P. 1
Platão e o belo

Platão e o belo

5.0

|Views: 8.073|Likes:
Publicado porFabiano Conterato
filosofia do belo ou estética em platão
filosofia do belo ou estética em platão

More info:

Published by: Fabiano Conterato on Mar 23, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/07/2013

pdf

text

original

Fabiano Conterato1 Resenha2 Platão e o belo

³Admitamos pois ± o que me servirá de ponto de partida e de base ± que existe um
3 belo em si e por si, um bom em si e por si, um grande, e assim por diante´ . É este o

dialogo que Platão exige que Sócrates faça no Fédon com Cebes. O belo, o grande e o bom são qualidades que existem de fato, contudo cabe a nós não negá-las. ³Os fenômenos da verdade, do bem e do belo são questões fundamentais do pensamento´4. É neste sentido que Platão, em seu livro III de A República, busca

responder a pergunta o que é o belo, além de questões que envolvam a arte de forma direta, mas para que isto aconteça faz júz e necessário entrar no mundo das idéias para poder responder a esta questão. No mundo das idéias platônicas, o filosofo em questão nos faz entender que para designar o que é belo ou bom é uma questão de estilos, os quais completam, e mais propriamente, nos fazem entender e conhecer a forma dos objetos. Para o filósofo, todo e qualquer objeto possui uma forma de beleza, tanto em sua coloração quanto em seu formato. Platão entende que o belo é semelhante à justiça e a virtude, ou seja, o admirável é apenas um ideal pelo qual o ser humano deveria buscar e alcançar em suas atividades. Contudo o belo aqui referido é o de um único objeto. O filosofo inicia o seu texto afirmando que o belo é apenas a imitação do real, mas que a idéia em si de belo é algo absoluto e eterno, pelo qual não dependeria do próprio objeto que o demonstra para existir, ou melhor, para que a idéia de perfeição exista. Porém a única coisa capaz de poder imitar perfeitamente este belo em questão é a alma humana, que se sente atraída pela sensibilidade das cores, dos sons, que estão expressos em uma música ou gravura. É neste sentido que se pode afirmar que este ideal de belo se encontra além do mundo material, pois é fora deste mundo, onde a alma se encontra, onde a beleza se
Acadêmico do VI nível de filosofia do Instituto Superior de Filosofia Berthier. Trabalho apresentado ao Instituto Superior de Filosofia Berthier para aprovação parcial da matéria de Estética. 3 Trecho retirado da coleção os pensadores. Platão. capitulo 3 p 55. 4 Trecho retirado do site HTTP://www.algosobre.com.br/index2.php?options=com_content&task=vew&id=637&pop=1&page=0 &itemid=59. Acesso em 18 de março 2010.
2 1

transforma em admirável, onde o julgamento humano se é ou não belo, jamais poderá alcançar. Contudo, nem sempre o belo é agradável para todos, ou seja, para alguns o belo pode não ser belo, por tanto tornar-se-á feio. Para Platão as artes, quaisquer que sejam, tem o poder e a capacidade de provocar ilusões a quem a contempla. É neste sentido que para Platão não só a cidade deve estar sob controle o rei - filósofo, mas também a arte, para que as pessoas não fiquem iludidas e esqueçam as suas atividades. O belo para Platão tem a função de conduzir o homem para o mais próximo possível da perfeição, porém o homem não é capaz de desvendar e descobrir o belo, mas o feio.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->