P. 1
fundamentos da enfermagem

fundamentos da enfermagem

4.89

|Views: 211.928|Likes:
Publicado porrico.ferr

More info:

Published by: rico.ferr on May 04, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/21/2014

pdf

text

original

No dia-a-dia de nosso trabalho executamos grande variedade de pro-
cedimentos, muitos deles repetidas vezes. Em geral, a importância que lhes
é conferida associa-se ao grau de complexidade, à tecnologia envolvida, à
capacidade de provocar danos ou complicações ao paciente e à freqüência
de realização. A pouca adesão dos profissionais da área de saúde à prática de

Equipamentos de proteção -
são aqueles destinados a pro-
teger o profissional durante o
exercício de suas atividades,
visando reduzir riscos. Podem
ser individuais (EPI), como más-
caras, luvas, botas, ou coletivos
(EPC), como a caixa própria
para desprezar materiais
perfurocortantes.

A devida atenção aos princípios
de assepsia evita a ocorrência
de infecção tanto no profissional
como no paciente.

42

Fundamentos de Enfermagem

lavagem das mãos reflete em parte essa situação, pois é procedimento sim-
ples, comum na esfera social como hábito de higiene, o que certamente não
lhe confere o valor e o status de alta tecnologia. E muitas são as justificativas
usadas pela equipe para não fazê-lo, como, dentre outras: falta de pias e
degermantes adequados, sobrecarga de serviço, situações de emergência17
.
Em contrapartida, os especialistas são unânimes em afirmar que este é um
dos procedimentos mais significativos para a prevenção e o controle da in-
fecção hospitalar, sendo-lhe atribuída a possibilidade de redução acentuada
da carga microbiana quando as mãos são lavadas com água e sabão e com
degermantes como povidine ou clorhexidine18
.

Técnica de lavagem das mãos

Para que a lavagem das mãos seja eficaz, faz-se necessário
utilizar uma técnica apropriada para a remoção mecânica da sujidade,
suor, células descamativas e microrganismos transitórios em todas as
partes da mão: palma, dorso, espaços interdigitais, unhas e punhos.
Visando evitar contaminação durante o processo, antes de
iniciar a lavagem das mãos devem ser retirados objetos como anéis,
pulseiras e relógio de pulso. Preferencialmente, utilizar sabão líqui-
do, pois o sabão em barra facilmente se torna meio de contamina-
ção. Outro cuidado adicional é evitar que, durante a lavagem, as mãos
entrem em contato direto com a pia.
Para uma lavagem adequada das mãos deve-se, após molhá-
las e colocar o sabão, fazer os seguintes movimentos: friccionar pal-
ma contra palma (figura 1), palma direita sobre o dorso da mão es-
querda, com os dedos entremeados (figura 2) e vice-versa, palma
contra palma, friccionando a região interdigital com os dedos entre-
meados (figura 3), dedos semifechados em gancho da mão esquer-
da contra a mão direita (figura 4) e vice-versa, movimento circular do
polegar direito (figura 5) e esquerdo, movimento circular para a fren-
te e para trás com os dedos fechados da mão direita sobre a palma
da mão esquerda (figura 6) e vice-versa.
O processo de fricção repetida deve ser realizado com as mãos
e os antebraços voltados para baixo, evitando-se que o sabão e a
água, já sujos, retornem às áreas limpas. Cinco fricções de cada tipo são
suficientes para remover mecanicamente os microrganismos.
Após esse processo, as mãos não devem ser enxagüadas em água
corrente, mas sim posicionadas sob a torneira com os dedos voltados
para cima, de modo que a água escorra das mãos para os punhos.
Após a lavagem, mantendo os dedos voltados para cima, secar as mãos
com papel-toalha descartável, começando pelas mãos e, depois, os antebraços.
O uso de sabão é suficiente para a lavagem rotineira das mãos.
Em situações especiais, como surtos de infecção ou isolamento de mi-
crorganismo multirresistente, seguir as orientações do setor responsável
pela prevenção e controle de infecção hospitalar.

A lavagem das mãos é de ex-
trema importância para a segu-
rança do paciente e do próprio
profissional, haja vista que, no
hospital, a disseminação de
microrganismos ocorre princi-
palmente de pessoa para pes-
soa, através das mãos.

1

2

3

4

5

6

Lavagem das mãos

17Ibidem, 1998.
18Dealey, 1996.

43

P E

A

ROF

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->