Você está na página 1de 3

O cego e a guitarra

O rudo vrio da rua


Passa alto por mim que sigo.
Vejo: cada coisa sua
Oio: cada som consigo.
Ver = sentir
Ouvir = pensar
Da a dicotomia: sentir/pensar, que o leva a uma atitude de estranheza e
frustrao, face s suas percees da realidade
Sou como a praia a que invade
Um mar que torna a descer.
Ah, nisto tudo a verdade
s eu ter que morrer.
A Dor de pensar, isto : a angstia existencial que decorre da sua complexidade
interior
Depois de eu cessar, o rudo.
No, no ajusto nada
Ao meu conceito perdido
Como uma flor na estrada.
O poeta sente a angstia existencial e a solido interior. Compara-se a uma flor
perdida na estrada. Intelectualizao dos sentimentos.
Cheguei janela
Porque ouvi cantar.
um cego e a guitarra
Que esto a chorar.
Ao chegar janela o sujeito potico toma conscincia da realidade porque ouviu
cantar, e o cego e a guitarra choram, por isso se sente triste e melanclico como
eles
Ambos fazem pena,
So uma coisa s
Que anda pelo mundo
A fazer ter d.
O cego e a guitarra so um s, isto , ele sente a inquietao perante o enigma
indecifrvel do mundo
Eu tambm sou um cego
Cantando na estrada,
A estrada maior
E no peo nada.

Despersonalizao em: eu tambm sou cego/cantando na estrada. O poeta


despersonaliza-se e, agora, j se sente cego e s; resignao, frustrao interior
A problemtica do pensamento e a inquietao ontolgica.
-Preferncia pela mtrica curta
-Recordaes do lirismo lusitano (cantigas de embalar)
-Gosto pelo popular (uso frequente da quadra)

Este poema poder ter uma relao de semelhana muito prxima com este da 3.
fase de lvaro de Campos:

10

15

20

25

30

No, no cansao...
uma quantidade de desiluso
Que se me entranha na espcie de pensar,
um domingo s avessas
Do sentimento,
Um feriado passado no abismo...
No, cansao no ...
eu estar existindo
E tambm o Mundo,
Com tudo aquilo que contm,
Com tudo aquilo que nele se desdobra
E afinal a mesma coisa variada em cpias iguais.
No. Cansao porqu?
uma sensao abstracta
Da vida concreta Qualquer coisa como um grito
Por dar,
Qualquer coisa como uma angstia
Por sofrer,
Ou por sofrer completamente,
Ou por sofrer como...
Sim, ou por sofrer como...
Isso mesmo, como...
Como qu?
Se soubesse, no haveria em mim este falso cansao.
(Ai, cegos que cantam na rua,
Que formidvel realejo
Que a guitarra de um, e a viola do outro, e a voz
dela!)
Porque oio, vejo.
Confesso: cansao!...

lvaro de Campos, Poesias


(Prova Escrita de Literatura Portuguesa, 12. ano, 1983, 1.a Fase, 1.a Chamada)

Temtica:
problemtica do pensamento: marcas semnticas e morfossintcticas;
relao Eu/Outros - marcas de aproximao e distncia;
sentido da existncia (sntese dos dados elaborados pela anlise;
valorizao da reiterao e gradao);
relao de semelhana com Fernando Pessoa Ortnimo (problemtica
do pensamento e inquietao ontolgica).

Você também pode gostar