Você está na página 1de 7

COMO FAZER MULTIMIDIA

MENDES1; André Geier.

1
Estudante do curso de Sistemas de Informação, 8º Período, Disciplina de Sistemas Multimídia.
E-mail: andreitsbr@yahoo.com.br
COMO FAZER MULTIMIDIA

RESUMO

O presente artigo busca descrever de maneira direta e simples como deve ocorrer a criação do multimídia e
tudo o que submete para o seu desenvolvimento. Fazer multimídia envolve muito mais do que a utilização de
vários aplicativos pra formular uma apresentação de um produto ou empresa. Envolve a capacidade criativa
do usuário de transmitir uma informação de maneira clara, objetiva, interessante e com a capacidade de
emocionar o público. Atualmente existem diversos recursos que podem ser utilizados para a criação do
multimídia de sucesso e que atinja resultados positivos. O multimídia pode influenciar tanto o fator racional
quanto o emocional do consumidor, para tanto existem diferentes meios para chamar a atenção de quem o
assiste, como através do “emocionar”; da transmissão da mensagem consciente e inconsciente; escrever o
texto; mostrar ilustrações, gráficos e tabelas; usar vídeos, animações, sons, música; assim como saber usar
cor, textura e pano de fundo de maneira atraente.

Palavra chaves: Multimídia, mídia e público.

A criação de uma aplicação multimídia, não deve se basear somente em detalhes, esboços,
ou seja, em apenas detalhes técnicos. Para que a utilização do recurso alcance o seu
objetivo, de informar e manter atento, ele deve chamar a atenção do seu publico alvo.
A principio o seu criador dever compreender a importância do “emocionar” o público com
o seu trabalho e tal resultado só pode ser alcançado, não somente com apresentação de
fatos, mas sim ao transmitir tais informações com sensibilidade, de maneira que possam
provocar sentimentos (esperados e intencionais) naqueles que vejam apresentação.
Estes sentimentos podem ser transmitidos por palavras, imagens, vídeo e sons, a artimanha
utilizada não precisa ser sofisticada ou que trabalhe sempre com recônditos desejos. Ela
simplesmente pode estar embutida de forma sutil em cada tipo de mídia, por exemplo, na
construção lingüística da mensagem.
Um fabricante de biscoito anuncia seu produto, em multimídia, com uma pergunta:
“Tostines é fresquinho porque vende mais ou vende mais porque é fresquinho?” a pergunta
sempre leva ao consumidor, seja qual for à resposta a pensar, que o biscoito é “fresquinho”.
Os consumidores sabem que outras marcas vendem biscoitos “fresquinhos”. Mas a forma
como a mensagem foi apresentada conduz o consumidor a considerar de forma sutil, que
aquela marca faz os biscoitos mais fresquinhos.
Compreender o uso de tais influências sutis pode garantir o sucesso de um aplicativo
multimídia e/ou hipermídia, pois a maneira que é percebida um, determina o desencadear
um comportamento.
O ser humano é um ser sensorial, ele capta mudanças e informações ao seu redor e a
interpreta de maneira que, esta informação captada se encaixe de forma racional com suas
emoções, medos e angústias. Entretanto, é possível e freqüente a utilização de recursos de
base irracional (fundo emotivo) na transmissão de informações. Evidentemente, esse
processo é muito sutil e o público, em geral, não se dá conta que esta sendo manipulado,
através de seus sentimentos, para pensar de tal forma ou agir de acordo com a vontade de
alguém.
Diversas pesquisas comprovam a influência e o poder da mídia sobre o ser humano e que
sua má utilização pode gerar “propagandas ideológicas”, “lavagens cerebrais”, enfim
construir pensamentos destrutivos ou erronias na população.
Por isso é importante ao criar uma aplicação em multimídia ou/em qualquer tipo de mídia,
que se tenha ética, na utilização dos recursos e transmissão das informações.
Embora tenhamos a possibilidade de tanto trabalharmos com base racional e base
irracional, separadamente ou em conjunto, temos que construir ou elaborar uma aplicação
multimídia baseada em alguns questionamentos:
 Como aumentar a consciência e atenção do público.
 Como elevar e enfocar a excitação e entusiasmo.
 Como explicar de forma clara as idéias abstratas e complexas.
 Como comunicar-se com pessoas de variados níveis de conhecimento e estilos de
aprendizado.
 Como elaborar possíveis simulações e ou reconstituições.
 Como motivar os indivíduos a tomar uma ação.
 Como fazer com que o público crie sentimentos positivos quanto à mensagem que
estou passando.
Uma informação ou mensagem pode ser entendida tanto de forma consciente como de
forma inconsciente pelo ser humano. A principal técnica utilizada é de associar um
determinado valor social a uma mensagem ou produto transmitido.
Por exemplo, numa animação, um cowboy cavalga por uma bela paisagem ao por-do-sol,
ao som de uma música contagiante que lembra o velho oeste. De repente ele para, pega um
cigarro do seu bolso e começa a fumar. Logo surge bem grande a marca do cigarro.
Ao nível consciente o consumidor notará aspectos como a clareza e o balanceamento
gráfico da aplicação, perceberá as imagens do cowboy, do cavalo, da paisagem, do cigarro,
etc...
As imagens ilustram e chamam a atenção para o texto. Os sons preparam o público para os
pontos importantes ou então indicam uma ação a ser tomada. Vídeos e ou animações
apresentam eventos e conteúdos em um período de tempo que o público irá reconhecer e
relacionar.
Ao nível inconsciente as mensagens não costumam ser tão claras, muitas mensagens
passadas pelo multimídia podem passar despercebidas pelo público. Pois o objetivo de
utilizar esta técnica é o de projetar elementos que resultem emoções específicas e não
idéias. No caso de exemplo do cowboy citado acima, o inconsciente interpreta que há uma
relação de liberdade, prazer, aventura ao ato de fumar. O que conduz ao público a fumar
para buscar tais sentimentos ou sensações.
Para fazer um bom trabalho de multimídia não precisa ter um vasto conhecimento de
publicidade, psicologia, etc...basta ter um relevante conhecimento sobre o tema,
sensibilidade, coerência, ética e inteligência para saber utiliza-lo da melhor forma para
atingir o seu objetivo.
Há uma grande diversidade de aplicativos onde o conhecimento pode ser aplicado, seja na
aplicação de fotos ou figuras; criação de textos ou slogans; nas escolhas das cores, dos
sons, musicas ou vídeos. Tudo depende do interesse e criatividade de quem está produzindo
o multimídia e qual a área que lhe proporciona expressar o seu talento. E em caso de
necessidade busque profissionais nas áreas que precisem ser melhoradas, como um artista
gráfico, a um músico, a um produtor de vídeo, entre outros.
No entanto faz parte de um conhecimento básico e relevante saber os tipos de mídias que
podem ser usados numa produção. A seguir um pode-se ver um pequeno quadro explicativo
sobre os tipos de mídias e seus atributos na produção.

1- Tabela de tipos de Mídia


Fonte: Dominando a mídia

Além deste conhecimento é primordial também, na produção de um multimídia, ter uma


clareza visual da apresentação. O que será mostrado para o público deve estar bem obvio,
evitando muitos itens marcados, a presença de muitos ícones, botões ou muitas fotografias,
que acabem poluindo e confundindo o objetivo da mensagem.
É interessante manter um só foco principal e três subfocos, tanto com imagens como com
textos e gráficos, a qualidade de projeção também é muito importante.
Assim como a escolha de cores, formas e texturas harmoniosa que não competem pela
atenção do público. As cores desenvolvem um papel importante na produção do multimídia,
suas influencias podem ser extremamente sutis ou visíveis, mas sua correta utilização
podem influenciar emoções, percepções, humor e comportamentos.
As cores são utilizadas para identificar, contrastar e destacar. Ela pode ser usada em
padrões, texturas e gradientes. Mas as cores podem tanto atrair como repelir, chamar a
atenção ou desvia-la. Podem ser usadas para criar efeitos de profundidade, de destaque, de
projeção, para dar aparência de 2D ou 3D a objetos e também para indicar fontes de luz,
criando um destaque no objeto especificado.
A tabela abaixo demonstra algumas associações dadas a algumas cores.

2- Tabela de cores
Fonte: Domínio da Mídia.

O som é um dos mais poderosos recursos do multimídia, ele instiga o nosso inconsciente,
transmitindo sensações e emoções através da ligação do som com a imagem. Para atingir
este efeito é necessária uma sincronização do contexto sendo exibido com um som, que
transmita uma sensação ou sentimento.
Por exemplo, é muito comum à utilização de músicas e sons relaxantes em apresentações
multimídia para reforçar dizeres de auto-ajuda ou pequenas histórias que tem por objetivo
causar reflexão de quem o assiste.
Basicamente a necessidade de haver sons numa multimídia se deve a própria condição
humana de relacionar um acontecimento com um som. Então colocar sons em apresentação
acabam chamando muito mais atenção do público e os mantêm atentos as informações
transmitidas.
O som é trabalhado dentro das aplicações multimídia das seguintes formas: Narração,
música ou efeitos sonoros.
 Narração: A narração efetiva não dita ordens, ela persuade o ouvinte. Ela chama a
atenção para pontos importantes que poderiam passar por despercebido.
 Música: pode comunicar sentimentos, desencadear emoções ou nos fazer lembrar de
algo vivenciado. Comunica mensagens que não podem ser faladas.
 Efeitos sonoros: funcionam como marcadores de página auditivos, chamando a
atenção para fatos e idéias importantes.
No entanto o texto continua sendo o tipo de mídia mais utilizado em aplicações multimídia.
Além de fácil uso é recurso mais bem compreendido pelo público, entretanto o texto de vê
chamar a atenção, não somente pelo conteúdo claro, mas pela fonte, tamanho, visibilidade,
etc.. A animação de texto também é um ótimo recurso de chamar a atenção do que está
escrito, pode-se utilizar efeitos dos caracteres aparecerem um por um, surgirem pela direita,
deslizarem para baixo, entre outros recursos, que se bem planejados alcançam o seu
objetivo. Mas vale ressaltar que o texto em movimento deve ser legível, os efeitos não
podem demora para aparecer e não pode se tornar exagerado ou aborrecível.
O vídeo é talvez o mais atual dos tipos de dados multimídia, utilizar este recurso depende
muito mais de se ter um local para usar, pois não é nada complicado de se usar. Entretanto
para uma boa exibição é necessário que ele esteja em boa qualidade e que não ocupe muito
espaço de armazenamento e poder de processamento. Caso contrario o resultado do mídia,
não apenas frustrará o seu usuário, como o tornará em algo de desagradável visualização ao
público.
Há alguns pontos que falhem ser lembrados ao se desenvolver uma mídia em vídeo.
 Possibilitar ao usuário o seu controle. Controle para parar a exibição, pausar,
recomeçar, retroceder e avançar.
 Quanto mais controle o usuário tiver sobre o vídeo, maior será a sua interação.
 A escolha por exibir o vídeo em uma janela separada da aplicação também é uma
escolha a ser considerada pelo projetista da aplicação.
 Animar somente quando se tem um propósito para isso.
 Evitar de mover objetos sem uma finalidade.
Só anime um objeto quando o movimento desse objeto tem uma finalidade especifica em
sua aplicação. Evite excessos e antes considere alguma das seguintes finalidades em sua
aplicação:
 Se irá acentuar o impacto emocional.
 Se tais emoções que você está tentando induzir são vantajosas.
 Atende ao objetivo do assunto apresentado
 Melhora a transmissão da mensagem.
 Adequada-se ao tempo necessário de exibição.
 Mantêm o público atento.
A palavra escrita também é base para qualquer aplicação multimídia e ou apresentação. Ela
pode uma sólida e confiável forma de transmissão uma informação, desde que, envolva
uma comunicação clara, concisa e precisa. Deve se dirigir de forma correta objetiva, da
maneira mais simples possível e procurando transmitir ao público as emoções desejadas
pelo usuário.
Por exemplo, numa apresentação numa tela simples, surge um par de sapatos sociais
femininos na cor prata e logo os dizeres “seria constrangedor para as suas jóias aparecer em
companhia de outro sapato”. As letras estão escritas de maneira clara, mas em caracteres
sofisticados e em dourado, a frase que se destaca na tela, também aumenta a sensação de
luxo que envolve o produto.
Fundos e texturas dever ser usados como área de trabalho da aplicação, nele os outros
objetos multimídia serão exibidos, por isso a importância de escolher um plano de fundo
pode significar o sucesso ou o fracasso de uma apresentação. Pois o fundo é a primeira
coisa que o publico percebe, criam a dimensão e riqueza da apresentação e não tornam a
apresentação maçante.
Como um plano de fundo pode dar iluminação, complexidade, beleza para um multimídia,
quando mal empregado pode chamar mais a atenção para o fundo do que para o resto da
apresentação em si.

Referência Bibliográfica:
BOCK, Ana M.B.; FURTADO, Odair, TEIXEIRA; Maria de Lourdes T. Psicologias: Uma
introdução ao estudo de psicologia. Editora Saraiva, SP, 2001.
HENNRICHS, Jean Carlos. Disponível em 07/11/2005.
JACOSKI, Claudio; MATIELLO, Alexandre. Instruções para Envio de Artigos Técnicos –
Edital No 01/2003 - Caderno Ciência, Tecnologia e Educação – Série Pesquisa. Disponível
em http://www.zipway.com.br/~jeanch/fie/midia/modelo_artigo.pdf em 07/11/2005
LINDSTROM, Robert L. Guia Business Week para Apresentações em Multimídia. Makron
Books.ISBN 8534604401
VENSON, Adilson, SENGER, Marcelo, KUSS, Paulo Fernando. Organizando um Projeto
Multimídia. Disponível em: http://inf.univali.rct-sc.br/ em 04/09/2000