo que fala sobre Israel. Muitos rabinos lancam mao do mesmo procedimento: os leitores de Mattityahi nao teriam se oposto a isso. No entanto, acredito que Mattityahu nao esta fazendo exegese, mas nos dando uma remez, uma dica de uma verdade muito profunda. Israel é chamado de filho de Deus anteriormente, em fxodo 4:22. O Messias é apresentado como filho de Deus alguns versiculos antes em Mattityahu (1:18-25), refletindo passa- gens do Tanakh como Isaias 9:5-6 (6-7), Salmo 2:7 ¢ Provérbios 30:4. Assim, 0 Filho é equivalente ao Filho: o Messias é equivalente com, é um com, a nacao de Israel. Essa @ a verdade profunda sobre a qual Mattityahu dé dicas av chamar a ida de Yeshua ao Egito de “cumprimento” de Oséias 11:1. O fato de que o Messias Yeshua se posiciona e é Intimamente identif- cado com seu povo, Israel, ¢ um aspecto corporativo extremamente importante do evangelho, geralmente negligenciado no mundo ocidental individualmente orientado. O individuo que confia em Yeshua une-se a ele e é "imerso” (batiza- do; veja 3:1&N) em tudo o que Yeshua ¢ (veja At 2:38&N), incluindo sua morte e ressurreicao — para que sua propensdo pecaminosa seja considerada morta e sua nova natureza, potencializada pelo Espirito Santo, seja entao vivificada (Rm 6:3-6&N). De igual modo, assim como essa identificacdo intima com o Messias se aplica ao individual, assim 0 Messias de modo idéntico se identifica com e incorpora o povo judeu, o Israel nacional, a “oliveira” na qual as cristaos gentios foram “enxertados" (Rm 11:17-24) e que ele pode, de modo plausivel, se iden- tificar com a comunidade messidnica, a Igreja, como “cabeca do Corpo" (1Co 11:3; Ef 1:10, 22; 4:15; 5:23; Cl 1:18, 2:19} “pedra posta por cabeca de esquina” (ahaixo em 21:42, Mc 12:10, At 4:11; Ef 2:20; 1Ke 2:6-7). 38° ———________ Mat tityahu (Mateus) Leitores modernos da Biblia, ao utilizar a “exegese historico-gramatical", ignoramn todos os modos de interpretagao, exceto o p’shat, descontando como eisegese, Essa ¢ uma reacao a tendéncia dos patriarcas da [greja do século Il ao Vi de exagerar na alegoria, um erro yue provavelmente resultou de sua falta de compreensao das limitacées, e assim do mau uso das outras trés abordagens rabinicas dos textos. Mas 0 Novo Testamento é um livro judaico, escrily por ju- deus num contexto judaico; e os judeus no contexto do século | incluiram todas as quatro formas de lidar com textos. Mattityahu sabia perfettamente que Oséias nao estava se referindo a Yeshua, a um Messias, ou mesmo a um individue. Ainda assim, ele sentia que Yeshua, num modo profundo, mas recndito, personifica Israel, sendo a sua vinda do Egito reinterpretada de um modo espiritualmente significativo o Exodo do povo judeu. Uma vez que o remez e o phat tém pressu- posicées diferentes, alguém deveria esperar 0 cumprimento de uma profecia por intermédio do remez como sendo diferente do cumprimento literal. Em 1:23 e 2:6, o sentido literal e pleno do texto, o p'shat, é suficiente para demonstrar como as profecias sio cumpridas, mas aqui nao é. A expressdo “para cumprir o que Adonai tinha dito por mein da profeta" retira a nossa atencao do préprio profeta e a direciona para o Deus que falou por intermédio dcle. Isso permite ao leitor compreender que Adonai pode ter dito mais do que aquilo que o proprio profeta compreendeu quando escreveu. Issu prepara para a possibilidade que por tras do phat de Oséias estava o remez de Deus, para ser revelado no tempo certo ¢ dar credibilidade ao tipo de interpretacao “PaRDes". O reconhecimento de que existem quatro modos de exegese judaica tam- bém resolve muito da controvérsia referente a como certas passagens do Tu- nakh devem ser interpretadas. Por exemplo, a maioria dos cristaos diz que Isaias 53 se refere ao Messias, e alguns (embora nao todos) judeus tradicionais dizem que se refere a Israel. Porém se existe uma identificacdo mistica entre 0 Messias € 0 povo cujo rei ele é (uma idéia exposta em bastante detalhes pelo conhecido tedlogo cristéo do século XX, Karl Barth, em seu livro Church Dogma- tics {Igrejas dogmaticas}), entdo o conflito de interpretacdes desaparece; os dois reclamantes detém sua parte da verdade total. No entanto, a idéia de que o Messias personificado é identificado intima- mente com um Israel é de origem judaica, Antes de tudo, nds a encontrames no proprio Tanakh. Compare Isaias 49:3 (“Vocé é meu servo, Israel, em quem mos- trarei o meu esplendor") com Isaias 49:6 ("Para vocé é coisa pequena demais ser meu servo para restaurar as tribos de jacé e trazer de volta aqueles de Israel que cu guardei"). O servo é Israel e aquele que restaura Israel, 0 Messias. No capitulo 12 do livra de Raphael Patai The Messiah Texts [Os textos de Messias], ele cita Pesikta Rabati 161-162, onde o Messias € chamado de Efraim (um nome que simboliza Israel) e ao mesmo tempo é apresentado como aquele que supor- ta os sofrimentos de Israel. De igual modo, a obra do séculy XII que esta no centro da abordagem mistica judaica chamada kabbalah, o Zohar (2:21 2a), liga © sofrimento do Messias ao de Israel. Patal também conta a historla do rabino do século XVIII, Nachman de Bratslav do vice-rei e da filha do rei, acrescentando _qué.a maioria dos intérpretes compreende que o vice-rei representa tanto Israel Gugnto o Messias sofredor. 418 O p’shat deste versiculo a partir de Jeremias nao se refere ao Messias, mas. ao, massacre das tribos do norte de Israel pelos assirios. Contudo existe uma rémez aqui da qual Matrityahu faz uso: o tradicional lugar de sepultamen- — —————— _ Mattityahu (Mateus) 39 to da esposa de Yaakov, Raquel, fica em Ramah, bem proximo de Beit-Lechem ~~ atualmente qualquer pessoa pode visitar “o sepulcro de Raquel”. Assim como Raquel em sua sepultura lamenta por sua posteridade, descendente de seu filho Yosef, da mesma manetra as muitas mulheres das proximidades de Beit-Lechem lamentam por seus filhos assassinados. 20-21 0 que o Novo Testamento chama de Terra Santa? Nao a Palestina, mas Eretz-Yisra’el, “a terra de Israel". De igual modo as regides do norte e do sul de Jerusalém sao chamadas nao de Oriente, mas “Y'hudah" e “Shomron’ (fu- déia e Samaria; ver At 1:8). O Novo Testamento, como os atuais israelitas, usa os nomes que a Biblia hebraica utiliza. ndo aqueles atribuidos pelos ramanns ou outros conquistadores. Veja 5:5&N. 23 Este é um versiculo problematico. A cada vez que Mattityahu demos- tra o cumprimento da profecia escritural (veja lista em 1:23N), um escritor es pecifico — Isaias, Jeremias, David — é denominado de “o profeta” ou “o Tanakh", “seguido por um versiculo ou uma passagem. Aqui, os profetas (unicamente plural) séo mencionados e nenhum texto é citado. Isso ocorre claramente pelo rato de Mattityahu deixar de fora a palavra-chave grega “legontos’ dizer"), que ‘ele usa para citar as Escrituras. Em vez disso, ele parece estar aludindo a um contexto geral eticuntrady erm diversos profetas, capaz de ser cumprido pelo fato de o Messias ser o que o texto grego aqui chama de Nazéraios (em alguns . outros lugares a palavra ¢ “Nazarénos’). As perguntas: que protetas? O que eles de fato disseram? E 0 que é um Nazéraios/Nazarénos? Alguns ja sugeriram que o versiculo tem a ver com Yeshua fazendo os votos de nazireado (N&meros 6:1-23). Mas isso é improvavel, uma vez que nao ha registro que Yeshua, que nao era um ascético (11:16-19), tenha feito em al- gum momento tal coisa. Uma segunda possibilidade é que, uma vez que Natzeret (Nazaré, ver Lc 1.26N) era um lugar sobre o qual as pessoas faziam piadas — camo na observa cdo de Natan'el “pode vir alguma coisa boa de Nazaré?" (Yn 1:46) — Mattityahu esta se referinda As muitas profacias do Tanakh que dizem que o Messias seria desprezado (por exemplo, Salmo 22, Isaias 52:13-53:12) e nos informa que es- sas profecias seriam cumpridas, em parte, por ele ter que carregar 0 peso de ser um Natzrati, um residente de Nazaré. Aterceira possibilidade ¢ que Mattityahu esteja falando sobre a previsdo de que o Messias seria um netzer ("ramo"} da raiz de Yishai, 0 pai do rei David (Isaias 11:1); mas compare com Jeremias 23.5, 33.15; Zacarias 3:8; 6:12, em que a palavra é “tzemach’ ("renovo"), Assim, muitos profetas usam a idéia, embora nao a palayra “netzer’. (Para mais sobre "os profetas” veya 5:17N). O que considero mais provavel é que Mattityahu esteja cormbinando a segunda e a terceira alternativas por meio de um jogo de palavras, uma técni- ca muito comum na escrita judaica, incluindo na Biblia. Yeshua é tanto netzer quanto Naizrati. Finalmente, embora um dos nomes iniciais para os crentes judeus fos- se “Notzrim" (“Nazarenos”, ou seja “seguidores do homem de Nazaré", Atos 24:5&N), seria estranho que Mattityahu usasse 0 mesmo termo para as pessoas que eles seguiam. O Talmud refere-se a ele como Yeshu HaNotzri (B'rakhot 17b, Sotah 47a), No hebraico moderno. “Norzri' permanece sendo a palavra utili- zada atualmente para “cristdo”; mas é errado e confuso falar sobre "Yeshua, 0 cristin”, ou seja, o seguidor de Cristo — ele nao poderia seguir a si mesmo! A 40 Mattityahu (Mateus) expresso do Talmud deveria ser compreendida como significando “Yeshua, 0 Natzrati, Yeshua de Natzeret”. Eu uso 0 termo “Natzrati, em vez de “Notzri’ (ambos sao aceitaveis no hebraico moderno), para me afastar das conotacdes modernas de “Notzri’ em hebraico. CapiruLo 3 1 Yochanan, o Imersor, normalmente chamado de "Joao Batista". O nome “Joao”, assim como numerosas variantes em muitas linguagens — John, Jean, Juan, Jon, Ivan, Giovanni — vem do hebraico Yochanan, que significa "YHVH foi gracioso, demonstrou favor". Enquanto o verbo grego “baptizein’ é a fonte das palavras em portugués “patizar’ e “Batista”, sua raiz significa “mergulhar, encharcar, imergir” num li- quido para que aquilo que foi mergulhado — por exemple, tecido em corante, ou couro em coramte. Mas para entender o que “baptizein” significa aqui é necessario buscar 0 entendimento a partir do Judaismo. De acordu com a Tord, a pessoa precisava ser purificada por rituais antes de entrar no Tabernaculo ou no Templo. A pu- reza ritual poderia ser perdida de muitas maneiras, 0 modo principal de res- tauré-la era por meio da lavagem. Uma rapida revisao de Levitico mostra quao freqiientemente 0 assunto é mencionado, e uma das seis maiores divisoes do Talmud (Yaharot, “Limpezas’) é devotada a isso. Muito embora nao exista mais 0 ‘Templo, as mulheres judias praticantes imergem-se num mikveh (banho ritual) apés cada periodo menstrual, em obediéncia a Levitico 15; veja JM 13:4N. Uma pessoa que se imerge participa de uma metafora dbvia e viva de purificacéo, com a agua, como era feito, levando embora a impureza. Aqui, Yochanan, o Imersor proclama a velha pratica da imerséo num novo contexto, limpando de uma vida passada de pecada (veja wv. 2&N, 6, 11). Atualmente, o ritual de batismo em alguns ramos do cristianismo nado envolve completa imerséo do corpo na agua, mas o derramamento nu a asper sao. Alguns académicos acreditam que pelo menos em algumas circunstancias, mesmo nos batismos do Novo Testamento, deve ter havide derramamento ou aspersdo, e nao imers6es; versiculos tais como Ezequiel 36:25 (JM 10:22) e Le 3:16 com At 2:17-18; 10:45 sdu mencionados como apoio. As varias denomina- cGes “Batistas” expandiram-se a partir de um movimento nos séculos XVI ou XVII que pregava imersoes completas dos crentes, em oposicao ao derramamento ou aspersao de gua batismal em criancas que ainda nao tinham consciéncia 0 suficiente para decidir se se tornariam ou nao cristas. O judaismo tradicional desenvolveu sua propria teologia do batismo cris- to. Talvez porque uma forma de batismo (completa auto-imersao num mikveh) seja requerida em determinado momento quando um nao-judeu se converte ao judaismo. Esse ultimo tem tradicionalmente compreendido 0 batismo cristao comn sendo um momento em que um judeu se retira da comunidade judaica ¢ adota uma religiio estrangeira em oposicdo ao judaismo e ao povo judeu. Devido a essas falsas associagies que se tarnaram ligadas a palavra “batismo” ‘na comunidade judaica, 0 texto do NT/ usa a palavra descritiva mais correta ‘Simersio" em seu lugar. ‘ “ g Voltem-se de seus pecados para Deus. A lingua portuguesa tem uma pequena palavra perfeita para expressar essa idéia, “arrepender", mas no origittal a idéia expressa ¢, literalmente, “desviar sc dos seus pecados e ir para 41 Mattityahu (Mateus) Deus’. Assim, voltei ao original de modo a encontrar o sentido inicial. A pala- vra grega “metanoiete’, relacionada a “nous” (“mente”), significa “mudar a sua mente, ter uma completa mudanca de coracao". O conceito hebraico sublinha- do € expresso pela palavra “tshuvah’ ("virar-se, retornar”), que, no contexto do comportamento religioso, significa “virar-se” para os pecados de alguéme “retornar™ para Deus. Percebo que nao existe apenas uma "de", mas um “para”, pois virar-se dos pecacos de alguém é impossivel, a menos que ao mesmo tempo alguém retorne para Deus — de outro modo, a pessoa simplesmente desvia-se de um grupo de pecados para outro. A compreensao judaica de ar. rependimento, correta neste ponto, é a de que cada individuo precisa fazé-lo, ainda assim, isso requer a graca de Deus para que seja capaz de realizar isso — *Converte-nos a ti, Adonai, e seremos convertidos; renova-nos e seremos como dantes" (Lamentacées 5:21). Nao @ sem sabedoria que um judeu criado com pouco conhecimento do judaismo e que depois adota um estilo de vida judaico ortodoxo é chamado de um “ba’al-tshuvah’, literalmente, um “mestre do arrependimento’, ou seja, al- _ guém que foi “desviado" de seus modos ndo-observantes ¢ “convertcu sc” numa jfentativa de servir a Deus do modo prescrito pelo Judaismo Ortodoxo. 0 desejo tide meu coragdo é 0 de que todos os judeus se tornem “ba‘alei-t'shuvah” por in- Jtermédio de Yeshua, o Messias e de que todos os cristéos tornem-se verdadei- , ramente arrependidos também (1Yn 1.9). = Aqui, a mensagem de Yochanan é idéntica a de Yeshua em 4:17. oe?” Reino do Céu. A palavra “céus" era utilizada numa tentativa de evitar a palavra "Deus" (veja 1:20N); € até os dias de hoje, a expresso hebraica malkhut- haShammayin (“o reino dos céus *) na religido substitui na literatura religiosa judaica “Reino de Deus", uma expressao frequentemente encontrada no Novo Testamento, primeiro em 6:33. No Novo Testamento Judaico, “Céus” vem em maiuscula quando se refere a Deus; e em minuscula quando se refere ao céu fisico ou ao paraiso. Tanto em Yochanan quanto na pregacao de Yeshua (4:17), a razo para a urgéncia do arrependimento é que o Reino do Céu esta proximo. 0 con- ceito do reino de Deus é crucial para compreender a Biblia. Ele nao se refere a um lugar nem a uma época, mas a uma condicdo na qual a lideranca de Dens é reconhecida pela humanidade, e uma condi¢io na qual as promessas de Deus de um universo restaurado, livre do pecado e da morte, sao, ou co- mecam a ser, cumpridas. Em relacao ao reino de Deus, a Hist6ria pode ser dividida em quatro perfodos: antes de Yeshua, durante sua vida, a era presente (0 ‘lum hazel) ea era futura (0 ‘olam haba). Havia uma percepcao na qual o reino estava presen- te anteriormente av nascimento de Yeshua; de fato, Deus era rei sobre 0 povo judeu (veja LSamuel 12:12). A chegada de Yeshua trouxe um salto na expressao terrena sobre o reino, “porque nele habita corporamente toda a plenitude da divindade” (CI 2:9). O Novo ‘Testamento ensina duas coisas aparentemente contraditérias sobre o reino de Deus: que ele esta proximo ou presente (este versiculo, 4:17; 12:34; Le 17:21), e que ele ainda esta por vir (24:1; Yn 18:36; At 1:6-7). 0 tedlogo George Ladd esclareceu e resolveu esse conflito ao chamar 0 seu livro sobre 0 reino de Deus de “The presence of the future” [A presenca do futuro). Hoje o reino de Deus vem imediata e verdadeiramente — mas de farma parcial — para todos aqueles que depositam sua confianga em Yeshua e sua mensagem, comprometenda-se assim a viver a vida santa que 0 governo de a2 Mattityahu (Mateus) Deus demanda. Como um exemplo da “parcialidade”, eles tem paz em seu Co- racfio, muito embora nao exista paz no mundo. Entretanto, no futuro, no final da historia da era presente, quando Yeshua retornar, cle vai inaugurar 0 reino verdadeira e completamente (Rv 19:6); entao Deus cumprira o resto das suas promessas sobre 0 reino. ‘Um dos estudos espirituais mais profundos que uma pessoa pode realizar na Biblia é a respeito do reino de Deus tanto no Tanakh quanto no Novo Testamento. 3 Esta citacdo Inicia a segunda parte do livro de Isaias (capitulos 40-66), que oferece contorto a Israel e contém muttas referencias ao Messias. A voz de alguém clama: ‘no deserto’ é Yochanan, identificado em espfrito cum v profeta Elias; veia Mc 1:2-3N. A voz de alguém clama:; ‘no deserto, preparem o caminho do Adonai!’ ‘A maioria das tradugées, bem como as primeiras duas edicdes do NTJ, diz que aquele que clama esta no deserto. Todavia isso esta errado; € possivel perce _ ber o erro ao examinar as marcas de pontuacao/cantilacav nu texto hebraico”” massorético de Isaias, Ele demonstra que “no deserto” combina com “preparal 0 | caminho”, e ndo com “alguém clamando”. Assim, o correto seria “a voz do qe clama: ‘no desertu preparai o caminho de Adonai”. Embora essas indicacoes, nao sejam inspiradas por Deus, indicam como o texto foi lido e compreendido”. na época em que foram acrescentadas (nao depuis du século VII L.C.); ¢ sem uma razao positiva para compreender 0 texto de forma diferente, é melhor as- sumir que estas marcas estcjam corretas. 4 Pélos de camelo era um tecido grosso e aspero usado pelos pobres que nao podiam usar roupas de Ia. Enquanto os ricos podiam pagar cintos orna mentais, um pobre usava um cinto de couro. Assim, Yochanan, como muitos profetas antes dele, identificava-se com os pobres. Mas 0 cinta de couro tam bém faz ua assuciagao com Llias (v. 3N, 2Reis 1:8). Gafanhotos. Levitico 11:21-22 menciona quatro espécies de insetos que podem ser comidas. Mishma Chullin 3.7 define as caracteristicas dos in- setos kosher e, no Gemara, Chullin 65a ~ 66a analisa extensamente essas re- gras. Insetos cram comida para os pobres na época de Yeshua; os beduinos ‘os cozinham e comem até os dias de hoje, assim como fizeram os judeus no leémem antes que aquela comunidade fosse removida para Israel pela Upera- ao Tapete Voador, em 1950. Mel silvestre. Provavelmente mel de tamaras, porque o¢ oasis perto de Jericé s4n canhecidos por produzir tamaras naquela época ¢ agora, ¢ abelhas ndo vivem no deserto (essa expressao [oi corrigida desde edicdes anteriores). Esse versiculo nos fala que Yochanan vivia fora do habitu econdmico normal do pais, para que pudesse ser totalmente devotado a sua tarefa profética. 6 Confessando seus pecados. A palavra yrega exvmologed, significa a {concordar, admitir, reconhecer, declarar publicamente, confessar”, literalimen- “dizer a mesma coisa”. No caso da conversao dos pecados, alguém esta di- o sobre eles a mesma coisa que Deus diz, reconhecendo as obras erradas praticadas, desejando declarar publicamente a tristeza, a culpa e tudar. No Yom Kipur (Dia do Perdao) e em outros dias de jejum, Ses de peniténcia) sao feitas, 0 que pode ajudar as pessoas que com kavvanah (intencdo, devocao) a admitirem seus pecados e in a opiniao de Deus sobre cles. Veja Yn 1:9&N; Ya 5:16&N_ 43 Mattityahu (Mateus) Pecadas. Nos vivemos numa época em que muitas pessoas ndo sabem o que € 0 pecado. O pecado é a violacéo da Tord (1Yn 3:4), a transgressdo da lel que Deus deu a seu povo para ajuda-lo a viver uma vida de acordo com seus. desejos € av mesiny Lempo ser santo ¢ agradavel a Deus. Na assim chamada Era do Iluminismo, dois ou trés séculos atras, a nocdo de relativismo moral come- ou a ganhar espaco nas sociedades ocidentais. Sob a sua intluéncia, as pessoas descartavam © conceito de pecado, considerando-o irrelevante. Segundo esse ponto de vista, nao existem pecados, apenas doencas, azares, erros e as con- seqiiéncias da influéncia do meio ambiente, da hereditariedade e de aspectos biologics (terminologia ocidental) ou do destino ou karma (oriental). De modo alternativo, reconhece-se que 0 pecado existe. mas apenas como definido na cultura de alguém — relativismo cultural que nega o conceito biblico de pecado como 0 errado absoluto. Muito da Biblia preocupa-se em explicar 0 que é 0 pecado, qual € 0 salario do pecado e coma podemas evitar essa punigao e ter nossos erros perdoados. Alem disso, mostra como podemos viver uma vida santa, livre do poder do pecado, agra- dando a Deus e a nés mesmos. Veja o livro de Rm, especialmente 5:12-21N. 3 7 Prushim ¢ tz’dukim (plural; singular parush, tzadok), “fariseus © sa- Sduceus”. Na época de Yeshua existiam duas principais opiniées do que era a situagao religiosa. Em 586 a.E.C., a Babilduia conquistou a Judéta e Jerusalém, derrubou o Primeiro Templo, que o rei Salomao tinha construido, e deportou as » Classes yovernantes para a Babtlonia. Com o Templo, os sacrificios e o kohanim nao funcionando mais, os judeus no exilio, e depois de seu retorno, 70 anos depois, buscaram outra forma de se organizar e pela qual pudessem centrar sua vida comunal. Eles a encontraram na Tord (a “Lei”, veja 5:17N}, como pode ser visto no relato sobre a leitura da Tord por Esdras (Neemias 8). Os antigos estudantes, desenvolvedores e mantenedores da Tord parecem ter sido da casta sacerdotal hereditaria — 0 proprio Esdras era um kohen e um sofer (“escriba’). Mas depois, na medida em que os kohanim voltaram a se preocupar cam a siste- ma sacrificial como ele se desenvolveu durante o perfodo do Segundo Templo, um movimento gue apoiava a Tord e favorecia sua adaptacao as necessidades do povo surgiu e tornou-se um desafio para a autoridade dos kohanim. Os koha- nim do século 1 E.C. eram conhecidos como tz’dukim, em homenagem ao kohen gadol, apontado como pelo rei Salomao Tzadok (seu nome significa “justo”, compare 6:1-4&N; 13:17&N). Nesse meio tempo, sob a autoridade dos Macabeus no século II a.£.C., aqueles cuja principal preocupacéo nao eram os sacrificios, puréi a Tord, eram chamados de Hasidim (é certo que pelo nome, que significa “piedosos", nao havia conexdo. Entre eles ha muitas comunidades de Judeus ortodoxos que se- guem os ensinamentos divulgados pelo talmidim do mestre da Europa oriental e mistico do século XVI, conhecido como o Ba’al Shem lov.). Os sucessores dos Hasidim eram conhecidos como p'rushim, que significa “separados”, porque eles se separavam do modo mundano para nao fazer 0 mesmo que as pessoas faziam. Esses p'rushim nao apenas assumiram que o Tanakh era a palavra de Deus para o homem, mas também consideraram que a tradicéo acumulada ao longo dos séculos pelos sabios e mestres era também a palavra de Deus — a Tord Oral — de modo que se desenvolveu um sistema de viver que tocava em cada aspecto da vida. Nos dias de Yeshua, os tz’dukim tendiam a ser mais ricos, mais céti- cos, mais carnais e caoperavam mais com os governantes romanos do que os 44 Mattityahu (Mateus) ——— p'rushim. No entanto, a destruigao do Segundo Templo em 70 E.C., terminou com a viabilidade dos tz’dukim, ao destruir o pragimatismo de sua responsa- bilidade de chefia; e a tradicao que eles podem ter desenvolvido foi, em sua maioria, perdida. Veja At 23:6&N, Os p’rushim e seus sucessores tornaram-se livres para desenvolver me- Ihor sua propria tradicdo herdada e transformé-la no centro de gravidade para a vida judaica em todos os lugares. Eventualmente, devido a dispersao do povo judeu, que separou muitos do fluxo vivo da tradicao, esse material Oral foi coletado e escrito no Mishna (220 E.C.) sob a coordenacao editorial de Y’hudah HaNasi ¢‘Juda, 0 Principe”). As discussées rabinicas sobre o Mishna durante os dois ou trés séculos seguintes na terra de Israel e na Babilénia foram coletadas para formar os Gemara de Jerusalém e da Babilénia. Combinados com o Mishna, eles constituem os Talmuds de Jerusalém e da Rahilénia Séculos de pregacdo crista tornaram a palavra em portugués “fariseu” praticamente um sinénimo para “hipécrita” e “legalista teimoso” — testemunha para isso é a inclusdo de sentido de “farisaico” em muitos dicionarios. Enquanto é verdade que o proprio Yeshua acusou “ai de vos, mestres da Tord e p'rushim, hipocritas, pois que fechais aos homens 0 reino dos céus” (veJa 0 capitulo 23 & 23:13N), us clistéos freqiientemente esquecem quc cssas palavras duras foram dirigidas num contexto familiar — um judeu criticando alguns de seus colegas judeus. Uma esplada em qualquer Jornal comunitario judaico moderno vai mostrar que os judeus ainda sao criticos com relacao ‘uns aos outros e desejam manter esse espirito de criticismo — reprovar e repreender sdo comportamentos normais e aceitaveis em muitos assenta- mentos judeus. No entanto, Yeshua ndo condena seus companheiros judeus pelo fato de serem fariseus, mas sim por serem hipécritas — 0 primeiro nao implica no segundo. Mais ainda, a critica de Yeshua ndo era dirigida a todos os p'rushim, mas apenas aqueles que eram hipocritas. Enquanto alguns fa- riseus ndo eram sinceros e tinham preocupacées exacerbadas com aspectos exteriores, outros ndo estavam “lange do reino de Deus” (Mc 12:34). € alguns se tornaram seguidores de Yeshua sem deixar de ser p'rushim (At 15:5). De fato, Shaul disse diante do Sanhedrin "Homens irmaos, eu son Parush” — eu “sou”, e nao “era” (At 23:6). Devido as associagdes negativas subconscientes que 2 maioria das pes- soas tem com a palavra em portugués “fariseu”, o NTJ usa em seu texto as pala- vras hebraicas originais "Parush” (singular) e “p’rushim' (plural) c, em nome do paralelismo, substitui “tzadok/tz'‘dukim" por “saduceu/saduceus”. Raga de viboras! Yochanan teve o discernimento de que aqueles fari- seus e saduceus em particular (veja os parégrafos acima) nao eram sinceros. Se eles eram diletantes e estavam analisando a mais recente novidade religiosa ‘ou se eram enviados de Jerusalém, encarregados de investigar as atividades de Yochanan, nao fica claro. Lucas 7:28-32 sugeré a primeira opcao, Mt 21:23-27, a segunda. De qualquer modo, os religiosos daquela época nao aceitaram o mi- nistério de Yochanan. Punicao futura, literalmente, “a ira que viria". Fala-se sobre a ira de Deus aqui e freqiientemente no Novo Testamento como a ira, enfatizando 0 é certamente — alguém pode até dizer o quéo automaticamente — a ira de Detis-deve seguir 0 pecado. Assim como a lei fisica da gravidade torna certo que a conseqiéncia automatica de pular de 1m edificio alto seja a destruicao fisica, a lei moral, de Deus sobre o pecado deixa certo que a conseqléncia automatica de persistir em pecados é a destruicdo espiritual eterna na ira divina. Mattityahu (Mateus) 45 9 Nao suponham poder consolar a si mesmo, dizendo: ‘Avraham é nosso pail’. 0 académico judeu messianico, Alfred Edersheim, escreveu: “Eles irtaginaram que, de acordo com a nocao comum na época, a ira eta derramada apenas sobre os gentios, enquanto eles, como filhos de Abrado, certamente iriam escapar — nas palavras do Talmud, aquela ‘noite’ (Isafas 21:12) era ‘apenas para as nacdes do mundo, mas 0 lamento de Israel’ (Jere- mias Ta’anit 64a)? “Pois, nenhum principio foi mais plenamente estabelecido na conviccéo popular de que todo Israel tinha parte no mundo futuro (Sanhedrim 10:1 [citado em Romanos 11:26aNI) e isso especificamente devido a sua co- nexao com Abraao” (The Life and Times of Jesus the Messiah, [A vida e a época de Jesus de Nazaré]. RANDOLPH, Anson DF. and Company, 2? ed. Vol. I, p. 271, New York,1884), . Deus pode fazer surgir filhos a Avraham destas pedras!, assim como ‘ele levantou Isaque no altar de pedra numa ressurrcicao figurativa; compare JM gl 19&N. A frase em portugués “filhos,.. destas pedras” ¢ uma tentativa de (preservar por mcio de aliteracao do jogo de palavras em hebraicu que v lexlo grego ignora. “Filhos” em hebraico é banim, “pedras” esta escrito abanim (pro- hungia-se avanim). Uma possibilidade menos provavel ¢ que “destas pedras” ghifique "destes montinhos de terra, estas ‘am-ha'aretz” (veja Yn 7:49N; At 3N). O jogo de palavras vem sendo comum no discurso judaico desde as épocas antigas até os dias de hoje, com muitos exemplos no proprio Tanakh; veja 2:23N, 11-12 Fogo. Alguns comentaristas enxergam isso como um fogo purifica- dor que vai eliminar a maldade do povo judeu, segundo as linhas estabelecidas em Malaquias 3:19-21 (4:1-3) e Salmo 1:6 (‘o caminho dos impios perecera’); veia Rv 20:15. © mesmo Salmo também compara os impins com mainka (Sal- mo 1:4). Outros admitem que a passagem seja um entusiasmo pela santidade, estando em fogo por Neus Ele os imergira no Ruach HaKodesh, o “Espirito Santo", o Espirito de Deus. Uma promessa feita pelo proprio Yeshua (Lc 24:49; Yn 15:26; 16:13 14; At 1:8); seu cumprimento comega em At 2:1ff. 15 Devemos realizar tudo o que a justica exige. 0 proprio Yeshua nao tinha que ser imerso por seus pecadgs, porque ele ndo cometeu nenhum (JM 4:15). Alguns sugeriram que ele estava se identificando plenamente com a hurmanidade pecadora, que necessitava de purificacao (veja 2:15N; Rm 8:3&N; FI 2:6-8). Sobre 0 que a justica de Deus exige, veja Rm 3:24-26. 16 Alguns antigos manuscritos acrescentam apés “abriram”, a expressdo “para ele”. 17 Voz do céu ou bat-kol, veja Yn 12:28&N; At 9:4N. “Céu” aqui tem um significado duplo — (1) o céu, (2) Deus; veja v. 2N. Este é meu Filho a quem amo. Fnquanto a verdade que todos, de cer- to modo. sao filhos de Deus, Yeshua o é de um modo tinico — seu “tinico “(ou “unigénito’) filho (Yn 1:18&N). Duas outras passagens vém 4 nossa mente: uma na qual se refere a Adao como sendo filho de Deus (Lc 3:23), e Salmo 2:7, “Ado- 6 Martityahu (Mateus) nai me disse: tu és meu Filho, eu hoje te gerei’. Combinado cam 1Co 15:45, no qual Yeshua é chamado de “o ultimo Addo”, e Rm 5:12-21, onde Yeshua e Addo também s4o comparados. esses textos nos mostram que ao pensar na pessoa e no ministério de Yeshua, 6 preciso manter Addo em mente. Isso é especialmente importante nos versiculos a seguir, nos quais Yoshua, assim como Adao, é ten tado pelo Adversdrio, Satanas, Veja também v. 15N Tenho muito prazer nele. A linguagem é reminiscente de Isafas 42:1, uma das passagens sobre “Servo”; Isaias 42:1 4 é citado abaixo (12:18-21); veja também 17:5. As passagens subre “Servo” as vezes se referem ao povo de Israel, e As vezes ao Messias, um fata que fortalece a questdv estabelecida em 2:15N, pelo qual Yeshua, o Messias representa e apdia todo o povo judeu. CarituLo 4 1 Adversario. A palavra grega diubolos € traduzida do hebraico satan, “adversdrio, oponente, rebelde”. Em Isaias 14:11-15, nas entrelinhas de uma, ~ referéncia ao rei da Babildnia, pode-se ler sobre a queda de uma criatura que 4 4 certa vez foi poderosa e bela, mas que em seu orgulho se rebelou conrra Deus {| ¢ tornou-se o opusto dele; Ezequiel 28:11-19 é similar. Por outro lado, J6 1-2°¢, , claro ao apresentar Satanas com v oponente tanto de Deus quanto do homem:*3 *y, Em Génesis 3, como serpente, ele renta Addo € Eva a desobedecerem a Deus; “y,. a equivaléncia entre o Adversario e a serpente fica clara em Rv 12:9. que diz “o grande dragao, a antiga scrpente, chamada 0 Diabo, ¢ Satanas, que engana todo o mundo”. Satanas € uma criatura, de modo algum é igual a seu Criador; ainda assim ele é a fonte original de todo pecado, mal e oposicao a Deus. O li- vro de J ensina que a ra74o pela qual um Deus bom e onipotente permite essa oposigao é um misterio, mas que Deus permanece no controle perfeito e sem comparacao. Isso nés vemos muito claramente em J6 40-41, em que “Beemote” # Leviata” sdo vistos como figuras do Adversario, pois quando Deus desafia J6 para lidar com elas, ele responde: “Por isso me abomino e me arrependo no po e na cinza” (J6 42:6). Tanto o Tunukh quanto 0 Noyo Testamento assumem a existéncia de uma aga sobrenatural de anjos bons ¢ obedientes, que servem a Deus, ¢ de anjos (deménios) maus e rebeldes, que servem aa Adversario. “S 3 Filho de Deus. (veja 1:1N sobre “filho de”). Esse termo teologicamen- te importante do Novo Testamento pode significar: (1) uma pessoa de Deus (sem tons divinos ou sobrenatnrats); (2) uma pessoa especial enviada por Deus; (3) 0 Filho de Deus na carne, como descrito nos capitulos 1-2 acima € em Lucas 1-2; (4) um humano cuja presenca na Terra exigi! im ato crialivo especial de Deus, seia Adao ou Yeshua, que assim é chamado de “o segundo Adan” (1c 3:38; Rm 5:12-21; 1Co 15); (5) o Yeshua que pode em sua vida ter- rena se relacionar com Deus com seu Pai legitimo, chamando o de “Abba’; e (6) 0 individuo, ou a Palavra, divino, eternamente existente, que sempre steve e sempre estara dentro da “estrutura” interior de Adonai &, na estru- fa que é 0 nico Deus, é cm sua esséncia o Filho no relacionamento tanto meu ivalente quanto subsidiario com o Pai (Yn 1:1.3, 14; 10:31; 14:9-10, 2 ‘Malipenses 2:5-11). Aqui, vindo da boca do Adyersario, provavelmente carre- (dos os seis significados. Tanakh 6 pouco claro sobre essas coisas, ainda assim oferece fortes yeja 2:15N) em Isaias 9:5-6 (6-7); Miquéias 5°1 (2); Salmo 2:7; be Daniel 7:13. Na antiga literatura judaica, Enoque 105:2 e 4 Mattityahu (Mateus) ———-— 47 Esdras 7:28-29, 13:32-52, 14:9 referem-se ao Messias como o Filho de Deus. Compare 8:20N sobre “filho do home: 4-10 0 Tanakh, 0 Antigo Testamento — mencionado como “Escritura” ou “esta escrito” na maioria das traducées. A palavra hebraica “Tanakh" é um acré- nimo formade a partir das primeiras letras das és partes da Biblia Hebraica: 1) Tora ("Ensinamento”) — os cinco livros de Moisés, ou Pentateuco (Géne- sis, Exodo, Levitico, Ntumeros, Deuteronomuio). 2) N'viim (‘Profetas”) — os livros histéricos (Josué, Juizes, Samuel e Reis), 9s trés Protetas Maiores (Isaias, Jeremias e Ezequiel) e os 12 Profetas Menores. 3) K'tuvim (“Escritos") — Salmos, Provérbios, JO, os “cinco rolos” (Cantico dos Canticos, Rute, Lamentacées, Eclesiastes, Ester), Daniel, Esdras, Neemias e Crénicas. Se vocé é o Filho de Deus. Satands apresenta a Yeshua cada uma das trés categorias de tentacdes especificadas por Yochanam (1 Yn 2:15-17): “a con- supiscéncia da carne” ou “carne” (Rm 7:5&N) — "Se vocé é 0 Filho de Deus, | ordene que estas pedras se transformem em pies"; “a concupiscéncia dos hos" —o Adversario (...) mostrou-lhe todos os reinos do mundo em joda a sua gloria, e Ihe diss. e@ vocé se ajoelhar e me adorar, cu Ihe darei tudo isto.”,"e a soberba da vida” — o diabo o transportou a cidade santa, Jerusalém, 0 colocou sobre o pinaculo do Templo, e disse-Ihe: “Se vocé é 0 Filho de Deus” disse, “pule!”. © Satands ja estava utilizando os trés lipos de tentaydes no Jardim do Eden: “E viu a mulher que aquela arvore era boa para se comer” (concupiscén- cia da carne), “e agradavel aos olhos” (concupiscéncia dos olhos), “e arvore desejavel para dar entendimento” (soberba da vida), “tomou do seu fruto, e comeu” {Genesis 3:6). A diferenca é que “o primeiro homem” nao resistiu ao Adversario (Ya 4:7), mas “o ultimo homem"” resistiu (Rm 5:12-21&N; 1Co 15:21-22; 45-49&NN; JM 4:15). Yeshua, demonstrando o poder da Palavra de Deus ao resistir ao Adversa- rio (Ya 4:7), cita a Tord como resposta para todas as trés tentacdes — Deutero némio 8:3 no v. 4, Deterondmio 6:16 no v.7 e Deuteronémio 6:13 no v. 10. Mas Satanas, “o pai da mentira” (Yn 8:44), pode deturpar as Escrituras para enganar — Salmo 91:11-12 no v.6. 12 Veja 14:3ff. 13 K’far-Nachum (Cafarnaum; o nome hebraico significa “vila de Naum") ficava localizada na praia noroeste do lago Kinneret (0 mar da Galiléia; veja v.18N), @ local de muitas das atividades de Yeshua, como descrito no Novo Testamento. Agora é um parque arqueolégico supervisionado pela Igreja Cato- lica Romana ¢ referéncias para excursdes crisis em Israel. Para uma estrutura octogonal bizantina do século V em meio a ruinas mais antigas atribui-se o fato de ter sido 0 local em que Kefa viveu (8:14); se assim foi, as ruinas mais antigas devem ser parte das primeiras construgdes das congregacées de judeus messi- anicos. As paredes de uma sinagoga do século IV ainda permanecem de pé. 15 Isaias 8:23-9.1 (9:1-2). Veja Le 1:79N. 18 Lago Kinneret é 0 nome utilizado em Israel para o conjunto de agua fresca formado pelo rio Yarden (lordao). em Galil (Galiléia): é chamado assim 48 Mattityahu (Mateus) devido ao seu formato semelhante ao de uma harpa (kinnor, em hebraico anti- go). Versdes em portugués da Biblia o identificam camo o mar da Galiléia; em Yu 6:1, 23 e 21:1 0 texto grego o chama de “o mar de liberiades”. Kefa é o nome que Yeshua deu para Shim‘on Bar-Yochanan (Yn 1:42&N); significa “pedra”, em aramaico. A palavra grega para “pedra" é “petros’, que é normaimente traduzido para o portugués como “Pedro”. Ocasionalmente, em vez de traduzir “Kefa’ como “Petros”, o texto grego translitera “Kefa” como “Ke- phas”: isso aparece nas versées em portugués como "Cefas™. 21 Ya‘akov Bem-Zavdai e Yochanan, normalmente chamados de “Tia- go, filho de Zebedeu, e Jodo”. Falantes de portugués normalmente desconhecem 0 fato de que o nome “Tiago” vem da hebratco *Ya‘akov’' (“Jaco”), “Ya‘akov" foi transliterado no grego como “facobou"; no latim tornau-se “lacobus’ e depois “Jacomus’, de quem cvoluiu para o inglés “James” e para o portugués “Tiago” O nome “Tiago”, aparentemente gentio, demonstra suas raizes judaicas, como vimos acima, no casu com 0 nome “Jodo” (3:1N). 23 Boas-novas do Reino é a traducao do NTJ do grego evangelion, que © dé ao portugués palavras como “evangelismo". Outro significado para a palavya yy, em portugués seria “boas-novas”. 24 Sob o poder de deménios. A palavra grega daimonizomenoi, as ve- zes, @ traduzida como “demoniacos” on “pessoas possuidas por demédnios”. Como ressaltado em 4:1N acima, a Biblia assume a existéncia de um mundo espiritual. De acordo com o Novo Testamento, deménios — também chamados de espiritos irnundos ou malignos, espiritos mentirosos ou anjos do maligno — podem afetar as pessoas, provocando nelas doencas fisicas, aberracées mentais, moléstias emo cionais e tentacdes morais. “Fndemoninhado” significa “afetado por dem6nios”. A “possessio" ou "posse" de um ser humano por deménias nan 4 ensinada na Riblia. Carituco 5 1 Talmidim (plural; singular talmid). “discipulos”. A palavra portuguesa “discipulo” falha em transmitir a riqueza de relacionamento entre o rabino e scus talmidim no século | E.C. Mestres, tanto os itinerantes quanto Yeshua e os estabelecidos em um lugar fixo, atraiam seguidores que, de todo coracao, se de- dicavam a seus professores (embora nao de modo impensado, como acontece atualmente em algumas seitas). A esséncia do relacionamento era a confianca em cada area da vida, e seu objetivo era fazer o talmfd como seu mestre em conhecimento, sabedoria e comportamento ético (compare 10:24-25 e veja a referéncia no glossario do NTJ em talmid). 3 Os capitulus 5-7 constituem o Sermao do Monte, Compare o Sermio de .. jhiicas 6:20-49&N, em que muitos dos mesmos topicus sdo Watados, de certo do, diferentes. Por exemplo, onde Lc 6:20 simplesmente diz. “Bem-aventura- 3.¥6s,.08 pobres" (compare com Lc 6:24), 0 v.4 diz a mesma coisa dos pobres sHirito, aqueles que tém a atitude humilde, dependente, vulneravel das pobres, mesmo se acontecer de elas serem ricas. ncoados. A palavra yrega makarios corresponde a hebraica jifica “abencoados”, “felizes” e ‘afortunados” em um mesmo ter- ma palavra em portugués serta adequada. Para um exemplo Mattityahu (Mateus) ———-_______ 49 em hebraico, compare com Salmo 144:15: “Bem-aventurado/abencoado/feliz/ afortunado 6 0 povo cujo Deus & Adonai’. Os versiculos 3-12 sio conhecidos como as beatitudes porque a palavra “beatos’ foi usada na mais conhecida ver- so latina, a "Vulgata” de Jeronimo (c. 410 E.C.), para taduzir “makarios’. Para saber mais sobre as beatitudes, veja 0 Apéndice, p. 931. Reiny du Céu, Veja 3:2N. 5 Quao abencoados sao os pacificos! Porque eles herdardo a terral. Ou sera que eles, como dizem outras versdes, “herdardo a Terra"? Os cristdos freqiientemente pensam que, uma vez que o Evangelho é para toda a humani- dade, Deus nao esta mais interessado em Israel como uma nacao (muito embora 23:37-398N prove o oposto). Esse erro — conhecido variavelmente como teo- logia da Reposicao, teolagia do Dominio, teologia do Reino Agora, teologia da Alianga (em algumas de suas formas), Reconstrucionismo e (na Inglaterra), Res- tauracionismo — com suas implicacfes anti-semitas, estA tio disseminado que .Passagens do Novo Testamento sao até mesmo traduzidas de forma equivocada em conformidade com ele (veja Rm 10:1-8&NN para observar outra passagem). gO versiculo aqui estudado é uma dessas passagens. A maioria das versdes in- “forma ao leitor que "os mansos", presumivelmente todos os mansos, de todas Fas nagées, “herdarao a Terra", governando todo o planeta. Enquanto os crentes retornardo para governar com o Messias na sua Segunda Vinda (1Ts 4.13-18, Ry.20), aqui Yeshua esta citando o Salmo 37:11, em que 0 contexto deixa claro jue “os mansos" se refere avs mansos de Israel, que, Segundo as promessas de Deus, “herdardo a terra’, a terra de Israel, que Mattityahu mencionou anterior- mente (2:20-21&N). Embora a palavra grega gé possa significar tanto “Terra” quanto “terra” no Salmo 37 a palavra hebraica “eretz” significa “terra” (e ndo “Terra") nado me- nos de seis vezes: aqueles de Israel que confiarem em Adonai vao “habitar na terra (v.3); e aqueles de Israel que esperarem em Adonai (v.9) sao mansos (v.11 citado aqui), sao abencoados por Adonai (v.22), sdo justos (v.29) e guardam 0 seu caminho (v.34) vao “herdar a terra’. O termo “herdar’, no Yanakh, se refere a heranca de Deus para o povo judaico, que inclui, adicionalmente a elementos espirituais, ndo toda a Terra, mas um pequeno territério especifico na costa leste do mar Mediterraneo Como o evangelho é universal, e devido a falsa teologia que ensina que Deus nao est mais interessado nos judeus como uma nacao, 0s cristéos tém a tendéncia de supor que o Novo Testamento de algum modo cancela a promessa de Deus de dar ao povo judeu a terra de Israel. A oposicdo ao atual Estado de Israel por parte dos cristéos é baseada nessa falsa presungao. Para combater csse erro é importante que judeus e cristaos igualimente compreendam que © Novo Testamento nao altera nenhuma das promessas de Deus para o povo judeu, as promessas literais de Deus nao sao de modo algum espiritualizadas a partir da existéncia “em Cristo". Veja mais material sobre o assunto no Apén- dice, p. 931. Dezoito vezes no Novo Testamento a expressdo grega “é gé” se refere a terra de Israel. Como mencionado, duas sao explicitas — Mattityahu chama a Terra Santa de “Eretz-Israel’ duas vezes (Mt 2:20-21&N). Quatro sao citacées do Tanakh — aqui (Salmo 37:11), Mt 24:30 e Rv 1:7 (Zacarias 12:10,14) e Ef 6:3 (Deuteronémio 5:17). Cinco sao baseadas no Tanakh sem serem citacées — Le 4:25 e Ya 5:17,18 (1 Reis 17:1; 18:1, 41-45), JM 11:9 (Génesis 12,13,15, 20, 23) e Ry 20:9 (Ezequiel 38-39). As ito restantes sio percebidas pelo contexto — Mt 50 —————___— Mattityahu (Mateus) 5:13, 10:34, 27:45; Me 15:33; Le 12:51, 21:23, 23:44; Rv 11:10). Coma os tedlo- gos da Keposi¢ao alegam que Deus ndo promete mais a Terra de Israel para os judeus, é importante ver que 0 Novo Testamento ainda da a posse da terra de Israel fisica pelos judeus um lugar significativo no plano de Deus. Para mais informacées sobre a teologia da Reposicdo e suas refutacdes veja as notas em Mt 24:34; Le 21:24; At 1:6-7, 21:21; Rm 2:28-29; 11:1-32, 11- 12, 13-32, 23-24, 28-29; 2Co 1:20; Gl 6:16; Ef 2:11-16. Veja também meu Mani- festo judaico messidnico. 13-14 Os crentes judeus sao sal, algo que preserva a terra de Israel (veja v. 5N), ou seja, para a pavo judeu, e luz do mundo para os gentios, como ensi- nado em Isaias 49:6. Deus estabelece uma “alianca de sal” (Nuimeros 18:19), que Gaplicada ao rei David e aos seus descendentes — ott seja, ao Messias — em 2 Crénicas 13:5. Os judeus que créem no Messias sd0 0 remanescente justo (Rm 11), par amor a quem Deus preserva Israel e 0 mundo. Para mais informacoes sobre sal veja Le 14:34-35@N, Cl 4:5-G8N. As vezcs, judeus-messianicos israelenses sentem que nao sdo parte da comunidade Judaica “real” na terra de Israel. Mas a razao pela qual os judeus messiauicus estao aqui é para serem o remancscente justo, por amor de quem Deus preserva a nacao de Israel. Isso nos motiva a’ continuar acreditando em um Deus, tentando concretizar a viséo judaico-mes- sidnica e proclamando Yeshua a nosso povo. 17 Ndo pensem que vim abolir a Tord ou os Profetas. Nao vim abolir a Tord, mas completar, para tornar pleno seu significado. A pala- yra hebraica “Yora’, literalmente “ensinamento, doutrina” é a versao tanto da Septuaginta quanto do Novo Testamento para a palavra grega “nomos”, que significa “lei”. O idioma grego teve uma influéncia mais direta e penetrante no portugués ¢ em outras linguas modernas do que o hebraico, e € por isso que na maioria dos idiomas fala-se eohre a “Tei” de Maisés em vez de o “Ensina- mento” de Moisés. Também isso é parte da razio pela qual os cristaos equi- vocadamente passaram a considerar a Tord como tenda nm carAter legalista (veja Rm 3:20bN, GI 3:23bN). No judaismo a palavra “Tord” pode significar: (1) Chumash (0 Pentateuco, os cinco livros de Moisés): ou (2) Churush inais os Profetas ¢ os Uscritos, ou scja, 0 Tanakh (conheci- do pelos crist&os como 0 Antigo Testamento; veja 4:4-10N); ou (3) Isso mais a Tord Oral, que tnclui u Talmud e outros materiais legais; ov (4) Isso mais todas as instrucées religiosas dos rabinos, incluindo mate- riais éticos e homiléticos. Aqui tem 0 primeiro significado, uma vez que “os profetas” so mencio- nados separadamente. Os Profetas. A palavra “profetas” (como em 7:12, 22:40; Le 16:16, 28, 31; 24:44; Yn 1:45, 6:45; AUL3:15, 27, 40: 15:15; 24:14; 28:23; Rm 3:21) refere- sea segunda das trés principais partes do Tanakh. Ao mencionar tanto a Tord quanto os profetas, Yeshua esta dizendo que ele nao veio modificar ou substi- tujg'a Palavra de Deus, 0 Tanakh. Compare Lc 24:44-45. “5, Completar. A palavra grega para “completar" é “plérésai’, literalmente “encher". A teologia da Reposicao, que erroneamente ensina que a Igreja subs- tituiu osjudeus como povo de Deus (v.5N), compreende esse versiculo de dois modos equivocados. Mattityahu (Mateus) ————— 51 Primeiro, Yeshua “cumprindo" a Tord significaria que seria desnecessa- rio que as pessoas cumprissem agora. Mas nao existe légica na proposiyao de que o fato de Yeshua obedecer a Jord elimina nossa necessidade de obedecé-la. De fato, Sha’ul (Paulo), cujo objetivo erm sua Carta aos romanos é estabelecer “a obediéncia da fé" em Yeshua, ensina que essa fé ndo abole a Tord, mas a confir- ma (Rm 1:5, 3:31). Segundo, com a mesma falta de logica, Yeshua “cumprir” os profetas parece implicar que nenhuma profecia do Tanakh permanece para os judeus. Mas as promessas da Biblia hebraica para os judeus nao sao abolidas em nome de ser “cumpridas em Yeshua’. Em vez disso, 0 cumprimento em Yeshua e uma certeza a mais de que tudo o que Deus prometeu aos judeus vai acontecer (vejia 2Co 1:20&N). E verdade que Yeshua manteve perfeita a Tord e cumpriu as previsdes clos profetas, mas essa nao é a questao aqui. Yeshua nao veio para abolir, mas para “cumprir” (plérésaf o significado que a Tord e as exigdncias éticas dos profetas exigem. Assim, ele velo completar nossa compreensao da Tord e os Profetas “para que possamos tentar de modo mais eficiente ser ¢ fazer 0 que cles dizem _que devemos ser e fazer. Os versiculos 18-20 enunciam trés modos nos quais a Tord e os profetas permanccem necessarios, aplicdveis e fortalecidos. O capitu- lo 5 da seis casos especificos nos quais Yeshua explica o sentido espiritual mais © profundo de questdes da Lei judaica. De fato, esse versiculu estabelece v tema @ a:proposta de todo o Sermao do Monte, em que Yeshua completa e aprofunda “a compreensao de seu talmidim no que se refere a Tord e aos profetas, para que eles possam exprimir mais plenamente o que representa ser 0 povo de Deus. A escritora anglicana Brigid Younghughes apdia minha compreensao dessa passagem com as seguintes palavras: “(..) Nao vim ab-rogar, mas cumprir.’ E certamente ‘cumprir’ significa completar, no sentido de trazer 4 perfeicao e nao como os cristaos fre- quentemente tém interpretado, tornar obsoleto; cumprir de tal modo que aperfeicoe uma fundacao sobre a qual sera construido posteriormente” (Cristianity ‘s Jewish Heritage [Heranca do cristianismo fudaico], West Sussex: Angel Press, 1988, p. 8). 18 Exceto ao fim de oracées, “é verdade” ¢ “sim” sao usados no NTJ para traduzir a palavra grega amén (que translitera 0 termo hebraico 'amen). A raiz hebraica '-m-n significa “verdade, fé” porque a palavra hebraica ‘amen significa “é verdade, assim scja, que isso se torne verdade” — assim como é utilizado em portugués, bem como em hebraico, por aqueles que escutam uma oracao. O “amém" de alguém a sua propria oracdo é ein si messy supérfluo, embora wtil como uma dica para que 0s outros respondam com “amém" (como em 6:13; Rm 41:25, 9:5, 11:36). De qualquer modo, ‘amen hebraico sempre é utilizado em referéncia a algo dito anteriormente. Ainda assim, a maioria das versdes o traduz mais como se apontasse para a frente do que para tras. Por exemplo, algumas versées traduzem essa passagem como “Digo-lhes a verdade” 0 que segue. Os tradutores que fazem isso tém evidéncias internas do Novo Testamento como bases; pois existem passagens paralelas nas quais um evangelista es- creveu “Amén vos digo...", enquanto outros optaram por “Verdadeiramente (do grego aleithds) vos digo..." (compare Le 12:44 com 24:47 abaixo, e Le 9:27 com Mc 9:1). Contudo essa solucdo exige asstimir que Yeshua inventou um 52. ————————_ Mat tityahu (Mateus) padraa de discurso diferente do que é encontrado em outras fontes. Enquan- to alguem pode dizer que ele era a originalidade encarnada, penso ser {4 invocar essa no¢ao ignorando o academicismo conservador comum. Em vez disso, alguém pode perguntar se esses “améns” fazem sentido se compreen- didos tradicionalmente como se referindo a algo antcrior c nao posterior. E, de fato, fazem (em Yn 16:7, 0 texto nao diz “Amén, Amén’; na verdade em grego 0 que eu coloquei em pormugués “em verdade vos digo...”, isso. claro, aponta para a frente). Para ser especifico, seu “amém” para si mesmo enfatiza o que ele mesmo destacou anteriormente, as vezes com a forca “vocé pode nao achar que eu realmente quis dizer o que acabei de dizer, mas eu quis!” (v.26; 6:2, 5, 16; 10:15, 42; 13:17; 18:18; 23:36; 24:34, 47; 26.13). Seu “amém” para o que outra pessoa acabou de dizer pode ser um reconhectmento no sentido “cu reconhe¢o o problema” (19:28), ou mesmo uma ironia no tom “sua per- gunta/resposta me mostra que pelo menos vocé esté comecando a enteder!” (21.21, 31), ‘vocé esta brincandol” (25:12) ou “como eu gostaria que fossc assim (mas no 6)!" (26:34). As vezes, apos um discurso, ou mesmo apos um evento, chama atengao para o que acahou de acontecer, como em “isso foi demais! Vocé percebeu?” (8:10) ou “nao era o que vocé esperava, certo?s, (um belo exemplo cm 18:3); em 19:23 remonta a um suspiro; em 25:40, 45, 0 “amém" do Rei significa “vocé esta estupefato porquc as coisas estéo seguin- do esse caminho, mas é como tem que ser”, em 26:21 0 “amém” de Yeshua significa “neste momento vocé esr relaxada e confortavel, mas tenho novi- dades para vocél” E, as vezes, o “amém" de Yeshua é simplesmente afirmarivo (‘eu concordo”), mas torna-se o inicio para suas observacoes ratificadoras ou contrastantes (muitos dos exemplos acima, ¢ 8:13, onde seu “amém"” signifi- ca “eu concorde com sua resposta nao-dita para minha pergunta retérica”). Veja também Rv 7:11-12N. Janakh fornece um exemplo definitivo do "Amém” sada iranicamen- te, até mesmo sarcasticamente, no inicio de uma frase. Em Jeremias 28, 0 falso profeta Chamanyah prevé que dentro de dois anos Deus vai restaurar os va- sus do Templo levado pelo rei babilénico Nebuchadnezzar. Yirmiyahu responde “Amen! Que Adonai faca isso! Que Adonai execute as palavras que vocé profeti- zou... Mesmo assim, escute agora... Chananyah: Adonai nao enviou voce, mes- mo assim, vocé esta fazendo esse povo acreditar numa mentira!” Yud é a menor Ictra do alfabeto hebraico e é utilizado no NTJ para tradu- zir 0 grego iéta, a menor letra no alfabeto grego. Apenas um pequcno traco dis- tingue uma letra hebraica de outra — por exemplo, dalet (INSERIR SIMBOLO), de resh (INSERIR SIMBOLO) ou beit (INSFRIR SIMBOLO) de kaf (INSERIR SIMBOLO). 19 Mitzvot (singular mtzvah). Um mtzvah é um mandamento; tradicio- nalmente, na Tord (o Pentateuco) existem 613 mtzvot a screm obedecidos pelo povo judeu, Ein portugués judaico (veja o paragrafo “judeu-portugués” na In- .. xtroducao do NJ, secdo 4), “fazer um mizvaht significa “realizar uma boa acao, o-gentil, algo util para alguem, um favor”, mas esses significados derivam tido original “um mandamento” de Deus. Em outra ocasiao, discuti de- 2 ¢ se, ¢/ou em que sentido os judeus messianicos devem observar bedecer ao mitzvot; veia meu Manifesto judaico-messidnico (Jewish mene Publications, 2° ed., 1991), especialmente o Capitulo V. § da Tord (“escribas”). Veja 2:4N. 53 Mattityahu (Mateus) 21 Sexto dos Dez Mandamentos (Exodo 20:13, Deuterondmio 5:17). Neste comentério uso a enumeragao judaica dos Dez Mandamentos, na qual © primeiro Mandamento é “Eu sou Adonai, que tirei vocés da terra do Egi- to, fora da casa du aprisionamento”. Uma vez que isso, na verdade, é uma declaracdo ¢ nao um mandamento, as enumeracées cristas nado a incluem. Mas, a expressdo hebraica para “os Vez Mandamentos” é “ ‘aseret-hadibrot’, literalmente “as dez citacées”. A primeira “citagdo" é, na verdade, a base para as outras nove dibrot, bem como para todas as mitzvot (veja v. 19N). E por causa de quem Deus é ("Eu sou Adonai’) e por causa de seu envolvimento benevolente na vida carrente e na histéria de seu povo (“que tirou vocés da terra do Egito") e sua preocupacdo com o bem-estar deles (“fora da casa da aprisionamento”) que, em fé, esperanca, amor, e gratiddo seu povo deveria obedecé-lo, Yeshua comeca seu “completar" detalhado da Tord (v. 17N) com um dos Dez Mandamentos, fazendo uma alusao implicitamente a essa base ressaltada de toda obediéncia a Deus. “No judaismo, a citacdo de um texto das Escrituras implica em todo o contexto", todos os Dez Mandamentos, “nao “mmeramente as palavras citadas” (2:6N). * 22 Sanhedrin, 0 nome hebraico dado a corte judaica, mas a palavra 6, “em sua origem, grega. Cortes locais tinham trés ou 23 juizes; 0 Sanhedrin de Jerusalém tinha 70. Veja também o Apéndice, p. 931. »* Gei-Hinnom, traduzido para o grego e para 0 portugués como “Gehenna’, _. sod eralimente traduzido como “Inferno”. Literalmente ‘vale de Hinnom’ (um nome proprio): localizado ao sul da antiga cidade de Jerusalém. O lixo estava sempre sendo incinerado ali; assim é utilizado como uma metafora do inferno, com seu fogo ardente de punicao para os impios, como ensinado na Biblia hebraica em Isaias 66:24. Outros lugares no Tanakh, como Deuteronémio 32:22, falam sobre um inferno ardente; 2 Samuel! 22:6, Salmo 18:5 e Salmo 116:3 mostram que 0 inferno @ um lugar de tristeza; Salmo 9:17 diz que os perversos vao pata o infer- no; € JO 26:6 mostra que o inferno é um lugar de destruicao. A palavra hebraica em todos esses versiculos é “sh’ol’, normalmente corresponde ao grego “adés” (‘Hades"). Assim, o inferno nao 6 uma chiddush (novidade) do Novo Testamento, Quando liberais declaram que o judaismo ensina que no existe inferno, estao intraduzindo uma doutrina posterior 4 sua propria, sem base no Tanakh. Como a idéja de puni¢ao eterna é em iiltima instancia assustadora, alguns buscam ameniza-ia propondo que o julgamento final é uma aniquilacao total, ha qual nada é experimentado, seja bom ou mau. Nao obstante, o que a Biblia ensina, tanto sobre 0 sh’o! (adés) quanto sobre Gey-Hinnom, é que existe um estado de sofrimento eterno a ser experimentado conscientemente por aqueles que estiverem sob a condenagao definitiva de Deus (veja as passagens acima de Rv 20158N). Mudar o conceito biblico de inferno para 0 de ndo-existéncia é, infelizmente, uma teologia de desejos. 23-24 O judaismo tradicional expressa essa idéia no Mishna © Yom Kipur [0 Dia do Perdao] funciona para as transgressoes de uma pessoa contra Deus, mas ndo funciona para suas transgressdes contra seus companheiros até que ele as apazigue. (Yoma 8:9) 27 Sétimo dos Dez Mandamentos (Exodo 20:13 (14), Deuterondmio 5:18). Veja v.21N. 54 Mattityahu (Mateus) 28 0 crente tem “a mente do Messias” (1Corintios 2:15) e nao deve nutrir e incentivar desejos sexuais imprdprios, cobica, urgéncias e luxtirias. Se ele 0 fizer, entéo, por razoes explicadas em Ya 1:12-15, vai sucumbir a tentacdo, pro- mover fantasias sexuais indevidas e finalmente engajar-se num comportamento sexual equivocado, como 0 adultério, a fornicacdo e a homossexualidade (sobre homossexualidade veja Rm 1:24-288N). 31 Deuteronémio 24:1 menciona uma “carta de reptidio” (em hebraico, sefer-k’vitut), mas nao especifica seu contetida ou as condicdes sob as quais 0 divércio era permitido. Os rabinos chamam esse documento de um get e discu- tem divércio no Talmud (para mais informagées, veja 19:3N). 32 O principio nao evita que crentes divorciados antes da vinda da fe messianica se casem, uma vez que todos os pecados anteriores a salvagao sao perdoados quando o atrependimento chega. Qualquer pessoa soltcira na época de sua salvacdo é livre para se casar (mas, aparentemente, apenas com outro crente — veja 1 Co 7:39&N). 33-37 Nao descumpra um juramento (ou: “De manetra nenhuma ju- reis"). A distingdo entre votos e juramentos é dificil de estabelecer ndo apenas para nos, mas também no judaismo; ¢ 0 assunto nao parece importante nos dias de hoje. Os primeiros crentes entendiam que Yeshua nao estava proibin- do todos os votos (veja At 18:5&N, 21:23&N}, mas proibindo juramentos vaos — os rabinos da época fizeram o mesmo. Nos livros apécrifos, compare Sirach 23:9: “No acostume sua boca a fazer juramentos e nao use habitualmente o nome do Santa.” Philo de Alexandria recomendou que se evitasse totalmente fazer juramentos (Decalogo 84). O Talmud tem seu paralelo ao v. 37: “Deixe seu ‘nao’ e seu ‘sim’ serem justos [ou seja, retas]” (Rava Metzia 49a). 38 fxodo 21:24, Levitico 24:20, Deuteronémio 19:21, onde 0 contexto de olho por olho etc., mostra que Deus nao estava coordenando uma vinganca, mas controlando-a e limitando-a. Retribuig&o ¢ punigéo precisam ser comen- suradas com o crime; contraste a extracdo de vingancas miiltiplas de Caim e Lameque em Genesis 4:24. ‘A seguinte situacdo do Mishna é apresentada em sua totalidade para de- monstrar que o pensamento rabinico a respeito do assunto de dauos legais vai muito além da simples lex talionis (em latim, “a lei da retaliacaéo", por exemplo, olho por olho): Se alguém fere seu companheiro, torna-se passivel de compensar a parte prejudicada por cinco diferentes aspectos do prejuizo: dano, dor, cura, perda de tempo de trabalho e insulto. No caso de dano. eis um exemplo de como a restituicao e determinada. Suponha que alguém cegou o olho de outra pessoa, cortou sua mao ou quebrou sua perna. Fles avaliam a pessoa ferida como se ela fosse um es- cravo a venda no mercado e estabelecem seu valor antes do dano e como vue S@ encontra no momento. * > Fis um exemplo para determinar a compensacao por dor. Suponha que alguém. ira outra com um prego ou um espeto, mesmo que apenas em sua unha, que nde.tealmente produz uma ferida. Eles determinam quanto um homem em ‘Sua posicéo desejaria ser pago para sofrer aqucle tanto de dor. 55 Mattityahu (Mateus) Por cura, a indenizacdo @ determinada deste modo. Se alguém bate’ em outra pessoa, precisa pagar todos os gastus de sua cura, Se ele desenvolve ulceras, se elas vém coro conseqiiéncia da ferida, ele é culpado; mas se nao, ele nao é culpado. Se a ferida cura, reabre, cura e reabre novamente, ele tem que pagar todos os gastos. Mas uma vez que seja completamente curado, 0 agressor nao precisa mais pagar as despesas de uma nova cura. O valor do tempo perdido é estimado deste modo. Eles consideram o que ele ganharia se fosse o vigia de um campo (um emprego que nao exige nenhuma habilidade especifica], pois ele ja foi pago pela perda de sua mao ou de seu pé [na pratica, isso significa que eles determinam que tipo de trabalho ele podera realizar quando estiver totalmente recuperado e avaliar 0 tempo pedido por esse padrao]. Por insulto, a compensacao é determinada inteiramente de acordo com o status social tanto daquele que causou o dano quanto do que 0 sofreu. Se alguém insultou nma pessoa que esta nua, cega ou dormindo, ¢ culpado. Mas se uma pessoa adormecida causa insulto, nao é culpada. Alguém que cai de um telhado e causa danos ¢ insultos ao mesmo tempo é culpado pelo dano, mas nao pelo insulto, porque uma pessoa nao deveria ser res- ponsavel por um dano que nao desejava causar (Bava Kama 8.1). ¥ ¥ 41 E, se um soldado forcar vocé a carregar sua carga por um qui- lémetro e meio, carregue-a por trés quilémetros! 0 contexto é a conquista -# Tomana, soldados podiam obrigar as pessoas a realizar suas tarefas por eles. O conselho de Yeshua é uma aplicacao especifica do v. 16. 43 Levitico 19:18 disse aos nossos pais para amar “Ame seu préximo como a ti mesmo’. Enquanto no Salmo 139:21-22 0 escritor se exalta por odiar os inimigos de Deus, de maneira alguma o Tanakh ensina odeie seu inimigo. Tal ensinamento deve ter vindo de interpretacdes equivocadas daquele que “se afasta para Jonge de mim eo seu temor para Comigo consiste sé em mandamentos de homens’ (Isaias 29:13, citado. por Yeshua abaixo, em 15:9). Sobre “amei a Jacé e odiei a Esau” veja Rm 9:10-138N, 44 Amem seus inimigos! Alguns contrastam a ética “realistica” do ju- daismo com 0 “romantismo cristao” e mencionam essa frase como um exemplo. No entanto, a ordem nao é sobre ter bons sentimentos a respeito de seus ini- migos, mas para desejar e fazer o bem para cles c, mais especificamente, para que Orem por quem os persegue!. £ realista o bastante ter sido lisonjeado pela imitacao de uma obra judaica medieval bastante cunliecida: “Ore pelo seu inimigo para que sirva a Deus" (Orchot Tzaddikim 15c). 46 Coletores de impostos. 0s judeus que trabalhavam coletando im- pustus para os governantes romanos eram as pessoas mais desprezadas na co- munidade judaica. Nao apenas estavam servindo aos opressores, mas conside- ravam facil abusar do sistema para encher seus prdprios bolsos pela exploracao de seus companheiros judeus. 47 Goyim. A palavra grega “ethné" (singular “ethnos’) corresponde ao he- braico goyim (singular goy), também traduzido no NT/como “gentios", "nacdes", “pagaos' ou “nao-judeus”. Judeus que falam portugués freqiientemente usam a palavra hebraica (e ifdiche) “goyim" para se referir a nao-judeus. Embora, atual- mente. “goyim'" 4s vezes carregite 1m tom levemente pejorative, ligado 3 idéia 56 —————— Mat tityahu (Mateus) ——————_———_ de que um goy nao é “um de nas” (veja Gl 2:15&N), Yeshua esté se referindo ao fato de que os goyim nao tinham recebido a revelacao de Deus como os judcus tinham, e assim devia se esperar menos deles; uma ve7 que isso era uma obra de Deus, ndo existe conotacdo difamatéria. Veja tambem 10:5N, ?4.7N. CarituLo 6 1-4 Tzedakah, palavra hebraica para “justia”, mas em usm contexto ju- daico, “fazer tzedakah” significa “caridade, realizar atos de misericérdia’. Isso se reflete no texto gregu. no v. 1, a palavra grega usada significa “justia”, mas nos vv. 2-4 uma palavra grega diferente utilizada, que significa “boas obras, esmolas, doagao de caridade”. 7 Compare com o Mishna: “( rabino Shim’on disse ‘(...) Quando vocé orar, nao torne sua oracao fix. [repetitiva, mecanica], mas [clame por] misericérdia e stiplica ante 0 Oni- presente, bendito seja ele” (Avot 7°13). » 43 De igual modo, o Gemara: “Quando se dirigir ao Santo, bendito seja ele, que as suas palavras sejam poucas” (B'rakhot 61a). Académicos do Novo Testamento gostam de encontrar paralelos entre os ensinamentos do Novo Testamento € os escritos de rabinos. Eu também gosto dis- $0 — veja 5:23-24N, wv. 9-13N, 7.12N e em outras partes deste comentario. Toda- via, 6 sébio nao levar isso muito a sério. Para explicar por que digo isso, deixe-me apresentar duas das “conclusdes de peso” a que alguém pude set tentado a chegar — junto com algumas raz6cs ainda mais importantes para ser bastante cauteloso: .“ (1) Conclusdo. v judaismo € a rcligiéo do Novo Testamento sao realmente | a mesma, uma vez que Yeshua (ou Paulo, ou os cvangelistas) e os rabinos ensi- © nayam as mesmas coisas. Cautela: a lgica @ falha, lembrando o silogisimo. como em “grama é verde. Dinheiro é verde. Logo, grama é dinheiro’, Mais ainda, 0 judaisino tradicional, como desenvolviu desde o século 1, separou se conscientemente a si mesmo do cristia~ nismo, defendendo a sua esséucia contra a possibilidade de aceitar tal conclusan; & 0 cristianismo, ao longo da maior parte de sua historia e na maioria de suas expres- ses, fez o mesmo. Existe, de fato, espaco para falar de uma “tradicdo cristio-judai- ca” que consiste de elementos comuns, mas isso é muito diferente de proclamar de forma ingénua a identidade dos dois bracos que igualmente esrabelecem suas dife- rencas. Fu mesmo espero que no futuro esses bracos tornem-se confluentes, tas agora eles nao sao congruentes (veja meu Manifesto judeu messidnico, capitulo IM). (2) Conclusdo: os rabinos assimilaram ou copiaram os ensinamentos de hua sem dar a ele 0 crédito. Conclusdo opasta: Yeshua, Paulo e/ou 0s escri- ‘do Novo Testamento assimilaram ou copiaram os ensinamentos rabinicos it-lhes o crédito. autela:os escritos rabinicos em sua maioria datam de muito depots de 6 Mishna foi compilado nv século II e os Gemaras entre os seculos IV sescritos sao ainda posteriores), assim, prima facie alguém poderia gimilacdo seria em grande parte dos rabinos. 57 — —————— Mattityahu (Mateus) Por outro lado, esses escritos registram muitas declaracées feitas por pessoas que viveram muity antes da data da compilacao, ¢ as vezes muito antes de Yeshua. Assim, eles também resumem tradigdes nao atribuidas que podem ser, na verdade, muito velhas — para que as ideias registradas possam perfei- tamente anteceder Yeshua. Jacob Neusner, um renomado académico judeu que lida com material do Novo Testamento para estabelecer 0 curso da historia judaica, destaca a impor. tancia de datar qualquer referéncia rabinica ou do Novo Testamento, junto com seus antecedentes, antes de tirar conclusdes sobre quem influenciou quem Uma vez que a mesma sociedade judaica do século I é 0 ambiente do qual vie- ram tanto 0 judaismo messianico quanto o rabinico, freqiientemente a conclu- sao mais razoavel é que tanto os rabinos quanto as figuras do Novo Testamento € seus escritores beberam da mesma fonte de idéias. Para dar o devido crédito, alguém poderia estabelecer (0 que vai muito além do escopo deste comentario) que, de fato, o Novo Testamento reconhece _,gontribuicées positivas feitas pela “tradicao" (por exemplo, os rabinos; veja Mc :5-13N) e pelo p'rushim (23:2&N). 8 Compare Isaias 65:24. * > 913 Esses versiculos incluem o que é Jargamente conhecido como a Ora- ao do Senhor, uma vez que foi ensinada pelo Senhor Yeshua. Todos esses ele- z+ Mentos podem ser encontrados no judaismo da época de Yeshua, entdo, nesse sentido, nao é original; mas é adequadamente reverenciada por sua beleza. Suas primeiras palavras, Pai nosso no céu (Avinu sh’ba Shammayim), abrem muitas oragGes hebraicas. As duas linhas seguintes lembram a primeira parte da oracao da sinagoga conhecida como Kaddish, que diz “Magnificado e santificado (Yitga- dal v'yitkadash) seja seu grande nome por todo o mundo que criou de acardo com sua vontade, e que possa estabelecer seu Reino em seu tempo de vida...”. A expressdo plural — “Perdoa-nos... induza-nos... livra-nos" — é caracteristicamen- te judaica, focalizando no grupo, e nao no individuo isolado. Maligno, no sentido de “coisas ruins que acontecem". O Talmud (Ki ddushin 81a) registra que “Sempre que o rabino Chiyya ben-Abba caia sobre sua face lem oracao], costumava dizer ‘Que © Miscricordioso nos salve do Ten- tador”. Porque o Reino, o poder e a giéria sao teus para sempre. Amen. Essa doxologia ecoa em 1 Crénicas 29:11. Os manuscritos mais antigos do Novo Testamento nao a contém, Os calélicos romanos nao a Incluem ao recitar a Ura- ¢ao do Senhor; os protestantes incluem. Sobre o “Amen, veja 3:18N; aqui ele assinala uma resposta Congregacional esperada. 21 U farad compreendeu muito bem que onde estiver sua riqueza, ali também estara seu coracao. f por isso que se recusou a deixar os israclitas levarem suas propriedades (Exodo 10:8-11, 24-27). 22-23 O olho é a lampada do corpo. Aparentemente, Yeshua recita um provérbio comum e 0 comenta. Se vocé tiver um ‘olha bam’ [sto esta no texto grego, mas a explicacio, isto é, se vacé for generaso, é acrescentada por mim, o tradutor, porque, no judaismo, “ter um olho bom”, um ‘ayin tovah, significa "ser generoso” e “ter um olho mau”, um ayin ra’ah, significa “ser mesquinho”. Que esta é a interpretagao correta é algo confirmado pelo contexto; gandncia ¢ 5B Mattityahu (Mateus) ansiedade sobre dinheiro séo o assunto no versiculo anterior ¢ no posterior. A passagem é outro elo na corrente das provas de que os eventos do Novo Testa- mento ocorreram em hebraico: reflito sobre isso ao analisar o v. 23 da secao 1 da Introducao do NTJ. Veja também o livro de David Bivin e Roy Blizzard, Understan- ding the Difficult Words of Jesus [Compreendendo as dificeis palavras de Jesus], Shippensburg, Pensilvania: Destiny [mage Publishers, 1984. 30 Muito mais. Essa expressdo assinala uma forma de argumentacao conhecida na literatura rahinica como kal v'chomer (“leve e pesada”), corres- pondendo ao que os fildsofos chamam de uma argumentacao a fortiori: se A é verdade, entao, @ fortiori (do latim, “com [ainda] maior forca”), B também precisa ser verdade. A expresso em portugués "muito mais”, equivalente a he- braica Kol sh’khen, cxpressa esse sentido e essa forca. Argumentos kal v'chomer explicitos aparecem no Novo Testamento 21 vezes, estando os outros em 7:11, 10:25, 12.12, Le 11:13, 12:24, 28; Rm 5:9, 10, 15,17; 11:12, 24; 1Co 12:22; 2Co 3:9, 11; Fl 2:12; Fm 16; JM 9:14, 10:29, 12:25. 0 fato de que 0 Novo Testamenty usa a argumentacao kal v'chomer com tanta freqiéncia aponta para um principo basico da hermenéutica do Novo Tes- tamento, ignorada pela maioria dos académicos cristéos. Os judeus que es- creveram 0 Novo Testamento participaram das formas de pensamento de sua época, e elas incluem certos principios de interpretacao (regras hermenéuticas, middot hebraicas, “normas, medidas”) largamente usados para compreender a Biblia hebraica. Ja houve diversas listas dessas middot no judaismo; as mais conhecidas sao as 13 middot do rabino Ishmael. Sdo encontradas na introducao do Sifra, um comentario halaquico do livro de Levitico compilado no século IV, mas o proprio rabino Ishmael era um tanna (um rabino professor citado no Mishna) que viveu no final do século 1 e no inicio do Il, e ele esta indubitavlmen te resumindo principios “antes de Hillel” (11. 10-20 E.C.; Encyclopedia Iudaica 8.367). Elas também estdo incluidas no Siddur (Livro de Oracdes Judaico) para gerem recitadas diariamente como parte das Birkhat-HaShachar, “as héncans matinais” que dao inicio ao culto da sinagoga. Mais da metade do artigo sobre “Hermenéutica” na Encyclopedia Judaica (8:366-372) 6 devotado a elas. Ouvi a objecdo de que Yeshua veio para trazer novidade, de modo que “velhos” principivs rabinicos nao devem ser levados em considcragao na com- preensdo do Novo Testamento, que seus escritores tinham “se libertado” das atitudes e praticas rabinicas e ndo estavam mais “presos” a elas. Assim como em 5:18N, eu disse que era facil invocar a “originalidade” de Yeshua para justi- ficar assumir que seu “Amem” tem um novo significado, também digo que, de igual modo, é facil invocar sua “novidade” para justificar a ignorancia sobre 0 ambiente historico, social, religioso e intelectual da epoca e do lugar em que viveu, em vez de um ambiente isolado do judaismo e do semitismo ao seu re- dor. As middot, certamente, eram parte da bagagem consciente ou inconsciente na abordagem das Escrituras, e é desnecessdrio supor que Yeshua, Sha'ul ou os outros escritores do Novo Testamento constituiam uma excecao. Pontos de vis- ta rabinicos tradicionais sio um elemento essencial para levat em consideracéo na_entendimento do texto do Novo Testamento. ‘e 34 Tsuris, adaptacao iidiche do hebraico tzarot, “problemas”. O léxico informal de Leo Rosten, The Joys of Yiddish [Os prazeres do iidiche], lista em “tsuris? aque ele chama de um “dito popular”: ‘Néo se preocupe com 0 amanha quent Sabe 0 que vai Ihe acontecer hoje?" [sso poderia ser uma instancia do ma- Mattityahu (Mateus) ———W~——_ 59, terial do Novo Testamento, extraido de sua origem, ressurgindo em um contexto Judaico (veja 5:21N); ou, alternativamente, Yeshua pode, neste versiculo, estar citando um provérbio ja corrente na cultura judaica de sua propria época. Carino 7 12 A Regra de Ouro pode ser encontrada em escritos judaicos e até no livro apécrifo de Tobias (século Ill a-E.C.), “O que vocé odeia, nao faca a nin- guém” (Tobias 4:15); ditos similares sao atribuidos a Isocrates, Aristoteles e Confincio. O rabino Hillel o expressou na geracao anterior a Yeshua; uma famo- sa passagem do Talmud comparando Hillel com seu contemporaneo. Shammai, conta a historia: “Um pagao foi até Shammai e lhe disse: ‘Faca de mim um prosélito, mas com a condicao de que vacé me ensine toda a Tord enquanto fico sobre um pé! Shammai 0 expulsou com uma vara de medicdo que tinha em sua mio. Quando ele foi até Hillel, este the disse: 'O que € ruim para vocé n&o faca a seu proximo. Isso é toda a Tord. O resto é comentario. Va e apren- dal” (Shabba 31a). A Regra de Ouro parafraseia Levitico 19:18, “Aime u proxima como a sl mesmo", que Yeshua chama de segundo maior mandamento (Mt 12:28-31). Alguns apologistas du judaismo véem superioridade na “forma negati- va" de Hillel da Regra de Ouro (“ndo faca aos outros...") em relacdo a “forma positiva” de Yeshua (“faca aos outros..."). Um era 9 conhecido escritor judeu Achad Ha’Am (veja discussées e referéncia em Abba Hillet Siler, Where Judaism Differed (Onde o judaismo ditferiu], New York: The Macmillan Company (1959), edicao de capa mole, 1972, p.125-126). O problema é que outros podem nao ter a mesma reacdo que a sua, assim é deselegante e possivelmente injusta trata-los como vocé trata a si mesmo. Mas alguém poderia seguir pelo outro caminho: 0 objetivo é tratar as pessoas como elas querem ser tratadas, ¢ isso € mais bem estabelecido como um comando positive. |agicamente nao exis te diferenca substantiva entre as formas, e o espirito da Regra de Ouro pode emergir de ambas: de igual mado, seu espirito pode ser extinto por argumentos entediantes e tendenciosos. 21 Senhor, do grego kurios, que pode ter quatro significados possiveis (veja 1:20N). No versiculo atual Yeshua parece dizer que chegara o dia er que as pessoas se dirigirao a ele como o Senhor divino — mais do que humano, mas ndo necessariamente YIJVII, no entanto, veja Fl 29-L1&N. Na Septuaginta, “ku- rios" é a traducéo mais comum de "YHVH". Nos escritos de Paulo e nas Epistolas Gerais, “kurigs” as vezes refere-se a Yeshua. Quem faz o que meu Pai celestial deseja, apenas aqueles que obede- cem a Tord, como expus nesse sermao, entrara no Reino do céu (veja 3:2N). 22 Naquele Dia é 0 Dia do Julgamento (no hebraico Yom-haDin); veja Rv 20:11-15&N. 23 Contra a lei, do grego anomia. “auséncia de lei, auséncia de Tord’. Praticantes do que é contra lei significa “vocés que agem como se nao hou- vesse Tord": isso confirma o ensino de Yeshua a respeito da permanéncia da