P. 1
Modelo Projeto

Modelo Projeto

|Views: 1.902|Likes:
Publicado porjaspedwardofking

More info:

Published by: jaspedwardofking on Mar 15, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/05/2013

pdf

text

original

1

CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE JI-PARANÁ – CEULJI/ULBRA

PROJETO OFICINA SOBRE SANEAMENTO BÁSICO E PARASITÓSE ALUNOS DO CENTRO EDUCACIONAL SÃO PAULO – CEDUSP

JI-PARANÁ-RO 2009/1

2

ANA PAULA S. PEDROSA CLAUDIA SOARES FAGNER ALFREDO A.C CAMPOS MARIA JOSEILMA DE A. SILVA SUELI ADRIANA TEXEIRA WANDERLÚCIA DANTAS

PROJETO OFICINA SOBRE SANEAMENTO BÁSICO E PARASITÓSE PARA ALUNOS DO CENTRO EDUCACIONAL SÃO PAULO – CEDUSP

Projeto de Oficina, apresentado aos alunos do Centro Educacional São Paulo – CEDUSP, sob orientação da Profª Enfª Tatiane de Almeida, para obtenção de parte de Grau 2, na disciplina de Promoção e Educação em Saúde, da Graduação em Enfermagem do CEULJI/ULBRA.

JI-PARANÁ-RO 2009/1

3

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO..................................................................................................... .04 2. OBJETIVOS......................................................................................................... .05 Objetivo Geral......................................................................................................05 Objetivos Específicos.........................................................................................05 3. JUSTIFICATIVA................................................................................................... 06 4. METODOLOGIA.................................................................................................. .07 5. RECURSOS MATERIAIS.....................................................................................08 6. RESULTADOS ESPERADOS..............................................................................09 7. REFERÊNCIAS.....................................................................................................10 ANEXOS....................................................................................................................11

4

1. INTRODUÇÃO Todo profissional da saúde deveria como máxima de sua profissão informar a sociedade sobre a dramática situação do saneamento básico no país: Mostrandolhes dados estatísticos sobre a situação dos sistemas de esgoto sanitário no Brasil e conscientizando os seus riscos a saúde e como evitá-los e preveni-los. O “Dossiê” poderia apresenta uma relação de doenças intestinais (parasitoses) que o contato com dejetos humanos e água não tratada pode acarretar. Infelizmente os problemas decorrentes da falta de um sistema de coleta, tratamento e disposição final de esgoto sanitário agravam-se quando existe fornecimento de água tratada à população. O Brasil conta com 16.982 milhões de “mini-fábricas” de esgoto sanitário mais potentes e prejudiciais à qualidade de vida da população do que os 8,593 milhões de domicílios que não são atendidos por redes de abastecimento d’água. Essa situação do setor de saneamento no Brasil tem conseqüências muito graves para a qualidade de vida da população, principalmente aquela mais pobre, residente na periferia das grandes cidades ou nas pequenas e médias cidades do interior.

5

2. OBJETIVOS

2.1 Objetivo Geral:

Proporcionar ao ouvinte conhecimentos amplos sobre o saneamento básico no Brasil, mostrando as estatísticas a respeitos, o descaso dos governantes e privatização e suas conseqüências. Mencionar as parasitoses intestinais

transmitidas pela a água mal tratada e medidas de prevenção a esse tipo relatado. Trazer um exemplo do saneamento básico do Estado de são Paulo.

2.2 Objetivo Específico

Relatar em relação à população brasileira, em especial a região norte, a respeito das conseqüências físicas, mentais e sociais causadas pela falta de saneamento básico e água tratada.

• • • • •

Mostrar as principais parasitoses transmitidas pela a água não tratada. Analisar junto aos fatos o que se pode fazer para erradicar o problema. Investigar os principais sintomas e prejuízo causado a saúde humana. Investigar o papel do governo na solução do problema. Discutir a privatização do mesmo.

6

3. JUSTIFICATIVA Baseando-se nas estatísticas sabe que as crianças são as que mais sofrem devido a falta de saneamento básico: 1) 65% das internações hospitalares de crianças menores de 10 anos estão associadas à falta de saneamento básico (BNDES, 1998); 2) a falta de saneamento básico é a principal responsável pela morte por diarréia de menores de 5 anos no Brasil.3) em 1998, morreram 29 pessoas por dia no Brasil de doenças decorrentes de falta de água encanada, esgoto e coleta de lixo, segundo cálculos da FUNASA realizados a pedido do Jornal Folha de São Paulo. É considerado que a eficácia dos programas federais de combate à mortalidade infantil esbarra na falta de saneamento básico e que os índices de mortalidade infantil em geral caem 21% quando são feitos investimentos em saneamento básico. As doenças decorrentes da falta de saneamento básico mataram, em 1998, mais gente do que a AIDS e ao se utilizar o soro caseiro, uma das principais armas para evitar a diarréia, só faz o efeito desejado se a água utilizada no preparo for limpa.

7

4. METODOLOGIA

A palestra será realizada pelos acadêmicos do curso de enfermagem, com a participação dos alunos no final dela, poderá se utilizando como recursos: quadro, retroprojetores, data show, cartazes.

8

5. RECURSOS MATERIAIS

Papel A 4, tinta para impressora, grampo, Combustível para veículo, computador, data show, projetor e cartazes, panfletos e serviços de terceiros como: ônibus coletivo.

9

6. RESULTADOS ESPERADOS

Espera-se a compreensão dos alunos da 6° do Ensino Fundamental dessa instituição pública de ensino, sobre a condição do saneamento básico em seu país, além das parasitoses intestinais mais comuns a serem contraídas pela ingestão da água não tratada. Seria importante que eles estendessem o papel do governo no saneamento e os prejuízos de sua privatização. Que eles possam aprender como prevenir parte do problema.

10

7. REFERÊNCIAS GIATTI et at, Leandro. Condições de saneamento básico em Iporanga, Estado de São Paulo. Disponível em: <www.scielo.br> acesso em: 28/04/09. GIATTI, Leandro. Reflexões sobre Água de Abastecimento e Saúde Pública: um estudo de caso na Amazônia Brasileira. Disponível em: <www.scielo.br> acesso em: 28/04/09. Ludwig et at, Karin. Correlação entre condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, Estado de São Paulo. Disponível em: <www.scielo.br> acesso em: 28/04/09. Revista de Saúde Pública. Cólera e condições de vida da população. Disponível em: <www.scielo.br> acesso em: 28/04/09. SANCHEZ, Oscar. A PRIVATIZAÇÃO DO SANEAMENTO. Disponível em: <www.scielo.br> acesso em: 28/04/09. Secretaria de Vigilância em Saúde/MS. Conclusões. Disponível em: <www.scielo.br> acesso em: 28/04/09.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->