Você está na página 1de 1

Escola Técnica Senador Ernesto Dornelles

HAII – Professora Natércia


Alunas: Claudete, Ilze e Mariani
Arquitetura Rococó

O rococó é um estilo que se desenvolveu principalmente no sul da Alemanha, Áustria e França, entre 1730 e 1780, caracterizado pelo
excesso de curvas caprichosas e pela profusão de elementos decorativos como conchas, laços, flores e folhagens, que buscavam uma
elegância requintada. O nome vem do francês rocaille (concha, cascalho), um dos elementos decorativos mais característicos desse estilo.
O rococó tem como principais características: Cores claras; Tons pastéis e douramento; Representação da vida profana da aristocracia;
Representação de Alegorias; Estilo decorativo; Possui leveza na estrutura das construções; Unificação do espaço interno, com maior graça
e intimidade;Texturas suaves. Existe uma alegria na decoração carregada, na teatralidade, na refinada artificialidade dos detalhes, mas sem
a dramaticidade pesada nem a religiosidade do barroco. Tenta-se, pelo exagero, se comemorar a alegria de viver, um espírito que se reflete
inclusive nas obras sacras, em que o amor de Deus pelo homem assume agora a forma de uma infinidade de anjinhos rechonchudos. Tudo
é mais leve, como a despreocupada vida nas grandes cortes de Paris ou Viena. O estilo colorido e galante predomina principalmente na
decoração do interior de igrejas, palácios e teatros, mas também produz obras inquietantes na pintura e na escultura.
As cúpulas das igrejas, menores que as das barrocas, multiplicam-se. A expressão máxima do rococó na arquitetura palaciana são os
pequenos pavilhões e abrigos de caça dos jardins. Construídas para o lazer dos membros da corte, essas edificações, decoradas com
molduras em forma de argolas e folhas transmitiam uma atmosfera de mundo ideal. Para completar essa imagem dissimulada, surgiam no
teto, imitando o céu, cenas bucólicas em tons pastel. A arquitetura dos irmãos Asam é fundamental dentro do rococó. Em sua série de igrejas
do sul da Alemanha, a decoração se sobrepõe à estrutura e o interior sobre o exterior do edifício, de planejamento mais modesto. O
paradigma do salão rococó é a Kaisersaal do Palácio de Wurzburg, onde a ornamentação chega a um grau de extravagância quase
quebradiça, tamanha a minúcia. Através de ornatos ilusionistas e figuras escultóricas que voam, as paredes
quase desaparecem, num efeito mágico de leveza.
Inaugurado em algumas salas de Versalhes, que desenvolve a sua magnificência em vários edifícios
de Paris (especialmente o Soubise Hotel). Como um marco do rococó bávaro, encontra-se a abadia
beneditina de Ottobeuren, feita pelo arquiteto Baltazar Neumann, arquiteto adepto do Rococó, que entre suas
obras está a Igreja dos Santos na Fracônia com uma exuberante decoração Rococó, e sua obra prima, o
palácio da Residência em Wurzburg, destinado a eclipsar todas as demais residências principescas da
Alemanha, e tem grande semelhança com o palácio de Versalhes, embora seja fundamentalmente
germânico. A estrutura da construção mostra, não apenas a habilidade arquitetônica de seu criador, mas
também sua maestria como escultor e estucador.
Abstrato e assimétrico: Detalhe sobre porta no estilo Rococó - Alemanha

Igreja de Peregrinação de Wies Igreja de Vierzehnheiling Palácio Daun-Kinsky (XVIII)


Dominikus Zimmermann (XVIII) Johann Balthasar Neumann (XVIII) Johann Lucas von Hildebrandt

Palácio de Nymphenburg Palácio de Schonbrunn


Palácio de Weissenstein
Munique - XVIII Viena - XVIII
Baviera, Alemanha - XVII

A Kaisersaal do Palácio de Wurzburg O Palácio do Belvedere - Lukas Von Hildebrandt – Viena