Você está na página 1de 243
111Sennées para todas as ocasiées . Categoria: Ministerio ~ Pregagées Palestras . Diagramacao ¢ editoragdo: Ubitajara Crespo . Reviséo: Joao Guimaraes . Primeira edigéo: Fevereiro de 2006 . Av. Fuad Lutfalla, 45 -— Gaga: 02068-000 Filipe Cres So Paulo — SP renresye Tel: (1) 5992-8016 wwweditoranaoscombr — Todos os direitos so reservados. Deveré ser pe- ecdioranacs@editoranaoscombr dida a pemmissdo por escrito para a Editora Naés para usar ou reproduzir este livro, exceto por citagdes breves criticas, revistas ou artigos. DADOS PARA CATALOGACAO, 252 BASTOS, Walter B2970 Il sermées para todas as horas/ Walter Bastos. Sao Paulo: Neds, 2006. 280 p. ISBN 85-88606-79-8 1 Sermbes - Textos I Titulo CDD 18*.ed. www.editoranaos.com.br 69. Em Cristo as possibilidades sao infinitas — Fp 4.13 165 70. O cariter e a conduta do verdadeiro cristio ~ Fp 4.8.9. 167 71. Os sinais do verdadeiro cristo — ITs 1 169 72. A oraciio de Jabez ~ 1Cr 4.9.10. 171 73. Longevidade ~ Py 10.27....... 1B 74. Falando a mesma lingua — Iz 12.1-6. 175 75. Qual 6 a distancia da morte? ~ Mt 6.27... 17 76. Vestindo-se de humildade — 1Pe 5.5. 180 77. Quando Deus nos exalta 1Pe 5. 182 78. O cuidado do marido pela esposa — Ef 5.25-29..... 185 187 189 81. O tempero do mundo — Mt 5.13. 191 82. O consolo divino ~ Mt 5.4. 193 83. A caréncia financeira e 0 socorro divino ~ Mt 17.24-27. 195 84. A parabola dos filhos perdidos ~ Le 15.11-3. 198, 85. O poder do Evangelho — Rm 1.16,17. 200 86. O casamento feliz — Hb 13.4. 202 87. Adultério: Uma tragédia para o casamento — Ex 20.14,17 e Hb 1 204 88. O poder da graga — 2Co 12.9. 207 89. O milagre da multiplicagao 2Rs 4.1-7... 209 90. Vitoria pela graga — Ex 23.20-33 21 91. Prosperando com propésitos — 1Cr 29.10-22 213 92. Os propésitos de Deus para a Igreja — Parte 1 - Mt 22.34-40.. 215 93. Os propésitos de Deus para a Igreja — Parte Il - Mt 28.19,20. 217 94. A Igreja Primitiva e os propésitos de Deus — At 2.42-4 219 95. O poder da esperanga — Ec 9. 21 96. O poder e o valor do pacto - Ed 10.1-5 23 97. Como se aproximar de Deus? ~ Tg 4.8 225 98. Tornando-se semelhante a Cristo - Ef 4.22-24. 221 99. Hoje é 0 dia de lembrarmos de Deus ~ Ec 12.1 100. Restaurado para servir — Mt 8.14.1 231 101. Como vencer a ansiedade? — Mt 6.25-34....cccccnsssnstenteenesses 233 102. Evitando o partidarismo — Fp 2.3 235 103. Sofrendo 0 agravo em favor da comunhio ~ 1Co 6.1-8. 21 104, Espirito de mansidao — Mt 5. 239 105. Famintos e sedentos por retidio ~ Mt 5.6. 241 106. Questiio de escolha — SI 119.29,31 244 107. Fidelidade nas contribuig6e: 1Co 16.2... 246 Water Bastos, 108. Refletindo a luz de Cristo num mundo em trevas — Mt 5. 14-16. 109, Sem medo da tempestade - Mt 14.22-33 110. Quem pode entrar no paraiso celestial? ~ Le 23.39-43 111, Deus quer tornar os nossos sonhos em realidade — 1Rs 3.5 253 Novo Pequeno Manual Homilético 8 = s -- 287 1 257 2. Relembrando as sicas da pregaga 250 3. A importincia da proposicio ¢ o lugar das frases de transigio. 261 4, O coragio do sermio: Interpr 203 5. Sermo modelo. 267 6. Palavra final. 22 Conclusio.. 205 Lista de Siglas © Abreviaturas 26 Bibliografia.. mn Palavra ao Leiton 279 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES PREFACIO ‘Un pincel, uma tela, algumas cores de tintas ¢ 0 gasto de tempo e dedicacao, somados a uma mente criativa poderao apresentar um dos dois resultados: Um belo quadro que embebedari os olhos dos admiradores desse tipo de arte ou um borrdo que causara espanto e indiferenga nas pessoas. Depende do qué? Ou melhor, de quem? Isso mesmo. Depende das maos que tiverem esse material preposto. A Palavra de Deus € 0 livro por exceléncia. 0 maior best seller de todos os tempos € a manual de conduta e aconselhamento de reis € rainhas na historia da humanidade, e mais do que isso, 60 Livro de Deus. Nesse livro esta narrada a historia de Deus ¢ da humanidade, o pasado que clucida © presente ¢ dé um pano de fundo para 0 futuro do planeta ¢ de todas as coisas ¢ pessoas. Ela é rica em detalhes na formagio e na Histéria, traz nogdes de todas as ciéneias desenvolvidas pelos homens e conduz pelo caminho da eternidade. Enfrenta o desafio de esclarecer 0 que sucedera depois da morte ffsica e, com ousadia, declara o futuro de todas as pessoas. 0 rei Salomao a qualifica como mais preciosa do que 0 puro our de Ufir, eo Senhor Jesus a declara como o alimento essencial para todo homem Todavia, aquele que compulsa este livro poderd fazé-lo em habilidade e destreza conduzindo pessoas aos caminhos de Deus para o sucesso ¢ realizagao plena nesta vida e ao destino eterno nos bragos do seu Criador, ou entao, desviar totalmente os passos de uma pessoa sincera que busca © conhecimento da verdade, mas depende da instrugao daqueles que possuem as ferramentas para esculpir o seu futuro tanto temporal quanto eterno por meio da pregagao da Palavra de Deus. Esse futuro é construido quando alguém esté pregando a Palavra de Deus. Walter Bastos usa todo o seu talento © capacidade para dar subsfdios ao futuro das pessoas a0 elaborar seus sermées, Ele sabe que o destino de vidas preciosas como seus filhos eesposa depende dos momentos que passa com Deus meditando em Sua Palavra, antes de subir ao puilpito de sua igreja e pregar. O mesmoalimento que dedica em seu dia-a- dia & sua familia e pessoas proximas e amadas, chega em nossas e isso dé um valor especial a este livro de sermGes. Trata-se de receitas experimentadas pelas pessoas mais queridas na vida daquele que as preparou, e certamente o fez coma responsabilidade de pai, marido e pastor. Quando meu amigo Walter fala de fidelidade, sabe que ao preparar um serméo ocupa a posicao de exceléncia entre as atividades conferidas por Deusaos homens, afinal a vida presente ¢ eterna daquelas pessoas depende do tipo de tela que ele esta pintando. Entende que ser dominado pelo Espirito Santo nao é um acessério opcional na vida do pregador, mas a tinica maneira de superar os limites impostos pela fraqueza da carne ou mesmo pelas impossibilidades ica ou cultural de alguém. A sua fidelidade a Deus e 4 Sua Palavrao mant nos dominios do Espirito para superar os seus proprios limites e ajudar aqueles que foram feitos por Deus como ouvintes de suas prédicas em Mogi das Cruzes, e por todo Brasil. Fle faz do piilpito um lugare da pregacio uma ferramenta para auxilio no processo de gerar discipulos de Cristo que sejam sadios e preparados parao trabalho e testemunho do Reino de Deus. Claramente o autor desses sermGes esta tentando conscientizar os discipulos de Cristo da responsabilidade que possuem em priorizar em suas vidas o que é a prioridade para Deus: 0 Reino de Deus, a [greja. Ensina que no ato de dizimar declaramos 0 nosso envolvimento com essa prioridade e geramos a possibilidade de nos tornarmos pessoas ticas para com Deus. Por tudo isso € muito mais, recomendo a leitura ¢ estudo desta obra de arte, € 0 seu uso apropriado para tornar os que pregam e os que sio ouvintes das mensagens pessoas de peso diante de Deus e de uma sociedade decadente. Pastor Joel Stevanatto Escritor e conferencista internacional 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES NTRODUCA Elaborar um sermao & trabalhoso e demorado, isso considerando uma série de coisas, por exemplo, um contetido relevante e interessante, interpretagao correta do texto ou tema biblico, objetividade, aplicagao ou contextualizacdo adequada eic. Poressas e outras consideracdes € que podemos afirmar sem medo de errar que um bom sermao tem razodvel semelhanga com uma “obra de arte”, com a diferenga de que ele nao foi concebido apenas para ser admirado. Falar com elogiiéncia e erudigao € privilégio de poucos, mas pregar com intrepidez é dever de todos os arautos de Cristo. Paulo reconhecia isso e até pedia oragio nas igrejas por onde passava (veja Efésios 6.19: cf, Atos 4.29). A intrepidez para pregar nfo depende de elogiiéneia ou desembarago lingiiistico, mas, sobretudo, de dom{nio de contetido (saber e entender o que est falando), consagracao de vida, muita fé (acreditar no que esti falando). veja outros detalhes. de igual importancia, no Pequeno Manual Homilético que apresentamos no final deste livro. Em razio disso, 0 amado leitor precisa criar habito de sempre buscar na fonte, de crer que em Deus estéo alimento que vocé ¢ principalmente os seus ouvintes precisam (Mateus 4.4). A bem da verdade, a presente obra nio pode substituir aquele momento particular e impart que todo pregador tem com Deus antes e durante 0 estudo daquilo que vai ministrar para o seu povo. Os livros de sermoes sio apenas para referéneia, consulta, ou mesmo para fomentar idéias, mas nunca para substituiro estudo pessoal das Escrituras Sagradas. m 1/1 Sermdes para Todas as Ocasides, apresentamos uma coletanea de preciosas joias homiléticas, que pode nao apenas servir de base ou referencia para outros sermdes, mas de um devocional diario, de um livro de meditagao biblica, de um compéndio de estudos biblicos para grupos pequenos etc. Existem lares que ainda cultivam o maravilhoso habito do culto doméstico, nesse caso a presente obra se mostra eficaz, como jd relatamos, para orientar um estudo de grupo sobre os temas e ou textos sugetidos. Além disso, /// Sermées para Todas as Ocasides também pode ser usado como ferramenta muito titil nos programas evangélicos radiofonizados, tanto para evangelizar quanto para o crescimento espititual dos ouvintes. A despeito de todas as aplicagdes que ja sugerimos, nao poderfamos deixar de indicar que 0 presente volume seja adotado para ajudar no preparo de estudos biblicos para diversos fins: conferéneias, seminirios, Escola Biblica Dominical ou em cultos de crescimento espiritual etc., isto levando em conta que os sermées aqui apresentados nfo sfio simples eshocos, resumidos out mal acabados, mas so sermBes com forte contetido hermenéuticoe exegético. Em outras palavras, podemos afirmar que o texto que o prezado leitor tem o prazer de manusear vem se somar aos intimeros livros de homilética adotados por escolas teolgicas para a formaciio de pastores e Iideres, e de maneira alguma ele deve ser usado como umaespécie de substituto do treinamento formal. Cada sermio foi concebido para uma realidade, por essa razio, sua utilizagao carece de contextualizagio, de uma aplicagao especifica acada caso. Em 200 1 langamos o nosso primeiro livro de sermoes, /0/ Sermdes para Todas as Horas foi uma experiéncia maravilhosa. Recebemos muitas cartas, e-mails, convites, telefonemas ete.,¢ isto nos honrou sobremaneira, sobretudo pela contribuigao ao Reinode Deus. Soubemos, inclusive, que foi colocado A yenda na outta América (EUA). A despeito do seu valor, desejo dizer que em I// Sermées para Todas as Ocasides houve wm amadurecimento, pudemos melhorar 0 nosso estilo de redacao, incluir um valioso adendo (proposig&o)em cada sermao ete. O Pequeno Manual de Homilética também possui inovagdes e uma delas tem a ver com um belo sermao modelo, Enfim, podemos afirmar sem medo de errar, que os que apreciam a leitura de sermées ficario satisfeitos com o contetido ¢ demais ajudas de !// Sermées para Todas as Ocasiées. No amor do Mestre, boa leitura ¢ pesquisa Walter Bastoy ~ outono de 2005 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES SERMAO 1 C wecompensa da fidebidade Matgus 25.21 INTRODUCGAO Por toda a Biblia esta implicita a vontade de Deus em abencoar os homens, entretanto, teruma vida bem-sucedida, feliz, é0 resultado direto da nossa obediéncia a verdade claramente descrita nas Escrituras (veja Deuterondmio 28. 1,2). Um beloexemplo disto vem pelo testemunho do apéstolo Joao, sobre um disefpulo chamado Gaio (3Joao 1-6). Em todos os casos, o individuo prdspero é sempre aquele que é compromissado com os interesses do Reino de Deus. Jesus afirmou em Mateus 6.33, que todo aquele que priorizar as coisas de Deus, Ele prdprio, se responsabiliza em suprir tudoo que viesse a precisar. Isto nos encoraja a continuarmos fi€is. PROPOSIGAO: A vida abencoada é 0 fruto da obediéncia irrestrita e continuada da Palavra de Deus. I-“MUITO BEM, SERVO BOM E FIEL...” — Este texto ¢ apresentado na paribola dos talentos (v. 14-30). Talento é uma expresstio de unidade financeira, com o peso aproximado de 32 kg, de ouro ou prata, Nessa parabola, Jesus nos ensina uma linda e severa ligio sobre a fidelidade na mordomia ou na administracdo dos dons, recursos (dinheiro), tempo, oportunidades, satide ete., que Deus nos dispoe. ~ Esta palavra de Cristo tem uma conotagdo escatolégica, ¢ faz referéncia & prestagdo de contas (veja 2Corintios 5.10), ao juizo que testaré a qualidade, e nfio a quantidade (v. 15) das nossas obras (1 Corintios 3.13), Quem deseja ouvir um “muito bem, servo bom e fiel”, precisa, esforear-se para ser leal também nas menores e insignificantes coisas. Podemos servira Deus por medo (v. 25), egofsmo (coma Judas ~ Jodo 12.6), ou amor. — Jesus destacou duas gualidades do servo da parabola em estudo: I. Bom, do grego agathds. benévolo (tem sempre boa vontade), alguém que cumpre ao pé da letra seus deveres, € benfazejo. 2. Fiel, do grego pisids, confiavel, digno de confianga. Em outras palavras, o Mestre valotiza o crente que atende As suas expectativas, que obedece asua Palavra, que é titil no Reino, integro nosscus deveres, firme de propdsito (persevera, mesmo diante das dificuldades) e éum exemplo para os demais. I - “FOSTE FIEL NO POUCO, SOBRE O MUITO TE COLOCAREL...” (V. 23). ~ E prazer de Deus confitmar a fidelidade de Seus servos, por meio de béngios, vejamos: jlibilo e se alegrem os que tém prazer na minha retidao; e digam sempre: Glorificado seja o Senhor, que se compraz na prosperidade do seu servo!” (S1 35.27). Essas béngios geralmente se convertem em livramentos, satide, oportunidades (veja Deuterondmio 8.18). encorajamento, aprovacao ete. Wares Bastos, BEY ~ Como jé foi mencionado, em Deuterondmio 8. 18a, esté escrito que a fonte das oportunidades e de todo bem, inclusive a satide, é 0 proprio Deus. Isto indica, em sintese, que progresso material, espiritual, ministerial, familiar ete, nfo € 0 produto da capacidade individual pura e simplesmente (veja LCorintios 1.26-29), mas a manifestagao da graga de Deus, em resposta & obedigncia de Seus filhos aos Seus justos mandamentos. ~O Senhor felicita e recompensa 0 servo dedicado, esforcado, fiel, obediente; nao 0 omisso Cv. 26), nem o negligente ou o descomprometide com a causa do evangelho de Cristo, esse na verdade é censurado, reprovado e punido severa e exemplarmente (v. 30). — Paulo relata em 2Ce 15.58 sobre uma recompensa escatolégica, futura, por noss lealdade, perseveranga e servigo na obra do Senhor, entretanto, em Mateus 19.29, Jesus afirma que Deus compensaré abundantemente — ainda nesta presente vida — quem “deixar” (ou “oferecer” — Mateus 5.40) qualquer coisa, por amor obra de Deus. Veja o exemplo de Barnabé ~ Atos 4.37. —No Antigo Testamento, encontramos intimeras promessas de Deus, que nos garante e encoraja a esperarmos béngdos em resposta d nossa obediéncia a Sua vontade, por exemplo: “Servireis ao Senhor, vosso Deus, ¢ ele abencoar 0 vosso pao e a vossa Agua e (...) completarei o nimero dos teus dias” (Fx 23.25,26). ~ Jesus destacou a fidelidade sobre o “pouco”, e tanto o que ganhou cinco, quanto o que ganhou dois talentos, foram elogiados, nao houve distingao. Deus recompensa a lealdade no servico, seja qual for a produgao de cada um, Ele sempre nos dé muito, mas exige pouco (veja Luc: 13.6-9). O “pouco” se tefere avs nossos deveres basicos, como dizimar, ofertar (Joao 6.9), ou ainda qualquer outro servigo para Deus em sua obra. A prome: compartilha (v. 29). Quem “esconde” (v. 18) e nao da, perde ainda mais (veja Provérbios 28.16.27). Deus confia ao fiel mais do que ele pode precisar, para que semeie ¢ colha ainda mais (2Corintios9.8). CONCLUSAO, ‘sobre o muito”, que nos dé a idgia de abundancia, ¢ assiste somente ao que Surge no coragdo de todo erente dedicado, uma alegria incontida, um prazer maravilhoso, quando conelui determinada tarefa e alcanga o objetivo proposto. Essa alegria vem de Deus (veja Romanos 14.7), pois & a sua forma de nos dizer “muito bem, servo bom e fie!” Serinfiel e indiferente comas coisas de Deus é mau negéeio, pois Ele nos considera negligente (que nao faz 0 que deveria fazer — y. 27) ¢ indtil (imprestavel), pior que um impio, visto que tivemos a oportunidade e a capacidade de fazer, mas nos omitimos. O resultado sera o juizo com os impios (v. 30). 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES SEKMAO 2 Nos deminies do Espizita Gavatas 5.22-25 INTRODUGAO Fodo crente regenerado 6 a habitagdo do Espirito Santo (veja 1Corintios 6.19). O seu desafio logo apés a conversio consisie em viver na plenitude ou no controle do Espirito de Deus. A Biblia esté repleta de pessoas que foram cheias ou dominadas pelo Espirito. Est@vao, por exemplo, deixou isto muito claro momentos antes de ser martirizado, pois no registro de Lucas observamos que em meio dor e & humilhacio, ele foi capaz de ver a gloria de Deus (e niio apenas seus algozes), sentia-se pronto para ir para 0 céu, amou seus inimigos orando por eles além de perdoar aos scus maus feitos (Saulo estava entre cles— Atos 7.54-60). Podemos notar na vida desse gigante da fé a manifestac’io maravilhosa do fruto do Espirito na sua plenitude. PROPOSICAO: Ser cheio do Espi) mais de nds. —“MAS O FRUTO DO ESPIRITO E...” ~Amanifestagio do “fruto” é obra do Espitito Santo, e nfo o resultado doesforgo humano, ou de exigéncias legalistas/ascéticas de qualquer teligido. O Espirito de Deus é capaz de produzit na vida do crente essas (nove) e outras qualidades morais, mas s6 quando este lhe permite o controle. —Apartir do momento que desenvolvemos a nossa salvacao (veja Filipenses 2.12), erescemos na graga € no conhecimento de Cristo (2Pedro 3,18) © nos despimos de todo acémulo de maldade ~ pela obediéncia A Palavra de Deus (Tiago 1.21), em conseqiiéncia disso, 0 fruto do Espirito cresce e aparece — 0 “frato” éum (no singular), porém com miiltiplos aspectos ou variedades. Veja o que cada um deles representa no aspecto pratico: 1. Amor: Do grego agape € 0 amor na sua representacdo mais profunda; sacrifical (Efésios 25), responsivel, despretensioso, racional e nao apenas emocional. Eo mais poderoso “Jubrificante” social que existe. Quem ama nesse termo, se interessa pelo bem-estar dos outros de maneira desinteressada e cumpre a Lei (5.14). Em ICorintios 13.4-8, ele € deserito com detalhes, O amor esta acima de dons (1Corintios 13.13), conhecimento, posses ete; pois nao permanece somente nas palavras (se envolve...). 10 Santo ndo é ter mais do Seu poder, mas Ele ter 2. Alegria: Do grego chara & um sentimento de contentamento ou deleite, procedente de um relacionamento correto com Deus. E aquela satisfagio que inunda o nosso ser quando completamos com éxito alguma tarefa para Deus, ou quando Lhe somos gratos por uma béncao recebida. A alegria, como fruto do Espitito, nio pode ser contida pela perseguigao, dor, nem qualquer tipo de adversidade (veja Atos 8.8), A alegria do Senhor é a nossa forga (Neemias 8.10). 3. Paz: Do grego eirene, é a trangiiilidade ou o sossego ou aserenidade do espirito e da mente que resultam da nossa relagao com o Deus da paz (veja Romanos 16.20), mesmo diante das batalhas que a vida pode nos impor. A paz nos é permanentemente comunicada pelo Espirito de WALrER Bastos Deus que em nés habita (Romanos 14.17). 4, Longanimidade: Do grego makrothunia, é a capacidade de suportar com paciéncia — sem se encolerizar — as criticas, ofensas ou injirias. E 0 mesmo que animo longo. Com a longanimidade podemos suportar as diferencas de opiniao ou a forma de ver as coisas, propria de toda pessoa. A natureza humana nos impede de ser longanimo, e somente pela influéacia do Espirito é que adquirimos mais esse detalhe da beleza de Cristo. 5. Benignidade: Do grego chrestotes, & uma espécie de gentileza no trato com os outros. Essa virtude é indispenséivel nos relacionamentos interpessoais. O benigno nunca é éspero nas palavras (veja Efésios 4.3132). 6. Bondade: Do grego agathosune, &a capacidade de ser generoso, dado. 0 individuo bondoso ajuda, apéia, socorre, age em favor do necessitado sem medir conseqiiéncias (exemplo: 6 bom samaritano: veja Lucas 10.33-35), e sem esperar nada em troca. 7. Fidelidade: Do grego pistis, também é traduzida por fé, mas de acordo com o contexto, pistis estd mais associado a fidelidade. A palavra significa uma espécie de confiabilidade, lealdade que demonstramos com qualquer compromisso assumido. Quem realmente nasceu de nove sabe que precisa ser honesto, sincero e fiel a Deus ¢ aos seus semelhantes. 8. Mansidao: Do grego prautes, é a calma ou brandura que manifestamos ante uma situagao rave (por exemplo: Cristo diante da mulher addiltera; veja Joao 8.6-8), Deus é favoravel com quem é manso, moderado, décil (exemplo: Moisés; Numeros 12.1-8; os mansos herdario a terra; Mateus 5.5). Do homem em relacdo a Deus, a mansiddo representa a submissaoinconteste 4 Sua vontade, Mansidao € 0 contrétio exato de ira ou discérdia, 9. Dominio proprio: Do grego egkrateia, é 0 exereicio do autocontrole nas varias atividades da vida didria. E sercomedido, controlado no que fata, no que faz (exemplo: na comida, bebida) € no temperamento (de “temperanga” na ARC). Quem se domina, renuncia a si mesmo de forma inteligente (como um alleta que treina para vencer; | Corintios 9.25), mantém 0 ego submisso ao querer de Deus. Veja Provérbios 16.32. I - “VIVER E ANDAR NO ESPIRITO”. = Isto 86 & possfvel se subjugarmos a nossa vontade; se crucificarmos a velha natureza (v. 24) Viver no Espirito é a Unica maneira de nos libertarmos do dominio da natureza adamica (veja Romanos 8.9), ¢ essa nova forma de vida outorgada por Jesus Cristo na cruz do Calvario nos capacita a vivermos acima das preocupagdes deste mundo perdido. — Avida sob controle do Espirito é aquela que permanece na dimenso da fé (veja 2Corintios 5.7), da Palavra, de Deus. Viver e andar so verbos que ilustram de que maneira devemos nos conduzir neste mundo, ou seja, sob a direco e o poderdo Espirito de Deus, No grego, a palavra “andemos” é stoichomen, derivada de stoicheo, que significa: “pér-se, andar, seguir em linha com”. Isto quer dizer que o Espirito Santo esti nossa frente, no caminho para o céu, e nos convidaa segui-lo. Em outras palavras, devemos viver de maneira que agrade a Deus, encarnando as virtudes alistadas nos versiculos 22 ¢ 23 do estudoem foco. CONCLUSAO © fruto do Espirito é a manifestacio de virtudes morais, produzidas na vida do crente que vive sob a poderosa influéncia ou diregdo do Espirito Santo. Essas qualidades morais e éticas contrastam radicalmente com as obras da carne. De qual dessas virtudes necessitamos? O que precisames fazer para incorpord-las 4 nossa personalidade? Esta eserito que contra essas Virtudes no hé lei (V. 23), ou seja, ndo hd restrigdo ou condenacio alguma, pois € para isso que 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES aleiexiste. SERMAO 3 Superande limites Lucas 19.1-10 INTRODUCAO Em 1Corintios 10.13, Paulo afirma que Deus nao permitira tentagdo que seja maior do que podemos suportar, ¢ isso 6 provasuficiente de que Deus conhece nossa fraqueza ¢ limitaco Mas, afinal, qual é 0 nosso limite? Como podemos saber que estamos no ponto maximo de resisténcia ou de tolerincia? Existem limitacdes comuns a todos os homens (por exemplo: Pedro anda sobre as {guas; veja Mateus 14.29), ¢ outras mais particulares (por exemplo: falar inglés). A experiéneia de Zaqueu, o publicano, é uma provaincontestivel de que se estivermos realmente interessados nas coisas de Deus, sempre haverd obsticulos a serem vencidos que, se somarmos a persisténcia com a £8, o Senhor ird nos mostrar alternativas, estratégias para conseguirmos alcangar a vitéria ou o alvo proposto. O episddio ainda destaca a verdade de que, se chegarmos a0 fim das nossas possibilidades, é hora de buscarmos em Deus. PROPOSIGAO: A superagdo de nossos limites esté em e por meio da graca de Deus. I -“ZAQUEU... PROCURAVA VER QUEM ERA JESUS, MAS NAO PODIA...” = Quem foi Zaqueu? Seu nome significa “puro”, “justo” ou “reto”; era judeu (v. 9), chefe dos publicanos, muito rico, também era profundamente desprezado por conta da sua fungao puiblica (cobraya impostos a favorde Roma, além de extorquir em nome do Estado). —Acuriosidade de Zaqueu em ver Jesus revela o esforgo puramente humano, supersticioso ¢ limitado do homem pelas coisas de Deus, Se Deus nao for em busca do homem — como Jesus que decidiu jantar na casa de Zaqueu —é impossivel a sua salvagio. —Na verdade, aquela foi uma oportunidade tnica de Zaqueu yer ou estar com Jesus, pois 0 Mestre estava indo para Jerusalém cm diregdo ao seu proprio martirio, ¢, por conseguinte do seu “limite”. Nunea mais Jesus passaria por aquele lugar. Existem oportunidades na vida que sfio extraordinarias, se perdidas, jamais voltarao. Receber Jesus Cristo como Senhor e Salvador 6 ocasifio que nfo deve ser adiada sab hipstese alguma (veja Hebreus 3.7.8). No versiculo 3, esté escrito que Zaqueu niio podia ver Jesus por dois motivos: a multidao e a suabaixa estatura, Mas todos nds somos incompletos ¢ imperfeitos como Zaqueu! Por exemplo, uns falam muito ¢, pouco, ouvem; outros so precipitados ou impacientes. insensiveis, descuidados. insensatos ete, — Quando Pedro foi convidado a ir ter com Jesus andando por sobre a gua, 0 “barca” foi oseu limite, que s6 seria vencido pela fé, coragem e na hora de Cristo (veja Mateus 14.29). primeiro sentimento que nos assalta quando estamos no limite € o desespero, a ansiedade, 0 Wares Bastos, ER medo e o desejo de desistir. it — “ENTAO, CORRENDO ADIANTE, SUBIU EM UM SICOMORO A FIM DE VE-LO...” = Zaqueu nao abriu mio de sua oportunidade, Valia qualquer sacrificio para ver o Mes! Nesse ato, Zaqueu revela uma fé viva, ativa, operante. A mulher do fluxo sangiifneo também nao desistiu diante das barreiras impostas pela Lei, preconceito social, fraqueza corporal, multidao; ela acreditou numa alternativa: tocar o Mestre as escondidas (veja Marcos 5.27), funcionow. — Lucas relata que Zaqueu se antecipou — foi a frente da multidao —e “correndo” subiu em uma drvore; isto nos ensina que quem quer vir a Cristo deve se apressar, sem se importar com a opiniao dos outros e em alguns casos estar disposto a se tornar ridiculo por amor de Cristo (imagine um grande administrador ou bangueiro pendurado numa drvore?). “Um sicomoro”, que é uma drvore comum, de beira de estrada, foi o apoio de Zaqueu; como foi a voz para o cego Bartimeu (18.38), a humildade da mulher Cananéia (Marcos 7.28), a gratidao do samaritano curado de lepra (que além de curado foi salvo; veja Lucas 17.17-19) ete. \peramos limites quando surgem as crises ou desafios (no ministério, no casamento, na satide etc.), € precisamente nesses momentos que obtemos experiéncias inéditas ¢ ficamos acima da média (ou da mediocridade). 0 carro Fusca, por exemple, foi inventado porque no havia vefculos que suportassem 0 deserto sem refrigeragdo a dgua. II - “ENTAO, JESUS LHE DISSE: HOJE HOUVE SALVACAO NESTA CASA...” = Zaqueu e sua familia foram salvos, mas s6 depois que ele rompeu como pecado, e buscou reparar erros do passado. Seu limite era mais fundo, e jamais o teria ultrapassado sem Jesus Zaqueu reconheceu diante de Deus que roubava o povo, foi corajoso e honesto quando admitiu o seu pecado. A palavra “defraudar” no grego € sykofantéo, ¢ no caso em estudo, o termo traz, o sentido de acusar falsamente com o fim de extorquit, chantagear por meio da intimidagao. —Abarreira foi vencida quando Zaqueu rejeitou o orgulho e disse: “resolvo dar (...) metade dos meus bens” e“restituo quatro vezes mais” (v. 8). Sua atitude iaalém do que exigiaa lei (veja Exodo22.1). — Todo mundo precisa de estimulo, encorajamento para vencer os limites. Como exemplos podemos citar: Josué diante do anjo do Senhor (veja Josué 5.14), Elias na caverna do “medo” (1Reis 19.13), Gidedo contra os filisteus Josué 6.14) etc. CONCLUSAO. Gs desafios estdio sempre A nossa volta, Zaqueu venceu o dele, pois além de ter tido o privilégio de vero Mestre, ainda foi perdoado e salvo. Deus sempre recompensa qualquer esforgo sincero em busca da verdade, da paz, do perdio e da salvago. Suhamos, pois, hoje, na “érvore” da sinceridade e do reconhecimento da nossa dependéncia de Deus, para que Ele, por sua graca e poder, nos ajude a superar os nossos limites (veja Jufzes 6.14). SERMAO 4 Gerande discipules para Criste GALaras 4.12,13,19; FiLemom 1.10, INTRODUGAO Evangelizar e fazer discipulos ¢ dever da Igreja; isto nao pode ser negligenciado nem transferido para outra instituigdo. $6 a lgreja foi autorizada, habilitada e equipada pelo Espirito Santo para fazer isso. Paulo, que ora nos serve como modelo de discipulador, certa vez declarou: “Se anuncio oevangelho, nao tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obrigagio; porque ai de mimse nfo pregar o evangelho!” (1Co 9.16). 0 processo de formagiio de um disefpulo é semelhante & geragio de uma crianga — guardando adevida proporedo. Precisamos aprender com a natureza. Quando a “semente” encontraum coragao receptivo, ela nasce (veja Pedro 1.23). Anova vida que surge. necesita de cuidados, para que cresca, se desenvolva e produza muito para Deus. Sejamos, pois, o discipulador que o Senhor deseja usar! PROPOSICAO: 0 acompanhamento de novos convertidos é decisive para a sua permanéncia na igreja. MIEUS FILHOS, POR QUEM, DE NOVO, SOFRO AS DORES DE PARTO”. —Gerar um filho é bem semelhante — no principio — a formagao de um diseipulo. Entretanto, & importante observarmos todos os procedimentos para se gerar um discfpulo sadio, por exemplo: tempoadequado, nutrigio balanceada, espago, acompanhamento, estimulo, protegao (intereessaio) ete, A“reagio” do rect ascido depende do elemento sobrenatural (“mas o crescimento veio de Deus”; veja |Corintios 3.6), por isso é necessério dar o devido tempo, para a assimilagiio de todas as informacdes (ensino sistemtico da Palavra). Nesse ponto, o discipulador permeia o seu trabalho com intercessio diligente pelo seu discipulo; como Paulo fazia com freqiiéncia: “Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai (...) para que (...) conceda que sejais fortalecidos com poder(..,} a fim de poderdes compreender (...) e conhecer o amor de Cris (Ef3.14-19). —Aevangelizacio €0 inicio do processo (v. 13). Se faltaracompanhamento, todo trabalho sera em vao. Quem ateride ao chamado do evangelho, torna-se “filho espiritual” daquele que o evangelizou (veja ITiméteo 1.2) discipulou. —"Dores de parto”, é odino no grego. Paulo compara a preocupacao, o empenho, o trabalho de um discipulador como uma mulher em trabalho de parto. Em muitos casos, falta esse entimento materno” na maioria dos coragSes, pois uma mie niio desiste— por nada— do filho que ama (veja Isafas 49.15). ‘Toda energia empreendida no discipulado visa fundamentalmente A formagio do carater de Wares Bastos, BEY Cristo no novo convertido, Paulo emprega a palavra “formado”, que no grego € morfothe do verbo morfoo, formar, tomar forma ou ser formado. A forma neste caso, ndo tem nada a ver com aaparéncia fisica, é antes, uma referéncia ao carter dos crentes que precisam ser moldados pelo modelo de Cristo. — 0 ensino seguido de exemplo € a diddtica de Deus. Intimeras vezes, 0 apéstolo Paulo aconselhava aqueles a quem discipulava: “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo” (1Co 11.1); ainda: “Sede qualeu sou...” (v. 12). Portanto, um discipulador deve ser modelo, exemplo pritico para o seu discipulo. I - “...MEU FILHO ONESIMO, QUE GEREI ENTRE ALGEMAS. = Onésimo é um belo exemplo de um diseipulo bem “gerado”. Curiosamente seu nome significa “itil”: e & precisamente esse 0 objetivo do discipulado, tomar o novo crente um “cooperador”, um vaso de honra para Deus usar em sua obra (veja 1Corintios 3.9). O discipulado visa ao “aperfeigoamento” do novo crente (Efésios 4.12), ¢ este termo no grego, katartismos, traz.o sentido de treinar, formar, preparar para o ministério ou servigo cristao (por exemplo: a evangelizagio). ~ E verdade que nem todo discfpulo responde ao treinamento de igual maneira. No colégio apostélico de Jesus, por exemplo, trés dos seus discépulos se destacavam, Pedro, Tiago e Joao. Seni que eram mais interessados? Ou Deus os escolheu para uma tarefa especial? ~ Eliseu foi discipulo de Elias, e em determinado periodo do seu prepato, ele foi advertido nos seguintes termos: “Todavia, se me Vites quando for tomado de ti, assim se te Fara porém, se nzio me vires, nao se fara” (2Rs 2.10). Eliscu precisaya estar permanentemente atento, para que pudesse sucedera seu mestre no oficio de profeta, Sua aplicagio seria decisiva CONCLUSAO dor de Paulo demonstrada na expressio “sofro as dores de parto, até ser Cristo formadoem v6s" (G14.19), revela sua tristeza pelo distanciamento do genuino evangelho de Cristo por parte de muitos crentes da Galicia. Esse afastamento ocorreu principalmente por meio de heresias (1.6), que se introduziram no meio da Igreja, por intermédio de falsos crentes. Entdo manter a pureza biblica na vida do novo crente é fundamental. Isso se consegue através do ensino sistematico e perseverante das doutrinas cardeais do cristianismo (veja Mateus 28.20), isso © mesmo que “incutir” na mente do discfpulo as leis de Deus (Deuterondmio 6.7). O que for feito no comego da vida crista garantird seguranga na continuidade da fé (Provérbios 22.6). BBA 111 stators rans topas as ocastors SERMAO 5 C ptictidade de Deus Mateus 6.33, INTRODUCAO. Creceita de Jesus contra a preocupacao de todo tipo (v, 25-34), e para a garantia de suprimento das nossas necessidades basicas, esti toda contida nas palavras: priorizar a vontade de Deus. O termo prioridade, segundo 0 “Dicionario Aurélio” significa: "Qualidade duma coisa que € posta em primeiro lugar, numa série ou ordem”; esta palavra na sua otigem é 4 jungdo de dois termos latinos priore (“o primciro entre dois”) ¢ tate (“modo de s qualidade”, “estado”). Em outras palavras, escolher obedecer & lei, aos santos mandamentes ¢ preceitos que Deus determina em sua Palavra, & a maneira mais segura de que “a farinha da (tua) panela nao se acabara, e o azeite da (tua) botija nao faltaré” (IRs 17.14). PROPOSICAC O segredo da vida bem-sucedida esté em termos prazer em Deus. I - «..BUSCAI, POIS, EM PRIMEIRO LUGAR, 0 SEU REINO E A SUA JUSTICA...” ~ Este mandamento, que € parte do Sermao do Monte (veja Mateus 5.1-7.29), ataca de frente © problema da ansiedade pelas necessidades fisicas. ~ No grego, o verbo buscar é zeico, e significa, tentar obter, desejar possuir ete. Em outras palavras, devemos nos empenhar para cumprir os interesses de Deus em nossa vida. Isto fazemos priorizando duas coisas: 1. “o seu reino”,0 termo reino € basiléia no gregoe também pode ser traduzido como reinado, dominio, governo, soberania etc. Quando Jesus ensinou a oragao dominical (6.9-13), inseriu a ex] “Venha o teu reino, seja feita a tua vontade”, indicando que se o reino ou o governo de Deus estiver presente em nossos coragées, sua palavra sera obedecida, e sua vontade estard sempre em primeito lugar. 2. “e a sua justica”, no grego justiga € dikaiosune, retidio, equidade, fazer o que é diteito; e tem a ver com a nossa conduta, que precisa ser pautada pela Palavra de Deus. ~ Ser que estamos obedecendo a essa ordem de Jesus? Quem governa nosso dinheiro ou o comportamento? Devolvemos nossos dizimos fielmente. ofertamos liberalmente com alegria, ou fazemps isto se sobrar? Em um negécio, buscamos levar vantagem sobre nosso préximo, vendendo “gato por lebre” (veja Romanos 2.24)? 0 culto dominical nem sempre esté nos nossos planos, afinal, domingo é dia de “cescanso” e entretenimento! Se pensamose procedemos assim, 0 Reino de Deus esta longe de nés. ~ O Reino de Deus passa a existir em nossas vidas ap6s a conversio (veja Joao 3.3,5), ¢ isso também pode significarcomunhio legitimacom Deus. Dessa relagio surge uma conduta moral diferente, nova, reta, integra e santa. A direa que mais testa nossa lealdade a Deus é a financeira (veja Colossenses 3.5), mas Wares Bastos, EE quando 0 Reino de Deus entra em cena, uma nova ordem domina as nossas vidas, e 0 Senhor passa atero primeiro lugar. Com isso, a fidelidade nos dizimos e ofertas bem come nos negécios com nossos semelhantes é inegociivel. Sobre isso, Paulo escreveu o seguinte: “...pois o quenos preocupa ¢ procedermos honestamente, nao s6 perante 0 Senhor, como também diante dos homens” (2C0 8.21). I - “...E TODAS ESTAS COUSAS VOS SERAO ACRESCENTADAS”. ~ Quem tem se submetido ao mandamento de priorizar as coisas de Deus, nao tem razio para viveransioso, agoniado, aflito, pois segundo Jesus, isto é priprio dos perdidos, dos desobedientes (v. 31 e 32); sobretudo porque eles esto entenebrecidos na ignordincia da Lei de Deus ~ A promessa inclui: “todas estas cousas”. Afinal, que coisas so essas? A lista que aparece desde o versfculo 25, inclui: alimento, roupas, emprego (Vv. 26), satide e vida longa, seguranga para o amanhi (v, 31) ete. — Essa promessa de abundancia ou de suprimento material est vinculada & exigéncia da parte “a” do versiculo em estudo. Estd subentendido, que se formos figis na administragio dos nossos recursos financeiros (priorizando o Reino de Deus), por meio de dizimos ¢ ofertas liberais, 0 Senhor sera o nosso pastor, e nada nos fallard (veja Salmo 23.1). Jesus 86 pode ser o nosso Senhor, se realmente nos submetermos ao Seu senhorio (Lucas 6.46), se nos adequarmos a Sua Palavra (Joao 15.7). ~ Um principio espiritual esta implicito nessa afirmagao, e trata-se da semeadura e da ceifa (0 € Teaco), pois Jesus Cristo declarou: “Dai, e dar-se-vos-d (...); porque com a medica com que tiverdes medido vos medirio também” (Le 6.38). O que investirmos no Reino, tem retorno garantido, e volta em uma medida bastante generosa, em forma de: satide, oportunidades, livramentos, sabedoria e criatividade etc CONCLUSAO (nossa tinica “‘preocupagao”’, portanto, deve sera de nos submeter permanentemente ao senhorio de Jesus Cristo ~ por meio da obediéncia 4 Sua Palavra — e de primar um comportamento honesto, justo e que glorifica o nome de Deus (5.16). Quando o crente procura dedicar-se na expansiio da obra de Deus na terra, demonstra com isso, que a sua priotidade so as coisas espirituais, revela também, confianga em Deus, para a proviso das suas necessidades fisicas, 10 garante que Deus honrara todos os que desse modo procederem e como vimos, Jesus (veja Provérbios 3.9.10). 111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES SERMAO 6 © dizime. aa Nove Sestamente. Mareus 23.23 INTRODUGAO rei do dizimo esta restrita ao Antigo Testamentoe & Lei de Moisés? Devemos praticd-la hoje sob forma de contribuigao voluntiria e sem valor estipulado? Absolutamente nao! O dizimo nao esté ligado a lei mosaica, ela apenas o confirma, pois sua pratica é anterior ao Decdilogo e a Moisés. O primeiro dizimista biblico foi Abrado (veja Génesis 14.20), seguido por todo o Isracl (por exemplo: Jacd: Génesis 28.22). Jk no jardim do Eden, o dizimo aparece de forma implicita, no veto divino a arvore do conhecimento dobem e do mal (Génesis 2.16,17), isto querdizer que nossos pais (Adio e Eva) deveriam ter compreendido, que Deus sempre requer uma parte de tudo aquilo que Ele nos da. Deste fato concluimos que quem “come” o dizimo, morre financeiramente. Notempode Jesus, dizimar era extremamente comum, normal, popular, e no episddio em tela, nosso Senhor nos ensina a forma correta de obedecermos a essa maravilhosa exigéncia de Deus. PROPOSICAO: Dizimar é wm privilégio antes de um dever cristio. I-“..DAIS O DIZIMO DA HORTELA, DO ENDRO E DO COMINHO...” — Lucas em sua pesquisa — sobre o tipo de dizimo — acrescenta mais uma especiaria, a arruda, além de todo tipo de hortaligas (11.42). — Jesus reconhecia o legalismo farisaico de alguns religiosos de seu tempo, que observavam rigorosamente alguns preceitos da Lei (misturando-os com tradigdes humanas) e desprezavam outros. Cristo acusou esses homens, que faziam do ato de dizimar, um peso, uma obrigagio desagradavele chata, ¢ desviavam o verdadeiroespirito dessa ago, que consistia em reconhecer as dadivas de Deus de forma alegre e grata. — Dizimo no grego é dekdre, que significa um décimo, 10% ou adécima parte de um todo. Quando Jesus declarou “dais o dizimo...”, ele estava por assim dizer, reconhecendo a fidelidade desses religiosos neste particular, o que, entretanto, nao era o bastante diante de Deus. =O quarto “ai” de nosso Senhor é uma critica com tom de reprovagao, sobre o individuo que usa o dizimo para encobrir sua falsa religiosidade. O que adianta entregar altas somas — em forma de dizimos e ofertas— daquilo que foi produto de suborno, roubo, corrupgao e coisas do género? Podemos conseguir a admiragao do homem, mas de Deus jamais (veja Marcos 12.41- 44), — Jesus também censura dizimos e ofertas que sao empregados como forma de exibicionismo, por vaidade ou para chamar aatengdo. Tudo deve ser feito com discrig&o, buscando somente Wares Bastos, BEY arecompensade Deus. Pois Ele que a tudo vé, galardoaa nossa atitude de obediéncia, sinceridade e humildade. I - “..DEVIEIS, POREM, FAZER ESTAS COUSAS, SEM OMITIR AQUELAS!” ~ Somado ao dizimo, Jesus determina que manifestemos trés coisas: justi¢a, misericordia fé. Veja o que cada um desses termos representa neste contexto: 1. Justiga, do grego krisis, reconhecer o direito do préximo, isto é, em questdes de ganhar dinheiro niio devemos explorar ninguém; 2. Misericsrdia, do grego eleos, cleméncia, compaixio, ou seja, mostrar-se tolerante e piedoso com a necessidade alheia; 3. Fé, do grego pistis, fidelidade ou honestidade nos negécios, honrarcompromissos assumidos; precisamos ser confidveis. ~ Por meio dessas consideracdes, deu para pereeber, que dizimar é parte da vida cristd e nao sua finalidade tltima, Nao basta ser “ortodoxo” em uma rea e relapso na outra. Veja, em Miquéias 6.8, 0s preceitos mais importantes da Lei. ~ Jesus, quando diz: “devieis, porém, fazer estas cousas” (“Importava fazer essas coisas” ~ Le 11.42; ARC), Ele reconhece e aprova a pritica do dizimar, O verbo dever (ofeilo) exprime a idéia de ter uma divida, estar em débito; e quem é reto, bondoso, fiel, sente-se na obrigagio de salda-ta. —Na visao de Cristo, os crentes devem superar os fariseus, em questao de obediéncia a Lei de Deus. pois eles eram muito superficiais; veja: “Porque vos digo que, se a vossa justiga no exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus” (Mt 5.20; grifos do autor), Eles eram rigorosos na devolugao dos 10%: "0 fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: © Deus. gracas te dou porque (...) dou o dizimo de tudo quanto ganho” (Le 18.11,12). Nés devemos, portanto, ultrapassé-los, principalmente na atitude e propésito da contribuigio; talvez excedendo os 10%, dizimando pelo bruto, do 13°. salitio ete. —No Novo Testamento, a énfase € dada para a lei do amor, da generosidade, da liberalidade, onde nadadeve ser feito com parciménia (exagerada economia), pois isso ¢ proprio dos crentes carais. Como ofertam os fmpios para os seus deuses ou fdolos? Geralmente com grande sacrificio. Veja um exemplo em 2Reis 3.26.27. @ razio de o Novo Testamento fazer poucas referéncias ao dizimo, ocorre pelo fato de que dizimar era prética habitual e comum, uma vez. que a formagio do NT surgiu num ambiente estritamente judeu. Mas 0 fato de o NT apresentar um mimero reduzido de citagdes sobre 0 dizimo nao invalidaa sua prética. Antes, devemos notar como o conceito de dizimo sofreu uma relativa “evolugio” desde o Eden —passando por Abrado, Moisés (veja Levitico 27.30: Malaquias 3.1-11)—alé a era da Igreja, Portanto, hoje, o ato de dizimar deve ser praticado mais eomo uma forma de adoragdo, devogdo a Deus, como gratiddo e reconhecimento do Seu direito (“Dai, pois, (...) a Deus 0 que é de Deus”; Mt 22.21), do que como uma obrigacio religiosa pura e simplesmente. Veja Hebreus 7.4 EEA] 111 stnors rans topas as ocastors, aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. — Belsazar foi surpreendido. Com certeza, essa divina intromissiio nao estava nos planos do imperador, Ninguém conta com um elemento surpresa chamado morte como o fazendeiro avarento de Lucas 12.20.21. —Conseguimos o peso necessario nos “agarrando” a Cristo pela fé, fazendo dele nosso Salvador e Senhor pessoal. Por meio dos seus atos de justiga, ou pela Redengdo, nbs somos aceitos por Deus, Nosso peso ou justica propria inexiste dianie da perfeico divina, na verdade Isafas diz que ela é “como trapo da imundicia” as narinas do Pai (veja Isaias 64.6), por essa razao_ precisamos de Jesus Cristo ~ para termos o peso necessirio~ quando Deus decidir nos pesar no Jufzo das nossas obras 0 no Juizo Final (Joao 5.24; Romanos 10.13). CONCLUSAO Quanto mais “pesado” estivs 10s, tanto melhor sera, pois em 2Corintios 4.17 Paulo revela que a recompensa do fiel ser em “peso de gléria”. As nossas boas obras nos seguiro apés a morte (veia Apocalipse 14,13), contudo, nado devemos esquecer que o Senhor também trara a plena luzaqueles feitos ou palavras que ndo foram devidamente tratados antes da morte (confessados e perdoados: 2Corintios 5.10), pois segundo Hebreus9,27, apos a morte segue-se 0 juizo. Wacree Bastos, EE SERMAO 10 Rice para com Deus Lucas 12.16-21 INTRODUGAO Como o mundo entende o conceito de riqueza’? Sem dtivida, esta ligado a bens materiais, altas somas em conta bancéria, possuir fazendas e iméveis ete, Entretanto, Jesus afitmou que esse tipo de riqueza tem duragao limitada, e € circunstancial, pois ela pode ser roubada, estragada, periida (vefa Mateus 6.19,20). A passagem em estudo relata uma disputa entre irmaos, sobre direitos de heranga, e essa querela familiar deu ocasiaio a que um deles solicitasse de forma tendenciosa a opiniao de Jesus sobre o caso. E bem verdade que a Lei ja previa regras para esses assuntos (veja Deuteronémio 21.17), mas ohomem queria o apoio de Cristo na partilha, Percebendo imediatamente a intengao de cobica do homem, Jesus aproveitou a ocasizo para ensinar como ctistio deve lidar com os bens materiais, ¢ 0 que é ser rico para com Deus. PROPOSIGA' verdadeira riqueza consiste em ser alvo permanente do cuidado divino. I - “TENDE CUIDADO E GUARDAI-VOS DE TODA E QUALQUER AVAREZA...”. ~ Aexpressio “guardai-vos” (v, 15) deriva do verbo grego phulasso, que significa guardar, defender, prevenir, e indica que a menos que tenhamos uma atitude firme para rechagar a avareza e a preocupaciio excessiva pelo dinheiro, poderemos perder o sentido ou o significado da vida (a prioridade de Deus; veia Mateus 6.33) e cair em um lago de derrota generalizada Aadverté de ganin ja de Cristo procede, pois qualquer um de nés pode ser enredado por sentimentos ia, egofsmo e cobiga, e para que isso nfio ocorra, precisamos tera mente eo cora em Deus (e nao nas coisas que Ele nos da); de acordo com Paulo, a cobiga é uma das areas mais “rebeldes” da natureza humana (veja Colossenses 3.5). E possivel notarmos que havia contenda entre os herdeiros, ¢ isso é evidéncia de que se o nosso alvo nesta vida estiver centrado nas coisas materiais, haveremos de acumular com a riqueza muita tristeza. Sobre isso Paulo declara que o desejo obcecado de enriquecer é na verdade um laco, uma armadilha “...as quais afogam os homens na ruina e na perdicao” (IT m 6.9). — Ohomem da parabola usou mal a prospetidade que Deus Ihe permitiu ter; e nés fazemos mesmo quando nos tornamos servos do nosso proprio negécio (veja Mateus 6.24), ou quando 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES deixamos de investir parte de nossos lucros na salvagio dos poves perdidos. Il - DEUS CONSIDERA LOUCO QUEM ENTESOURA PARA SI MESMO. — Para Jesus, ndo faz sentido enriquecermos e nao compartilharmos, ou deixarmos de usar esses recursos pari a construgao do Reino de Deus, ¢ isto inclui tanto a obra missioniria quanto 0 auxilio aos necessitados. —Note que o fazendeitoda paribola demonstrou egocentrismo exacerbado, pois as suas palavras foram: os meus frutos (v. 17), os meus celeiros... 0 meu produto... os meus bens (v, 18)... diel a minha alma (v. 19). Estas palavras revelam o grau de loucura desse homem, principalmente pelo fato de que em momento algum ele demonstrou qualquer gratidio a Deus ou pensou em repartir parte de suas posses com seus empregados ou mesmo com os pobres como fez Zaqueu (veja Lucas 19.8). — 0 fazendciro avarento nio via no que poderia investir sua riqueza, a no serem si mesmo; além disso, Jesus afirmou que a tolice desse homem consistia no fato dele pérsua confianga no dinheiro como tinica forma de assegurar oo seu futuro. E insano ignorara incerteza do amanha, bem como a prestacio escatolégica de contas a Deus. homem desconhecia o valor da alma Antes de encararmos 0 juizo de nossas obras (veja 1Corintios 3.10-15), Deus nos dé a oportunidade de respondermos & pergunta: 20). Binsensatez inves ..€ 0 que tens preparado, para quem serd?” ir somente nesta vida efémera. I - 0 QUE E SER RICO PARA COM DEUS? — Quem niio compartilha do que recebe, é egoista e “nao € rico para com Deus” (v.21). Além de ser generoso para ser rico diante de Deus, o crente pode desfrutar outros aspectos da verdadeira riqueza, quando fizer de Jesus o seu maior tesouro (v. 34), veja alguns: |. Possuir esperangae viver sob a influéneia do Espirito Santo (veja Romanos 15.13). 2. Sobejarem boas obras (1 Timéteo 6.18). 3. Nao ter falta de fé e ser herdeiro do Reino (Tiago 2.5). — Podemos afirmar ainda, que pela ética divina, rico é aquele que possui muitos amigos (veja Lucas 11.8; 16.9); desfruta boa satide (Provérbios 3.8); tem filhos obedientes (Salmo 127.3): sabe unira piedade com o contentamento (I Timéteo 6.6); aprendeu a descansar e depender de Deus em cada situagio de caréneia (Filipenses 4.13); pratica a generosidade e o desprendimento material, porque deseja ter um tesouro no céu (Marcos 10.21); nao vacila em oferecer a0 Semhor uma oferta de sactificio como fez Maria de Betinia (Joao 12.3) ete. 0 com coisas material —No versiculo 15, Jesus afirma que a verdadeita riqueza nao tem ligag “porque a vida de um homem nao consiste na abundancia dos bens que ele possui”. Os bens que possuimos so béngdios que Deus nos concede, para o nosso deleite e para a gloria do Seu nome. CONCLUSAO Ma parébolado avarento, fica claro que qualquer um de nés pode tomar-se presa da cobica, caso no exercitemos a generosidade. Além disso, esta implicita a ligdo de que nao hé maior riqueza do que podermos contar com 0 cuidado permanente de Deus. A bem da verdade, devemos trabalhar para alcangar apenas dois objetivos com relagao as coisas materiais: ter € Wares Bastos, EE dar (veja 2Corintios 8). SERMAO 11 Cl guande comiosae Mateus 28.1 8-20 INTRODUGAO Comissao é o mesmo que “grupo de pessoas encarregadas de juntas, tratar de um assunto de interesse geral” (Dicionario Sacconi), entao “Grande Comissao” no contexto do cristianismo, tem a ver com a tarefa da [greja, da disseminagao universal das boas novas de salvagao em Cristo, Em cada geragao, os cristios comprometidos com Jesus Cristo ém a responsabilidade de alcangar 6 mundo todo com amensagem do amor de Deus, ¢ ela se resume em: 1. Todos sao pecadores (veja Romanos 3.23). 2. Por isso, todos esto perdidos e condenados do pecado é a morte” (Rm 6.23). 3. E que por conta disso, Jesus assumiu a nossa morte, para que por meio dela fossemos salvos (1 Pedro 2.24). 4. Tomamos posse dessa salvacio, recebendo- a pela £6, por meio de uma simples aceitacdo de Jesus Cristo, como Salvador e Senhor de nossas vidas (Jodo 1.12). Esse primeiropasso € o inicio do processo, que continua por meio do discipulado, cujo alvo énos transformar na imagem ou semelhanga de Jesus Cristo (veja 2Corintios 3.18). osalitio PROPOSICAO: A grande comissdo ndo é uma sugestdo, mas un dever que nao pode ser negligenciado, 1 -“IDE, PORTANTO, FAZEI DISC{PULOS DE TOSAS AS NACOE! ~ E preciso ir, pois somos 0 “transporte” do Espirito Santo. Sem Ele é impossivel ocorrer 0 arrependimento e a conversao dos perdidos, Jesus disse: “.., Ele... convencera o mundo” (Jo 16.8). Portanto nosso trabalho se limita a ir, falar e até interceder, mas convencere salvar € papel exclusivo da terceira pessoa da Divindade. —Todo aquele que nio se esforea é desobediente. Devemos ir onde for posstvel, e contribuir com a intercessao e o dinheiro para os que vao aos confins da terra (eja Romanos 10.13-15). Jesus afirmou que os filhos da paz esto A nossa espera (Lucas 10.5), pois como eles vao erer se nao ouvirem (Romanos 10.1415). ~ Em nossa ida, temos a garantia de que o Senhor vai conosco e nos ajudaré: “...tendo partido, pregaram em toda parte, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra por meio de EXQ] 111 strnors rans topas as ocastors aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. — No Salmo 50.14,23, est escrito que Deus esté mais interessado em * que nos sacrificios de animais. Mas, afinal, o que significa a expressfio agdes de gracas? Agia & omesmo que: “Ato ou efeito de atuar; feito, obra; capacidade de agir, modo de proceder; atitude ete.”, Jd o termo graca significa: “favor dispensado ou recebido, dadiva; estima, boa vontade” (Diciondrio Aurélio). Em uma definigao direta, a expresso agdes de gragas seria: “Ato de piedade ou devogdo com que se agradecem beneficios recebidos; agradecimento, reconhecimento” (Diciondrio K. Larousse). —No AT, nao existe especificamente o verbo agradecer, da forma como nés 0 conhecemos. O termo hebraico yadah traduzido por confessar, louvar, agradecer, tem 0 sentido basico de reconhecer ou confessar 0 carater e as obras de Deus. Com isso — pela cultura da Antiga Alianga —€ na palavra louvorque a gratidao se manifesta, pois quando se confessa as obras ¢ 05 feitos do Senhor, estamos por assim dizer, agradecendo por tudo que Ele nos tem feito. {l - “PERSEVERAI NA ORACAO, VIGIANDO COM AGOES DE GRACAS”. — Em outras versdes da Biblia encontramos: “Perseverai em oragao, velando nela com ago de gragas” (ARC); “no se cansem de orar; perseverem nisso; esperem pelas respostas de Deus e lembrem-se de agradecer quando elas vierem” (BV); “Continuem fitmes na oragao e fiquem alerta quando oram, agradecendo a Deus” (BLH). —No NT, aidéiade gratidav é semelhante aquela que conhecemos no ocidente. O terme grego empregado por Paulo é eucharistia traduzido por gratidio (veja Atos 24.3), agdio de gragas (2.7), oragio de agradecimento (1Corintios 14.16); mas 0 verbo eucharisieo que requer a tradugio: agradecer, dar gragas (Mateus 26.27), nos traz a lembranga a celebragio da Ceia do Senhor, — Einteressante observar que o apéstolo acrescentou a palavra vigiar entre orare dar gracas. que isso quer dizer? Que todo cristo tem o dever de ser grato a Deus pelo favor que Dele recebeu. Que a expectativa da resposta de Deus as nossas stiplicas deve criar, também, um espirito agradecido, Finalmente, precisamos estar atento para nao pensarmos que diante da resposta favoravel de Deus houve coincidéneia ou mérito pessoal (veja Deuteronémio 8.17). ~ Todas as béngdos de Deus nos siio acessiveis pelos méritos de Cristo, ¢ isso nos mostra que sem Ele no poderiamos nem nos dirigir a Deus. Isso por si s6 jé um grande motivo de ratidio a Deus (2Corintios 5.19). Em Colossenses 3.16, Paulo ensina que em tudo o que zermos ou falarmos devemos demonstrar gratidio a Deus, revelando com isso, a fonte da nossa forga, inteligéncia, sabedoria e também das oportunidades que ja aleangamos. — Quando falta gratidao em nossos coragdes, estamos a um passo do materialismo ¢ & beira da apostasia. E isso que faz o humanismo, centraliza tudo no homem. Por exemplo, o deismo (a religido do humanismo) procura tirar o elemento sobrenatural de tudo dentro da Biblia, buscando explicar os fendmenos (porexemplo: um milagre) por meios puramente cientificos (veja Romanos 1.21). CONCLUSAO Nas epistolas do apéstolo Paulo, a palavra gratidéo ¢ correlatas aparecem mais de 40 vezes, ¢ emuma dessas referencias lemos: “Em tudo, dai gracas, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (ITs 5.18). Infelizmente, a gratidao ¢ algo raro ou em desuso nos dias atuais. Apresentadores de TV afirmam: “com certeza voliaremos amanha’, ou “até amanh, Wares Bastos, Ey se Deus quiser,e Ele hétde querer”: Comocristaos regenerados, precisamos resgatara verdadeira Eucaristia, seja por meio da oragdo de gratido seja pelo louvor mesclado de adoragzo reconhecimento a Deus. SERMAO 13 Mies cheias para Deus - 1 Deuterondmio 16.16.17 INTRODUGAO, E curioso o fato das Escrituras tratar das mios como um simbolo de forga ou poder (veja Josué 4.24), de bénedo ou de maldigdo, por exemplo: mios violentas (Isafas 1.15), maos generosas (Proyérbies 31.20), maos trabalhadoras (Provérbios 31.13, 19), maos santas (1 Timétco 2.8) ete: Mas em todos 05 casos, as mos obedecem as ordens que partem da cabega ou do coragiio, ¢ se hd necessidade de mudanga, ela deve afetar primeiro essa drea do nosso ser, pois como diz 0 adagio popular: “quando a eabega no pensa, 0 corpo — no s6 as maios — padece” Nos paises regidos pelas leis do isla, é comum a amputacao da mio de individuos que fazem mau uso de suas mios (porexemplo: furto). Mas se olharmos 2 nossa volta, perceberemos um ntimero expressivo de pessoas manetas, aleijadas ou doentes das maos (“ressequidas”: veja Marcos 3.1) no sentido espiritual, porque vivem uma vida infeliz, escassa, ¢ a razio desse estado de coisas se dé pelo fato de elas raramente usarem as suas maos como fonte de béngao (socorrer o necessitado, confortar o triste, levantar o caido, ofertat para a obra de Deus etc.). PROPOSICAO: Nossa devogéo a Deus também se mostra em nossas contribuigdes. 1 -NAO DEVEMOS COMPARECER DIANTE DE DEUS DE MAOS VAZIAS. ~ Pata Moisés, Ele perguntou: “Que é isso que tens na mao?” (Ex 4.2). Jd a vitiva de Sarepta, quando inguitida pelo profeta Elias, disse: “hd somente um punhado de farinha numa panela um pouco de azeite numa botija” (IRs 17.12). Oque temos para Deus hoje? Muitos tém somente para amanha ou para o més que vem, e ainda se sobrar... ~ Davi, por ocasiao da construcdo do Templo, solicitou do povo uma oferta ao Senhor, mas que partisse de maos liberais e voluntatias (veja 1CrOnicas 29.59). ~ Trés vezes por ano, todo homem adulto em Israel estava obrigado, pela Lei, a comparecer diante do Senhor (no Tabernaculo € depois no Templo), a fim de celebrar a Festa dos Paes Asmos, Pentecostes © Taberndculo, mas nao poderia fazer isso de maos vazias (veja Deuterondmio 16.16). O que isso nos ensina? 1. Em nossa celebragio a Senhor, devemos 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES tributar a Ele honra, glériae louvor. 2. Parte de nossa renda deve ser oferecida a Deus para o engrandecimento do seu Reino na terra. 3. Haverd prestagdo de contas sobre 0 uso correto de dons, bens e oportunidades que o Senhor nos concede (1Corintios 3.10-15: 2Corintios 5.10). — Deuterondmio 16.17 relata: “...cada um oferecerd na proporezo em que possa dar, segundo a béncdo que oSenhor, seu Deus, Ihe houver concedido”. Deus é 0 dono de tudo ¢ de todos (veja Salmo 24.1), ¢ distribui todas $ por critérios pr6prios (soberania), e ndio cobra de nés além daquilo que ja nos deu. Ele sabe o que podemos dar, e por que retemos! Mas de cada um éexigido somente aquilo que pode dar (Deuterondmio 16.10). s cois II - NOSSAS MAOS SAO INSTRUMENTOS DE BENCAO OU DE MALDICAO? — Jesus diz que o que a mao diteita faz, aesquerda ndo deve saber (veja Mateus 6.2), 0 que Ele quis dizer com isso? Que nossa oferta caridosa deve ser vista somente por Deus, que nao devemos buscar o louvor dos homens. ~ E quando Ele fala sobre um tipo de “mao” que deve ser cortada da nossa vida, para que escapemos do infemo? (veja Mateus 5.30). Pode ser a mao que sonega, infiel, que nos faz pecar, que retém mais do que é justo, ¢ que nos conduz, a um inferno de dividas e¢ gastos desnecessfrios. Devemos, portanto, remover, renunciar, cortar, “matar” toda a avareza da nossa vida (Colossenses 3.5). Pelo Espirito, mortificamos 0s feitos do corpo (Romanos 8.13) = Praticamente tudo — em termos de trabalho ~ é feito com as maos. Com elas conquistamos recursos e até riquezas para o nosso bem-estar, Mas € com elas que também compartilhamos do que de Deus temos recebido. Somos bons para adquirire para dar ou distribuir? Salomao diz que “...ao que retém mais do que é justo, set-lhe- em pura perda” (Pv 11.24), isso quer dizer que podemos ganhar muito e perder muitotambém, ou oque conseguimos, se formal administrado pode se perder, ou ser inttil. ~ Otalento nato vem de Deus e deve ser empregado para o nosso deleite ¢ também do priximo: Dorcas sabia disso e, a seu respeito estd escrito o que ela fazia com as suas mios (agulha ¢ linha); vejamos: “era ela notavel pelas boas obras e esmolas que fazia (...) e todas as vitivas 0 cercaram, chorando e mostrando-the ttinicas e vestidos que Doreas fizera enquanto estava com elas” (At 9.36 ¢ 39: Pv 31.13). — Jesus curou um homem que possuia uma das maos ressequida, mirrada, aleijada, da qual ele tinha vergonha (veja Marcos 3. 1-5). O texto diz que a mao do homem the foi restaurada, ficou perfeita, mas 6 quando ele obedeceu a seguinte ordem de Cristo: “Estende a mio” (v. 5). Aqui estd o remédio para muitos cristéos que tém a vida financcira mirrada, seca, vazia; € preciso exereitar 0 ato de estender a mao para socorrer, ajudar, contiibuir, semear, abengoar e compartilhar. Salmo 24.4 relata sobre o individuo que é “limpo de maos”, ¢ essa expressio significa que usamos nossas miosem agées honestas, justas, corretas, Que nao temos ligagiio com acorupeaio e com o ganho ilicito. J4 no Salmo 126.5, lemos que quem semeia com kigrimas, vai colher com alegria. As vezes precisamos oferecer a Deus verdadciras ofertas de sacrificio (como a de Abraio), ¢ sio essas contribuigdes diffceis, mas que produzem um resultado extraordindtio. CONCLUSAO. Nossas ofertas para Deus (veja Eixodo 25.2), no sio gastos, dividas, despesas, mas investimentos WALrER Bastos quesnos fario bem agoraeona eternidades(1 Corinties:3: 10-15). A Lei exigia que as ofertas devidas ao Senhor deveriam ser oferecidas sem demora e da melhor qualidade (Exodo 22.29). Isso indica que as primicias do melhor do campo e das lavouras pertencem a Deus. é Seu direito. Temos o prazer de apresentar hoje para Deus as maos cheias do melhor que temos? . SERMAO 14 Chime pata vencet as tutas Joao 16.33 INTRODUCGAO Logo apés a confirmagio da promessa de enviar o Consolador (v. 7), Jesus Cristo adverte os dise{pulos das dificuldades que esperavam poreles no cumprimento da missio. Essa verdade acerea das tribulagoes levou 0 Mest a fazer uma das mais poderosas oracdes da Biblia (veja Joao 17), que ficou conheeida como a orago sacerdotal, onde Ele intereede fervorosamente pelos apéstolos e pela Tereja de uma forma geral (v. 20). Ninguém esté livre de Tutas. Afligdes de todo tipo assolam os seres humanos em diversas partes do mundo, e isso inclui os filhos de Deus (veja 1Pedro 5.9), mas hd um segredo — que Deus deseja nos ensinar sobre a maneira ceria de enfrentar as tribulacdes e dificuldades que a vida ainda nos reserva. PROPOSICAO: 0 bom dnimo é 0 segredo para garantir a viidria nas lutas didrias 1- “NO MUNDO, PASSAIS POR ABLICOES...”. — Note que Jesus no promete isengao de problemas. Antes Fle garante que enfrentaremos afligdes de todo tipo. O mundo o campo de ago de onde procedem as lutas ou softimentos tertenos (reja | Joao 2.15), perseguigdes e toda oposicaio ao Evangelho de Cristo. Nesse caso, a palavra gtega é kdsmos e representa todo ambiente ou conceito, valor, costume que seja hostil a Deus, porque esta perdido no pecado, arruinado, depravado, pois sofre influéncia direta do diabo (Joao 15.18,19). — Quando nosso Senhor cita a palavra “afligdes”, Ele se refere a thlipsis no grego, que significa todo tipo de anguistia, agonia, pressHo, adversidade, perturbagio, opressao, sofrimento, perseguicio etc, A idéia dominante € emprestada do trabalho que os lavradores tinham ao espremer uvas e azeitonas. As tribulacdes didrias tentam esmagar a nossa fé, paz, alegria, mas 86 conseguem nos tornar mais dependentes de Jesus (veja 2Corintios 12.10). 1-“.. MAS TENDE BOM ANIMO...” — Como € possivel ter bom dnimo em um momento de tristeza, escassez, provagao, ¢ outras coisas do género? O que Jesus quis dizer com esse conselho aparentemente incoerente? Nem toda instrucao da Biblia € perfeitamente racional (por exemplo: a pesca milagrosa; veja Lucas 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. um compromisso verdadeiro com Ele; que devemos dizer ndo ao “velho cu”, cortar de nossa vida tudo 0 que nZo combina com Deus (veja Mateus 16.24). —AEscritura declara: “Porque o que semeia para a sua propriacame da cane colherd corrupgaio” (G16.8), ¢ isto quer dizer que se optarmos por viver pata nés mesmos (e nao para Deus), de manceira dissoluta ¢ conforme as obras da carne (5,19-21) 0 resultado serd a perdigao cterna no inferno. 1 - “MAS, SE, PELO ESP{RITO, MORTIFICARDES OS FEITOS DO CORPO (...) VIVEREIS”. ~ Ocompoé o campo de lutas, a zona de perigo. A alma anima (ou controla) o corpo, masse nzio for restaurada pela Palavta (veja Tiago 1.21) podera manté-lo em esctavidao, em habitos nocives ¢ incompativeis com a nova vida em Cristo, Nosso corpo (soma) deve ser apresentado a Deus todos os dias, na forma de um sacrificio vivo e santo (separado, limpo, incontaminado). Ele também é o templo do Espirito de Deus na terra (1Corintios 6.19) e est destinado ressurtei¢do gloriosa na parousia de Jesus (Romanos 8.11). ~ Tiago afirma que a origem das contendas e disputas (que € motivada pela cobiga, sede de honra, arrogaincia ete.) que ha entre as pessoas, ven dos “prazeres que militam na vossa came” (4.1). O termo “prazeres” de hedone, prazerem um sentido negativo, pecaminoso (hedonismo: “doutrina moral que considera ser o prazer a finalidade da vida” — Diciondrio Koogan Larousse), tem livre curso “na vossa carne” ou em nossos membros (por exemplo: a lingua, as Mos, os olhos, a mente etc.). = Para que 0 pecado nao tenha livre curso nos nossos membros, precisamos “mortificar” (thanatoute — presente do indicativo ativo), isto é, matar ou colocar i morte o tempo todo esses impulsos pecaminosos, esses desejos que fazem parte do velho homem, da vida anterior ao nosso encontro com Jesus. Fazemos isso por meio de atos concretos, como vigiar o que falamos e fazemos, fugir da imoralidade (veja 1Corintios 6.18) ¢ de toda aparéncia do mal (1 Tessalonicenses 5.22), manter uma vida regular de oragdo (Mateus 26.41) ede estudo meditative da Palavra de Deus (Salmo 1.1,2) -“Mortificamos os feitos do corpo” ou crucificamos a carne, nos revestindo do Senhor Jesus Cristo (veja Romanos 13.14). Revestir de Cristo é 0 mesmo que nos vestir “do novo homem” (Ef4.24) ou do cardter de Cristo ¢ isso nos dé a condicao para no darmos ocasido para a se manifestar (“nada disponhais para a carne”). Precisamos “cortar as fontes de sustento” da carne. — O apéstolo Paulo, escrevendo aos colossenses, aconselha-os a: “Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena” (3.5). O termo grego para “fazer morrer” é nekrosate, ¢ significa o mesmo que apodrega-te, nao torne a existir, desapareea. Nosso velho homem — com suas paixdes — deve permanecer erucificado com Cristo (veja Galatas 2.19). ~ Paulo relata que 0 Espirito Santo pode e quer nos ajudar a vencer os “impulsos da carne”, ¢ fazisso infundindo poder em cada um de nés para vivermos intensamente a vontade de Deus (por exemplo: por Ele vencemos a gandncia, a avareza e distribuimos de modo liberal o que Deus nos da; veja Atos 4.31-35). Mas esse poder vem se 0 buscarmos com sinceridade (Salmo 105.4). Obediéneia a diregdo ou voz do Espirito Santo é o mesmo que semear“para o Espirito” e isso é garantia de excelente colheita no futuro: a“vida eterna” (G1 6.8b). [LI-"..OS QUE SAO GUIADOS PELO ESPIRITO DE DEUS SAO FILHOS DE DEUS”. —Anossa filiagdo a Deus é evidenciada pela nossa submissao a orientagao e diregao do Espirito EXg] 111 stores ana topas as ocastors, Santo, Somos obedientes Asua voze admoestacao? O-que significa ser“guiado pelo Espiritode Deus?’. E ter certeza que nao somos mais escravos do pecado, do diabo e do mundo (estamos livres pela “lei do Espirito da vida" ~ 8.2) e que nossa vontade agora ¢ dirigida para 0 alvo ou propésito certo da vida. CONCLUSAO Conseguiremos vencer esse terrivel inimigo chamado carne ao nos submeter 20 nosso mais proximo e amoroso amigo: O Espirito Santo. Na vida do erente. o pecado nasce da sua falta de consagracdo a Deus, de santificagdo (veja Hebreus 12.14), em conseqiiéncia disso a carne — ainclinagio pecaminosa — se manifesta nas suas mais variadas formas: a prostituigdo, a avareza, a idolatria, a bebedice © a glutonaria, a fofoca, a inimizade, a divisio et . Jesus ensina em a fonte de toda malicia e pecado. Marcos 7.18.23 que 0 coragio nao regenerado SERKMAO 21 Fonte de lucia ITim6reo 6.6-10 INTRODUCAO Quando se fala em luctos, pensamos logo em bons investimentos. Nossa atengdo se volta para © dinheiro, vendas, instituigées financeiras, ouro etc. O mundo capitalista em que vivemos nos leva a pensar desse modo. Quando o assunto é dinheiro, costumamos dizer: “negdcio€ negdcio, € amizades A parte”. Nao permitimos que 0 “coragdo” interfira, ou deixe se sobrepor a raziio, para nfo corrermos o risco de cair em prejutzo. Sobre as riquezas terrenas, o apéstolo Paulo diz que: “O que é que trouxemos parao mundo? Nada! E 0 que € que levamos do mundo? Nada!” (v. 7 - BLH). Isto significa dizer que as Tiquezas materiais so efémeras, e no podem ser usadas na etemidade. Nao podemos nos tornar servos do dinheiro, ou seja, viver em razao dele. Antes, devemnos usi-lo para 0 nosso bem-estar e para o engrandecimento do Reino de Deus. Paulo afirma que somente o que usarmos para Deus nos sera devolvido (em forma de galardao) no dia do julgamento das nossas obrar (veja 1Corintios 3.12,13; 15.58). PROPOSIGAO: A devocao sincera, unida a uma atitude de satisfacao, é de grande valor para Deus. I - PIEDADE COM CONTENTAMENTO E GRANDE FONTE DE LUCRO. —No versiculo 5, 0 apéstolo condena falsos mestres de ensinar que o ministério (ou a piedade mal direcionada) é fonte de lucro material, ou que se pode tirar vantagens financeiras da vida religiosa por meio de cargos eclesidsticos. Alguns deles acreditavam, inclusive, que 0 enriquecimento era uma forma de afirmar que os seus ensinamentos tinham a aprovagao divina. —Exisiem pessoas que se “convertem” porrazdes erradas (por exemplo: Simio o mago; vefa Atos 8.18-24), ¢ isto é uma base espiritual falsa, pois nao Ihes pode dar resistencia nas provaces (Lucas 6.46-49), razao pela qual logo se desviam do Evangelho de Cristo. Quem emprega seus “talentos” (por exemplo: conhecimento, oratoria etc.) para exploraro pove de Deus (Tito 1.11). faz.o trabalho condendvel de Baladio (conhecido como profeta de aluguel — 2Pedro 2.15). Ja no versiculo 6, Paulo declara que o segredo da verdadeira “fonte de lucro” vem da WALrER Bastos combinagio de piedade com 0 contentamento. O que serd que ele quis dizer com iss espécie de “lucro” Paulo tinha em mente? — A palavra piedade, no grego eusebeia (“eu” + “sebomai”), significa ser um bom devoto, lemor reverente a Deus decorrente do conhecimento ja obtido Dele (veja 2Pedro 3.18). No latim, temos a palavra pieiate, que significa amor ¢ tespeito as coisas religiosas (Dicionério Aurélio). Jd o termo contentamento é autarkeia no grego, suficiéncia, auto-suficiéncia (de autos — auto — arkeo — bastar), satisfagéo com o que possui. Em outras palavras, Paulo quis dizer que o crente realmente dedicado a Deus, sincero em sua fé, esta sempre contente, alegre com tudo que Ihe sobrevém (Romanos 8.28), porque tem em Cristo a sua fonte provedora, de suficiéncia total, agora e na eternidade. ~ Essa “fonte de lucro” é 0 verdadeiro objetivo do crente espiritual, pois ele faz de Deus e do seu Reino a prioridade maxima de sua Vida (veja Mateus 6.33), por conta disso, desfruta amoroso € rico cuidado divino (Filipenses 4.19). Isto nao significa conformar-se coma situagao vigente por causa de uma “fé cega”, mas em contar com a graga e poder de Deus para superar as circunstancias dificeis: “...tudo posso naquele que me fortalece” (Fp 4.13). If - DEVEMOS ESTAR CONTENTES COM AQUILO QUE DEUS NOS TEM DADO. 0? Que — No versiculo 8, Paulo fala do estado de gratidao, de reconhecimento que devemos manifestar pela provisdo didria que Deus nos concede. Em muitos casos é preciso aprender a se contentar (veja Filipenses 4.11), ou seja, precisamos estar abertos as instrugdes de Deus, a fim de percebermos em cada detalhe da nossa vida, os Seus atos providenciais e dar o devido valor (Salmo 37.16; Provérbios 15.16). — O texto di: ndo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes” (v. 8). A palavra sustento no grego é diatrophe, alimento, ou os meios de subsistencia (qualquer atividade rentavel: veja Atos 17.3). Jd 0 verbo vestiré skepasma no grego, vestudrio, mas o termo também inelui a idéiade cobertura, abrigo. A mulher de Suném construiu ...um pequeno quarto” para Eliseu (2Rs 4.8-10), Jesus, na cruz, buscou uma habitagdo para sua mie (Jodo 19.26,27). Deus quer suprir todas as nossas necessidades (alimento, roupae casa Hebreus 13.5). — Seja como for, devemos estar contentes, satisfeitos, mesmo quando Deus nos supre apenas do minimo, do hasico para a nossa sobrevivéncia: alimento e vestes (veja Deuterondmio 10.18). As caréncias especiais serao supridas a seu tempo, enquanto isso devemos trabalhar e semear generosa ¢ alegremente (ofertas: 2Corintios 8.3) para o engrandecimento do Reino de Deus na terra. I1I- 0 AMOR AO DINHEIRO E A RAIZ DE TODA ESPECIE DE MALES. A busea ou © desejo desassossegado (a qualquer prego) por dinheiro, bens materiais ou enriquecimento, torna o individuo um escravo do trabalho, um servo e nfo senhor do dinheiro. = Quem faz do dinheiro 0 objetivo de sua vida, é um pobre miserdvel nas mis do diabo (veja 2Timsteo 2.26), porque ele o tornard presuncoso, desonesto ¢ insensivel (explorador). O resultado sera: “...1uina e perdigao” (v. 10). ~Pelo “amorao dinheiro” a pessoa pode traira sua fé (como fez Judas Iscatiotes), enganar o seu semelhante (veja Provérbios 11.1), vender o seu irmao (Génesis 37.28), desobedecer a uma clara proibigdo divina (Josué 6.18; 7.21), manter a Vida cristi relaxada (Apocalipse 3.17) ete. CONCLUSAO EE] 111 strnors ana topas as ocastors aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes ele porque haveremos de vé-lo como ele & (1Jo 3.2). Sera semelhanga espiritual ¢ fisica. CONCLUSAO @ celebragao da festa das primicias nos lembra a “bendita esperanga” e nos dé forga para continuarmos firmes na obedieneia & Palavra escrita de Deus, pois somente aquele que continuar fiel até o fim sera salvo (veja Mateus 24.13; Apocalipse 2.10). Enquanto permanecermos em nossa “easa terrestre”, ou Seja, Nesse corpo corruptivel, contemplamos as belezas celestiais pela fé, mas quando Jesus voltar, festejaremos com Ele ¢ com todos os cristios que jé foram antes de nds, com um corpo novo, diferente do atual, sem defeitos e totalmente adaptado & vida celestial (2Corintios5.1-8) SERMAO 24 © Reine de Deus na esfera da Justiga Romanos 14.17 INTRODUCAO. Como podemos entender o conceito biblico de Reino de Deus? A palavra reino no original grego é basiléia e também denota dominio, soberania e poder real. Associado a Deus. esse reino assume dois significados, 0 primeiro esté diretamente relacionado ao governo de Deus no coraciio do homem, que ocorre logo apés a sua regeneracdo (veja Jodo 3.3; Colossenses 1.13). Em razdo disso, quem € dirigido pelo Espirito Santo tem o Reino de Deus sobre si. O outro aspecto do Reino de Deus esté ligado ao governo milenar de Cristo sobre toda a terra por ocasitio da Sua parousia (segunda vinda) e esta reservado para o futuro (Corintios 15.23-25) Quando o Reino de Deus chega ao corago do homem, isso produz uma mudanga radical, a ponto de afetar definitivamente a sua forma de pensar, falar, e de viver de maneita geral; quem governa sua vida agora € 0 proprio Deus, por esse motivo as suas agdes e procedimentos no seu relacionamento com outras pessoas devem ser pautados pela Palayra, sendo que uma de suas agdes € determinada pela “justiga (...) no Espirito Santo”, PROPOSICAO: 0 comportamemto do cristdo que é governado por Deus é sempre norteado pela retidao, —“PORQUE O REINO DE DEUS E (...) JUSTICA (...) NO ESP{RITO SANTO”. — Jesus Cristo declarou para seus ansiosos discipulos que se alguém verdadeiramente buscasse em primeiro lugar o Reino de Deus ¢ a Sua justica, essa pessoa nao teria razio para temer crises ou a nao satisfagdo de necessidades imediatas (veja Mateus 6.33). Mas, afinal, por que o Mestre também incluiu a justiga nessa busca? Exatamente porque precisamos reconhecer 0 direito de Deus sobre a nossa vida, e fazemos isso obedecendo a sua Palavra (Mateus 21.32). - Em um primeiro momento, a Escritura ensina que a “justiga de Deus” nos ¢ atribufda pela fé em Cristo, mediante o Seu sacrificio redentor (veja Romanos 3.21-25), ¢ isso significa dizer que diante de Deus o cristiio regenerado nao tem mais culpa, esti justificado e livre de qualquer condenagao. = De outro lado, Paulo revela — no textoem estudo — outro tipo de “justica” que é aplicada ou Ware Bastos, EE conferida ao crente mediante a ago do Espirito de Deus. Neste caso, estd em foco algo que é proprio do cardter de Deus, e é “eaxertado” no homem salvo para que este manifeste no dia-a- diaa virtude da just ~ Além de aprendermos o que € certo fazer, nds também precisamos de gra nos capacitem a praticar a justiga, e essa forga nos é concedida pelo Espirito $ homem interior (veja 1Corintios 4.20). II - O CONCEITO DE JUSTICA NO ANTIGO TESTAMENTO. ~Apalavra mais comum no AT pata justiga € tsedeq,e traz.aidéia de lealdade oude conformidade auma norma estabelecida (por exemplo, pela Lei: veja Deuteronémio 6.25), ou a um acordo como o de Jacé com Labio (Génesis 30.33). De forma geral, tsedeq estd voltada para as questées de relacionamento seja no aspecto moral, judicial ou do governo de Deus sabre os seus servos ~ Daviensina nosalmo 15 que o cidadio dos céus € aquele “que vive com integridade, ¢ pratica a justiga...” (v. 2). Neste texto também encontramos um belo exemplode um homem justo, ou seja, integro, que obedece a Lei de Deus ¢ que respeita o direito do seu proximo. — Outro sentido de justiga (forense) na velha alianga era o da retribui¢gao, ou seja, “olho por olho, dente por dente” (Dt 19.21). Quem matava, morria, no havia perdio, Nesta questo, todavia, Jesus Cristo enfatiza que nao estamos completamente isentos para julgar o préximo, por isso o ‘nosso julgamento sempre deve ser pautado pela compaixioe imparcialidade (veja Joao 8.7). If - 0 CONCEITO DE JUSTICA NO NOVO TESTAMENTO. = Na visio de Paulo, toda pessoa que se converte torna-se automaticamente um servo da justiga (veja Romanos 6.18). Essa expressio equivale a dizer que, apés 0 nosso encontro com Deus, os nossos atos devem cortesponder & nossa profissio de fé, ou seja, quem se declara cristo precisa reproduzir atos que condizem com a sua fé. Em outras palavras, 6 necessirio ser: reto, justo, honesto, honrado, fiel, digno de confianga nos empreendimentos e negdcios com © prOximo. — Ha trés termos gregos que so igualmente traduzidos para o portugués comojustiga, mas com certa variagao de significados. O primeiro é dike ¢ esté mais relacionado com penalidade, punicao, julgamento ou execugao de uma sentenca (Dicionirio Vine), observe um exemplo: “Estes sofrerao penalidade de eterna destruigao, banidos da face do Senhore da glériado seu poder” (2Ts 1.9). Outro termo semelhante a dike ¢ krisis juizo, julgamento, condenacao (veja Mateus 10.15). — 0 terceiro e mais comum é dikaiosune e tem a ver com justiga no sentido de retidao, eqilidade ou de fazer o que € correto, dircito: “Se sabcis que € justo, reconhecei também que todo aquele que pratica a justiga é nascido dele” (1 Jo 2.29). Dikaiosune também pode significar miseric6rdia ou caridade (veja Mateus 6.1). — No texto em estudo, notamos que Paulo emprega o terceiro termo para justica, Em um primeiro momento, dikaiosune expressa um dos atributos do cardter de Deus (pois Ele julga com absoluta retidao e imparcialidade: veja Romanos 3.5), mas pela obra santificadora do Espirito Santo, essa virtude de cardter também € conferida ao crente. Dessa forma, proceder em retidao é uma das mareas de Cristo em nds, CONCLUSAO Paulo deixa claro para os crentes de Roma que o Reino de Deus é supramaterial (veja Mateus 6.33), esta acima da matéria e consiste basicamente do controle divino da nossa vontade, emogao ede poder que anto em nosso 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES e intelecto. Uma das melhores maneiras deevangelizar ou de comunicar 6 conhecimento de Deus aos perdidos ocorre quando vivemos o Evangelho, ou quando procedemos corretamente hos relacionamentos, negdcios e demais atos com o nosso proximo (Romanos 6.19). Estd escrito que os injustos nao herdarao o Reino de Deus (veja 1Corintios 6.9) eo homem se torna justo quando aceita a justiga de Deus que é Cristo (Romanos 5.1). E por esse motivo que Malaquias enfatiza a diferenca entre o justo ¢ o perverso no dia do Juizo de Deus (Malaquias 3.19). A justiga divina nos torna dignos do céu e © Espirito Santo nos capacita a uma vida pautada por agGes justas ou moralmente corretas, SERMAO 25 O Reina de Deus na esfera da Sax Romanos 14.17 IntRODUCAO Existe uma ONG que luta pela “paz ambiental”, é conhecida como Green Peace, tanto esta quanto qualquer instituicao humana que busca a pazentre os homens ¢ limitada e & capaz de conseguir uma “paz” apenas circunstancial ¢ passageira. Longe de Deus é precisamente isso que o homem consegue arranjar, como exemplo, podemos citar os acordos de paz. que a ONU media entre as nagdes em conilito (por exemplo: palestinos e judeus), mas que tém curtissima duragao. O governo de Deus no coragio do homem produz uma paz que nao é condicionadaas influéneias externas, além disso, 0 homem controlado pelo Espirito de Deus alguém que espalha a paz por onde passa ou com quem se relaciona, ele sempre sera da paz, pois é um pacificador (reja Mateus 5.9). Jesus est & procura dos filhos da paz (Lucas 10.6) para salvar e usar em Sua obra. PROPOSICAO: A paz de espirito é 0 resultado direto da entronizagio de Cristo no coracao do homem. I-O CONCEITO DE PAZ NO ANTIGO TESTAMENTO, A palavra paz no hebraico & shalom e este termo popularizou-se mundialmente (pois ha judeus em todo mundo) como uma forma de saudacao entre as pessoas. Entre os judeus, shalom € uma saudagio (veja Juizes 19.20) e também uma despedida (1Samuel 25.6,35). Mas pode serempregada como forma de abengoar os outros. O arabe usa Salaam, mas no passa de um cognato de shalom. = Shalom também significa prosperidade, plenitude, retidao, satide, seguranca, descanso, auséncia de agitagdo ou contenda etc., mas em muitos casos shalom é sempre o resultado direto da presenca e trabalho de Deus em favor dos homens que obedecem aos termos da alianga ouda Lei. Em tiltima andlise, no Antigo Testamento, Deus € apresentado como a origem e afonte da verdadeira paz (veja Salmo 4.8; ef, 1Crénicas 22.9). 0 profeta Isaias afirma que agirretamente (de modo justo, correto) produz shalom: “O efeito Wares Bastos, EY aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. Deus. 0 termo hebraico yare’ tem o sentido de ter medo ou grande respeito por. Portanto, quem teme a Deus reconhece a Sua soberania ¢ 0 Seu diteito sobre si, ¢ Ihe presta obediéneia Um bom exemplo € 0 de Abraao (veja Génesis 22.12), e também do povo que atravessou 0 mar Vermelho a pés enxutos (Exodo 14.31). Além do que ja foi dito, no AT 0 “temor a Deus” também significava obediéncia aos termos da alianga (Deuterondmio 6.2.24). ~Apalavra grega para temor éphébos, que significa aquele pinico ou medo que toma conta de alguém quando esté assustado ou apreensivo. Ter receio de desagradara Deus é saudavel, mas ter medo do que os nossos inimigos podem nos fazer porque somos leais a Deus, deve ter conotagiio de covardia. ~ Temer a Deus no é simplesmente ter medo Dele (ou do que Ele & capaz de fazer — em termos de juizo ou castigo), mas, antes, € demonstrar profundo respeito, amor, admiracdo € reconhecimentoa Ele pelo que &¢ faz para o nosso completo bem-estar. Il - POR QUE DEVEMOS TEMER A DEUS? — No contexto da passagem em estudo, & possivel notar que os disefpulos temiam a perseguigao dos opositores do evangelho. Mas segundo Jesus, nao devemos temer os homens ou as circunstancias dificeis que nos sobrevierem em decorréncia da nossa obediéncia a Sua palavra (veja Mateus 10.16-25). ~ Jesus justifica a nossa necessidade de temor a Deus, pois Ele tem poder tanto para tirar a nossa vida fisica (veja Atos 5.5), quanto para nos langar no inferno (Apocalipse 20.14.15). A palavra inferno, neste caso, nio revela simplesmente a habitagio dos mortos (Hades), mas 0 lugar de tormento eterno (Gehenna) resetvado a todos os que nao tém seus nomes escritos no livro da vida (Apocalipse 20.15). Cora, Data e Abirao perderam o temor de Deus e foram langados ainda vivos no inferno (Nimeros 16.31-33). ~ Salomio declara que: “O temor do Senhor é 0 principio do saber...” (Pv 1.7). Depois de fazer tudo que um homem pode desejar (Eclesiastes 2.10) e de refletir sobre os enigmas da vida (Eclesiastes 9), 0 sabio concluiu que: “De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamenos, (..) Porque Deus ha de trazer a juizo todas as obras, até as que estao escondidas, quer sejam boas, quer sejam mas” (Ee 12.13.14; Le 12.3; grifos do autor). - Otemora Deus € 0 pontode partida para uma vida de vit6rias tanto aqui quanto na eternidade. Dele procede todo obem, ¢ toda dadiva perfeita. Qualquer que seja a conquista do homem, sem Deus nao passa de pura vaidade, ilusio, pois a sabedoria separada dele é loucura e desespero, a vida longe de Jesus ¢ vazia e deprimente, até desfrutar as coisas boas da vida sem Deus conduz invariavelmente 4 frustragao e a falta de contentamento ete. — Nao somos auto-suficientes. Nossa dependéncia de Deus € plena e vai desde a nossa formag: (embrio), crescimento e morte, e até a vida pds-morte. Esse temor reverente nos livra de sermos presungosos, TI — QUAIS ATITUDES REVELAM QUE TEMEMOS A DEUS? Aprincipal atitude que manifestamos como indicagaio de que tememos ou respeitamos a Deus & a obediéncia A Sua Palavra. Tiago declara em seu livro que quando nos sujeitamos ou nos submetemos a Deus encontramos forcas para enfrentar toda oposigao do diabo (4.7). Involuntariamente, toda a criagao est debaixo da autoridade absoluta de Deus (veja Jeremias 5.22), mas Ele deseja que a aceitemos voluntéria e alegremente, e fazemos isso praticando a Sua Palavra, vivendo segundo os Seus justos mandamentos, nos desviando constantemente do 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES mal e praticandoo bem ete. — Quem evitao pecado, por meio da vigilncia e prudéncia, revela com isso respeito & santidade de Deus. Além disso, a vida santificada é uma das melhores formas de alegrarmos o Espitito Santo que em nés habita (veja Elésios 4.31). CONCLUSAO Diante de tudo que foi mencionado, sera que realmente tememos a Deus? O que dirfamos daqueles eristZios que mesmo conhecendo a vontade de Deus, fazem o que é errado? O que acontecer com as pessoas que abusam da paciéncia e misericordia de Deus? Serd que Ele pode permitirque venhamos enfermar ou mesmo morter para com isso nos quebrantar e salvar? A soberbadohomem contribui para o seu bem? (veja Tiago 4.6; 1Corintios 5.5). SERMAO 34 C mawwilhosa gua de Deus Romanos 3.24; 5,1-3 INTRODUGAO Pauloenfrentou uma fase critica em sua vida, pela qual orou por trés vezes a fim de se livrardo grande incémodo (talvez uma enfermidade veja 2Corintios 12.9; Gilatas 4.15), mas como resposta recebeu do Senhor um enfético “A minha graga te basta”. Que maravilhosa graga essa? Que poder ela possui, pois o que é capaz de nos manter em pé mesmo na pior crise? Situagdes de softimento como morte, doenca, dificuldade econdmica e decepedes, sio comuns sejam eles cristios ou nio! Jesus deixa isso claro na histéria dos “dois fundamentos” (veja Lucas 6.46-49). Lucas registra em seu livro que a “tempestade” que desabou foi impiedosa tanto para o “ouvinte praticante” (ctistdo professo) quanto parao “ouvinte negligente” (cristae nominal). Entretanto, a casa bem alicergada reagiu positivamente as intempéries, exatamente porque tinha “alicerce”, nfo estava solta, desguarnecida. O fundamento do cristo genuino é a graga de Deus (1 Corintios 3.11) PROPOSICAO: A graga de Deus se manifesta ao home pelos méritwos de Jesus Cristo. I - CONHECENDO A DIMENSAO DA GRACA DE DEUS. ~ Davi enfatiza o aleance da graga divina, ou do profundo amor que Deus revela aos seus filhos quando diz; “Porque a tua graga é melhor do que a vida; os meus lébios te louvam” ($163.3). No AT, a graga de Deus éilustrada na sua relagdo com a infiel nagao israelita: “Curarei asua infidelidade, eu de mim mesmo os amarei, porque a minha ira se apartou deles” (Os 14.4) Graca, portanto, é a manifestacdo desse “amor imerecido”, que Vai ao nosso Socorro sem que Wares Bastos, EX tho pecamos. No hebraico, temos 0 verbo hanan traduzido por “ser gracioso, compadecer-se”. Segundo o Diciondrio Internacional de Teologia do Antigo Testamento, essa palavra “descreve uma reagio sincera de uma pessoa que tem algo a dar para alguém necessitado”; ¢ outra definigao do mesmo diciondrio, a respeito da palavra hanan, também descreve a profundidade da graga de Deus; vejamos: “a ago que paite de um superior na diregao de um inferior que nio tem nenhum direito a tratamento clemente”’. — No grego do NT, encontramos a palavea charis que tem um significado semelhante Aquela que jd mencionamos. Charis 60 mesmo que disposigio ou ato benevolente de Deus concedido a quem (pecador) nada merece. Il- AREDENCAO EA PLENITUDE DA GRACA DE DEUS. — Zacarias cita a morte do Filho de Deus: “(...) olharao para aquele a quem traspassaram; pranted-lo-o como quem pranteia por um unigénito (...) como se chora amargamente pelo primogénito” (12.10). O profeta alude ao Messias solredor de Isafas 53, que graciosamente se daria em resgate de muitos (veja Joao 19.37). — Paulo em seu “evangelho da Salvacao” (livro de Romanos) busca detalhar 0 motivo, a causa da enearnagio, da morte ¢ da ressurreigdo de Jesus Cristo, ou seja, a graga de Deus. A iniciativa e a bondade de Deus (ou graga) O levaram a pagar o prego da nossa salvagao, isto é, a morte vicria de seu tnico Filho: “sendo justificados gratuitamente, por sua graca, mediante a redenca que haem Cristo Jesus” (Rm 3.24). 11 - VIVENDO DEBAIXO DA GRACA DE DEUS. ~ Em 2Co 9.8, lemos: “Deus pode fazer-vos abundar em toda graca, a fim de que. tendo sempre, em tudo, ampla suficiéncia, superabundeis em toda boa obra”. Este texto indica a soma das béngdios provenientes da graca divina. Portanto, a graca de Deus € aplicada a tude que Cristo conquistou por meio da Redengfi. Esse tudo inclui, obviamente, as promessas de Deus. 010 conjunto dos beneficios terrenos (dons e oportunidades, paz, satide, aprovacao, livramentos etc.) e celestes (vida eterna) da Nova Alianga no sangue de Jesus. ~ Essa maravilhosa graga nos capacita a enfrentaros incémodos “espinhos” que nos assaltam nas diversas dreas da vida humana (casamento, trabalho, ministério, vida pessoal — emogdes, satide ete.). No importa a “carga” (ou situagao) que temos de carregar (ou encarar), desde que a graca de Deus nos fortalega: “....udo posso naquele que me fortalece” (Fp 4.13). — Como “subproduto” ou resultado da graga, temos: a paz interior (a tranqtiilidade de espirito — veja Galatas 1.3); a comunhao (0 livre acesso) plena com Deus; a esperanga ou a cerieza de que Deus nos dard aquilo que nos prometeu, mas que ainda nao se coneretizou; toda heranga em Cristo por conta da nossa filiagdo; alegria (deleite, prazer espiritual € contentamento) ete. ~ A graca é a forga © 0 amor sobrenatural de Deus que se manifesta em nds, ou em nosso socorro em um momento de fraqueza ou quando chegamos ao limite de resisténcia. Eo poder de Deus para resistirmos a toda adversidade, dem@nios, tribulagdo, oposigdo ou perseguigao e a viver como um verdadeiro filho de Deus, a quem Ele declarou justo por meio de Cristo. — Quando vier sobre nés a pressiio do sofrimento e da dor, da tentagdo ¢ da acusagao, da falta de palavras ou forcas, devemos nos lembrardas doces palavras do nosso amoroso Salvador: “A minha graga te basta”. EXG] 111 strnors rans ropas as ocastors, aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. 13.11): € na eternidade seremos colunas:permanentes no-santuririo de*Deus ¢Apacalipse 3.12) ete. — Observe que a promessa das “grandes coisas” estd preparada apenas para os que amam a Deus. Como podemos provar nosso amor ao Pai? Jesus responde a essa importante pergunta nos seguintes termos; “{...) Se alguém me ama, obedecerd a minha palavra™ (Jo 14.23; NVI grifos do autor), Além de encamarmos a vontade de Deus pela obediéneia & sua Palavra, também amamos a Deus, amando ao nosso semelhante (veja Lodo 4.7-12), ¢ fazemos isso por meio de atitudes concretas como: perdio, socorro, boas obras, intercessio fervorosa ete. (Mateus 25,35-46). CONCLUSAO @ sabedoria de Deus nos € acessfvel gragas & obra salvadora de Cristo no Calvétio. Crescemos na conquista de mais entendimento da vontade de Deus, ou das Escrituras Sagradas, 4 medida que nos submetemos alegre ¢ humildemente ao Espirito de Deus (veja Eiésios 5.18). Um create nesfito ndo podera desfrutar uma intimidade mais profunda com o Pai enquanto permanecer nessa condi¢ao (Hebreus 5.11-14). Creseemos em maturidade espiritual quando nos entregamos a Cristo sem reservas, € permanentemente colocamos A morte a nossa velha e vil natureza (Colossenses 3.5: Tiago 1.21). SERMAO 41 Una mulher chamada “Sofia” Proversios 14.1 INTRODUCAO Qmulhersabia segundo a dtica do Criador é aquela descrita por Salomio no livrode Provérbios ipitulo 31. Ali encontramos essas preciosas qualidades que embelezam o espitito das mulheres que agradam a Deus e aseu marido. O sabio ja tinha afirmado que o prineipio da sabedoria € 0 temor a Deus (veja Provérbios 1.7). Tememos a Deus quando procuramos viver segundo a Sua vontade. A mulher que se harmoniza com a yontade do Senhor é aquela que procura enearnar seu papel de esposa cristd, que se submete amorosamente ao marido, mesmo que ele nao seja um servo de Deus (1 Pedro 3.1,2), que nao come o pao da preguicga, que administra 0 larcom graca, que gasta os recursos disponiveis de forma parcimoniosa, que cuida do marido ¢ dos filhos com verdadeiro amore abnegacio. Sofia é a palavra grega que traduzida significa sabedotia, PROPOSICAO: A verdadeira sabedoria nos capacita a resolver os problemas do dia-a- dia. ~“A MULHER SABIA EDIFICA A SUA CASA”. ~Casaé uma palavra ampliada para familia, lar, casamento. Jd 0 verbo edificaresté diretamente relacionado a atitudes inteligentes que cooperam para a constru¢o, ou o soerguimento do lare do relacionamento conjugal. A mulher sabia é um “bem” dado por Deus ao homem (18.22; 19.14), e é na verdade a sua “coroa” (12.4a). - A palavra “sdbio” no hebraico é hdkam e também significa dotado, habil, pratico. Na Wares Bastos, OE aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. Il - EM CRISTO, TODAS AS MULHERES PODEM SER SABIAS! — Um comportamento negativo que uma mulher manifesta com freqiiéncia pode ter origem em suaeducagao familiar, Se 4 luz da Palavra de Deus identificarmos algo em nossa personalidade que nos torna insensatos, precisamos rejeitar de imediato, e nos conformar com a elegancia do cariter de Cristo. = O que deve fazer uma mulher que tem facilidade para falar mal dos outros? Ou que esbanja os recursos do lar com “promogées de tiltima hora”, ou na compra de produtos desnecessirios eintiteis? ~ A submissio ao marido é 0 “fardo” de Cristo (Mt 11.30) para as mulheres cristas (veja Efésios 5.22-24), Ser submissa é 0 mesmo que prestar auxilio amoroso e inteligente a alguém inyestido de autoridade pelo proprio Deus (I Corintios 11.3). é estarao lado de quem ama a fim de construir um “paraiso na terra”. Somente a mulher que ama a Deus ¢ a seu marido ¢ submi ~Amulher regenerada tema mente de Cristo (veja 1Corintios 2.16), € com a ajuda permanente do Espirito Santo ela pode triunfar nas lutas do cotidiano, mas, para isso precisa estudar a Biblia diariamente (para tersua mente sempre renovada; Romanos 12.2), orar com ousadia e confianga, descansar em Deus sempre que o fardo pesar (1 Pedro 5.7) ete. CONCLUSAO © mundo preconiza um modelo de mulher ideal, ou seja, que é atualizada, arrojada, estudada, dinimica e independente. Mas e a dona-de-casa, esposa amorosa e mae dedicada onde fica? E possivel conciliar as duas coisas? O que é mais importante: Ser livre e economicamente ativa, mas sozinha (por conta de um “solteirismo involuntario ou conseqiente™), ou construir um lar saudavel ao lado do homem que ama? Mais uma vez, a Biblia nos convida a sermos sdbios, mas aos olhos de Deus, da verdade e do bom senso. A bem da verdade, aestabilidade do casamento, e também do lar como um todo, depende prioritariamente dk bedoria feminina. Wares Bastos, SERMAO 42 Cl ventade de Deus Miquttas 6.6-8 INTRODUCAO Viver no centro da vontade de Deus deve ser a aspiracio do crente que é sincero em sua pritica cristd. Todo esforgo nesse sentido é sem diivida extremamente compensador. Na oracio dominical, Jesus Cristo ensina que parte dos nossos pedidos a Deus deve incluira forga necessari para nos adequarmos as sttas santas e justas exigéncias (“...venha o teu reino, faca-se a tua vontade, assim na terra como no céu” — M6, 10). Como Cristo afirmou, no céu, a vontade de Deus é plenamente realizada, mas na terra nem sempre (e € aqui que a [greja entra para fazer a diferenga), ¢ com certeza no inferno ela é absolutamente contrariada. Serd que estamos realmente dispostos a obedecer, 4 sermos submissos 4 vontade revelada de Deus? O profeta Miquéias exerceu seu ministério no mesmo periodo de Isaias (750-686 a.C.),e asua mensagem produziu arrependimento no rei Ezequias, que mais tarde resultou na salvacao de Jerusalém e depois de todo reino de Juda. Diante daquele quadro de corrupeao politicae religiosa que imperava, Miquéias anuncia o merecido juizo divino caso nao houvesse uma adequada mudanga. No texto em foco, o profeta critica a forma puramente exteriorizada e ritualista de adoragio da agdo a lavé, ¢ em seguida apresenta no versiculo 8 do texto em foco, trés pontos baisicos que destacam a pritica religiosa que verdadeiramente agradaa Deus. PROPOSICAO: Cumprimos a vontade de Deus nao de boca, mas de atos concretos de obediéncia & Sua Palavra, 1 -*“..0 SENHOR PEDE DE TI: QUE PRATIQUES A JUSTICA”. — Veja como outras versGes traduziram este texto: “praticar 0 direito” (BJ); “pratique a justiga” TZ§ 111 strnors ana Topas as ocastors, aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. FRODUCAO rova vida em Cristo € incompativel com a pritica teimosa do pecado. Nao podemos conservar nei tolerar certos vicios decomportamento, uma vez que decidimosentregar nossa vida (inteira) para Deus. 0 apéstolo Paulo, com freqiiéncia, cita em suas epistolas listas de pecados que jamais deveriam constar na vida de pessoas que desejam morar no céu (veja 1Corintios 5.9-13; 6.9-11; Galatas 5.19-21). Neste estudo, iremos analisar um grave desvio daqueles que ainda ndo entenderam a mordomia, que inclusive edo jugo de Cristo. Antes de entrarmos no assunto em foco, veja algumas preciosas informagées a respeito da nossa mordomia, na parabola da “pérola de grande valor” registrada em Mateus 13.45-46. PROPOSICAO: Yencendo a avareza, derrotamos o principal empecitho da liberalidade. I-“FAZEI, POIS, MORRER A VOSSA NATUREZA TERRENA”, ~ A vida crista deve ser uma constante “mor cao” da velha natureza. Na morte de Cristo, todo crente regenerado também “morreu”, ¢ isto, para que tenham direito de participar da ressurreic¢io para a vida eterna (veja Colossenses 2.12). — O termo grego nekrosate é 0 mesmo que fazer morter, mortificar. Isto ocorre quando o cristo permanece na cruz (veja Galatas 2.19), e decide manter-se obediente a Palayra: “S: Wauter Bastos, alguém quer vir apds mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz. siga-me” (Me 8.34). “se negue”, € dizer nao ao pecado e, sobretudoa simesmo (ao velho homem). — Paulo nao esta convocando ninguém para o “autoflagelamento” ou para a pritica do ascetismo (arrependimento seguido de sacrificio ou tormento; veja Colossenses 2.20-23), mas a um rompimento radical com a vida antiga (de antes daconversao). E, pois necessério lancar fora 0 velho fermento antes que toda massa se destrua ou estrague (veja Exodo 12.15). — Existe dentro do nosso ser algo como um “mau impulso” ou “inclinagao natural para o mal”, que Paulo chama de carne ou velho homem (veja Romanos 7.18) ¢ as duas grandes paixdes que essa tendéneia pecaminosa desempenha sao o adultério (rea sexual) ¢ a idolatria (rea das posses). ‘I - “...E A AVAREZA, QUE E IDOLATRIA”. — Otermo grego para avareza é pleonexia, que também significa: ganfincia, insaciabilidade. cobiga. Esse termo esta etimologicamente vinculado a pleon (mais) e echd (ter), e tem a ver com uma pessoa que nunca esta satisfeita (¢ no desfruta o que jd tem) e anseia por acumular cada vez mais (veja [Timéteo 6.8.9). — Por que a avareza torna-se idolatria? Porque Deus deixa de sero alvo, o centro, e o individuo procura realizar-se em si mesmo, nas suas posses. Jesus disse: “Ninguém pode servir a dois senhores (...) Nao podeis servir a Deus ¢ as riquezas [Mamom]” (Lc 16.13), a palavra grega Mamom empregada no original grego, pode perfeitamente ser a personificacao de uma divindade paga, um rival de Deus. = Quando alguém preocupa-se em excesso com as coisas materiais, a ponto de comprometer scu compromisso ¢ devogao pessoal a Deus (faltar nos cultos para trabalhar, sonegar dizimos ¢ ofertas), esta pecando, pois nao esté colocando Deus em primeiro lugar (eja Mateus 6.33), além de desconfiar da promessa divina ~ Aatitude que manifestamos em relagao ao dinheiro, revela se estamos ou nao submissos a Deus. 0 primeiro mandamento diz; “Nao teras outros deuses diante de mim” (Ex 20.3): esse “outro” pode ser qualquer coisa ou pessoa a quem dispensamos lealdade prioritéria antes de Deus, pode sero dinheiro ou 0 “eu”. Paulo diz que Cristo é a primieia (veja LCorintios 15.23), ou seja, o melhor tem de ser para Deus. O melhordo tempo, dos talentos, dos recursos ete. CONCLUSAO Nacatta aos colossenses, Paulo detalhao fato da obra perfeita e redentivade Cristo outorgada por Deus a todo cristio genuino, em outras palavras nds mortemos e ressuscitamos com Cristo, e agora a nossa “..vida estd oculta, juntamente com Cristo, em Deus” (C13.3). Talvez seja por isso que a nova vida em Cristo nao écompreensivel pelos niio-crentes. Quem é mais feliz? O que mais importante? Ter ou ser? O que doa ou o que recebe? (veja Atos 20.35). Quem nha ou quem perde’? (Mateus 16.25). 111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES SERMAO 47 Lauvande ae Senher cam nesses bens Proversios 3.9,10 IntropucAo Louvar, glorificar ehonrar sdo palavras sindnimas, que expressam o direito de Deus ¢ o dever da Igreja. Adoramos ao Senhor de diversas formas: cantando, salmodiando, orando, testemunhando dos Seus feitos e contribuindo para o avango de Sua obra na tetra. O livro de Provétbios revela a sabedoria de Deus aplicada as vatias circunstancias da vida, por exemplo em questdes de casamento e sexo (5~7), em relacdo aos recursos que Deus nos concede ete Neste particular, o sabio aconselha ¢ previne sobre o empréstimo (22.7), a fianga (11.15), @ agiotagem (28.8), os lucros e os prejuizos (3.14; 19.19), 0 suborno (15.27) ea liberalidade ou generosidade (1.25) PROPOSICA Também louvamos a Deus com os nossos bens. I-“HONRA AO SENHOR COM OS TEUS BENS... — Honrar € dar crédito ou merecimento a; dignificar, enobrecer, respeitar, venerar; ter em consideracdo e homenagear as qualidades de alguém (Dicionario Aurélio). - Hod e Hadar sio palavras hebraicas do Antigo Testamento para honra, majestade ¢ gloria, ¢ traz a idéia de algo muito precioso, como a atitude corajosa dos trés hebreus diante da corte babilénia (veja Daniel 3.16-18) ou de Maria de Betania que aspergiu o perfume em Jesus (Jotio. 12.3). Portanto, realizar um feito destacado, prodigioso (Salmo 108.13) € uma forma de honrar Wauter Bastos, aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. as maos cheias para Deus”. Disposto também é sindnimo de: propenso, inclinado, determinado, animado ete. ~ Quem sao as pessoas que Deus conta para a construgao do Seu Reino na terra? Aqueles que se apresentam voluntaria ¢ alegremente (veja 2Corintios 9.7), pois o prazer de ofertar esté atrelado ou “casado” com a liberalidade (desprendido do material ou do dinheiro, nao avarento). Esti escrito que Deus ama, isto &, tem prazer, satisfagao em quem contribui com alegria. ~ Davi fala de um chamado urgente e atual “hoje”; ndo para amanhi ou no més que vem seder ou se sobrar, Abel ofertou do primeiro e do melhor, porisso sua oferta foi aceita por Deus (veja Génesis 4.4). II - CONTRIBUI PARA A OBRA DE DEUS QUEM POSSUI CORACAO LIBERAL. ~ Havia uma necessidade: a construgio do santudrio, do local de adoragiio a Deus. Davi declara que a“...obra é grande”, ¢ que o *...paldcio no é para homens” (v. 1). Quais necessidades temos hoje? E mais urgente que as almas para salvar (veja Marcos 8.36,37) = A convocagiio ~ “ o — “...trazer oferta liberalmente ao Senhor...” — para que 0 povo ofertasse livremente, foi encabegada por Davi. Como lider, ele deu o exemplo de si mesmo, oferecendo de suas riquezas (a maior parte advinda de despojos de guerras) como prova de amor aDeus e a Sua obra (v. 3), orgado em torno de 60 milhdes de d6lares (v.45) ~ Para Davi, Deus era a fonte de todo bem e de toda boa dadiva; ele reconheceu inclusive que se Deus nao Ihe tivesse abencoado (nas guerras e conquistas) nao teria com que ofertar: *...toda esta abundancia... vem da tua mio e € toda tua” (v. 16), neste versfculo, Davi demonstra 0 fundamento das nossas contribuigdes («lizimos ¢ ofertas), ou seja, tudo quanto temos procede de Deus, ¢ no passamos de meros e efémeros despenseiros. Por isso, toda riqueza deve ser usada para honrar e louvara Deus, ou seja, para propiciaro crescimento do Seu Reino na terra. —“Trazer ofertas”: que tipos deveriam ser? A resposta est no versiculo 2, veja: pedras preciosas our, prata, bronze, ferro, madeira e pedra. A qualidade decresce, ¢ também 0 seu valor. Deus prova “os coragdes e... da sinceridade te agradas” (v. 17), e seu interesse esta voltado para a motivagao e a qualidade (0 quanto envolve de sacrificio como o de Abel ¢ aim) de nossas ofertas mais do que para a quantidade delas. —Naconvocagiio de Davi, lemos 0 seguinte: “Quem, pois, est disposto, hoje, atrazer ofertas liberalmente ao Senhor?”, v, 5; grifos do autor, Isto é uma clara indicagao de que Deus é 0 destino, 0 alvo Ultimo das nossas ofertas (nao os sacerdotes, levitas, profetas etc.), boas (liberal) ou mas (por tristeza, necessidade ou constrangimento). CONCLUSAO oferta voluntéria c liberal que agrada a Deus ¢ ilustrada no mandamento dado a Moisés para 0 recebimento de ofertas para a construgio do taberndculo no deserto; veja: “Fala aos filhos de Israel que me tragam oferta; de todo homem cujo coragdo o mover para isso..." (Ex 25.2; grifos do autor). Portanto, ofertar é uma parte da nossa comunhio com Deus (veja Romanos 12.11), Além disso, a Biblia relata: “No zelo, nao sejais temissos...”, em outras palavras, no devemos ser negligentes, preguigosos ou hesitar no cumprimento dos nossos deveres (mordomia) na obra de Deus TEE} 111 strnors pana Topas as ocastors, aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. € opreparou para uma béngdio maiorque estavwreservada para o futuro: Nesse proceso, dacé demonstrou: perseveranga, humildade, muito trabalho, inconformismo, confianga na promessa ¢ fidelidade ao seu pacto; em conseqiiéncia disso, ele obteve entre outras coisas: protegdo. sabedoriae revelagdo divina. SERMAO 53 Cuiescas deniidh Oséias 10.1,2 (ARC) INTRODUCAO © profeta Oséias testemunhou o profundo declinio espiritual vivido por Israel anos antes dasua destruigao pela Assiria (722 a.C.). A nacio desfrutava relativa prospetidade econdmica (v. 1), mas era lastimavel 0 estado da vida religiosa do povo, que misturava 0 culto a Deus com os idolos (Baalismo-—sincretismo religioso). O tema do livro de Oséias gira emtorno da infidelidade de Israel do Norte dalianga, ao concerto com Deus. No aspecto pratico, em foce, esté um tipo tio avarento, muito apegado as coisas mate: eral as coisas de Deus; que divide sua lealdade entre Deus ¢ o mundo, entre o céu ¢ os prazeres desta vida (veja Colossenses 3.15). PROPOSICAO: 0 marerialismo divide a nossa lealdade a Deus. eno I-“ISRAEL E UMA VIDE FRONDOSA...” ~ Oséias usa uma figura da agricultura para ilustrar a condigao de Israel. O termo “vide” (do hebraico: gepen) indica toda e qualquer espécie de videira e traz a imagem de abundancia, paz ealegria (veja Am6s 9.13). Istael era uma “vide frondosa”, ou seja, abengoada, prospera; mas atribuia seu sucesso aoculto a Baal (2.5,8,9). Wauter Bastos, aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. como 0 fizeram os trés hebreus diante de Nabucodonosor (veja Daniel 3.18) € também o missiondrio Paulo: *...nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreirae o ministétio que recebi do Senhor Jesus...” (At 20.24). Estd claro aqui que. na agradavel vontade de Deus, ocrente se entrega completamente e sem reservas ao Senhor. — Segundo Paulo, fazemos algo agradavel diante de Deus quando praticamos a f8 de modo explicito, porexemplo, cuidando dos nossos pais, cOnjuges e filhos com dedicagao: “...filhos ou netos, que estes aprendam primeiramente a colocar a sua religido em pratica, cuidando de sua propria familia e retribuindo obem recebido de seus pais ¢ avés, pois isso agrada a Deus” (1Tm, II - “QUAL SEJA A (...) PERFEITA VONTADE DE DEUS” (GRIFO DO AUTOR). ~ A palavra “perfeita” (1eleion) empregada pelo apéstolo Paulo tem o sentido de algo que chegou ao fim ou ao propésito esperado, esté completo, perfeito (veja Filipenses 3.12). Estamos diante da vontade absoluta e inegocidvel de Deus. ~Adespeito da tigorosidade da Lei, Jesus Cristo declarou que veio para cumpri-lae niio revoga- la (veja Mateus 5.17), entretanto foi no Calvario que Cristo satisfez plena e perfeitamente a vontade de Deus (Joa05.30). ~ Essa dimensdo da vontade de Deus esté acima da capacidade ou de qualqueresforgo humano. Ha muita coisa em nossa natureza que precisa ser arrancada de nds — pela renovacao da mente ~ pois justamente sao elas que nos atrapalham no cumprimento da perfeita vontade de Deus. Porexemplo, a forma de pensar, julgar, falar, agir que normalmente manifestamos diverge do padrdo absoluto de moralidade de Deus; ainda ha muito do velho homem em cada um de nés como: orgulho, vaidade ou vangléria pessoal, arrogancia, mesquinhez, avareza, desobediéneia ete. = Apesar de toda a limitagdio que naturalmente temos — enquanto habitamos neste frigil taberniculo terrestre —. deve ser nossa busca constante o aperfeigoamento da obediéncia, pois a vontade de Deus € a nossa santificacao (veja ITessalonicenses 4.3). Além disso, Jesus Cristo nos ordenou: “Portanto, sede v6s perfeitos (‘e/eioi) como perfeito € 0 vosso Pai celeste” (Mr 5.48). O padrdio moral de Deus deve ser sempre 0 nosso objetivo. CONCLUSAO AMavontade de Deus reside a nossa felicidade. Precisamos vivé-la intensamente com a preciosa ajuda do Espirito Santo (veja Romanos 8.26). Joao ensina em sua primeira epistola que qualquer pedido que fizermos a Deus pode ser atendido, desde que esteja estritamente alinhado com a Sua soberana vontade (1 Joao 5.14). No infcio da nossa fé, aprendemos a cumprir a “boa” vontade de Deus (Hebreus 5. 11-14). Na continuago da vida cristi e por meio da santificagdio passamos a compreender e a obedecer a vontade “agradivel” do Pai. Finalmente, vivendo na plenitude do Espirito, ocrente segue passo a passo, de glériaem gloria, bus “perfeita” vontade de Deus. Wauter Bastos, SERMAO 56 A cwia de Naama 2Res 5.1-15 INTRODUCAO, © episddio da cura c salvagdo de um importante militar sitio (alheio ao Concerto Abraimico) nos chama a aten¢do no tocante ao grandioso alcance da graca de Deus. Seja no lugar e no tempo que for, quem abre o seu coraedo com fé, humildade e total sinceridade para Deus no ficard sem resposta, pois Ele nio faz acepelo de pessoas (vefa 2CrOnicas 19.7) ¢ a todos ama de igual modo (Joao 3.16). PROPOSICAO: A graca de Deus esté disponivel a todos os homens, mas somente os sedentos se apropriam dela. I-NAAMA ERA UM GENERAL RESPEITADO, MAS LEPROSO. ~ O respeito ou a fama de Naami se deve ao fato de ele ser um herdi de guerra. Entretanto, suas conquistas nos campos de batalha nao eram suficientes para tomné-lo feliz, pois foi acometido de uma doenca incurdvel, comumente conhecida por lepra ou hansenfase (infeegdo muito grave provocada pelo bacilo de Hansen). ~As enfermidades nos assaltam por varios motivos, entre eles destacamos: exposicao (alcoolismo, tabagismo, desnutrigdo, sedentarismo, promiscuidade etc.), heranga genctica (paralisia, diversas TEES = 111 strnors rana Topas as ocastors, sfndromes ete.), ataques demonfacos (transferéncias, bruxarias etc.), jufzo sobre o pecado (por exemplo: Geazi - v. 20-27; 1Corintios 5.5) ou “para gl6ria de Deus” (Jo 5.3) ~ Por ser uma doenga muito contagiosa, todo leproso precisa ser mantido em lugar apropriado e distante do convivio dos outros. Nao ha di vida que Naama sofria grande preconceito de seus companheiros, ¢ 0 fato de nao ser aceito produzia uma série de sentimentos negativos, como. depressao, complexo de inferioridade, desejo de vinganga etc. A pior de todas as lepras chama-se pecado, pois ela afasta o homem de Deus (veja Isaias 59.1,2}, mas Jesus Cristo deseja nos purificar dela, por meio do Seu preciso sangue (1Joao 1.7), Se o homem sentisse o mesmo nojo, repulsa, vergonha que tem da doenga fisica pela moral e, sobretudo pela espiritual as igrejas estariam superlotadas © tempo todo. A obra de Cristo no homem Ihe restaura no s6 0 corpo, mas também a paz, a honra, a dignidade, a alegria, a santidade ete, Il - O TESTEMUNHO DE UMA MENINA DESPERTOU A FE EM NAAMA. — Aquela garotinha judia estava servindo na casa de Naam na condig&o de escrava (v. 2 3). Em alguma batalha ela foi capturada para estar ao servigo da mulher de Naama. Todavia, essa condigio humilhante nao Ihe tirou o amore a compaixao pelos que sofrem, pois no seu conselho estd implicit o desejo de ver o seu patriv curado. ~ E inquestiondvel o poder de um testemunho de fé. ‘Todo cristdo renascido deve ser uma testemunha fiel de Cristo (veja Atos 1.8). No lugare na condigao em que estivermos, devemos estar disponjveis para falar do amor de Deus. ~ O ex-endemoninhado de Gadara pediu a Jesus permissio para segui-Lo em Sua jomada, mas o Mestre recusou seu pedido porque tinha outra missao para ele: testemunhar as bén¢dos de Deus a seus parentes e amigos (veja Marcos 5.18,19). —Amenina que testemunhou nos serve de figura da nossa pequenez.e fragilidade, Paulo diz que somos “vasos de barro” que transporta um tesouro valioso (veja 2Corintios 4.7). O poder de Deus flui quando falamos de Cristo com ousadia e convicgao (2Corintios 13.4), Nao somos 0 caminho (que € Cristo — Joao 14.5), mas somos como uma “placa indicativa” do Caminho do céu. Wt - A EXPERIENCIA DE NAAMA REFORCA A OBEDIENCIA. IPORTANCIA DA — O profeta Eliseu ordenou que Naam mergulhasse sete vezes no rio Jordio (v. 10). Este seria o teste de fé para Naami, e se nao fosse pelos seus fiéis companheiros, ele teria sido reprovado (v.13), — O problema do homem esta em questionar ou em ser lento em obedecer Palavra de Deus. Isaias declara que os pensamentos e os caminhos de Deus sio diferentes dos nossos (55.8), ¢ mesmo que nao entendamos nada, é nosso dever obedecer exatamente como fez Pedro na pesca milagrosa (veja Lucas 5.5). —Nas imediagdes de Samaria, Jesus se deparou com um grupo de dez leprosos que o cercaram em busca de cura, entdo o Mestre ordenou: “Ide e mostrai-vos aos sacerdotes” (Le 17.14). O esperado milagre aconteceu quando eles simplesmente obedeceram, pois na seqlléncia o texto diz: “Aconteceu que, indo eles, foram purificados” (Le 17.14). WALrER Bastos aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. ~ A Biblia Viva traduz.o texto em tela em uma linguagem bem simples, veja: “Porque se voces derem receberdo! Suas dadivas voltardo a vocés em medida cheia e transbordante, apertada, sacudida para dar lugara mais um pouco, até derramar. A medida que voces usarem pata dar— grande ou pequena ~ sera usada para medir o que Ihes derem de volta”. A famosa frase “tudo tem um prego” encontra eco nas palavras de Cristo “dai, e dar-se-vos- 4” (v. 38), pois esta em vista a lei da semeadura e da ceifa (veja 2Corintios 9.6,10). Nao é facil dar, na verdade, de um modo ou de outro, todos querem receber, talvez seja por isso que Cristo declarou: “Mais bem-aventurado € dar que receber” (At 20.35). Feliz 6 todo aquele que compartilha - endo amontoa — daquilo que Deus Ihe deu (Provérbios 19.17). pois hd mais poder na mao aberta, do que num punho fechado (autor desconhecido). ~ O verbo grego didomi traduzido por dar, dependendo do contexto também pode signiticar entregar, sacrifiear, coneeder. No caso em tela, 0 ato de dar possui uma aplicagio geral, tanto em nosso relacionamento como préximo (v.36e 37 — com atos de misericérdia, perdio, socorro ete.), quanto também com Deus ¢ Sua obra (v. 40), mas em todos os casos, o compromisso em dar precisa estar sempre embalado pelo amor (veja Jodo 3.16). ~ Dar observando alguns critérios: 1. Deuse a Sua obra deve vir primeiro (veja Mateus 6.33), e esta é uma forma de O honrarmos com nossos bens (Provérbios 3.9,10), a oferta deve ser generosa, regular, com alegria e sempre do melhor (primtcias), como foi a oferta de Abel (Genesis 4.4). 2. Aos homens doamos assim; 2.1, Primeiro aos da familia da fé (Gala 6.10), seguindo prioridades (Romanos 12,13);2.2. No demais ofertamos primeito aos mais necessitados (LJoao 3.17) edepois para aqueles que nos pedirem (Mateus 5.42) I - 0 INVESTIMENTO PRODUZIRA UMA COLHEITA EM DIVERSAS MEDIDAS. ~ Ocapitalismo selvagem ensina que devemos reter 0 maximo que pudermos e gastar © minimo possfvel, mas isto esta préximo da avareza; de outro lado, a Biblia nos ensina que quanto mais dividimos dando, tanto mais receberemos (veja Filipenses 4.15,17). Segundo Cristo, nossas ofertas voltario para nds em diversas medidas: o céntuplo (Marcos 10.30); a trinta,a sessenta ¢ acem por um (Marcos 4.8); e na medida que sobeja que estudaremos a seguir. — 1. “Boa medida” € a tradugio de metron kalon, que na BV aparece como “medida cheia”, indica que sera usado um saco maior para a devolugao. 2. “Recalcada” & a tradugao de pepiesmenon (de piezo — apertar), mas também significa: comprimida, apertada e traz a idéia de pressionarseguidamente com soquete. 3.“Sacudida” foi vertida de sesaleumenon (de saleuo — sacudir), ¢ € o mesmo que mexida, balangada, agitada fortemente em varios sentidos. 4. “Transbordante”, palavra traduzida de uperekchunnomenon, que dé a idéia de algo que sobeja, abundante, sem miséria. Estas expressdes revelam uma pdlida nogio da recompensa que Deus nos dar em resposta As nossas contribuigdes. I - A LEI DA RECIPROCIDADE. — Deus deseja que tenhamos grandes colheitas financeiras (veja Deuteronémio 28.8), mas isto somente tera lugar no exato momento em que entendermos e praticarmos corretamente a lei da semeadura e da ceifa. Jesus afirmou: “porque com a medida com que tiverdes medido vos medirao também’, Nao existe privilégios, “jeitinho brasileiro”, suborno ou coisas do género com 0 assuntos de Deus; ou agimos rigorosamente certo — para prosperarmos — ou vamos nos dar mal se desobedecermos, porque recebemos 0 que plantamos. 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. ~ E presumivel acreditar que Raabe ‘e'seus familiares’estavametemerosos & apavorados = mesmo tendo a garantia dos espias de Josué (veja Josué 2.14) — quando ouviam o som das trombelas, a grande grita dos soldados, o barulho ensurdecedor da queda dos muros, e © pior, 0 grito de pavor dos gue estavam sendo mortos pelo fio da espada (6.21). A bem da verdade, 0 cemor de Raabe no tinha razio de ser, porque Deus cumpre a Sua promessa (Isafas 55.10,1 D. ~ Esse € 0 tipo de receio ou ansiedade improcedente, semelhante & dos israelitas no dia da execugdo da décima praga sobre o Egito (morte dos primogénitos: veja Exodo 12.29.30). Do mesmo modo que o sangue do cordeiro nas ombreiras ¢ na verga das portas dos israelitas (Exodo 12.7,1 3)e ofio escarlata na janela de Raabe (Josué 2.18), assim o sangue de Cristo nos garante a vitdria sobre Satands e todo o inferno (Joao 1.7; Mateus 16.18). CONCLUSAO, © povo de Jericé fechou-se na cidade porque estavam com medo (veja Josué 6.1). 0 medo produz um sentimento de inquietacdo e ansiedade diante de algum perigo real ou imaginétio. Para os habitantes de Jericé o perigo era real, mas para os israelitas o medo niio tinha razao de ser, porque entre eles estava o “...principe do exército do Senhor” (Is 5.14). Quem esta em Cristo é mais que vencedor (Romanos 8.37) e nao deve temer ou viveransioso diante das lutas do cotidiano (Filipenses 4.6; | Pedro 5.7), principalmente“...porque maior é aquele que estéem vos do que aquele que esta no mundo” (1Jo4.4). SERMAO 65 © prece de. perdéie. 2Samuet 24.18-25 INTRODUCAO ‘Unna praga desconhecida veio sobre Israel, ¢ isto ocorreu como consegiiéncia direta do pecado do rei Davi, que por vaidade ordenow a contagem ou o censo do povo judeu, sobretudo dos homens que podiam lutar em uma guerra, Essa atitude precipitada do rei foi uma demonstragdio clara de desconfianga em Deus ou de falta de f€ na agio divina em socorro da nagéo num momento de ataque inimigo. Por esse ato, Davi demonstrou um coragiio diibio, dividido entre a agtio de Deus 0 seu poderio militar. Ele estava pensando como os reis mundanos, 20 mesmo tempo em que estava deixando de se apoiar em Deus, para confiar no niimero, na forga do brago humano (veja Jeremias 17.5). O arrependimento veio tarde demais (v. 10), pois a peste cobriu o pats inteiro, dizimando setenta mil homens do povo, Davi foi aconselhado pelo profeta Gade aoferecer ao Senhor um holocausto, ¢ esse sacrificio somado ao arrependimento do rei foi o preco do perdio de Deus. PROPOSIGCA : Tudo que demanda pouco sacrificio, também vale pouco! Wauter Bastos, aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. aa You have either reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing limit for this book. — Finalizando o versiculo, 0 apéstolo*fala sobre “firmeza ‘da vossa esperanca”’ Quande comparamos esse trecho a outras versdes, notamos o seguinte: “perseveranga da vossa esperanga” (BJ); “paciéncia da esperanga” (ARC); “como € firme a esperanga que mem Jesus Cristo” (BLH); e “perseveranga provenieme da esperanga” (NVI). - Mais uma vez langamos mao do original grego, a fim de observardetalhes; veja: Hupomonés tés elpidos. Em suma, essa firmeza de esperanga, revela ser a capacidade de suportar as coisas com viva esperanga, de modo paciente. Essa capacidade de esperar sem esmorecer é construfda em nés pelo Espirito Santo, que também nos enche de paze seguranea nos lembrando de promessas como: “todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8.28: veja também o versiculo 37). ~ Otermo elpis, traduzido por esperanga, revela mais do que mera perspectiva otimista, e na verdade fala de uma confianga inabalivel na realizagio do que Deus promete em Sua Palavra (exemplo:a vinda de Jesus ¢ anossa reunido com Ele - v. 10). Essa maravilhosa esperanga nos capacita a resistir firme a quaisquer tribulagoes e provas que nos compelem a abandonar o que estamos fazendo para Deus em Sua obra (1Corintios 15.58). CONCLUSAO Como observamos, a vida cristd auténtica 6 aquela que vivemos em e por Cristo, pois 6 Ele mesmo quem inspira o nosso servicode f6, de amor sacrifical e voluntirio e da solidez da nossa esperanca. A condigo de filhos de Deus nao nos permite ficar de bragos cruzados (veja Eclesiastes 11.4), diante de tanta coisa para fazer (Joo 4.35), cabe-nos descobrir nosso dom (Rin 12.4-8) e por maos & obra com fé, amor e perseveranca. SERMAO 72 Cl oxagéo. de Jabez ICRONICAS 4.9,10 INTRODUCAO E fato curioso o autor de 1Cronicas ter interrompido a lista enorme de nomes da genealogia israelita, para inserir um personagem estranho com sua oragdo. Mas tudo tem uma razao de ser. Porexemplo, quando Jacé mudou o nome de seu filho eacula para Benjamim (veja Genesis 35.18), na verdade ele estava desfazendo um ato errado de sua falecida esposa, que em meio a grande dor colocou um nome no recém-nascido (Benoni — filho da minha tristeza) com uma carga moral muito ruim, Com relagao a Jabez — cujo nome também tem um significado ruim — nada foi feito. Do pontode vista da cultura judaica, Jabez j4 nasceu derrotado, porque seu nome significa dor, ou que causa dores. Em vez de ser um perdoador, Jabez alcangou notoriedade por conta de sua estreita comunhio com Deus, Sua oragao tem quatro conceitos espirituais de muita importincia, ¢ que devem servir para modelo do tipo da oragao eficaz que todos devemos fazer. PROPOSICAO: A oragao é capaz de mover a mao de Deus ¢ as sittagoes muda, Wauter Bastos, I- JABEZ INVOCOU 0 DEUS DE ISRAEL, DIZENDO: 1. “Oh! Tomara que me abencoes...” — Jabez estava buscando alguma coi que fagia da capacidade humana, poi aqui empregado tem o sentido de pedir ou dar algo sobrenatural (veja Lucas 9.16). Bliseu fez um pedido extraordinario para Elias, que somente Deus poderia conceder-lhe (2Reis 2.9.10) Abencoat, do hebraico bérak significa: conceder poder para aleangar sucesso, prosperidade, fecundidade, longevidade. Béngao € 0 ato de conceder verbalmente boas coisas. — Emm Provérbios lemos: “A béngao do Senhor enriquece,e, com ela nao traz desgosto” (10.22), portanto, o alvo de Jabez era a bénedo que Deus tinha em mente para ele. Se o Senhor o abencoasse, ele nao se importaria com o que os outros acreditavam ou falavam dele, por conta da maldigio do seu nome. Jesus afirma que quem pede, busca e bate de maneira insistente é abencoado em “tudo” (Le 11.8). 2. “...e me alargues as fronteiras”. ~ Até onde temos ido? Qual tem sido o nosso aleance e influéncia onde Deus nos colocou como vizinhanga, escola, trabalho e ministério? Estamos conformados com o que temos, € 0 que € pior com a mediocridade? Mediocridade é 0 mesmo que: aquilo que € mediano, ordinario, comum. Jabez acreditava que Deus tinha o melhor para ele. —“Fronteira”’ temo sentido de territorio, dominio, poder. Jabez queria fazer diferenga, ter influéncia por Deus (“Em Deus faremos proezas”, isto é: algo incomum, temendo, de valor —S1 108.13). Em que dea da nossa vida precisamos de “alargamento” sobrenatural? Casamento, ministério, negécios? Quem quer estar acima da média? 3. “que seja comigo a tua mao”. — Esta petigaio revela absoluta dependéncia, fala também de vida mareada pela fé. As mulheres que foram ao sepulero de Cristo deram o passo de fé, dependiam da mao de Deus para tirar a pedra (veja Marcos 16.3). Jabez sabia que a suficiéncia, a capacidade para se ter ou ser aquilo que Deus tinha em mente, nao estava nele (2Corintios 3.5). ~Aexpressiio“...a mao do Senhor” (Is 59.1) tem conotacdo com: protegio, livramento, presenca, aprovacao ¢ 0 agir de Deus em favor do Seu povo (veja Atos 11.21). Devemos lembrar que parte da boa nova do evangelho vem pela certeza de que nao estamos s6s (Mateus 28.20). 4.*..¢ me preserves do mal”. ~ Jesus nos ensinou a ora: e ndo me deixes cair em tentagdo, mas liyra-nos do mal” (Mt 6.13). Na expresso “e me preserves do mal”, Jabez faz um pedido a Deus por protegio e livramento dos ardis, armadilhas, dardos e tentagdes do diabo. Est em foco também a busca poruma humildade e dependéncia ainda maior, sobretudo quando a béngao de Deus vier sobre AGs, ou Seja, quando Ele nos “alargar as fronteiras”. = Quem nao quer ficarem “cima do muro”, vai incomodar o inimigo, por isso deve pedir a Deus consciéneia de batalha espiritual (veja Efésios 6.10). O segredo da vit6ria de Jabez esti em buscar em Deus a satisfagdio de todas as suas necessidades. Como vimos, sua ora simples e objetiva. CONCLUSAO so verbo abengoar 1111 SERMOES PARA TODAS AS OCASIOES